Garrafa ecológica que filtra água SUJA chega ao Brasil
07/12/2017 | 16h12
Sucesso de vendas em todo o mundo, a garrafinha FiltraFit soluciona um problema de saúde pública e também de ecologia
A contaminação da água encanada tem sido um problema recorrente na vida dos brasileiros. Diversas análises e estudos indicam que cada vez mais nossa água apresenta níveis indesejados de substâncias nocivas à saúde, as quais podem causar doenças extremamente graves quando consumidas em excesso.
O que ocorre é que a água da torneia em todos os países do mundo não é confiável e pode trazer substâncias nocivas à saúde, até mesmo as indústrias que comercializam água mineral não são tão seguras assim. Foi pensando nisso que as fabricantes da Filtrafit desenvolveram esta garrafa que está dando o que falar.
Qual a solução?
A solução tem se tornado popular: Filtrafit, uma garrafinha reutilizável com filtro embutido. A ideia é simples: basta encher a garrafa com água da torneira, e à medida que a água passa pelo filtro, ele remove o cloro, metais pesados e outras impurezas presentes na água. O filtro é feito de carvão ativado granulado, que "agarra" as impurezas antes delas entrarem em seu organismo. Para garantir a boa qualidade da água, basta trocar o filtro a cada 300 garrafinhas que você encher - mais ou menos 3 meses, caso use ela todos os dias.
Com a preocupação com o meio-ambiente, cidades como São Francisco nos EUA já baniram a venda de água mineral em garrafas plásticas. Esse é outro ponto em que a Filtrafit se destaca: por ser reutilizável, trocando o filtro você pode continuar usando sempre a mesma garrafa, sem poluir o meio-ambiente. Além disso, já levando em conta a troca do filtro, usar a Filtrafit acaba custando 85% menos do que comprar água mineral no supermercado - é um pequeno investimento que se paga rapidamente.
A Filtrafit também é feita de materiais reciclados e é livre de BPA, um composto plástico muito utilizado na fabricação de garrafas mas que é prejudicial à saúde (o BPA já foi banido na Europa e no Canadá). A Filtrafit utiliza um plástico resistente, tem um formato tipo “Squeeze” fácil de segurar e o tamanho certo para carregar na bolsa ou na mochila.
Diferenciais da Filtrafit:
Design do produto feito nos EUA
Plástico com certificado livre de BPA
Água limpa em qualquer lugar que você vá
Reutilizável: Troque o filtro e use quantas vezes quiser
Compartilhe
Testamos o caríssimo iPhone 10 ou X, custo R$7.600,00; veja
06/12/2017 | 12h37
A Apple lançou neste ano o iPhone X, a maior revolução no design de seus celulares desde o iPhone 6. Com uma tela que cobre a parte frontal inteira do aparelho e um design inteiro de vidro e aço inoxidável, o dispositivo realmente tem o aspecto digno de um celular de US$ 1.000, com o preço sugerido no Brasil chegando aos R$ 7.600. E embora leve algum tempo para se acostumar a navegar pelo seu sistema sem o tradicional botão Home, ele deve ser o aparelho ideal para os fãs da Apple com dinheiro de sobra.
Durante o uso, o aspecto mais notável de seu design é a pequena borda superior que cobre um pedaço da tela. Ela parece um pouco estranha no começo, mas não chega a atrapalhar a usabilidade. Por mais diferente que ela seja, ela deve ser um detalhe de construção com o qual os fãs da empresa se acostumarão rapidamente. A traseira de vidro do dispositivo também é muito bonita, mas acumula muitas impressões digitais, além de ser um ponto de fragilidade.
 
Destravar a tela com a Face ID é tão simples quanto parece. Cadastrar o próprio rosto leva menos de um minuto, e depois que isso é feito, o iPhone X se destrava de maneira automática sempre que detecta que o dono está olhando para ele. O conteúdo de notificações de aplicativos como o WhatsApp também fica escondido até que o dono olhe para o dispositivo, o que também ajuda a espantar bisbilhoteiros. Não tivemos a oportunidade de testar o aparelho no escuro ou em um ambiente externo, mas ao menos na sala em que o testamos, o recurso não deixou nada a desejar.
 
As câmeras sempre são um ponto forte dos iPhones e a do iPhone X é ainda melhor. As lentes dela são capazes de transformar mesmo cenas e objetos corriqueiros em verdadeiras obras de arte. E o celular ainda tem um recurso exclusivo de pós-processamento de imagens que permite alterar as condições de luz delas. Com ele, é possível emular as condições de luz de estúdios fotográficos, por exemplo, e com isso gerar imagens deslumbrantes. Esses recursos também funcionam na câmera frontal do dispositivo, o que permite tirar selfies bem legais.
 
Outro recurso exclusivo do dispositivo são os Animojis, emojis que podem ser animados pelos usuários. O celular faz isso cruzando os dados captados pelo seu leitor facial com alguns modelos tridimensionais de emojis. Com isso, é possível gravar e enviar vídeos de até 10 segundos aos seus contatos. O recurso pode não ser particularmente útil, mas é muito divertido.
 
A maior diferença entre o iPhone X e os outros aparelhos da Apple é a ausência de um botão físico na parte frontal. Sem ele, a navegação pela iOS é feita totalmente por meio de gestos, e leva algum tempo para se acostumar com eles. Alguns deles têm uma diferença bem sutil entre si, e são fáceis de se confundir. Por exemplo: deslizar para baixo a partir do lado direito da tela traz a Central de controle, mas se o mesmo gesto for feito a partir do lado esquerdo, o que aparece é a central de notificações. Leva algum tempo para se acostumar a essas mudanças.
 
Por mais que o iPhone X seja tão diferente, ele ainda é bem parecido com os outros iPhones. Quem estava esperando uma grande revolução nos celulares da Apple talvez fique um pouco decepcionado. Mas mesmo com o pouco tempo que passamos com ele, fica claro que ele é a expressão máxima de alguns princípios de design que a empresa vem perseguindo há anos. E quem quiser ter o melhor iPhone disponível no mercado vai sentir que vale a pena investir nele.
 
 
ModeloiPhone X
ProcessadorApple A11 "Bionic" hexa-core
RAM3 GB
ArmazenamentoDe 64 GB a 256 GB
Tela5,8 polegadas, 1125x2436 pixels
(proporção 19,5 por 9, 458 dpi)
Câmeras traseiras12MP com abertura de f/1.8 +
12MP teleobjetiva com abertura de f/2.4
Ambas com estabilização óptica
Câmera frontal7MP com abertura de f/2.2
Bateria2716 mAh
Compartilhe
WhatsApp fica 30min fora do ar!
01/12/2017 | 12h52
O WhatsApp enfrentou instabilidades na tarde desta quinta-feira, 30, ao redor do mundo. Usuários relataram nas redes sociais não conseguir enviar ou receber mensagens no aplicativo entre 16h e 16h30. O serviço só voltou a se estabilizar por volta das 17h15.
De acordo com o site Down Detector, que monitora serviços e páginas na internet, o aplicativo está apresentando instabilidade em todo o país desde as 16h21. Os principais relatos são de falha geral, problemas no envio de mensagem e também no acesso.
No Brasil, o assunto chegou ao primeiro lugar nos Trending Topics. Além dos brasileiros, usuários de outros países também estão relatando falhas no serviço de mensagem. Até agora, o problema atinge Estados Unidos, Argentina, Uruguai, Finlândia, Chile, Paquistão, Dubai, Índia e México.
Em resposta à publicação do jornal britânico Independent, um representante da empresa comentou a falha. "Usuários ao redor do mundo estão incapazes de acessar o serviço. Nós pedimos desculpas pelo incoveninente e estamos trabalhando para resolver este problema assim que possível.
Ainda de acordo com os usuários, o serviço voltou a funcionar por volta das 17h15 da tarde desta quinta-feira, 30. No entanto, ainda não se sabe o motivo para a falha generalizada do aplicativo. O WhatsApp também não se manifestou nas redes sociais.
Compartilhe
Finalmente: WhatsApp atualiza botão para facilitar gravação de áudio
29/11/2017 | 11h10
Faz um bom tempo que muita gente reclama do botão de captação de áudio do WhatsApp, pois é fácil você escorregar o dedo e ter que iniciar outro registro, principalmente no caso de um recado mais longo. A empresa já havia acenado com uma atualização e ela finalmente aconteceu, juntamente com uma outra novidade, a integração com o YouTube.
A partir de agora, para gravar a mensagem você precisa tocar o ícone e arrastá-lo para cima, para bloquear com um cadeado e poder falar livremente sem ter que ficar pressionando o display. Depois de encerrada sua fala, basta prosseguir para a seta de envio ou deslizar para a esquerda para cancelar. Quem preferir, pode continuar usando do mesmo jeito de antes.
Atualmente é possível ver os vídeos de links e arquivos no reprodutor de conteúdo do próprio dispositivo. O segundo update traz a conexão direta com o YouTube que permite ver o material na própria plataforma, com direito a uma tela menor para você continuar navegando e conversando enquanto ela é exibida.
A distribuição faz parte da versão 2.17.81 do mensageiro e vem sendo feita aos poucos, então é possível que muita gente ainda não tenha recebido por enquanto — principalmente com relação à aplicação do YouTube, que nem mesmo chegou para todos nos Estados Unidos.
by Gustavo Abreu Carvalho
Compartilhe
Migração para TV Digital gratuita, começou a contagem regressiva!
28/11/2017 | 12h49

Migração para TV Digital gratuita tem início em 59 municípios do interior do Rio de Janeiro

Sinal digital de TV aberta oferece mais qualidade de imagem e som à população
Começou a contagem regressiva. Em 28 de novembro de 2018, o sinal analógico de TV será desligado em 59 municípios do interior do Rio de Janeiro e as transmissões dos canais serão feitas apenas pelo sinal digital, que proporciona imagem e som de melhor qualidade, livre de chiados, chuviscos e fantasmas.
O processo é conduzido pela Seja Digital, entidade responsável por operacionalizar a migração do sinal de TV aberta do analógico para o digital no Brasil. Criada por determinação da Anatel, a entidade não governamental e sem fins lucrativos tem como missão informar à população o que precisa ser feito para ter acesso à TV Digital, oferecendo suporte didático, desenvolvendo campanhas de comunicação e mobilização social e distribuindo kits com antenas digitais e conversores para as famílias de baixa renda atendidas pelo Governo Federal.
"Este processo representa um grande avanço tecnológico, pois coloca o Brasil no mesmo patamar de transmissão televisiva de países como Estados Unidos e Reino Unido, que já realizaram o desligamento do sinal analógico", afirma Antonio Carlos Martelletto, presidente da Seja Digital. O executivo reforça que a prioridade da entidade é promover ações didáticas voltadas, principalmente, para o esclarecimento à população sobre a transição, assegurando que todos estejam preparados para o novo momento da TV no Brasil. "Nosso principal compromisso com a digitalização da TV no Brasil é preparar a população para que todos tenham acesso ao sinal digital dos canais de TV aberta", explica Martelletto.
Durante o período de transição, os telespectadores da região que assistem aos canais de TV aberta passarão a ver durante a programação um sinal com a letra "A". Este símbolo indica que o sinal daquela TV é analógico. No dia 28 de novembro de 2018, o sinal analógico será desligado e apenas o sinal digital estará disponível.
O sinal analógico será desligado em cinquenta e nove municípios do estado: Macaé, Rio das Ostras, Volta Redonda, Resende, Nova Friburgo, Teresópolis, Armação dos Búzios, Mangaratiba, Iguaba Grande, Cabo Frio, Miguel Pereira, Angra dos Reis, Itatiaia, Parati, Três Rios, Barra do Piraí, Arraial do Cabo, São Pedro da Aldeia, Barra Mansa, Vassouras, Itaperuna, Campos dos Goytacazes, Saquarema, Araruama, Piraí, Pinheiral, Santo Antônio de Pádua, Mendes, Rio Bonito, Rio Claro, Carapebus, Paraíba do Sul, Miracema, Cachoeiras de Macacu, Italva, Paracambi, Porto Real, Macuco, Areal, São João da Barra, São Fidélis, Paty do Alferes, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Quatis, Engenheiro Paulo de Frontin, Cambuci, São José do Vale do Rio Preto, Aperibé, Rio das Flores, Silva Jardim, Cardoso Moreira, Laje do Muriaé, Sapucaia, São Sebastião do Alto, Varre-Sai, São José de Ubá, Valença e São Francisco de Itabapoana.
Benefícios da mudança
 O desligamento do sinal analógico irá liberar a faixa de 700Mhz para que a oferta de internet 4G possa ser expandida na região. O 4G é uma das tecnologias mais avançadas do mundo, que permite a celulares, smartphones, laptops e tablets acessarem sinal de voz e dados a velocidades muito mais rápidas, até mesmo em ambientes fechados. De acordo com um estudo da GSM Association, esse processo de migração para TV digital pode trazer mais de US$ 5 bilhões ao PIB brasileiro, além de mais de 4 mil empregos.
A TV Digital também oferece uma série de melhorias em relação ao sinal analógico. A transmissão possui qualidade muito superior tanto de imagem quanto de som. Outra questão fundamental são os recursos interativos. Por meio do sinal digital, o telespectador pode ter acesso a conteúdos adicionais como informações de bastidores, galerias de imagens do programa, ofertas de produtos relacionados, previsão do tempo e notícias em texto – tudo gratuitamente e de acordo com as definições de cada emissora.
193 cidades brasileiras já contam com o sinal de TV aberta 100% digital.
 
O sinal analógico já foi desligado em diversas regiões do Brasil. Em novembro de 2016, Brasília se tornou a primeira capital do país a contar com o sinal de TV aberta totalmente digitalizado. Neste ano, foi a vez da região metropolitana de São Paulo, composta por 39 cidades, além das regiões de Goiânia (29 cidades), Recife (14 cidades), Fortaleza (15 cidades), Salvador (20 cidades), Vitória (7 cidades), Rio de Janeiro (19 cidades) e Belo Horizonte (39 cidades). Nessas localidades, mais de 20 milhões de domicílios passaram a assistir os canais abertos de televisão apenas pelo sinal digital, que transmite a programação gratuitamente com imagem e som de cinema. Para cumprir sua missão, a Seja Digital promoveu ações sociais, mutirões de orientação e parcerias com organizações sociais e distribuiu mais de 7 milhões de kits gratuitos com antena digital e conversor com controle remoto.
Em breve, as campanhas de comunicação e as ações de mobilização chegarão ao interior do Rio de Janeiro anunciando o desligamento do sinal analógico dos canais abertos de televisão.
Sobre a Seja Digital
A Seja Digital (EAD - Entidade Administradora de Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais TV e RTV) é responsável por operacionalizar a migração do sinal analógico para o sinal digital da televisão no Brasil. Criada por determinação da Anatel, tem como missão garantir que a população tenha acesso à TV Digital, oferecendo suporte didático, desenvolvendo campanhas de comunicação e mobilização social e distribuindo kits para TV digital para as famílias cadastradas em programas sociais do Governo Federal. Também tem como objetivos aferir a adoção do sinal de TV digital, remanejar os canais nas frequências e garantir a convivência sem interferência dos sinais da TV e 4G após o desligamento do sinal analógico. Esse processo teve início em abril de 2015 e, de acordo com cronograma definido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, mais de 1300 municípios terão o sinal analógico desligado até 2018.
Compartilhe
Como descobrir se alguém parou de te seguir no Instagram sem instalar nada
10/11/2017 | 12h51
O Instagram para possui uma forma nativa de descobrir quem te deu unfollow na rede social. Ideal para quem tem pouco armazenamento no Android ou iPhone, a função ajuda a descobrir facilmente qual amigo te segue de volta. Além disso, trata-se de um método mais seguro, já que não é preciso dar o e-mail e senha da sua conta para serviços de terceiros.
 
Como o Instagram usa a mesma interface no iPhone e Android, o passo a passo a seguir é o mesmo em ambos os smartphones. 
1. Abra o perfil da pessoa no Instagram e toque em “Seguindo”;
2. No topo da tela, há uma barra de pesquisa. Toque sobre ela e digite o seu nome de usuário;
 
3. Caso o seu perfil apareça nos resultados, a pessoa está te seguindo de volta. Do contrário, a pessoa te deu unfollow ou nunca foi seu seguidor;
Compartilhe
Instagram libera transmissões ao vivo com amigos; veja como fazer
25/10/2017 | 16h08
O Instagram agora permite a realização de transmissões ao vivo com amigos. O novo recurso, que começou a ser testado em agosto, foi liberado para a versão 20 do app já disponível no Android e iOS.
 
