Em respeito ao leitor
30/04/2015 | 19h45
A gente que lida com blog estabelece limites mínimos para uma convivência civilizada. Não dá para usar o espaço virtual e descer o nível das críticas, nem das minhas nem tampouco dos comentários. Tenho convicção de que verborragia, gracinhas nada engraçadas, piadinhas de mau gosto, incitações levianas de golpe e provocações baratas, não devem ser liberadas aos demais. É o modus vivendi exigido a aqueles que defendem a Democracia, sem democratismos. Ser enfático - apresentar argumentos e se propor ao necessário contraditório - difere do xingamento fácil, ofensa e difamação. Amanhã é o Dia do Trabalhador. É feriado em grande parte dos países. Pontualmente, no Brasil, sem muito o quê comemorar, a não ser o fato de que vivos estamos; de longe viemos e haveremos - se soubermos manter os princípios democráticos que nos norteiam -  de superar os entraves da crise ética, política e econômica que abate a moral da sociedade brasileira. É quase que uma declaração de fé. Bom descanso a todos!    
Comentar
Compartilhe
Quando o divórcio na política é feio...
29/04/2015 | 12h36
... só não rola disputa de grana. O anunciado divórcio político finalmente aconteceu. A senadora Marta Suplicy, depois de um "casamento político" de 35 anos com o Partido dos Trabalhadores, chegou ao fim no dia de ontem (terça-feira, 28) e de um jeito nada elegante. Marta, vinha sinalizando o seu descontentamento com a legenda que deu luz à sua carreira política. "Por décadas, acreditei e dei o melhor de mim na perseguição de ideais que, com seus acertos e erros, não se distanciavam de um norte ético indiscutível e intransigente. Hoje, entretanto, não me sinto mais em condições de cooperar com o que não faz mais sentido a mim e a milhões de brasileiros", afirmou a senadora. Na nota divulgada ontem, o PT por sua vez se disse "indignado" com os termos da desfiliação divulgados por Marta: “O PT recebe com indignação a carta da senadora Marta Suplicy oficializando sua desfiliação do PT. Apesar dos motivos enunciados, entendemos que as razões reais da saída se devem à ambição eleitoral da senadora e a um personalismo desmedido que não pôde mais ser satisfeito dentro de nossas fileiras. Por isso, resolveu buscar espaços em outros partidos”, diz o texto do PT. Na carta de desfiliação, a ex-petista também se queixa de falta de espaço e de cerceamento. “Ao contrário de suas alegações, nunca o PT cerceou suas atividades partidárias ou parlamentares. Sucessivamente prestigiada, com o apoio da militância e das direções, Marta Suplicy foi deputada federal, prefeita, senadora e duas vezes ministra" e conclui o texto assinado pelos dirigentes petistas, “Ao renegar a própria história e desonrar o mandato, Marta Suplicy desrespeita a militância que sempre a apoiou e destila ódio por não ter sido indicada candidata à Prefeitura de São Paulo em 2012. Finalmente, é triste ver que a senadora jogue fora a coerência cultivada como militante do PT e passe a se alinhar, de forma oportunista, com aqueles que sempre combateu e que sempre a atacaram”.
Ficam duas curiosidades:
- A quem pertence o mandato, ao PT ou a senadora?
- Por acaso, a senadora se elegeu com doações partidárias, dessas que serviram a muitos e vieram no rastro do escândalo da Lava Jato?
Fica uma certeza: cuspir no prato em que se comeu por 35 anos é grosseiro. Teria feito melhor se afastar de leve e seguir sua carreira política.
marta-suplicy
Comentar
Compartilhe
Dólar continua em queda
28/04/2015 | 18h34
Em queda pelo sexto dia consecutivo, o dólar atingiu hoje a menor cotação: R$ 2,88. Resta esperar que os preços dos produtos importados (varejo e atacado) caiam na mesma medida em que dispararam quando, há alguns meses, a mídia alardeou a alta. Em um país com forte "cultura indexatória" para a elevação dos preços em geral, quero ver. [caption id="attachment_8878" align="aligncenter" width="550"]dólar1 foto estadão.com.br[/caption] Atualização: O dólar comercial se recuperou no final da tarde desta terça-feira, após atingir a mínima de R$ 2,883 perto do meio-dia. A moeda americana fechou cotada a R$ 2,942 para compra e a R$ 2,944 para venda, alta de 0,75% ante o real, após cinco quedas consecutivas. (fonte: O Globo)  
Comentar
Compartilhe
É da Vida (e de morte). Não dá para calar
28/04/2015 | 12h32
Ontem, morreu Inês Etienne Romeu, aos 72 anos, de insuficiência respiratória. A ex-guerrilheira, única sobrevivente da Casa da Morte - espaço macabro clandestino de torturas, execução e desaparecimento montado pela ditadura militar, no início anos anos 1970, em Petrópolis -, morreu da morte desejada por todos: em casa dormindo. Inês foi a última presa política a ser libertada no Brasil. A única prisioneira a sair viva da Casa da Morte após atravessar 96 dias de tortura. Ela foi importante na construção do direito à memória e à verdade da nossa frágil democracia: só a partir de um depoimento escrito por ela no hospital, em 1971, e entregue à OAB em 1979, quando terminou de cumprir pena, foi possível localizar a casa e identificar parte dos agentes que atuavam no local — entre eles o colaborador dos torturadores, o médico Amílcar Lobo.
— Ela se foi em paz, com tranquilidade, disse um dos irmãos, o jornalista Paulo Romeu. Também ontem foi divulgada, justo ontem, a suspensão pelo STF, através da ministra Rosa Weber, do processo criminal contra o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Ustra foi chefe do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), do II Exército, órgão utilizado para reprimir e torturar opositores do regime de exceção. Na ação suspensa, Ustra é acusado pelo MPF por suposto sequestro e cárcere privado de Edgar de Aquino Duarte, fuzileiro expulso das Forças Armadas e que desapareceu em 1974 após ser preso por outros militares. Há exatos três anos, em 2012, escrevi o post "Casa da Morte". Como na época afirmei, "De deixar qualquer ser normal enojado".  Para que permaneçamos alertas na resistência ao autoritarismo, à repressão e às violações aos direitos humanos, para que nunca mais aconteça, nesse espaço contei, ver aqui.  
[caption id="attachment_4152" align="aligncenter" width="550"] Casa da Morte[/caption] [caption id="" align="aligncenter" width="552"] Inês Etienne, presente![/caption]   “O Corpo dela (da cobra) ao se deslocar, arranhou o meu; chegou a sangrar. Mas o maior trauma foi o cheiro que ela exalava, um fedor que custei a esquecer”. Depoimento de Danton Godinho, jornalista mineiro torturado.
Comentar
Compartilhe
Galeano, nós e o nosso quintal
19/04/2015 | 12h36
GALEANOPor isso, estimado leitor, continuo a colorir o meu jardim.  O tempo passa, ou melhor, passamos por ele. Bom feriadão! IMG_5274
Comentar
Compartilhe
Campos: mais denúncias de desrespeito e descaso
15/04/2015 | 21h23
Tomo a liberdade de divulgar o post abaixo, publicado a pouco no mural da rede social Facebook do vereador Rafael Diniz. São denuncias graves que envolvem a Prefeitura de Campos. Lamentável. "Estivemos hoje, eu e o vereador Fred Machado, visitando a Creche Escola Souza Mota, no Fundão. Mais uma vez foi triste constatar o completo desrespeito e descaso desse "desgoverno" com a nossa educação. Mais triste ainda é saber que isso acontece num dos municípios mais ricos do Brasil... um Município de orçamento bilionário!!! Abaixo alguns dos graves problemas lá encontrados: - Casa alugada e sem estrutura para servir como estabelecimento educacional; - Péssimo refeitório, pois se chove as crianças precisam fazer a refeição em outro lugar; - Área externa grande, mas com entulho, mato, pedra. Muito perigoso, pois são crianças de até três anos de idade; - 4 pequenas salas, separadas por divisórias, quando a maior tem 16m2, sem ventilador, quando a professora coloca as crianças sem blusas por causa do calor; - a professora tem que fazer tudo, pois não tem auxiliar de turma; - Não tem sala de reunião, não tem computador para os professores, apenas direção, não tem biblioteca, brinquedoteca, não tem área de lazer ou parquinho; - Tv e DVD comprados pelos próprios professores; - A pintura da escola foi feita pelos professores no início do ano, com dinheiro arrecadado em festa junina, assim como a reparação de paredes com gesso trazido de casa pelos professores; - Sala de berçário de 6m2, para 10 crianças, contando com uma aluna portadora de necessidades especiais , não tendo cuidadora especial para ela; - Apenas colchonetes e um único berço, com péssima ventilação; - Atividades como xerox, trabalhos e tarefas são pagos pelo próprio professor; - Todo enfeite e cartaz para ilustrar as salas são trazidos de casa pelos professores; - Um único banheiro de 1,5x 2,5 para 60 crianças, em péssimo estado; - como não tem espaço suficiente, as crianças maiores são levadas para tomar banho de mangueira; - banheiro sem água quente, vive entupido, apenas um sanitário em péssimo estado, sem pia e um único chuveiro completamente desapropriado." [caption id="attachment_8854" align="aligncenter" width="540"]RAFAEL E FRED Vereadores Fred Machado e Rafael Diniz Foto da página pública do Vereador Rafael Diniz no Facebook[/caption]  
Comentar
Compartilhe
