Fundação Rural, parte do povo
29/06/2013 | 06h30
[caption id="attachment_6584" align="alignleft" width="300" caption="Ft. Folha da Manhã"][/caption] Fundada no ano de 1966, a história da Fundação Rural de Campos é também a história de Campos, é ainda a história do esplendor e da decadência rural na planície e regiões norte e noroeste fluminenses. A força do campo é tanta na vastidão dos campos que forneceu o registro da Campos dos Goytacazes. Verde era a cor predominante na paisagem do município que tem sua memória humana misturada a do cavalo e a da boiada. Antes, em 1954, a fundação foi Associação Rural. O primeiro a ocupar a presidência da FRC foi Rubens Venâncio — de 1968 a 1980. Junto a ele na vice-presidência, João Sobral.  Datam da gestão dos dois as realizações anuais das exposições agropecuárias. O comerciante e vice-presidente da FRC por 19 anos, João Sobral, considerava a Exposição Agropecuária a “Festa do Trabalho”, por reunir o comércio, a indústria e o setor agropecuário. Tem como missão institucional, “A promoção do desenvolvimento econômico e social regional, com ênfase no propósito da pecuária e agricultura, resgatando valores e tradições, por meio de uma nova gestão coesa e sólida”. Ouvir os ex-presidentes falarem do significado da Fundação Rural de Campos, é se deixar impregnar do banzo unânime por uma Campos que luta por preservar um tanto da Campos que passou. Um deste grupo de ex-presidentes, José Carlos Menezes, atual presidente da Fundenor aponta a nossa relevância na equino-cultura nacional. “Ela é inconteste. Há a cela campista, o laço campista, o estribo e a espora campistas. Fomos formadores de grandes cavaleiros e adestradores. A FRC foi fomentadora na manutenção das origens e tradições culturais de sua gente. Havia o predomínio dos setores pecuário e sucroalcooleiro. A sociedade sempre reconheceu esse papel, prestigiando as exposições, como a Folha da Manhã”, disse José Carlos Menezes. Trata-se de uma entidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, é de utilidade pública e possui o terceiro maior parque de exposições do país. São 200 mil² tão importantes para a cidade, deram origem ao bairro,“Pecuária”. O Parque de Exposição da FRC foi fundado em 1954, ano da realização da 1ª exposição rural. “Tudo era muito prazeroso, nós éramos amadores, não tínhamos a estrutura atual. De todos cargos que ao longo da vida assumi, o de presidente da fundação (de 1980 a 1986), é o que me deu mais alegria. Por outro lado, hoje o perfil da região mudou, mas, não vejo possibilidade da fundação acabar. A baixada ainda guarda vínculo com as tradições. A nova gestão de Lívia Siqueira puxa mais para a nossa origem, é bom”, frisa ele. Um marco naquele período histórico da FRC foi a realização da Semana do Cavalo, organizada pelo Major Almeida, então diretor da coudelaria (antiga Remonta). À Semana do Cavalo, José Carlos se refere como um “divisor de águas, como um antes e um depois, uma vitrine para Campos”. Depois foi a vez da longa gestão de Ronaldo de Freitas Áreas (de 1986 a 1998). Dela restam o pavilhão industrial, o pavilhão de leilões e o centro administrativo construídos por sua diretoria. “Imprimimos um caráter de empresa, havia a exposição e depois do evento nada acontecia. Com a construção do pavilhão industrial começamos a arrecadar recursos para a entidade. Fizemos então, mais de 70 mil metros de obras nas dependências do parque de exposição”. Ronaldo cita a força da atividade rural de duas décadas atrás, “Tínhamos aqui um núcleo expressivo de criadores de nelore, outro de criadores de cavalo manga-larga e ainda um de criadores de campolina. É chato falar, mas, é realidade: a atividade rural entrou em retrocesso grande. Nos dias atuais não temos criadores e já foram mais de 60 criadores de manga-larga. A gente vê um monte de caminhonete circulando na cidade e pensa que são fazendeiros. Não são. Os filhos dos produtores rurais se afastaram da atividade, cada um foi para um lado, houve muita divisão da terra por causa de herança”, analisa Ronaldo. O crescimento da cidade nas duas últimas décadas, as alterações na rotina do campista não acabaram com a curiosidade da população pela Exposição Agropecuária. Para Eraldo Bacelar, esse é o comportamento que faz com que a FRC precisa ser preservada. “Um evento que acontece por mais de 50 anos, por si só já fala”, destaca ele ao lembrar de que a festa integra o calendário estadual. Eraldo foi presidente entre 1999 e 2004. “Até  poucos anos atrás, o setor agropecuário era o de maior importância. Temos mais de 10 mil produtores rurais, isso significa que mais de 50 mil pessoas em Campos sofrem a influência do modo de vida rural. A Fundação é maior do que seus dirigentes, sobrevive às crises, tem a população como sua maior aliada. Ela como uma entidade do terceiro setor deve caminhar junto a outras entidade, não de forma isolada. No processo de revitalização precisamos agregar outras forças representantes da sociedade civil, sugere Eraldo. Ao relembrar um pouco da história, Mauricio Maciel, outro a ocupar a presidência, de 2004 a 2007, ressalta o orgulho de fazer parte da família FRC. “Vibro ao torcer pelo sucesso da instituição. Penso que a FRC representa a identidade e o carinho que o povo campista tem com o setor agropecuário em nossa região, onde num momento de dificuldades desse segmento, ela resgata a esperança e o orgulho de todo produtor rural de nossa região”, ressalta. Luciana Portinho
 
