Leis que ainda não existem no Município de Campos dos Goytacazes
30/07/2013 | 23h10
Existem muitas leis que os deficientes físicos não conhecem, leis que foram criadas a anos atrás e até hoje não são colocadas em prática no município do rio de Janeiro e, que ainda não foram exploradas na lei orgânica do nosso município. Por ser um direito nosso e por muitos não terem um conhecimento mais profundo dentro desse assunto, resolvi citar as leis que ainda não foram implantadas aqui, na nossa cidade. Legislação do Município do Rio de Janeiro Lei n° 230 9/7/1981 Autoriza o Poder Executivo a realizar, no "Ano Internacional da Pessoa Deficiente" - 1981, trás Feiras de Auxílio aos Paraplégicos do Município. Lei n° 273 15/10/1981 Autoriza o Poder Executivo através da RIOTUR, a construir rampas para circulação de cadeiras de roda e a reservar em local privilegiado, acomodações para deficientes físicos (paraplégicos) em todas as promoções carnavalescas no Município do Rio de Janeiro. Lei n° 339 14/9/1982 Autoriza o Poder Executivo a construir dentro das 24 (vinte e quatro) Regiões Administrativas, sala de aula para deficiente auditivo, nas dependências de escola de ensino regular. Lei n° 484 - 4/1/1984 Determina que os ônibus (coletivos) recolham pela porta da frente as pessoas obesas, as idosas e os deficientes físicos. Lei n° 1062 16/9/1987 Estabelece condições para a instalação nas calçadas de logradouros públicos de aparelhos telefônicos e caixas coletoras dos correios. Lei n° 1074 9/11/1987 Dispõe sobre a adaptação de mesas telefônicas, a fim de permitir sua operação por cegos e ou deficientes visuais. Lei n° 1090 26/11/1987 Autoriza o Poder Executivo a instalar sinais sonoros nos principais cruzamentos das avenidas e ruas da cidade. Lei n° 1097 26/11/1987 Dispõe sobre a sinalização de ruas para deficientes visuais. Lei n° 1212 4/4/1988 Dispõe sobre as obrigações das empresas prestadoras de serviços de transporte ferroviário no Município. Lei n° 1426 25/8/1989 Dispõe sobre o acesso para deficientes físicos na entrada principal de edificações multifamiliares e/ou comerciais. Lei n° 2304 23/3/1995 Autoriza o Poder Executivo a conceder subvenção mensal á Sociedade Pestalozzi do Brasil. Lei n° 2315 27/4/1995 Dispõe sobre a obrigatoriedade da existência de cardápio em Braille, em bares, restaurantes, hotéis e estabelecimentos similares. Por que até hoje essas leis não foram implantadas? Onde foram parar os nossos Direitos como cidadãos? Devemos refletir sobre os nossos direitos e questionarmos o por que de não serem botados em prática. http://www0.rio.rj.gov.br/funlar/index.php?itemid=298
Comentar
Compartilhe
ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE: como e quando se utilizar.
23/07/2013 | 23h08
Orientação e Mobilidade é a área da educação especial voltada a educação e a reabilitação de pessoas com deficiência visual, sejam por problemas congênitos ou adquiridos. Utiliza-se para isto os sentidos remanescentes, tais como: tato, olfato, audição, percepção vestibular, visão residual, pontos de referência, pistas no decorrer do trajeto, bengala longa, cão guia, mapa Braille, etc. A Orientação e Mobilidade tem o objetivo de proporcionar ao deficiente visual autonomia na locomoção, auto-confiança, aumento da auto-estima e independência. O desenvolvimento dessa capacidade de locomover-se com independência e segurança, segue etapas que vão desde situações simples a situações cada vez mais complexas, onde exige do educando uma maior atenção e capacidade de tomar decisões diante de alguns fatos. O programa de treinamento é divido em várias etapas, que inicialmente são trabalhadas em ambientes internos da instituição. Os aspectos fundamentais nos desenvolvimentos são: * Cognitivos: Atividades proposta ao aluno para adquirir e concretizar conceitos, a natureza e função dos objetos, solução de problemas, abstração, retenção e transferência. * Psicomotores: Proporcionar ao aluno experiências que venham desenvolver capacidades perceptivas, movimentos básico-fundamentais, capacidades físicas, destrezas motoras e comunicação não verbal. * Afetivo-emocional: Ajudar ao aluno aumentar sua auto-confiança, auto-estima, motivação, valores e auto-imagem e também seu inter-relacionamento. O programa de treinamento é divido em várias etapas, que inicialmente são trabalhadas em ambientes internos da instituição. Os aspectos fundamentais nos desenvolvimentos são: * Cognitivos: Atividades proposta ao aluno para adquirir e concretizar conceitos, a natureza e função dos objetos, solução de problemas, abstração, retenção e transferência. * Psicomotores: Proporcionar ao aluno experiências que venham desenvolver capacidades perceptivas, movimentos básico-fundamentais, capacidades físicas, destrezas motoras e comunicação não verbal. * Afetivo-emocional: Ajudar ao aluno aumentar sua autoconfiança, autoestima, motivação, valores e autoimagem e também seu Inter-relacionamento. * Treinamento dos sentidos remanescentes: - Utilização da visão residual da forma mais eficiente, para os portadores de visão subnormal. - Desenvolvimento de interpretação de pistas e estabelecimento de pontos