Cancelamento de voos diretos para o Rio gera reações
02/07/2022 | 09h14
Genilson Pessanha
A empresa Azul Linhas Aéreas promoverá mudanças na sua malha, extinguindo os voos diretos de Campos e Macaé para o Rio de Janeiro a partir do dia 8 de agosto. O anúncio gerou reação de clientes e entidades representativas de classe. A superintendência do aeroporto Bartolomeu Lisandro, em Campos, informou, entretanto, que o pedido ainda está em análise.
— Acabei de receber uma notícia absurda e que merece ser apurada e combatida, inclusive pelo poder público local, que, a partir de 8 de agosto, não ocorrerão mais voos diretos de Campos para o Rio de Janeiro — relatou o vice-presidente da OAB-Campos, o advogado tributarista Carlos Alexandre de Azevedo Campos. Segundo ele, a viagem, que costumava levar menos de uma hora, passaria a ser de aproximadamente quatro horas. — Um descaso dessa empresa Azul com os campistas — completa.
Em nota, a Azul informou que, a partir de 8 de agosto, irá operar voos diretos com saídas de Campinas e destino aos municípios de Campos e Macaé, no Rio de Janeiro. “Com isso, a empresa passará a oferecer ainda mais conectividade aos clientes, sobretudo aqueles que estão fora da capital fluminense, permitindo que eles se conectem com quase 70 destinos com apenas uma conexão. Essa mudança se dá, principalmente, pelo novo comportamento da demanda, que trouxe um aumento da procura por destinos além da cidade do Rio de Janeiro”.
De acordo com a empresa, os clientes que já estejam com bilhetes emitidos para o Rio de Janeiro (Santos Dumont) serão assistidos pela companhia, com reacomodação em outros voos com conexão. A Azul informou, ainda, que divulgará nos próximos dias detalhes de sua malha nos municípios de Campos e Macaé, “dois grandes e importantes mercados para a companhia”.
Pelo site da empresa, não há mais disponibilidade de voos de Campos e Macaé para o Rio de Janeiro, nem mesmo com conexão, a partir de 8 de agosto. A Azul informou que ainda está definindo os novos horários, e por isso a indisponibilidade.
— A decisão de mudança da malha de voos é da Azul. E tem que ter o consentimento do operador aeroportuário — destacou o superintendente do aeroporto Bartolomeu Lisandro, Cipriano Magno.
Para manter os voos diretos de Campos para o Rio, entidades do setor produtivo de Campos formalizaram uma carta ao gerente de Relações Institucionais da Azul no município, Ronaldo Veras. O documento foi redigido nessa quinta-feira (30) pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), que explica que tal medida causará enorme impacto na rotina dos cidadãos de Campos, que, normalmente, se deslocam até a capital fluminense a fim de cumprir compromissos profissionais, tratamentos de saúde e afins, e pede que a companhia aérea reveja os planos e mantenha os voos diretos.
A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) emitiu uma nota nessa sexta-feira (1) para lamentar a mudança. “Além de reunir dois dos municípios que mais geram empregos no estado, trata-se de um dos polos nacionais da produção de petróleo e gás natural, que reúne ainda mais de duas dezenas de projetos de transição energética, agenda esta urgente em todo o mundo. Dessa forma, a Firjan entende que a decisão da empresa aérea, uma vez mantida, viria de encontro a uma série de investimentos de multinacionais na região. E ainda, traduzindo em números, são cerca de R$ 13,2 bilhões em investimentos em projetos energéticos que vão desde termelétricas, usinas solares, de hidrogênio e eólica offshore”, diz nota da Firjan.
A Prefeitura de Campos afirmou que ainda não há nenhuma confirmação a respeito de possível mudança, mas que, por meio da secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, está entrando em contato com a Azul Linhas Aéreas para buscar informações e soluções para passageiros que fazem o trajeto com frequência.
Compartilhe
Campos realiza mais uma captação de órgão
30/06/2022 | 17h30
Captação de órgãos em Campos (Arquivo)
Captação de órgãos em Campos (Arquivo) / César Ferreira - Subcom
A equipe do Programa Estadual de Transplantes voltou nesta quinta-feira (30) ao Hospital Ferreira Machado (HFM) para realizar a captação de um fígado, que vai beneficiar mais um paciente que aguarda na fila estadual. Somente neste ano, seis captações foram realizadas em Campos, que resultaram na doação de seis córneas, cinco fígados, dois rins, pele, tendões e ossos.
O fígado era de uma mulher de 40 anos, que residia no bairro Novo Horizonte e foi vítima de um acidente de moto, morrendo nesta quinta-feira, em decorrência de um trauma de crânio encefálico. “A autorização para a doação do órgão foi dada pela filha mais velha e o irmão da doadora à equipe do NF-Transplantes, que acionou a equipe estadual para o procedimento”, explicou o psicólogo Luiz Cosmelli.
No último dia 19, a família de uma mulher de 55 anos, que morava no Parque Saraiva, autorizou outra doação, quando foram captados o fígado e as córneas. “Aos poucos, as pessoas estão se conscientizando e ajudando a salvar a vida de pacientes que aguardam na fila”, afirmou Cosmelli.
Compartilhe
Vendas superam expectativas
22/06/2022 | 16h01
Vendas para o Dia dos Namorados
Vendas para o Dia dos Namorados / Genilson Pessanha
As vendas do Dia dos Namorados superaram as expectativas do comércio em Campos, chegando a registrar uma alta acima dos 20% no segmento de vestuário. Outros mix do comércio também tiveram bons resultados, como eletrodomésticos e móveis, que mantiveram um aumento na casa dos 10%.
— As vendas nas lojas de confecção foram surpreendentes, e o frio também ajudou bastante para esse quadro. Renovação de um guarda roupa parado há dois anos. Outro mercado que teve bom resultado foi o de maquiagem, pois no período de pandemia o make foi pouco utilizado e agora, nessa abertura de convívio presencial, a maquiagem foi renovada, pois muitas já estavam vencidas — ressaltou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Campos, Edvar de Freitas Chagas Júnior.
Além dos festejos juninos, que movimentam alguns segmentos do comércio, a próxima data festiva que promete bons resultados para os lojistas é o Dia dos Pais, a ser comemorado em 14 de agosto, antecedendo o Dia das Crianças e o Natal.
— Segundo semestre tenso, com eleições em outubro e Copa do Mundo em novembro. No comércio, boas perspectivas para a Black Friday, em novembro, e o Natal — afirmou Edvar Júnior.
Compartilhe
Moradores do Flamboyant no escuro
15/04/2022 | 19h20
Centenas de moradores do Flamboyant passaram o feriado da Sexta-feira Santa sem energia elétrica em casa e, cerca de 20 horas depois da pane na rede, ainda permaneciam no escuro. O fornecimento de energia foi interrompido no início da madrugada desta sexta, durante a chuva que atingiu a cidade de Campos.
De acordo com os consumidores, vários chamados foram abertos na concessionária Enel, cujos prazos para reparo informados no decorrer do dia não foram cumpridos pela empresa. Alguns desses moradores, inclusive, resolveram passar a noite na casa de familiares, devido à falta de luz.
O morador Luiz Otávio dos Santos informou que durante a madrugada fez diversas tentativas de acionar a Enel, mas sem sucesso. "Tentei notificar a falta de energia por telefone, WhatsApp, site e aplicativo, e em todas as vezes o sistema da Enel apresentou erro. Somente consegui falar com a empresa de manhã", contou.
Luiz Otávio relata, ainda, que uma equipe da concessionária chegou a ir ao local, mas foi embora sem fazer o reparo.
Também moradora do bairro, Carolina Fernandes tem receio de perder os produtos que estavam na geladeira e freezer, sem falar nos eletrônicos, que podem ter sofrido dano devido à queda de energia. "Pelo menos o clima está ameno hoje, senão, seria impossível ficar em casa, mas, ninguém merece ficar um dia inteiro sem energia".
O blog entrou em contato com a Enel, que, em nota, informou que "o fornecimento de energia deve ser restabelecido até o final da noite de hoje (15)".
Parte dos consumidores afetados teve a energia restabelecida às 21h. Para os demais, o serviço só foi regularizado por volta da meia-noite, 24 horas após a interrupção no fornecimento. 
Compartilhe
Campos recebe maior repasse de royalties em sete anos
18/03/2022 | 20h17
Campos receberá na próxima segunda-feira (21) o maior repasse de royalties dos últimos sete anos. Serão depositados para o município R$ 52.631.656,80, referentes à produção de janeiro deste ano, valor 29% maior que o repassado em fevereiro (R$ 40.804.971) e 50,4% superior ao pagamento de março do ano passado (R$ 34.991.035). Com este depósito, Campos vai somar R$ 184.019.122,76 em royalties e participação especial pagos neste início de 2022.
A maior alta deste mês, em comparação com o depósito anterior, é registrada por Quissamã, que terá R$ 19.263.238,67 depositados na segunda, enquanto em fevereiro o repasse foi de R$ 14.574.851,86 (+32,2%). Em relação ao mesmo mês de 2021, quando foram pagos R$ 15.955.859, a alta é de 20,7%.
Para São João da Barra serão pagos em março R$ 16.983.097,66. O repasse representa uma alta de 26,5% sobre os R$ 13.422.843,11 repassados em fevereiro e de 49,1% sobre o depósito de março do ano passado (R$ 11.389.554).
Macaé é o município da região que recebe a maior fatia de royalties. Nesta segunda-feira serão repassados R$ 97.384.474,78, enquanto no mês anterior o valor pago foi de R$ 77.289.265,70 e em março de 2021, R$ 65.972.400, o que representa aumento de 26% e 47,6%, respectivamente.
— Recorde de arrecadação. Este é um momento ímpar que estamos vivendo no mundo, que resulta nesse excelente repasse previsto para segunda, tanto para o Estado do Rio de Janeiro, que recebeu nesta sexta-feira (18) o valor de R$ 782,75 milhões, como para os municípios produtores. O mesmo em decorrência do preço do petróleo, que já vinha em alta acima dos US$ 60 desde o início da vacinação global no ano passado, com reflexo na retomada da demanda por petróleo no mundo. No início de janeiro deste ano, a commodity já era comercializada perto dos US$ 80 e após o início do conflito da Rússia, que é o terceiro maior produtor mundial com a Ucrânia, o preço do petróleo chegou a um pico de US$ 139, preço alcançado somente em 2008, quando chegou aos US$ 147,50. Desde 24/02, com o início do conflito, o preço oscila acima dos cem dólares e hoje (sexta), Fatih Birol, diretor geral da AIE (Agência Internacional de Energia) emitiu um alerta ao mercado internacional dizendo que a crise energética pode piorar. Fato é que a geopolítica do petróleo foi seriamente abalada e nunca será a mesma. Com isso, arrisco em dizer que não vejo o valor da commodity a US$ 70 em curto espaço de tempo. Este é o maior repasse de royalties recebido pelo Estado do Rio de Janeiro e por muitos municípios produtores. Mesmo em 2008 não alcançamos esse patamar, visto que o câmbio estava abaixo de R$ 2. Podemos aguardar uma boa participação especial para maio e repasses de royalties maiores até o mês de junho, se nada afetar seriamente a produção. Momento para os administradores respirarem com esse “oxigênio” e traçarem investimentos em ordem nacional, estadual e municipal, sem deixar de seguir a legalidade na hora dos gastos e sem aumentar deliberadamente seus custeios a prazos exacerbados. Lembrando que a União tem um Fundo Social ‘Lei n° 12.351/2010’ bilionário que estimo saldo acima dos R$ 100 bilhões. Sem deixar de lembrar da liminar que temos no STF e da Marcha de Prefeitos prevista para abril da CNM, que é a entidade que mais reivindica a distribuição dos royalties a nível nacional — ressaltou o consultor na área de petróleo e gás Wellington Abreu.
Compartilhe
Detran divulga cronograma de licenciamento 2022
02/03/2022 | 17h38
Licenciamento digital
Licenciamento digital / Divulgação - Detran
Já está disponível o calendário para o licenciamento anual de veículos do estado do Rio de Janeiro em 2022. Conforme portaria publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (2), o cronograma será dividido em quatro datas:
* Final de placa 1 e 2 > Até 30/09/2022
* Final de placa 3, 4 e 5 > Até 31/10/2022
* Final de placa 6, 7 e 8 > Até 30/11/2022
* Final de placa 9 e 0 > Até 31/12/2022
O licenciamento é 100% digital. Basta pagar a Guia de Regularização de Taxas (GRT), obtida no site do Detran (www.detran.rj.gov.br) ou do Bradesco (www.bradesco.com.br). Por determinação do governo federal, a taxa DPVAT, referente ao licenciamento de 2022, não está sendo cobrada.
Após a compensação das taxas, o usuário estará apto para usar o documento digital, chamado de CRLV-e. O acesso pode ser feito pelo Posto Digital do Detran.RJ (no site detran.rj.gov.br), pelo aplicativo Carteira Digital de Trânsito ou pelo site da Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran). O primeiro passo é se registrar no portal gov.br, que é o cadastro do governo federal para documentação em geral. Nele, o motorista também pode baixar a CNH Digital, válida em todo o território nacional.
Compartilhe
Taxa de Incêndio: pagar ou não pagar?
26/02/2022 | 09h36

 

 

Divulgação/CBMERJ

 

A pouco mais de duas semanas do início da cobrança, contribuintes fluminenses ainda têm dúvidas se devem ou não pagar a Taxa de Incêndio, diante de decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF) contrárias à fórmula de cobrança em outros estados e da indicação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) propondo ao Governo do Estado a extinção da taxa, alegando que seria inconstitucional.

O advogado tributarista e professor da Universidade Candido Mendes (Ucam) e do Centro Universitário Fluminense (Uniflu) Thiago José esclarece que as decisões do STF que declararam a inconstitucionalidade da taxa não tiveram repercussão geral. Portanto, os contribuintes do Rio de Janeiro devem judicializar a cobrança, seguindo a trilha do caso de Minas, já que a taxa no estado ainda não foi revogada pela Alerj.

— Em agosto de 2020, no âmbito do STF, teve uma boa decisão para os contribuintes envolvendo a taxa de incêndio de Minas Gerais. Embora a decisão se refira especificamente à legislação de Minas, as razões de decidir são perfeitamente aplicáveis à taxa do Rio. Infelizmente, o Órgão Especial do Tribunal do Rio de Janeiro, mesmo depois do caso de Minas, fixou entendimento favorável ao fisco carioca. Essa decisão do órgão especial do Rio vincula apenas o nosso tribunal. O processo a ser proposto pelo contribuinte vai passar pela 1ª instância, pelo tribunal do Rio e dessa decisão o contribuinte tem que tentar levar a matéria para o Supremo. O problema é que as custas processuais acabam, muitas vezes, sendo superiores ao valor da taxa, o que desestimula os contribuintes a proporem as ações — destacou o advogado.

Thiago exemplificou a questão das custas processuais. De acordo com ele, um pedido de restituição dos valores dos últimos cinco anos da taxa de um determinado apartamento em Campos somou R$ 560, em valores atualizados, e o cálculo das custas ficou em R$ 808.

De acordo com o advogado, a Constituição prevê que taxa só pode ser instituída e cobrada mediante a prestação de um serviço público específico e divisível, ou seja, um serviço público em que seja possível identificar a pessoa que está beneficiada. “O serviço de combate e prevenção de incêndios claramente é um serviço público universal, à disposição de qualquer cidadão, inclusive daqueles que não pagam esse tributo. É um serviço que se equipara ao serviço de segurança pública”, afirmou.

A cobrança também já foi alvo de discussões na Alerj. Em novembro de 2021, a Assembleia enviou ao governador Cláudio Castro uma indicação legislativa da deputada Adriana Balthazar propondo a extinção da taxa. Desde junho do ano passado, também tramita na Alerj um projeto de lei do deputado Rodrigo Amorim para proibir a taxa de incêndio e permitir que o contribuinte solicite o pagamento dos valores recolhidos nos últimos cinco anos. Entretanto, não há prazo para a matéria ser debatida em plenário.

— Por enquanto, apesar de inconstitucional, a taxa continua em vigor. A partir do nosso projeto aprovado, cabe agora ao governador extinguir definitivamente a cobrança. Há também uma ação judicial, requerendo que essa inconstitucionalidade seja declarada pela Justiça e que tem previsão para ser julgada no dia 7 de março — ressaltou a deputada Adriana Balthazar.

Compartilhe
Campos recebe R$ 40,8 milhões em royalties
22/02/2022 | 16h49
Plataforma
Plataforma / Divulgação
Municípios da região receberam nesta terça-feira (22) os royalties de fevereiro com queda em relação ao repasse de janeiro, mas alta significativa sobre o valor pago no mesmo mês de 2021. Os depósitos correspondem à produção de dezembro do ano passado.
Para Campos foram repassados R$ 40.804.971,45, o que representa uma redução de 10,1% em comparação com o mês anterior (R$ 45.390.815,25) e um aumento de 37,6% sobre o depósito de fevereiro do ano passado (R$ 29.649.563). Entre royalties e participação especial, o município já recebeu R$ 131.387.465,96 em 2022.
São João da Barra recebeu nesta terça R$ 13.422.843,11, valor 3,7% menor que o repassado em janeiro, quando foram pagos R$ 13.939.769,66. Em relação ao depósito feito há um ano — R$ 10.047.796 —, houve uma alta de 33,6%.
Entre os municípios da região, o maior repasse, no valor de R$ 77.289.265,70, foi efetivado para Macaé, representando uma queda de 5,5% em comparação com o depósito do mês passado (R$ 81.814.636) e uma alta de 42,2% sobre os R$ 54.349.976 pagos em fevereiro de 2021.
Quissamã recebeu neste mês R$ 14.574.851,86, enquanto em janeiro o valor repassado foi de R$ 16.033.535 (-9,1%) e em fevereiro do ano passado, R$ 13.170.605 (+10,7%). Para Carapebus, foram pagos R$ 5.661.573,55, repasse 6,4% inferior ao do mês passado (R$ 6.048.220) e 41,1% maior que o depósito feito há um ano (R$ 4.013.505).
A maior queda no repasse de fevereiro, em comparação com o do mês anterior, foi registrada por Casimiro de Abreu, que recebeu nesta terça R$ 14.682.202,95, enquanto em janeiro o valor pago foi R$ 44.220.315 (-66,8%). Sobre o depósito do mesmo mês do ano passado (R$ 6.111.342), houve uma alta de 140,2%.
— Uma queda esperada. Apesar de o preço do petróleo brent estar em uma escalada rumo aos US$ 100 ou mais, o valor médio teve uma queda de 11,3% referente a novembro do ano passado, que reflete agora neste mês. Como sempre falamos, as variantes são muitas e estamos em meio a um conflito frio internacional entre Otan e Rússia, com relação a posições entre Ucrânia e territórios fronteiros, que são estratégicos em ordem comercial no mediterrâneo e na geopolítica energética. Período tenso, com estabilização da pandemia com avanço da campanha de vacinação mundial e sem novas variantes. Valores positivos com relação ao mesmo período de anos atrás e com perspectivas de alta para os meses de março e abril e participação especial de maio. Um vasto e minucioso estudo está sendo feito para auditoria nos campos petrolíferos pagadores de participação especial. Vamos acompanhar na quinta-feira o PL 5190/2021, que foi aprovado pela Alerj e vetado pelo governador, e agora será votado novamente na Alerj. Esperamos que o mesmo não seja levado à instância jurídica, pois já teve matéria correlata e julgada como inconstitucional. Acompanhar com cautela, mas 2022 prospecta um ano positivo para os royalties, participações especiais e para a economia mundial, se não tivermos surpresas no âmbito sanitário. Lembrando apenas que estamos em um ano de eleição presidencial e não temos uma política econômica confiável — ressaltou o consultor na área de petróleo e gás Wellington Abreu.
Compartilhe
Campos recebe primeira PE do ano com queda
10/02/2022 | 20h57
Plataforma
Plataforma / Divulgação
O município de Campos recebeu nesta sexta-feira (11) o primeiro repasse de participação especial (PE) de 2022 com queda de 6,4%, em comparação com o depósito trimestral anterior, em novembro do ano passado. Foram pagos R$ 45.191.679,26, referentes à produção de petróleo do quarto trimestre de 2021, enquanto o repasse anterior foi de R$ 48.295.885. Em relação ao repasse de fevereiro do ano passado
(R$ 6.860.210), houve um aumento de 558,7%.
Outros três municípios da região receberam PE com queda. A redução mais significativa foi registrada por São João da Barra, de 26,1%. O valor depositado neste mês foi de R$ 9.775.868,57, enquanto em novembro foram pagos R$ 13.220.567. Em fevereiro de 2021, não houve repasse de PE para SJB.
Carapebus recebeu nessa sexta R$ 185.927, o que representa uma queda de 18% em relação aos R$ 226.603 pagos pela produção do terceiro trimestre do ano passado. Para Macaé foram depositados R$ 2.351.922,75 agora em fevereiro e R$ 2.866.445 em novembro (-17,9%). Os dois municípios também não receberam participação especial em fevereiro 2021.
Os demais municípios produtores da região tiveram aumento no primeiro repasse de PE do ano. A maior alta foi de Casimiro de Abreu, que recebeu nessa sexta R$ 2.566.710,13, valor 42,5% superior ao depositado em novembro de 2021 (R$ 1.801.532) e 192,9% maior que o do mesmo mês do ano passado (R$ 876.331).
Para Quissamã, foram pagos R$ 2.510.037,90 nessa sexta, enquanto no final do ano passado o valor depositado foi R$ 2.505.183, o que representa uma alta de 0,2% no repasse de PE. A quantia também é 82,7% superior aos R$ 1.374.016 repassados em fevereiro de 2021.

Pelo gráfico do valor do petróleo brent de agosto do ano passado até o final de janeiro, e junto à produção dos campos que geram a participação especial para São João da Barra e os demais municípios. Ressalto a queda para São João da Barra, Campos e Ilha Bela, que possivelmente devem ter recebido um aumento nas deduções a serem colocadas no cálculo, em relação ao Campo de Roncador e Sapinhoá. Mesmo assim, é um bom repasse, tendo em vista o retrospecto de 2020 e 2021. Um momento de alta no preço do petróleo com menor temor da variante Ômicron do coronavírus, forte tensão de conflito na Ucrânia e principalmente pelo posicionamento da Opep em manter a política de produção adotada frente à questão da pandemia. Ainda temos uma grande e importante pauta a ser resolvida em Brasília, que é a questão da liminar no Supremo Tribunal Federal (STF). Em abril, teremos a Marcha da CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e, com certeza, irão pautar a questão dos royalties. Devemos ter cautela e direcionar bem os recursos, pois tudo pode mudar a qualquer momento neste cenário pandêmico e de um ano de eleição presidencial — ressaltou o consultor na área de petróleo e gás Wellington Abreu.
Compartilhe
Campos inicia na terça vacinação de crianças contra a Covid-19
14/01/2022 | 14h27
Estado recebe primeiras doses de vacina infantil
Estado recebe primeiras doses de vacina infantil / Divulgação - Governo RJ
O município de Campos programou para a próxima terça-feira (18) o início da vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19. O primeiro lote do imunizantes infantil será entregue pelo Governo do Estado à secretaria municipal de Saúde neste sábado (15). A secretaria estadual de Saúde (SES) recebeu, na manhã desta sexta-feira (14), 93.500 doses da vacina.
A imunização vai acontecer nas dez Unidades Básicas de Saúde (UBS) e no Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie) de Campos, no horário de 8h30 às 13h. Inicialmente, serão vacinadas as crianças com idades entre 11 e 5 anos com comorbidades.
Distribuição do imunizante
O município do Rio realiza a retirada do seu lote nesta tarde. Os municípios das regiões Metropolitanas I e II fazem a retirada dos seus respectivos imunizantes neste sábado, na Coordenação Geral de Armazenagem (CGA), em Niterói. No mesmo dia, para as demais regiões do estado, os imunizantes serão entregues por aeronaves, vans e caminhões.
A previsão do Governo do Estado é que, a partir desta segunda-feira (17), os municípios possam dar início à vacinação. A meta é vacinar cerca de 1,5 milhão de crianças de 5 a 11 anos em todo estado. A recomendação da SES é que sejam vacinadas, primeiro, crianças com comorbidades e indígenas, seguidas das faixas etárias do mais velho ao mais novo.
Compartilhe
Sobre o autor

Joseli Matias

[email protected]