Wladimir e Clarissa vão a encontro da bancada fluminense em apoio a Lira
20/01/2021 | 18h31
Wladimir, Arthur Lira e Clarissa Garotinho
Wladimir, Arthur Lira e Clarissa Garotinho / Divulgação
O prefeito de Campos Wladimir Garotinho (PSD) e a irmã, a deputada federal Clarissa Garotinho (Pros), participaram de uma reunião da bancada fluminense na Câmara Federal em apoio ao candidato a presidente da Casa Artur Lira (PL). O encontro, nesta quarta-feira (20), aconteceu no Palácio Guanabara, juntamente com o governador em exercício Cláudio Castro (PSC), e depois prosseguiu para uma churrascaria no Rio de Janeiro.
Além de parlamentares, alguns prefeitos também estiveram presentes. Wladimir Garotinho foi eleito deputado federal em 2018 e deixou o cargo no final do ano passado para assumir o Executivo campista. Durante a campanha, Wladimir afirmou por diversas vezes que, por causa da crise econômica do município, um caminho seria buscar recursos em Brasília e, para isso, os deputados têm a caneta nas mãos para encaminharem emendas do orçamento federal para a região.
Arthur Lira, por sua vez, vem rodando o país em busca de apoios dos deputados para a eleição à presidência da Câmara. Ele tem a irrestrita contribuição de Jair Bolsonaro (sem partido) para a disputa de Lira contra Baleia Rossi (MDB), que é o candidato do atual presidente Rodrigo Maia (DEM).
Tanto o PSD de Wladimir como o Pros de Clarissa já declararam apoio à candidatura de Lira. Nas redes sociais, a filha do ex-governador Anthony Garotinho tem explicitado sua preferência ao deputado alagoano.
Compartilhe
PDT, PSC e PSD ficam com presidências de três comissões na Câmara de Campos
18/01/2021 | 17h08
Depois de definir os integrantes das 25 comissões, os integrantes também votaram e elegeram seus respectivos presidentes. PDT, PSC e PSD foram os partidos que acumularam a maior quantidade de comissões, com três para cada um. O PSD, do prefeito Wladimir Garotinho, também tem a maior bancada da Casa, com quatro parlamentares, e também tem o presidente do Legislativo, o vereador Fábio Ribeiro.
Como decidido no dia da sessão extraordinária que reconheceu o decreto do Executivo de calamidade financeira, no dia (aqui), o PSD ficou com a presidência da principal comissão, a de Constituição e Justiça (CCJ), com Kassiano Tavares. Além dele, o grupo também é composto por Dandinho de Rio Preto (PSD) e Bruno Pezão (PL), todos vereadores de primeiro mandato.
Além da CCJ, o PSD também ficou com a presidência das comissões de Fiscalização, com Alvaro Oliveira, e de Agricultura, Pecuária e Políticas Rural, Agrária e Abastecimento, com Dandinho de Rio Preto.
Já o PDT passa a liderar as comissões de Defesa dos Direitos Humanos, com Leon Gomes; Direitos da Mulher, com Marquinho do Transporte; e Defesa da Juventude, com Luciano Rio Lu. Enquanto o PSC terá as presidências das comissões de Finanças e Orçamento e a de Ética, com Pastor Marcos Elias; e da Defesa da Educação, com Maicon Cruz.
Compartilhe
Campos vai receber 11.330 doses da vacina contra Covid-19
18/01/2021 | 11h11
Divulgação
A Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou que Campos vai receber 11.330 doses da CoronaVac, uma das vacinas contra Covid-19 aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para uso emergencial no país e produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo. Com os números da contaminação em alta e com aproximadamente 511 mil habitantes, o município vai receber mais doses do que Duque de Caxias, que possui mais de 800 mil habitantes.
Nesta segunda-feira (18), a Prefeitura de Campos retroagiu para a fase laranja, com proibição do funcionamento de bares e restaurantes por uma semana, por causa dos números em alta da Covid-19 (aqui).
Ao todo, o Governo do Estado anunciou que vai enviar 31.610 doses da CoronaVac para os 22 municípios do Norte e Noroeste Fluminense. Além de Campos, as cidades que vão receber as maiores quantidades são Macaé, com 6.242 doses; Itaperuna, com 2.040; São João da Barra, com 1.400; Carapebus, com 1.310; Santo Antônio de Pádua, com 1.300; e Bom Jesus do Itabapoana, com 1.240. (continua após o mapa)
A Secretaria de Estado de Saúde confirmou, ainda, que das 11.330 doses reservadas para Campos, 5.391 (34%) serão para os profissionais da saúde, nove pessoas com mais de 65 anos e uma pessoa com deficiência, totalizando 5.400 pessoas imunizadas. Lembrando que, para a imunização completa são necessárias duas doses, com a segunda aplicação em até 28 dias depois da primeira.
Confira os números de doses por município:
Compartilhe
Governador se reúne com montadoras de veículos para evitar debandada
14/01/2021 | 20h41
O governador Cláudio Castro esteve nesta quarta-feira (13) com representantes da Jaguar/Land Rover. Ele se movimenta no sentido de ampliar relações e evitar que grandes montadoras saiam do Rio, como ocorreu com a Ford, que encerrou suas atividades em São Paulo, Bahia e Ceará.
Esta foi a primeira de uma série de reuniões com montadoras que possuem fábricas e geram 8 mil empregos no estado.
Investimento e contratações - No encontro a multinacional inglesa informou que avalia investir até R$ 19 milhões em 2021 e contratar mais 400 funcionários.
Compartilhe
Jô de Ururaí é o quarto suplente a assumir mandato em 13 dias na Câmara
13/01/2021 | 17h05
Jô de Ururaí toma posse na Câmara
Jô de Ururaí toma posse na Câmara / Divulgação
Apenas 13 dias após a posse, a Câmara de Campos tem a quarta mudança em sua composição. O presidente da Casa, Fábio Ribeiro (PSD), convocou e empossou, nesta quarta-feira (13), o suplente Jô de Ururaí (Podemos), que passa a ocupar o lugar de Diego Dias (Podemos), nomeado novamente pelo prefeito Wladimir Garotinho (PSD) na subsecretaria municipal de Turismo.
Jô de Ururaí recebeu 1.136 votos e é o segundo suplente do Podemos. O partido conseguiu a reeleição de Cabo Alonsimar na última eleição, com 2.459 votos, mas o vereador se licenciou para assumir a secretaria municipal de Segurança Pública.
Diego Dias é o primeiro suplente da legenda, com 1.591 votos recebidos, e também chegou a ser nomeado na subsecretaria de Turismo anteriormente, mas deixou o cargo para assumir o mandato na Câmara e participou da votação que reconheceu o estado de calamidade financeira decretado pelo Executivo (aqui).
Além de Alonsimar e Diego, também migraram para a Prefeitura os vereadores Igor Pereira (SD), na presidência da Fundação Municipal da Infância e Juventude (FMIJ), e Fred Rangel (PSD), para a secretaria de Serviços Públicos. Para seus lugares, foram convocados Beto Abençoado (SD) e Alvaro Oliveira (aqui).
Compartilhe
Ex-secretário de Obras de Campos se torna vice-presidente do DER
11/01/2021 | 20h26
Cledson Bittencourt
Cledson Bittencourt
O engenheiro Cledson Bittencourt ocupou, durante os quatro anos do governo do ex-prefeito Rafael Diniz (Cidadania), a secretaria municipal de Obras em Campos. Apesar das críticas a sua atuação à frente de uma das pastas mais importantes da Prefeitura, Cledson conseguiu chegar à vice-presidência do Departamento de Estradas e Rodagens (DER) do Governo do Estado.
Cledson é bem relacionado e chegou ao cargo após indicação do novo presidente do órgão que cuida das rodovias estaduais, o engenheiro civil Luiz Roberto Pereira de Souza.
Nessa segunda-feira (11), Cledson e Luiz Roberto se reuniram com os diretores de Obras e Conservação do departamento, além dos chefes das vinte Residências de Obras e Conservação (ROCs). O encontro foi um balanço geral das últimas demandas e atividades realizadas pelo órgão na malha rodoviária do estado.
Compartilhe
Câmara reconhece, por unanimidade, decreto de calamidade financeira em Campos
08/01/2021 | 16h08
Câmara vota decreto de calamidade financeira
Câmara vota decreto de calamidade financeira / Divulgação - Câmara de Campos
Por unanimidade, a Câmara de Campos reconheceu, na tarde desta sexta-feira (8), o decreto de calamidade financeira publicado pelo prefeito Wladimir Garotinho (PSD) um dia antes no Diário Oficial (aqui). Wladimir justificou a medida drástica por causa da crise fiscal encontrada na Prefeitura. De acordo com ele, existe uma dívida R$ 500 milhões de dezembro, sendo R$ 106 milhões apenas para o pagamento do servidor municipal, e somente R$ 2,9 milhões em caixa.
Com isso, a Prefeitura passa a ter a possibilidade de agilizar procedimentos sem cumprir, temporariamente, determinações da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), como o limite de despesas com pessoal. O decreto vale por 180 dias e as secretarias também ficam autorizadas a adotar medidas excepcionais necessárias à racionalização de todos os serviços públicos essenciais.
Líder do governo, Alvaro Oliveira (PSD) destacou a dificuldade financeira do município e culpou o governo anterior. “Como todos sabemos, a LRF autoriza estado de calamidade para que o município tenha mais facilidade de captar verbas estaduais e federais, que é o caso que precisamos. As dívidas deixadas, de início, são de R$ 106 milhões com os servidores. Não devemos, como foi a tônica do governo passado, governar olhando para trás. O retrovisor é para ver o perigo que passou e o que está vindo, mas olhando para frente. Somos governo para quem mais precisa e foi abandonado por quatro anos. Só na Saúde, foram gastos R$ 3,1 bilhão. Em qual saúde? Isso representa 45% do arrecadado nos quatro anos. Não devemos ficar focados, mas mostrar os erros e trabalhar para o futuro”.
Único vereador de oposição, Marquinho Bacellar (SD) também votou favorável e destacou que vai fiscalizar os recursos obtidos. “Mesmo sendo oposição, venho mostrar a todos que sou uma oposição coerente. Entendo que Campos vive a maior crise da história, mas não podemos deixar de fiscalizar cada recurso. Estamos dando um cheque em branco e precisamos fiscalizar. Ouvi muitas vezes que Campos tinha dinheiro e faltava gestão, então vamos trabalhar. A culpa da crise não é apenas do último governo. Sempre que for para o bem de Campos, contem com nosso grupo, comigo e com meu irmão, o deputado estadual Rodrigo Bacellar”.
Ao final da sessão, o presidente da Casa Fábio Ribeiro chamou a atenção para a necessidade de união política. “Os vereadores estão entendendo que é importante a união de todos os agente políticos do nosso município para o benefício da população. É uma matéria importante e necessária porque o governo não sabe o que tem de recursos e dívidas do governo anterior, mas sabe o que está aí, com uma folha de pagamento de dezembro sem pagar, metade do 13º sem pagar, insumos nas áreas de Saúde e Educação que são urgentes, serviços que têm de ser prestados. A união de todos fez com que essa votação fosse de forma unânime. É importante esse projeto para que a gente possa estar fazendo o dinheiro novo, captando recursos necessários para nosso município”.
Em um trecho do decreto, o prefeito justifica a decisão dizendo “que foram encontrados nos cofres municipais recursos insuficientes capazes de dar quitação ao 13º salário e a folha salarial mensal referente ao mês de dezembro, entre outras despesas orçamentárias básicas para o funcionamento mínimo do serviço público”.
Em outra parte, o texto diz: “que o Poder Executivo, nos últimos três anos, mesmo ciente da determinação do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, não se adequou à proibição de utilização dos royalties para pagamento de dívida e do quadro permanente de pessoal, a contar do dia 1º de janeiro de 2021”.
Wladimir disse, na quinta-feira, que houve maquiagem dos dados financeiro do município e relatou dificuldade para pagamento do salário dos servidores. “Destruíram os sistemas de controle interno, maquiaram os números nas prestações de contas ao tribunal, pagaram e reconheceram dívidas dos amigos do poder no apagar das luzes. Deixaram de pagar parte do 13º e o salário de dezembro, somando 106 milhões de dívidas com os servidores, mas só encontramos 2,9 milhões disponíveis para honrar tal compromisso”.
Compartilhe
Câmara define integrantes das comissões e Kassiano é eleito presidente da CCJ
08/01/2021 | 15h28
Kassiano Tavares
Kassiano Tavares / Divulgação
Na primeira sessão desta sexta-feira (8), o presidente da Câmara de Campos, Fábio Ribeiro (PSD), apresentou a composição de todas as 25 comissões que compõe o Legislativo goitacá. Na mais importante, a de Constituição, Legislação, Justiça e Redação Final (CCJ) foram escolhidos apenas vereadores de primeiro mandato, sendo Kassiano Tavares (PSD) eleito o presidente e Dandinho de Rio Preto (PSD) o vice. Já na comissão de Orçamento e Finanças, Pastor Marcos Elias (PSC) foi eleito presidente e Maicon Cruz (PSC) como vice. 
As demais comissões ainda irão realizar eleição interna para decidir seus respectivos presidentes e vices.
Confira as composições das comissões:
Constituição, Legislação, Justiça e Redação Final (CCJ)
Kassiano Tavares (PSD) - presidente
Dandinho de Rio Preto (PSD) - vice
Bruno Pezão (PL)
Pastor Marcos Elias (PSC) - presidente
Maicon Cruz (PSC) - vice
Helinho Nahim (PTC)
 