de referência captados pelos sentidos remanescentes. Ex: Uma farmácia, o cheiro de remédios lhe informam que está passando por ela. O cheiro é uma pista e a farmácia pode ser um ponto de referência. - Relação do espaço de ação e com objetos significativos do ambiente pela utilização dos sentidos remanescentes. * Técnicas com guia vidente: São técnicas utilizadas com o deficiente visual para o mesmo andar com máxima segurança, quando estiver acompanhado. Observa-se desde a postura correta de segurá-lo, dentre outras, como: Mudança de direção, passagens estreitas, troca de lado, subir e descer escadas, aceitar e recusar ajuda, sentar-se (cadeiras/bancos) e passagens por portas. * Técnicas de autoproteção: São técnicas utilizadas pelo aluno, onde o mesmo usa apenas seu corpo como recurso de proteção e segurança. Entre elas temos: Proteção superior, proteção inferior, rastreamento com a mão, enquadramento, tomada de direção, método de pesquisa. * Técnicas com bengala longa( técnica de hoover ): Dentre os recursos utilizados pelos deficientes visuais para locomoção, a bengala longa apresenta-se como um dos mais seguros, isto é, quando manipulado corretamente. Para esse manuseio correto da bengala é necessário destreza motora, boa percepção tátil-cinestésico, vivências pré-bengala, conhecimento e manipulação com a bengala para introduzir-se as técnicas que são: Varredura, técnica diagonal (utilizada somente em ambientes internos), ,detecção de objetos, passagem por portas, rastreamento com técnica diagonal, subir e descer escadas, técnicas de toque, técnica de toque e deslize, técnica de deslize, rastreamento com técnica de toque, rastreamento em três pontos. *Aprimoramento da percepção vestibular: que a parte do equilíbrio motor. Onde o sistema vestibular tem um papel importante, como na manutenção do equilíbrio e etc.
Comentar
Compartilhe
A informática ao Alcance dos deficientes visuais através do Dos vox
19/07/2013 | 21h09
O DOSVOX é um sistema computacional, baseado no uso intensivo de síntese de voz, desenvolvido pelo Núcleo de Computação Eletrônica (NCE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que se destina a facilitar o acesso de deficientes visuais a microcomputadores. Através de seu uso é possível observar um aumento muito significativo no índice de independência e motivação das pessoas com deficiência visual, tanto no estudo, trabalho ou interação com outras pessoas. Atualmente o projeto conta com mais de 40.000 usuários espalhados pelo Brasil. Para se conseguir o programa basta baixar no site do baixaki( http://www.baixaki.com.br ) ou comprar o Cd do programa e instalá- lo. Descrição do sistema: O programa é hoje distribuído em versões para Windows e Linux e é um software desenvolvido segundo a filosofia Open Source. A versão para Linux é também chamada de Linvox. O DOSVOX é composto de: • Sistema operacional que contém os elementos de interface com o usuário; • Sistema de síntese de fala, incorporando um sintetizador simples para português e conexão para sistemas profissionais de síntese de voz; • Editor, leitor e impressor/formatador de textos; • Impressor/formatador para Braille; • Programas sonoros para acesso à Internet, como Correio Eletrônico, Telnet, FTP e acesso à WWW. • Diversos programas de uso geral para o cego, como caderno de telefones, agenda de compromissos, calculadora, preenchedor de cheques, cronômetro, etc. • Jogos de caráter didático e lúdico; • Ampliador de telas para pessoas com visão reduzida; • Programas para ajuda à educação de crianças com deficiência visual; • Leitor de telas/janelas (versão para Windows) Eu faço lá no São José aula de informática e sou muito motivado com tudo isso. Espero que tenham gostado da matéria ,pois desse jeito passo mais conhecimento para aqueles que precisam.
Comentar
Compartilhe
ENQUANTO ISSO NA TERRA DO MELADO...
16/07/2013 | 16h43
A alienação (ou como disfarçam alguns – permuta) do nosso glorioso estádio do Americano está com tudo para “melar”, porque nos chega o boato de que o estádio não teria escritura regularizada e registrada e, como tal, teria de achar os herdeiros do antigo transmitente para assinar. A insatisfação da torcida de sair da área mais valorizada da cidade para ir para perto do aeroporto é muito grande, pois a maior parte dos torcedores está na região central. Se já era difícil de atrair pessoas para lotar o estádio, será pior ainda no local afastado e você que é torcedor e é amante do futebol sei que está totalmente contrariado com isso tudo. Então, vamos acordar e ir para as ruas, se for preciso, para não deixar isso acontecer; hoje você pode ir lá no estádio (se deixarem você entrar!) e ver que tiraram alguns refletores, postes estão caídos e o muro aos frangalhos; e a diretoria... bem, esta somente está preocupada com a venda do nosso glorioso. Quem poderia imaginar que algum dia teríamos que recorrer ao estádio de Cardoso Moreira para jogar um campeonato, porque nosso estádio está caindo aos pedaços. Isso é um absurdo, um time com tanta tradição como o Americano, conhecido nacional e internacionalmente chegar a esse ponto. Acorda Torcedor alvinegro!
