Os selos de Ruy Castro
paulavigneron 16/11/2016 14:29
No final no ano de 2014, a jornalista e escritora Heloísa Seixas, após reunir memória e ficção baseadas na vida do marido, Ruy Castro, lançou o livro “O Oitavo Selo”, da editora Cosac Naify. O título faz uma referência a um dos grandes cineastas do século XX, o sueco Ingmar Bergman, que levou às telas angústias e dúvidas existenciais com o filme “O Sétimo Selo” (1957), no qual um cavaleiro visa atrasar os planos da Morte por meio de um jogo de xadrez.
Cada selo da história de Ruy Castro se refere a uma parte do corpo do jornalista: sangue, nariz, fígado, língua, coração, sexo e cérebro. Os capítulos narram a proximidade do homem com a morte em sete diferentes ocasiões, tanto como personagem ou quanto protagonista. Os relatos mesclam a forte realidade aos delicados toques literários de Heloísa Seixas.
A narrativa é iniciada a partir das memórias de Heloísa Seixas, que retrata um fato da vida do casal em um hospital. Em sequência, são feitas construções do passado, rememorando a infância de Ruy Castro, fase em que já era possível notar o vínculo do jornalista com algo que permearia toda a sua vida: ficção, seja por meio da literatura ou do cinema.
A importância da escrita para o homem, como é tratado na história, é destacada por Heloísa como uma forma de ele se desvencilhar das dores e do temor da morte. Ela compreende o ato de produção ininterrupta como uma maneira de ele saber que deve permanecer vivo por ter trabalhos a concluir, principalmente no momento em que enfrenta um câncer e, paralelamente, escreve “Carmen: uma biografia”, sobre a artista portuguesa Carmen Miranda, lançada em 2005.
Assim como o cavaleiro do longa-metragem de Bergman, vivido pelo ator Max von Sydow, utiliza o tabuleiro de xadrez para adiar a morte, Castro joga com as palavras, na literatura e no jornalismo, para escapar do pânico gerado por ela. “O cavaleiro, então, tentando ganhar tempo, convida a Morte para um jogo de xadrez, que vai decidir se ele vai ou não com ela. A Morte concorda, sabendo que vai ganhar. Mas o cavaleiro joga porque não tem outro jeito. Ele precisa jogar. O jogo é a única possibilidade, mesmo que passageira, para driblar a Morte.”
As opções pela não-linearidade do quase romance, como classifica a própria autora, e por unir a escrita a depoimentos seus e do protagonista tornam a leitura fluida e passível de criar mentalmente, a partir dela, pequenas cenas, sem que o leitor se sinta confuso pela troca repentina de cenários, personagens e enredos.
Em “O Oitavo Selo”, a descrição é um dos elementos-chaves da obra de quase ficção. No entanto, predomina não a descrição de elementos que compõem o cenário, visando ambientar o leitor, e sim a de sentimentos e sensações, proporcionando ao receptor envolvimento pleno com a narrativa.
Escrever sobre memórias, sendo essas quase ou completamente reais, é uma das características da escritora que, em 2007, publicou “O lugar escuro – Uma história de senilidade e loucura”, pela editora Objetiva. No livro, Heloísa remonta o convívio com a mãe, debilitada pelo Mal de Alzheimer, sempre com zelo descritivo e linguagem envolvente, também marcantes em sua mais recente obra.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Sobre o autor

    Paula Vigneron

    pazevedo@fmanha.com.br

    BLOGS - MAIS LIDAS