Colorir não resolve, é pensar que somos burros
11/08/2014 | 03h52
Ontem (domingo), por volta das 13,30h, me dirigia ao almoço familiar em homenagem ao Dia dos Pais. Justo embaixo da ponte com cara de viaduto, do lado de Guarús, naquela faixa estreita que está sendo pintada de vermelha por Campos e que teimam em chamar de ciclofaixa, presenciei uma batida de duas bicicletas que vinham em sentido contrário. Um dos homens foi ao chão, bateu com a cabeça no asfalto, ficou desacordado um certo tempo, sangrando pela cabeça. Todos os que estavam presentes no momento se movimentaram para prestar socorro, um tenente bombeiro de pronto acionou a emergência do Corpo de Bombeiros que em menos de dez minutos chegou ao local. O clima de indignação com a falta absoluta de segurança que essas faixas "oferecem" aos ciclistas era evidente. Existem ideias mirabolantes na prefeitura de Campos que ninguém em sã consciência tem como endossar. Não dá! Na semana passada um ciclista já tinha sido atropelado por um carro e isso com a ponte/viaduto interditado, imaginem com o trânsito normalizado. Recuar, reconhecer equívocos, é característica dos bons. E é o que desejamos; que a PMCG repense o  traçado dessas faixas, que repensem a largura das mesmas e o perigo que proporcionarão aos ciclistas campistas. Uma cidade plana como a nossa já é fator a favor, vamos respeitar a vida alheia, observando o bom senso.  
Comentar
Compartilhe
DE UMA REPORTAGEM
21/02/2012 | 08h40
Por volta das 17,30h de hoje (21/02),  equipe de reportagem a caminho da BR 356, vem a notícia pelo celular. Um homem caiu dentro de um poço perto da UENF. [caption id="attachment_3525" align="aligncenter" width="450" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption]

 

Avenida Doutor Adão Pereira Nunes, nos fundos do Portelinha, conjunto residencial do bairro do Matadouro. Há um portão de uma obra da R3 Engenharia e Construção Ltda, populares nos apontam que é lá no fundo. Descemos do carro e logo as crianças nos confirmam a direção.  Chefiados pelo oficial Thomas, o Corpo de Bombeiros (sempre bravio e eficiente) já prestava socorro ao Igor, o operário acidentado. Ele e mais quatro trabalhadores impermeabilizavam um  tanque de uma futura estação de tratamento de esgoto. Segundo relatos de colegas, ele saiu de dentro do tanque para beber água, o degrau da frágil escada quebrou e o trabalhador veio ao chão. Consciente foi levado imobilizado na ambulância do Corpo de Bombeiros para o Hospital Municipal Ferreira Machado. Suspeita de fratura no colo do fêmur. O médico da corporação Dr. Muniz Duarte mencionou a instabilidade de sua pélvis; no hospital será pesquisado a existência de outros possíveis traumatismos devido à queda. [caption id="attachment_3527" align="aligncenter" width="450" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption]

 

As duas viaturas dos bombeiros partiram com o operário. Imediatamente, nos retiramos a pedido do encarregado da obra, alegando ser uma obra particular; deveríamos lá fora aguardar a chegada do engenheiro para maiores esclarecimentos. Tentei mais uma vez saber ao menos sua identificação, de cabeça baixa, olhando de lado e meio sorrindo nervoso me disse "estou falando, é perigoso, tem gente lá de cima da laje dizendo pra vocês saírem já". Cenas de um Brasil que a larga maioria dos brasileiros reconhece. [caption id="attachment_3528" align="aligncenter" width="450" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption]

 

Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]