O novo recurso é uma evolução das transmissões ao vivo introduzidas no ano passado no Instagram. Agora duas pessoas em contas diferentes podem se juntar para transmitir vídeos simultaneamente. A tela é dividida em duas, com cada um dos usuários aparecendo em uma das metades da tela.
Compartilhe
Vem aí mais uma operadora de telefonia móvel virtual no Brasil: MVNO
25/09/2017 | 11h17
O Brasil pode ganhar em breve mais uma operadora de telefonia móvel virtual, desta vez atrelada aos Correios. Através do processo de concorrência da estatal anunciado hoje, as empresas interessadas poderão apresentar projetos de exploração de serviço por meio de rede virtual, sendo que a vencedora deverá atuar a partir de um chip da marca Correios.
 
As propostas devem ser apresentadas até o dia 17 de março e todas as empresas poderão fazer novos lances. As candidaturas serão avaliadas considerando o somatório do maior valor de remuneração dos chips pré-pagos e do maior percentual de comissão pela venda de recargas realizadas. O valor mínimo para que a operadora comece a funcionar é de R$ 282 milhões.
 
Os Correios irão utilizar a infraestrutura de telecomunicações da operadora escolhida, sendo que para entrar na concorrência a candidata precisa estar presente em pelo menos 50% dos municípios brasileiros.
Compartilhe
Facebook está virando lentamente o Orkut
19/09/2017 | 13h58
Um estudo revelou que os adolescentes estão preferindo cada vez mais acessar e interagir no Instagram e no Snapchat ao invés do Facebook. O levantamento consultou usuários de redes sociais na faixa etária dos 12 aos 17 anos e constatou que a audiência desse grupo no Facebook diminuiu à medida que no Instagram e Snapchat tem aumentado.
O estudo projeto que os usuários mensais com idade entre 12 e 17 anos cairão 3,4% para 14,5 milhões de pessoas este ano nos Estados Unidos. O número representa um declínio maior do que no ano passado, quando houve uma queda de 1,2%. De acordo com a eMarketer, este é o segundo ano consecutivo que o Facebook apresenta queda no número de usuários adolescentes no país. No Reino Unido os números são similares, ainda que menos acentuados. Na mesma faixa etária, a projeção de queda neste ano será de 2,8%, enquanto que entre os jovens de 18 a 24 anos a redução será de 3,1%.
Apesar da queda na audiência adolescente no Facebook, a empresa pode comemorar o crescimento deste mesmo grupo no Instagram. Nos Estados Unidos, a previsão da eMarketer é que o aumento seja de 23,8%, enquanto que no Reino Unido o aumento será de 34,8%. Isso faz com que o Facebook ainda detenha grande parte do grupo em seu ecossistema de aplicativos, apesar da clara demonstração de que os jovens estão preferindo um outro tipo de interação quando o assunto é redes sociais.
O estudo ainda apontou dados positivos sobre a ida de adolescentes ao Snapchat. A base de usuários adolescentes do aplicativo nos Estados Unidos está prevista para crescer 25,8% neste ano. No Reino Unido, o aumento de usuários entre 12 e 17 anos deve ser de 20,2% em 2017.
"Nós vemos adolescentes migrando para o Snapchat e o Instagram", afirmou o analista da eMarketer, Oscar Orozco. "Ambas as plataformas encontraram sucesso com este [perfil] demográfico, pois estão mais alinhadas com a forma como se comunicam, ou seja, usando conteúdo visual".
Para Orozco os adolescentes parecem estar menos envolvidos com o Facebook, passando menos tempo dentro da plataforma. Assim, a rede social deve estar mais atenta a mudanças que o público mais jovem está fazendo, já que isso pode impactar no futuro da companhia.
"O Facebook ainda é o grande vencedor das mídias sociais. Mas ficará um pouco preocupado com o fato de as pessoas mais jovens do Reino Unido estarem com a cabeça virada para o Snapchat. Claro, a aquisição do Instagram pelo Facebook suaviza o golpe, e será mais animador ver as perspectivas a longo prazo do Instagram serem melhores do que do Snapchat", finalizou.
Gustavo Carvalho
Compartilhe
Apple revela iPhone 8, iPhone 8 Plus e iPhone X
15/09/2017 | 12h41
