Sem entrar no mérito
18/04/2016 | 10h24
Ao assistir ontem pela televisão à histórica sessão da Câmara Federal para votação da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma (fato que acabou sendo aprovado por 367 votos a 137), além das barbaridades expressas aos berros, no microfone, pela quase totalidade dos deputados, muito me incomodou a quantidade de "papagaios de pirata" daqueles despreparados querendo a todo custo aparecer. De imediato me veio à mente uma obra do pintor holandês Hieronymus Bosch (1450-1516), um dos primeiros pintores do fantástico - talvez uma das fontes do movimento surrealista. Observem. FullSizeRender(43) FullSizeRender(40) Bosch_Cristo_03 Sinceramente já esperava ver a cena trágica que se desenrolou ontem para todo o Brasil. A nossa vergonhosa Câmara Federal é o reflexo da falta de investimento em educação pública, do conservadorismo crescente, da religiosidade exacerbada, da falta de compostura generalizada, da crise ética que nos oprime; é, sem tirar nem por, um retrato do que somos enquanto sociedade. Nenhum deles está lá se não fosse por nossa escolha. É triste, um tapa na cara e real.
Comentar
Compartilhe
Burrada infeliz
03/03/2016 | 01h23
De uns tempos pra cá, volta e meia, setores responsáveis pela Educação no Brasil, investem contra autores nacionais consagrados, questionam os mitos e lendas tradicionais, suprimem períodos da História Universal e se viram até mesmo contra a Língua Portuguesa. Passam a impressão de que ao invés de estarem debruçados em solucionar os reais e graves problemas educacionais do país, optam por mostrar serviço aos brasileiros.
Sob o título "Saci Pererê faz mal a cultura nacional" publiquei um post em 31-10-2010.  Há seis anos, o Conselho Nacional de Educação investiu contra a difusão do livro “Caçadas de Pedrinho”, de Monteiro Lobato, um de nossos maiores autores de literatura infantil, na rede pública de ensino do país.
A trapalhada pode ser lembrada aqui. Já para esse ano de 2016, o Ministério da Educação resolveu alterar, entre outros,  o currículo de história do ensino médio. História antiga, como Grécia e Roma, passou a ser vista como fruto de uma "visão europeia". História medieval idem. Distante da realidade brasileira, carecem de importância. Em seu lugar, história das Américas, da África e historia indígena. Sobre o assunto, o historiador Marco Antonio Villa assim se manifestou em um artigo publicado em janeiro no Globo: “É um crime de lesa-pátria. Vou comentar somente o currículo de História do ensino médio. Foi simplesmente suprimida a História Antiga. Seguindo a vontade dos comissários-educadores do PT, não teremos mais nenhuma aula que trata da Mesopotâmia ou do Egito. Da herança greco-latina os nossos alunos nada saberão. A filosofia grega para que serve? E a democracia ateniense? E a cultura grega? E a herança romana? E o nascimento do cristianismo? E o Império Romano?”. E tem mais: “Toda a expansão do cristianismo e seus reflexos na cultura ocidental, o mundo islâmico, as Cruzadas, as transformações econômico-políticas, especialmente a partir do século XI, são desprezadas. O Renascimento — em todas as suas variações — foi simplesmente ignorado. Parece mentira, mas, infelizmente, não é. Mas tem mais: a Revolução Industrial não é citada uma vez sequer, assim como a Revolução Francesa ou as revoluções inglesas do século XVII.”
Não por acaso, ou por gratuidade, as redes sociais estampam a caricatura abaixo.
 FullSizeRender(39)
Comentar
Compartilhe
Alguém se lembra? Eu me lembro
19/01/2016 | 02h37
Corria a década de 80 e a economia brasileira patinava em dívidas e inflação galopante. Lembrar que ainda, no país, não vigorava a Lei de Responsabilidade Fiscal. Os estados e municípios endividados até o pescoço rolavam dívidas e mais dívidas. No dia 15 de setembro de 1988, o prefeito Roberto Saturnino Braga (PDT), vai a TV e anuncia: está decretada a falência do município do Rio de Janeiro. Os motivos alegados foram muitos. O Banco Central bloqueara todas as contas da Prefeitura, a Câmara Municipal queria 100% de aumento para o funcionalismo, os mesmos vereadores - a maioria era oposicionista - impediam o reajuste das tarifas municipais que supostamente viabilizariam o combate ao déficit orçamentário, as chuvas tinham castigado a cidade e o município não obtivera ajuda da União. Outras línguas afirmavam que ao Saturnino faltava habilidade política para contornar a crise. "Salários do funcionalismo em atraso, greves, dívidas com fornecedores, hospitais funcionando precariamente, falta de professores e de merenda nas escolas eram alguns dos problemas que ele esperava solucionar com as emissões de 18 milhões de Obrigações do Tesouro Municipal (OTMs), conhecidas como carioquinhas. Mas os pedidos de emissão desse lote de títulos eram sempre negados pelo ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, do Governo Sarney". "A Prefeitura do Rio só se recuperaria na gestão seguinte, de Marcello Alencar, beneficiado pelas mudanças promovidas pela Constituinte, além de uma maioria na Câmara de Vereadores. Após a gestão da Prefeitura, Saturnino ainda se elegeu vereador, em 1996, e senador, em 1998. Simultaneamente, passou a se dedicar à literatura, tendo publicado várias obras. Uma delas, “Contos do Rio”, recebeu o Prêmio Malba Tahan, da Academia Carioca de Letras, em 2000".
Que a História não se repete, não duvido da máxima, mas que guarda similitudes, isso sim. Tanto que nos ensina, ou deveria.
fonte: O Globo
Comentar
Compartilhe
Só no Brasil
30/12/2015 | 09h42
Um Poder da República que legisla em causa própria não me parece o mais justo (correto). Se era para defender direitos por qual razão não o fez para todos? Afinal são servidores públicos como os demais. Vai entender. IMG_7589  
Comentar
Compartilhe
Brasil despenca
02/12/2015 | 03h21
O ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola
Economia brasileira deve andar para trás até 2018, diz ex-presidente do BC
A economia brasileira está num círculo vicioso: a baixa expectativa de empresários e consumidores resulta em queda da atividade econômica. A retração do PIB, por sua vez, piora mais a confiança, que volta a afetar a atividade. Para interromper esse processo, o economista Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria, diz que é preciso criar um ambiente favorável no país, o que lhe parece improvável diante do tamanho da crise política. Para Loyola, que estima uma queda de quase 4% no PIB deste ano, a economia deve encolher mais 3% em 2016 e pode ter uma recuperação "tipicamente cíclica" em 2017, com um PIB perto de 1%, sem estímulo de demanda. "Parece que a perspectiva com a presidente Dilma é chegarmos até 2018 com a economia nesse andar para trás". Folha - O que lhe chamou mais atenção no PIB do 3º tri? Gustavo Loyola - Sob ótica da oferta, a grande mudança que observamos é o enfraquecimento forte do setor de serviços, que vem aumentando trimestre a trimestre. Do lado da demanda, o que vinha dando um tom de crescimento ao PIB depois de 2004 é o consumo das famílias, que também está negativo. Os investimentos flutuavam um pouco mais, mas já são dois anos de números negativos. Podemos dizer então que a recessão é generalizada? Sim. Até a agropecuária, que vinha dando resultados positivos, neste trimestre teve queda. Podemos até dizer que alguns desses fatores vão se reverter, mas isso não vai ser suficiente para ter impacto no PIB. A única coisa que está favorecendo é o setor externo, que reduz seu deficit. Mas boa parte disso se deve à queda das importações, também devido à recessão. Sim, devido à recessão e ao câmbio. Não é mérito, mas mostra que a economia está se ajustando com a ajuda do setor externo. Mas, como a economia brasileira é muito fechada, essa contribuição é relativamente modesta para o PIB. Não consegue gerar um número mais significativo para a economia como um todo. O que o sr. espera para o 4º tri e para o acumulado deste ano? Mesmo considerando que você pode ter no último trimestre uma queda menor, de 1,3%, o PIB anual já ficaria perto de -3,8%, quase 4% negativos. Em 2016, teríamos uma queda em torno de 3%, ou acima disso um pouco.
[caption id="" align="aligncenter" width="546"] Maja Susli - 19.out.15/reuters Dilma Rousseff durante coletiva na Suécia[/caption]
 
Quando virá a recuperação? A nossa expectativa básica é de uma recuperação muito lenta, como se a economia tivesse batido no chão, a partir de meados de 2017. Só que, a cada dia que passa, parece que isso está mais longe, porque os números estão vindo muito piores. De todo modo, a gente ainda mantém uma estimativa de um crescimento muito baixo, em torno de 1%, para 2017. Mas seria uma recuperação tipicamente cíclica, sem muita atração. É uma recuperação baseada em fatores cíclicos, como a capacidade ociosa que cresceu no período de recessão. Não é baseada em uma fonte de crescimento de demanda. Essa estimativa para 2017 não considera um novo aumento na taxa de juros, correto? Sim, é verdade. Mas temos fatores que continuam ameaçando a inflação e, na última reunião do Copom, não houve consenso em relação à taxa de juros. É possível que uma mudança na política monetária ameace essa pequena recuperação em 2017? Os números estão mostrando que a atividade econômica está muito deprimida. Se o BC subir os juros de forma muito forte, ele só vai agravar isso. Pode ter resultados na inflação, mas o custo é muito alto, e também teria um custo para o governo das taxas de juros. Então o sr. acha que a atividade econômica também vai influenciar as decisões do BC? O BC deu a indicação de que vai ser um pouco mais duro com a inflação. Mas eu tenho a sensação de que a estratégia é deixar que a inflação vá caindo nos próximos anos, não necessariamente buscando 4,5% no ano que vem. Por outro lado, o BC também não pode afrouxar. Uma parte do problema do Brasil hoje é a inflação, e uma boa notícia para o Brasil em 2016 seria uma inflação menor. Então o BC não pode descuidar. Ele vai tentar de alguma forma assegurar que a inflação caia. Só que não vai, a meu ver, ter uma postura mais radical de querer uma convergência mais rápida [para a meta] em função dos custos da politica monetária. Acredito que eles buscam a inflação numa certa trajetória e, se ela não der sinais de cair, o BC pode aumentar os juros -e aí é mais lenha nessa fogueira da recessão. É difícil ver retomada na economia com o nível atual de investimento? Sim, muito difícil. A economia brasileira entrou numa espiral: as expectativas não melhoram, e com isso o PIB não melhora. Se o PIB não melhora, as expectativas não melhoram, e forma um círculo vicioso. E você não está oferecendo nenhum tipo de perspectiva para a retomada da atividade. Como não há perspectiva, os empresários não investem e as pessoas não consomem. O que poderia quebrar esse círculo vicioso? A retomada da confiança. Criar um clima mais favorável. Para que isso ocorra, você precisa começar a gerar notícias positivas, e não ter todo dia no jornal crise política, o governo com dificuldade para gerir suas contas, a inflação subindo... A sociedade precisa acreditar que as pessoas que dirigem a economia estão de fato ao volante, estão conseguindo fazer as coisas. E não essa confusão que a gente vê em Brasília. Você não consegue votar nada, a situação fiscal só se deteriora. Então só uma melhora na situação política pode quebrar esse ambiente? O Congresso ainda não julgou a extensão da complicação dessa crise. De um lado, o governo se defende do impeachment. Do outro, tem os que querem fazer o impeachment, e tem ainda os que querem salvar sua pele. São várias agendas e não existe uma agenda para o país. É preciso construir essa agenda, mas a gente não vê essa iniciativa nem por parte do governo nem da oposição. O PT faz oposição ao Joaquim Levy, e a oposição vota na Câmara contra aquilo que foi sempre defendido pelo PSDB. A presidente não tem liderança política, fica aquela confusão e o país não sai do lugar. O impeachment seria uma saída para melhorar a confiança? Eu acho que, quando você não consegue ver uma saída para essa situação de deterioração econômica -que a gente sabe que vai continuar no ano que vem- fica evidentemente atrás de uma solução. E uma solução seria criar a expectativa de um novo governo que poderia chegar e, quem sabe, conseguir apoio do Congresso, fazer um novo tipo de administração e, de certa forma, conseguir gerar uma onda de otimismo. Parece que a perspectiva com a presidente Dilma é chegarmos até 2018 com a economia nesse andar para trás, e no máximo ter alguma recuperação em 2017 e 2018, mesmo assim muito incipiente. Mas, dito isso, eu acho que o fato de ter um governo incompetente não é motivo suficiente para fazer impeachment. Não estamos no parlamentarismo, não é uma solução que você adota toda hora porque o governo se tornou impopular ou não consegue resolver os problemas. Seria uma ameaça ao sistema democrático? O impeachment é parte