O mágico universo das crianças
10/10/2020 | 12h17
A pequena Mel, de 7 anos, e sua pintura na quaretena
A pequena Mel, de 7 anos, e sua pintura na quaretena
"É desafiador manter a diversão com tantas privações". A frase é de uma mãe que está há meses se reinventando para que os efeitos da quarentena, provocada pela pandemia do novo coronavírus, não tirem a magia e o colorido da infância de sua filha. Afinal, brincadeira já se tornou um sinônimo de liberdade. Na próxima segunda-feira, dia 12 de outubro, o Dia das Crianças também terá que ser comemorado de forma diferente. As grandes rodas, pula-pula com os amigos, ou as velhas cabaninhas com lençol montadas para dormir em grupo, terão que ficar para depois. Em meio à incerteza e medo enfrentados até mesmo pelos adultos, como fazer deste dia realmente um momento especial? Para o comércio, que tem a data como a terceira maior em vendas, a expectativa é boa e de crescimento para o setor.
Campos entrou na Fase Verde no último dia 28 de setembro e novas adequações do plano de retomada das atividades econômicas e sociais foram feitas. Entre elas, a liberação de eventos em salões de festas com até 50 pessoas, a partir de autorização prévia da superintendência de Entretenimento e Lazer. A entrada de crianças menores de 6 anos nos shoppings centers também foi permita nesta nova etapa.
No entanto, apesar das novas flexibilizações, algumas das opções para aproveitar o Dia das Crianças ainda estão restritas no município, como a utilização de espaços comuns em estabelecimentos. Ou seja, as áreas infantis ofertadas por alguns comércios, que antes era uma forma de atrair o cliente nesta data, não poderão ser utilizadas.
A fotógrafa e funcionária pública Isabela Ferreira Gloss Velasco Nocciolli, de 27 anos, é mãe da pequena Melanie Velasco Nocciolli, de apenas 7. Para ela, o ano tem sido uma reinvenção a cada dia.
– Tivemos que aprender, em pouco tempo, novas formas de interagir com nossas crianças em casa. É desafiador manter a diversão com tantas privações, mas também é muito gratificante ter essa experiencia de nos aproximarmos mais, lembrando o que mais importa no Dia das Crianças, que é o brincar – destacou a fotógrafa.
Apesar da pouca idade, Mel, como é carinhosamente chamada, quando perguntada sobre a expectativa para a comemoração do Dia das Crianças, de uma forma diferente e cheia de cuidados, já sabe descrever em palavras o lado bom e ruim do isolamento social, sobretudo nesta data.
– Eu acho meio ruim, até porque não posso ficar com os meus amigos, meus primos, que eu tenho vários. Mas também estou achando bem legal, porque em casa a gente pode fazer várias coisas que a gente não fazia. Como, por exemplo, pintar. A gente só ficava correndo, brincando, jogando. E a gente não pintava, não brincava de boneca, a gente deixava tudo ali. Ou seja, está sendo bem legal, mas também bem chato. A gente não pode convidar um amigo, ir na pracinha, ou fazer uma festa do pijama, como eu estava planejando para este ano – disse Mel.
Sobre a preferência pelo Dia das Crianças “normal" ou desta forma restrita, a pequena foi enfática. “Normal, porque a gente pode ir na casa da vovó, fazer um monte de coisas, e pintar lá com os nossos amigos. Ou seja, fica tudo mais divertido juntos”, destacou.
Surpresa com a resposta autêntica da filha, Isabela ressaltou: “acredito que ela tenha respondido assim, porque nós estamos tendo mais tempo pra brincar com ela. E, antes, com a correria, muitas vezes, isso não era possível”.
Rodrigo Silveira
Lojistas apostam em aumento nas vendas
A pandemia da Covid-19 afetou não só o comportamento social das pessoas, mas também a rotina do comércio em todo o país, o que impacta diretamente na economia. A Associação Comercial e Industrial de Campos (Acic) acredita que as vendas vão aumentar para o Dia das Crianças, seguindo a tradição de todos os anos. A data é considerada uma das mais importantes do setor, ficando atrás apenas do Natal e do Dia das Mães. Para evitar aglomerações no interior das lojas, o comércio está atento aos protocolos de saúde pública e ainda aposta em ferramentas tecnológicas para a venda de presentes, como whatsApp e redes sociais, que têm sido grandes aliadas dos empresários.
— Este ano, devido à pandemia da Covid-19, as pessoas foram obrigadas a ficar isoladas, principalmente as crianças, que estão em casa sem acesso presencial às escolas, e os pais tiveram que inovar para entreter os filhos, que não puderam viajar, ir ao cinema, shopping, entre outros locais públicos. Com a chegada do Dia das Crianças, é a hora de renovar os brinquedos, já que não sabemos quando a vida volta ao normal. Para atender a esse público exigente, os empresários locais investiram no estoque e principalmente na forma de pagamento, visando atrair o consumidor e fomentar a economia local — comentou o presidente da Acic, Leonardo Castro de Abreu.
Uso da imaginação na escolha do presente
Com as novas flexibilizações e de forma cuidadosa, é possível realizar a famosa procura pelo presente ideal também nas lojas físicas do município. A aposentada Rogéria Gomes Pessanha já está pesquisando no comércio local o que comprar de presente para a única neta, de 3 anos.
“A tecnologia vem conquistando cada dia mais as crianças, mas buscar resgatar brincadeiras antigas, como pula corda, bolinha de sabão, também surpreende as crianças, que, em sua maioria, não conhecem. Estou procurando um brinquedo lúdico, mas que atraia a atenção da minha netinha”, disse Rogéria.
Para evitar que o Dia das Crianças se torne menos divertido para os pequenos e para os pais, a Superintendência do Procon de Campos está fiscalizando, durante toda semana, as lojas que vendem brinquedos e produtos infantis. Nestas visitas, estão sendo observados se os produtos expostos à venda estão com os preços afixados, na vitrine e interior da loja, da forma correta, se possuem selo do Inmetro e indicação de faixa etária, existência de exemplar do Código de Defesa do Consumidor (CDC).
Além disso, neste ano, o Procon também está verificando a existência de barreira sanitária, com álcool em gel 70% e termômetro para verificar a temperatura dos clientes.
 
 
 
 
Compartilhe
Violência doméstica aumenta durante isolamento social
15/07/2020 | 17h39
A violência doméstica é uma triste realidade no Brasil e atinge uma em cada três mulheres. Com o isolamento social indicado pelas autoridades de saúde devido à pandemia da Covid-19, o número pode ser ainda maior, de acordo com relatório da ONU Mulheres, da Organização das Nações Unidas. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o índice de feminicídios avançou 22,2% após o início do isolamento no Brasil. Já as chamadas para o número 180, que é exclusivo para atendimento à mulher, tiveram aumento de 34% em comparação ao mesmo período do ano passado. Em junho, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) lançaram a campanha Sinal Vermelho para a Violência Doméstica, que tem as farmácias e drogarias como locais silenciosos de denúncia para mulheres em situação de violência no país.
O documento da ONU Mulheres, divulgado no mês de abril, mostra que, à medida que as pressões econômicas e sociais, junto ao medo do contágio do vírus, aumentaram, o número de mulheres sofrendo violência em todo o mundo dobrou. Além disso, outro agravante do isolamento é a dificuldade em denunciar o agressor, já que o convívio se intensificou e os meios de pedir ajuda foram diminuídos.
O objetivo da campanha Sinal Vermelho para a Violência Doméstica é oferecer um canal discreto e seguro para que sejam realizadas as denúncias, sem colocar a vítima ainda mais em risco. Com o desenho de um X vermelho nas mãos, a mulher deve sinalizar para algum funcionário da farmácia, que deverá acionar o 190 e relatar à denúncia aos agentes de segurança. No país, cerca de 10 mil estabelecimentos já aderiram à campanha e o CNJ espera que esse número cresça ainda mais.
Em Campos, policiais do 8º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que atuam na Patrulha Maria da Penha, estão mobilizados pela adesão de mais farmácias à campanha. Presidente da OAB Mulher em Campos, Kelly Viter também fez um apelo.
Até o momento, em Campos, apenas as grandes redes de drogarias aderiram à campanha. “A quarentena colocou, especialmente, mulheres e crianças em situações de maior vulnerabilidade dentro da própria casa. Iniciativas como essa ajudam a reverter a situação e salvar vidas. E as farmácias, por representarem um serviço essencial e terem presença maciça em todo o território nacional, podem ser pontos de apoio fundamentais para ajudar as vítimas”, disse Sérgio Mena Barreto, diretor-executivo de uma rede de farmácias.
Tempo integral com agressor preocupa
A presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim) de Campos e coordenadora regional do Movimento Negro Unificado (MNU) no município, Mannuely Ramos, em entrevista ao programa Folha no Ar, da Folha FM, no último dia 7, destacou o aumento da violência doméstica durante o isolamento social apontado pelos órgãos internacionais.
— O agressor está em tempo integral com a sua vítima. Em geral, as mulheres procuravam ajuda justamente quando seus companheiros iam trabalhar, iam para outros espaços. Então, quando ela passa a estar em tempo integral com esse agressor, e por diversas razões, como o desemprego, que a gente sabe que aumenta, ou quando o agressor trabalha em home office, enfim, essas diversas possibilidades e prejuízos que a pandemia traz, vai também acarretar nesse maior tempo da vítima com seu agressor, com um consumo maior de álcool e outras drogas. Tudo isso é determinante para que esse índice de violência doméstica e familiar aumente — explicou.
Segundo ela, através de dados oferecidos pela Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam), em Campos, de 6 de março deste ano, até 6 de junho, foram feitos 118 registros presenciais na unidade, 16 autos de prisão em flagrante, cinco cumprimentos de mandados de prisão preventiva e 16 registros de ocorrências online.
Compartilhe
Celebrações em tempos de pandemia
23/05/2020 | 13h59
Festa de Nossa Senhora Auxiliadora
Festa de Nossa Senhora Auxiliadora
Celebrar e estar junto. Nunca se falou tanto em encontros, comemorações e abraços. O mundo não clamava por afeto há tempo. Desde o advento das redes sociais, a presença física foi se tornando cada vez mais incomum. Mas, mesmo vivenciando a geração da tecnologia, celebrações ainda careciam de calor humano. Comemorar uma data importante ainda precisava ser um momento dividido com outras pessoas e dentro de um mesmo espaço. Contudo, em tempos de isolamento social para conter o avanço da pandemia da Covid-19, se reinventar tem sido uma forma de resistência para manter viva as comemorações. Tradicionalmente no mês de maio, os festejos em homenagem a Nossa Senhora Auxiliadora, realizados pelo Censa e Isecensa, também se adaptaram às ondas virtuais neste ano, assim como tantas outras celebrações. Já a Sociedade Musical Lyra de Apollo, que completou 150 anos no dia 19, lembrou a data com uma faixa que decora o prédio localizado na Praça do Santíssimo Salvador.
A comunidade educativa das instituições Censa e Isecensa não deixou a fé e a devoção serem interrompidas. Neste domingo, 24 de maio, dia de Nossa Senhora Auxiliadora, a grande Festa de Maria, que reúne centenas de pessoas no grande ginásio de esportes, desta vez, percorre as ruas de Campos. A partir das 16h, a imagem de Nossa Senhora Auxiliadora estará levando bênção às famílias, que, a pedido da organização, deverão permanecer em suas janelas, portas ou sacadas, acenando com lenços brancos e velas.
Festa de Nossa Senhora Auxiliadora
Festa de Nossa Senhora Auxiliadora
— Não poderíamos deixar a data passar em branco, principalmente quando passamos por tempos difíceis. Queremos agradecer, orar e suplicar a proteção de Nossa Senhora — disse Elizabeth Landim, vice-diretora das instituições.
Apostando na tecnologia, a Novena de Maria aconteceu através das redes sociais. Iniciada no dia 15 de maio, alunos, pais e comunidade participaram das celebrações, transmitidas da Capela do Censa via Instagram e Facebook.
Diretora-geral do Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora, Irmã Rosa Idália Pesca destacou a importância da união para se reinventar nas homenagens a Nossa Senhora Auxiliadora: “Mantivemos a tradição de 95 anos celebrando de forma diferente, mas unidos num só coração”.
Pedindo a proteção de Maria, os temas foram divididos em intenções relacionadas à pandemia: força e gratidão aos profissionais de saúde e serviços essenciais, saúde aos enfermos e população, resiliência e fé. A tradicional coroação de Maria aconteceu ao final das celebrações virtuais, nas casas dos alunos, cada um demonstrando sua devoção e todos unindo forças em oração.
150 anos da Lyra de Apollo
150 anos da Lyra de Apollo
Também grande exemplo de resistência em Campos, a Sociedade Musical Lyra de Apollo comemorou o sesquicentenário de uma maneira simples, mas com grande representatividade. Uma faixa estendida na sede da entidade trouxe em palavras o que eles sempre proferem em notas musicais.
— Sonhamos muito com o 19 de maio de 2020. Desde 2012, iniciamos uma grande campanha para revitalizar nossa sede, devastada por um incêndio no começo de década de 1990. Com imensa luta, nossa casa, antes dada como inutilizada, começava a renascer. Nessa jornada, a grande emoção se deu em 2018, quando realizamos o sonho de voltar a usar o segundo pavimento do imóvel, após a reconstrução da escada que dava acesso a ele — relembra o presidente da Lyra de Apollo, maestro Ricardo Azevedo.
Conquista recente, a Lyra de Apollo agora possui uma tecnologia que permite a distribuição de partituras via internet, mantendo as atividades entre os músicos durante a quarentena. Ainda assim, a celebração para comemorar os 150 anos de história é aguardada ansiosamente.
— Após o período de isolamento social, teremos nosso momento de festejar com uma bonita apresentação e o nosso tradicional bolo de aniversário. Será especial, assim como cada momento que a banda tem vivido nos últimos 30 anos — enfatizou o maestro.
  • Luiza Auler Lazzarotto comemora os 10 anos com festa virtual

