Vereador em saia justa
30/06/2019 | 09h09
Ano: 1964.
É o primeiro desfile de 7 de Setembro, após o golpe militar. No palanque das autoridades, o repórter José Salles quer saber do deputado Hélio Azevedo Gomes, o Lelé, o que acha do novo regime.
Lelé, longe de querer complicar a sua vida, mas sem deixar de dar uma resposta aos ouvintes da Rádio Cultura de Campos, chuta uma opinião qualquer:
— As circunstâncias estão acima das perspectivas.
E mais não disse e nem lhe foi perguntado.
Comentar
Compartilhe
Violência nas estradas
29/06/2019 | 07h53
Assaltos a motoristas não estão ocorrendo apenas na BR-101, entre Manilha e São Gonçalo, e na BR-356, em Martins Lage. O problema ocorre, também, na RJ-158, rodovia que liga Campos à cidade de São Fidélis.
Logo após a entrada para Rio Preto, há um trecho com sete quebra molas. Nos últimos anos são frequentes os assaltos, principalmente a motoristas de pequenos furgões com carga.
 
 
 
 
Comentar
Compartilhe
Planos frustrados?
28/06/2019 | 08h31
Vereador licenciado, ora à frente da secretaria de Desenvolvimento Humano e Social, Marcão Gomes (PR) projetava, ao longo de 2018, um plano político ousado: eleger-se deputado federal e buscar, na eleição de 2020, o mandato de prefeito de Campos.
Ocorre que o plano de Marcão não prosperou. A começar porque não se elegeu deputado, mesmo recebendo o apoio do prefeito Rafael Diniz. Foi um revés inesperado. Marcão dava como certa a sua ida para Brasília.
O detalhe é que Marcão viu, depois de sua derrota nas urnas no ano passado, declarações de Rafael Diniz, dadas à Folha da Manhã, colocando-se como candidato à reeleição. Até então, havia dúvida sobre a intenção do prefeito.
Com Rafael no páreo, resta a Marcão Gomes buscar um mandato na Câmara Municipal, caso queira participar das eleições ano que vem. A tarefa não é fácil, mas Marcão entraria na disputa cacifado por ter sido o vereador mais votado em 2016.
Comentar
Compartilhe
Histórias da imprensa
27/06/2019 | 08h02
Algumas histórias revelam o quanto o colunista Ibrahim Sued era generoso. Vivi algumas e testemunhei outras. Certa vez, ao deixar o Copacabana Palace após noite de autógrafos de um de seus livros, com uma sacola de supermercados abarrotada de notas, saiu distribuindo o dinheiro para maitres, garçons, porteiros, motivando o comentário do Elio Gaspari, que o acompanhava.
— Desse jeito você vai acabar chegando em casa duro.
O turco emendou:
— Dinheiro tem que circular para que volte às nossas mãos.
(Fernando Carlos de Andrade)
Comentar
Compartilhe
Sem se importar...
26/06/2019 | 07h06
Dia desses, em um supermercado em Campos, um freguês reagiu à ação da menina do caixa em conferir vagarosamente a validade das notas de R$ 50 dadas por ele.
O freguês fez o mesmo com as notas de R$ 10 e R$ 20 recebidas de troco. E não se importou com o tamanho da fila atrás dele.
Comentar
Compartilhe
Pela janela
25/06/2019 | 09h27
Uma ideia bem-vinda está rolando nas redes sociais: jogar sementes, secas, de frutas das janelas de carros em beira de estradas.
Mesmo que a maioria da sementes se perca é possível que algumas caiam na terra, frutificando com o tempo.
Comentar
Compartilhe
Desapego a dinheiro?
24/06/2019 | 08h16
O ex-governador Anthony Garotinho construiu a sua carreira política alardeando desapego a dinheiro. Mesmo depois do exercício de vários mandatos, dizia, ou ainda diz, possuir apenas uma casa na Rua do Braga, no bairro da Lapa, fruto de herança familiar.
Daí que Garotinho precisará de muitas e convincentes explicações para contestar a versão do empresário Arthur Soares, o “Rei Arthur”, feita em delação premiada, de que esteve de posse de R$ 10 milhões em espécie.
O que pesa, contra Garotinho, é que, segundo o “Rei Arthur”, o dinheiro foi fruto de propina. As acusações do empresário carioca saíram na coluna de Lauro Jardim, no Globo.
Comentar
Compartilhe
A violência a partir do progresso. Mas nem sempre
22/06/2019 | 07h20
A violência cresce no interior do Estado do Rio. No município de Campos não houve nenhum fato novo que justifique tal cenário, diferentemente de São João da Barra. Ali, o aumento da criminalidade está ligado à instalação do Porto do Açu. É o preço do progresso.
A população em SJB cresceu a partir do porto, com gente de fora que veio trabalhar na obra. Concluídas etapas da construção, demissões foram feitas. No desemprego, o crime ganhou contornos. A avaliação é da própria delegada titular da 145ª DP, Madeleine Farias.
A cidade de Macaé, antes chamada de Princesinha do Atlântico, tornou-se violenta ao acolher bases da Petrobras. E Itaboraí foi inserido no mapa da violência depois que recebeu o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro.
Comentar
Compartilhe
Prazo fatal
19/06/2019 | 13h00
Sabe aquelas sacolinhas plásticas que embalam compras nos supermercados? A partir do dia 26 agora já não poderão ser distribuídas por vigência de lei estadual.
No Superbom, a principal rede de supermercado da cidade, funcionários têm alertado os clientes. E bolsas retornáveis são oferecidas ao preço de R$ 4,99.
Comentar
Compartilhe
Reflexo do caos
18/06/2019 | 19h28
Uma área na BR-101, em frente ao posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no trecho Campos-Rio de Janeiro, exibe tudo quanto é tipo de veículos apreendidos por diferentes razões.
O que impressiona é a quantidade de ônibus. São veículos que,certamente, fazem falta nas linhas urbanas e interdistritais, uma vez que o transporte público no município está um caos. O visual é emblemático.
Comentar
Compartilhe
Delação envolve Garotinho
17/06/2019 | 08h32
O jornalista Lauro Jardim publica, em O Globo, revelação do empresário carioca Arthur Soares, o "Rei Arthur", considerado o maior fornecedor de serviços aos governos de Anthony Garotinho, Rosinha e Sérgio Cabral, em que faz uma pesada denúncia.
O empresário conta que Garotinho o chamou ao Palácio Laranjeiras para uma demanda inusual. O então governador "estava com dificuldade em guardar dinheiro". E pediu que Arthur guardasse a grana para ele. Eram R$ 10 milhões, entregues em três malas.
Comentar
Compartilhe
Mobilização para 2020
14/06/2019 | 08h32
Um grupo de amigos do jornalista Fernando Leite, vice-presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, está se mobilizando para fazê-lo vereador nas eleições de 2020. O primeiro passo é convencer Fernando a entrar na disputa eleitoral.
Fernando tem uma bagagem parlamentar obtida nos anos 90, quando exerceu um mandato na Assembléia Legislativa. Foi dele a proposta de criação da Fundação Estadual Norte Fluminense (Fenorte), instituição mantenedora da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF).
A criação da Fenorte possibilitou a quebra da burocracia estatal, dando a agilidade necessária para contratação de professores/doutores, a importação de maquinários para o parque de alta tecnologia e a implementação definitiva da UENF.
Comentar
Compartilhe
Garotinho e Crivella, tal e qual
13/06/2019 | 08h29
Quando se lançou candidato ao governo do Rio, nos anos 90, Anthony Garotinho usou muito o slogan “o melhor prefeito do Brasil vai virar governador”. O mote originou-se do recebimento de uma premiação comum, dada a ene prefeitos pelo país afora.
Mas Garotinho incorporou o prêmio ao seu currículo informal e o aproveitou politicamente o quanto pôde na disputa de 1998, que acabou sendo vitorioso, elegendo-se governador.
A lembrança do episódio é a propósito de uma condecoração que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, não recebeu em Jerusalém, mas propagou ter recebido.
Crivella voltou atrás, admitindo que a homenagem foi feita à Igreja Universal. Já Garotinho explorou por muito tempo uma premiação lhe conferida sim, mas não só a ele.
 
 
Comentar
Compartilhe
O reconhecimento ao trabalho de um campista
12/06/2019 | 09h36
O campista Danilo Santos Miranda, que dirige o Sesc-São Paulo há 35 anos, tem o seu trabalho admirado e respeitado por diferentes setores, inclusive pela classe artística.
Assim é que a atriz Debora Bloch, consultada pelo O Globo, sugeriu o nome de Danilo para reconstruir o Canecão, a tradicional casa de shows no Rio.tombado pela Assembléia Legislativa, o Canecão poderá receber obras. E Debora gostaria que Danilo Miranda fizesse ali um centro cultural nos moldes dos Sescs.
O Canecão teria, pelo gosto de Debora, uma sala para shows de música, mantendo a tradição da casa, uma para peças e também espaços para exposições, esportes e cursos variados, com preços acessíveis.
"Exatamente como são os Sescs, um dos lugares mais democráticos, inclusivos e educativos que conheço", salientou Debora.
Comentar
Compartilhe
Uma luz no fim do túnel
11/06/2019 | 08h47
Surgiu uma luz no fim do túnel para o renascimento do Canecão, a casa de shows em Botafogo, no Rio, que, ao longo de sua história, atraiu tantos campistas pela exibição de espetáculos memoráveis.
Semana passada, a Assembléia Legislativa aprovou lei que destomba o Canecão, fechado desde 2010. A medida abre caminho para que a UFRJ, dona do imóvel, faça a licitação para cedê-lo à iniciativa privada por 50 anos.
O tombamento do Canecão ocorreu em 1999, quando Anthony Garotinho era governador, e via um projeto de lei do então deputado Sérgio Cabral.
 
 
Comentar
Compartilhe
Comunista reforma O Globo
09/06/2019 | 07h12
O jornalista Henrique Caban tinha fama de saber como montar redações brilhantes a exemplo do que ocorrera com a sucursal Rio da Editora Abril e a revista Veja.
Foi com essas credenciais que se habilitou a ingressar em O Globo, após se afastar dos Civita. E nunca mais esqueceu a conversa que tivera com Roberto Marinho, em seu gabinete, em 1971.
O futuro patrão tinha sobre a mesa sua ficha no Departamento de Ordem Politica e Social (Dops), onde havia copiosas anotações sobre suas atividades como membro do Partido Comunista.
— Você veio aqui fazer jornalismo ou política?
No mesmo dia foi contratado, logo depois assumia a chefia de redação de O Globo para comandar a primeira grande reforma do jornal, em companhia de José Augusto Ribeiro. 
(Memória da Imprensa Escrita - Domingos Meirelles)
Comentar
Compartilhe
Pré-candidatos a prefeito de Campos à espera de apadrinhamento
08/06/2019 | 09h25
Dois cabos eleitorais estarão em evidência no cenário político, também em Campos, com vistas a 2020: Jair Bolsonaro e Wilson Witzel. Sim, porque, em 2018, muita gente se elegeu para a Assembléia Legislativa e a Câmara dos Deputados no vácuo da vitória nas urnas do presidente da República e do governador fluminense.
O detalhe é que enquanto o poder de transferência de votos de Wtzel ainda não foi testado, o bolsonarismo sofreu um revés no primeiro teste nas urnas: em Iguaba Grande, Washington Tahim (PSL) foi derrotado por Vantoil Martins (PPS) na eleição complementar realizada domingo.
A derrota do PSL na Região dos Lagos vale de alerta para os pré-candidatos que se colocam no páreo eleitoral em Campos de olho no apoio bolsonarista. É certo que se o governo estiver bem, em meio ao processo sucessório, a sinalização será bem vinda.
O foco é o mesmo para o governador Witzel e os seus pré-candidatos em diferentes municípios.
Comentar
Compartilhe
Poder pode, mas não deve...
07/06/2019 | 09h33
Ao lado da Catedral Diocesana, foi instalado esse stand de vendas. É mais um que se coloca ali, ou na Praça do Santíssimo Salvador, no vale tudo que vive hoje o centro histórico de Campos.
A autorização dada pela prefeitura certamente tem o amparo legal. Mas fere a postura, porque traz prejuízo para o visual da área histórica da cidade. No caso, vale a expressão: poder pode, mas não deve...
Comentar
Compartilhe
Ninguém é responsável
06/06/2019 | 08h09
Ex-vice-prefeito de Campos, o médico Adilson Sarmet Moreira, quando o problema é a saúde pública no município, define assim: “Há uma ideia de que a situação é de todo mundo e não é de ninguém. Ninguém é responsável”.
Quanto ao plantão médico, Adilson discorda sobre a adoção de medidas restritivas para forçar o comparecimento. Defende que é preciso oferecer condições ao profissional, motivando-o para o trabalho.
