Ministério da Saúde investiga três casos suspeitos de coronavírus no Brasil
28/01/2020 15:05 - Atualizado em 28/01/2020 19:12
Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta
Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta / Divulgação/Agência Brasil
O Ministério da Saúde anunciou na tarde desta terça-feira (28) a notificação de dois novos casos suspeitos do coronavírus 2019-nCoV em Porto Alegre (RS) e em Curitiba (PR). Mais cedo, o governo havia noticiado a investigação de um caso em Belo Horizonte (MG). A situação elevou o nível de atenção para alerta de perigo iminente para a presença do vírus no Brasil. De acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, uma estudante de 22 anos que esteve na China está internada, em Belo Horizonte, em observação. O ministério informou, ainda, que os dois pacientes do Sul do país se enquadram na definição de quadro suspeito estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com febre, pelo menos um sinal ou sintoma respiratório e possível contato com a doença nos últimos 14 dias.
Uma das preocupações são as portas de entrada do país, aeroportos e portos, como o do Açu, que recebe navios chineses. O assunto foi abordado na coluna Ponto Final dessa segunda-feira (27). A Prumo logística informou que já toma medidas preventivas.
Em nota, a administração do Porto do Açu informou que “os procedimentos para controle do coronavírus são conduzidos pela Anvisa e são os mesmos adotados para outras doenças, sendo, portanto, já estabelecidos e seguidos pelos portos brasileiros. O Porto do Açu atua em conformidade com os protocolos definidos pela agência reguladora, visando a segurança de suas operações e da comunidade local, e continuará acompanhando o assunto junto às autoridades responsáveis”.
Em entrevista coletiva para falar sobre as medidas tomadas pelo governo para evitar a entrada do vírus no país, o ministro da Saúde disseque o que muda é o grau de vigilância nessa fase.
— Aumenta a nossa vigilância de portos e aeroportos, triagem de pacientes, o uso de determinado equipamentos de proteção, mas o nosso foco principal nesta fase é a vigilância — disse Mandetta,
Caso em BH — A estudante brasileira esteve em viagem para a cidade de Wuhan no período de 29 de agosto de 2019 a 24 de janeiro deste ano. A paciente está em observação e, de acordo com o ministro, o estado dela é estável. Caso a infecção por coronavírus seja confirmada, o nível de alerta no país sobe para emergência de saúde pública nacional, quando há a possibilidade de o vírus já estar em circulação no país.
— Ela está em isolamento, e os 14 contatos mais próximos estão sendo acompanhados. O nome, por motivos óbvios, não deve ser divulgado, por respeito à pessoa, a seus familiares e sua privacidade — disse o ministro.
De acordo com dados apresentados na coletiva do Comitê de Operações de Emergência do Ministério da Saúde, no período de 3 a 27 de janeiro foram analisados 7.063 rumores de pessoas com coronavírus, dos quais 127 exigiram a verificação mais detalhada. Dessa verificação, 10 casos se enquadraram inicialmente na definição de suspeitos. Desses, nove foram descartados, e o único caso tratado como suspeito é o da paciente internada em Belo Horizonte.
(A.N)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS