Festa de Santo Amaro - valor histórico e de evangelização
11/01/2019 | 12h34
Festa de Santo Amaro, tradição
Festa de Santo Amaro, tradição / Divulgação
Recebi do amigo e colaborador Ricardo Gomes dois textos assinados pelo bispo Dom Roberto Francisco Ferreria Paz, falando sobre a história da Festa de Santo Amaro e sua Cavalhada, com grande importância na evangelização. Publico-os abaixo.   
A cavalhada da Paz, da Alegria e da Tolerância
Uma das tradições mais expressivas e de ampla ressonância popular da Baixada Campista é a da memorável cavalhada de Santo Amaro. Inspirada nos livros de cavalaria medieval como a "História de Carlos Magno e os Doze Pares da França", os torneios e justas que mostravam a arte dos cavaleiros e suas habilidades presentes na cavalhada campista: as argolas, o ataque de espadas e o salto da Garupa.
A primeira edição desta tradição equestre aconteceu no solar Fazenda do Colégio dos Jesuítas, em 7 de outubro de 1730. Esta tradição foi celebrada ininterruptamente, no dia 15 de janeiro, Festa de Santo Amaro (inscrita no calendário Estadual). Ela é precedida de uma romaria noturna, chamada Caminho de Santo Amaro, de 39 quilômetros, saindo por volta das 23h, da Basílica do Santíssimo Salvador, para chegar às 5h, na Capela de Santo Amaro.
A cavalhada está inserida profundamente no coração da festa e no espírito de Paz e reconciliação do cristianismo, legado da mística beneditina. A cavalhada acontece no dia 15, às 15h e encena o drama na luta dos cristãos e dos mouros, mas a trama termina na carreira do abraço, salientando a confraternização dos cavalheiros, no que o Papa Francisco chama de Cultura do Encontro.
Nestes tempos de intolerância e fundamentalismos religiosos, inspirados na obra de Samuel Huntigton, “O choque de civilizações”, que visa a Recomposição Imperialista da Ordem Mundial, a cavalhada de Santo Amaro propõe o diálogo das culturas, tradições religiosas e das Nações, na mesa comum da cordialidade e da partilha. Por todas estas razões e valores religiosos, espirituais e culturais, podemos concluir que esta cavalhada constitui um patrimônio histórico e civilizatório profundamente humano e cristão.
O potencial Evangelizador da Cavalhada de Santo Amaro
O Papa Francisco, na Laudato Si, inclui na Ecologia Integral o cuidado e a memória dos bens culturais e das tradições populares pelo seu conteúdo humano e portador de valores profundamente cristãos. A cavalhada apresenta, desde sua preparação até sua realização, processos coletivos que envolvem famílias e dão espaço a um aprendizado muito rico de símbolos, tradições orais e recordação de pessoas que construíram e fizeram parte da Cavalhada.
A identidade religiosa, a defesa da fé e a interação dialógica com o outro, neste caso o mouro, possibilitam ampliar o horizonte de compreensão com culturas diferentes, com pessoas de crenças diversas e no respeito e a tolerância firmar laços de hospitalidade e convivência.
Hoje, um grande desafio para nossa fé é o pluralismo e o sincretismo, fenômenos sócio-religiosos que exigem abertura, fineza de espírito e um olhar de empatia generosa. Desarmar os corações, dando sempre o primeiro passo rumo ao amor universal e a Aliança pacífica entre as civilizações, é o que caracteriza o cristianismo autêntico, liberto de espírito de sectarismo ou de fundamentalismos guerreiros.
É esta faceta de uma religiosidade popular viva e compartilhada entre as gerações num colorido plural, mas de raízes profundamente cristãs, que atrai e continua sendo um motivo de alegria e participação multitudinária em Santo Amaro.
Festa de Santo Amaro, crença
Festa de Santo Amaro, crença / Divulgação
Compartilhe
Gravadora Paulinas lança "Alencastro interpreta Pe. Zezinho, scj"
05/01/2019 | 08h25
Alencastro interpreta Pe. Zezinho
Alencastro interpreta Pe. Zezinho / Editora Paulinas
Os admiradores das canções do Padre Zezinho, scj contam agora com a opção de ouvir os grandes sucessos de sua obra de evangelização na voz do cantor Alencastro, que está completando 40 anos de carreira. A gravadora Paulinas-Comep está lançando o CD “Alencastro interpreta Pe. Zezinho, scj”.
E a obra chega recomendada pelo próprio padre da Congregação do Sagrado Coração de Jesus. “Alencastro é um dos primeiros cantores a cantar comigo. Continua inspirando e comunicando, como sempre, e evangelizando tranquilo e sereno”, afirma Padre Zezinho, scj, no encarte do CD, que conta com arranjos de Tutuca Borba, maestro e arranjador do cantor Roberto Carlos, e backing vocals do grupo Cantores de Deus.
Natural de Cuiabá (MT), Alencastro sempre teve participação ativa na Igreja, inspirado pela fé de sua mãe, atuando em diversos eventos católicos. Sua formação musical veio de berço, já que seu avô materno era maestro, e sua avó paterna, pianista e violinista. Além disso, seu pai tocava acordeom e gaita, e sua mãe sempre teve gosto pelo canto.
Com apenas sete anos de idade, começou seus estudos em conservatório de música optando pelo Piano.
A obra está disponível no portal da Editora Paulinas.
Compartilhe
Grande encontro em Campos para celebrar chegada de 2019
31/12/2018 | 18h25
Virada de ano em oração
Virada de ano em oração / foto: Facebook Lourdes Carlos Azevedo
O ano de 2019 vai chegar com o tom da oração em Campos. A partir das 22h de hoje, a comunidade católica estará reunida numa Vigília, na Catedral Diocesana, se estendendo até as 2 horas da manhã do primeiro dia do novo ano. Animado pelo evangelizador Nelinho Figueiredo, o encontro contará com as presenças do Monsenhor Leandro e do padre Moisés.
Nelinho apresenta na Rádio Absoluta (AM 1470) os programas “Valei-me São José” e “Amigos pela Fé”. “É um encontro tradicional. Jesus Cristo é nosso maior presente, nossa maior riqueza. Vamos, em oração e muita animação musical, agradecer a Ele as bênçãos do ano que acaba e renovar os votos de estarmos na Sua presença no ano que chega”, resume Nelinho.
 
 
Compartilhe
Previsão de orçamento de 2019 reduz recursos para o Esporte
13/09/2018 | 08h46
Reunião da CNA no Rio de Janeiro
Reunião da CNA no Rio de Janeiro / foto: Willy Malheiros (Min. Esporte)
A proposta orçamentária enviada, na última semana, pelo Governo Federal ao Congresso Nacional destina R$ 658 milhões ao Ministério do Esporte, o que representa uma redução de R$ 692 milhões em relação ao orçamento de 2018. No último dia 4, o ministro Leandro Cruz participou da 19ª reunião da Comissão Nacional de Atletas (CNA), no Rio de Janeiro. A comissão é presidida por Hortência Marcari, ex-jogadora de basquete.
Depois de ouvir as ponderações do ministro, Hortência ressaltou a necessidade de uma mobilização no sentido de evitar prejuízos maiores ao desenvolvimento de projetos esportivos em todo o país, sobretudo pela sua importância no contexto social e educacional. “A comunidade esportiva tem demonstrado que está unida. O sucesso da campanha pela revisão da Medida Provisória 841, que retirava recursos das loterias federais direcionados ao esporte, é um ótimo exemplo”, lembrou Hortência. “Vamos nos mobilizar novamente”, completou.
Compartilhe
Paulinas lança CD com músicas inéditas do Padre Zezinho
04/09/2018 | 20h03
Novo CD com canções do Padre Zezinho
Novo CD com canções do Padre Zezinho / Divulgação
Maior nome da música católica na América Latina, Padre Zezinho scj volta às prateleiras das lojas e livrarias capitaneando o CD “Amigos do coração – Pe. Zezinho, scj, e Dehonianos em canção”. Trata-se de um álbum celebrativo da Congregação dos Dehonianos, sacerdotes e irmãos do Sagrado Coração de Jesus, lançado pela gravadora Paulinas-Comep.     
A espiritualidade e a missão da congregação estão expressas nos diversos temas das músicas o disco, dirigidas a todos que buscam crescer na vivência da fé. São 15 canções, sendo 14 inéditas, de autoria de Padre Zezinho, e uma regravação da célebre “Panis Angelicus”, de César Frank. Em “Nênia por um povo ferido”, uma oração profunda, pedindo por libertação e tempos melhores para todo o povo sofredor, e uma denúncia forte e corajosa de um poder opressor e ganancioso que engana e explora os mais fracos e corrompe toda a nação.    
O maestro Luiz Karam assina os arranjos. Destaca-se ainda a participação dos músicos Adeildo Lopes (violão, guitarra e cavaco) e Fábio Carneirinho (acordeom). Pe. Zezinho interpreta quatro canções: “Corazón amigo”, “Pensar em Maria”, “Esmagado e explorado” e “Nênia por um povo ferido”. As vozes do coro são dos padres e seminaristas dehonianos, que são também solistas em diversas canções. Destaca-se ainda a participação de Padre Joãozinho scj, que, com Padre Zezinho, interpreta “Pensar em Maria”.
 
(veja clipe no link acima)
 
Nênia por um povo ferido (Pe. Zezinho, scj)
 
É teu povo que não sabe mais o que fazer
Já não sabe mais a quem seguir
Enganado, injustiçado e sem ninguém
Confiou e foi traído pelos grandes   
Tem piedade de nós Senhor 
em piedade do teu povo
Confiamos e mentiram para nós
Manda-nos profetas
Manda gente honesta
Manda novos líderes, Senhor
Estes de agora não nos amam...
É teu povo que não sabe mais o que esperar
Já não sabe mais em quem votar
Trapaceado e explorado e sem ninguém
Confiou e foi traído lá nas urnas
Tem piedade de nós Senhor
Tem piedade do teu povo
Confiamos e mentiram para nós   
Manda-nos profetas
Manda gente honesta
Manda novos líderes, Senhor
Estes de agora não nos amam...
Compartilhe
Eliana Ribeiro é a atração da Festa de São Fidelis
24/04/2018 | 13h00
Eliana Ribeiro
Eliana Ribeiro / Divulgação
A Cidade Poema está em festa para celebrar São Fidelis de Sigmaringa, seu padroeiro. A igreja completa 209 anos da inauguração. A programação religiosa começou às 5h, com a Alvorada, prosseguindo às 18h, com missa festiva celebrada pelo Bispo de Campos, Dom Roberto Francisco Ferreria Paz e concelebrada por Dom Fernando Rifan, natural da cidade. Logo após a missa será realizada a procissão, percorrendo as ruas de São Fidelis. Às 22h, na Praça Guilherme Tito de Azevedo, no palco oficial, se apresentará a cantora católica Eliana Ribeiro.
Eliana começou a carreira musical com 18 anos, após participar de um encontro de jovens em Vitória (ES), com a presença do Padre Léo (Comunidade Bethânia). Em 2002, gravou seu primeiro CD “Tempo de colheita”, onde mostra nas canções suas histórias pessoais. “Me engajei na paróquia, no grupo de oração, trabalhando com crianças. Após um ano fui convidada para o ministério de música, no qual fiquei até o ano de 1998 antes de entrar para a comunidade. Iniciei meu caminho vocacional à Canção Nova, e em 99 fiz o meu discipulado”, relata a cantora.
(colaboração Ricardo Gomes/Ascom/Diocese de Campos)
Compartilhe
O polêmico Mário Sérgio e as empadas de São Caetano
23/04/2018 | 10h38
Mário Sérgio
Mário Sérgio / foto: Carlos Oliveira/Gazeta Press
O futebol é um dos mananciais de histórias engraçadas, muitas delas reais, muitas delas folclóricas, criadas na cabeça dos amantes do esporte e eternizadas nas arquibancadas, nos programas de rádio e nas mesas de bar. Mário Sérgio Pontes de Paiva, ou simplesmente Mário Sérgio, foi um dos mais geniais e polêmicos jogadores do futebol brasileiro. Levou a genialidade e a polêmica impregnadas na pele também quando abandonou as chuteiras, passando às funções de treinador e comentarista esportivo. Faleceu aos 66 anos, no dia 28 de novembro de 2016, no acidente do vôo da Chapecoense, quando integrava a equipe dos canais Fox Sport e seguia para Medellín, onde comentaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana.
Mário treinou o São Caetano entre 2002 e 2003. Conta-se que, no dia de sua apresentação na equipe do ABC Paulista, foi levado a uma pequena e tradicional barraca de vendas de empadas na área externa do Estádio Municipal Anacleto Campanella, onde o atendimento era feito por um senhor acima dos 70 anos, simpático, contador de histórias e apaixonado pelo Azulão. Ele se orgulhava em dizer que fazia as melhores empadas do Brasil há mais de cinco décadas.
Acontece que, enquanto Mário Sérgio experimentava uma de suas empadas, o astuto senhor pegou um pedaço de papel e, nele, colocou os nomes de 11 rapazes, entrega-o ao treinador e dizendo: “Seu Mário, o time é esse aqui”. Grato, sem perder o bom humor, o treinador colocou o papel no bolso e despediu-se.
No dia seguinte, primeiro dedicado aos treinos de preparação para a próxima competição, Mário chegou ao Anacleto Campanella e seguiu direto para a barraca de empadas. Chamou o senhor pelo nome e entregou-lhe um papel, dizendo: “Trouxe-lhe uma receita de empada. Empada boa é essa que está aí no papel”
MORAL DA HISTÓRIA: Falar o que outro deve fazer, ou deixar de fazer, é fácil demais. Difícil é tomar atitude na sua barraquinha de empadas.
Compartilhe
Paróquia Nossa Senhora da Conceição leva celebrações à propriedades rurais de Italva
22/04/2018 | 10h26
Missa em propriedade rural
Missa em propriedade rural / foto: Ricardo Gomes
A Paróquia Nossa Senhora da Conceição, de Italva, já está realizando o projeto de missas e benção em propriedades rurais da cidade. Na última semana, foi celebrada a primeira missa. Empresário e proprietário rural, Amaro Aguiar falou da importância da Igreja Católica estar atenta às necessidades da sociedade, destacando que, a partir das visitas iniciadas no ano passado, logo vieram as chuvas para amenizar a seca na cidade e região. “Posso testemunhar que foi um milagre. Com a visita dos padres, rezamos e logo veio a chuva. Hoje rios e nascentes já voltaram ao normal. Foi um tempo de muitas preocupações com o rebanho que já estava sofrendo com a estiagem. O Rio Muriaé estava com o leito comprometido, mas a chuva veio, uma benção de Deus”, relata Amaro.
Impressionado com o testemunho, o Padre Maxiliano Barreto anuncia a criação de uma pastoral para a realização das missas nos sítios e outras propriedades rurais todos os meses. Segundo o sacerdote, a importância de uma igreja em saída é determinação do Papa Francisco. “Confesso que não esperava ver uma comunidade com tanta fé. Uma missa com tantos testemunhos. De um gesto simples, a realização de um projeto de igreja que vai até aqueles que moram distantes da matriz paroquial, surge a fé que supera dificuldades e a confiança em Deus. Estamos implantando a Pastoral do Povo da Roça, que preserva uma atividade importante, na agricultura e pecuária”, afirma Padre Maxiliano.
Compartilhe
Mistanásia em debate no Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
14/04/2018 | 07h18
Por Antunis Clayton e Ricardo Gomes
Dom Luiz Antônio Lopes Ricci, bispo auxiliar de Niterói, estará em Campos no próximo dia 30. No Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, às 18h, ele ministrará a palestra “A Morte Social”, autografando, em seguida, o livro “A Morte Social: Mistanásia e Bioética”, lançado pela Paulus, com apoio da Coordenação Nacional da Pastoral da Saúde. Dividida em cinco capítulos, a obra é resultado de pós-doutorado de Ricci. Nela, ele apresenta o conceito de mistanásia (morte social, precoce e evitável), pelo viés da bioética social, cotidiana, crítica, latino-americana e integrativa.
O encontro será aberto com uma missa celebrada pelo bispo de Campos, Dom Roberto Francisco Ferreria Paz. Os participantes receberão certificado.
— Mistanásia é um termo recente na bioética e representa um leque de atitudes que poderiam evitar a morte. Estamos convidando profissionais de saúde, estudantes de várias áreas de humanas. Um projeto de diálogo da Igreja Católica com os diversos segmentos da sociedade, oferecendo debate de temas importantes — destaca padre Maxiliano Barreto, da Pastoral da Comunicação.
LOCAL: Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (antigo Convento dos Padres Redentoristas)
INSCRIÇÕES: Livraria Diocesana (Praça Batalhão Tiradentes, nº 5)
INFORMAÇÕES: (22) 9-9913-0618
Compartilhe
Programa "Hora do Enem" estreia nova temporada na TV Escola
08/04/2018 | 08h04
TV Escola
Emissora vinculada ao Ministério da Educação, a TV Escola estreia amanhã (09/04), a nova temporada do programa “Hora do Enem”, única plataforma de preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) inteiramente gratuita, aberta, de conteúdo produzido por educadores, com base nas competências exigidas pelo exame. Apresentada por Land Vieira, a atração um dos produtos de maior audiência da TV Escola e vai ao ar diariamente às 7h, com reprises às 13h e às 18h.
Fernando Veloso, diretor-geral da emissora, ressalta que a atração é uma experiência muito bem-sucedida. “A cada ano ganha mais maturidade, cumprindo um papel relevante na vida de pessoas que querem mudar sua realidade, ingressando na faculdade”, avalia Veloso.
Composto por dois blocos, o programa, além do quadro negro que facilita a resolução das questões, terá no cenário uma TV que exibirá imagens e mensagens enviadas pelos telespectadores, possibilitando a interatividade com quem está assistindo. O primeiro bloco receberá sempre um professor convidado para resolver questões de provas anteriores do Enem. Alguns deles já são conhecidos dos estudantes, como Rômulo Bolívar (Redação), famoso por seus vídeos sobre redação publicados na internet. Já no segundo bloco, o apresentador entrevista profissionais de diversas áreas e segmentos.
O canal pode ser acessado por meio de satélite, parabólica, DTH, TV a cabo e TV digital, somando mais de 80 milhões de espectadores, além da web, presente em aplicativos para smartphones, tablets, smartTVs e computadores. São 12 milhões de usuários via web, mais de 370 mil seguidores nas redes sociais, 20 mil downloads do aplicativo para aparelhos de TV conectadas e mais de 180 mil downloads para smartphones.
Destaque na programação da TV Escola, o “Hora do Enem” pode ser assistido, a qualquer momento, na página da TV Escola e no Youtube.
Compartilhe
Sobre o autor

Antunis Clayton

[email protected]