Recentemente, no programa “Folha no Ar”, Adilson Sarmet ilustrou o quadro, lembrando um episódio vivido quando foi candidato pelo PSB a prefeito nas eleições de 1992.
Um colega médico garantiu-lhe o voto. Mas descartou o pedido para colocar um adesivo no carro. “Aí não posso, Adilson. Senão vou ter que trabalhar”.
Comentar
Compartilhe
Com um e outro
05/06/2019 | 11h24
Getúlio Vargas flertou com os nazistas e se juntou aos aliados, festejou a tomada de Paris por Hitler e cedeu bases militares aos americanos.
Dizem que certa vez recebeu um político que se queixou de um adversário, e Getúlio lhe disse que tinha razão. Pouco depois, veio o adversário, e falou mal do primeiro. Getúlio lhe deu razão.
Alzira, filha e secretária, reclamou: “Pai, um falou contra o outro e o senhor deu razão aos dois!” Getúlio: “Você tem razão”.
(Carlos Brickmann)
Comentar
Compartilhe
Entre o pai e o marido
04/06/2019 | 08h26
Na história política de Campos ninguém viveu nada parecido. Beatriz Diniz é única: filha de um ex-prefeito (Zezé Barbosa),foi casada com um deputado estadual e vereador (Sergio Diniz Nogueira) e é a mãe do atual prefeito Rafael Diniz (PPS).
Beatriz, com tais ligações, enfrentou saia justa quando questionada no "Folha no Ar", da Folha FM, sobre a eleição de 1990, em que o pai e o marido foram candidatos à Câmara dos Deputados. Ela não revelou o seu voto. "É segredo", brincou.
Mas Beatriz admitiu que teve uma participação dupla na campanha: em dias alternados, fez corpo a corpo e foi ao palanque do pai e do marido.
Comentar
Compartilhe
Você tem razão
04/06/2019 | 06h20
Getúlio Vargas flertou com os nazistas e se juntou aos aliados, festejou a tomada de Paris por Hitler e cedeu bases militares aos americanos.
Dizem que certa vez recebeu um político que se queixou de um adversário, e Getúlio lhe disse que tinha razão. Pouco depois, veio o adversário, e falou mal do primeiro. Getúlio lhe deu razão.
Alzira, filha e secretária, reclamou: “Pai, um falou contra o outro e o senhor deu razão aos dois!” Getúlio: “Você tem razão”.
(Carlos Brickmann)
Comentar
Compartilhe
O livro que Osório Peixoto escreveu, mas repudiou
02/06/2019 | 07h40
Ano -1970.
Osório Peixoto, socialista, acossado por violenta crise financeira, vira a noite fazendo um livro de cordel para Alair Ferreira, líder da Arena no Estado do Rio.
No dia seguinte, Osório vai ao escritório do deputado, na rua 13 de Maio, e apresenta-lhe o cordel de sua vida política.
Alair lê, atento, e pergunta:
— Quanto vou pagar por isto?
— Não sei, o senhor é quem faz o preço. Se eu pedir, peço muito pouco. E tem mais! O cordel deve sair com o pseudônimo de Zé dos Campos — recomenda Osório.
Alair concorda com o pedido. Quanto pagou pelo livro não se sabe, mas o jornalista e poeta assegurou pelo menos três meses de comida, água, luz e outras coisas.
Como tudo não são flores na vida de um poeta, Osório, dias depois, encontra-se com o advogado Elmar Martins. Com um sorriso sarcástico, Elmar dispara:
— Descobrimos o Zé de Campos, essa pessoa que, de vez em quando, goza alguém na cidade!
— De que maneira descobriram o tal sujeito? Quem é? — pergunta Osório, aflito.
Elmar estende ao poeta um livro branco, miudinho, com o título “O Deputado da Gente”. A princípio, Osório não entende nada, mas Elmar pede que dê uma olhada mais atenta no livro.
Na segunda página, em destaque, está lá:
“Obrigado, Osório Peixoto! Somente você, com sua inteligência e sensibilidade, poderia escrever tão bem sobre minha vida. Muito obrigado! Alair Ferreira”.
Osório, atônito, sai em direção à rodoviária, onde pega um ônibus com destino a Atafona. E se enfurna ali por 15 dias para passar a ressaca moral com o fato de as pessoas tomarem conhecimento de que ele, crítico da ditadura, produzira um livro para um deputado da Arena.
Sorte dele que o período era de inverno e havia pouca gente na praia.
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Saulo Pessanha

[email protected]