56ª EXPOAGRO
22/05/2015 | 04h45
convite expoagro 1  
Comentar
Compartilhe
Cinema em Campos, um elogio: merece registro
03/03/2015 | 08h56
Fomos, ontem assistir ao filme "Birdman", vencedor de quatro estatuetas do Oscar. Está em cartaz em Campos, em uma das cinco salas de projeção do Kinoplex - sala vip -, Shopping Avenida 28. Até que enfim, passamos a contar com uma sala à altura do porte da cidade. Som perfeito, ar na medida, ampla tela de projeção -  afastada dos olhos, na altura ideal -, imagem de qualidade e cadeiras especiais no quesito conforto. Um luxo! O filme é bom, fotografia das boas. Com o famoso ator Michael Keaton, foi vencedor nas categorias de melhor filme, melhor diretor com o mexicano Gonzalez Iñárritu, melhor roteiro original e melhor fotografia. Programa bom, daqueles que faziam falta. Filme com um enredo ágil. Apesar de não se pretender "cabeça", não deixa de evidenciar as contradições e expectativas humanas frustradas, as disputas de ego, as vaidades e culpas que nos afetam a todos na sociedade atual. E os sonhos. Para os que curtem um palco de teatro, os bastidores estão lá, ainda que um pouco estereotipados, estão lá. Destaque à percussão (no filme são duas baterias com o mesmo baterista em locais distintos) que dá o clima e o anticlímax do personagem principal. Aos empresários que apostaram na vinda do Kinoplex a Campos, parabéns! Sucesso que desejamos duradouro. Vale a conferida! birdman
Comentar
Compartilhe
Solar dos Airizes: alívio e preocupação
14/07/2014 | 12h22
É como fico com a notícia veiculada ontem, (13/07),  na Folha da Manhã, sobre a venda do Solar dos Airizes.  O novo dono, segundo informação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), é uma empresa particular, a Vittek Participações e Empreendimentos. O proprietário anterior Nelson Lamego, disse à reportagem que o imóvel foi adquirido por uma empresa do Paraná, responsável pela construção de condomínios residenciais. [caption id="attachment_8324" align="aligncenter" width="500" caption="Foto. Hellen de Souza, Folha da Manhã"][/caption] O Solar dos Airizes, é uma das pérolas do patrimônio histórico regional. Era motivo de aflição para todos os que se interessam por preservar a história arquitetônica e cultural da região norte fluminense. Está localizado à margem da BR-356, (Campos – São João da Barra), a 6km da cidade, na localidade de Martins Lage, lado direito do rio Paraíba. Foi construída, no início do século XIX,  pelo Comendador Claudio de Couto e Souza, toda em esteios de madeira de lei e tijolos. Edificação característica dos imensos sobrados da região; dois andares, 60 metros de fachada. Até 1896,  nos fundos havia um engenho que foi demolido. Estive por duas vezes em seu interior com sérios problemas estruturais, risco de desabamento que se agrava a cada dia. Possui uma das capelas mais "femininas" que visitei. Linda. É minha esperança que passe urgentemente por uma restauração e que obtenha nova função social. É minha preocupação que de fato venha ter, afinal as obras não são de pequena monta, requerem projeto adequado e recursos financeiros. Não poderia deixar de expressar o meu absoluto desconcerto face à inapetência da prefeitura de Campos, e mesmo do governo do estado do Rio, em não ter feito a aquisição, restauração e instalação de um Museu (ou Centro Cultural) público municipal ou estadual. Como patrimônio histórico nacional, enfim, continuamos de olho. Boa vida ao Solar dos Airizes!!  
Comentar
Compartilhe
E tanto do Brasil II
18/04/2014 | 11h06
Ainda da nossa recente ida à localidade de Mata da Cruz, interior de Campos, na região norte do município, distrito de Santa Maria, 93 km da cidade. Para lá chegar, partindo da cidade, vamos pela BR101 em direção a Vitória; na altura da entrada de Conselheiro Josino a gente sai da estrada federal e segue por uma estrada vicinal. Mata da Cruz é uma realidade rural, comunidade pequena vinculada à pecuária de leite e corte e também à agricultura familiar. O lugar é bonito de verdade, vive um compasso diferente dos centros urbanos do estado do Rio. Ainda que integre Campos, no cotidiano eles lá se socorrem de municípios mais próximos como Cardoso Moreira, Italva e o maior deles - na região noroeste fluminense -  Itaperuna. Quem pensa que em lugares assim o povo vive letárgico, se engana feio. Produzir leite não é atividade para preguiçoso. São 365 dias por ano, sem feriado ou fim de semana, vaca não sabe o que é isso, come e bebe água sem parar. Quanto melhor o rebanho, mais cuidado com a saúde dos animais, mais bezerros, mais leite produzido, mais trabalho. Sem querer dei de cara com uma pequena fabriqueta, uma confecção.  À frente do pequeno empreendimento de sucesso está Miriam Amaral. Ela, nos seus 28 anos, vislumbrou a possibilidade de enveredar por seu sonho. Foi a Campos. No Fundo de Desenvolvimento de Campos - Fundecam, encontrou uma fonte de empréstimo para começar o negócio. Comprou o maquinário e há um ano e meio, emprega 11 pessoas da região. Produzem shorts de elástico; na realidade recebem as peças cortadas e fazem o fechamento mais o acabamento final. Trabalham, como se chama, em sistema de facção para Boaventura, distrito de Itaperuna. Os shorts e bermudas são vendidos pela ‘Veste Surf’, no comércio de Itaperuna.

 

Miriam, deu uma paradinha, nos recebeu com atenção, notável a satisfação dela e dos demais. Mais um exemplo, que leva a marca do brasileiro a cada quadrilátero desse nosso Brasilzão.  
Comentar
Compartilhe
No tanto Brasil
18/02/2014 | 08h56
Na margem direita do Rio Muriaé, em uma cidade do noroeste fluminense, lá no fim de uma rua sem saída, eles trabalhavam em pleno sol a pique. Sexto dia da semana e os homens em franca atividade. Uma pequena manufatura de vassoura piaçava logo chamou a atenção. Para quem vive nas grandes cidades brasileiras, quiçá seja uma realidade longínqua. Talvez nem se dê conta de que o interior, também produz objetos tão importantes ao dia a dia de todos. Eram seis trabalhadores dentro da pequena construção de laje. Cada um cumpre uma função singular na simplória linha de montagem. Estavam de bom humor, não evitaram as fotos, não se negaram a conversar e até posaram alegres, não sem antes detalhar os meandros do funcionamento daquelas rudimentares máquinas que com eles compõem a linha de produção. [caption id="attachment_7595" align="aligncenter" width="600" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption] A piaçava vem da Bahia. Chega amarrada em rolos; abertos são, separados em feixes e, com o auxílio de um artefato, excluídas as menores. As maiores assim selecionadas, ficam em molhos nas mãos do operário que com destreza realiza a operação.  Esse é só um dos passos para dar forma final à dura palha, transformada ao fim em vassoura: “Vassoura Itaperuna”. Seu Itamar é o dono da fabriqueta, estava na rua vendendo o produto. Da fabricação do utensílio, sobrevivem sete homens e respectivas famílias, não sabemos quantas bocas dali tiram seu sustento. [caption id="attachment_7596" align="aligncenter" width="600" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption]

 

[caption id="attachment_7597" align="aligncenter" width="600" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption]

 

Vale o registro. [caption id="attachment_7598" align="aligncenter" width="600" caption="Ft. Luciana Portinho"][/caption]

 