das regras do jogo dentro de certas circunstâncias. Se elas acontecerem, tudo bem. O que não pode é ter como motivador principal do impeachment a situação econômica. Se a gente der vez a esse tipo de ideia, vai ser muito mais fácil fazer impeachment no futuro. É só ter um Congresso trabalhando totalmente contra o governo, levar a economia a uma situação insustentável e propor um impeachment. Eu acho que é preciso analisar com muito cuidado os casos de crime de responsabilidade e de financiamento de campanha, mas aí é uma análise mais jurídica. O sr. mencionou, no início da entrevista, que os números só pioram. Por quê? Como o sr. poderia resumir a situação econômica do país? Eu diria que o primeiro mandato da presidente Dilma foi ruim do ponto de vista das diretrizes de política econômica. Aquela nova matriz econômica do ministro [Guido] Mantega destruiu a economia brasileira. Com o Joaquim Levy, a presidente corrigiu isso e conseguiu alguém para fazer essa política de ajuste. Mas o governo está muito fraco. De um governo que vinha fazendo a coisa errada passou para um governo que na economia tenta fazer ajustes e que não consegue ter credibilidade para isso, ter efetividade em termos de ação legislativa. A presidente também está sem credibilidade para passar para a sociedade essa ideia de que as coisas vão melhorar. Tem um hiato, um buraco entre o governo e a sociedade. Os empresários não sabem como vai estar a economia em um mês. O consumidor não sabe se gasta, se junta, se vai estar empregado amanhã... A crise tem um aspecto psicológico? Tem uma coisa psicológica também, mas as coisas reais estão acontecendo. A inflação está alta, o desemprego está aumentando.. E isso está atingindo muitos segmentos da sociedade que se beneficiaram mais do crescimento nos últimos anos, a chamada classe C. Esse grupo de brasileiros não teve ascensão social por causa das políticas de transferência, mas basicamente foram beneficiados pelo aumento do emprego formal. E agora você está tendo uma reversão. Nossos estudos na Tendências mostram que a renda está relativamente estável nas classes D e E, porque houve manutenção dos programas sociais, aposentadorias, pensões... Mas o desemprego aumenta e, quando as pessoas conseguem se reempregar, normalmente o salário será mais baixo que o anterior, e você tem uma queda na renda. Chegou-se a cogitar que uma alternativa para essa crise seria trocar o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, por alguém com mais habilidade política e mais próximo do presidente Lula. O sr. acha que isso poderia ajudar? Duas coisas poderiam acontecer com essa mudança: uma delas seria o novo ministro manter a política econômica. Nesse caso, para que mudar o ministro? Só porque o outro é um pouco mais político? Eu não acho que seria o caso. Na verdade, quem teria de fazer a articulação política são as lideranças políticas do governo, não o ministro da Fazenda. Ele não pode ser o culpado pela falta de articulação política do governo. O outro desdobramento seria mudar a política econômica, e aí que o desastre vem mesmo. Você abandona o ajuste fiscal e voltamos à politica do Guido Mantega? Uma política que deu errado e que trouxe o Brasil para essa confusão toda? Então é melhor deixar o Joaquim Levy lá e apoiá-lo. E não estou fazendo nenhuma crítica ao [Henrique] Meirelles, pelo contrário. GUSTAVO LOYOLA, economista. Foi Presidente do Banco Central entre 1992 e 1993 (governo Itamar Franco) e de 1995 a 1997 (Fernando Henrique Cardoso). Entrevista concedida ao jornal Folha de São Paulo, publicada hoje (02).
Comentar
Compartilhe
Deu no que deu ou prenúncio de um fim
27/10/2015 | 05h11
É com tristeza que hoje leio o relatório final da Associação de Imprensa Campista (AIC) sobre a transferência, ou melhor,  a não transferência do acervo do Monitor Campista para o Arquivo Público Municipal, órgão vinculado a Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, situado no Solar do Colégio, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Com 14 anos completos de existência, o Arquivo Público Municipal por anos a fio vem dando pra trás, mais uma vez por obra do descaso do poder público municipal - leia-se Prefeitura de Campos - que deixou a instituição sem nenhum tipo de investimento à altura do minucioso, contínuo, silencioso e insubstituível trabalho de restauração, conservação e catalogação do acervo documental municipal. É como afirmamos anteriormente: a descontinuidade é marca nefasta atual na esfera pública da Cultura local. Em passada lenta, mas, firme, toda uma construção que envolveu mentes, braços e recursos municipais vai sendo desperdiçada. É aquela velha história: documentos perdidos não voltam, nem conservados votam. Fomos, rebaixados. Leia a íntegra do relatório da AIC abaixo.

AIC entrega à Câmara e à FCJOL relatório sobre Arquivo Público Municipal

A Associação de Imprensa Campista (AIC) protocolou ontem (26), para a presidência da Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes, e hoje (27), para a presidência da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, relatório com as impressões de cinco pesquisadores da cidade sobre as condições do Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho para receber o acervo do jornal Monitor Campista, atualmente sob a guarda do Poder Legislativo de Campos. A visita ocorreu no último dia 13, a convite da AIC. A entidade foi motivada pelo anúncio recente de assinatura de Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura e a Câmara para que o acervo fosse levado do prédio do Legislativo para o Arquivo Público. Dos cinco pesquisadores que realizaram a visita, quatro recomendaram que o acervo do Monitor Campista não seja levado para o Arquivo Público. O relatório sugere a reabertura do diálogo sobre o tema, assim como a discussão com a sociedade acerca da necessidade da construção de um novo arquivo público para o município, em prédio central e moderno, mais adequado à preservação de documentos históricos. A entidade também reafirmou a sua posição de defesa da criação da Fundação Monitor Campista, que, além de zelar pela preservação do acervo do jornal, voltaria a colocar a publicação para circular. Para a AIC, o Monitor Campista é um patrimônio não somente pelo seu acervo, mas também pela sua existência, que ainda pode ser retomada depois da "descontinuidade" ocorrida em 15 de novembro de 2009. Confira no link abaixo a íntegra do relatório. http://www.4shared.com/office/9cPwO-esba/Relatrio_Visita_AIC_Arquivo_Pb.html    
Comentar
Compartilhe
CPIs de araque
20/10/2015 | 06h09
 CPI da Petrobras: muito dinheiro jogado fora para nada

CPI da Petrobrás : muito dinheiro jogado fora para nada

Fecham-se as cortinas, acabou o espetáculo no picadeiro da CPI da Petrobras. Sai de cartaz, após 235 dias e 57 sessões, o desfile de mediocridades e histrionismo promovido pelos deputados de mais esta comissão de inquérito montada na Câmara Federal, sem apurar nada além do que já se sabia na Operação Lava Jato, e sem indiciar ninguém. Como as torcidas do Flamengo e do Corinthians, além de todas as outras,  já podiam prever, desde o início da pantomina transmitida ao vivo pela TV Câmara, foram horas e horas de noticiário e quilômetros de papel, muito tempo e dinheiro jogado fora para nada. Para distrair a distinta platéia, jogaram até ratos no plenário, mas a maioria dos 131 depoentes permaneceu em silêncio diante do "interrogatório" de suas excelências. Muita gente já esqueceu, mas para ajudar nos trabalhos contrataram até a Kroll, uma empresa inglesa de investigações (ela própria alvo de uma investigação da Polícia Federal, em 2004), que levou R$ 1 milhão dos cofres públicos sem apresentar nenhum resultado, que se saiba. Dos 62 deputados envolvidos na Lava Jato, só um único, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, foi ouvido pelos parlamentares na CPI, e assim mesmo porque ele pediu para depor. Foi na sessão em que negou ter contas no exterior, posteriormente reveladas pela justiça da Suíça. Ou seja, mentiu na CPI, o que pode levar à sua cassação pela Comissão de Ética por falta de decoro, entre outros motivos. Sem contar os salários e as horas extras do batalhão de funcionários mobilizados pela comissão, foram gastos mais de R$ 373 mil em "despesas operacionais", com passagens aéreas, diárias e traduções simultâneas. Além das excursões para Curitiba, onde foram ouvir presos pela Operação Lava Jato, deputados tiveram despesas pagas para ouvir depoimentos até em Londres. No catatau de 700 páginas que o relator Luiz Sergio, do PT, começou a ler nesta segunda-feira, está o resumo do grande acordão feito pelos partidos para salvar a cara de todo mundo. O prazo oficial para o encerramento da CPI, depois de dois adiamentos, termina na sexta-feira. Até lá, precisa ser votado o relatório final. Como de praxe, a oposição deverá apresentar um voto em separado. Tudo isso para quê? Para nada. Publicado hoje (20) no blog Balaio do Kotscho http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2015/10/20/cpi-da-petrobras-muito-dinheiro-jogado-fora-para-nada/
Comentar
Compartilhe
Trouxa. Quem é trouxa?
