Fidelense Henrique Serra chega em segundo no Desafio do Galo Brabo de Mountain Bike
16/09/2021 | 21h16
Esta foi a primeira prova de Henrique na categoria elite
Esta foi a primeira prova de Henrique na categoria elite / Reprodução/Facebook
Disputando a sua segunda competição, a primeira na categoria elite, o ciclista fidelense Henrique Serra foi vice-campeão do 2º Desafio do Galo Brabo de Mountain Bike, que aconteceu no último domingo (12), nas montanhas de Rio das Ostras. A prova teve um final equilibrado, em que o atleta Alidio Vinicius saiu vencedor e conquistou o título. Além dele, outro representante de São Fidélis foi Vinicius Calomeni, quarto colocado na categoria sport.
— Parabenizar o amigo Alidio Vinicius pelo primeiro lugar. Um monstro na bike e na humildade. Continuar treinando, porque ainda falta muito a ser alcançado. Agradecer a todos os que torceram e também aos que estão sempre me ajudando de alguma forma — publicou no Instagram Henrique Serra, que compete pela equipe Safira.
Em fevereiro, Henrique já havia disputado e vencido uma prova organizada pelos Cometas do Pedal, em Campos, competindo numa categoria inferior.
Compartilhe
Artigo - Nos 100 anos do Mercado, um intruso Camelódromo
15/09/2021 | 17h33
Obra do Camelódromo durante apresentação da Lyra Conspiradora
Obra do Camelódromo durante apresentação da Lyra Conspiradora / Matheus Berriel
Constrangedora. Assim pode ser definida a solenidade em comemoração ao centenário do Mercado Municipal de Campos, ocorrida na manhã desta quarta-feira (15). Uma cerimônia em que várias coisas foram evidenciadas, cabendo o menor destaque ao próprio aniversariante, tão malconservado que não recebeu sequer uma demão de cal na fachada.
Marcado para as 9h, o evento começou com uma apresentação da Sociedade Musical Lyra Conspiradora Campista, praticamente isolada num trecho da área de onde hoje se constrói o novo Shopping Popular Michel Haddad. Na verdade, as várias intervenções musicais, possibilitadas devido ao atraso do prefeito Wladimir Garotinho, representaram o principal fato do evento, mesmo com certo constrangimento causado pela execução do "parabéns a você" em ritmo de marcha fúnebre.
Para um ativista do preservacionismo patrimonial que integrava o público, a presença da banda foi a única atração realmente importante. Afinal, no auge dos seus 139 anos, a Lyra Conspiradora já existia na inauguração do Mercado, há um século, e nesta quarta promoveu uma viagem ao passado por meio dos sons oriundos dos seus instrumentos. Um contraste absoluto com o que se viu à frente e atrás dos músicos, onde poucos operários trabalhavam na construção do novo Camelódromo, este um intruso no entorno do Mercado que passou a boiada com Coppam, com tudo. Pois foi o próprio Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Campos quem efetuou o tombamento do Mercado em 2013, no intuito de preservá-lo, para depois autorizar o início da obra naquele local, em 2014, como também a sua retomada no ano atual, desfigurando o entorno do prédio e prejudicando a visualização, por exemplo, da tradicional torre do relógio.
Só por volta das 10h30, portanto uma hora e meia após o horário previsto, o prefeito chegou ao evento. E o que ocorreu dali em diante foi a representação de um palanque político, com bajulações a nomes que, ao contrário do Mercado, em alguns anos vão passar. Teve secretário citando a inoperância do ex-prefeito Rafael Diniz quanto à obra do Camelódromo, como se este fosse o equipamento principal na comemoração em curso. Parecia mesmo ser, pois também foi abordado por Wladimir, que prometeu entregá-lo até maio de 2022, para só em seguida debater a obra do bom e velho Mercado.
Até houve homenagem a antigos permissionários, com entrega de placas a cinco deles, mas já no final da cerimônia, com o público cansado e se esforçando para resistir ao forte calor. Nem todo mundo entrou para assitir ao descerramento da placa pelo centenário do Mercado, a quem um representante do governo, involuntariamente, acertou ao adjetivar como um local que "sobrevive, mesmo com as transformações por que passa o Brasil".
Sobreviver é a expressão ideal, complementada de dentro da máscara por uma popular que passava por ali, quase alheia ao evento: "caindo aos pedaços, mas sobrevive". Outro popular, este mais atento à cerimonia, tornou-se dela um símbolo ao carregar uma bandeira com o número do PSD, partido do prefeito. Para muitos em Campos, as eleições nunca terminam.
Na tarde deste 15 de setembro, o saldo que já se tinha da manhã era o destaque dado ao inconveniente Camelódromo. E inconveniente não por existir, mas por estar no lugar errado, enquanto não faltam espaços alternativos para recebê-lo sugeridos por quem entende do assunto. Com a insistência da Prefeitura numa obra que se arrasta há mais de meia década, o equipamento virou um penetra que, assim como o personagem do samba famoso na voz de Zeca Pagodinho, "roubou o pedaço de bolo e o refrigerante que estavam na mão do aniversariante". Quanto ao prédio que deveria ser o centro das atenções, a definição perfeita dá título a outra música popular, composta e imortalizada por Nelson Sargento. Da mesma forma que o samba, por mais que mudem toda a sua estrutura, o Mercado Municipal "agoniza, mas não morre".
Comemoração do centenário do Mercado Municipal
Comemoração do centenário do Mercado Municipal / Genilson Pessanha
Compartilhe
Mercado Municipal de Campos completa 100 anos sem Inepac cumprir promessa de tombamento
14/09/2021 | 20h41
Azulejos nas bancas são uma das características do mercado
Azulejos nas bancas são uma das características do mercado / Foto: Genilson Soares
Há um ano, a expectativa para o dia 15 de setembro de 2021 era muito positiva quanto ao tombamento do Mercado Municipal de Campos pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac). Então diretor geral do órgão, o historiador e arqueólogo Cláudio Prado de Mello realizou visita técnica quatro dias antes do 99º aniversário do prédio e disse que a efetivação do tombamento deveria ser publicada ainda naquela semana no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro. Foi além: informou que o objetivo era angariar recursos para viabilizar a restauração do Mercado até o seu centenário, que é comemorado nesta quarta-feira (15). Cláudio foi exonerado quatro meses depois, sem que a promessa fosse cumprida, e o quadro se mantém até hoje. Dirigido desde o final de janeiro pelo professor Cláudio Elias, o Inepac não informou a situação atual do processo.
— O Mercado, efetivamente, precisa de ajuda. Mas, até nisso o Estado pode ajudar. Hoje, a gente tem, na Lei de Incentivo Fiscal, de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), 100% do valor que é concedido pelo Estado para o beneficiário, que vai poder investir na restauração — afirmou Cláudio Prado de Mello em 11 de setembro de 2020. — Queremos entregar o tombamento agora, para, ao longo deste um ano até o dia 15 de setembro de 2021, a gente já ter conseguido recursos e feito a restauração, para o Mercado completar os seus 100 anos já restaurado — prometeu.
Em julho deste ano, seis meses após a sua demissão, Cláudio Prado de Mello enviou ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) um relatório de 27 páginas apresentando o que considera “descaso e preterimento” dos assuntos relacionados ao patrimônio histórico e cultural no Norte Fluminense. Sobre Campos, além do Mercado Municipal, ele abordou também o atraso na instalação de um escritório técnico regional do Inepac, outra promessa de 2020. Contudo, a denúncia foi indeferida, como noticiou a Folha no dia 10 daquele mês. O historiador, então, entrou com recurso, e o caso é analisado pelo Conselho Superior do MP. Procurado na última segunda-feira (13), o atual diretor do Inepac disse que faria um levantamento sobre a situação do Mercado, mas não o enviou. Também não houve resposta da assessoria do órgão.
Outra polêmica atual envolvendo o prédio é a obra do novo Shopping Popular Michel Haddad, retomada pela Prefeitura em 28 de junho com autorização judicial. A decisão foi do desembargador Agostinho Teixeira, da 13º Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, exigindo apenas emissão de laudo do Corpo de Bombeiros para que fossem reiniciados os trabalhos, que se arrastam desde 2014. Entidades ligadas à preservação histórico-cultural contestam a obra, alegando que o entorno do Mercado, onde a Prefeitura pretende instalar o popular camelódromo, faz parte do tombamento existente a nível municipal, feito em 2013 pelo Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Campos (Coppam). Poderia ser prejudicada, por exemplo, a visualização da torre do relógio, um dos principais símbolos do prédio. Em agosto, o prefeito Wladimir Garotinho assinou um termo de cooperação com a Sociedade Artística Brasileira (Sabra) para recuperar prédios históricos municipais, entre eles o Mercado.
Tradição
Um dos principais patrimônios históricos da planície goitacá, o Mercado Municipal tem como base a arquitetura francesa. A construção começou na gestão do ex-prefeito Luiz Sobral, que teria se encantado com o Mercado de Nice durante uma viagem à Europa e contratou um escritório de engenharia de São Paulo para fazer um similar em Campos. Na inauguração em 1921, já com César Tinoco à frente da Prefeitura, o prédio ficou conhecido como Mercado Novo.
— Com estilo arquitetônico eclético, o Mercado Municipal foi construído como local de venda e troca de mercadorias de primeira necessidade, tendo sua construção pensada a partir de reformas urbanas e de ações higienistas na cidade. Antes do Mercado Municipal, os primeiros pontos de comércio eram juntos aos portos do rio Paraíba do Sul e, depois, pelas praças da cidade, como por exemplo na Praça das Verduras, atual praça Presidente de Moraes (Chá-Chá-Chá) — explica a diretora do Museu Histórico de Campos, Graziela Escocard.
Para a diretora do Arquivo Público Municipal, Rafaela Machado, o Mercado é um marco da relação entre os monumentos e a história campista, devendo ser visto como símbolo de pertencimento.
— Criado num contexto em que Campos priorizava a apresentação de uma cidade moderna, progressista e em sintonia com as práticas higienistas importadas da Europa, o Mercado ainda se mostra como guardião de uma história que vai além do seu valor como monumento ou patrimônio. O Mercado é valioso em si por tudo o que enseja em sua própria história, seja a construção em si, sejam todas as práticas cotidianas que trazem experiências culturais e sociais ricas e múltiplas, como também quem lhe deu vida ao longo desses 100 anos: seus trabalhadores e frequentadores. Quando falamos deste centenário mercado, devemos pensar numa Campos que intencionava se tornar capital, no uso e na ocupação daquele espaço em associação com o canal Campos-Macaé, e, em especial, ao crescimento urbano da cidade — afirma Rafaela.
O presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Campos, Genilson Paes Soares, adjetiva o Mercado Municipal como “a memória viva da cidade”.
— Muito além da troca do material e do encontro com o imaterial do nosso patrimônio cultural, o espaço é local de celebração da sociabilidade do povo campista. Comemorar um século de existência não é para qualquer um, e isso mostra o quanto são fortes as nossas tradições históricas. Ao mesmo tempo, a data pede reflexão sobre o futuro do Mercado, uma vez que o prédio se encontra em estado precário de conservação e com o seu entorno ameaçado pelos “puxadinhos” de gestões passadas. Além do tombamento feito pelo Coppam, solicitamos o reconhecimento em nível estadual, através do Inepac, pois entendemos que seria um grande presente para um antigo aniversariante, que precisa de muito carinho e proteção — enfatiza Genilson.
Torre do relógio virou um símbolo de resistência do equipamento
Torre do relógio virou um símbolo de resistência do equipamento / Foto: Genilson Soares
Comemorações
Está marcada para as 9h desta quarta-feira uma solenidade no Mercado Municipal, com apresentação da Sociedade Musical Lyra Conspiradora, interpretação de poesias, descerramento de placa comemorativa pelo centenário e um bolo simbólico. “ Queremos que seja um evento de resgate à nossa história e também um momento de otimismo para a atualidade, porque o Mercado Municipal possui grande importância histórica e econômica”, diz o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcelo Mérida.
Foi preparado um vídeo com declarações de Rafaela Machado e Graziela Escocard, como também da presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, Auxiliadora Freitas. Haverá ainda atrações na programação 4º Festival Doces Palavras (FDP!), que começou nessa terça (14) e segue até o dia 26.
— O Mercado Municipal é um dos nossos maiores patrimônios, e sua importância histórica estará em evidência na edição deste ano do FDP!, com palestras que enaltecem tanto a sua arquitetura quanto as suas memórias — enfatizou Auxiliadora Freitas.
A partir das 19h, Genilson Paes Soares discursará sobre a tradição do Mercado Municipal e a trajetória dos mercados públicos da cidade. Entre as palestras do presidente do Instituto Histórico e Geográfico, haverá uma com a arquiteta e professora Maria Catharina Reis Queiroz, também sobre a memória dos mercados. Por fim, às 20h30, a arquiteta e professora Teresa Peixoto Faria vai falar sobre a inclusão do Mercado Municipal no plano urbanístico do início do século XX. O vídeo e as palestras podem ser assistidos na TV Câmara Campos e no canal de YouTube da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, a partir das 18h30.
