Sem Limites para Surfar as Ondas Mais Extensas do Mundo a Pororoca com Serginho Laus Abrindo a Boca para Marco Barcelos
21/09/2018 | 10h59
1 – Serginho Laus, desbravando os rios mais selvagens e surfando as ondas mais extensas do mundo. Qual seu planejamento e preparação para obter êxito em uma prova que exige técnica, habilidades e alto condicionamento físico?

R - Com anos de experiência surfando as pororocas do Brasil e mundo a fora, desenvolvi com minha equipe um método de treinamento muito eficaz para aguentar surfando longas distâncias e com tanta pressão. Além do conhecimento das ondas de marés, é importante estar com as pernas em dia. Numa onda de pororoca, usamos 98% do tempo as pernas, diferente do mar que usamos 85% do tempo nas pernas. A habilidades contam muito, assim como controlar o nosso estado emocional e mental. Gosto muito de um trabalho de skate que desenvolvi para ficar em dia na parte de condicionamento físico.
2 – Serginho Laus, oque o motivou a surfar as ondas mais extensas do mundo e que o levou ao Guinness Book?

R - Nunca pensei em quebrar um recorde mundial para o Guinness Book! Descobrimos o surf na pororoca e começamos a surfar ondas extremamente longas, com mais de 15 minutos de perfeição sem parar! Alguns anos depois com bastante conhecimento na Pororoca, fui convidado a bater um recorde mundial já existente na Inglaterra. Teria que surfar uma onda, por mais de 9,1km sem parar, independente do tempo! Aceitei na hora, pois sabia que poderia superar a marca. Organizei tudo junto com a minha equipe e fomos nos superar. A motivação vem de toda essa história, na vontade de superar seu próprio limite, fazer teste com equipamentos e difundir o esporte/modalidade para o mundo inteiro.
3 – Serginho Laus, quantas pessoas são envolvidas e qual a logística necessária para alcançar o recorde mundial?

R - Normalmente tenho uma equipe de até 10 pessoas para fazer funcionar toda a logística de uma expedição para a selva. Usamos embarcações de porte grande, pois ela se torna nossa casa num ciclo de 07 dias das luas de sigízea. Desde marinheiros, cozinheiros, pilotos, equipe de apoio, câmeras man, fotógrafo ... todos envolvidos num objetivo; ir surfar a pororoca!
4 – Serginho Laus, como foi sua trajetória do Amapá até alcançar reconhecimento mundial?

R - Foi com muita dedicação, empenho, foco, empreendedorismo que pude colaborar para a maior divulgação que uma pororoca já teve no mundo. O Amapá é um centro de pororocas e foi de lá que registrei 02 recordes mundiais para o livro dos recordes, vários recordes pessoais e muitas histórias.
5 – Serginho Laus, quais foram os países que surfou e qual encontrou maior dificuldade e quais foram?

R - Já explorei as pororocas da França, Inglaterra, China, Indonésia, Alaska e Índia. Gosto dos desafio de todas... mas a mais complicada de execução foi a da China e a mais complexa de logística foi na da Índia. É muita aventura em todos os lugares!!!
6 – Quais países estão na sua programação para surfar nos próximos 2 anos e qual sua expectativa?

R - Ainda tenho na minha lista Canadá, Malasya e Papua Nova Guiné. Dependo apenas de patrocinadores para poder continuar com o projeto.
7 – Serginho Laus, como foi a aventura de quebrar mais um recorde mundial surfando com o labrador Bono?

R - O Bono, cão surfista, é muito fissurado por surf! O Ivan, seu dono, também e com isso formamos uma equipe para quebrar mais um novo recorde!!! Dessa vez no Tandem Surf PET, o Ivan e Bono surfando juntos na mesma prancha, a onda mais longa do mundo por mais de 10 km de distância, mais de 30 minutos surfando na pororoca sem descansar as pernas. Praticamente igual a minha segunda marca no Guinness Book.
8 - Serginho Laus, o surf é um esporte desafiador que vem crescendo a cada ano. Com sua experiência, quais as dicas que pode repassar para quem deseja iniciar?

R - É verdade, o surf vem crescendo muito! Para quem quer começar agora, sugiro procurar uma escolinha de surf ou professores capacitados! Junto com bons equipamentos, vc pode evoluir bem rápido. Basta querer...
 
Comentar
Compartilhe
Sem Limites para Surfar as Ondas Mais Extensas do Mundo a Pororoca com Serginho Laus Abrindo a Boca para Marco Barcelos
14/09/2018 | 21h02
1 – Serginho Laus, desbravando os rios mais selvagens e surfando as ondas mais extensas do mundo. Qual seu planejamento e preparação para obter êxito em uma prova que exige técnica, habilidades e alto condicionamento físico?
R - Com anos de experiência surfando as pororocas do Brasil e mundo a fora, desenvolvi com minha equipe um método de treinamento muito eficaz para aguentar surfando longas distâncias e com tanta pressão. Além do conhecimento das ondas de marés, é importante estar com as pernas em dia. Numa onda de pororoca, usamos 98% do tempo as pernas, diferente do mar que usamos 85% do tempo nas pernas. A habilidades contam muito, assim como controlar o nosso estado emocional e mental. Gosto muito de um trabalho de skate que desenvolvi para ficar em dia na parte de condicionamento físico.
2 – Serginho Laus, oque o motivou a surfar as ondas mais extensas do mundo e que o levou ao Guinness Book?
R - Nunca pensei em quebrar um recorde mundial para o Guinness Book! Descobrimos o surf na pororoca e começamos a surfar ondas extremamente longas, com mais de 15 minutos de perfeição sem parar! Alguns anos depois com bastante conhecimento na Pororoca, fui convidado a bater um recorde mundial já existente na Inglaterra. Teria que surfar uma onda, por mais de 9,1km sem parar, independente do tempo! Aceitei na hora, pois sabia que poderia superar a marca. Organizei tudo junto com a minha equipe e fomos nos superar. A motivação vem de toda essa história, na vontade de superar seu próprio limite, fazer teste com equipamentos e difundir o esporte/modalidade para o mundo inteiro.
3 – Serginho Laus, quantas pessoas são envolvidas e qual a logística necessária para alcançar o recorde mundial?
R - Normalmente tenho uma equipe de até 10 pessoas para fazer funcionar toda a logística de uma expedição para a selva. Usamos embarcações de porte grande, pois ela se torna nossa casa num ciclo de 07 dias das luas de sigízea. Desde marinheiros, cozinheiros, pilotos, equipe de apoio, câmeras man, fotógrafo ... todos envolvidos num objetivo; ir surfar a pororoca!
4 – Serginho Laus, como foi sua trajetória do Amapá até alcançar reconhecimento mundial?
R - Foi com muita dedicação, empenho, foco, empreendedorismo que pude colaborar para a maior divulgação que uma pororoca já teve no mundo. O Amapá é um centro de pororocas e foi de lá que registrei 02 recordes mundiais para o livro dos recordes, vários recordes pessoais e muitas histórias.
5 – Serginho Laus, quais foram os países que surfou e qual encontrou maior dificuldade e quais foram?
R - Já explorei as pororocas da França, Inglaterra, China, Indonésia, Alaska e Índia. Gosto dos desafio de todas... mas a mais complicada de execução foi a da China e a mais complexa de logística foi na da Índia. É muita aventura em todos os lugares!!!
6 – Quais países estão na sua programação para surfar nos próximos 2 anos e qual sua expectativa?
R - Ainda tenho na minha lista Canadá, Malasya e Papua Nova Guiné. Dependo apenas de patrocinadores para poder continuar com o projeto.
7 – Serginho Laus, como foi a aventura de quebrar mais um recorde mundial surfando com o labrador Bono?
R - O Bono, cão surfista, é muito fissurado por surf! O Ivan, seu dono, também e com isso formamos uma equipe para quebrar mais um novo recorde!!! Dessa vez no Tandem Surf PET, o Ivan e Bono surfando juntos na mesma prancha, a onda mais longa do mundo por mais de 10km de distância, mais de 30 minutos surfando na pororoca sem descansar as pernas. Praticamente igual a minha segunda marca no Guinness Book.
8 - Serginho Laus, o surf é um esporte desafiador que vem crescendo a cada ano. Com sua experiência, quais as dicas que pode repassar para quem deseja iniciar?
R - É verdade, o surf vem crescendo muito! Para quem quer começar agora, sugiro procurar uma escolinha de surf ou professores capacitados! Junto com bons equipamentos, vc pode evoluir bem rápido. Basta querer...
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Marco Barcelos

[email protected]

Arquivos