    Luiza Auler Lazzarotto comemora os 10 anos com festa virtual

  • Luiza Auler Lazzarotto comemora os 10 anos com festa virtual

    Luiza Auler Lazzarotto comemora os 10 anos com festa virtual

Mesmo com a pouca idade, a pequena Luiza Auler Lazzarotto também se reinventou e planejou comemorar os seus 10 anos através de um encontro virtual. No dia 18 de maio, Luiza convidou os amigos da escola para uma sala virtual. Em sua casa, com a família, a comemoração ainda teve uma surpresa. O grupo de amigos da igreja também se reuniu para a festa online, que a pequena disse ter sido um momento feliz, mas difícil pela falta de abraços.
— Foi a primeira vez que o meu aniversário foi diferente. Era o único jeito de comemorar, pelo menos eu tentei”, destacou Luiza, acrescentando: “quando tudo isso passar, a primeira coisa que eu quero fazer, é dar um abraço na minha avó”.
Luiza Auler Lazzarotto comemora os 10 anos com festa virtual
Luiza Auler Lazzarotto comemora os 10 anos com festa virtual
Compartilhe
Novas mães em meio à pandemia
09/05/2020 | 15h09
Vitória Viana e o pequeno Conrado
Vitória Viana e o pequeno Conrado
Gerar por nove meses uma vida e ser responsável por apresentar o mundo para ela. Viver numa linha tênue entre lágrimas de felicidade e o choro tragado de preocupação. Ser apreciada como exemplo de força, vigilância e proteção. Quando o mundo assiste ao nascimento de uma criança, ele também contempla a criação de uma mãe. Em meio a uma pandemia, vivenciar o sublime dessa nova história, passar pelo puerpério e imaginar o futuro do seu filho são os maiores desafios enfrentados por essas novas mães, que já podem ser incluídas em uma lista de heroínas prediletas. Neste domingo (10), o mundo terá novas homenageadas. O Dia das Mães, motivo de grandes encontros e muitos abraços, neste ano, será celebrado de forma intimista e aconchegante: dentro dos lares, que estarão rodeados de um novo amor em tempos de pandemia de coronavírus.
Quando se descobre uma gravidez, um turbilhão de sentimentos toma conta da mulher. Alegria, medo e insegurança se misturam à ansiedade. No entanto, os cuidados passam a ser redobrados e a saúde passa a ser prioridade na vida da gestante. Em seguida, os primeiros planos começam a ser desenhados em sua mente: o nome, a cor preferida ou até mesmo a profissão. As mães são capazes de pensar em centenas de milhares de sonhos para o filho.
Embora as puérperas, mães de primeira viagem, vivenciem o novo todos os dias, atualmente, o seu maior desafio também é vivido por todo o mundo, a pandemia da Covid-19. Entretanto, assim como os recém-nascidos, por questões imunológicas, elas fazem parte do grupo de risco, se tornando vulneráveis ao novo coronavírus.
Vitória Viana e o pequeno Conrado
Vitória Viana e o pequeno Conrado
Jovem e cheia de planos, Vitória Viana deu à luz no último dia 22. O pequeno Conrado nasceu no Hospital Plantadores de Cana, em Campos, referência em maternidade na região. Para a empreendedora, de apenas 23 anos, um dos momentos mais críticos da gestação aconteceu em fevereiro, quando surgiram os primeiros casos de Covid-19 no Brasil.
— Tudo mudou. Eu tinha planos de celebrar a chegada do meu filho, com ele ainda na barriga, reunindo amigos e familiares. O chá de fraldas com data marcada e as lembranças da maternidade, tão detalhadas por mim, não podiam mais acontecer. Além disso, ainda sem muita notícia sobre a doença, o meu maior medo, na época, eram as consultas, que eram semanais no final da gravidez. Já em isolamento, no momento de fragilidade, também surgiram dúvidas em relação ao parto, se seria permitido visitas. Mas, como medida preventiva do hospital, pude ter apenas um acompanhante. Hoje, em casa, os cuidados são minuciosos – contou Vitória, acrescentando “meu filho chegou ao mundo e ainda permanece sem conhecer muitas pessoas importantes para mim”.
