Escola João Barcelos Martins, em Campos-RJ, OCUPADA! São 26 no Estado todo! "E se reclamarem, vamos ocupar mais!" #OcupaTudo!
11/04/2016 | 16h53
[Por Thaís Tostes, para a Mídia Ninja] Com as unidades de ensino que foram ocupadas nesta segunda-feira (11), já somam 26 escolas ocupadas por estudantes em todo o Estado do Rio de Janeiro. Os alunos exigem melhorias no setor e disseram que não recuarão nessa luta! 12512399_1585709918423022_4566844088835006353_n A Educação do Estado do Rio de Janeiro vive, há tempos, um colapso. São protestos atrás de protestos, negociações, paralisações: tudo para tentar uma melhoria no setor, que está nitidamente mega-sucateado. E essa história toda ganhou outro capítulo: a educação fluminense entrou, mais uma vez, em período de greve. Esta greve teve início no início de março e completa, hoje (11), 40 dias. No último dia 5, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), após quase três horas de tentativas de negociações, terminou sem acordo a reunião entre o Sindicato dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe) e o secretário de Estado de Educação, Antonio Vieira Neto, sobre as reivindicações da categoria. Professores e demais funcionários de escolas estaduais são contra os ajustes fiscais promovidos pelo então governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, e têm uma lista imensa de reivindicações. Os estudantes da rede pública de ensino do Estado resolveram entrar na fita e tomaram as escolas, ocupando 26 unidades de ensino (até a tarde desta segunda-feira, 11) em diferentes cidades do Estado. Eles apoiam a greve dos profissionais de Educação e deixaram claro que não darão nem um passo atrás na luta pela mudança completa desse cenário caótico que está a educação no Estado do Rio. “Nós vamos virar a educação fluminense do avesso! E se reclamarem, vamos ocupar mais!”, eles dão o recado. bd O secretário de Estado de Educação chegou a afirmar que as ocupações das escolas “fugiram ao controle da Secretaria”. “Não há mais o que fazer. Não sabemos, sequer, com quem negociar”. Os estudantes, no entanto, sentaram com ele e expuseram o que querem. Dentre as mais de 50 reivindicações, estão: ventilação e refrigeração nas salas de aula, melhor infraestrutura por completo, merenda, livre acesso a ônibus municipais e intermunicipais (inclusive nos finais de semana), mais funcionários (porteiros, profissionais específicos da área pedagógica, dentre outros), eleição direta para professores, exoneração de profissionais considerados autoritários, criação de disciplinas eletivas, fim do currículo mínimo, transparência nos recursos gastos, fim do Sistema de Avaliação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj) e mais aulas de sociologia e filosofia. [caption id="attachment_492" align="aligncenter" width="480"]#OcupaBangu, em Bangu, no Rio #OcupaBangu, em Bangu, no Rio[/caption] [caption id="attachment_493" align="aligncenter" width="496"]Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, na capital Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, na capital[/caption] [caption id="attachment_494" align="alignnone" width="768"]#OcupaGlória, em Volta Redonda-RJ #OcupaGlória, em Volta Redonda-RJ[/caption] A Secretaria afirmou que, apenas quando os estudantes cessarem o movimento de ocupação das escolas e “liberarem” as unidades, o órgão tomará as seguintes medidas: em relação à reivindicação de melhor infraestrutura das escolas, “será encaminhada uma equipe para as correções que se fizerem necessárias”; “tão logo as aulas sejam retomadas, o secretário fará uma visita às unidades”; e que “os casos específicos de cada unidade escolar serão analisados após a desocupação”. [caption id="attachment_495" align="alignnone" width="692"]#OcupaCompositor, em Manguinhos, na capital #OcupaCompositor, em Manguinhos, na capital[/caption] [caption id="attachment_496" align="alignnone" width="960"]Nas ocupações, os estudantes limpam e organizam os espaços, cozinham e promovem atividades como debates e intervenções culturais. Na foto, os estudantes da Faetec Bacaxá, em Saquarema-RJ (Foto: Leonardo Cohen, em sistema colaborativo para a Mídia Ninja) Nas ocupações, os estudantes limpam e organizam os espaços, cozinham e promovem atividades como debates e intervenções culturais. Na foto, os estudantes da Faetec Bacaxá, em Saquarema-RJ (Foto: Leonardo Cohen, em sistema colaborativo para a Mídia Ninja)[/caption] Estão ocupadas as escolas: Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, Rio; Gomes Freire de Andrade, na Penha, Rio; Heitor Lira, também na Penha, Rio; Visconde de Cairu, no Méier, Rio; Euclydes Paulo da Silva, em Maricá-RJ; Dr. João Nery, em Mendes-RJ; Matias Neto, em Macaé-RJ; Clóvis Monteiro, no Jacaré, na capital; Irineu Marinho, em Duque de Caxias, no Rio; Stuart Edgar Angel Jones, no bairro Senador Camara; Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho – Iepic, em Iguaba Grande-RJ, Região dos Lagos; Doutor Francisco de Paula Paranhos, em Niterói-RJ; Compositor Luiz Carlos da Vila, em Manguinhos, também na capital; Escola Chico Anysio, no Andaraí, Rio; Ciep 295 Professora Glória Roussim, em Volta Redonda-RJ; Escola Técnica Estadual Helber Vignoli Muniz (Faetec Bacaxá), em Saquarema-RJ; Colégio Estadual Guanabara, em Volta Redonda-RJ; e Ciep 460 Thiophyla Bragança, em Araruama-RJ. Na manhã desta segunda-feira (11), foram ocupadas as escolas: Escola Técnica Estadual João Barcelos Martins, em Campos dos Goytacazes-RJ, no Norte do Estado; o Colégio Estadual Bangu, em Bangu, Zona Oeste do Rio; o Ciep 403 Professora Maria Lurdes Giovanette, em Volta Redonda; o Ciep 335 Professor Joaquim de Freitas, em Queimados; a Faetec Juscelino Kubitschek, no Jardim América, Zona Norte do Rio; o Colégio estadual Professor Alfredo Balthazar da Silva, em Magé-RJ; o Colégio Estadual Herbert de Souza, no Rio Comprido, no Rio; e o Colégio Estadual Hispano Brasileiro, no Méier, na capital. Assim, são 26 escolas ocupadas, até a tarde desta segunda-feira, em todo o Estado.         [caption id="attachment_497" align="alignnone" width="1280"]Escola Técnica João Barcelos Martins, de Campos-RJ, ocupada na manhã desta segunda-feira. São 26 escolas ocupadas em todo o Estado do Rio de Janeiro Escola Técnica João Barcelos Martins, de Campos-RJ, ocupada na manhã desta segunda-feira. São 26 escolas ocupadas em todo o Estado do Rio de Janeiro[/caption] [caption id="attachment_500" align="aligncenter" width="504"]Instalações da Escola Visconde de Cairu, no Méier, que está ocupada por estudantes Instalações da Escola Visconde de Cairu, no Méier, que está ocupada por estudantes[/caption] [caption id="attachment_498" align="alignnone" width="720"]#OcupaClovis, no Jacaré, capital do Rio #OcupaClovis, no Jacaré, capital do Rio[/caption]
"É um movimento muito inspirador. Pra nós, que acreditamos na arte como forma de militância, é uma honra podermos chegar junto e contribuir, de alguma forma, pra essa mobilização. Todo apoio à luta unificada dos estudantes e professores da rede pública!" - disse o grupo musical El Efecto, da capital do Rio, que se apresentou na última sexta-feira, ao lado dos grupos Música na Calçada e Magoo Punx, na #OcupaMendes, ocupação do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes.
[caption id="attachment_499" align="alignnone" width="960"]El Efecto, Magoo Punx e Música na Calçada, na #OcupaMendes, na última sexta-feira (8). El Efecto, Magoo Punx e Música na Calçada, na #OcupaMendes, na última sexta-feira (8).[/caption] 12938072_1528717767434712_3458428831317601933_n Na última semana, a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro invadiu o Colégio Chico Anysio para impedir que os estudantes ocupassem essa unidade de ensino. A Polícia passou por cima do posicionamento do governador do Estado em exercício, Francisco Dornelles, que disse que: nesses 30 dias em que ele estiver como governador, “polícia não entra em escola”. O comandante do 6o Batalhão de Polícia Militar (Tijuca), Marcos Vinícius Mello, disse que a Polícia foi chamada pela própria direção da escola. Em entrevista ao Ninja, a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) classificou a ocupação dos estudantes como “invasão” e afirmou que a Polícia foi chamada à Chico Anysio por “vizinhos da escola”. Os estudantes da ocupação da Chico afirmaram que a Polícia Militar e integrantes da Seeduc pressionaram para que os alunos deixassem a escola e que a Seeduc chegou a ligar para pais de estudantes dizendo que o Conselho Tutelar seria chamado e que os pais poderiam responder a processo judicial caso os estudantes continuassem ocupando a Chico Anysio. [caption id="attachment_502" align="alignnone" width="960"]#OcupaBacaxá, em Saquarema-RJ (Foto: Leonardo Cohen) #OcupaBacaxá, em Saquarema-RJ (Foto: Leonardo Cohen)[/caption] [caption id="attachment_503" align="alignnone" width="960"]Confecção de faixas e cartazes, para a #OcupaBacaxá, em Saquarema-RJ Confecção de faixas e cartazes, para a #OcupaBacaxá, em Saquarema-RJ[/caption] [caption id="attachment_504" align="alignnone" width="768"]#OcupaGomes, na escola Gomes Freire de Andrade, na Penha, capital do Rio #OcupaGomes, na escola Gomes Freire de Andrade, na Penha, capital do Rio[/caption] O secretário de Educação chegou a afirmar que haveriam organizações por trás das articulações dos estudantes. No entanto, o coordenador geral da representação estadual do Sepe, Marcelo Santana, disse que, afirmando que há grupos coordenando a ação dos estudantes, o secretário tem o objetivo de tirar o foco do sucateamento das escolas. “O movimento estudantil é livre e feito pelos próprios estudantes. Eles não estão sendo orientados por ninguém. Acho que o secretário está subestimando a capacidade de articulação dos estudantes”, comentou Marcelo, afirmando, ainda, que a adesão à greve dos professores chega a 70% em Campos-RJ, Porciúncula-RJ e Natividade-RJ. [caption id="attachment_505" align="aligncenter" width="574"]#OcupaCeca - Colégio Estadual Chico Anysio, na Tijuca #OcupaCeca - Colégio Estadual Chico Anysio, na Tijuca[/caption] [caption id="attachment_506" align="aligncenter" width="576"]Instalações da Escola Visconde de Cairu, no Méier, que está ocupada por estuda Instalações da Escola Visconde de Cairu, no Méier, que está ocupada por estudantes[/caption] [caption id="attachment_507" align="aligncenter" width="672"]#OcupaGomes, na escola Gomes Freire de Andrade, na Penha, capital do Rio #OcupaGomes, na escola Gomes Freire de Andrade, na Penha, capital do Rio[/caption] [caption id="attachment_508" align="alignleft" width="404"]#OcupaMatiasNeto, em Macaé-RJ #OcupaMatiasNeto, em Macaé-RJ[/caption] "Me lembro de professores que, vergonhosamente, agrediram colegas de trabalho, pularam muro para furar a greve; de relatos de ofensas raciais e de gênero. Há má gestão da escola, que determina, por exemplo, que numa sala pequena possa ter dois aparelhos de ar condicionado e, em outra maior, nem ventilador. São salas cheias de livros não distribuídos! Trabalhadores da redondeza estão dando dando apoio à Matias Neto; o Sindicato dos Petroleiros apoiou, divulgando no site e no jornal da categoria. A galera do hip hop e graffiti também chegou junto. Já rolou batalha de MC, exposição de filmes e outras ações. Seria legal um apoio maior para que os alunos não sofram ataques por parte do Estado, por meio de seus agentes, ou gestores", comentou, em entrevista ao Ninja, um trabalhador que apóia a ocupação do Colégio Matias Neto, em Macaé-RJ. [caption id="attachment_509" align="alignnone" width="672"]#OcupaMatiasNeto, em Macaé-RJ #OcupaMatiasNeto, em Macaé-RJ[/caption]          
Comentar
Compartilhe
Veja as fotos do maior festival colaborativo do mundo, que rolou em Campos nesse final de semana! #Lacrou!
