MPF denuncia Eike e Cabral por corrupção
10/02/2017 15:45 - Atualizado em 11/02/2017 14:36
Divulgação
Eike Batista / Divulgação
Divulgação
O ex-governador Sérgio Cabral / Divulgação
O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou, em resultado da Operação Eficiência, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral e o empresário Eike Batista nesta sexta-feira (10). Segundo os procuradores, a pena de Eike pode chegar a 44 anos e a de Cabral a 50, caso eles sejam condenados em todos os crimes que respondem. Além deles, outras sete pessoas foram denunciadas.
Eike responde a dois crimes de corrupção ativa e um de lavagem de dinheiro. Já Cabral responde por dois atos de corrupção passiva, dois de lavagem de dinheiro, além de um de evasão de divisas e outro de organização criminosa. A legislação brasileira, porém, limita o cumprimento de pena a 30 anos.
O MPF investiga dois pagamentos suspeitos feitos por Eike Batista ao ex-governador. O primeiro deles, de US$ 16,5 milhões, se refere a uma falsa compra de mina de ouro. Outro, revelado nesta sexta, seria de R$ 1 milhão a ex-primeira dama e mulher de Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo. O escritório de advocacia dela teria recebido a propina numa simulação de prestação de serviços através da EBX, uma das firmas do conglomerado do empresário.
De acordo com os procuradores, ainda não é possível dizer quais obras seriam facilitadas com o pagamento destes valores. "Não estamos vinculando o pagamento de propina a um empreendimento específico. Havia uma série de interesses do empresário no Estado, então esse pagamento de propina era para comprar apoio e atos decisórios do governo que poderiam beneficiar interesses da EBX", diz o procurador Rafael Barreto.
O pagamento a Ancelmo foi feito através de transferência bancária. Segundo os investigadores, advogados que trabalhavam no escritório há anos disseram que jamais haviam prestado serviço para a empresa. Em operação de busca e apreensão no escritório, também não foram encontrados documentos relativos à empresa de Eike, segundo o Ministério Público Federal do Rio.
Fonte: G1

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    BLOGS - MAIS LIDAS