Terra de Ninguém: Polícia Rodoviária Federal fecha acessos clandestinos
12/12/2018 | 02h33
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) fechou hoje, junto com a concessionária Autopista Fluminense, alguns acessos clandestinos na BR-101 que facilitavam a fuga de bandidos no trecho chamado de Rodovia Niterói-Manilha, na altura de São Gonçalo. Os bandidos usavam estes espaços que haviam sido abertos entre as muretas da via para fugir rapidamente de moto após praticar arrastões e assaltos.
Além da questão da violência, facilitando a entrada e saída de bandidos, os acessos clandestinos também eram usadas por moradores da região. Os locais não possuem sinalização, com entrada e saída proibida de veículos na rodovia, podendo causar acidentes.
Não há faixas de desaceleração, marcas de canalização, sinalização vertical ou horizontal, entre outras sinalizações necessárias. A entrada e saída de veículos nesses locais pode ocasionar acidentes graves, prejudicando a circulação e segurança na rodovia.
Estão sendo fechados 1.112 metros de acessos clandestinos. Os usuários da rodovia, às voltas durante todo o ano com relatos de assaltos e arrastões na Terra de Ninguém (trecho existente entre os kms 307 e 309 da BR-101) e suas proximidades, agradecem.
Durante o ano as Forças de Segurança fizeram várias operações no Complexo do Salgueiro, conjunto de comunidades em São Gonçalo colado à Terra de Ninguém. No final de novembro uma megaoperação com mais de 1.500 agentes das polícias e Forças Armadas prendeu 31 pessoas no complexo, suspeitos de vários crimes.
Fontes: G1, O Fluminense, Agência PRF e Autopista Fluminense
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém: Gabinete de Intervenção Federal responde a Feijó
18/09/2018 | 07h17
O Gabinete de Intervenção Federal no Estado do Rio, através do seu Secretário, o General de Divisão Paulo Roberto de Oliveira, respondeu à solicitação do deputado federal Paulo Feijó, feita na semana passada (relembre aqui), pedindo providências e solução para as péssimas condições de segurança da rodovia BR-101, após vários relatos publicados no blog.
No ofício do Gabinete de Intervenção Federal, são relatadas algumas da medidas já tomadas e outras que estão por vir, embora sem êxito até agora na solução real do problema, que deixa usuários, muitos deles campistas e da região, expostos à total insegurança.
Confira abaixo no arquivo PDF:
Quanto aos demais ofícios pedindo providências aos órgãos competentes, a Policia Rodoviária Federal no Rio informou que já encaminhou a solicitação para o setor responsável, para as devidas as providências. Não houve retorno ainda da Polícia Federal em Brasília e da Autopista.
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém: relembre aqui todos os casos relatados pelo blog
08/09/2018 | 04h23
No final de julho foi publicada aqui a nota "BR-101, terra de ninguém", retratando as péssimas condições de segurança da rodovia, que expõem a graves riscos campistas e usuários que ali trafegam, em especial na Niterói-Manilha no trecho existente entre os kms 307 e 309, a "Terra de Ninguém", a "Faixa de Gaza" situada ao lado do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.
Em seguida, foi iniciada a publicação de uma série de relatos de casos de violência ocorridos na BR-101, a maioria deles com campistas. Já são 7 relatos e as informações não param de chegar, com o relato de um caso por semana, em média.
Infelizmente nem sempre consigo dar conta de todos, em função de outras atividades, mas tenho me esforçado para divulgar o descalabro ocorrido com a segurança na rodovia, para que as autoridades tomem as devidas e urgentes providências.
Confira abaixo todos os relatos publicados até agora:
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém: momentos de terror e pânico - Relato 6
28/08/2018 | 12h26
No final de julho foi publicada aqui a nota "BR-101, terra de ninguém", retratando as péssimas condições de segurança da rodovia, que expõem a graves riscos campistas e usuários que ali trafegam, em especial na Niterói-Manilha no trecho existente entre os kms 307 e 309, a "Terra de Ninguém", a "Faixa de Gaza" situada ao lado do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.
A onda de assaltos na BR-101 não para e já atingiu vários campistas que trafegam na rodovia. Um casal de médicos campistas quase foi vítima de um assalto no início do mês, tendo escapado por segundos, mas não sem antes verem outra infeliz vítima ser assaltada.
O assalto ocorreu próximo a Shopping São Gonçalo, na altura do km 312 da BR-101, a cerca de 3 km da "Terra de Ninguém", que fica 3 km antes. O crime ocorreu no mesmo local onde na semana passada um farmacêutico foi alvejado por um tiro no rosto, conforme foi noticiado aqui. Confira abaixo o sexto relato, agora com um casal de médicos campistas:
"Há 23 dias, no dia 01 de agosto, uma quarta-feira, eu estava indo para o Rio de carro com o meu marido, pela BR-101.
Quando estávamos próximo ao Shopping São Gonçalo presenciamos um assalto na BR 101. Vimos um carro parado com quatro pessoas saindo de mãos para o alto, sendo assaltados. Um bandido apontando uma arma, enquanto outro estava mexendo numa bolsa que devia ser de uma das vítimas do carro. Na frente e atrás do carro assaltado havia uma moto parada bloqueando a passagem do veículo.
Me chamou atenção que cerca de 2 km antes deste assalto o carro que vinha na nossa frente estava andando devagar na pista da esquerda. Meu marido não percebeu, pois estava conversando com meu cunhado, quando eu chamei sua atenção que estávamos passando por uma zona de risco e que parassem de conversar para se ligar no trânsito.
Justamente logo depois o carro da frente ligou o pisca-alerta e saiu pela direita, tendo meu marido também saído pela direita, pois percebeu que na verdade estava tendo um assalto igual a tantos que ouvimos falar. Era quarta feira, dia 01 de Agosto, por volta das 19h30. Por questão de segundos não fomos nós as vítimas.
As autoridades precisam tomar providências, pois estamos à mercê de bandidos e na hora nada podemos fazer a não ser contar com a proteção de Deus. Viajo com meu terço na mão."
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém: momentos de terror e pânico ontem à noite - Caso 5
23/08/2018 | 06h46
No final de julho foi publicada aqui a nota "BR-101, terra de ninguém", retratando as péssimas condições de segurança da rodovia, que expõem a graves riscos campistas e usuários que ali trafegam, em especial na Niterói-Manilha no trecho existente entre os kms 307 e 309, a "Terra de Ninguém", a "Faixa de Gaza" situada ao lado do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.
A onda de assaltos na BR-101 não para e já atingiu vários campistas que trafegam na rodovia. Ontem à noite, por volta de 18h30, mais um caso de violência ocorreu. Um farmacêutico, de 50 anos, voltava para casa com a esposa e a sogra, em seu Kia Sportage, vindos de Cachoeiras de Macacu, com destino à sua residência no bairro de Icaraí, em Niterói
No km 312 da BR-101, na altura da divisa entre os bairros Boavista e Boaçu, em São Gonçalo, ao lado do Piscinão, bandidos atravessaram um carro na pista, bloqueando-a. O farmacêutico tinha acabado de passar na "Terra de Ninguém", que fica 3 km antes.
Ele dirigia o carro e conversava com a sogra e a esposa, com os vidros fechados, e não percebeu a ordem de parar dada pelos bandidos. Os assaltantes abriram fogo e atingiram o farmacêutico no rosto. Quando o carro parou os bandidos vieram até a janela e mandaram os ocupantes descerem. Ao verem o motorista baleado e ensanguentado, desistiram e foram assaltar outro veículo.
Pelas redes sociais, no Rio, diversas pessoas relataram a tentativa de um arrastão da BR-101, sendo que alguns carros chegaram a parar e voltar de ré. A Polícia Rodoviára Federal (PRF) confirmou apenas a tentativa de assalto que terminou com uma vítima baleada. No carro, havia duas marcas de tiro, uma na lataria e outra no vidro, tendo este último atingido o motorista.
A própria PRF socorreu o homem ontem à noite e o encaminhou para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no bairro de Fonseca, em Niterói. Na manhã de hoje ele foi transferido para um hospital particular, na Barra da Tijuca, no Rio. Seu estado de saúde é estável. Por conta da bala que ficou alojada, ele passará por uma cirurgia.
De acordo com testemunhas os assaltantes usavam um veículo modelo Logan de cor prata. A notícia, com base em matéria do G1 (confira aqui), circulou hoje em vários grupos de WhatsApp em Campos e foi tema de matéria no RJ-TV e no Bom Dia Brasil, ambos da Globo.
Fontes: G1, Tribuna de Niterói e O Fluminense
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém: momentos de terror e pânico - Relato 3
04/08/2018 | 09h29
Segunda-feira foi publicada aqui a nota "BR-101, terra de ninguém", retratando as péssimas condições de segurança da rodovia, que expõem a graves riscos campistas e usuários que ali trafegam, em especial no trecho existente entre os kms 307 e 309, a "Terra de Ninguém" situada ao lado do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.
A onda de assaltos na BR-101 não para, atingindo vários campistas que trafegam na rodovia. Segue abaixo o terceiro relato que chegou até a mim, para que outros campistas tenham conhecimento do que vem acontecendo na BR-101 em direção ao Rio e para cobrar dos responsáveis medidas para garantir a segurança na rodovia.
O terceiro relato, do médico Demétrio, que ia de Campos para o Rio no dia 05 de maio, um domingo, onde iria trabalhar. Ele saiu de Campos por volta de 19h30. Em torno de 22h00, na altura do km 283, ele iria subir o Viaduto de Duques, no primeiro acesso a Itaboraí, quando foi abordado por vários assaltantes armados. Confira:
"No sábado de 05 de maio de 2018, saí de Campos, por volta das 19h30, com destino ao Rio de Janeiro, onde iria trabalhar no domingo.
Por volta das 22h00, na altura de Itaboraí, na primeira entrada, logo após passar um radar de 60 km/h e chegar ao início da subida do Viaduto de Duques, me deparei com uma caminhonete S10 atravessada e obstruindo toda a via.
Logo que fui parando meu carro fui rendido por mais de 6 assaltantes, todos armados. Destes, 3 ou 4 vieram para cima de mim, apontando suas armas. Tive roubado meu carro e todos os pertences pessoais, levando carteira, celular, mala, etc....
Graças a Deus não sofri nenhuma agressão física e estava sozinho sem minha mulher e filhos. Dois minutos depois deles irem embora levando tudo que eu tinha passou um carro da Polícia Militar e me "resgatou", me levando para registrar queixa na Delegacia.
Acabei recuperando meu carro um dia depois, em Itaboraí. Ele foi abandonado, batido em um poste, na entrada de uma comunidade. Uma menina da comunidade teria tentado dirigir o carro, perdido o controle, atropelado uma cicilista e batido no poste.
Após recuperar o veículo, o trouxe para Campos, onde fiz os vários consertos necessários. Com desgosto, vendi o carro para trocar por outro, gerando grande perda material.
Infelizmente estamos abandonados totalmente pelo poder público e pela concessionária que administra a rodovia, não há segurança alguma, pagamos uma fortuna de impostos, várias praças de pedágio e estamos entregue a própria sorte.
Nem blindar um carro de maneira adequada nos é permitido, afinal a blindagem que o governo nos autoriza a fazer não é capaz de proteger tiros de fuzil, arma comum na mão dos assaltantes de hoje.
Fica aqui meu relato, espero que alguém do poder público possa nos ajudar e fica aí a reflexão para as próximas eleições."
Comentar
Compartilhe
Forças de segurança na Terra de Ninguém na BR-101
04/08/2018 | 08h25
Desde quinta-feira leitores que passam pela "Terra de Ninguém" na BR-101 têm relatado a presença maciça das forças de segurança pública, com forte presença de veículos da Polícia Rodoviária Federal (PRF) com vários agentes armados, inclusive com fuzis, e tamném de veículos da Força Nacional.
Recebi relatos na quinta-feira, na sexta-feira e hoje. Na sexta-feira eu mesmo pude presenciar as forças na região. Que seja uma constante e não uma ação isolada.
Na segunda-feira foi publicada aqui a nota "BR-101, terra de ninguém", retratando as péssimas condições de segurança da rodovia, em especial no trecho existente entre os kms 307 e 309, a "Terra de Ninguém" situada ao lado do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. No km 308 há um posto da PRF.
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém: Autopista Fluminense emite nota oficial
31/07/2018 | 05h26
A Autopista Fluminense, concessionária da BR-101 entre Campos e o Rio, enviou por e-mail uma Nota Oficial sobre o post "BR-101, terra de ninguém", publicado aqui ontem, retratando as péssimas condições de segurança da rodovia, que expõem a graves riscos campistas e usuários que ali trafegam.
A publicação localiza o trecho de maior perigo da BR-101, a "Terra de Ninguém" que existe entre os kms 307 e 309, situado ao lado do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. A Autopista constata não ter poder de polícia e relata os investimentos feitos com câmeras, mas não explica o que de fato foi feito para melhorar a segurança naquele perigoso trecho especificamente.
Confira abaixo a Nota Oficial:
NOTA À IMPRENSA
A Arteris Fluminense informa que não tem poder de polícia para fiscalizar e realizar ações de segurança pública na rodovia. A concessionária informa que as imagens das câmeras são disponibilizadas em tempo real via fibra óptica para as delegacias da Polícia Rodoviária Federal nas cidades de Niterói e Campos dos Goytacazes e para o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na cidade do Rio de Janeiro, e que os aparatos de monitoramento da Arteris Fluminense são utilizados pelas Polícias para investigações quando solicitado. Mais de 110 câmeras, via circuito fechado de TV, fazem parte do sistema de monitoramento de tráfego e operação da rodovia, o que possibilita mais precisão e agilidade no acionamento de recursos para atendimento aos usuários. A concessionária informa também que estuda a instalação de novas câmeras ao longo da rodovia junto à Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT), agencia que regula o contrato de concessão.
Em operação desde fevereiro de 2012, as localizações das câmeras foram definidas após a análise dos números de ocorrências, do traçado, do relevo e dos principais acessos e entroncamentos ao longo da rodovia. Instaladas em postes de 14 metros de altura, as câmeras têm capacidade de visualização dia e noite, possuem alcance de até 2 quilômetros, giro de 360°, resolução HD (720p) e Detecção Automática de Incidentes (DAI) – que identifica veículos parados na via ou trafegando na contramão, pedestres em faixa de rolamento, trânsito lento, entre outros.
Comentar
Compartilhe
BR-101, terra de ninguém
30/07/2018 | 09h54
A onda de assaltos na BR-101 não para, atingindo vários campistas que trafegam na rodovia, principalmente os que têm o Rio como destino final ou que retornam da capital para Campos. Toda semana há pelo menos um relato de violência na estrada, seja assalto, tentativa de assalto, arrastão, perseguição de carros, bandidos circulando com armas em punho e/ou carros fugindo de ré.
Há vários trechos críticos, alguns perto de Macaé, mas o pior hoje é o segmento chamado de Rodovia Niterói-Manilha, entre Niterói e o distrito de Manilha, em Itaboraí. Esse trecho corta São Gonçalo, município mais populoso do estado do Rio depois da capital, com 1 milhão de habitantes.
Crescendo de forma desordenada, São Gonçalo conta com muitas favelas, sendo várias delas localizadas às margens da BR-101. O trecho mais perigoso da rodovia é o que passa ao lado do Complexo do Salgueiro, situado entre os kms 307 e 309, bem próximo ao Posto de Polícia Rodoviária Federal.
Ali é onde tudo acontece. Os bandidos e traficantes assaltam na rodovia e rapidamente entram no Complexo do Salgueiro, onde o estado não tem vez. O complexo reúne 5 favelas e 15 mil moradores e é considerado um dos locais mais perigosos do estado do Rio, onde sequer ONGs entram.