A psicóloga Millena Rios com o filho Théo
Felicidade que se mistura ao medo e solidão
Os dias de quarentena, medida indicada para evitar o contágio e combater à pandemia da Covid-19, podem revelar sintomas não físicos e extremamente preocupantes. O medo e a solidão sofridos nesse período se tornaram consequências do novo coronavírus. Psicóloga e também mãe de primeira viagem, Millena Rios, de 32 anos, define o cenário atual como angustiante. Quando deu à luz ao Théo, que está com cinco meses, o Brasil ainda não vivia o surto da doença. Entretanto, a profissional de saúde revela que outros problemas se agravaram com o isolamento, como o atraso nas vacinas recomendadas para os recém-nascidos, para evitar o contágio de diversas doenças, o que potencializou a preocupação das novas mães.
— Como mãe de primeira viagem, a gente tem muitas dúvidas e questionamentos, junto ao medo do desconhecido. A necessidade do carinho e da atenção se torna maior por conta das inseguranças enfrentadas. E, de repente, você se vê “sozinha”. É uma mãe ou uma tia que faz parte do grupo de risco, não podendo sair de casa e estar próximo após o nascimento do bebê. As visitas de amigos que também não podem acontecer. Em um quadro clínico, a depressão pós-parto, originada por um estresse constante de não saber agir e da insegurança do futuro, acentuada com a falta de afeto, que talvez seja o ponto principal desse grave problema”, destacou a psicóloga.
A psicóloga Millena Rios com o filho Théo
Compartilhe
Mês de Maria: Mãe de Deus, Maria Mãe de todos nós, Maria Clara
07/05/2020 | 14h41
Maio é o mês do amor. Mês das Mães. Mês de Maria.
Sim, de Maria mãe de Deus, Maria de Nazaré, Virgem Maria. Pede a Mãe que o Filho atende: foi assim que nasceu Maria. Maria Clara, a nossa Maria Linda, sobretudo do Enzo.
Ainda dentro do ventre, Maria, que tem nome bem-aventurado, já viveu a inconstância de um mundo aflito. Contudo, ela tem nome de rainha: rainha que avança como aurora. No princípio, antes do sol chegar, ela nasceu.
Maria nasceu para renovar o mundo, em especial, o nosso mundo. Dias cinzas não existem mais. Dias com lágrimas? Sim, vão ter vários. Mas, serão cheios de cores rosas, felicidade e muito AMOR.
Maria, sua dinda te ama, te espera e te deseja um mundo lindo. Os seus papais, Kissila e Igor, já são leões e estão prontos para batalhar por cada sorriso seu, assim como fazem com o seu irmão.
Seja bem-vinda ao mundo, Maria, no mês da Santa Maria, no mês das Mães, você transforma todos os nossos corações!
Compartilhe
Prefeitura interdita acesso ao Morro do Itaoca após aglomeração
19/04/2020 | 22h06
Mesmo com as diversas medidas restritivas adotadas pela Prefeitura de Campos para evitar a propagação do novo coronavírus no município, dezenas de pessoas se aglomeravam neste domingo (19) no Morro do Itaoca. Fotos e vídeos circulam pelas redes sociais e demonstram o descaso dos campistas com as recomendações de isolamento social da Organização Mundial de Saúde (OMS). O município registra, até a noite deste domingo, um óbito, 40 casos positivos de Covid-19, além de 45 suspeitas. Em nota, a Prefeitura de Campos informou a interdição do acesso ao local.
As imagens foram compartilhadas por diversos perfis nas redes sociais, que demonstraram revolta com a situação. Além disso, o local é bastante procurado por pessoas que praticam atividades físicas e, consequentemente, prezam pela saúde. No entanto, no momento, a ida ao local e a concentração de pessoas, vai contra os cuidados recomendados pela OMS. 
De acordo com o município, após as denúncias de aglomeração no morro, a Guarda Civil Municipal esteve atuando no local. O secretário de Desenvolvimento Ambiental, Leonardo Barreto, informou, em nota, "que, devido ao grande número de pessoas que têm ido à APA do Itaoca neste período de isolamento, vai interditar a subida ao morro. Uma portaria será publicada nos próximos dias e visa evitar aglomeração no local. A orientação é que as pessoas fiquem em casa para evitar o contágio do novo coronavírus".
Compartilhe
Campistas cantam nas sacadas na quarentena
25/03/2020 | 17h47
Exemplo de amor e empatia. Em um período de privação, até mesmo de necessidades básicas como trabalho, consultas médicas, sobretudo do lazer e momentos com a família, moradores de diferentes bairros de Campos estão indo para as sacadas dos prédios ou varandas de casas para transmitir esperança através da música, aliada importante para superar situações difíceis, já que libera dopamina, neurotransmissor relacionado ao prazer e humor, gerando a sensação de bem-estar. Na região da Pelinca, área central do município, uma talentosa voz tem feito a alegria dos moradores do bairro, que vão para as janelas com luzes e vibram ao som da voz calma e doce. Sempre criativo, o brasileiro se sobressai pela forma de colorir os dias cinzas. Em algumas sacadas, luzes de diferentes cores, vistas em festas e boates, foram colocadas para animar o momento. Casais, idosos e crianças dançam para enfrentar os desafios da quarenta e lutar contra o vírus que tem assustado todo o mundo.
Ao final da apresentação, muitas palmas, gritos eufóricos e muitos agradecimentos, além de dezenas de vozes ecoando #TamoJunto. A cantora, que além de dividir o seu talento com os vizinhos, traz um repertório diferente a cada dia, encantando todas as gerações. 
O município de Campos tem, até o momento, apenas um caso confirmado da doença e segue investigando outros 16. No Brasil, 2.433 pessoas foram diagnosticadas com a doença, que matou 57 pessoas no país, seis delas no Estado do Rio de Janeiro, que tem 305 casos da Covid-19 confirmados.
Os números assustam e aumentam todos os dias. Nas redes sociais, campanhas pedem que todos fiquem em casa, sigam as normas de higienização, além de ter cautela na hora de procurar uma unidade hospitalar, evitando aglomeração e a proliferação da doença.
Além disso, como forma de ocupar o tempo, acalmar a mente e cansar o corpo, profissionais de diversas áreas estão realizando lives no Instagram e Facebook. Aulas de ginástica, cursos profissionalizantes, shows musicais e teatro são algumas das opções. As igrejas, que tiveram que suspender suas celebrações após decreto do Governo do Estado, também continuam com seus atos de fé através da internet. 
A Itália é considera o epicentro da pandemia do coronavírus e já registrou um número alarmante de casos confirmados e mortes. São 69.176 mil pessoas infectadas com a doença e 6.820 mil óbitos no país. Apesar disso, os italianos também deram exemplo de união, mesmo separados, e cantaram em suas janelas e sacadas durante todos esses dias. 
Compartilhe
Prefeitura de SJB divulga shows do Verão 2020
26/12/2019 | 15h32
Confira a programação das atrações nacionais que estarão agitando o litoral de São João da Barra:
 
Compartilhe
Ragha leva dança à escola no Setembro Amarelo
11/09/2019 | 18h01
  • Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

    Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

  • Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

    Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

  • Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

    Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

  • Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

    Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

  • Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

    Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

  • Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

    Ragha na Escola (Foto: Joseli Matias)

A dança como ferramenta de inclusão e transformação. Essa é a proposta do Ragha, que, depois de conquistar as comunidades por onde passou levando entretenimento e saúde, agora também compartilha conhecimento e vivências em instituições de ensino de Campos, com o “Ragha na Escola”. Bullying, depressão, autoestima e respeito às diferenças estão sempre entre os assuntos abordados no bate-papo com os alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Os integrantes do Ragha contam suas experiências, carregadas de aflições e conquistas, e encorajam outros jovens a darem seus testemunhos. E, não poderia ser diferente, cada visita às instituições é encerrada com muita dança.
Hoje de manhã foi a vez do Colégio Estadual Doutor César Tinoco, em Santa Cruz, receber o time do Ragha, liderado pelo dançarino e coreógrafo baiano Alirio Menezes. Dezenas de estudantes, acompanhados de professores e coordenadores, participaram das atividades na quadra esportiva da escola, em evento de conscientização do “Setembro Amarelo”.
A missão foi dada pela professora Francisca Sales aos alunos da turma de correção de fluxo, que não decepcionaram. A exposição de cartazes e outros trabalhos, a exibição de vídeos e o encerramento da programação pela prevenção ao suicídio, com a apresentação de dança, tiveram participação maciça dos alunos e renderam elogios dos educadores e convidados. E o convite ao Ragha partiu exatamente desses alunos.
— A minha professora pensou em fazer o evento com o intuito de estimular a felicidade em toda a escola, já que temos casos de vários alunos, inclusive da minha idade, que já pensaram em suicídio. Tivemos alguns casos de jovens se cortando, se mutilando. Fizemos esse evento para incentivar todos os alunos aqui da escola a procurarem ajuda e a recorrerem a atividades como a dança, que faz bem para o corpo e para a cabeça — ressaltou o aluno Marcos Davi, 14 anos.
Também integrante do grupo que organizou o evento, o estudante Iago da Glória, de 13 anos, acredita que a dança tem o poder de ajudar no tratamento da depressão. “A gente pensou em chamar o Ragha, que vem ajudando muitos jovens e fez muito bem a vários alunos aqui hoje. Alguns que já pensaram em suicídio ou já se machucaram. A dança acalma e alegra”.
— Estou trabalhando com eles o tema “Setembro Amarelo” desde a semana passada, abordando os sintomas e os casos de suicídio que vêm acontecendo em Campos. E na nossa escola, em um universo de cerca de 350 alunos, precisamos falar sobre o tema. Inclusive, temos vários casos de jovens que enfrentam a depressão e chegam a se automutilar — comentou a professora Francisca.
Integrante do Time Ragha, João Victor Ribeiro de Souza, o “Sorriso”, fala sobre a experiência de levar sua história a outros jovens. “O Ragha na Escola, na minha opinião, é um dos projetos mais audaciosos que desenvolvemos, onde tenho a oportunidade de passar para outros jovens a transformação que a dança fez na minha vida, de falar sobre as várias oportunidades, dos novos horizontes que o Ragha vem me proporcionando e mostrar o quanto é importante acreditar nos sonhos, além, é claro, de levar muita dança para as escolas. E o mais gratificante é o carinho dos alunos com a gente”.
Compartilhe
Flash Folha 1
05/06/2019 | 20h01
Compartilhe
Sobre o autor

Channa Vieira

[email protected]