Obras e Serviços Públicos
Rogério Matoso (DEM)
Marquinho Bacellar (SD)
Alvaro Oliveira (PSD)
 
Fiscalização
Alvaro Oliveira (PSD)
Thiago Rangel (Pros)
Fred Machado (Cidadania)
 
Defesa do Consumidor
Anderson de Matos (Republicanos)
Fred Machado (Cidadania)
Juninho Virgílio (Pros)
 
Direitos Humanos e Minorias
Leon Gomes (PDT)
Marquinho do Transporte (PDT)
Silvinho Martins (MDB)
 
Meio Ambiente
Nildo Cardoso (PSL)
Thiago Rangel (Pros)
Beto Abençoado (SD)
 
Defesa do Trabalhador
Diego Dias (Podemos)
Kassiano Tavares (PSD)
Nildo Cardoso (PSL)
 
Transporte
Thiago Rangel (Pros)
Juninho Virgílio (Pros)
Marquinho do Transporte (PDT)
 
Legislação Participativa
Abdu Neme (Avante)
Beto Abençoado (SD)
Kassiano Tavares (PSD)
 
Defesa da Criança
Beto Abençoado (SD)
Abdu Neme (Avante)
Anderson de Matos (Republicanos)
 
Direitos da Mulher 
Marquinho do Transporte (PDT)
Luciano Rio Lu (PDT)
Diego Dias (Podemos)
 
Direitos do Idoso
Marquinho Bacellar (SD)
Leon Gomes (PDT)
Luciano Rio Lu (PDT)
 
Direitos das Pessoas com Deficiência
Raphael Thuin (PTB) - presidente
Leon Gomes (PDT)
Bruno Vianna (PSL)
 
Agricultura
Dandinho de Rio Preto (PSD)
Nildo Cardoso (PSL)
Pastor Marcos Elias (PSC)
 
Defesa da Pesca
Bruno Pezão (PL)
Pastor Marcos Elias (PSC)
Dandinho de Rio Preto (PSD)
 
Defesa da Saúde
Marcione da Farmácia (DEM)
Abdu Neme (Avante)
Anderson de Matos (Republicanos)
 
Defesa da Educação
Maicon Cruz (PSC)
Helinho Nahim (PTC)
Marcione da Farmácia (DEM)
 
Petróleo e Energia
Helinho Nahim (PTC)
Marcione da Farmácia (DEM)
Marquinho Bacellar (SD)
 
Defesa da Juventude
Luciano Rio Lu (PDT)
Bruno Vianna (PSL)
Maicon Cruz (PSC)
 
Defesa dos Desportos
Bruno Vianna (PSL)
Bruno Pezão (PL)
Raphael Thuin (PTB)
 
Ciência e Tecnologia
Fred Machado (Cidadania)
Silvinho Martins (MDB)
Rogério Matoso (DEM)
 
Desenvolvimento Econômico e Turismo
Juninho Virgílio (Pros)
Rogério Matoso (DEM)
Raphael Thuin (PTB)
 
Serviços Concedidos
Silvinho Martins (MDB)
Alvaro Oliveira (SD)
Diego Dias (Podemos)
 
