As Dificuldades Iniciais Do Atual Prefeito é Equilibrar o Técnico Com o Político, Dando Embasamento Teórico/Prático. Na análise de Sileno Martinho, Abrindo a Boca para Marco Barcelos.
22/02/2017 | 16h27
1- Sileno Martinho, após o primeiro mês o prefeito Rafael Diniz analisou um início de governo bem pior que esperava. Com sua experiência política, como avalia a situação encontrada, e quais serão as maiores dificuldades para colocar a casa em ordem ?
R: Toda mudança de governo, seja em que nível for, traduz-se em dificuldades iniciais fruto da adaptação de uma nova equipe ao ambiente político e administrativo, some-se a isto a cultura interna de cada município, além das mudanças que invariavelmente serão operadas pelos novos gestores. Este tempo de maturação sempre vai acontecer, pois a máquina pública é complexa e precisa estar aderente a diversos parâmetros legais, sob pena de responsabilizar o gestor junto aos órgãos fiscalizadores. Creio que a dificuldade inicial do atual prefeito é equilibrar o técnico com o político, dando embasamento teórico/prático a sua equipe de governo, e tendo a sabedoria para colocar a pessoa certa no lugar certo. Fazendo isto, todo o resto vai se encaixando naturalmente, é questão de tempo!
2 - A crise mundial econômica, consequentemente afeta o Barsil, e concomitantemente reflete na nossa cidade. De que forma o prefeito pode viabilizar o caminho para uma economia sustentável do município ?
R: É voz corrente que precisamos retomar a sustentabilidade econômica independente dos royalties do petróleo, que são bem vindos, mas são finitos. O município de Campos tem grande extensão territorial e deve diversificar sua economia criando eixos de desenvolvimento, aproveitando o corredor logístico da BR 101 para atração de empresas através de polos industriais; retomando o projeto do complexo logístico Farol-Barra do Furado; incentivando a agricultura irrigada para fixar o homem no campo; fomentando a indústria pesqueira; provendo financiamentos aos pequenos e médios empresários; além de liderar a gestão integrada de territórios com os municípios limítrofes visando negociar em bloco os interesses macros da região.
3 - Como a iniciativa privada poderá contribuir com projetos para nosso munícipio ? E a nível regional ?
R: Através de parceiras público privada, o poder público atrairia o capital privado para atuar em projetos sustentáveis, onde não fosse sua expertise ou onde tivesse limitações legais ou funcionais, com foco basicamente na infraestrutura urbana e rural. Diminuir o tamanho do estado em alguns setores é fundamental para ganhar agilidade nas soluções dos grandes gargalos que impactam diretamente a melhoria da qualidade de vida da população. O poder público com as limitações financeiras atuais, deve estar aberto a estas parceiras!
4 - Sabemos que Campos é um celeiro de excelentes políticos, desde Nilo Pessanha. Agora temos vários prefeitos campistas, como Carlos Augusto de Rio das Ostras, Cláudio Linhares de Conceição de Macabu, Fátima Pacheco de Quissamã, Francimara Barbosa Lemos de São Francisco e nosso prefeito Rafael Rafael Diniz, como avalia esta excelência da nossa cidade ?
R: O mundo passa por mudanças e nas democracias ela se manifesta com mais vigor. Passamos pela primavera árabe, atravessamos turbulências mundiais, mas vivemos outra realidade. O mundo mudou e nós também! A mesma população que coloca no poder, tem o poder de destituir; seja por cansaço de um modelo de gestão, seja porque deseja experimentar o novo. Neste momento em que questões éticas estão em debate no cenário nacional envolvendo, a renovação é um sopro de esperança em novas formas de governar. Necessário porém que não decepcionem a população, pois se as expectativas não se confirmarem a reação contrária é imediata e em proporção talvez até maior. A voz rouca das ruas deve ser sempre o termômetro da classe política sob todos os aspectos.
5 - A PF junto com a operação lava jato, nunca prendeu tantos políticos e empresários no país. Essas prisões estão afetando a economia do nosso país de que forma ?
R: A Petrobrás que respondia direta ou indiretamente por grande parte do PIB nacional, uma vez paralisada, afetou os níveis de emprego no país, mas principalmente na nossa região em função da cadeia produtiva que girava no seu entorno. Nos últimos anos, segundo dados do CAGED, foram 12 milhões de desempregados e este enorme contingente afeta de maneira superlativa o país, impactando diretamente todos os segmentos econômicos nacionais, indo do pequeno produtor, ao grande empresário e até as transnacionais. Este é o efeito cascata indesejável, pois se diminui o emprego, desaquece a economia, vem a recessão! Estamos pagando um alto preço em função de erros que não cometemos. Felizmente, creio que o mercado começa a reagir. Sinto que o pior já passou!!!
Comentar
Compartilhe
Investir Na Base Com Parceria Com A Secretaria De Educação Será O Caminho Para Massificar O Esporte Acredita Raphael Thuin Abrindo A Boca Para Marco Barcelos
08/02/2017 | 15h36
/
1 - Rafhael Thuin, com sua experiência como atleta, e campeão de natação, e subsecretario de esportes de Rio das Ostras. Qual seu planejamento e projetos para Campos dos Goytacazes ?
Resposta - Em primeiro lugar, precisamos investir na base, em parceria com a Educação e espalhar a oferta de esporte e melhoria de qualidade de vida no máximo de lugares em Campos. Após a massificação do esporte, iremos selecionar os talentos descobertos, e a partir dai começar a formar equipes competitivas e representativas de Campos.
2 – Como foi aceitar o convite e o desafio de ser Secretário do Prefeito Rafael Diniz em Campos dos Goytacazes ?
Resposta - Recebi o convite com muita alegria, pois meu coração sempre esteve em Campos, apesar de ter rodado o mundo e estar muito tempo fora da cidade, estou muito empolgado com esse novo desafio e temos a certeza que faremos um grande governo.
3 - A parceria entre a Fundação Municipal de Esportes e o Clube Náutico de Farol de São Tome tem como objetivo promover o esporte e garimpar novos talentos?
Resposta - O objetivo principal dentro de um contexto geral é promover o esporte e a melhoria de qualidade de vida de um número máximo de cidadãos campistas. Os talentos e o esporte competitivo surgem naturalmente.
4 - Rafhael Thuin, como pretende massificar o esporte em uma cidade que tem a maior extensão territorial do estado do Rio de Janeiro?
Resposta - Em parceria com a Educação e usando as vilas olímpicas, mini ginásios, quadra poliesportivas e praças, buscaremos fomentar a prática esportiva no contra turno escolar dividindo a cidade em setores.
5 – A formação de atletas e principalmente jovens de caráter, parte de uma base sólida e com planejamento a longo prazo. Como pretende utilizar as vilas Olímpicas, e o que precisa ser melhorado para que tenhamos no futuro nossos campeões campistas ?
Resposta - Precisamos enxergar o esporte a médio e longo prazo, pois, não conseguimos construir campeões com políticas imediatistas e individuais. Precisamos massificar para descobrir mais talentos.
6 – Existem várias Universidades em nossa cidade, de Educação Física, Fisioterapia e Nutrição. Acredita que estes acadêmicos que são uma mão de obra qualificada, poderão contribuir com a grande demanda que existe em nosso município ?
Resposta - O grande número de Universidades em nossa cidade, é sim de grande ajuda para o desenvolvimento do esporte, onde encontrarão em nosso governo um campo de trabalho, tanto para estagiários quanto para professores recém formados e profissionais da área.
7 – Quais os projetos para os esportes Paralímpicos ?
Resposta - Um dos principais projetos da nova Fundação Municipal de Esportes, é a criação do departamento de paradesporto, para pessoas com deficiência, buscando a melhoria da qualidade de vida e as inserindo no esporte, inclusive competitivo.
 
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Marco Barcelos

[email protected]

Arquivos