Comentar
Compartilhe
Depois da Primeira Mão
07/06/2013 | 08h01
A programação completa da Excess Tour, durante a 54ª Expoagro, no Parque de Exposições da Fundação Cultural. (lá do blog de Fabio Abud, aqui) [caption id="attachment_6453" align="aligncenter" width="520" caption="Divulgação"][/caption]

Aqueles shows caros de final de noite que impediam a população, em particular as famílias, de frequentar o parque, foram suspensos. Em minha opinião, o formato novo do evento está melhor, foca as atividades rurais, o agronegócio. Foi recuperado o selo de exposição estadual, é então a 37ª Feira Agropecuária Estadual. Ao longo do ano, o que não falta em Campos e região é oportunidade de assistir a shows gratuitos e shows pagos.

Algumas pessoas, por desconhecerem, comparam a Expoagro de Campos com outras festas rurais gratuitas. Impossível, a nossa não é bancada pelo poder público municipal, tampouco o parque local é publico. A nova diretoria (assumiu em novembro de 2012) não encontrou facilidades, pelo contrário. Sobravam inúmeras dívidas; água e luz cortadas por atraso no pagamento, demissão de funcionários. Encararam o financeiro quadro caótico com valentia e seriedade, fazem um esforço para recuperar o interesse do campista cada vez mais afastado da vida rural. Em 2013, a balada da noite é para quem é da balada. São vários ambientes, atendem as variadas vertentes. Para a Excess Tour serão vendidos passaportes. Adiante divulgaremos mais!  
Comentar
Compartilhe
De olho no presente
05/06/2013 | 10h38
Começa no dia 3 do próximo mês, julho, a 54ª ExpoAgro, Exposição Agropecuária e Industrial do Norte Fluminense e 37ª Feira Agropecuária Estadual. São cinco dias do evento que mais traduz a cultura do município. Ainda que na última década Campos tenha se direcionado para o setor de serviços, é de lá do interior, onde tiramos as marcas da nossa personalidade de município com larga extensão de terras. Para deixar evidente o desejo de resgatar a tradição rural, a diretoria nova – assumiu em novembro de 2012 com uma mulher à frente na presidência, Lívia Siqueira – optou por não realizar mais aqueles mesmos shows abertos caríssimos. É um novo modelo de festa agropecuária, busca criar o clima próprio ao ambiente do agronegócio, perdido nas edições passadas e que afastaram a família campista do parque de exposições. — A festa volta a ser rural e estamos encontrando boa aceitação da população. Vamos colocar mil animais no parque, trazer a família, apoiar a atividade rural. Temos o único parque de exposições privado do Estado do Rio de Janeiro, é o quarto maior parque particular do Brasil. A nossa feira é a terceira mais antiga do país e a Fundação Rural de Campos é patrimônio de nossa terra. Faremos uma exposição mais de acordo com o bolso da população. O ingresso será de R$10 e estudante R$ 5. Quem quiser frequentar a exposição durante a noite, para visitar os estandes, ver os animais, se entreter nos bares e restaurantes, poderá voltar a fazê-lo. Tanto a população rural como o comércio campista já abraçaram a proposta de resgatar o evento — frisa Lívia Siqueira. [caption id="attachment_6434" align="aligncenter" width="600" caption="ft. Divulgação"][/caption]

 

Para quem, no entanto, além da programação geral da EXPOAGRO curte uma balada, bailão ou um show fechado, a boate Excess, dos empresários Sérgio Ribeiro e Leonardo Silva, montará uma estrutura itinerante profissional de primeira linha. São dois espaços de dimensões diferentes: o maior comporta quatro mil pessoas e o menor para mil e quinhentas. Cada um com vertente de gostos diferentes. O maior, Excess Tour, abre a programação já na quarta 03/07, às 23h, com um show gospel: Bruna Carla, a pastora Ludmila Ferber e DJ também no mesmo estilo. A Excess Tour conta com dois palcos. A noite segue como deve ser, nenhum intervalo, no revezamento dos palcos Gold e Shine. Terá atrações nacionais como a revelação pop do momento, Anitta, a funkeira melody, sucesso com o hit “Show das Poderosas”. Anitta se apresenta na casa, na noite de quinta, 04/07. Segundo Fábio Abud, colunista da Folha da Manhã e assessor de imprensa da Excess Club, nas cinco noites, a boate abre às 23h sem hora de acabar. Serão vendidos passaportes. Na sexta, 05/07, a noite é com Preta Gil, no lançamento do novo CD “Sou como Sou”. “É esperada uma explosão de público com a performance sucesso. Ela é uma unanimidade que agrega todos, do axé para o pagode e o pop”, diz Fábio Abud. Sábado, 06/07, é voltada para o pop rock, com a banda Os Detonautas fazendo o revival do show “Ao Vivo Multishow”. E para fechar, no domingo, às 22h, uma atração surpresa, em fase final de contratação voltada ao sertanejo... Fábio faz certo suspense, mas, deixa escapar: a dupla é de Minas Gerais, e vem para terminar no alto a programação. O outro espaço menor da boate se chama FRC Country, funcionará todas as noites com atrações locais e regionais: Gabi e Moretti, Junior e Gustavo, Julio e Maycon, Glauco Zulu e Edson Anderson, farão a diversão do público. Luciana Portinho
Capa da Folha Dois, hoje, 05/06,
 
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]