Comissão de Ética
Pastor Marcos Elias (PSC)
Alvaro Oliveira (PSD)
Anderson de Matos (Republicanos)
Compartilhe
Thiago Rangel protocola pedido para abertura de CPI do Transporte
08/01/2021 | 12h35
Thiago Rangel
Thiago Rangel / Divulgação
O vereador Thiago Rangel (Pros) protocolou, na Câmara de Campos, o pedido de abertura da CPI do Transporte para investigar atos do Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT) durante a gestão do ex-prefeito Rafael Diniz.
— Protocolei hoje nesta casa o pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, que conta com 10 assinaturas, para que possamos apresentar para a população todos os atos do Felipe Quintanilha à frente do IMTT. A covardia feita por esse rapaz que pensa que é um gestor não pode ficar impune. Nós iremos responsabilizar todos os covardes que maltratam o povo campista nos últimos anos — afirmou Thiago.
Por outro lado, Quintanilha – que ocupou a presidência do IMTT no governo Rafael –, afirmou que respeita a posição do vereador e que todos os dados e documentos de sua gestão estão à disposição. "O vereador mencionado fala disso de antes mesmo de ser empossado. Não sei qual o objetivo ou intenção, mas respeito a expressão de vontade do referido, que diga-se de passagem, conheço desde a época em que ele esteve à frente do Detro na região, onde tive a oportunidade de vê-lo em ação. Quanto ao objeto da CPI, todos os dados, documentos e afins referentes ao meu período na presidência do órgão, deixando claro que minha atuação no IMTT era sem ônus para o órgão e para municipalidade, estão à disposição de todo e qualquer cidadão, incluindo as dezenas de audiências públicas realizadas ao longo de 2018 e 2019".
Além de Thiago, também assinaram o pedido de abertura os vereadores Juninho Virgílio (Pros), Bruno Pezão (PL), Fred Rangel (PSD), Maicon Cruz (PSC), Dandinho de Rio Preto (PSD), Raphael Thuin (PTB), Bruno Vianna (PSL), Nildo Cardoso (PSL) e Kassiano Tavares (PSD).
Este já é o segundo pedido de abertura de CPI protocolado no Legislativo goitacá. Nessa quinta-feira (7), Juninho Virgílio conseguiu 11 assinaturas de colegas que querem a instalação da CPI da Saúde.
Caberá, agora, ao presidente da Câmara, Fábio Ribeiro (PSD), publicar o ato em Diário Oficial e atribuir os membros da CPI do Transporte Público.
Compartilhe
Juninho Virgílio consegue assinaturas para abrir CPI da Saúde na Câmara
07/01/2021 | 19h39
Juninho Virgílio
Juninho Virgílio / Divulgação
O recesso da Câmara de Campos termina em fevereiro, mas além da sessão extraordinária marcada para esta sexta-feira (8) para analisar o decreto de calamidade financeira do município, os trabalhos dos novos vereadores continuam nos bastidores. E o parlamentar Juninho Virgílio (Pros) anunciou nas redes sociais que conseguiu o número suficiente de assinatura dos colegas para a abertura de uma CPI para investigar a Saúde durante o governo do ex-prefeito Rafael Diniz (Cidadania).
Esta já era uma demanda da bancada de oposição durante a última legislatura, mas que não foi à frente porque havia outras CPI protocoladas na Casa ao mesmo tempo. "Não queremos promover uma caça às bruxas. O que queremos é saber como e onde o dinheiro da Saúde foi gasto porque tem faltado de tudo nos hospitais e nas Unidades Básicas. Essa foi uma das principais demandas que ouvi dos meus eleitores durante a campanha e não poderia deixar de saber o que aconteceu", disse o vereador.
De acordo com Juninho, o documento já possui as assinaturas dos vereadores Dandinho de Rio Preto (PSD), Bruno Pezão (PL), Bruno Vianna (PSL), Kassiano Tavares (PSD), Anderson de Matos (Republicanos), Pastor Marcos Elias (PSC), Luciano Rio Lu (PDT), Leon Gomes (PDT), Maicon Cruz (PSC) e Thiago Rangel (Pros), além do próprio Juninho. Ao todo, são necessários nove parlamentares para que a comissão seja instalada.
De acordo com o vereador, Rogério Matoso (DEM), Helinho Nahim (PTC), Marquinho do Transporte (PDT) e Raphael Thuin (PTB) já teriam o procurado também demonstrando a intenção de assinar o documento.
Colega de Juninho no Legislativo, o vereador Abdu Neme (Avante) chegou a ser secretário de Saúde durante a última gestão. O blog não conseguiu contato com o ex-secretário e com Rafael Diniz até o momento.
Compartilhe
Sobre o autor

Aldir Sales

[email protected]