Parcerias Do Americano No Esporte Paralímpico Do Fut 5 e Implantação De sinal De Navegação De Dados Aos Jogadores e Ônibus.
27/07/2016 | 17h29
noticia_25_07_2016_1469491204 O Americano Futebol Clube apresentou duas grandes parcerias na tarde desta segunda-feira (25). A primeira foi o anúncio da inserção do clube Alvinegro no esporte paralímpico através da Associação de Deficientes Visuais de Campos (ADVC) através do Futebol de 5, que atende portadores de deficiência visual. A outra, foi o anúncio da parceria com a Stoller Telecom, um agente credenciado da operadora Claro, que irá beneficiar com sinal de navegação de dados a todos os atletas e funcionários do clube através de equipamentos portáteis, instalando inclusive no ônibus oficial do clube. Os anúncios foram feitos no Centro de Treinamento Eduardo Augusto Viana da Silva e contou com a presença do presidente do Glorioso, Luciano Viana, diretores do clube Alvinegro, representantes da ADVC e diretores da Stoller Telecom, um agente credenciado da operadora Claro. A nova equipe do Americano já tem data marcada para seu primeiro desafio. Em novembro as cores preto e branco estarão no Campeonato Brasileiro de Fut5, em São Paulo. O time terá os mesmos patrocínios da equipe principal e utilizará os mesmos uniformes, além de poder viajar no ônibus oficial do clube. “É uma grande satisfação que anuncio essas novas parcerias do Americano. Mesmo com toda dificuldade econômica que estamos passando nacionalmente, vemos empresas interessadas e com visão empreendedora, investido no esporte por terem certeza do retorno de suas marcas através da divulgação associadas a grandes clubes”, disse o presidente Luciano Viana. O representante da ADVC se mostrou muito honrado em vestir a camisa do Americano no Campeonato Brasileiro. “Estou muito emocionado em conseguir fechar essa grande parceria. Defender nossa cidade levando o nome do Americano no Campeonato Brasileiro será um grande desafio. Espero que a gente tenha essa parceria por muitos e muitos anos. Agradeço ao presidente Luciano Viana, com a humildade de sempre, abrir as portas para ADVC”, relatou Aerton Pessanha. Nosso diretor de divulgação Dr. Marco Barcelos que hoje também é deficiente visual, ficou muito feliz com essa parceria já que pretende iniciar o esporte a partir deste mês de Agosto junto com a equipe do ADVC. Rayra de Faria Gomes Souza Assessora de imprensa do Americano F.C
Comentar
Compartilhe
Dieta Planejada Para Recém-Nascidos Com Má Formações Com A Nutricionista Leila Machado Abrindo A Boca Para Marco Barcelos
19/07/2016 | 15h27
leila 1- Recém-nascidos portadores de fenda labiopalatina tem muitas dificuldades de se alimentar. Qual a melhor forma e método para fazer a nutrição destes pacientes? O leite materno é o melhor e mais completo alimento para o bebê pois contém o necessário para atender as demandas nutricionais dos seis primeiros meses de vida, sem uso de qualquer complemento, além de prevenir doenças e estreitar os laços afetivos entre mãe e filho. Na fase de adaptação, são comuns algumas dificuldades, principalmente quando há limitações físicas, como é o caso de lactentes com fenda labiopalatal. Mas, existem técnicas que visam facilitar a amamentação, como por exemplo, o posicionamento do bebê junto ao corpo da mãe e o uso de próteses (placas) de silicone, ambos com orientação e acompanhamento de profissionais e familiares envolvidos, com conhecimento e paciência para conduzir da melhor forma possível este processo. 2- Mães dependentes de drogas como o Crack podem levar sequelas irreparáveis, como a vasoconstrição alterando a capacidade de levar nutrientes ao feto. Na sua avaliação como minimizar estas sequelas no tratamento nutricional? O acompanhamento pré-natal com uma equipe multidisciplinar, na minha opinião, é fundamental. Grupos de apoio que possam orientar sobre os riscos do uso de drogas lícitas ou ilícitas e a importância da mudança de estilo de vida, incluindo uma alimentação saudável durante a gestação e após o nascimento do bebê, são essenciais. Contudo, a adesão à este tipo de acompanhamento pré e pós natal, nem sempre é fácil e, pela minha experiência, as avós acabam por assumir os bebês, que precocemente são desmamados. A alimentação, a partir de então é orientada conforme as necessidades individuais, utilizando fórmulas infantis apropriadas a cada fase e posteriormente os alimentos complementares, que garantam um bom estado nutricional. O aleitamento materno não é recomendado para mães usuárias de drogas. 3- Na atualidade há um alto índice de mães engravidando na adolecência, usuárias de álcool, drogas e fumo. Qual a orientação as mães que tem pouca experiência e algumas vezes nenhum apoio para criar estes bebês? O consumo de álcool, cigarro e drogas na gestação pode deixar sequelas graves no bebê. São lesões irreversíveis, no feto e no recém-nascido . A bebida alcoólica é responsável pela Síndrome Alcoólica Fetal, que causa má-formação no feto. Além disso, o álcool acarreta problemas neurológicos, como déficit de atenção e hiperatividade. Grupos de apoio formados por médicos, enfermeiras (os), nutricionistas e assistentes sociais, são importantes para acolher e orientar estas adolescentes e afastá-las do consumo de drogas, durante e depois da gestação. Devem ser esclarecidas das consequências dos seus hábitos ou vícios. Os bebês de usuárias de drogas ilícitas ,tais como a maconha, solventes, cocaína e crack, nascem com síndrome de abstinência, podem levar a sangramentos durante a gestação e ao nascimento prematuro. A gestante , adolescente ou não, dependente de drogas precisa fazer um pré-natal com especialistas que dão suporte psicológico adequado, um grupo multidisciplinar que acompanhe periodicamente, pois neste momento, o acolhimento é fundamental. Não se deve estigmatizar essa mulher porque ela precisa sentir confiança nos profissionais que a estão orientando, precisa sentir-se segura para aderir ao tratamento. 4- Paciêntes portadores de diabetes tipo 1 e tipo 2 ao engravidar, quais os cuidados são necessários já que é um gravidez de alto risco? A gravidez nas mulheres portadoras de diabetes está associada a aumento de risco tanto para o feto quanto para a mãe, pois gestantes com diabetes mellitus têm risco aumentado de complicações, tais como hipertensão arterial, parto prematuro, infecções de trato urinário e outras infecções. Do ponto de vista metabólico, a gravidez pode complicar o diabetes. Na gestação estão aumentados cortisol, estrógenos, progesterona e prolactina, que diminuem a sensibilidade à insulina. Além disso o aumento do peso corporal e a ingestão calórica ajudam a descompensar os níveis glicêmicos. É fundamental a manutenção de controle glicêmico antes da concepção para evitar problemas para a gestante e para o bebê. O papel do nutricionista durante o pré- natal, juntamente com os demais profissionais é muito importante. Uma dieta planejada individualmente, respeitando as características e necessidades de cada gestante, pode determinar a adesão maior e melhor ao tratamento nutricional. 5- Pelo IBGE uma em cada três crianças está pesando mais do que deveria, existem pais que acham que um bebê gordo é sinônimo de saúde. Como indicar uma dieta saúdavel para estes bebês? A mídia escrita ou televisada não se cansa de nos lembrar o quanto este ou aquele alimento é saboroso e nos deixam felizes, sorridentes. Os pais são constantemente bombardeados com imagens de bebês bochechudos, de formas arredondadas, muito alegres. O desmame precoce com a introdução de fórmulas preparadas inadequadamente, excessos alimentares, a presença de sobrepeso na família são fatores que predispoem `a obesidade infantil. Antes do planejamento de qualquer esquema alimentar para estas crianças, o nutricionista deverá colher o máximo de informações sobre a rotina desta família. Algumas práticas devem ser observadas, como por exemplo: duração do aleitamento materno, o hábito de assistir tv durante as refeições, o estímulo do uso de jogos eletrônicos em detrimento das brincadeiras ao ar livre, o uso de alimentos processados industrialmente, no lugar das preparações caseiras, etc. A partir desta observação, os pais devem ser instruídos quanto à importância de uma alimentação de qualidade, muito mais do que quantidade, ou seja educação alimentar para prevenção de doenças futuras decorrentes de abusos alimentares e sedentarismo durante os primeiros anos de vida.
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Marco Barcelos

[email protected]

Arquivos