Ponto Final: "Hora de ajudar o município"
- Atualizado em 01/05/2019 13:31
Marcão aos deputados
“Fiz dobrada com João Peixoto (DC), Gil Vianna (PSL) e Rodrigo Bacellar (SD) na campanha de 2018. Eu candidato a deputado federal e eles, a deputado estadual. Os três se elegeram com apoio direto ou indireto do governo Rafael (Diniz, PPS). E eles pactuaram não com o prefeito, mas com o povo de Campos, que a prioridade seria ajudar o município neste momento difícil, de queda na receita dos royalties e com a dívida de R$ 2,4 bilhões herdada da gestão Rosinha (Garotinho, hoje Patri). A hora é de ajudar o município, não de antecipar 2020”. O alerta foi feito ontem pelo secretário de Desenvolvimento Humano e Social, Marcão Gomes (PR).
 
 
Apoio do governo
Diferente de eleições municipais anteriores, quando chegou a se lançar como pré-candidato a prefeito, João hoje caminha para apoiar Rafael em 2020. Mas Gil e Rodrigo cogitam se lançarem a prefeito em 2020. O primeiro de maneira mais firme, enquanto o segundo parece oscilar entre o tubo de ensaio da pré-candidatura e o apoio a Caio Vianna (PDT). Aos três deputados, Marcão lembrou: “Em 2018, todos tiveram apoio de vereadores da base liberados. João, teve de Jorginho Virgílio (PRP); Gil, de Neném (PTB) e Zé Carlos (DC); e Rodrigo, do seu pai Marcos Bacellar (PDT), que pode ajudá-lo com a estrutura que teve do governo”.
 
 
Prioridade
Ex-presidente da Câmara Municipal, Marcão não chegou a lembrar que seu sucessor Fred Machado (PPS), em entrevista de 3 de abril à Folha FM 98,3, advertiu os vereadores governistas que planejem “costear o alambrado” em 2020. Para o hoje secretário, é natural que a discussão política ocorra no próximo ano. Mas tanto aos deputados estaduais eleitos com apoio do governo, quanto aos vereadores da base, Marcão disse que o momento é de pensar em gestão, não em política. “É ao município, não ao Estado ou à União, que o campista recorre para ter saúde e educação. É na população que temos que pensar agora”, priorizou.
 
 
Dia D
O Dia D de vacinação contra a gripe, em Campos, acontece neste sábado com uma estratégia especial. Segundo a diretora de Epidemiologia, Roberta Lastorina, em todo o município serão disponibilizados 55 pontos, sendo 43 salas de vacina e 12 postos volantes. O atendimento nas unidades será de 9h às 16h, exceto na localidade de Palmares, de 9h às 13h e do Boulevard Shopping, das 13h às 19h. Até ontem, mais de 19 mil pessoas já tinham sido imunizadas contra a gripe no município.
 
 
Reação
O corte de verba do Ministério da Educação (MEC), inicialmente, para três universidades federais — Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (Ufba) — gerou reações de políticos, entre eles o deputado federal campista Wladimir Garotinho (PSD). O deputado classificou a decisão como absurda, representando um retrocesso e que merecia ser questionada: “Não se pode tomar decisões políticas porque determinada categoria não lhe apoiou ou porque não concorda com suas posições ideológicas. A liberdade já custou caro demais aos brasileiros”.
 
 
Estendeu
A questão da liberdade foi levantada porque o corte foi anunciado somente para três faculdades. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, comentou o corte de verbas: “Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”. À noite, a TV Globo informou que quadro se desenha ainda pior. A solução encontrada contra a reação negativa sobre o caso de três universidades, foi informar que o bloqueio de 30% na verba das instituições de ensino federais vai valer para todas as universidades e todos os institutos.
 
 
Milionário
Como hoje é feriado, não vai acontecer o sorteio da Mega-Sena. O sonho de ficar milionário fica para amanhã, quando a loteria vai pagar R$ 125 milhões a quem acertar as seis dezenas do concurso 2.147. Este é o 18º maior prêmio da Mega-Sena já sorteado na história. O prêmio empata com o mesmo valor acumulado que já foi sorteado em dezembro de 2015. Entre concursos regulares, sem contar Mega da Virada, o prêmio de R$ 125 milhões é o 9º maior da história.
José Renato
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS