Linda Mara se entrega após mais de 90 dias foragida da Justiça
Aldir Sales, Ícaro Barbosa e Paula Vigneron 12/01/2020 15:28 - Atualizado em 14/01/2020 07:53
  • Linda Mara chega ao presídio feminino

    Linda Mara chega ao presídio feminino

  • Linda Mara chega ao presídio feminino

    Linda Mara chega ao presídio feminino

  • Linda Mara chega ao presídio feminino

    Linda Mara chega ao presídio feminino

  • Após exame, Linda Mara deixa IML

    Após exame, Linda Mara deixa IML

  • Ex-vereadora foi conduzida por carro da PF

    Ex-vereadora foi conduzida por carro da PF

A vereadora afastada Linda Mara (PTC) se entregou à Polícia Federal na tarde do último domingo, em Campos, depois de passar 95 dias foragida da Justiça. Além dela, os também parlamentares afastados Thiago Virgílio (PTC) e Kellinho (Pros) foram condenados a cinco anos e quatro meses de prisão em regime semiaberto pelo que o Ministério Público chamou de “escandaloso esquema” de troca de votos por Cheque Cidadão na última eleição municipal.
Thiago e Kellinho também chegaram a ser considerados foragidos, mas estão cumprindo a pena no presídio Carlos Tinoco da Fonseca, em Campos. O político do Pros se entregou à PF no último dia 31 de outubro, enquanto Virgílio foi capturado pela Polícia Militar em sua própria casa no dia 3 de novembro.
Durante o período de buscas, o delegado da Polícia Federal Paulo Cassiano chegou a dizer que pediria ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) a mudança para o regime fechado para Linda Mara por causa da desobediência à decisão judicial.
Todos os condenados criminalmente na operação Chequinho conseguiram habeas corpus com o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), para recorrerem em liberdade até o final dos respectivos processos. No entanto, neste meio tempo entre os recursos no TRE, o presidente da Corte Regional considerou que houve trânsito e julgado e mandou executar as penas.
Depois de se entregar, a vereadora afastada por levada em uma viatura da PF para fazer exame de corpo de delito no Instituo Médico Legal (IML) e, na sequência, foi encaminhada ao presídio feminino Nilza da Silva Santos, no Centro.
O advogado Vanildo José da Costa Júnior, que representa os três réus, reafirmou que acredita na reversão da condenação.
A defesa também contesta no STF que Thiago e Kellinho estariam no regime fechado desde que deram entrada no sistema prisional. Ricardo Lewandowski pediu informações à Vara de Execuções Penais do Rio de Janeiro e a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ).
Enquanto isso, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a manutenção das prisões. A manifestação assinada pelo subprocurador Alcides Martins foi anexada ao recurso no STF. A PGR destaca que o TJRJ informou que Virgílio foi transferido para unidade de semilibertos, enquanto Kellinho “se encontra acautelado em ala destinada aos semilibertos localizada no Presídio Carlos Tinoco da Fonseca, inexistindo constrangimento ilegal a ser declarado”.
E esta não foi a primeira vez que Linda foi considerada foragida. Durante a fase de investigação, a Justiça emitiu mandado de prisão contra a vereadora afastada. Apesar de diligências, a ex-assessora particular da ex-prefeita Rosinha Garotinho foi encontrada apenas cinco dias depois, em Copacabana, no Rio de Janeiro, após uma denúncia anônima. 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS