PAUSA
30/05/2015 | 15h01
Caro leitor amigo, Saio de férias; uma daquelas paradas necessárias para reciclagem e convívio com os nossos. Agradeço a compreensão. Um forte abraço e até a volta! pausa      
Comentar
Compartilhe
MIXÓRDIA
29/05/2015 | 11h41
O único ponto positivo da "Reforma Política" aprovada até aqui, e pelo jeito pouco mais virá, é o fim do instituto da reeleição que criava brutal disparidade de direitos na disputa eleitoral entre os que concorriam a um cargo executivo e os detentores dos cargos executivos, nas eleições majoritárias. Resta agora ser votado a duração do mandato: há quem pense que não sendo mais possível a reeleição, um mandato executivo de 4 anos é pouco para o estabelecimento de um novo planejamento e execução do próprio. No mais, o que se vê são deputados alvoroçados sem nenhuma visão de país  e partidos votando ditados por interesses menores de manutenção exclusiva de vantagens. [caption id="attachment_9061" align="aligncenter" width="500"]congresso foto. cartacapital.com.br[/caption] Nestes últimos dois dias, a oposição, base aliada e governistas agiram no "pega pra capar";  saem ainda mais desmoralizados frente a uma sociedade atônita. Para citar um só episódio da mixórdia parlamentar, a nova votação que aprovou, 24h após, matéria que já tinha sido votada e derrotada, em flagrante descaso constitucional que estabelece que votada uma matéria a mesma só pode retornar ao plenário para nova apreciação um ano após. Queria-se porque queria-se aprovar a doação de empresas privadas a partidos políticos. Está tudo mal parado na Política, fim de ciclo. As coisas no Congresso Nacional estão indigestas: uma gororoba!  
Comentar
Compartilhe
Opaco e catiço
26/05/2015 | 11h52
Tirar 0,9 em uma avaliação de 0 a 10, é algo bem constrangedor para qualquer um. Zero vírgula nove é nota escabrosa, indicadora de zero de esforço e décimos de enganação. Assim foi Campos, ou melhor, assim foi avaliado o governo municipal atual pelo Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro. A análise, como informou o Blog do Bastos (aqui),  é feita com base na Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/11), na Lei da Transparência (Lei Complementar nº 131/2009)  e no Decreto 7.185/10, que determinam a forma como deve ser a transparência administrativa do setor público. Englobou o governo do Estado do Rio de Janeiro e as 92 prefeituras. Ficamos mais uma vez com cara de tacho ao escorregar na 72ª colocação. Aliás, final de fila parece que é o destino final desta administração que não dialoga com a sociedade civil. E foi também assim que há mais de seis anos a atual prefeita Rosinha Garotinho se elegeu. Omitiu de cabeça pensada o nome do esposo Garotinho que na ocasião, com pesquisas eleitorais na mão, desaconselhava associar o sobrenome dele ao seu.  Transparência? Dizem que pau que nasce torto, cresce torto, morre torto. opaco Ps. só não venham com o discurso opaco e catiço de imputar os males que se abatem no campista à queda internacional do valor do petróleo.  
Comentar
Compartilhe
A coruja atrasada
25/05/2015 | 19h24
[caption id="attachment_9051" align="alignleft" width="220"]Foto. O Globo.com Foto. O Globo.com[/caption]

 Perseguidos pela Inquisição, hoje hereges escrevem best-sellers sobre a inexistência de Deus, a opção sexual de cada um só diz respeito a cada um

Luis Fernando Veríssimo Hereges, sodomitas e  usurários eram as vítimas preferidas da Inquisição pelo que pensavam e faziam (e judeus só por serem judeus) e muitos acabaram na fogueira, para aprender. Hoje hereges escrevem best-sellers sobre a inexistência de Deus, a opção sexual de cada um só diz respeito a cada um e a usura legalizada, agora chamada de capital financeiro, domina o mundo. O que prova que a História é uma velha senhora irônica, que só precisa de tempo para virar tudo ao avesso — e tempo é o que não lhe falta. Ateus se arriscam a serem xingados por crentes mas não mais a serem queimados vivos, a união de homossexuais ainda encontra resistência mas tem até a bênção implícita do Papa, e a usura se recuperou tão completamente do tempo em que era pecado que hoje provoca e se redime das suas próprias crises, sem culpa e sem sinal de contrição. A História poderia defender sua inconstância, ou seu senso de humor, invocando a coruja de Minerva, aquela que Hegel usou como metáfora para a incapacidade dos filósofos de compreenderem seu próprio tempo. Segundo Hegel, a coruja de Minerva, deusa romana da sabedoria, só voava ao anoitecer, quando não há mais luz para enxergar nada, muito menos a verdade do momento. Vivemos para a frente mas entendemos para trás, e a filosofia sempre chega atrasada. Foi, acho eu, na sua crítica a esta resignação de Hegel que Marx disse que os filósofos não deveriam se contentar em apenas entender o mundo, mas tentar mudá-lo. Não sei se Marx chegou a encampar a parábola de Hegel, mas ele diria que a coruja precisa voar mais cedo para ver com mais clareza. Outra forma de dizer que filosofia e política precisavam se aproximar na busca da luz. Como a coruja atrasada do Hegel, que só filosofava sobre uma época quando a época já estava no ocaso, a História pode ser perdoada pelas suas incongruências. A Santa Inquisição se assentava sobre um bloco de certezas que pareciam eternas, com um poder que duraria séculos. Hereges, sodomitas, usurários e judeus não eram apenas aberrações aos olhos do Senhor, sua existência ameaçava a ordem natural de todas as coisas. Que culpa tem a História de a eternidade durar tão pouco, e a ordem natural de todas as coisas ser sazonal? Artigo de ontem (24), no O Globo.com
Comentar
Compartilhe
A magia do baobá na obra de Saint Exupéry e Mia Couto
24/05/2015 | 13h51
Um pouco de magia e poesia para desembaralhar o dia, afinal folga para a maioria.
Por Nara Rúbia Ribeiro O baobá, também chamado de embondeiro, ou imbondeiro, talvez seja a árvore em torno da qual mais existam lendas, em todo o mundo. Árvore de idade incerta, posto que a sua madeira não possui anéis de crescimento, sua imponência, sua força, a fantasia que a envolve desafiam a imaginação humana. Cada um vê nessa árvore um diferente mistério. Uma magia peculiar. Com espécies nativas da África, de Madagascar e do Senegal, foi um baobá nascido em solo brasileiro (Natal, Rio Grande do Norte) que inspirou Saint Exupéry ao escrever “O pequeno príncipe” e no desenho das aquarelas. Neste livro, o baobá é visto como um iminente perigo ao minúsculo asteroide do protagonista, e razão pela qual ele necessita, urgentemente, de um carneiro que possa comer os baobás assim que brotarem do chão.
10944981_859871964073094_895384084_o
Baobá que inspirou Saint Exupéry-  Natal, Rio Grande do Norte
Há uma outra história de que gosto muito, narrada por Mia Couto no livro “Cada homem é uma raça”. Concebida pelo escritor à sombra de embondeiro, ou, quem sabe, apenas à sombra de sua lembrança, trata-se do conto “O embondeiro que sonhava pássaros”. É a história de um passarinheiro negro que morava num embondeiro e que visitava, com recorrência, um bairro de brancos, despertando o encantamento das crianças e a desconfiança dos adultos. “O homem puxava de uma muska (Muska – nome que, em chissena, se dá à gaita-de-beiços.) e harmonicava sonâmbulas melodias. O mundo inteiro se fabulava. Por trás das cortinas, os colonos reprovavam aqueles abusos. Ensinavam suspeitas aos seus pequenos filhos – aquele preto quem era? Alguém conhecia recomendações dele? Quem autorizara aqueles pés descalços a sujarem o bairro? Não, não e não. O negro que voltasse ao seu devido lugar.” E assim o passarinheiro ganhou fama e passou a ser objeto de comentários de todo o bairro, despertando diferentes reações em cada um. Um preto ganhar fama não era algo aceitável, posto que nem mesmo a convivência era ali tolerada. Assim, os moradores do bairro trataram de denegrir a sua imagem. De desumanizá-lo, de sorte a poderem melhor discriminá-lo. Quiçá prendê-lo. Ou matá-lo. “Mas logo se aprontavam a diminuir-lhe os méritos: o tipo dormia nas árvores, em plena passarada. Eles se igualam aos bichos silvestres, concluíam.”13295_gg Diante do encantamento das crianças, especialmente de um menino chamado Tiago, o passarinheiro lhes transmitia lendas acerca da grande árvore:  “(…) aquela era uma árvore muito sagrada, Deus a plantara de cabeça para baixo.“Aquela árvore é capaz de grandes tristezas. Os mais velhos dizem que o embondeiro, em desespero, se suicida por via das chamas. Sem ninguém pôr fogo.” Mia Couto se vale, no conto, de sua poesia ímpar e das crenças africanas acerca do embondeiro. Ele discorre sobre a alma preconceituosa e medrosa dos homens, sobre a fantasia das crianças, e ainda sobre as desigualdades de um mundo em que a cor de um homem pode servir de fulcro  para a sua condenação cabal. Assim, o embondeiro é, tanto no conto quanto na vida, uma fonte de magia a cada um que de perto observar a sua imagem, trazendo-a ao coração. Ele nos mostra a grandeza da Natureza que nos cerca e do quanto a nossa mente ainda necessita expandir para bem compreende-la e integrar-se a ela. E, talvez, nas palavras de Mia Couto, quem sabe em breve tempo a humanidade já consiga assimilar o que, do embondeiro, o menino Tiago viu em sonho: “Dentro, o menino desatara um sonho: seus cabelos se figuravam pequenitas folhas, pernas e braços se madeiravam. Os dedos, lenhosos, minhocavam a terra. O menino transitava de reino: arvorejado, em estado de consentida impossibilidade. E do sonâmbulo embondeiro subiam as mãos do passarinheiro. Tocavam as flores, as corolas se envolucravam: nasciam espantosos pássaros e soltavam-se, petalados, sobre a crista das chamas.” Talvez ainda possamos enxergar os sonhos do embondeiro. Afinal, afirma Mia, que o embondeiro sonha pássaros. Sonhemos também! wp_large_20090227_3

Comentar
Compartilhe
56ª EXPOAGRO
22/05/2015 | 16h45
convite expoagro 1  
Comentar
Compartilhe
Um fato e duas manchetes
22/05/2015 | 09h53
Na quarta (20) o mesmo fato, com duas manchetes (edições, interpretações), por dois sites de notícias do Rio de Janeiro. A primeira é do O Globo, a segunda do Jornal do Brasil . Para quem tem por hábito ler jornais e busca estar por dentro do que acontece no país e no mundo, é preciso passar a peneira.

Economia

Setor de serviços teve o pior primeiro trimestre em 3 anos

De janeiro a março, alta foi de 2,9%. Em março, crescimento foi de 6,1%, o melhor desempenho desde setembro do ano passado RIO - A receita nominal do setor de serviços teve crescimento de 6,1% em março frente ao mesmo mês do ano anterior e registrou o melhor resultado desde setembro de 2014, quando houve alta de 6,4%, informou nesta quarta-feira o IBGE. O crescimento nos três primeiros meses de 2015, no entanto, ficou em 2,9% — o menor patamar trimestral desde o início da pesquisa, em 2012, devido aos fracos resultados de janeiro (1,8%) e fevereiro (revisado de 0,8% para 0,9%). Nos últimos 12 meses, a alta acumulada é de 4,6%, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS).

Economia

Hoje às 11h17 - Atualizada hoje às 11h19

Setor de serviços cresce 6,1% em março

Pesquisa do  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje (20) que, em março de 2015, o setor de serviços do país teve crescimento nominal de 6,1%, na comparação com igual mês do ano anterior. O crescimento nominal embute a inflação ocorrida no período.

Comentar
Compartilhe
CIRCUITO HISTÓRICO DE CONCERTOS
21/05/2015 | 11h01
A Ong Orquestrando a Vida apresenta o Circuito Histórico de Concertos, amanhã (22) às 20h, na Igreja do Carmo. Antes, às 19h haverá uma visita guiada pela igreja. Programa imperdível para os amantes da música. concertos
Comentar
Compartilhe
Equívoco
20/05/2015 | 22h57
Com todo o respeito Sr. Secretário de Segurança José Mariano Beltrame do meu querido estado do Rio de Janeiro, mas, a VIDA é o nosso maior cartão postal! Nada além disso. Nem vista bonita, nem Olimpíada. Nada. O carioca hoje (20) fecha o dia de luto com a morte do médico Jaime Gold, de 57 anos, esfaqueado ontem, por volta das 19.30h, na orla da Lagoa Rodrigo de Freitas. Furtos recorrentes. Motivo fútil, arma branca. Jaime seguiu as orientações das forças de segurança de não reagir, não reagiu. Situação que se repete cotidianamente ao longo de 365 dias que se repetem em 365 dias e se repetem. Após mais este assassinato, a segurança da área foi reforçada (?!) até cair em novo esquecimento e o descuido com o cartão postal que é a nossa vida se dissolve.... Inadmissível. [caption id="attachment_9021" align="aligncenter" width="500"]médico-esfaqueado-700x471 www.mancheteonline.com.br[/caption]  
Comentar
Compartilhe
ANS suspende a partir de hoje 87 planos de saúde
20/05/2015 | 14h15
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) suspende, a partir de hoje (20), a venda de 87 planos de saúde. Deste total, 22 operadoras foram punidas por queixas de clientes como não cumprimento dos prazos máximos de atendimento e negativas indevidas de cobertura. Por outro lado, 34 planos que estavam com a comercialização suspensa comprovaram melhoria no atendimento e poderão voltar a ser vendidos.
Agência Nacional de Saúde suspende vendas de 87 planos de saúde
Das 22 operadoras com planos punidos, 8 já tinham planos suspensos no período anterior e 14 não constavam na última lista. Deste total, 11 terão a comercialização suspensa pela primeira vez. A medida é preventiva e perdura até a divulgação do próximo ciclo de fiscalização.
Entre as operadoras com maior número de planos suspensos estão a Unimed Paulistana, com 24 serviços com venda proibida, e a Odontoprev (17). A lista completa pode ser consultada no site www.ans.gov.br.
De 19 de dezembro de 2014 a 15 março de 2015, a ANS recebeu 21.294 reclamações contra planos de saúde. Do total, 6.621 eram relacionadas a temas não assistenciais (contratos e reajuste, por exemplo) e 14.673 referentes a problemas com cobertura assistencial.
A ANS ressalta que, além de ter a comercialização suspensa, as operadoras que negaram indevidamente cobertura podem receber multa que varia de R$ 80 mil a R$ 100 mil.
Desde o início do programa de monitoramento, 1.099 planos de 154 operadoras já tiveram as vendas suspensas. Desses, 924 planos voltaram ao mercado após comprovar melhorias no atendimento.
A estimativa da ANS é que há no país 50,8 milhões de pessoas que têm planos de assistência médica e 21,4 milhões com planos exclusivamente odontológicos.Planos de saúde que tiveram a venda suspensa: ALLIANZ SAÚDE S/A ASSOCIAÇÃO AUXILIADORA DAS CLASSES LABORIOSAS COOPUS - COOPERATIVA DE USUÁRIOS DO SISTEMA DE SAÚDE DE CAMPINAS ECOLE SERVIÇOS MÉDICOS LTDA GOOD LIFE SAÚDE LTDA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MAUÁ MEDISANITAS BRASIL ASSISTÊNCIA INTEGRAL À SAÚDE S/A. MINAS CENTER MED LTDA ODONTOPREV S/A OPERADORA UNICENTRAL DE PLANOS DE SAÚDE LTDA. PLENA SAÚDE LTDA PROMED ASSISTÊNCIA MEDICA LTDA SALUTAR SAÚDE SEGURADORA S/A UNIMED ITABUNA COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO UNIMED PAULISTANA SOCIEDADE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO UNIMED-RIO COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO DO RIO DE JANEIRO VITALLIS SAÚDE S/A W.S. - ADMINISTRADORA DE PLANOS DE SAÚDE E ODONTOLÓGICO LTDA. Fonte. Agência Brasil
Comentar
Compartilhe
Funesto
19/05/2015 | 20h02

Em manifestação com 50 pessoas na Paulista, Lobão ataca FHC e tucanos

Símbolo dos manifestantes anti-PT, o cantor Lobão atribuiu a posição contrária ao impeachment de Dilma Rousseff do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a um "conluio histórico" de tucanos e petistas. [caption id="attachment_9006" align="alignleft" width="300"]Lobao foto. catracalivre.com.br[/caption] "Isso é típico do PSDB. O PSDB tem um conluio histórico com o PT. O social-democrata sempre foi uma escadinha para o socialista desde os mencheviques", disse Lobão, pouco depois de chegar ao vão do Masp, onde uma manifestação pró-impeachment reuniu cerca de 50 pessoas, neste domingo (17). O Partido Social-Democrata Russo, que iniciou a Revolução de 1917, era dividido nas correntes bolchevique e menchevique. A primeira, liderada por Lênin, era favorável à ditadura do proletariado e a segunda pregava a negociação com a burguesia. Todo social-democrata é um comunistinha lustroso. São mais bem letrados, mas não só toleram os comunistas como admiram mesmo os comunistas", completou. Lobão foi a estrela da manifestação. Assediado para tirar fotos em celulares, posou batendo uma panela e depois minimizou o fato da manifestação de hoje ter reunido apenas uns "poucos e barulhentos". "Se está diminuindo o povo, não interessa. Qualquer manifestação é saudável, legítima e necessária. O impeachment é uma questão de tempo. Essa massa surgiu espontaneamente, sem organização nenhuma e tem o intuito de reforçar a marcha que vai chegar em Brasília no dia 27". Vestidos de verde e amarelo, os manifestantes batiam panelas e gritavam slogans como "Lula cachaceiro, devolve o meu dinheiro" ou "O PT roubou", mimetizando o grito das arquibancadas "o campeão voltou".
 Publicado na Folha de São Paulo em 17/05/15
 
Comentar
Compartilhe
Nosso crescente mal estar
19/05/2015 | 19h30

Nosso crescente mal estar

Zuenir Ventura é jornalista   zuenir

O ex-presidente FH não afasta a necessidade de ‘algum grau de entendimento’ para que o país saia da crise econômica e política. Talvez só falte combinar com Lula

É crescente o nosso mal estar — ou mau humor — e a culpa pode ser mais uma vez atribuída à presidente Dilma. Uma pesquisa que acaba de ser publicada pela repórter Érica Fraga revela que há nove anos o brasileiro não era tão infeliz quanto nesse primeiro trimestre de 2015. Ao resultado, conhecido como “índice de infelicidade”, se chega numericamente pela soma das taxas de inflação e desemprego, o que provocou nesse indicador, também chamado de “índice de miséria”, um salto de 13,5 para 15,5 pontos nos primeiros meses do ano, o maior desde o fim de 2005. A pior notícia é que a situação não vai continuar assim. Como os dados são consequência da crise econômica, cuja tendência é permanecer ou se agravar, a previsão é que a insatisfação da população vá crescer na mesma proporção em que aumentar a impopularidade do governo, que é das mais altas. A rejeição já impede Dilma de se apresentar em público numa simples cerimônia de casamento, como madrinha, sem ruidosas manifestações de vaias e panelaços. Assim, ela terá mais problemas com que se preocupar, além dos que oferecem o deputado Eduardo Cunha e o senador Renan Calheiros, aliados insaciáveis que dispensam inimigos, pois vivem criando-lhe dificuldades com exigências e cobranças. Agora, por exemplo, esperavam da presidente represália contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que incluiu o nome deles no parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal como suspeitos nas investigações da Operação Lava-Jato (no caso do deputado, o procurador afirmou ter encontrado ”elementos muito fortes” para investigá-lo). Derrotada frequentemente no Congresso e tropeçando muitas vezes na governabilidade, Dilma vive uma melancólica solidão. Curiosamente, um dos poucos lugares onde não é hostilizada, mas até compreendida, é junto a alguns tucanos. Ainda esta semana, por exemplo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, falando para uma platéia de investidores em Nova York, evitou criticá-la. “Esses malfeitos”, disse, usando uma palavra que foi popularizada por Dilma, “vêm de outro governo, isso deve ficar bem claro. Vêm do governo Lula”. Também o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, evitou fazer críticas diretas à presidente e a tratou tão bem que precisou desmentir que ele e FHC façam parte de uma ala moderada que estaria buscando uma conciliação com o governo do PT. Eles negam essa hipótese, mas o ex-presidente não afasta a necessidade de “algum grau de entendimento” para que o país saia da crise econômica e política. Talvez só falte combinar com Lula.
Publicado no jornal O Globo em 16/05/15
Comentar
Compartilhe
A ÚLTIMA ESTAÇÃO
19/05/2015 | 14h03
No momento em que se discute acaloradamente o estabelecimento, ou não,  de "cotas" de refugiados por países da União Europeia (tal a quantidade deles que mesmo com riscos e mortes se lançam, em condições precárias,  no Mar Mediterrâneo em busca de uma nova chance de vida), o Cineclube Goitacá promove a 1ª Mostra Líbano-Goytaca de Cinema. O evento é em parceira com a Associação Cultural Líbano Goitacá e o Centro de Memória do Campus Campos - Guarus IFF. Será amanhã, quarta-feira (20),  às 19h, no auditório do IFF Guarus com o filme "A Última Estação". Trata da vinda dos emigrantes Libaneses para o Brasil. A entrada é franca, aberta a todos interessados pelo assunto. Após a exibição haverá debate. Um bom programa! mostra cineclube
Comentar
Compartilhe
Uma sobrevivente
17/05/2015 | 17h47
Nascida em área nobre da ventilada Orla de Guarus, vizinha do Rio Paraíba do Sul, no Jardim Carioca. A coitada faz de tudo para resistir à praga que a sufoca,mas, está difícil! IMG_5396 Brincadeirinha à parte, esta é apenas uma, de tantas, das escassas árvores da cidade de Campos. Em outras partes do planeta o poder público já acordou para a necessidade de preservá-las para o bem do Homem como, por exemplo, em Berlim (Alemanha) onde cada pé de árvore é identificado. Cada uma tem um plaquinha afixada, como se fosse um registro geral com espécie, data de plantio e intervenções fitossanitárias praticadas.  Esses dados são digitalizados em programa específico de controle. E assim a cidade é verde.
Comentar
Compartilhe
Ossos do (gigante) ofício
15/05/2015 | 22h56
Estive no mês passado na Galeria Scenarium, Rio de Janeiro. Fica em um sobrado, daqueles antigos de um Rio passado: provavelmente erguido em 1874. Faz parte, com orgulho, dos bens protegidos da cidade. Este prédio encantador com fachada azul de ladrilhos esmaltados foi restaurado e fica na Rua do Lavradio. Queria ver a exposição " TRAÇO LIVRE do Limite do Humor à Liberdade de Expressão". Lindo espaço, impecável no cuidado e apresentação dos trabalhos. Exposição concisa, finamente disposta por todo o piso térreo. Dá gosto ver a arte tratada de forma profissional. No final, nós da assistência nos sentimos respeitados e valorizados. Bom, trago uma primeira seleção do que vi para vocês. É do genial humorista brasileiro Miguel Paiva. Nos desenhos,  a dificuldade histórica que o humor enfrenta para existir e cumprir o seu quinhão na criação, ao não se curvar aos poderes e poderosos, sejam eles quais foram. São corajosos os que desafiam o status quo. Em mim, despertam profunda admiração. Nos ensinam. FullSizeRender(21) FullSizeRender(22) FullSizeRender(23) FullSizeRender(24) FullSizeRender(25) FullSizeRender(26) FullSizeRender(27)          
Comentar
Compartilhe
Ainda sobre o Mercado Municipal
14/05/2015 | 23h23
No início deste ano (2015), o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), órgão responsável pela proteção do patrimônio histórico do Estado do Rio de Janeiro, enviou solicitação ao Conselho de Preservação do Patrimônio Arquitetônico Municipal (Coppam), ao promotor de Justiça de Tutela Coletiva/Núcleo Campos, Marcelo Lessa, e à prefeita de Campos, Rosinha Garotinho, recomendando a interrupção das obras em curso pela PMCG no entorno do Mercado Municipal de Campos (ver aqui). Além disso,  o Inepac comunicou a abertura do processo de tombamento do prédio do Mercado, tendo em vista o interesse cultural do prédio a nível estadual. [caption id="attachment_8957" align="aligncenter" width="390"]mercado inepac Foto Valmir Oliveira[/caption] Na mesma época, setores da sociedade civil criaram uma petição online na Avaaz , dirigida ao MPE/sede regional de Campos, requerendo a suspensão das obras. A petição indicava que as tais obras (apresentadas pela PMCG como de "revitalização") sufocam e descaracterizam o Mercado, ferem o artigo nº6 da lei nº8.487, de 2013. — A lei nº8.487, de 2013, diz que nada pode interferir na visualização, na ambiência e na qualidade urbanística de um bem que seja tombado como patrimônio histórico. E o projeto aprovado pelo Coppam deixa como visíveis apenas a fachada do Mercado (a parte voltada para a Rua Formosa) e a parte de cima da torre do relógio. Essas obras emparedam o Mercado — comentou o arquiteto Renato Siqueira, um dos membros da sociedade civil que assinaram a petição da Avaaz. Renato é membro do Observatório Social. Em artigo publicado na Folha da Manhã assim se pronunciou: “Ratificamos o descaso e falta de interesse em oferecer o melhor à população, ao prédio histórico tombado, ao ambiente urbano do principal equipamento do Centro Histórico, bem como aos permissionários, que merecem respeito e locais adequados para desempenharem as suas funções, cujos projetos existem e estão nos arquivos da própria Prefeitura, secretaria de Obras, desde 2003, mas completamente ignorados.”

Feito esta pequena introdução, leio hoje no blog Opiniões (aqui), o posicionamento público do promotor de Justiça de Tutela Coletiva/Núcleo Campos, Marcelo Lessa. Na prática referenda a decisão da PMCG em tocar a obra no entorno do Mercado Municipal. Com respeito à função que exerce na 2ª Promotoria de Justiça/MPE, nem por isso, (ou até mesmo por isso) esta blogueira traz algumas considerações ao impasse que a tantos angustía.

[caption id="attachment_8956" align="alignleft" width="300"]mercado bagunça Foto. Valmir Oliveira[/caption]

É notório que a imundice que toma conta do mercado, com ratos, dejetos e sujeira mesmo, vem de algum tempo, por absoluta falta de manutenção rotineira do prédio, cuidado e higiene. Em Campos, tornou-se hábito do poder público municipal deixar os espaços públicos se deteriorarem a tal ponto em que só uma nova obra é capaz de "revitalizar" o desfeito. Também o atual emparedamento do Mercado Municipal, é resultado de políticas locais imediatistas, não aconteceu por acaso.

Que o problema é complexo, todos concordam. Que envolve interesses distintos, idem. Penso ser da natureza do poder público negociar conflitos, construir o bem estar coletivo (não de grupos), projetar o presente com olhos de perspectiva futura. Campos cresce, nada indica que estancará; cada vez mais o que é de todos, me refiro aos espaços e bens públicos, ganhará importância no cotidiano da sua população.

Qualquer intervenção humana no espaço gera "satisfeitos e insatisfeitos". Assim é com a criação/duplicação das estradas, assim é com a retirada de rodovias que atravessam cidades (caso da vizinha Itaperuna) em que comerciantes se beneficiam, mas que atravancam o deslocamento dos moradores.

E lembro aqui, não se trata apenas de deleite pela preservação do aspecto histórico-arquitetônico, este nos confere identidade. Oscar Niemeyer, dizia que uma obra arquitetônica não vale por suas qualidades funcionais, mas por suas propriedades estéticas: em vez de ser "boa para morar", "boa para trabalhar", ela é "boa para pensar", "boa para integrar". Beleza e funcionalidade não são idênticas, quiçá por isso admiramos construções que há muito perderam qualquer utilidade material (Partenon, Coliseu, Pirâmides...). Penso que é chegado o momento, com tantos já desperdiçados, de só nos movermos em busca das "soluções ideais". [caption id="attachment_8958" align="aligncenter" width="452"]mercado como era foto. autor desconhecido[/caption]  
Comentar
Compartilhe
E em Campos....O que é isso 'companheiro'?
13/05/2015 | 15h35
Cassar arbitrariamente o direito legítimo de um vereador de discutir e votar matérias do legislativo campista é atitude que arrepia os verdadeiros democratas. Ameaçar com força de segurança (sic) o plenário da Câmara Municipal em qualquer manifestação - no caso em questão foram palmas, simples e finas palmas - é pura arrogância. Imaginem o nobre presidente do legislativo goytacá no papel de presidente da Câmara Federal, requisitaria, pelo andar da carruagem, a presença do Exército. Isso é o resultado da contínua prática apequenada de se fazer política em Campos. É aquela velha história do uso do cachimbo e da boca torta. Democracia não se restringe às eleições, mais do que isso, democracia se define pela forma como é exercido o poder obtido pelo voto. Sugiro que assistam ao vídeo e tirem as suas conclusões.
Comentar
Compartilhe
'FRISSON' NO VELHO CONTINENTE
12/05/2015 | 22h16
Em uma visita histórica, o presidente da França François Hollande, chegou a Cuba no último domingo (10). É a primeira de um presidente francês desde 1898, final do século XIX, quando da independência de Cuba da Espanha. Desde os anos 1980, é a primeira visita oficial de um chefe de Estado europeu. Neste momento em que Cuba e Estados Unidos reataram as relações diplomáticas, a França quer ser pioneira, de olho em possíveis relações comerciais, apostar na renovação cubana. Ontem (11), Hollande fez um apelo para o fim do embargo dos EUA a Cuba, afirmou que a França fará de tudo para que "a abertura possa se confirmar" e que "as medidas que tanto prejudicaram a ilha possam enfim ser eliminadas". Desde 1991, a França vota a favor da resolução que exige o levantamento do embargo na Assembleia Geral da ONU.
É uma visita de oportunidades. Hollande foi acompanhado de 30 empresários franceses , a delegação incluiu sete ministros e vice-ministros. Como o décimo parceiro econômico da ilha, a França busca expandir sua presença no mercado cubano.
O deslocamento de François Hollande a Cuba suscitou certa excitação na França. O jornal Libération (de gozação) estampou na primeira página uma mistura do retrato do presidente com o do Che Guevara, morto há 48 anos. O fascínio, apesar de enfrentar na atualidade forte contestação ao regime político cubano, data de longe: intelectuais de esquerda alimentavam a esperança de que Cuba ofereceria solução à espinhosa equação entre socialismo e liberdade. Até 1968 este entusiasmo persistiu e mesmo setores da direita vibravam com a atitude de Fidel Castro de "bater pé" frente aos Estados Unidos, aos quais os franceses de um modo geral menosprezam culturalmente.
Francois-Hollande-en-Une-de-Liberation-le-11-mai-2015_exact1024x768_pO presidente francês também se reuniu com o ex-presidente cubano, Fidel Castro, a conversa durou cerca de uma hora.
— Tive diante de mim um homem que fez História. Há um debate sobre qual será seu lugar e quais serão suas responsabilidades na História. Mas, ao vir a Cuba, queria conhecer Fidel Castro, esclareceu Hollande. Fontes. Le Figaro, O Globo  
Comentar
Compartilhe
Dois destinos
11/05/2015 | 12h30
Desde de garota pensava como ele. Nascida na cidade do Rio de Janeiro, criada na Zona Sul, cercada pelas favelas nos morros, olhava para cima e vinha a certeza: se no altos tivesse nascida seria outra pessoa. Só não sabia, com precisão, qual a extensão da diferença. Mas, que ela existiria, dúvida não tinha.
Sugiro a leitura do artigo do Luís Fernando Veríssimo, publicado no jornal O Globo, em 07/5/15.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Luís Fernando Veríssimo                 verissimo

Sua biografia já foi decidida, antes de você nascer. Quem a decidiu você nunca soube quem foi. Seu destino está fixado nas estrelas, mas as estrelas se movem

Você nasceu num vilarejo da África Equatorial. Não importa o seu nome, você é uma entre milhares. Além das outras desgraças que a esperavam, você nasceu mulher. Sobreviver ao parto já foi uma vitória sobre as estatísticas. Chegar viva à sua idade sem sofrer qualquer tipo de mutilação foi um milagre. Sua mãe morreu de uma epidemia, você mal a conheceu. Seu pai você nunca soube quem foi. E seu destino está fixado nas estrelas. Deve haver uma palavra na sua língua para “destino”. Talvez seja a mesma palavra para “danação”. Sua biografia já foi decidida, antes de você nascer. Quem a decidiu você também nunca soube quem foi. Seu destino está fixado nas estrelas — mas as estrelas se movem. Não estão fixadas no mesmo lugar todas as noites. E algumas fogem. Você vê os riscos que deixam no céu as estrelas que fogem. E você decide fugir também. Fugir do seu destino. Fugir da danação. É pouco provável que exista o termo “livre arbítrio” na sua língua. Você o descobre em você. Você inventa sua própria liberdade. E você foge da sua biografia. Com outros do seu vilarejo, caminha para o Norte, para o Mediterrâneo. Não morre no caminho — outro milagre! Não morre sufocada no barco abarrotado de fugitivos que atravessa o Mediterrâneo. Não morre afogada antes de chegar ao seu outro destino, o destino que você escolheu. E começar outra biografia. Ou: Você nasce numa cidade chamada Londres. Seu nome não só importa como é sujeito de uma especulação nacional, até ser escolhido. Sua mãe é linda, seu pai é rico e tem emprego garantido, sua foto provoca êxtases, você já é uma celebridade internacional. Ah, e um detalhe: você é a quarta na linha de sucessão ao trono da Inglaterra. Dependendo da disposição das estrelas, pode acabar rainha. Nada lhe faltará. Mas mesmo que queira, jamais poderá fugir da biografia que prepararam para você. Danação.
Comentar
Compartilhe
Política de enganar trouxas
07/05/2015 | 21h01
Ontem (06) finalmente a Câmara Federal aprovou - por 252 votos a 227 - o ajuste fiscal proposto pelo ministro da Fazenda Joaquim Levy como sendo necessário para dar um tranco nas despesas do governo e certo alento à economia. Foi aprovado em parte. A sessão foi longa; entrou noite adentro e deve terminar na tarde de hoje, quinta-feira. Foi como se esperava: tumultuada, barulhenta e hipócrita. Vitória de quem? Difícil dizer. Quem leu o noticiário da grande imprensa, deve ter percebido as inúmeras manobras para que pelo menos o texto-base da principal medida do ajuste fiscal fosse sacramentado. O PMDB cobrou da bancada do PT que votasse a favor Medida Provisória 665 do governo do PT. O PSDB, evidente, jogou pra galera e votou contra, não sem fazer alarde. Mesmo o menor analista político sabe que o PSDB, se eleito tivesse sido, teria sugerido medidas ainda mais rígidas e restrições maiores nos direitos e benefícios sociais dos trabalhadores. Saiu dedo em riste entre os deputados Jandira Feghali (PC d0 B) e Roberto Freire (PPS). O deputado Alberto Braga (DEM), integrante da "bancada da bala" (isso mesmo, na Câmara Federal existe a "bancada da bala") se meteu no conflito dos dois ao se dirigir à Jandira, “mulher que bate como homem tem que apanhar como homem” e ainda chamou “os mais valentes” para brigar após da sessão. Das galerias choveram dólares, falsos naturalmente. E teve panelaço...rs. [caption id="attachment_8922" align="aligncenter" width="590"]hove dolar foto. www.em.com.br[/caption] E os bastidores da política deixaram extravasar: os nobres deputados, mais uma vez, de olho gordo nos cargos do segundo escalão da máquina federal, votaram a favor. Fazem alvoroço com a Lava Jato (desde que não os atinja, porque aí é perseguição), no entanto, se comportam exigindo do mesmo, FAVORES E MAIS FAVORES! Para semana que vem tem a votação da MP 664. Os parlamentares que deram um “voto de confiança” na MP 665 já avisaram: sem a publicação das tais nomeações, votarão contra. Tempos rasos nesse Brasil varonil.  
Comentar
Compartilhe
TODO TEMPO EM PERIGO
06/05/2015 | 21h06
No dia 24 de março assistimos consternados à queda do Airbus voo 9525 da Germanwings. A Germanwings é uma dessas empresas de aviação que as grandes companhias aéreas mantêm como de segunda linha, no caso esta pertence à alemã Lufthansa. Até aqui pensávamos que de segunda linha, significasse voos mais baratos, com ainda menos serviços e conforto, operando em linhas de curta distância, mas, com todos os procedimentos de segurança em dia. Bom, hoje (06) saiu finalmente o resultado final da perícia das caixas pretas do desastre que matou 150 passageiros e todos os tripulantes. O suicídio (assassinato) foi premeditado. A aeronave espatifou-se contra os Alpes. Quem estava no momento da queda no comando era o copiloto de 27 anos Andreas Lubitz. O piloto tinha se ausentado da cabine, ido ao banheiro, quando quis retornar encontrou a porta da cabine travada por dentro, certamente pressentiu a desgraça, pois esmurrou a porta. Trancada estava e trancada ficou por decisão do copiloto (o dispositivo de segurança só permite o destravamento por dentro) que em um ato suicida resolveu tirar a sua vida e junto levar a de todos os demais. Loucura total, assassinato em massa. E o quê as investigações descobriram e concluíram? Que Lubitz (o copiloto deprimido, sofria de transtornos psiquiátricos) ensaiara, no mesmo dia, em outro voo, manobras injustificáveis de descida até 100 pés (pouco mais de 30 metros) sobre o nível do mar. Que Lubitz pesquisara dias antes sobre o funcionamento de portas de cabine, sobre formas de suicídio e mesmo sobre laxantes. Teria sido repentina a dor de barriga do piloto Patrick Sonderheimer, obrigado a ir ao banheiro e se retirar da cabine, provocada por medicamento deste tipo? Poucas dúvidas restam. E a absoluta convicção desta blogueira quanto à falha monumental da Lufthansa, ao não supervisionar de perto a saúde mental dos pilotos e copilotos. Reduzir gastos naquilo que é essencial à preservação da vida dos passageiros é de algum modo ser corresponsável pela morte dos mesmos, como foi o que aconteceu. [caption id="attachment_8917" align="alignright" width="583"]germanwings foto peru.com[/caption]   Fonte. Le Figaro
Comentar
Compartilhe
Aos que veladamente "condenaram" o humor do Charlie Hebdo
05/05/2015 | 18h50
No domingo passado (03), dois homens armados abriram fogo contra um centro de conferência onde se realizava um concurso de caricaturas sobre o Maomé, em Garland, subúrbio de Dallas. Tudo indica que pela primeira vez o grupo terrorista Estado Islâmico seja o responsável pelo ataque nos Estados Unidos, no qual os dois terroristas saíram fuzilados por agentes policiais do Texas (antes, os dois haviam ferido um guarda). [caption id="attachment_8908" align="aligncenter" width="400"]IMG_5321 Foto divulgada dos dois terroristas mortos pela polícia norte americana[/caption] Oficialmente, em seu canal de rádio nesta terça-feira (05), o Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque em solo americano, mas, a Casa Branca acha cedo para confirmar se o atentado foi mesmo do EI ou se pegaram carona em busca de popularidade. “Nós avisamos a América: ataques futuros serão maiores e mais amargos. Vocês assistirão a coisas horríveis por parte dos soldados do Estado Islâmico com a graça de Deus”, ameaçou o grupo djhadista. Se os americanos pensavam ainda que atentados tipo “Charlie Hebdo” ficariam reservados a uma Europa incapaz de integrar os seus muçulmanos, o episódio veio comprovar o oposto. Para aqueles que de forma velada culparam os jornalistas e chargistas do Charlie Hebdo, por "provocarem" (como se a função social do Humor não fosse exatamente a de provocar) a sociedade - de forma ampla, geral e irrestrita -, fica o alerta de que ceder à censura nunca será a solução, mesmo em tempos de intolerância religiosa. O fato serve para o Brasil tomar todas as providências de segurança para as Olimpíadas de 2016. Quem desejar se lembrar do ataque terrorista à redação do jornal/revista Charlie Hebdo, ver aqui e aqui.
Comentar
Compartilhe
INDIGESTÃO
04/05/2015 | 10h18