Comentar
Compartilhe
VIVA SEU SONHO
17/02/2014 | 11h36
Trago ao blog o artigo do publicitário Mauricio Cunha. Para quem ainda não o conhece, afirmo que Mauricio é um profissional vivaz. Cidadão do bem, carismático e extremamente responsável. Nascido em Itaperuna, noroeste fluminense, foi para o Rio de Janeiro, fazer carreira. O texto é leve. Nos fala de um aspecto vital, do desperdício que é abrir mão dele; o sonho que planejado e executado nos torna mais realizados, em todos os aspectos da nossa efêmera existência.  Sugiro a leitura, nesse início de semana. lp Viva Seu Sonho Quando somos crianças, temos uma capacidade de sonhar tão alta que é como se os limites não existissem. Hoje em dia, se perguntarmos a essas pessoinhas sobre o que querem ser/fazer na vida adulta, temos a oportunidade de ouvir as histórias mais mirabolantes e animadas. Para elas, o mundo é um lugar novo, onde tudo é possível. Ainda que esse potencial inexplorado tenha vindo dentro de nós, no meio do caminho, algo acontece: crescemos. E com a experiência adquirida no passar dos anos, aprendemos que as coisas não são fáceis, que não podemos fazer tudo e que o mundo é um lugar que nos ferirá por incontáveis vezes. Então, vacinados, ficamos receosos, tudo para proteger nossa integridade emocional e física. Cada vez menos a palavra “arriscar” se faz presente no dia a dia, aprender coisas novas não gera a mesma emoção e, finalmente, temos um confronto com aquilo que percebemos como sendo a nova realidade. Enfim, a gente se torna conformado com o pouco. Cada um tem seu ponto de equilíbrio do sonho. Ele fica em um lugar de difícil acesso: entre o pessimismo da maturidade e a ingenuidade da infância. É bem verdade que somos cheios de um potencial fantástico para realizar, mas também é verdade, infelizmente, que isto nunca será experimentado pela maioria esmagadora das pessoas. Agora, questione-se, será que em algum momento você deixou seus verdadeiros sonhos pela estrada? O medo nos paralisa de tal forma que, de uma maneira nada inteligente, decidimos ficar no mesmo lugar. Shakespeare sabiamente resume essa situação na seguinte frase: "Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar, pelo simples medo de tentar". Se você já esteve em um cemitério, nunca mais o verá da mesma forma após a leitura deste texto. Não porque abordarei sobre as pessoas que são enterradas ali, mas por causa do que foi enterrado dentro daquelas pessoas que morreram. Pense em todas as músicas que poderiam ter sido cantadas, livros e textos que nunca foram escritos, palavras de amor que nunca foram compartilhadas, perdão que nunca foi liberado, invenções que não foram desenvolvidas... Tanto potencial que nunca, jamais alguém conheceu. Na história, muito tem sido desperdiçado ao longo da existência humana por pessoas que tiveram medo de se machucar, de serem criticadas, ridicularizadas, também por receio das dificuldades financeiras e outras tantas razões. Quais sonhos você enterrou aí no solo do seu coração? A vida é muito curta e você só poderá vivê-la uma vez. Não fazer nada sobre isso também é uma decisão. Um dia, cada um de nós terá seu encontro com a morte e as possibilidades de realiza-los serão finalizadas ali e nada mais poderá ser feito sobre. É incrível como que diante de uma situação assim, todos aqueles empecilhos ficam ridiculamente pequenos. Então, não se preocupe! Caro leitor, se você está respirando neste momento, significa que sua vida não se perdeu ainda. Há algum propósito para a sua existência e você tem o poder de cumpri-lo. Isso vai além da sua felicidade, envolve a comunidade e o universo ao seu redor, pois se trata do legado que você deixará para outras gerações e o exemplo gravado na memória de quem te ama. Por isso, eu te digo com toda a confiança, vale a pena correr o risco. Levante-se em direção daquilo que já era considerado perdido por você mesmo. Busque conhecer e desenvolver os seus talentos para ter atitude e tomar aquele lugar que foi feito pra você ao sol. Corra para fazer aquilo que deixa a sua vida com um sentido especial. Não abra mão do sonho. Você não nasceu para passar despercebido. [caption id="attachment_7584" align="alignright" width="400" caption="Ft. Facebook"][/caption] Mauricio Cunha "Fonte: Revista Estilo Off"
Comentar
Compartilhe
PORTO DO AÇU EM AUDIÊNCIA
06/11/2013 | 09h44
Nova reunião da Comissão Especial do Porto do Açu da Alerj acontece nesta quarta-feira