Comentar
Compartilhe
Equoterapia
12/07/2013 | 20h11
EQUOTERAPIA: é um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopcossocial de pessoas portadoras de deficiência e ou com necessidades especiais. OBJETIVOS DA EQUOTERAPIA: essa prática objetiva benefícios físicos, psíquicos, educacionais e sociais de pessoas portadoras: De deficiência física ou mentais causadas por: - lesões neuromotoras de origem encefálica ou medular - patologias ortopédicas congênitas ou adquiridas por acidentes diversos - disfunções sensório motoras E/ou com necessidades educativas especiais ou distúrbios: - evolutivos - comportamentais; e - de aprendizagem AREAS DE APLICAÇÃO DA EQUOTERAPIA: A equoterapia é aplicada por intermédio de programas específicos organizados de acordo com as necessidades e potencialidades do praticante, da finalidade do programa e dos objetivos a serem alcançados, com duas ênfases: 1º com intenções médicas, com técnicas terapêuticas, visando a reabilitação; 2º com fins educacionais e/ou sociais com a aplicação de técnicas psicopedagógicas, visando a integração ou reintegração. As áreas de aplicação da equoterapia são: - Reabilitação - para pessoas portadoras de deficiência física e/ou mental; - Educação - para pessoas com necessidades educativas especiais e outros; - Social - para pessoas com distúrbios evolutivos ou comportamentais; Bom, espero que essa matéria ajude muitos a obter mais conhecimento diante desse assunto. Eu faço equoterapia no São José operário para equilíbrio do corpo, porque afetou o cérebro na parte do equilíbrio, e já melhorei bastante com 1 mês de aula, por isso, sei a importância desse grande trabalho .
Comentar
Compartilhe
ARRAIA DO JUBILEU
09/07/2013 | 17h41
Comemora os 50 anos de fundação do São José Operário, é uma história de muita luta porque o são josé sobrevive de doações e ajuda da prefeitura.Na época, a fundadora, Nídia Lysandro, sentiu a necessidade de criar uma casa voltada para os cegos, considerada uma deficiência com menor assistência no país, hoje é referência nas Regiões Norte e Noroeste Fluminense. O Educandário São José Operário completou 50 anos no dia 1º, Dia do Trabalhador, e nesta quarta feira, 10 de julho, será comemorado o Arraia do jubileu, o nome "JUBILEU" e dado em comemoração aos 50 anos do São josé, o arraia será a partir das 15:00h na própria instituição.
Comentar
Compartilhe
Sem luta não há vitória
05/07/2013 | 17h13
Em tudo nessa vida enfrentamos desafios e temos que lutar diante desses desafios para conseguirmos a vitória. Grandes exemplos de superação são os atletas paralímpicos, que não se deixam abater diante das dificuldades físicas e motoras e mostram que uma deficiência não é capaz de abate-los ou desmotiva-los. Podemos citar alguns competidores que tem grandes histórias de vida como: ->A corredora paralímpica Terezinha Guilhermina , mas conhecida como "a cega mais rápida do mundo", ela é atual recordista mundial 100 e 400 metros para atletas totalmente cegos. Sua trajetória de vida no esporte se resume em muita garra, esperança e força de vontade. Terezinha teve uma infância difícil , sua mãe morreu quando ela tinha apenas 9 anos de idade, mas ela não desanimou, sem patrocínio algum ela correu atrás e hoje se tornou uma grande corredora e ficou conhecida mundialmente. ->Um Exemplo também é o canoísta paralímpico Fernando Fernandes de Pádua, que foi Ex-BBB e Ex- Modelo brasileiro, Fernando sofreu um acidente de carro em 2009 que o deixou paraplégico. Após o acidente enquanto fazia reabilitação no hospital Sarah Kubitschek, ele começou a treinar canoagem em Brasília e desde então tem superado desafios e cada vez mais vem conquistando títulos na modalidade. ->E por fim outro exemplo é o do nadador carioca Marcelo Cardoso dos Santos, ele nasceu com uma deficiência chamada mielomielingocele que causa má formação da coluna, e aos 3 meses de idade Marcelo começou a praticar natação. Hoje já conquistou 23 medalhas paralímpicas e se supera a cada dia mais e mais. Esses competidores assim como outros são grandes vencedores e nos mostram que uma deficiência não nos impede de obtermos a vitória .Temos que acreditar naquele que nos fortalece que é Jesus cristo e principalmente as pessoas com deficiência tem que se espelhar nesses atletas que conseguem se superar a cada dia, pois e só ter fé em deus que tudo vai melhorar, acredite.
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Marco Barcelos

[email protected]

Arquivos