Campanhas Publicitárias dos Governos e o interesse da população.
José Geraldo 24/03/2017 21:55 - Atualizado em 24/03/2017 22:00
Durante os governos passados, da Rosinha, várias campanhas publicitárias foram veiculadas em jornais e nas redes de televisão de Campos e Região, em especial na GLOBO e na RECORD, que sabemos ser muito caros seus horários, principalmente nos chamados NOBRES.
Até aí tudo seria normal e correto. Só que não. E por quê ?
Porque as normas legais e Constitucionais, como o Princípio da Moralidade entre outros, só admitem o gasto com propaganda publicitária pública, quando o assunto é de EXCLUSIVO INTERESSE DA POPULAÇÃO, e não de mera propaganda dos feitos do governo, o que era comum nos governos da Rosinha.
Querem um exemplo do que se pode afirmar ser uma campanha publicitária de interesse público, ou da população?
Uma campanha informativa que fosse feita pela Secretaria Municipal de Saúde de Campos e de outras Prefeituras, esclarecendo:
•a importância da vacinação da febre amarela, seu prazo de duração, os locais de vacinação;
• os cuidados que são obrigatoriamente tomados pelos responsáveis de suas Secretarias, com o treinamento dos agentes especiais dado o risco de operar com um vírus ainda vivo e apenas amortecido ou atenuado;
•Por quê apenas 11 polos de vacinação foram disponibilizados em Campos, o maior município em extensão do RJ, o que obriga pessoas idosas e mães com crianças a passarem dificuldades e longas filas de espera, além de grandes deslocamentos apenas para pegar suas senhas para voltar pra vacinar, no interior e nos distritos;
• do risco de desenvolvimento eventual da febre amarela vacinal, aquela que o indivíduo desenvolve a partir da vacinação e o índice de mortalidade médio da doença, entre 5% e 40%;
• quais seriam os riscos para os idoso e por quê a exigência da autorização médica e como o governo iria resolver a dificuldade de disponibilizara as consultas obrigatórias ;
•Qual o risco imediato que nossa população corre e porquê já estão sendo vacinadas preventivamente e por aí vai...
A médica epidemiologista responsável pela Divisão de Epidemiologia na Secretária de Saúde de Campos, especialista no assunto, esteve na Câmara Municipal nessa quarta-feira última, tratando do tema FEBRE AMARELA EM CAMPOS por convite do vereador ABÚ, mas pouco esclareceu os assuntos acima questionados, e para uma pequena platéia pouco resolutiva e sem nenhum eco na população, até porque pouco afeitos aos verdadeiros interesses da população.
Taí uma campanha onde o dinheiro público seria bem gasto e justificável e claro, depois de uma licitação bem transparente e que contemplasse empresas locais, à exceção da do próprio Superintendente de Comunicação de Campos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS