Método Padovan Com A Fonoadióloga Clotilde Pitta Abrindo A Boca Para Marco Barcelos
19/05/2016 | 11h08
clotilde Terapeuta Padovan, Fonoaudióloga e especialista em Motricidade Orofacial. 1- A Fonoaudiologia é responsável pelo tratamento de um importante sentido da comunicação, a Fala. Como é tratar de pacientes que tem uma expectativa maior do que ele pode alcançar ? Quando avaliamos uma pessoa com queixas de problemas de FALA, esclarecemos alguns pontos: basicamente, todas as funções dependem da integridade dos seus órgãos fonoarticulatórios e do funcionamento do seu sistema nervoso. Em se tratando de alterações funcionais, nosso trabalho com o Método Padovan de Reorganização Neurofuncional consiste em fornecer os estímulos adequados a promover a neuroplasticidade daquele indivíduo. Ainda não existe exame capaz de determinar o potencial de neuroplasticidade de ninguém. Portanto, não podemos previamente dizer o quanto de melhora um paciente apresentará sendo submetido ao tratamento com o Método Padovan, apesar de que, após trabalhar muitos anos com pacientes graves, muitas vezes ainda me surpreendo com as relevantes melhoras e/ou superações de problemas. 2- As crianças que falam errado por trocar fonemas e as vezes por terem alterações de sons. Qual a idade que pode se iniciar o tratamento? E qual as maiores dificuldades para trata-las ? A fala é o resultado de um processo de desenvolvimento, que envolve outros sistemas como a audição, a motricidade dos órgãos fonoarticulatórios, e o próprio sistema nervoso, que de um certo modo controla e regula todos os outros sistemas. Portanto, o pediatra que acompanha a criança, tem condições de detectar alterações no seu desenvolvimento e mais especificamente na fala, e encaminhar para avaliação e terapia. Este encaminhamento pode se dar a qualquer tempo, desde bebe (como as crianças com déficit auditivo ou algum tipo de lesão cerebral) até qualquer idade. Quanto mais precocemente detectada alguma alteração, mais cedo deve ser encaminhada a criança para terapia. Cada criança tem seu ritmo de aquisição da fala, podendo variar um pouco, mas normalmente, uma criança sem outros comprometimentos, por volta de quatro anos e meio aproximadamente, espera-se que esteja falando todos os fonemas corretamente. Quanto a dificuldades para o tratamento, cada caso é um caso, depende de fatores específicos de cada criança. 3- A apresentadora Fernanda Gentil em um entrevista declarou que faz exercício de fono antes de apresentar um programa. Qual a finalidade destes exercícios e quais são as profissões que mais precisam ? A voz é muito importante para determinadas profissões, em que ela é a ferramenta de trabalho principal. É o caso de uma apresentadora, um locutor, um professor de sala de aulas, etc. Quando se usa muito a voz cotidianamente, como esses profissionais, deve-se prestar bastante atenção a quaisquer alterações vocais, que podem ser decorrentes de abuso vocal, e buscar ajuda, passando por avaliações e acompanhamento regular de otorrinolaringologista e fonoaudiólogo. Existe ainda a possibilidade da pessoa se submeter a programas preventivos ou mesmo de otimização da qualidade vocal (que deve ser o caso da apresentadora) que podem incluir exercícios regulares, como parte de uma terapia ou acompanhamento profissional especializado. 4- Como avalia o tratamento da fala após um acidente vascular cerebral (AVC), que normalmente fica comprometida ? R. Após AVC, é frequente que os pacientes apresentem algumas alterações diversas, entre elas as de fala e linguagem, que variam desde comprometimentos mais leves, dentro de um leque de possibilidades, até o comprometimento total, com a incapacidade de se comunicar pela fala/linguagem verbal. Tudo depende do comprometimento do seu sistema nervoso central (áreas afetadas e extensão das lesões). A avaliação realizada pelo neurologista ou neurocirurgião que acompanha o caso, e seu histórico médico, é o ponto de partida para se conhecer a situação do paciente. No início da terapia, dentro de uma visão sistêmica e global de saúde, buscamos ainda outras informações e observamos outros fatores diversos que possam ter alguma relação com a reabilitação daquele paciente especificamente. 5- A gagueira é um distúrbio congênito ou adquirida, existe tratamento ? E qual o índice de sucesso ? As causas específicas da gagueira ainda não estão totalmente esclarecidas. Existe uma gagueira fisiológica que faz parte do processo de aquisição de fala/linguagem, aproximadamente entre os dois e quatro anos de idade. Genericamente, podemos dizer que após os cinco anos, se persistirem os sinais de disfluência (gagueira), deve-se buscar ajuda profissional para tratamento. Mas existem as disfemias adquiridas após lesão cerebral, que aparecem de modo abrupto (por exemplo: hipóxia, AVC, traumatismo craniano). Há ainda a gagueira emocional, que é que a manifestação de uma predisposição latente, desencadeada após um trauma emocional. Uma fragilidade do sistema nervoso central, que surge quando o individuo sofre ou passa por uma situação de grande stress. Estudos publicados recentemente, apontam a associação entre as disfemias e alterações anatômicas e funcionais do cérebro. Quanto mais cedo a criança, adolescente ou adulto for avaliado e tratado, mais chances de superar suas dificuldades e evitar ou minimizar o aparecimento de outras alterações associadas como psicológicos e sociais (exemplo: a baixa auto-estima e dificuldades de socialização). Nossa experiência com o tratamento de disfemias utilizando o Método Padovan tem demostrado bons resultados, mostrando-se um recurso terapêutico válido.
Comentar
Compartilhe
Avaliação da Natação Brasileira Com Raphael Thuin Abrindo A Boca Para Marco Barcelos.
06/05/2016 | 14h55
raphael 1- Raphael Thiun, após nadar por Vinte e dois anos, conquistar Quatro mundiais e Quinze brasileiros. Como vê a natação brasileira na atualidade ? A natação brasileira está evoluindo, temos tido resultados significantes a nível mundial. Mas, ainda estamos longe dos melhores do mundo! Nossos resultados vêm de talentos individuais, o que mostra o talento que nós brasileiros temos, se tivéssemos um trabalho sério em nosso país a médio longo prazo, seríamos umas das potências mundiais nesse esporte. 2- A evolução da natação brasileira que iniciou no País no ano de 1897, teve a sua participação nas olímpiadas a partir de 1920, e vem evoluindo a sua participação nas competições. Na sua opinião iremos superar as conquistas de medalhas no Rio de Janeiro ? A natação brasileira está com uma nova safra e evoluindo a cada ano, acredito em resultados excelentes, inclusive com medalhas, mas acho difícil um ouro, a não ser na prova dos 50 livre, que era minha prova, os 50 são realmente uma loteria. Se for o dia do Bruno Fratus... 3- A eliminação do nosso Campeão Olímpico Cesar Cielo, deixou o Brasil abalado e de certa forma frustado. Como avalia a carreira de Cielo ? É hora de parar ? Em termos de resultados o Cielo foi e é o melhor nadador que o Brasil já teve, campeão olímpico, campeão mundial, recordista mundial ( até hoje) etc.. Seria muito injusto julgar um atleta por ter tido um ciclo ruim, ele já provou quem é! Não posso afirmar se já chegou o final de sua carreira, isso só depende dele. Mas Cesar Cielo sempre será Cesar Cielo e temos como brasileiros obrigação de agradecer por tudo que fez pelo nosso esporte e país! 4- A natação Feminina não tem o mesmo desempenho da Masculina, o que falta para alcançar o mesmo nível ? Como disse antes, temos muito pouco incentivo ao esporte em nosso país, ainda não conseguimos enxergar o quanto o esporte vinculado à educação muda uma sociedade como um todo, exemplos EUA, Coreia do Sul, Austrália, Japão, etc... A respeito das mulheres infelizmente esse ponto fala mais alto, o sacrifício de ir treinar longe, da falta de apoio e de nossa cultura fazem que as jovens meninas ainda tenham menos chances e apoio do que os meninos. Mas, não podemos deixar de admitir que a natação feminina está muito melhor que antes, mas longe ainda do nosso verdadeiro potencial! 5- A natação Paraolímpica é destaque no cenário mundial, esta brilhante performace acreditam-se que é atribuida a quais fatores ? Esse assunto é o meu favorito! A 2 anos fui chamado pra ser Embaixador da SPECIAL OLYMPICS BRASIL ( Comitê Olímpico voltado a pessoas com deficiência intelectual), junto ao Romário, Zico e outros 5 embaixadores. As Paralimpíadas como um todo, não só na natação, mas em todos os esportes estão dando um banho de competência e desempenho comparado ao Comitê Olímpico Brasileiro, o exemplo disso foi resultado das ultimas Olimpíadas, PARALÍMPICO DO BRASIL terminou em 7 sétimo lugar, e nos jogos OLÍMPICOS em 22 vigésimo segundo lugar! Isso demonstra um trabalho sério, massificando em vários pontos do Brasil, dando oportunidades para que mais pessoas possam mostrar seus talentos. Precisamos massificar o esporte em nosso país, dando oportunidades a muito mais pessoas, dai teremos mais chance de achar um novo Cielo ou um novo Daniel Dias!
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Marco Barcelos

[email protected]

Arquivos