O ponto da ganância verissimo

LUIS FERNANDO VERISSIMO

Desde que o capitalismo e a moral burguesa nasceram, ao mesmo tempo, vivem brigando. Só conseguem viver juntos com a hipocrisia

Tudo pode ser reduzido a uma metáfora culinária. Comparamos mulheres com frutas e revoluções com omeletes e dizemos que as pessoas envelhecem como o vinho — ou ficam melhores ou azedam. E já ouvi dizerem de uma mulher que lembrava um vinho da Borgonha. Nada a ver com sabor ou personalidade, e sim com o formato da garrafa (pescoço longo e ancas largas). O capitalismo triunfante também evoca uma questão de cozinha, a do ponto. Qual é o ponto em que a ganância humana deixa de ser um propulsor econômico e volta a ser pecado? Da Margaret Thatcher diziam que ela queria o impossível: devolver à Inglaterra os valores morais da Era Vitoriana ao mesmo tempo em que desencadeava a era do egoísmo sem remorso e declarava que sociedade não existia, só existia o indivíduo e suas fomes. Dilema antigo. Desde que o capitalismo e a moral burguesa nasceram, ao mesmo tempo, vivem brigando. Só conseguem viver juntos com a hipocrisia, que teve uma das suas apoteoses na era vitoriana invocada pela Sra. Thatcher. No Brasil de tantos escândalos, cabe a pergunta: qual é o ponto da ganância? Quando é que a mistura desanda, o molho queima e o que era para ser um pudim vira uma vergonha? Há quem diga que o mercado sabe quando e como intervir para salvar a moral burguesa. Digo, o pudim. Claro que, para isso funcionar, é preciso confiar que todas as pessoas sejam, no fundo, social-democratas, ou capitalistas só até o ponto certo do cozimento. Ou acreditar que a ganância pode destruir a ideia de sociedade e ao mesmo tempo esperar que a ideia sobreviva nas pessoas, como uma espécie de nostálgica produção caseira. O capital financeiro que hoje domina o mundo nasceu da usura, que era punida pela Igreja Medieval. A história da sua lenta transformação, de pecado em atividade respeitável, culminando com sua adoção pela própria Igreja, é a história da hipocrisia humana. A Inquisição mandava os usuários para a fogueira, onde... Mas é melhor parar com as metáforas culinárias, antes de começar a falar nos grelhados.
Publicado hoje no O Globo
Comentar
Compartilhe
Fuga em massa
03/05/2015 | 22h25
Somente neste fim de semana, foram resgatados quase 6000 imigrantes nas águas do mar Mediterrâneo, em operações de salvamento conduzidas pela Itália e França. Este total é um dos mais altos realizado em apenas 24 horas. Foram 17 embarcações salvas na costa da Líbia (segundo o jornal francês Le Figaro), número que poderá ser ainda maior, visto que as operações de resgate continuam em curso. Os corpos sem vida de sete pessoas também foram encontrados em dois barcos infláveis. [caption id="attachment_8897" align="aligncenter" width="600"]Europe Migrants The Boats (AP Photo/Daniele La Monaca, File) Europe Migrants The Boats[/caption]   A nacionalidade dos imigrantes não foi oficialmente divulgada ainda que se saiba que a maioria é africana e que há sírios em grande quantidade. Todos foram conduzidos a Itália. Nos primeiros quatro meses de 2015, mais de 1750 pessoas morreram ao tentar atravessar o mediterrâneo, sem conseguirem chegar a solo europeu. O número assusta. É 20 vezes maior se comparado ao período equivalente em 2014. No ano passado, segundo a ONU, através de sua agência de refugiados, foram 3.419 imigrantes que perderam a vida tentando fazer a travessia. De acordo com as projeções divulgadas pela Organização Internacional para as Migrações, 30 mil imigrantes poderão morrer este ano no Mediterrâneo. Para um mar que já foi berço de civilizações humanas a continuar assim se transformará em cemitério de refugiados. Fonte. Le Figaro
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]