Bozo: "desmatamento e queimadas são culturais". / Seu bife causa quase 90% da destruição
21/11/2019 | 01h56
Nesta quarta-feira (20), na saída do Palácio da Alvorada, ao encontrar eleitores, o presidente Jair Bolsonaro disse que o desmatamento e as queimadas são "práticas culturais no Brasil". Ele ainda criticou a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, dizendo que quando Marina estava à frente da pasta houve "a maior quantidade de ilícitos na Amazônia". Mas, Bolsonaro não apresentou dados que sustentem sua afirmação. 
Na última segunda-feira (18), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostrou que, entre agosto de 2018 e 31 de julho deste ano, a Amazônia perdeu 9.762 km² de floresta, uma alta de 29,5% (quase 30%) em relação ao mesmo período anterior. ESTE É O MAIOR PERCENTUAL DE DESTRUIÇÃO DA AMAZÔNIA DESDE 1998, quando o estrago avançou 31% (pouca coisa acima da destruição de agora), e significa, mais ou menos, quase 13 mil quilômetros de mata devastada.
O Sinistro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ignorou, como sempre, sua responsabilidade e a de Bolsonaro em relação a essa destruição, e disse, com o ar debochado que sempre mantém em sua fala, que o aumento se deve a "motivos já conhecidos", que "acontecem há anos". A chamada Amazônia Legal é formada por nove estados, e o Pará é o que responde por 39,6% do desmatamento.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O DESMONTE DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS,
FEITO NA CARA DE PAU
FUNDO AMAZÔNIA - O Fundo Amazônia tem por finalidade captar doações para investimentos não-reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento, e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no Bioma Amazônia, nos termos do Decreto no 6.527, de 1º de agosto de 2008. Ele estava funcionando normalmente por dez anos (de 2008 a 2018), mas está paralisado em 2019. O Fundo, que já recebeu R$3,4 bilhões de doações desde sua criação, em 2008, foi desmontado por Ricardo Salles, que tentou mudar o conselho responsável por sua administração e a destinação das verbas. O estrago assinado por esses nomes do (des)governo é tão absurdo que em agosto a Noruega, que financia 94% da iniciativa, cancelou um repasse de R$133 milhões, e a Alemanha também cancelou repasse ao Fundo. Após o Inpe, por várias vezes, deixar claro a destruição da Amazônia, Jair Bolsonaro simplesmente demitiu, em agosto, o então presidente do órgão, Ricardo Galvão. 
 
 
IBAMA SUCATEADO - Desde quando tomaram posse, Jair Bolsonaro e o sinistro Ricardo Salles atacam agentes do Ibama, acusando-os de promoverem uma "indústria de multas". Em abril, o presidente disse que mandou Salles "fazer uma limpa" no órgão, e nesse mesmo mês o orçamento do Ibama teve uma redução de 24%, saindo de R$368,3 milhões para R$279,4 milhões. 
BOLSONARO E SALLES SÃO ESTRATÉGICOS - O Observatório do Clima disse, em nota, que o aumento da destruição ambiental na Amazônia ocorreu por conta da estratégia de Bolsonaro de desmontar o Ministério do Meio Ambiente, desmobilizar a fiscalização, engavetar os planos de combate ao desmatamento feitos pelos governos anteriores (PT) :) , e empoderar, no discurso, criminosos ambientais.
O QUE OS DADOS DO ANO QUE VEM VÃO REVELAR?
Ambientalistas acreditam que, em 2020, o Prodes, uma ferramenta do Inpe que mede as taxas anuais de desmatamento, e que indicou esses 29,5% de agora, vai mostrar uma Amazônia muito mais destruída. Apenas entre agosto e a primeira semana deste mês de novembro, o Deter, sistema de alertas do Inpe, registrou 3.929 km² desmatados, o que quer dizer 57% de tudo o que foi destruído até agora em 2019. Em 2020, o setor de monitoramento de matas do Inpe pode ter um corte de 38%, saindo de R$2,01 milhões e indo para R$1,21 milhão.   
O SEU BIFE TAMBÉM ASSINA ESSA DESTRUIÇÃO
- A FLORESTA VIRANDO CAPIM! -
O compromisso do Brasil era de não desmatar mais de 3.900 km² até 2020. E de agosto até a primeira semana de novembro tivemos nada mais nada menos do que mais que isso, 3.929 km². Diante de toda essa destruição, Bolsonaro diz que o Código Florestal "é o suficiente".
"Se fosse, não estaríamos vendo a floresta virar capim", disse a professora Mercedes Bustamante, da UnB.
Quase 90% do desmatamento na região amazônica é em decorrência da pecuária (EXTERMÍNIO DE ANIMAIS). O fogo é usado para limpar o terreno, pra colocar milhares de animais (a maioria, bois) que serão assassinados pouco tempo depois. E a pecuária continua liderando, também, os índices de trabalho escravo, na Amazônia e no restante do país.
Dados do TerraClasse, programa de monitoramento das áreas que já foram abertas, feito pelo Inpe e pela Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária], nessas áreas se colocam espécies de gramíneas, forrageiras, capim para os bois. O Pará é hoje um dos maiores "criadores" de bois do Brasil. 
A Amazônia tem hoje 85 milhões de bois "criados" para o extermínio, três para cada habitante humano. Na década de 1970, a quantidade desses animais era um décimo desse tamanho e a floresta estava quase intacta. Desde então, uma porção equivalente ao tamanho da França desapareceu, da qual 66% virou pastagem. A mudança foi incentivada pelo governo, que motivou a chegada de milhares de fazendeiros de outras partes do país. A pecuária tornou-se bandeira econômica e cultural da Amazônia, no processo, elegendo poderosos políticos para defender a atividade. 
ALÉM DE LUTAR CONTRA O DESMONTE AMBIENTAL DESSE (DES)GOVERNO, O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO PARA NÃO COMPACTUAR COM ESSA DESTRUIÇÃO? VOCÊ PODE SIMPLESMENTE TOMAR OS DADOS COMO BASE E INICIAR UMA ALIMENTAÇÃO VEGANA, TIRANDO OS ANIMAIS E SUAS SECREÇÕES (LEITE E OVOS) DO PRATO. PELOS ANIMAIS, PELO MEIO AMBIENTE E POR SUA SAÚDE.
Mais informações sobre a DESTRUIÇÃO DA AMAZÔNIA, QUE É CAUSADA PELA PECUÁRIA, você encontra em documentários, artigos, pesquisas, e dentre eles estão os documentários: "Sob a pata do boi" (2018), nacional, do diretor Marcio Isensee e Sá; e Cowspiracy (2014), de Kip Andersen, que você pode assistir à versão legendada aqui: www.youtube.com/watch?v=18LTa6W8wtI 
Comentar
Compartilhe
Vigília "Justiça para Cícero", no Fórum, durante julgamento do assassinato de Cícero Guedes (MST)
07/11/2019 | 16h10
Por Thaís Tostes / Fotos: Coletivo de Comunicação do MST-RJ
Nesta quinta-feira (7), acontece no Fórum Luiza Maria Tereza Gusmão, em Campos-RJ, a vigília "Justiça para Cícero", diante do julgamento do assassinato de Cícero Guedes, liderança sem-terra. O réu, José Renato Gomes de Abreu, foi a Júri Popular.
O crime ocorreu em janeiro de 2013, próximo à Usina de Cambaíba, em Campos-RJ. Cícero era uma grande liderança do movimento de luta pela terra, e era um dos coordenadores do Assentamento Zumbi dos Palmares.
O Brasil é o país que mais mata ativistas de Direitos Humanos no mundo, deixando para trás países líderes em assassinatos desses ativistas, como Filipinas, México e Colômbia. 
As fotos são do Coletivo de Comunicação do MST-RJ.
Comentar
Compartilhe
Bolsonaro: 300 dias de (des)governo e a maior crise ambiental. Salles, curtindo litoral
07/11/2019 | 02h49
Por Thaís Tostes // Artes: Mídia Ninja e Design Ativista / Fotos de Brumadinho: Thaís Tostes
 O seu presidente parece se superar na arte do (des)governo. Com popularidade baixíssima (até entre os militares kkkkkk), Jair Bolsonaro chega aos 300 dias de mandato num cenário de um Brasil com sua maior crise ambiental. Como divulgou a Mídia Ninja, nesta quarta-feira (6), o óleo que atravessou a costa do Nordeste chegou a cidade de Mucuri (BA), que faz a divisa entre a Bahia e o Espírito Santo. Até agora mais de 2,5 mil toneladas de petróleo foram despejadas nas praias brasileiras. Enquanto isso, o seu ministro, o antiambientalista Ricardo Salles, curte o litoral de São Paulo! Os voluntários que lutem! :)
Sobre Brumadinho-MG, que deixou milhares de animais mortos, e 250 pessoas, além de 20 humanos desaparecidos, a Agência Nacional de Mineração divulgou que a Vale omitiu informações sobre a Barragem do Córrego do Feijão. Brumadinho é considerado o maior crime ambiental da história do país.
Também foi durante o (des)governo Bolsonaro que o Brasil vivenciou sua maior queimada já registrada: mais de 1 milhão de hectares foram queimados.
(   )Simples coincidência?
(   ) A culpa é do PT?
(   ) Espécie de maldição que caiu sobre o Brasil depois das eleições de 2018? 
Comentar
Compartilhe