Termina hoje o Seminário Nacional dos Policiais Antifascismo, no Rio
29/09/2017 | 13h42
Texto e foto por: Thaís Tostes
Acontece nesta sexta-feira (29), na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio, capital, o 1* Seminário Nacional dos Policiais Antifascismo, que teve início ontem e que reúne dezenas de policiais e demais profissionais de Justiça e Segurança Pública para debater questões urgentes do país, como, por exemplo, a desmilitarização das políticas de segurança e a legalização das drogas. Esses dois temas, em específico, estiveram em debate nas mesas de hoje, e ontem o seminário debateu "a construção dos policiais como trabalhadores" e "políticas de segurança sem derramamento de sangue". Agora à tarde, às 15h, acontecerá uma plenária para a elaboração do Manifesto dos Policiais Antifascismo.
"Pesquisando sobre qual é o público que usa drogas ilícitas, encontrei uma pesquisa da FGV que diz que 62% dos consumidores declarados pertencem à classe A, que representam 5,8% da população. 85% dos usuários de drogas são brancos. E, na outra ponta: quem produz a droga? O cara mais poderoso é o dono das fazendas onde se planta a droga. Se não é na favela onde há a produção, e não é na favela onde está o consumo, o que há então na favela quando o Estado foca seu olhar para o combate às drogas? E aí concluímos: não há combate a drogas. O que há é o combate a pessoas. É um racismo de Estado, porque não é uma escolha aleatória – tem embasamento na história. O Estado brasileiro sempre marginalizou e criminalizou a população negra com objetivo nítido de controle , de criminalização e extermínio. Não vemos o Estado fazendo buscas nas fazendas, nos aeroportos. E os brancos que estão no comércio de drogas não são vistos pela imprensa, nem pela sociedade, como traficantes. A imagem do traficante é a do cara que 'tá na favela, que é negro, pobre.", analisou o policial civil da Bahia, Kleber Rosa, na mesa "Legalização das drogas - uma pauta policial", que ocorreu hoje de amanhã.
Comentar
Compartilhe
Seminário Nacional dos Policiais Anti-Fascismo, hoje e amanhã, na OAB do Rio
28/09/2017 | 11h30
Acontece hoje e amanhã (sexta, dia 29), na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio, capital, o 1° Seminário Nacional dos Policiais Antifascismo, um encontro que reunirá policiais (militares, civis, federais), inspetores, delegados, advogados, juízes, promotores, defensores e demais profissionais da Justiça e Segurança Pública do país para debates sobre questões urgentes e importantíssimas. Hoje, com play às 16h, os debates serão sobre "A construção dos policiais como trabalhadores" e "Política de segurança sem derramamento de sangue". 
Quem vai expôr e debater sobre "A construção dos policiais como trabalhadores" serão: o inspetor de polícia e diretor da Associação dos Policiais Civis da Bahia, Denison Campos Neves; o cabo da Polícia Militar de Santa Catarina e presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), Elisandro Lotin; o inspetor de polícia e diretor da Coligação dos Policiais Civis do Rio de Janeiro, Hildebrando Saraiva; e a perito criminal e membro do Movimento Unificado dos Servidores Públicos, Janaína Matos.
A mesa seguinte, sobre "Política de segurança sem derramamento de sangue", será composta pelo professor doutor Nilo Batista, do Instituto Carioca de Criminologia (ICC); a professora doutora Vera Malaguti, também do ICC; o delegado Orlando Zaccone, da Polícia Civil do Rio (caso Amarildo); o coronel da Polícia Militar do Rio, Ibis da Silva; e o membro da Comissão dos Direitos Humanos da OAB-RJ, Marcelo Chalreo.
Já amanhã, sexta, os debates serão sobre "Legalização das drogas - uma pauta policial" e "Desmilitarização das políticas de segurança". O primeiro destes será feito por: Thiago Luiz, da Polícia Civil do Rio; Fabrício Rosa, da Polícia Rodoviária Federal de Goiás; Sandra Ornelas, também da PC do Rio; e Kleber Rosa, da Polícia Civil da Bahia. O último debate do seminário, sobre "Desmilitarização das políticas de segurança", será feito pelo tenente da Polícia Militar do Ceará, Anderson Duarte; pelo subtenente Misael Souza, do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia; Monica Lopes, da Guarda Municipal de Fortaleza; e por Bruno Vieira de Freitas, da Polícia Civil do Rio.
Após os debates, finalizando o encontro nacional, acontecerá uma plenária para a elaboração e aprovação do Manifesto dos Policiais Antifascismo. 
Comentar
Compartilhe
Votação da redução da maioridade penal é adiada! #ReduçãoNão!
27/09/2017 | 13h03
VITÓRIA! A votação da redução da maioridade penal, que estava programada para acontecer hoje (quarta, dia 27), na CCJ do Senado (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania), foi adiada para acontecer daqui a 30 dias. O adiamento foi possível graças à pressão das ruas contra esse crime cometido contra a juventude. Não queremos falsas soluções pra violência, queremos educação, cultura, emprego e oportunidades para a juventude!
Pressione os senadores e receba os próximos passos da campanha "Amanhecer contra a redução", no site: www.reducaonaoesolucao.com.br
Temos 30 dias para dizer que #ReduçãoNãoÉSolução e impedir a aprovação dessa PEC que vai levar milhares de jovens para a cadeia. São 30 dias para fazemos protestos, caravanas para Brasília, pressionarmos por e-mail, redes sociais, telefone e ao vivo cada um dos senadores que têm a vida da juventude nas mãos. São 30 dias para colocar essa pauta no centro das mobilizações e para defender o futuro do Brasil. 30 dias para dizer que não queremos falsas soluções para a violência.
Nenhum país que reduziu a maioridade penal reduziu a violência!
“Seria o maior retrocesso nos direitos da criança e do adolescente no Brasil”, diz o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Brasil. Segundo o órgão, a redução descumpre convenções internacionais assinadas pelo Brasil e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
“Reduzir a maioridade penal não resolverá o problema da segurança e dos altos índices de violência. No Brasil, os adolescentes são hoje mais vítimas do que autores de atos de violência. São eles que estão sendo mortos”, diz a Unicef.
O Brasil tem a 4° maior população carcerária do mundo e um sistema prisional superlotado com 500 mil presos. Só fica atrás em número de presos para os Estados Unidos (2,2 milhões), China (1,6 milhões) e Rússia (740 mil).
O sistema penitenciário brasileiro NÃO tem cumprido sua função social de controle, reinserção e reeducação dos agentes da violência. Ao contrário, tem demonstrado ser uma “escola do crime”.
Portanto, nenhum tipo de experiência na cadeia pode contribuir com o processo de reeducação e reintegração dos jovens na sociedade.
#ContraARedução #ReduçãoNão #ReduçãoNãoÉSolução #ContraAReduçãoDaMaioridadePenal
Comentar
Compartilhe
Atafona sedia o festival Nova Terra, de espiritualidade, ciência e arte, neste fds
21/09/2017 | 18h10

Atafona, local místico onde o Rio Paraíba do Sul encontra com o Oceano Atlântico; local onde Chico Xavier esteve e se inspirou para escrever o seu livro "Portal de Luz", no qual fala que Atafona possui muita energia e que há, acima dela, uma cidade espiritual muito desenvolvida; localização geográfica a qual Pietro Ubaldi, outro nome do espiritismo, disse ter um link forte com o mundo espiritual; esse lugar que possui o terceiro clima medicinal do mundo e é o segundo maior delta do Brasil sediará neste final de semana (de amanhã - sexta, às 16h20- até domingo à noite - às 20h20) o encontro Nova Terra, que vai mixar espiritualidade, arte e ciência na Casa Duna, centro de arte, pesquisa e memória de Atafona (www.casaduna.org) - Rua Julio Souza Vale Junior, número 157, Atafona (perto da loja Constrular). O Nova Terra abre junto com o Equinócio da Primavera (22 de setembro) e acontece debaixo de um alinhamento planetário - que rola no sábado, dia 23. 

O encontro é mais um dos vários realizados pelo Movimento Nova Terra, movimento global que promove vários festivais que são verdadeiros laboratórios de novos paradigmas e novas formas de relacionamento do indivíduo consigo próprio e com a comunidade planetária e o Universo! O festival Nova Terra que acontecerá em Atafona certamente te desplugará da Matrix, como diz a própria descrição do evento na página do Facebook: www.facebook.com/events/2003702566572411/

Um dos integrantes do Movimento Nova Terra e da organização do festival, Marcelo Shama, comentou sobre o festival:

"Apesar de todos os desafios que estamos vivendo no mundo físico e astral, estamos entrando num momento único do planeta, no qual a humanidade poderá experienciar outro nível de consciência; um momento para transcender toda a dualidade e vivenciar cada vez mais uma vida em harmonia, unidade e amor no coração! E essa Nova Terra é isso - um estado de consciência! Nesses encontros, a gente apenas cria um campo de energia para que cada participante vivencie essa nova dimensão, esse Novo Mundo na prática, e possa entrar em contato consigo mesmx, com a pureza de sua criança interior e com pessoas que estão nessa mesma busca pela evolução aqui nessa escola chamada Gaia! E ao conhecer outros buscadores, isso gera um pertencimento, cria uma comum unidade e nos sentimos parte de uma família - planetária! Muitas pessoas estão adoecendo por não se sentirem parte de uma comunidade, de pessoas que cuidam e trocam amor. O meio transforma o indivíduo, e em cada encontro desse entramos dele de um jeito e saímos totalmente transformados. Então fica o chamado: venha se transformar, venha aprender e ensinar…. vem pra rodaaa!"

O QUE VAI ROLAR?

Yoga, Tai-Chi, meditação, dança circular, prática de dança-desenho, atividades permaculturais e agroecológicas, palestras, workshops e vivências xamânicas, práticas de reprogramação dos nossos padrões comportamentais (PNL e auto-hipnose), celebração com apresentações musicais (incluindo uma roda de mantras tocados com instrumentos musicais védicos), DJs e VJ, apresentação circense, círculos de conversas e debates, mostra de filmes, show de talentos, fogueira, passeio na praia, passeio de barco e o que mais fluir! 

Existe uma contribuição $ugerida - são 3 valores diferentes, e você pode escolher qual pode pagar:

Solidário > R$90 antecipado e R$140 na hora

Sustentável > R$130 antecipado e R$180 na hora

Ideal > R$180 antecipado e R$230 na hora

O encontro dá 30% de desconto para quem for ficar em uma casa ou pousada que não sejam na Casa Duna. O valor da diária > R$50 antecipado e R$80 na hora.

O festival também diz, em sua página: "Se o dinheiro for um impedimento, entre em contato conosco para pensarmos juntos em outra forma de troca."

Os valores incluem água potável, camping e um passeio de barco para conhecer a beleza e os mistérios da região. Por R$15/dia, a pessoa pode dormir dentro de uma suíte da casa, compartilhando o quarto com outra pessoa e trazendo o seu próprio colchonete. A alimentação não está inclusa, será vegana e vegetariana e custará > R$10 (café); R$15 (almoço) e R$15 (jantar). Menores de 12 anos não pagam ingresso e apenas metade da alimentação.

Para garantir o seu ingresso antecipado, basta depositar o valor na conta abaixo. Quem puder, já pode pagar adiantada a alimentação (somente pelos dias que vai se alimentar no evento), e no festival a organização dará fichas de consumação. Para isso, a pessoa deve levar o comprovante do depósito.

Caixa Econômica Federal

Agência 1927

Conta POUPANÇA 2843-0

Operação 13

CPF 055883807-38

Marcelo Fernandes

Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Thaís Tostes

[email protected]