Prosas do café perdem William Dauaire
30/06/2012 | 12h16
[caption id="attachment_449" align="alignleft" width="451" caption="William, "figuraça" do Calçadão (foto: Antunis Clayton)"][/caption] Algumas pessoas fazem suas personalidades tomarem conta dos ambientes públicos de tal forma que, mesmo depois de partirem dessa primeira parte da vida, jamais deixarão de estar presentes ali, seja pela generosidade, pela alegria, pelo bom humor e, alguns, até pelo mal humor. No caso do nosso querido William Dauaire, que morreu ontem aos 80 anos, deixava generosidade, alegria e bom humor fluírem sem qualquer economia. Sua presença será sentida por todos nós frequentadores dos cafés da Rua do Homem em Pé (Boulevar Francisco de Paula Carneiro – Calçadão). Irmão de Alberto Dauaire, era tio dos meus amigos Betinho e Cacá. No verão de 2010, eu passava pelo Calçadão e observei William tendo a pressão arterial medida por uma bela morena, daquelas de fazer subir três ou quatro pontos no aparelho. Era ele aproveitando mais uma dessas campanhas volantes de saúde pra oferecer um dedinho de prosa pra uma simpática moça. Quando me viu com a câmera em punho, ofereceu à lente aquele sorriso tímido e cordial. Soube de seu falecimento já depois do sepultamento, em notícia dada pela minha amiga Julia Maria, sanjoanense como William. Falei pra ela a respeito da foto e de minha preocupação em publicar uma foto dele em instante de tamanha descontração. Fui encorajado e quando a busquei no arquivo observei que a imagem reproduz sua verdadeira personalidade. William, fica aqui meu registro público de saudade.
Comentar
Compartilhe
Vida de Santo (Pedro e Paulo)
29/06/2012 | 07h55
[caption id="attachment_442" align="alignleft" width="379" caption="São Pedro e São Paulo, mortos por amor a Jesus Cristo"][/caption]

São Pedro e São Paulo, as Colunas da Igreja

(29 de junho)

A solenidade de São Pedro e São Paulo é uma das mais antigas da Igreja, sendo anterior até mesmo à comemoração do Natal. Já no século IV havia a tradição de, neste dia, celebrar três missas. Depois da Virgem Santíssima e de São João Batista, Pedro e Paulo são os santos que têm mais datas comemorativas no ano litúrgico. Além do tradicional 29 de junho, há 25 de janeiro (a conversão de São Paulo), 22 de fevereiro (festa da cátedra de São Pedro) e 18 de novembro (reservado à dedicação das basílicas de São Pedro e São Paulo). Antigamente, julgava-se que o martírio dos dois apóstolos tinha ocorrido no mesmo dia e ano e que seria a data que hoje comemoramos. Porém o martírio de ambos deve ter ocorrido em ocasiões diferentes, com Pedro crucificado de cabeça para baixo, na colina Vaticana, e Paulo decapitado, nas chamadas Três Fontes. Mas não há certeza quanto ao dia, nem quanto ao ano desses martírios. A morte de Pedro poderia ter ocorrido em 64, ano em que milhares de cristãos foram sacrificados após o incêndio de Roma, enquanto a de Paulo, no ano 67. Mas, com certeza, o martírio deles aconteceu em Roma, durante a perseguição de Nero. Há outras raízes ainda envolvendo a data. A festa seria a cristianização de um culto pagão a Remo e Rômulo, os mitológicos fundadores pagãos de Roma. São Pedro e São Paulo não fundaram a cidade, mas são considerados os “Pais de Roma”. Embora não tenham sido os primeiros a pregar na capital do império, com seu sangue “fundaram” a Roma Cristã. Os dois são considerados os pilares que sustentam a Igreja tanto por sua fé e pregação como pelo ardor e zelo missionários, sendo glorificados com a coroa do martírio, no final, como testemunhas do Mestre. São Pedro é o apóstolo que Jesus Cristo escolheu e investiu da dignidade de ser o primeiro papa da Igreja. A ele Jesus disse: “Tu és Pedro e sobre esta pedra fundarei a minha Igreja”. São Pedro é o pastor do rebanho santo, é na sua pessoa e nos seus sucessores que temos o sinal visível da unidade e da comunhão na fé e na caridade. São Paulo, que foi arrebatado para o Colégio Apostólico de Jesus Cristo na estrada de Damasco, como o instrumento eleito para levar o seu nome diante dos povos, é o maior missionário de todos os tempos, o advogado dos pagãos, o “Apóstolo dos Gentios”. São Pedro e São Paulo, juntos, fizeram ressoar a mensagem do Evangelho no mundo inteiro e o farão para todo o sempre, porque assim quer o Mestre. (fonte: www.paulinas.org.br)
Comentar
Compartilhe
Professores e funcionários da FMC participam de Capacitação
28/06/2012 | 12h41
[caption id="attachment_436" align="alignleft" width="300" caption="Auditório da FMC lotado no primeiro dia da Capacitação (foto: Wellington Cordeiro)"][/caption] [caption id="attachment_437" align="alignleft" width="300" caption="Diretor da FMC, Nélio Artiles foi um dos palestrantes da quinta-feira (foto: Wellington Cordeiro)"][/caption] Cerca de 150 professores da Faculdade de Medicina de Campos (FMC) estão participando nesta quinta-feira do I Curso de Capacitação de Docentes e Técnicos Administrativos da instituição. O tema central deste primeiro dia é “A relação entre o professor e a faculdade”. Amanhã, a abordagem será “A relação entre o professor e o aluno”. Os professores estarão hoje e amanhã participando do curso, sempre das 8h às 18h30, no anfiteatro da FMC. Amanhã, paralelamente, acontece a capacitação dos funcionários da instituição, no auditório da Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia, também na FMC. Para os funcionários, o tema focado será “Qualidade e modernidade no atendimento”. O evento é organizado pelo departamento de Gestão de Pessoas da Fundação Benedito Pereira Nunes (FBPN), mantenedora da FMC.
Comentar
Compartilhe
Católicos reverenciam Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Campos
27/06/2012 | 17h51
[caption id="attachment_428" align="alignleft" width="399" caption="Em Campos, a festa se encerra nesta noite com uma procissão luminosa, a partir das 19h. Antes, às 18h, acontece uma missa presidida pelo Provincial Redentorista, Padre Vicente de Paula Ferreira."][/caption] Em todo o mundo, em especial nas Comunidades Redentoristas, os católicos estão reunidos hoje para reverenciar a Virgem Maria sob o título de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. ORIGEM DA DEVOÇÃO - Muito venerado no oriente desde os tempos imemoriais, o ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está entre as mais expressivas invocações a Maria, Mãe de Deus. No Brasil, a devoção é muito popular. As novenas perpétuas são bastante concorridas e participadas onde são celebradas. ORIGEM DESCONHECIDA - Não se conhece a origem da pintura denominada Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Alguns historiadores indicam que o quadro teria sido pintado por uma artista grego, por volta do século XIII ou XIV. Sabe-se, porém, que ele pertencia a uma igreja na ilha de Creta, onde era venerado. Alguns especialistas na História Cristã defendem a possibilidade de a tela original ter sido pintada por Lucas, o Evangelista que era Médico e Pintor. O ROUBO DO QUADRO - A história nos conta que o quadro foi roubado dessa igreja por um rico comerciante, que o levou para vendê-lo em Roma. Dizem que, durante a viagem, uma forte tempestade colocou em perigo a vida dos passageiros e somente com a intervenção de Nossa Senhora eles conseguiram se salvar. APARIÇÕES - Quando o comerciante morreu, o quadro ficou sob a guarda de uma família romana e foi nessa casa que Nossa Senhora apareceu a uma menina de seis anos e pediu que o quadro fosse colocado em uma igreja onde ela deveria ser venerada com o título de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Em outra aparição, Nossa Senhora indicou que gostaria que o quadro fosse colocado na Igreja de São Mateus, cuidada pelos padres agostinianos. QUADRO ESQUECIDO - Então, o quadro foi entregue à igreja de São Mateus, no ano de 1499, onde permaneceu durante 300 anos. A Igreja tornou-se local de peregrinação e muitos que lá acorriam contavam graças recebidas por intermédio de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Com a invasão de Roma pelos franceses, em fins do século XVIII, a igreja foi destruída e os religiosos agostinianos que ali trabalhavam levaram o ícone para outro lugar, onde ficou guardado e esquecido. PAPA CONFIA O QUADRO AOS REDENTORISTAS - Em 19 de janeiro de 1866, o Papa Pio IX confiou o quadro aos missionários redentoristas, com a especial recomendação: “Fazei que todo o mundo conheça a Mãe de Deus”. Para torná-lo conhecido e amado em todo o mundo outras cópias seguiram com esses missionários para a divulgação da devoção. Nossa Senhora do Perpétuo Socorro foi declarada Padroeira dos Redentoristas, cuja a festa é celebrada no dia 27 de junho. PADROEIRA DOS REDENTORISTAS - Depois de restaurado, o ícone foi devolvido à veneração pública e entronizado solenemente na igreja de Santo Afonso, construída sobre as ruínas da antiga igreja de São Mateus e de São João de Latrão. Hoje, o quadro é o ícone da tradição bizantina mais venerado no mundo, graças ao trabalho dos redentoristas. Em Campos, o Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está instalado na Rua Santo Afonso (antiga Rua do Leão), onde funcionou o Convento dos Padres Redentoristas. (fonte: www.santuarioperpetuosocorro.org.br)
Comentar
Compartilhe
Faculdade de Medicina de Campos realiza capacitação para professores e funcionários
27/06/2012 | 11h48
[caption id="attachment_421" align="alignleft" width="300" caption="Medicina promove evento voltado para funcionários e professores (foto: Check - Secom Campos)"][/caption] Nesta quinta e sexta-feira, a Faculdade de Medicina de Campos (FMC) promove o I Curso de Capacitação de Docentes e Funcionários Técnicos e Administrativos. O curso vai abordar temas como estratégias de ensino, aprendizado do estudante, acompanhamento e avaliação, qualidade do atendimento, métodos modernos de aprimoramento e monitoramento do atendimento, dentre outros temas. A programação nos dois dias vai das 8h às 18h30, em auditórios distintos dentro da instituição, para os docentes e para os funcionários. A ideia - do departamento de Gestão de Pessoas da Fundação Benedito Pereira Nunes (FBPN), mantenedora da FMC, que já investe em iniciativas de qualificação, capacitação, aperfeiçoamento e processos motivacionais - é inserir o evento no calendário permanente de cursos internos da instituição. - A Faculdade de Medicina de Campos tem consciência das grandes mudanças que ocorrem em toda a sociedade e com isso a necessidade de buscar formas de revisão na prática docente. Sendo assim, precisamos nos familiarizar com a tecnologia e com a qualidade de excelência na prestação de serviços educacionais – destaca o diretor de Gestão de Pessoas da FBPN, Wainer Teixeira de Castro.
Comentar
Compartilhe
Em Campos, Salete Ferreira canta em louvor a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
25/06/2012 | 19h14
[caption id="attachment_417" align="alignleft" width="300" caption="Salete Ferreira, da Comunidade Canção Nova"][/caption] Um show com a cantora Salete Ferreira (da Comunidade Canção Nova) será uma das atrações da festa de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro na noite desta terça-feira (26/06). A apresentação acontece a partir de 20h, no Santuário (antigo Convento dos Padres Redentoristas). Também nesta terça, a partir das 5h30, acontece o último dia do Terço Vocacional, com missa de encerramento às 6h. A coordenação está solicitando que os fiéis levem cobertores para a obra social da comunidade. Na quarta-feira (27/06), Dia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a festa se encerra com uma procissão luminosa, a partir das 19h. Antes, às 18h, uma missa presidida pelo Provincial Redentorista, Padre Vicente de Paula Ferreira, concelebrada pelos Redentoristas do Santuário. Parabéns ao Padre Nelson Antônio Linhares por mais uma grande festa realizada no Santuário de Nossa Senhora. Todas as informações a respeito podem ser vistas no Portal do Santuário.
Comentar
Compartilhe
Vida de Santo (São Gregório João Barbarigo)
18/06/2012 | 13h23
[caption id="attachment_410" align="alignleft" width="259" caption="Gregório João Barbarigo nasceu em Veneza e fundou diversos seminários"][/caption]

São Gregório João Barbarigo

(18 de junho)

Gregório João Barbarigo nasceu em Veneza, no dia 16 de setembro de 1625, numa família rica da aristocracia italiana. Aos quatro anos de idade ficou órfão de mãe, sendo educado pelo pai, que encaminhou os filhos no seguimento de Cristo. Foi tão bem sucedido que Gregório, aos 18 anos de idade, era secretário do embaixador de Veneza. Em 1648, acompanhou o embaixador à Alemanha para as negociações do Tratado de Vestefália, referente à Guerra dos 30 Anos. Na ocasião, conheceu Fábio Chigi, o núncio apostólico, que o orientou nos estudos e o encaminhou para o sacerdócio. Quando o núncio foi eleito papa, com o nome de Alexandre VII, nomeou Gregório Barbarigo cônego de Pádua; em 1655, prelado da Casa pontifícia e dois anos mais tarde foi consagrado bispo de Bérgamo. Finalmente, em 1660, tornou-se cardeal. O papa sabia o que estava fazendo, pois as atividades apostólicas de Gregório Barbarigo marcaram profundamente a sua época. Dotou o seminário de Pádua com professores notáveis, provenientes não só da Itália, mas também de outros países da Europa, aparelhando a instituição para o estudo das línguas orientais. E fundou uma imprensa poliglota, uma das melhores que a Itália já teve. Pôde desenvolver plenamente seu trabalho pastoral, fundando escolas populares e instituições para o ensino da religião, para orientação de pais e educadores. Num período de peste, fez o máximo na dedicação ao próximo. Cuidou para estender a assistência à saúde para mais de 13 mil pessoas. Gregório Barbarigo fundou, ainda, inúmeros seminários, que colocou sob as regras de São Carlos Borromeu, e constituiu a Congregação dos Oblatos dos Santos Prosdócimo e Antônio. Foi um dos grandes pacificadores do seu tempo, intervindo, pessoalmente, nas graves disputas políticas de modo que permanecessem apenas no campo das idéias. Depois de executar tão exuberante obra reformista, morreu em Pádua no dia 18 de junho de 1697. Foi canonizado por seu conterrâneo, o papa João XXIII, em 1960, que, como afirmou no seu discurso na solenidade, elevou são Gregório João Barbarigo ao posto que ele merecia ocupar na Igreja. (fonte: www.paulinas.org.br)
Comentar
Compartilhe
Vida de Santo (Albertina Berkenbrock)
15/06/2012 | 09h51

[caption id="attachment_405" align="alignleft" width="286" caption="Albertina Berkenbrock, catarinense de Imaruí"][/caption]

Albertina Berkenbrock

(15 de junho)

“Uma menina que ousou ser santa”. Foi com essas palavras que Dom Jacinto Bergmann, bispo da Diocese de Tubarão (Santa Catarina), referiu-se a ela na cerimônia de sua beatificação. Albertina nasceu dia 11 de abril de 1919, no povoado de São Luís, município de Imaruí (Santa Catarina). Filha de Henrique Berkenbrock e Josefa Boeing, um casal de agricultores fervorosos católicos oriundos de famílias alemães, com eles ela aprendeu as verdades da fé, a rezar, a frequentar a Igreja e a respeitar os Mandamentos de Deus. Cultivou especial devoção a Virgem Maria e a São Luiz Gonzaga. Recitava diariamente o Rosário com a família. Preparou-se com alegria para a Primeira Eucaristia que recebeu no dia 16 de agosto de 1928. Foi neste ambiente simples, belo e cristão que Albertina cresceu. Ajudava os pais nos trabalhos da roça e em casa. Era dócil, obediente, incansável e paciente. Sua caridade era grande. Gostava de acompanhar as meninas mais pobres, de jogar com elas e com elas dividir o pão que trazia de casa para comer no intervalo das aulas. Teve especial caridade com os filhos do seu assassino, que trabalhava na casa do seu pai. Muitas vezes Albertina deu de comer a ele e aos filhos pequenos, com os quais se entretinha alegremente. Albertina, apesar de seus 12 anos, aparentava mais idade e tinha um corpo já bastante desenvolvido. Era alta e forte, acostumada ao sol e aos trabalhos da roça. Tinha cabelos louros tendendo ao castanho, olhos verde-escuros. Era uma bonita moça. Tudo corria normalmente até que chegou o dia 15 de junho de 1931. Perdera-se um boi pelos pastos. Albertina saiu à procura, a pedido dos pais. De longe, Maneco Palhoça, ou Indalício Cipriano Martins, que planeja conquistar a menina para seus intentos eróticos, a avistou. Albertina procurava o boi fugitivo. De repente viu ao longe alguns chifres e correu naquela direção. Para sua surpresa, porém, encontrou perto deles Maneco carregando feijão na carroça. À pergunta de Albertina pelo boi desaparecido, o homem lhe deu uma pista falsa para encaminhá-la ao lugar onde poderia satisfazer seus desejos sem chamar atenção. Albertina seguiu a indicação de Maneco e embrenhou-se pela mata. Repentinamente deu de cara com Maneco. Ficou petrificada. Sozinha, no mato, com aquele homem na frente. Ainda naquela manhã ela levara comida a seus filhos, como fazia sempre. Havia certa familiaridade entre Albertina e Maneco: ela o chamava de “Maneco Preto”, como todo mundo, sem que ele se ofendesse. Maneco lhe propôs seus intentos. Albertina, decidida, não aceitou. Começou então, a tentativa do assassino de se apossar de Albertina, mas ela não se deixou subjugar. A menina é forte. Aos pontapés se defendeu, derrubou o assassino. A luta foi longa e terrível. Ela não cedeu. Maneco, derrotado moralmente pela menina, vingou-se, agarrou-a pelos cabelos e afundou o canivete no pescoço e a degolou. Seu corpo ficou manchado de sangue... Sua pureza e virgindade, porém, ficaram intactas. Aos 12 anos de idade, Albertina foi assassinada porque quis preservar a sua pureza espiritual e corporal e defender a dignidade da mulher por causa da fé e da fidelidade a Deus. E ela o fez heroicamente como verdadeira mártir. O martírio e a consequente fama de santidade espalharam-se rapidamente. Na cerimônia de beatificação de Albertina, que contou com mais de 20 mil pessoas, após a leitura da biografia e a solicitação de beatificação, feita por Dom Jacinto Bergman, o cardeal Saraiva Martins leu o decreto de Bento XVI, que inscrevia oficialmente Albertina no catálogo dos bem-aventurados. (fonte: www.paulinas.org.br)
Comentar
Compartilhe
Domingo de Mutirão contra Dengue em bairros de Campos
14/06/2012 | 10h47
[caption id="attachment_401" align="alignleft" width="489" caption="Saúde organiza Mutirão contra Dengue (foto: Secom Prefeitura de Campos)"][/caption] Mesmo não sendo inédita, é relevante e deve ser destacada a iniciativa do secretário municipal de Saúde, Geraldo Venâncio, no sentido de realizar uma blitz de combate à dengue no próximo domingo (17/06) em diversos bairros do município. O Mutirão vai focar os bairros onde, recentemente, foi registrado aumento do número de casos da doença: Fazenda Grande, Jockey Club, Penha, Turf Club, Tarcísio Miranda, Flamboyant I e Parque Benta Pereira. Em parceria com as secretarias de Obras e Urbanismo e de Serviços Públicos, mais de 500 agentes de endemias do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) farão visitas às casas, até às 14h. “Desde o ano passado, estamos realizando diversas ações de governo para evitar epidemias de dengue no município. Alcançamos bons resultados e a população tem contribuído. Os números são bem menores, comparando-se o número de casos de 2011 e 2012”, destaca Geraldo Venâncio. Diretor do CCZ, César Salles apela para que os moradores abram suas residências, recebendo os agentes. “Vamos orientar quanto aos cuidados para evitar a formação de criadouros do mosquito e as equipes das outras secretarias vão recolher o lixo e entulhos de terrenos baldios”, ressalta. Até a última segunda-feira (12/06), o Centro de Referência da Dengue confirmou 45 casos de doença neste mês. “Junho é mês de pico da doença e todo cuidado é pouco. A participação da população é fundamental”, finaliza o diretor do CRD, José Luiz de Souza.
Comentar
Compartilhe
Vida de Santo (Antônio de Pádua)
13/06/2012 | 13h42

[caption id="attachment_395" align="alignleft" width="360" caption="Santo Antônio, padroeiro da comunidade de Guarus"][/caption]

Santo Antônio de Pádua (13 de junho)

Padroeiro de Guarus

Santo Antônio de Pádua é tão conhecido por seu nome de ordenação que chamá-lo pelo nome que recebeu no batismo parece estranho: Fernando de Bulhões e Taveira de Azevedo. Além disso, ele era português: nasceu em 1195, em Lisboa. De família muito rica e da nobreza, ingressou muito jovem na Ordem dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho. Fez seus estudos filosóficos e teológicos em Coimbra e foi lá também que se ordenou sacerdote. Nesse tempo, ainda estava vivo Francisco de Assis, e os primeiros frades dirigidos por ele chegavam a Portugal, instalando ali um mosteiro. Os franciscanos eram conhecidos por percorrer caminhos e estradas, de povoado em povoado, de cidade em cidade, vestidos com seus hábitos simples e vivendo em total pobreza. Esse trabalho já produzia mártires. No Marrocos, por exemplo, vários deles perderam a vida por causa da fé e seus corpos foram levados para Portugal, fato que impressionou muito o jovem Fernando. Empolgado com o estilo de vida e de trabalho dos franciscanos, que, diversamente dos outros frades, não viviam como eremitas, mas saiam pelo mundo pregando e evangelizando, resolveu também ir pregar no Marrocos. Entrou para a Ordem, vestiu o hábito dos franciscanos e tomou o nome de Antônio. Entretanto seu destino não parecia ser o Marrocos. Mal chegou ao país, contraiu uma doença que o obrigou a voltar para Portugal. Aconteceu, porém, que o navio em que viajava foi envolvido por um tremendo vendaval, que empurrou a nave em direção à Itália. Antônio desembarcou na ilha da Sicília e de lá rumou para Assis, a fim de encontrar-se com seu inspirador e fundador da Ordem, Francisco. Com pouco tempo de convivência, transmitiu tanta segurança a ele que foi designado para lecionar teologia aos frades de Bolonha. Com apenas 26 anos de idade, foi eleito provincial dos franciscanos do norte da Itália. Antônio aceitou o cargo, mas não ficou nele por muito tempo. Seu desejo era pregar, e rumou pelos caminhos da Itália setentrional, praticando a caridade, catequizando o povo simples, dando assistência espiritual aos enfermos e excluídos e até mesmo organizando socialmente essas comunidades. Pregava contra as novas formas de corrupção nascidas do luxo e da avareza dos ricos e poderosos das cidades, onde se disseminaram filosofias heréticas. Ele viajou por muitas regiões da Itália e, por três anos, andou pelo Sul da França, principal foco dessas heresias. Continuou vivendo para a pregação da palavra de Cristo até morrer, em 13 de junho de 1231, nas cercanias de Pádua, na Itália, com apenas 36 anos de idade. Ali, foi sepultado numa magnífica basílica romana. Sua popularidade era tamanha que imediatamente seu sepulcro tornou-se meta de peregrinações que duram até nossos dias. São milhares os relatos de milagres e graças alcançadas rogando seu nome. Ele foi canonizado no ano seguinte ao de sua morte pelo papa Gregório IX. Na Itália e no Brasil, por exemplo, ele é venerado por ajudar a arranjar casamentos e encontrar coisas perdidas. Há também uma forma de caridade denominada "Pão de Santo Antonio", que copia as atitudes do santo em favor dos pobres e famintos. No Brasil, ele é comemorado numa das festas mais alegres e populares, estando entre as três maiores das chamadas festas juninas. No ano de 1946, foi proclamado doutor da Igreja pelo papa Pio XII. Outros Santos lembrados hoje: Santo Ávilo (Aventino) e Santo Inácio Maloyan. (fonte: www.paulinas.org.br)
Comentar
Compartilhe
Vida de Santo (João de Sahagun)
12/06/2012 | 16h03

São João de Sahagun (12 de junho)

João Gonzáles de Castrillo, filho de nobres e cristãos, nasceu em 1430 na cidade de Sahagun, reino de León, Espanha. Estudou na sua cidade natal com os monges beneditinos da abadia de São Facundo, recebendo a ordenação sacerdotal em 1453. O arcebispo de Burgos nomeou-o seu pajem e depois cônego e capelão da Diocese. Depois da morte do bispo, João doou todos os seus bens, menos uma residência, onde construiu a capela de Santa Agnes, em Burgos. Devoto da Santíssima Eucaristia, celebrava a missa diariamente, ministrando o sacramento, pregando para a população pobre e ignorante. Essa era sua maneira de catequizar. Mas depois João afastou-se para cursar Teologia na Faculdade de Salamanca. Porém, antes de retornar à sua Diocese, deixou sua marca naquela cidade. Consta dos registros oficiais que, certa vez, a comunidade dividiu-se em dois partidos antagônicos e a disputa saiu do campo das idéias para chegar a uma luta de vida e morte. Entretanto, antes que a batalha iniciasse, João colocou-se entre os dois, pregou, orientou, aconselhou e um pacto de paz foi assinado entre eles para nunca mais haver derramamento de sangue. Desde então ganhou o apelido de "O Pacificador". O seu fervor ao celebrar o Santo Sacrifício emocionava os fiéis, que em número cada vez maior acorria para ouvir seus ensinamentos. Um fato foi relatado sobre ele e que todos aqueles que estavam dentro da igreja também presenciaram: a forma do corpo de Jesus em uma de suas consagrações. Com isso passou a ser o conselheiro espiritual de todos na cidade e todos seguiam seus conselhos. Em 1463, ele foi acometido de uma doença muito grave. Na ocasião, decidiu que, depois de curado, entraria para uma ordem religiosa. No ano seguinte, ingressou na Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, em Salamanca. Conhecido como João de Sahagun, logo foi o noviço sênior, enquanto continuava a pregar em público, tornando seus sermões cada vez mais eloqüentes e destemidos. Consta que, durante uma de suas pregações, condenava com veemência os poderosos e, ao perceber a presença de um Duque que se sentiu atingido pelo discurso, disse diretamente a ele que não temia a morte, como se adivinhasse seus pensamentos. Chamado de apóstolo de Salamanca, foi eleito prior da comunidade em 1478. Ele mesmo previu a sua morte. Que ocorreu como uma consequência dos dons que possuía de enxergar o coração das pessoas e de aconselhá-las, para conseguir a conversão e a remissão da vida pecadora desses cristãos. Ele foi envenenado, por vingança de uma ex-amante, cujo companheiro, convertido por ele, a abandonou para voltar à vida familiar cristã. João de Sahagun morreu em 11 de junho de 1479. Venerado ainda em vida por sua santidade, depois da morte as graças e milagres por sua intercessão continuaram a ocorrer. O seu culto foi autorizado para o dia 12 de junho, quando foi declarado santo pela Igreja, em 1690. A cidade de Salamanca considera são João de Sahagun um dos seus padroeiros. Outros Santos lembrados hoje: São Bernardo de Menton (de Aosta), Santo Onofre e São Gaspar Bertoni.  
 

Vida de Santo (São João de Sahagun – 13 de junho)

João Gonzáles de Castrillo, filho de nobres e cristãos, nasceu em 1430 na cidade de Sahagun, reino de León, Espanha. Estudou na sua cidade natal com os monges beneditinos da abadia de São Facundo, recebendo a ordenação sacerdotal em 1453.

O arcebispo de Burgos nomeou-o seu pajem e depois cônego e capelão da Diocese. Depois da morte do bispo, João doou todos os seus bens, menos uma residência, onde construiu a capela de Santa Agnes, em Burgos. Devoto da Santíssima Eucaristia, celebrava a missa diariamente, ministrando o sacramento, pregando para a população pobre e ignorante. Essa era sua maneira de catequizar. Mas depois João afastou-se para cursar Teologia na Faculdade de Salamanca. Porém, antes de retornar à sua Diocese, deixou sua marca naquela cidade. Consta dos registros oficiais que, certa vez, a comunidade dividiu-se em dois partidos antagônicos e a disputa saiu do campo das idéias para chegar a uma luta de vida e morte. Entretanto, antes que a batalha iniciasse, João colocou-se entre os dois, pregou, orientou, aconselhou e um pacto de paz foi assinado entre eles para nunca mais haver derramamento de sangue. Desde então ganhou o apelido de "O Pacificador". O seu fervor ao celebrar o Santo Sacrifício emocionava os fiéis, que em número cada vez maior acorria para ouvir seus ensinamentos. Um fato foi relatado sobre ele e que todos aqueles que estavam dentro da igreja também presenciaram: a forma do corpo de Jesus em uma de suas consagrações. Com isso passou a ser o conselheiro espiritual de todos na cidade e todos seguiam seus conselhos. Em 1463, ele foi acometido de uma doença muito grave. Na ocasião, decidiu que, depois de curado, entraria para uma ordem religiosa. No ano seguinte, ingressou na Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, em Salamanca. Conhecido como João de Sahagun, logo foi o noviço sênior, enquanto continuava a pregar em público, tornando seus sermões cada vez mais eloqüentes e destemidos. Consta que, durante uma de suas pregações, condenava com veemência os poderosos e, ao perceber a presença de um Duque que se sentiu atingido pelo discurso, disse diretamente a ele que não temia a morte, como se adivinhasse seus pensamentos. Chamado de apóstolo de Salamanca, foi eleito prior da comunidade em 1478. Ele mesmo previu a sua morte. Que ocorreu como uma consequência dos dons que possuía de enxergar o coração das pessoas e de aconselhá-las, para conseguir a conversão e a remissão da vida pecadora desses cristãos. Ele foi envenenado, por vingança de uma ex-amante, cujo companheiro, convertido por ele, a abandonou para voltar à vida familiar cristã. João de Sahagun morreu em 11 de junho de 1479. Venerado ainda em vida por sua santidade, depois da morte as graças e milagres por sua intercessão continuaram a ocorrer. O seu culto foi autorizado para o dia 12 de junho, quando foi declarado santo pela Igreja, em 1690. A cidade de Salamanca considera são João de Sahagun um dos seus padroeiros.

Outros Santos lembrados hoje: São Bernardo de Menton (de Aosta), Santo Onofre e São Gaspar Bertoni.

Comentar
Compartilhe
IFF Guarus realiza debate de candidatos nesta terça-feira
11/06/2012 | 20h13
O processo eleitoral para escolha do Diretor Geral do câmpus Guarus do IFF acontece nesta terça-feira (12/06), a partir de 14h, no Auditório Roberto Faria. A eleição está marcada para o dia 19, das 9h às 21h, com apuração e divulgação dos resultados no mesmo dia. Concorrem os professores Christiane Rodrigues e Ricardo Torres. A campanha poderá ser realizada até a véspera do pleito, quando será realizado o segundo e último debate. Os candidatos poderão visitar os diversos setores do câmpus para expor seus programas e propostas, desde que não prejudiquem o andamento das atividades regulares e o calendário escolar.
Comentar
Compartilhe
Vida de Santo (São Barnabé)
11/06/2012 | 13h37
[caption id="attachment_378" align="alignleft" width="288" caption="São Barnabé, animador de Paulo na Igreja Primitiva"][/caption] Já faz algum tempo me tornei apreciador da Vida dos Santos da Igreja. São histórias de vida fantásticas, cheias de dor, sacrifício e restauração. E muita gente acha que os homens santos são serem que já nasceram blindados contra o pecado e as fragilidades comuns a cada um de nós, o que não é verdade. Os santos são homens e mulheres que souberam superar essas características, que souberam transformar dor e sacrifício em elementos de aproximação com Deus. O que eles nos deixam é o exemplo de vida, que pode e deve ser seguido todos os dias por cada um de nós. Dessa forma, vamos aproveitar este nobre espaço para mostrar a vida de alguns desses homens e mulheres que souberam fazer de suas vidas testemunho da existência de Deus, sobretudo no Cristianismo. E começamos hoje por São Barnabé, um dos principais nomes da estrutura inicial da Igreja de Cristo, o principal animador de Paulo de Tarso depois de sua conversão no caminho para Damasco.

São Barnabé (11 de junho)

Fontes antigas nos referem que Barnabé, chamado apóstolo pelos próprios Atos, embora não pertencesse aos 12, teria sido um dos 70 discípulos de que fala o Evangelho. Como São Paulo Apóstolo, foi discípulo de Gamaliel: "José a quem os apóstolos haviam dado o cognome de Barnabé, que quer dizer ‘filho da consolação’, era um levita originário de Chipre. Sendo proprietário de um campo, vendeu-o e trouxe o dinheiro, depositando-o aos pés dos apóstolos" (atos dos Apóstolos 4.36-37). Foi a figura de primeira grandeza na fervorosa comunidade cristã, que floresceu em Jerusalém após o Dia de Pentecostes. Barnabé era muito considerado entre os Apóstolos, que o escolheram para a evangelização de Antioquia. É o homem das felizes intuições. Em Antioquia percebeu que aquele era o terreno preparado para receber a palavra de Deus. Foi a Jerusalém relatar isso e pedir para levar consigo o recém-convertido Saulo. Começou assim a extraordinária dupla. Saulo, que desde então preferia ser chamado com o nome romano de Paulo, e Barnabé, contentes por terem aberto o caminho para o anúncio do Evangelho entre os pagãos, partiram para outras incumbências. Começaram por Chipre, pátria de Barnabé, que havia levado consigo o jovem primo João Marcos, o futuro evangelista. Depois continuaram seguindo a mais arriscada viagem missionária, Paulo achou melhor separar-se de Barnabé, que ficou em Chipre. Paulo e Barnabé, duas personalidades diferentes que se completavam reciprocamente. Não há notícias dele depois da separação de Paulo. Escritos apócrifos falam de uma viagem sua a Roma e do seu martírio acontecido mais ou menos no ano 70, em Salamina, pelas mãos dos judeus da diáspora, que o teriam apedrejado.

Liturgia do dia (At 11,21b-26; 13,1-3)

Naqueles dias, muitas pessoas acreditaram no Evangelho e se converteram ao Senhor. A notícia chegou aos ouvidos da Igreja que estava em Jerusalém. Então enviaram Barnabé até Antioquia. Quando Barnabé chegou e viu a graça que Deus havia concedido, ficou muito alegre e exortou a todos para que permanecessem fiéis ao Senhor, com firmeza de coração. É que ele era um homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé. E uma grande multidão aderiu ao Senhor. Então Barnabé partiu para Tarso, à procura de Saulo. Tendo encontrado Saulo, levou-o a Antioquia. Passaram um ano inteiro trabalhando juntos naquela Igreja, e instruíram uma numerosa multidão. Em Antioquia os discípulos foram, pela primeira vez, chamados com o nome de cristãos. Na igreja de Antioquia, havia profetas e doutores. Eram eles: Barnabé, Simeão, chamado o Negro,Lúcio de Cirene, Manaém, que fora criado junto com Herodes, e Saulo. Um dia, enquanto celebravam a liturgia, em honra do Senhor, e jejuavam, o Espírito Santo disse: "Separai para mim Barnabé e Saulo, a fim de fazerem o trabalho para o qual eu os chamei". Então eles jejuaram e rezaram, impuseram as mãos sobre Barnabé e Saulo, e deixaram-nos partir.
Comentar
Compartilhe
Polônia e Grécia empatam na abertura da Euro 2012
08/06/2012 | 16h22
  [caption id="attachment_372" align="alignleft" width="300" caption="Animada, torcida da Polônia lotou o estádio (reprodução Reuters)"][/caption] Num jogo bastante movimentado e marcado por erros grosseiros da arbitragem (Carlos Velasco Carballo, Espanha), Polônia e Grécia ficaram no empate em 1 a 1 na abertura da Eurocopa 2012. A partida, válida pelo Grupo A e disputada em Varsóvia, teve gols de Lewandowski (Polônia) e Salpingids (Grécia). Rússia e República Tcheca estão disputando nesse instante o segundo jogo do grupo.
Comentar
Compartilhe
Bolsena, cenário e origem do Corpus Christi
07/06/2012 | 14h29
?A celebração do Corpus Christi tem origem no Milagre de Bolsena, ocorrido no verão de 1264. Pedro de Praga, um sacerdote boemo, esteve na Itália para ter uma audiência com o Papa Urbano IV, quem naquele verão estava em Orvieto acompanhado por Santo Tomás de Aquino e vários outros teólogos e cardeais. Depois que o Papa recebeu o sacerdote, ele regressou a Boêmia, mas no meio do caminho se deteve na pequena cidade de Bolsena e celebrou uma Missa na igreja dedicada a Santa Cristina. No momento da consagração, quando ele pronunciou as palavras que permitem a transubstanciação, ocorreu o Milagre cuja descrição está gravada numa lápide: “De repente, naquela Hóstia apareceu claramente uma carne verdadeira banhada em Sangue, exceto a partezinha que estava entre os dedos do sacerdote, o que não ocorreu sem mistério, mas para que fosse mais evidente a todos que a carne era realmente aquela Hóstia elevada acima do cálice pelas mãos do celebrante”. Com esse Milagre, o Senhor reforçou a fé de Pedro de Praga, um sacerdote de grandíssima piedade e retidão moral, mas que infelizmente duvidava da presença de Cristo sob as espécies do pão e do vinho, isto é sob as aparências sensíveis do pão e do vinho. A notícia difundiu-se rapidamente e o Papa e Santo Tomás de Aquino puderam ver imediatamente o Milagre. Após um exame minucioso, Urbano IV aprovou a sua autenticidade e decidiu que o Santíssimo Corpo do Senhor deveria ser adorado através de uma festa particular e exclusiva e foi assim que estabeleceu que a festa de Corpus Christi, uma festa estendida a toda a Igreja. O Papa também pediu a Santo Tomás que escrevesse a liturgia que acompanharia a Bula “Transiturus de hoc mundo ad Patrem” que expõe as razões pelas quais a Eucaristia (Presença Real de Cristo) é tão importante.
Comentar
Compartilhe
Corpus Christi movimenta Centro de Campos
07/06/2012 | 12h02
As ruas do Centro de Campos em plena movimentação na manhã desta quinta-feira (07/06) por conta da montagem dos tapetes da celebração de Corpus Christi. Os tapetes se espalham pela praça do Santíssimo Salvador, Avenida Alberto Torres e Rua Formosa, entre outras. A Procissão está marcada para às 16h. Fica o convite para os cristãos.
Comentar
Compartilhe