Em parceria com a Fundação Cultural, o Instituto Histórico e Geográfico fará uma visita guiada ao Mercado, a partir das 15h, sendo obrigatório o uso de máscara de proteção contra a Covid-19. Participarão como guias Genilson Paes Soares, Graziela Escocard e a historiadora Sylvia Paes.
Placa de inauguração do Mercado Municipal
Placa de inauguração do Mercado Municipal / Foto: Genilson Soares
Compartilhe
Deputado federal Luiz Antônio visita São Fidélis neste sábado
10/09/2021 | 21h48
Parlamentar tomará café com o ex-vereador Higor Porto
Parlamentar tomará café com o ex-vereador Higor Porto / Divulgação
Após viabilizar emenda de R$ 1 milhão para a aquisição de um tomógrafo novo para o Hospital Armando Vidal, de São Fidélis, o deputado federal Luiz Antônio Corrêa (PL) visitará a cidade neste sábado (11). Está prevista agenda com lideranças políticas, incluindo um café da manhã às 9h, na rodoviária, no Centro, em que estará presente o ex-vereador Higor Porto (PSC).
No final de agosto, o blog noticiou que já havia sido depositada nos cofres da Prefeitura a verba para aquisição do tomógrafo, importante para o enfrentamento à Covid-19 por realizar exames de diagnóstico por imagem que podem identificar e acompanhar quadros de pneumonia em pacientes com suspeita de terem contraído a doença. A pauta foi levada a Luiz Antônio pelo deputado estadual André Corrêa (DEM), sue filho, após pedido de Higor Porto e do vereador Rodrigo Santana (PSD). 
Com o único tomógrafo do Armando Vidal apresentando problema durante meses, pacientes de São Fidélis tiveram que realizar tomografias em outros municípios da região.
Compartilhe
Segunda exposição no Galpão da Arte, em Campos, será aberta neste sábado
09/09/2021 | 14h00
Mostra reunirá obras de seis artistas
Mostra reunirá obras de seis artistas / Divulgação
Com curadoria de Edvar Júnior e Elaine Emerick, será aberta no próximo sábado (11) a segunda exposição do Galpão da Arte, espaço montado na Femac Móveis, em Campos, para divulgar o trabalho de artistas locais e de municípios vizinhos. Um café da manhã está marcado para as 10h, aberto ao público, para simbolizar o início da mostra, que receberá trabalhos dos grafiteiros Andinho Ide e Jhony MisterBOD, do pintor Paulo Vitor Carneiro e dos também artistas Thiago Leite (cultura e arte digital), Carla Almeida (arte em ferro) e Ronaldo Araújo (esboço). Todos os seis estarão presentes no evento de abertura.
Um dos artistas a ter trabalhos expostos a partir do próximo fim de semana, Thiago Leite é filho do publicitário Guto Leite, que morreu em junho do ano passado, aos 50 anos. Guto era proprietário da BL Publicidade e fez inúmeras peças para o Grupo Folha, inclusive a logomarca do aniversário de 40 anos da Folha da Manhã, em 2018.
Idealizado pelo empresário Edvar Júnior, que atualmente é vice-presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) em Campos, o Galpão da Arte funciona em uma área de 150m² na Femac Móveis, à avenida Alberto Lamego, 973, no Parque Califórnia. Todas as atrações disponíveis no local podem ser visitadas de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e também aos sábados, das 9h às 13h. Até o momento, este é o único espaço aberto pela iniciativa privada voltado à exposição de trabalhos artísticos de Campos e região.
Compartilhe
São Fidélis vacina até 800 adolescentes de 12 a 17 anos contra a Covid nesta quinta
01/09/2021 | 18h56
Primeiro município do Norte Fluminense a vacinar jovens a partir dos 18 anos contra a Covid-19, desde 27 de julho, São Fidélis terá nesta quinta-feira (2) a primeira ação de imunização de adolescentes. Segundo a Prefeitura, 800 doses foram disponibilizadas para o mutirão, que acontecerá no Jardim de Infância Ana Passos, no Centro, destinado a moradores que tenham de 12 a 17 anos.
O cronograma de vacinação desta semana em São Fidélis começou com a aplicação da primeira dose em jovens que ainda não tinham recebido a vacina, tanto na terça-feira (31) quanto nesta quarta (1º). Nesta quinta, além da ação destinada aos adolescentes, também haverá aplicação da segunda dose dos imunizantes Oxford/AstraZeneca, em quem foi vacinado há oito semanas ou mais, e CoronaVac, em quem recebeu a primeira dose há 21 dias. As segundas doses serão aplicadas nas unidade básicas de saúde.
Até a última segunda-feira (27), 27.067 pessoas haviam recebido pelo menos uma dose de vacina contra o coronavírus em São Fidélis. Destas, 15.495 já receberam a segunda, totalizando 42.562 doses aplicadas. Desde o início da pandemia, 4.666 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 no município, e 129 foram a óbito. No dia 16 de agosto, a Prefeitura notificou que seis pacientes foram detectados com a variante Delta, mas todos já estavam vacinados e se recuperaram sem precisarem ser internados.
Compartilhe
Deputado Luiz Antônio encaminha R$ 1 milhão para hospital de São Fidélis ter novo tomógrafo
30/08/2021 | 16h04
Há meses com o seu único tomógrafo quebrado, o Hospital Armando de Vidal, de São Fidélis, deve receber em breve um novo equipamento. Em publicação nas redes sociais no final da última semana, o deputado federal Luiz Antônio Corrêa (PL) informou que já foi depositada nos cofres da Prefeitura a emenda de R$ 1 milhão para a aquisição do tomógrafo.
— Uma cidade do porte de São Fidélis não poderia ficar sem esse aparelho. Fico feliz em atender a esse pedido da população, que chegou até mim pelo deputado (estadual) André Corrêa (DEM), pelo vereador Rodrigo Santana (PSD) e pelo ex-vereador Higor Porto (PSC). Não é favor, é obrigação — escreveu Luiz Antônio.
Entre outras funcionalidades, o tomógrafo auxilia no enfrentamento à Covid-19 por realizar exames de diagnóstico por imagem que podem identificar e acompanhar quadros de pneumonia em pacientes com suspeita de terem contraído o coronavírus. Durante o período em que o tomógrafo do Armando Vidal apresentou problema, pacientes de São Fidélis tiveram que realizar tomografias em outros municípios.
Compartilhe
Clipes de músicas de Ethmar Filho na programação da Inter TV Planície
29/08/2021 | 11h42
Um dos clipes tem cenas gravadas em locais públicos de Campos
Um dos clipes tem cenas gravadas em locais públicos de Campos / Reprodução
O compositor, maestro, instrumentista e regente de corais Ethmar Filho, articulista da Folha da Manhã, está tendo o seu trabalho divulgado na Inter TV Planície. Os clipes das suas músicas “Aleli” e “Pas de Deux” foram selecionados para integrar o projeto “Nossos talentos”, criados para dar ênfase a artistas regionais na tela da emissora, que é afiliada Rede Globo e integrante do Grupo Folha de Comunicação.
— O projeto está no ar desde julho. O diretor da Inter TV me pediu três clipes com as minhas composições, eu fiz dois. O que está sendo exibido se chama “Aleli”, e o que vai logo após se chama “Pas de Deux”. Cada clipe está sendo exibido de quatro a cinco vezes por dia durante a programação. O projeto visa promover os artistas da região coberta pela Inter TV, e os artistas que mais se destacam são convidados pela diretoria da emissora — explica Ethmar Filho.
Na composição de “Aleli”, Ethmar Filho tem como parceiro Paulinho Ciranda, músico de São Fidélis que mora atualmente em Niterói. Já “Pas de Deux” é uma parceria de Ethmar com o contrabaixista Erino Guilherme, residente em Porto Alegre.
— Os clipes têm um minuto. O de “Aleli” mostra imagens de Campos dos Goytacazes tais como o Liceu de Humanidades e o seu jardim, o fórum e o Cais da Lapa, além de mostrar o meu trabalho como flautista e violonista. Já o segundo, “Pas de Deux”, mostra o meu trabalho como regente e produtor musical — destaca Ethmar.
Compartilhe
Juiz determina leilão do estádio do Goytacaz
24/08/2021 | 17h08
Em decisão datada do último dia 14 e mantida no último domingo (22), o juiz Cláudio Victor de Castro Freitas, substituto na 4ª Vara do Trabalho de Campos, determinou o leilão do estádio Ary de Oliveira e Souza, do Goytacaz, em razão de um processo trabalhista movido por Sérgio Henrique Souza de Oliveira, ex-treinador de goleiros do clube. A determinação acontece quatro meses após o Aryzão ter sido reconhecido pela Câmara dos Vereadores de Campos como patrimônio histórico, cultural e esportivo do município.
Procurado pela Folha nessa terça-feira (24), o presidente do Goytacaz, Dartagnan Fernandes, disse que “o clube ainda não foi citado deste leilão e, acima de tudo, vai entrar com os devidos recursos para anular a penhora e também vai usar da lei 14.112/20, em que os clubes podem pagar suas dívidas em 10 anos, de acordo com sua arrecadação”.
No processo, que corre na Justiça do Trabalho desde novembro de 2019, Sérgio Henrique Souza de Oliveira alega ter sido admitido pelo Goytacaz como treinador de goleiros em dois contratos distintos, de novembro de 2017 a março de 2018 e de julho de 2018 a outubro do mesmo ano, sem anotação naCarteira de Trabalho e Previdência Social. Diz ainda ter sido dispensado sem justa causa quando recebia salários de R$ 3.100,00 e R$ 1.800, respectivamente. Ele solicitou o reconhecimento de ambos os vínculos empregatícios, com anotação dos contratos na carteira e pagamento das verbas salariais e rescisórias daí correntes.
Em defesa nos autos, o Goytacaz não negou a existência do vínculo de emprego nem impugnou os salários indicados por Sérgio, mas informou que, antes do término do contrato de trabalho, e a pedido do reclamante, o vínculo teria sido encerrado por mútuo acordo.
Em março de 2020, a juiza substituta Maria Candida Rosmaninho Soares reconheceu o vínculo empregatício e deferiu outros benefícios em favor de Sérgio, como aviso-prévio, saldos de salários, 13ºs e férias proporcionais, além de ter solicitado levantamento do FGTS e a realização das anotações na carteira do profissional. (M.B.)
Compartilhe
Morre 'Pisa na Barata', ilustre torcedor do Goytacaz, vítima da Covid-19
18/08/2021 | 14h10
'Pisa na Barata'
'Pisa na Barata' / Foto: Reprodução/Facebook
Morreu nesta quarta-feira (18), aos 73 anos, o ilustre torcedor e conselheiro do Goytacaz Carlos Augusto Paes Rangel, conhecido como "Pisa na Barata". Ele estava internado no Hospital da Beneficência Portuguesa e foi mais uma vítima da Covid-19 em Campos. O presidente do Goyta, Dartagnan Fernandes, informou ao blog que vai declarar luto de três dias e suspendeu provisoriamente as atividades do clube.
Fiscal aposentado da Prefeitura de Campos, "Pisa na Barata" liderava a torcida organizada Pisa Show, que mantinha tradicionalmente seu nome estampado no estádio Ary de Oliveira e Souza. Frequentador assíduo do Aryzão em jogos do Goytacaz além de participar de excursões a outros estádios, o carismático torcedor se destacava por entoar músicas e distribuir balas na arquibancada.
"Pisa na Barata" é primo do ex-prefeito de Campos Rafael Diniz e, na família, também tinha o apelido de Guguta.
— Meu primo, muito amigo e próximo. Ele é sobrinho-afilhado da minha avó Zaíra. Um dia muito triste — lamentou Rafael, que também comentou o ocorrido nas redes sociais.
— Mais uma vítima dessa terrível doença. Perdemos hoje nosso querido "Pisa na Barata", meu amado primo Guguta, ilustre torcedor do nosso Goytão. Que Deus o receba com todo seu amor e misericórdia. Guardaremos na memória a imagem da sua chegada sempre alegre e animada ao estádio, puxando a Pisa Show e distribuindo balas por onde passava — publicou o ex-prefeito no Instagram.
Em nota oficial, o Goytacaz citou a Charanga comandada por "Pisa na Barata" e destacou a alegria como principal característica.
— Você jamais será esquecido, Pisa! Agradecemos por toda a sua dedicação e carinho com o clube durante tantos anos. Deixamos aqui nossas condolências e a gratidão pelos feitos realizados para com o Goytaca, Futebol Clube — diz um trecho da nota.
Compartilhe