São três modelos, sendo duas atualizações, batizadas de iPhone 8 e iPhone 8 Plus, e um aparelho totalmente novo, que possui frente dominada pela tela OLED de 5,8 polegadas e se chama iPhone X. Eles já haviam vazado, mas agora temos as informações oficiais. Vamos a eles?
iPhone 8 e iPhone 8 Plus
Primeiro, vamos para a atualização do iPhone 7. O iPhone 8 e o iPhone 8 Plus possuem traseira de vidro, se parecem bastante com os antecessores e continuam com resistência contra água e poeira, alem dos alto-falantes estéreo. As telas são de 4,7 e 5,5 polegadas e suportam a tecnologia True Tone, que ajusta a temperatura do display de acordo com a iluminação do ambiente.
 Os iPhones 8 são equipados com o processador A11 Bionic. A CPU é hexa-core, com dois núcleos de alto desempenho (25% mais rápidos que os do A10) e quatro núcleos de economia de energia (70% mais rápidos). A GPU, pela primeira vez desenvolvida pela própria Apple, é 30% mais potente que a do A10 e consegue fornecer o mesmo desempenho do antecessor com metade da energia.
A câmera dupla continua restrita ao modelo maior, que conta com sensor duplo de 12 megapixels, sendo uma lente normal com abertura f/1,8 e uma teleobjetiva com abertura f/2,8. O iPhone 8 de 4,7 polegadas tem apenas um sensor com estabilização óptica de imagem. De acordo com a Apple, os sensores são novos, consomem menos energia, capturam mais luz e são otimizados para realidade aumentada.
Embora os formatos dos novos iPhones sejam semelhantes aos da geração anterior, o material da traseira mudou de alumínio para vidro. Por um motivo: o iPhone 8 e o Phone 8 Plus suportam a tecnologia de carregamento sem fio, e são compatíveis com qualquer carregador que suporte a tecnologia Qi, um padrão de mercado também utilizado por outras fabricantes.
O iPhone 8 será vendido nas versões de 64 e 256 GB, com preços de US$ 699 e 849, respectivamente. O iPhone 8 Plus, por sua vez, custará US$ 799 e 949, com as mesmas capacidades de armazenamento. A pré-venda nos Estados Unidos começa no dia 15 de setembro, com as entregas se iniciando em 22 de setembro.
Como esperado, o iPhone X (pronuncia-se “iPhone dez”) é a verdadeira renovação do iPhone. O design é o mesmo que vazou nos últimos meses. Temos uma frente dominada pela tela OLED de 5,8 polegadas, com resolução de 2436×1125 pixels, que a Apple decidiu chamar de Super Retina Display: ela possui densidade de pixels mais alta (458 ppi), brilho mais forte e cores mais precisas.
A Apple aposentou o botão de início. Para ligar o iPhone X, basta tocar na tela. E, para acessar a tela inicial, deslize o dedo para cima, mesmo gesto utilizado para acessar a tela de aplicativos recentes. Não há leitor de impressões digitais: o desbloqueio é feito por meio de reconhecimento facial, o Face ID.
Segundo a Apple, o Face ID funciona com a ajuda de um motor neural, capaz de processar 600 bilhões de operações por segundo. A tecnologia pode reconhecer seu rosto mesmo se você trocar seu corte de cabelo ou vestir óculos, se adapta de acordo com as mudanças do seu rosto ao longo do tempo, e não pode ser enganada por uma foto.
O Face ID, inclusive, promete ser mais seguro que o Touch ID: o sensor de impressões digitais podia ser desbloqueado por outra pessoa aleatória em 1 a cada 50 mil vezes; na câmera de reconhecimento facial, essa probabilidade cai para 1 em 1 milhão. Para funcionar, a nova tecnologia utiliza uma câmera infravermelho e, em ambientes escuros, um iluminador.
O iPhone X também possui outras tecnologias não necessariamente úteis: você pode, por exemplo, colocar máscaras de realidade aumentada em tempo real no seu rosto. Ou enviar, pelo iMessage, um animoji, que é basicamente um emoji animado (pode ser um gato, um cachorro ou mesmo um cocôzinho) capaz de mexer a boca de acordo com a sua fala.
A câmera traseira de 12 megapixels possui duas lentes, uma normal (f/1,8) e uma teleobjetiva (f/2,4), ambas com estabilização óptica de imagem. Há um flash com quatro LEDs para iluminar a cena em cenários noturnos, e é possível filmar em até 4K a 60 quadros por segundo. Já a câmera frontal de 7 megapixels passa a suportar o modo retrato, que desfoca o fundo da imagem.
Internamente, o hardware é parecido com o do iPhone 8. Temos um processador hexa-core Apple A11 Bionic, uma GPU desenvolvida pela Apple e uma tecnologia de carregamento sem fio. Nas conexões, há suporte a LTE Gigabit e Bluetooth 5.0. Mas o mais importante é que, de acordo com a empresa, a bateria dura duas horas a mais que a do iPhone 7. Até que enfim!
O carregador sem fio da própria Apple se chama AirPower e será lançado apenas em 2018, ainda sem preço definido. A principal característica é que ele pode recarregar um iPhone, um Apple Watch e os AirPods ao mesmo tempo. Isso não é oficialmente suportado pela tecnologia Qi, mas a Apple diz que está trabalhando para incorporar o recurso como padrão.
iPhone X
Como esperado, o iPhone X (pronuncia-se “iPhone dez”) é a verdadeira renovação do iPhone. O design é o mesmo que vazou nos últimos meses. Temos uma frente dominada pela tela OLED de 5,8 polegadas, com resolução de 2436×1125 pixels, que a Apple decidiu chamar de Super Retina Display: ela possui densidade de pixels mais alta (458 ppi), brilho mais forte e cores mais precisas.
A Apple aposentou o botão de início. Para ligar o iPhone X, basta tocar na tela. E, para acessar a tela inicial, deslize o dedo para cima, mesmo gesto utilizado para acessar a tela de aplicativos recentes. Não há leitor de impressões digitais: o desbloqueio é feito por meio de reconhecimento facial, o Face ID.
Segundo a Apple, o Face ID funciona com a ajuda de um motor neural, capaz de processar 600 bilhões de operações por segundo. A tecnologia pode reconhecer seu rosto mesmo se você trocar seu corte de cabelo ou vestir óculos, se adapta de acordo com as mudanças do seu rosto ao longo do tempo, e não pode ser enganada por uma foto.
O Face ID, inclusive, promete ser mais seguro que o Touch ID: o sensor de impressões digitais podia ser desbloqueado por outra pessoa aleatória em 1 a cada 50 mil vezes; na câmera de reconhecimento facial, essa probabilidade cai para 1 em 1 milhão. Para funcionar, a nova tecnologia utiliza uma câmera infravermelho e, em ambientes escuros, um iluminador.
O iPhone X também possui outras tecnologias não necessariamente úteis: você pode, por exemplo, colocar máscaras de realidade aumentada em tempo real no seu rosto. Ou enviar, pelo iMessage, um animoji, que é basicamente um emoji animado (pode ser um gato, um cachorro ou mesmo um cocôzinho) capaz de mexer a boca de acordo com a sua fala.
A câmera traseira de 12 megapixels possui duas lentes, uma normal (f/1,8) e uma teleobjetiva (f/2,4), ambas com estabilização óptica de imagem. Há um flash com quatro LEDs para iluminar a cena em cenários noturnos, e é possível filmar em até 4K a 60 quadros por segundo. Já a câmera frontal de 7 megapixels passa a suportar o modo retrato, que desfoca o fundo da imagem.
Internamente, o hardware é parecido com o do iPhone 8. Temos um processador hexa-core Apple A11 Bionic, uma GPU desenvolvida pela Apple e uma tecnologia de carregamento sem fio. Nas conexões, há suporte a LTE Gigabit e Bluetooth 5.0. Mas o mais importante é que, de acordo com a empresa, a bateria dura duas horas a mais que a do iPhone 7. Até que enfim!
O carregador sem fio da própria Apple se chama AirPower e será lançado apenas em 2018, ainda sem preço definido. A principal característica é que ele pode recarregar um iPhone, um Apple Watch e os AirPods ao mesmo tempo. Isso não é oficialmente suportado pela tecnologia Qi, mas a Apple diz que está trabalhando para incorporar o recurso como padrão.
O iPhone X será vendido nas versões de 64 e 256 GB, custando US$ 999 e 1.149, respectivamente (ai!). A pré-venda começa no dia 27 de outubro, e os aparelhos serão entregues aos compradores a partir de 3 de novembro.
By Gustavo de Abreu Carvalho
Compartilhe
Sobre o autor

Gustavo Abreu

[email protected]

Um blog sobre curiosidades, imagens, vídeos interessantes, dicas de filmes, séries, ilustrações, viagens e tudo que está bombando na net.