Homenagem a Luiz Poeta, CREA-RJ
19/09/2012 | 09h10

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=7NW10Swe5fQ[/youtube]
Luiz Carlos Matos Marins
Fundador da ong Verdejar em 1997, quando tomou a iniciativa de plantar árvores numa área verde onde praticava esportes, Luiz Carlos Matos Marins, conhecido como Luiz Poeta, atuou no bairro do Engenho da Rainha, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Teve um histórico de lutas, parcerias, eventos e trabalhos em prol da recuperação socioambiental da Serra da Misericórdia (última área de Mata Atlântica do subúrbio do Rio).
Sempre norteado por princípios agroecológicos, obteve, entre outras conquistas, a decretação da  APARU (Área de Proteção Ambiental e Recuperação Urbana) e do parque Municipal da Serra da Misericórdia pela Prefeitura (em 2000 e 2006 respectivamente). Hoje em dia suas ideias estão sendo debatidas pela verdejar com o poder público, para a implementação do parque da serra da misericórdia.
Pessoa super humilde, cedia sua casa na favela da fazendinha, onde se criou, para abrigar as reuniões do grupo, e recebia todos os visitantes com grande amor, inclusive permitindo que os participantes dos mutirões dormissem nela.
Homem de grande coragem, não temia conflitos armados no território, e apesar deles não ficava um dia sem cuidar de sua horta, independente do que estivesse ocorrendo, chegando a ficar sem água para si próprio para manter as plantas vivas. Também liderou o grupo nos fins dos anos 90 contra investidas de grileiros que tentaram lotear a área verde e vender terrenos, acessando autoridades competentes e enfrentando através da ação direta.
Nos anos 2000 abandonou sua profissão de marceneiro para morar na comunidade Sérgio Silva, adjacente a área verde onde o grupo trabalha, inicialmente numa trailler, depois numa barraca de camping, até conseguir comprar uma casa na comunidade, na qual se tornou um líder comunitário respeitado por todos os moradores.
Era um profundo conhecedor da geografia carioca, sabendo e ensinando sobre plantas, animais, nascentes, rios e bacias hidrográficas, sendo um de seus principais trabalhos uma expedição pelos rios da região hidrográfica da serra da misericórdia.
Além de ecologista, agricultor e poeta, era também um atleta vigoroso, praticava corrida, ciclismo e, mesmo enfermo costumava fazer longos trajetos pela cidade de bicicleta, chegando até a pedalar por dias seguidos pelos Andes, numa viagem de intercâmbio.
O grupo que fundou é responsável pela preservação das áreas verdes da Serra da Misericórdia, principalmente entre os Complexos do Alemão e do Juramento, que integram a Serra da Misericórdia. A região da serra possui mais de 2 milhões e 300 mil habitantes, mais de 1/3 da população do município, com a menor quantidade per capita de área verde da cidade do Rio e se encontra bastante devastada pela mineração de granito e ocupações sem planejamento.
Luiz Poeta conseguiu manter de pé áreas verdes da Serra, sensibilizando e mobilizando moradores, ecologistas e estudantes que, voluntariamente, se uniram aos mutirões agroecológicos organizados pelo Verdejar. Dentre os objetivos dos mutirões estão o de manter as matas a salvo de incêndios, reflorestar e produzir alimentos livres de agrotóxicos.
Luiz Poeta foi um militante incansável dos movimentos de agroecologia, participando ativamente das redes de agricultura urbana, economia solidária e articulação de agroecologia do Rio de Janeiro. Propunha um modelo no qual a preservação do meio ambiente fosse articulada com a produção de alimentos saudáveis e a inclusão social, gerando trabalho e renda para as comunidades locais. Segundo ele o primeiro meio ambiente que deveríamos cuidar é o nosso corpo, por isso se dedicava com muito amor aos trabalhos de alimentação alternativa, divulgando/ensinando com muito orgulho a importância de uma alimentação equilibrada, inclusive a alimentação viva e o uso de ervas espontâneas nativas na alimentação, o que se podia ver e degustar nos mutirões e eventos da verdejar.
O Programa de Educação Ambiental e Alimentar realizado por Luiz Poeta na Serra da Misericórdia constitui o que ele denominava de Ecologia Profunda, que alinha a preservação do meio ambiente com a alimentação e as relações interpessoais baseadas na solidariedade e consciência do bem coletivo e o corpo físico, mental e espiritual.
Luiz Carlos Matos Marins faleceu em 26 de novembro de 2011.
Adaptado de: http://www.crea-rj.org.br/blog/premio-crea-rj-de-meio-ambiente-2012/ - divulgação oficial do evento.
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]