Campos: da baixada às baixarias
14/04/2015 | 21h03
Se da Baixada Campista tem vindo a invasiva fumaça, da política goytacá tem vindo fenômeno pior. É a baixaria bruta, não lapidada. Faltam mãos de fino manejo e mentes de almas limpas. Em Campos, há décadas, essas almas de encosto nefasto, rastejam pela planície nas costas de um e outro. Agora, escolheram atacar profissionais da imprensa e da rede de blogs locais. Não toleram o questionamento, menos ainda a independência. Exigem o cerco da corte. Caluniam, difamam, inventam. Mentem acintosamente como se a mentira, repetida como artilharia, pudesse transformar-se em verdade. Esquecem-se de que a realidade em movimento fala mais alto, dita o ponto e vírgula e confere o ponto final. Um dia, mesmo a aqueles que se enganaram e acreditaram no discurso, o ouvido trava. E tudo o mais dito soa como uma brutal poluição sonora. Distorção em alto grau. Perda de tempo. Bem como a decomposição incômoda da turfa em brasa não é bem-vinda às narinas humanas, esses, por mais processos e ameaças de processos, não mais encontram eco. [caption id="attachment_8849" align="aligncenter" width="422"]turfa queimando foto. campos24horas.com.br[/caption] Saravá!  
Comentar
Compartilhe
Campos: da fumaça ao fogo ou ao pó
13/04/2015 | 16h42
A Câmara Municipal de Campos preocupada em acelerar a sua Escola Municipal de Gestão Pública do Legislativo (Emugle) já homologou o Pregão 011/2015 cujo objeto é a locação de veículos, incluindo motorista sem fornecimento de combustível para atender às necessidades da Escola do Legislativo. O valor : R$ 66,7 mil (ver aqui). Agora, é aguardar o Pregão do combustível. Também foi contratada a empresa para prestação de serviços de recepção, zeladoria e portaria, visando atender às necessidades da Emugle. Valor: R$ 71,7 mil. Vigência: 90 dias. Aqui, coloco um ponto de interrogação. Sendo um projeto de atividade continuada, qual razão de ser só por três meses? Criada no final do ano passado, anunciada pelo autor do projeto de implantação, o vereador Mauro Silva, como "A Escola de Gestão terá como função o aperfeiçoamento da administração pública, através de aulas, cursos, conferências e programas de treinamentos, que servirão não apenas para os que exercem cargos ou funções públicas, mas para toda a comunidade, àqueles que pretendem um dia ser um gestor público. Será de fundamental importância para a melhoria da qualidade da prestação dos serviços para a comunidade”. Aguarda-se a publicação de sua grade de cursos, treinamentos e conferências. Aguarda-se, também, como em qualquer instituição de ensino e de qualificação séria, a divulgação de sua forma de avaliação. Certamente, bem ao gosto de projetos desta natureza, serão confeccionados programas, material didático, certificados e afins. Aguarda-se, então, o Pregão para prestação deste serviço. Me perdoem os nobres vereadores campistas, a intenção pode ser elevada, mas, morrer como tantos outros programas e projetos brilhantes que a gente vê serem jogados às traças por absoluta falta de continuidade na administração pública de Campos. Constituem-se equipes de planejamento, contratam-se empresas de consultoria,  criam-se novas siglas com curiosa sonoridade, grande estardalhaço midiático e de concreto: pouco.
Comentar
Compartilhe
Hoje, no início da tarde...
03/04/2015 | 15h05
Ao final do velório do amigo Kapi, querido por tantos, desprezado por outros, como são os homens de verdade, o colega blogueiro Antunis Clayton me deu esse toque: " Se a gente toda manhã, antes de partir para os nossos afazeres, passasse ao menos 15 minutos em um velório, alguns dos nossos 'problemas' se dissolveriam". A Cultura de Campos perdeu um sonhador. O Teatro campista sofre uma perda irreparável. Nós perdemos um amigo insubstituível. Fica o sorriso, o carinho, o reconhecimento ao genial Kapi. Fica a certeza de que ficamos ainda mais pobres! kapi    
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Luciana Portinho

[email protected]