Acontece nesta quarta-feira (06/11) às 10 horas a segunda audiência pública da Comissão Especial para acompanhar a real situação dos investimentos no Complexo Logístico Portuário do Açu e a situação dos trabalhadores e colaboradores envolvidos no empreendimento da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), presidida pelo deputado estadual Roberto Henriques. Foram convidados novamente os representantes da LLX, empresa responsável pela implantação do Superporto do Açu e representantes da EIG, grupo americano que assumiu o controle da LLX.  Para a audiência que acontecerá na sala 311 do Palácio Tiradentes, sede do Poder Legislativo do estado do Rio de Janeiro, também foram chamados os prefeitos e presidentes da Câmara dos Vereadores dos municípios de Campos dos Goytacazes, São João da Barra e São Francisco de Itabapoana, além de representantes dasInstituições como o IFF, Uenf, Faetec, Cetep, além de outros representantes da sociedade civil organizada. O deputado estadual Roberto Henriques espera que os representantes das empresas envolvidas desta vez compareçam. “Espero que na reunião de quarta-feira os representantes das empresas LLX e da EIG compareçam. A sociedade precisa de explicações, precisa saber as novas decisões que serão tomadas sob a nova administração. A sociedade está insegura. Espero que com a reunião possamos entender os novos rumos do Superporto do Açu,  importante para o Norte fluminense e para todo o estado do Rio de Janeiro”, afirmou Henriques. Na primeira reunião que aconteceu no dia 11 de outubro, a LLX, empresa do grupo EBX responsável pela implantação do Superporto do Açu, enviou correspondência à comissão no final da tarde do dia 10 de outubro informando da impossibilidade de comparecimento do empresário Eike Batista. A justificativa da ausência foi o fato de Batista ser o interveniente do acordo de investimento com a EIG Holdings. No documento a LLX solicitou o adiamento da reunião por 20 dias e o pedido foi negado pelo presidente da comissão, o deputado estadual Roberto Henriques, que optou por convidá-los novamente para a audiência desta quarta-feira. Assessora de imprensa do deputado estadual Roberto Henriques – Rio de Janeiro Recebido via Cadê Marcas - Moisés Batista
Comentar
Compartilhe
Zica Assis em Campos
02/08/2013 | 03h53
[caption id="attachment_6760" align="alignleft" width="300" caption="divulgação"][/caption] Zica Assis é figura notável - no mundo dos cabelos - ao valorizar a beleza do cacheado na mulher brasileira. Ao invés de escondê-los ela os revela com balanço e naturalidade. Levanta a autoestima da mulher ao descobrir que possui personalidade e beleza particular, da qual pode se orgulhar e cuidar. Zica Assis, do Instituto Beleza Natural, eleita recentemente uma das "10 Mulheres de Negócios Mais Poderosas do Brasil" pela revista Forbes e "Empreendedora do Ano" pelo Estadão PME, estará em Campos no dia 14 de agosto, para um workshop de beleza gratuito. Esse encontro especial com a maior expert em cabelos cacheados do Brasil, acontecerá no Teatro Trianon, às 19h. Workshop Beleza Natural Dia 14/08, às 19h – Teatro Trianon Rua Mal. Floriano, 211 – Centro – Campos dos Goytacazes Inscrições pelo e-mail [email protected], até o dia 5 de agosto, com nome, telefone e CPF. 300 vagas  
Comentar
Compartilhe
Enxergar pra frente
11/06/2013 | 05h25
[caption id="attachment_6470" align="alignleft" width="200" caption="ft. Facebook"][/caption]     Trago o artigo abaixo do mural de Luis Adriano Silva - rede social Facebook. Pertinente reflexão sobre configurações que já se esboçam para o mundo do trabalho e da educação/aperfeiçoamento. Luis Adriano Silva é conhecido (e reconhecido) nosso como  administrador de vanguarda, CEO da Faculdade Redentor.       MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO E EDUCAÇÃO No início do Século XX uma das previsões em relação ao mercado de trabalho era que uma das profissões de maior futuro seria a de telefonista. A explicação era a seguinte: como a transferência de ligações era manual, seria necessário uma telefonista para no máximo X (vamos dizer 100) assinantes. Como a previsão (correta) era que o número de assinantes aumentaria aceleradamente, logo, a quantidade de telefonistas também cresceria nessa velocidade. Qual foi o erro? Simplesmente a previsão não considerou a mudança de tecnologia no processo, com a automação que tornou dispensáveis as telefonistas para intermediar ligações. Será que vamos cometer esse mesmo tipo de erro nesse ainda início de século XXI? Vejo alguma projeções nas áreas do Trabalho e da Educação que parecem reforçar o caminho nessa direção equivocada. Só que dessa vez a velocidade da mudança será ainda mais acelerada e o erro aparecerá ainda mais cedo. Previsões para daqui a 10 anos que consideram que os processos serão os mesmos de hoje! Vou abordar aqui apenas algumas tendências que terão que ser consideradas ao se fazer qualquer estimativa e projeção para os próximos 10 anos e que serão provocadas por avanços que já vem ocorrendo nas tecnologias de informação e comunicação. 1- Mobilidade, acesso e conectividade – Significando: de qualquer lugar e a qualquer hora (ou permanentemente); redução dos tempos e dos espaços. 2- Desintermediação – Significando: Se posso fazer direto, ou se uma máquina pode fazer (automação), porque preciso de alguém no meio do caminho? 3- Individual, customizado – Significando: Do meu jeito, feito para mim, no meu próprio ritmo Em função apenas desses 3 itens acima, podemos vislumbrar: As relações de trabalho e governança mudarão (independente ou apesar da legislação, que deverá vir à reboque) por conta de trabalhos realizados a qualquer hora e de qualquer lugar. Primeiro nas áreas que trabalham com informações e conhecimento: jornalismo, programação, gestão, advocacia, administração (inclusive pública!), monitoramento, controle, planejamento. Depois em todas as outras, em maior ou menor grau. Quando falo de qualquer lugar e a qualquer hora, estou incluindo e destacando que isso independe de fronteiras entre países e de fusos horários. A divisão de áreas de trabalho (setores da economia) em agricultura, indústria, comércio, serviços se mostrará totalmente irreal pela superposição e interdependência entre esses conceitos. Salas de aula com 1 professor e 20/30 alunos deixarão de existir como regra geral e obrigatória. O aprendizado é individual (sempre foi), mas a tecnologia permitirá sua libertação. O foco será o que aprende (aluno) e não o que ensina (professor) ou o local onde é ensinado (sala de aula). Progresso seriado como se fosse uma linha de produção e onde todos deverão cumprir os mesmos anos de estudo não farão sentido a partir do acesso direto ao conhecimento (desintermediação) e absorção em qualquer hora e lugar e no próprio ritmo do aluno. Todo o conhecimento necessário para cada função/profissão deverá estar devidamente estruturado e mapeado pelos bons professores e disponíveis para quem quiser e quando quiser. A troca de ideias e experiências serão o complemento (essencial). Debates, reuniões, encontros, conferencias acontecerão continuamente em um ambiente similar às redes sociais. Autonomia na busca do conhecimento? Sim! O conhecimento será certificado por entidades especializadas em Certificação do conhecimento e não por quem fornece esse conhecimento. Empresas, organizações, Universidades e governos perderão suas fronteiras físicas e o conceito de dentro/fora terá que ser revisto. Regras e conceitos associados à limites de idade também terão que mudar. Alguém com 60 anos pode aprender uma nova função e realiza-la de qualquer lugar durante mais 20 ou 30 anos. Conceitos de PEA (população economicamente ativa), PIA (população em idade ativa) e aposentadoria terão que ser atualizados. A medida da escolaridade associada à idade terá que ser revista. Algumas dessas mudanças virão (já estão aí) em menos de 10 anos. Algumas outras um pouco mais, mas chegarão. Assustador? Para muitos sim, nem tanto para quem se preparar. Desafiador? Certamente. Quando vem uma onda grande, a pessoa tem 3 opções: mergulhar achando que vai passar, fechar o olho e rezar para que não a atinja, ou pegar o ritmo e seguir no mesmo rumo da onda assumindo o controle do seu deslocamento. A escolha é sua! Paulo Milet é empresário e consultor em TI, Gestão e EAD.
Comentar
Compartilhe
DO PORTO DO AÇU
23/05/2013 | 10h40
[caption id="attachment_6333" align="alignright" width="253" caption="Ft. Nino Bellieny"][/caption] Face à onda de boatos que sacode o noticiário regional, reforçada pelas demissões reais recentes, o administrador e empresário Luis Adriano Silva comenta: - Isso é um freio de arrumação determinado pelo BTG para tornar as empresas do Grupo X atrativas no mercado financeiro, facilitando a entrada de novos sócios investidores (aos olhos do investidor é bom perceber governança), além, de se adequar à carteira de encomendas do estaleiro, que hoje é pequena devido a crise mundial, e ao insucesso da OGX petrolífera em alguns poços, (outra vez menos encomendas para a OSX). Penso que em 90 dias as coisas fiquem melhores e mais claras. É preocupante, lógico, para a região, mas no ponto em que alcançou hoje o Porto do Açu, não há mais volta. É estruturar para atrair capital, pois o projeto é muito bom. A MP dos Portos ajudou muito” - disse o CEO da Faculdade Redentor. Interessante a indicação que nos fez o Luis Adriano, ver aqui. "Dentre as empresas do grupo, EBX, do empresário Eike Batista, as ações da OSX Brasil mais uma vez chamam a atenção. Os papéis da companhia seguem forte movimento positivo e registram nesse pregão (Ibovespa de ontem, 22 de maio) alta de 8,81%, a R$3,21 , após atingir na máxima do dia ganhos de 11,19%, a R$ 3,28. O desempenho é ainda reflexo do anúncio feito na última segunda-feira sobre o novo plano de negócios da companhia de U$ 380 até 2014. De lá para cá,os papéis já acumulam valorização de 15,05% e, considerando o desempenho do pregão anterior ao anúncio, os ganhos somam 37,18%".  
Comentar
Compartilhe
Próximo >
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]