17/09/2015 | 10h10
Sou leitura costumaz do Luis Fernando Veríssimo. Não sou daquelas que idolatram ser humano. Nem cantor, nem músico, artista, ator, diretor teatral, poeta, intelectual. Em suma, aprecio a obra e ponto final. Parto daquela premissa de que "de perto ninguém é normal", daí me prendo ao que fica quando tem qualidade, inteligência ou força poética. Mas confesso, como resistir à simplicidade, humor e leveza do Veríssimo?! Raros - não me lembro de algum - são seus textos desinteressantes, até porque o modo como ele enxerga os fatos do cotidiano é peculiar. De tudo ele extrai assunto com um ponto de vista sensível, típico de um homem culto amável. Vamos lá! Ia reproduzir seu artigo de hoje (17) no O Globo. O título é "TROUXAS"  e começa com a frase do ator Charlie Sheen, no filme 'Quero ser John Malkovich' em que diz: “A verdade é para os trouxas”. Daí, ele parte para indagações como, "Ele quis dizer que a verdade é para quem não tem imaginação e vive preso à realidade? Ou que trouxas são os que não veem que não existe uma “verdade”, mas muitas, e elas se contradizem? Ou ele estava apenas bêbado"? Ou ainda,  "A frase do Sheen só quer dizer mesmo que a fantasia é preferível ao fato, e que trouxa é quem nega isto. E vive sem aceitar que tudo é irreal: a política, as paixões, a justiça e as injustiças, e até a morte". Filosofias de lado, Verissimo está matutando que a tal frase cai como luva no Brasil atual e continua ao justificar, "Nunca as 'verdades' de cada um foram tão antagônicas, e nunca os antagonistas se xingaram tanto (“trouxa” é o mais brando dos epítetos trocados). Para um lado, trouxas são os que acreditaram no passado e ainda acreditam nas verdades mentirosas do PT. Para o outro lado, trouxas são os que participam de um golpe sem se darem conta da sua cumplicidade numa ruptura política e social possivelmente incontrolável. Nos dois lados, a retórica obscurece a verdade. Qualquer verdade". Que a gente está num mato sem cachorro, acho não restar dúvida. Que sobram gatos e ratos, outra certeza!
Comentar
Compartilhe
TRAMA
08/09/2015 | 01h44
Após breve ausência do blog, retorno à lida, me desculpem. É que com tanta desgraça que assola o mundo, por vezes me calo. Emudeço. Penso que pouco acrescento em repercutir o que todos minimamente informados estão fartos de ler, ouvir e assistir; um novo êxodo pelo velho continente - o maior desde o fim da Segunda Guerra -, gente tratada como entulho, uma crise econômica no país que arrebenta com os negócios, serviços e orçamentos familiares, desemprego persistente, um toma lá da cá político sem o menor sinal de estancar no médio prazo, uma fofocalha na imprensa nacional auto-investida de "quarto poder" republicano, políticos locais diminutos na sinistra encolha oportunista ... Enfim, em prato tão cheio o fastio domina. De bom mesmo, resta a VIDA soberana! Um abraço, Luciana
Comentar
Compartilhe
Fantasmas pululam
18/08/2015 | 07h08
Em momentos de crise política, do simples aceno de um incerto vazio no poder, surgem as cassandras, não a verdadeira Cassandra que de fato profetizou a destruição de Tróia pelos gregos. São as velhas e ultrapassadas cassandras da política brasileira, falsas anunciações. Há quem defenda a volta do regime monárquico e tira proveito de um ajuntamento qualquer. Após rechaçar protestos de 2013, Casa Imperial conclamou seguidores a protestarem no último domingo. Há aqueles saudosistas de uma ditadura militar, douram o defunto do "Brasil ame-o ou deixe-o" de triste memória, querem mais é ver o circo pegar fogo. 3 E mais imagens da famigerada intolerância tupiniquim. fora-stf   manifestações impeachment dilma   Lula e Dilma enforcados Em entrevista à Agência Estado, o filósofo Renato Janine Ribeiro, professor da cadeira de Ética e Filosofia Política da USP, defendeu que a pregação da ditadura militar deveria ser criminalizada. “Estamos tendo no Brasil uma tolerância, que é grande, com condutas antidemocráticas que deveriam ser tipificadas como criminosas… Pregar a volta dos militares deveria ser crime, deveria levar a pessoa para a cadeia. Vários países da Europa criminalizaram a pregação nazista. Nós – que tivemos uma ditadura militar – deveríamos criminalizar a pregação da ditadura”, afirmou o filósofo.  
Comentar
Compartilhe
Próximo >
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]