07/04/2016 | 18h39
O festival internacional Grito Rock – o maior festival colaborativo do mundo! -, idealizado pela Rede Fora do Eixo, promoveu uma edição em Campos, no último sábado (2). O Grito Rock Goytacá, que em Campos ficou sob a organização do coletivo Casinha, reuniu uma média de duas mil pessoas no Galpão Cultural da Universidade Federal Fluminense (UFF), com uma programação que envolveu diferentes linguagens. Foram várias bandas de diversas vertentes do rock (incluindo a banda Chintatá, de Cusco, Peru, que mixa rock com sons tradicionais peruanos); grafiteiros (Dog Jam, Keisy, Gouk, Jhony MisterBod, Pablo MalafaiaMV Curi) mandando graffiti em tempo real no muro do Galpão; e apresentações de teatro e de vários grupos e nomes da dança (dentre eles, a dançarina Teena Starling). Mais de 300 pessoas montaram todo o festival, no sistema de colaborativismo.  gerrr Também teve venda de lanches veganos, exposição de desenhos e quadros artísticos, venda de roupas, produção de mídia colaborativa, um set com as melhores músicas eletrônicas da atualidade (montado e tocado pela DJ Lydia Tucci) e, ainda, debates sobre direitos LGBTs e empoderamento da mulher negra – este último, coordenado pela rapper Ellen Corrêa. — As expectativas para esse festival foram a de curtir muito e de levar amor para as pessoas, pois foi amor que recebemos desde que chegamos ao Brasil — comentou o músico Jorge Vargas, que toca violino e controlador midi na banda Chintatá. Além da Chintatá, o line-up do festival englobou as bandas: Eixo Nacional, Anesthesy of Beer, Varney, Tubarão Martelo, Attività Power Trio, Facção Caipira e Des Plaines 4. A estudante Helena Moraes, de 20 anos, marcou presença no debate sobre empoderamento da mulher negra. “Acho que esse tipo de debate é muito importante para que as pessoas fiquem atualizadas sobre o feminismo”, comentou a estudante. Veja algumas fotos do festival, que foram feitas em sistema colaborativo por: Rodrigo Sobrosa, Mateus Gomes, Pâmella Corrêa, Duda Quintanilha, Mariah Leal, Victoria Tinoco, Boca, Thayna Carvalho, Keven Ras e Thaís Tostes. 12495068_10156891896820393_1256981759451224156_n 12938285_10156891897415393_3421376927323660559_n 12961751_10156891896995393_4934336737918321300_n keven tttttt ttttttttttttttttttttttttttttttttt 12592642_10156899332850393_6773713394204903502_n 12718214_10156899327825393_5381040768899560443_n 12919634_10156899326435393_6622275296636649559_n 12920527_10156899326225393_2246006455360816389_n 12961458_10156899326695393_6781863513577411260_n 12961614_10156899327310393_2753734897393762392_n pppp sss1 ssssrrr ssssss uuuuu vvvvv yyyy 944928_905995702853702_6353222825132732244_n 1916378_906350779484861_5806803095495344073_n 10399753_904890809630858_3875312124940808767_n 10403556_906036736182932_4905005476360249721_n 12321354_904800162973256_1353273713794978533_n 12321367_905986899521249_634766692829729580_n 12439436_906246702828602_1525334761007966274_n 12494698_904695402983732_8392145036939398183_n 12592262_905972499522689_4383560898333253436_n 12923230_905073822945890_2244957215484237125_n 12924358_904684256318180_9064945686750648683_n 12963481_906243392828933_2810210658065232927_n 12963526_905995412853731_8193048761034679940_n
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Thaís Tostes

[email protected]