As vias que dão acesso ao Complexo do Salgueiro são fechadas com barricadas pelo tráfico. Em suas margens, bandidos circulam com fuzis. É esconderijo de chefes de facção e o quartel general do Comando Vermelho em São Gonçalo. É também um dos principais redutos de assaltantes de carga no estado.
Para quem vai de Campos ao Rio, ele fica à direita da rodovia, se iniciando no km 307, pouco antes do Posto da Polícia Rodoviária Federal situado no km 308, ao lado do Complexo do Salgueiro. Esse posto é chamado de Posto de Itaúna, em referência ao bairro de Itaúna. Em frente ao Complexo do Salgueiro há uma passarela na rodovia, a Passarela 12 ou Passarela do Luiz Caçador, famosa por sediar bocas de fumo.
Espremidos entre a BR-101 e a Baía de Guanabara, bandidos e traficantes do Complexo do Salgueiro assaltam na rodovia nos dois sentidos e têm que passar por ela para acessar os demais bairros e a sede do município de São Gonçalo, bem como para ir a outros municípios.
Além da Polícia Rodoviária Federal, perto deste trecho da rodovia há um Batalhão da Polícia Militar. Apesar da violência ser amplamente conhecida ali, o estado se omite e pouco ou nada faz. A AutoPista Fluminense, dona da concessão, fatura com os pedágios, mas não se mobiliza em prol dos usuários da rodovia.
Enquanto isto, motoristas e passageiros na BR-101 ficam à mercê da própria sorte e têm de rezar para não ser o alvo da vez, seja próximo a Macaé, ao Complexo do Salgueiro ou em outro trecho inseguro da rodovia.
Fontes: Folha de São Paulo, Extra, O São Gonçalo e O Fluminense
Comentar
Compartilhe
Virou moda
29/12/2017 | 12h20
A mais nova moda em Campos neste final de ano é interditar a BR-101, prejudicando o direito de ir e vir das pessoas em uma rodovia federal, uma das mais importantes do país. Na semana passada, a manifestação foi em Ururaí, com moradores que invadiram as casinhas populares não concluídas no governo anterior reclamando de falta de luz.
Descobriu-se que na verdade a falta de luz era fruto de um corte executado pela Ampla em gatos feitos em ligações clandestinas por estes moradores/invasores. Apesar dos vários crimes cometidos, como invasão, ligação clandestina de luz e interdição de uma rodovia federal, ninguém foi preso.
Ontem a BR-101 foi interditada no km 16 na altura de Travessão por moradores que reclamavam de falta de água em área que é abastecida pela Prefeitura de Campos (confira aqui). A área não é coberta pelo contrato de concessão com a Águas do Paraíba. A interdição durou 5 horas e causou engarrafamento de 4 quilômetros.
Neste caso, o motivo era totalmente justo, mas a maneira encontrada para protestar causou danos a centenas de pessoas que nada tem a ver com o problema. Carros ainda desviaram por dentro de Travessão, mas ônibus e caminhões ficaram horas esperando, atrasando a vida de quem transportava cargas e passageiros em pleno período de fim de ano.
Hoje novamente o motivo é falta d´água. Moradores do Parque Aeroporto, na altura do km 58 da BR-101, inspirados pelo movimento de ontem, fecharam a rodovia para protestar (confira aqui). Ainda que sejam justas as reclamações, muitas deles referentes a condições básicas de sobrevivência, não se pode tirar o direito de ir e vir e é injusto penalizar quem nada tem a haver com o problema.
Os campistas que tiverem como destino Guarapari e as praias capixabas neste fim de ano devem se preparar, assim como os viajantes que buscam ir ao Nordeste de carro, bem como ônibus e caminhões que transportam cargas e passageiros pela BR-101.
Enquanto isto, o poder público federal assiste inerte ao fechamento contínuo de uma das principais rodovias federais do país.
Comentar
Compartilhe
Próximo >
Sobre o autor

Christiano Abreu Barbosa

[email protected]