Manifestação de RPAs fecha ponte General Dutra, na BR 101, e gera transtornos
Maria Laura Gomes 13/02/2020 10:56 - Atualizado em 14/02/2020 09:29
  • Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

    Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

  • Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

    Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

  • Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

    Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

  • Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

    Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

  • Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

    Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

  • Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

    Ponte foi bloqueada por manifestantes (Fotos: Maria Laura Gomes)

Um grupo de funcionários em Regime de Pagamento Autônomo (RPA) que atuam na rede municipal de Educação de Campos fechou o acesso à ponte General Dutra, na BR 101, na manhã desta quinta-feira (13), em protesto contra o atraso de salários. Os manifestantes afirmam que estão há quatro meses e meio sem receber integralmente. O bloqueio causou transtornos a motoristas, que ficaram mais de uma hora parados no trânsito. Com o acesso à ponte General Dutra fechado, outras pontes, como a Saturnino de Brito, na Lapa, ficaram sobrecarregadas. A Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal estiveram no local para tentar amenizar a situação. A pista foi liberada por volta das 12h. A Prefeitura de Campos informou que tem refeito seu planejamento para retomar pagamentos prioritários.
A funcionária Valesca Cristina de Souza contou que a única exigência dos RPAs é o pagamento. De acordo com ela, devido à falta de pagamento, as dívidas estão se acumulando. “Estamos há quatro meses e meio sem receber, passando necessidade dentro de casa. Eu tenho duas filhas. Elas estão pedindo o material escolar, pedindo coisa para comer, eu estou passando necessidade dentro de casa e Rafael Diniz não paga a gente. Estou aqui com os RPAs da Educação. Só queremos o nosso direito, o pagamento da gente”, contou.
Enquanto os manifestantes reivindicavam os salários, várias pessoas ficaram presas no trânsito por conta do bloqueio na ponte. Segundo a Arteris Fluminense, concessionária que administra a BR 101, só na rodovia federal foram registrados dois quilômetros de engarrafamento. O motorista Vicente Júnior foi um dos que ficaram presos na rodovia durante a manifestação. Ele disse que entende o motivo do protesto, mas ressaltou que a BR 101 é uma via de grande fluxo que não deveria ser bloqueada.
— Acho que essa manifestação é válida, embora venha a atrapalhar o trânsito e muitas pessoas que precisam usar a BR 101. Não estou nem a favor e nem contra, estou preso no trânsito, mas eu tenho que respeitar o motivo de as pessoas manifestarem — contou Vicente.
Com a BR 101 fechada, a ponte Saturnino de Brito, na Lapa, ficou com o fluxo intenso e um engarrafamento de mais de três quilômetros, com retenção desde o quartel do 5º Grupamento de Bombeiros Militar (GBM), na avenida Rui Barbosa, no Centro.
Em nota, a Prefeitura de Campos informou que continua refazendo seu planejamento para retomar pagamentos prioritários, entre eles, os dos RPAs. “Em função da determinação da Justiça para o pagamento do 13° dos servidores em dezembro, janeiro e fevereiro, foi necessário alterar o cronograma. A situação se agrava com a queda drástica no repasse de participação especial, considerado o segundo pior da história do município. Somente em 2019, as perdas de receitas oriundas do petróleo foram superiores a R$ 200 milhões”, informou a nota.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS