Qualquer semelhança é mera coincidência
15/03/2011 | 16h18
Tem aquela historinha (manjaaadaaa) que todo mundo conhece. “O marido chega à casa e encontra a mulher com outro no sofá da sala. No dia seguinte, logo pela manhã, resolve o problema. Vende o sofá” Texto publicado segunda-feira (14/03) no portal GLOBO.COM, assim como em diversas agências de notícia. A CBF divulgou nesta segunda-feira a tabela de jogos do Campeonato Brasileiro de 2011. A novidade ficou por conta do festival de clássicos estaduais na última rodada: oito no total. Com o expediente, a entidade espera evitar que haja escalações de equipes reservas por parte de clubes que estão fora da disputa pelo título, conforme ocorreu nas duas últimas edições do campeonato. Em 2009, as derrotas de Corinthians e Grêmio para o campeão Flamengo causaram polêmica, já que os dois últimos adversários do Rubro-Negro não entraram em campo com força máxima. O Fla disputava o título daquele ano com Internacional e São Paulo. Situação semelhante aconteceu em 2010, quando São Paulo e Palmeiras tiveram suas atuações contra o campeão Fluminense - na 36ª e 37ª rodada - contestadas pelo Corinthians, que brigava pelo título. Assim como torcedores do Grêmio no ano anterior, muitos fãs de São Paulo e Palmeiras comemoraram escancaradamente as derrotas de seus times, que prejudicaram o rival na reta final. Achou semelhante? Agora, a opinião desse cronista esportivo: O que move o futebol não é justiça, é emoção. Campeonato de pontos corridos é uma chatice, sem tempero, que fica arrastado nas últimas rodadas, cheio de amistosos disputados por clubes que não têm times. Acho que a CBF começa a admitir o erro e quem torce pela volta da disputa em mata-mata (eu já estou com mão direita levantada) pode começar a esperar. Somente questão de tempo.
Comentar
Compartilhe
Apolinho soltou o verbo
13/03/2011 | 21h40
COMENTARIO DO APOLINHO - OUÇA AQUI Washington Rodrigues, conhecido como Apolinho, é um dos mais importantes e respeitados cronistas esportivos do Brasil. Autor de frases sábias, adotadas e usadas por muita gente sem dar o crédito obrigatório, seu trabalho sempre teve como característica uma opinião forte, com personalidade, imperativa naquilo que acredita ser verdadeiro. Sempre admirei seus comentários por ver que não tem compromisso em agradar ou deixar de agradar quem quer se seja. Ontem, depois do empate entre Flamengo e Fluminense (0x0 no Engenhão), a partir da informação de que Murici Ramalho deixaria o comando técnico do Tricolor e que não falaria com a imprensa, o Velho Apolo, ao microfone da Rádio Tupi (AM 1280 – www.tupi.am), “chutou o pau da barraca”, coberto de razão. Legítima e sensata defesa do torcedor, que parece só ter o direito de pagar. Valeu Apolinho.
Comentar
Compartilhe
Luto no rádio de Campos
11/03/2011 | 13h23
CLIQUE E OUÇA - ANTONIO CLAUDIO NO DE OLHO NA CIDADE Antônio Cláudio Vianna, 67 anos, professor e jornalista com passagem pelas principais rádios da cidade, faleceu na manhã desta sexta-feira em Itaperuna. Como adiantou o portal da Folha da Manhã, o repórter estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São José do Avaí, aguardando um transplante de fígado, já que sofria de cirrose medicamentosa — uma espécie de hepatite grave provocada por uso de medicamentos. Com voz grave e marcante, Antônio Cláudio sempre foi um repórter voltado para as questões comunitárias. Deixa três filhos. Católico praticante, sempre fez questão de externar para o público sua fé cristã. Nesta postagem, o áudio de uma de suas participações no programa De Olho na Cidade, apresentado por João de Oliveira, na TV Litoral, no dia 01 de abril de 2008. Nesta nova vida que se inicia hoje, siga em paz, velho amigo.
Comentar
Compartilhe
Vai-Vai leva título e Band é Nota 10
08/03/2011 | 17h55
Mais uma vez a Rádio Bandeirantes mostra que é a maior rádio do Brasil, com o mais competente, organizado e sério rádio-jornalismo do país. Assim que a Vai-Vai atingiu os 269,50 pontos, conquistando o seu 14º título no Carnaval Paulista, a equipe da Band (AM 840) colocou no ar o maestro João Carlos Martins, enredo da escola que se encontra nos Estados Unidos. Parabéns. Em São Paulo, onde o rádio faz escola, a Bandeirantes é Nota 10. Pra ouvir na net, www.radiobandeirantes.com.br
Comentar
Compartilhe
Noite de Boi Capeta
03/03/2011 | 21h33
Sexta-feira de Carnaval é dia (noite) de Boi Capeta. A concentração está marcada para às 20h, em frente ao Campo do Goytacaz, na Rua do Gás. Em seguida, o Boi parte pela Rua Tenente Coronel Cardoso (Formosa), na contramão. Um grande grito de Carnaval vai acontecer quando o Boi Capeta chegar ao Centro, na Praça do Santíssimo Salvador, com direito a bandinha. Um dos organizadores é o comerciante Coliseu (foto), que já foi Rei Momo no nosso Carnaval e é uma das figuras mais simpáticas do Centro. O Boi Capeta chega ao seu Carnaval número 41. Vamos foliar? (foto: Antunis Clayton)
Comentar
Compartilhe
Uma taça sem suor
01/03/2011 | 18h48
O Flamengo lançou nesta terça-feira (01/03) os novos modelos de sua camisa. A peça branca (uniforme número dois) lembra e homenageia o título da Copa Toyota, conquistada no Japão em 1981, três décadas passadas. Posaram para fotos alguns jogadores do time atual, campeões da Taça Guanabara (Léo Moura, Felipe e Renato) e dois jogadores que conquistaram a Taça Libertadores 81 e a própria Copa Toyota: Adilio e Julio César. Bela homenagem, mas que deixou um detalhe que acredito “politicamente incorreto”. Como se pode observar na foto postada aqui, de Alexandre Durão/globoesportes.com, Adilio e Julio César seguram as taças com as mãos calçadas em luvas brancas. Pode ser que alguém na Gávea venha dizer que o novo uniforme do clube terá também luvas, mesmo estando no País Tropical cantado em prosa e versos por Jorge Benjor. Se assim não for, foi mesmo um cuidado especial com as peças históricas do rico acervo do Flamengo. Entretanto, numa ocasião especial, singular, dois heróis daquelas conquistas poderiam estar dispensados da obrigatoriedade de calçar luvas para pegar nos troféus. Devemos compreender que o suor, por exemplo, tem propriedades ácidas, que podem prejudicar o metal em caso de contato permanente. Isso é sensato. Esse tipo de cuidado deve ser tomado no trato regular com as peças, pelos funcionários que cuidam da sala de troféus, por exemplo. Mas, o suor de Adílio (e de outros heróis da Gávea) deveria ter outro tratamento no Flamengo, creio. Se assim não for, fica estabelecido e sacramentado que Zico, Andrade, Adílio & Cia jamais voltarão a tocar em troféus históricos que eles devem à torcida rubro-negra.
Comentar
Compartilhe