COMO ERA GOSTOSO O MEU FRANCÊS
29/10/2013 | 14h02

Depois de Hans Staden  (1999, de Luiz Alberto Pereira) filme apresentado no Cineclube Goitacá, na semana passada pelo diretor de redação da Folha da Manhã, Alusyio Abreu Barbosa, chega vez do filme dirigido pelo cineasta Nelson Pereira dos Santos, “Como Era Gostoso o Meu Francês”. Filmado em Paraty (RJ) no ano de 1970, tempos sombrios da ditadura militar no Brasil,  dois anos antes tinha afundado em repressão pesada, com a supressão das liberdades democráticas, consolidada pelo famigerado Ato Institucional baixado, o  AI 5.

O filme enfrentou reação, censura e cortes. Veio ao público em 1972, alcançando um milhão de espectadores para intriga dos burrocratas da tesoura; além de não quererem permitir que as cenas de nudez fossem vistas, desconfiavam que por trás do enredo haveria alguma mensagem política embutida.

Considerado um clássico do cinema nacional, com viés tropicalista - uma visão irônica sobre a colonização brasileira - Como Era Gostoso o Meu Francês recebeu críticas excepcionais nos Estados Unidos –  sendo extremamente bem recebido – participando de célebres Festivais como o de Cannes e Berlim.

Em conversa à Folha On line, a protagonista Ana Maria Magalhães nos disse que é um filme que não envelheceu, “ A sensação que tenho é de que foi feito em outra encarnação distante, sob a perspectiva histórica, o colonialismo está lá.”

O filme, cujos diálogos em tupi-guarani são de Humberto Mauro, segundo Ana Maria “um tupinólogo amador”, é um filme pleno, na linguagem do cineasta Nelson Pereira dos Santos. Talvez o primeiro a trazer para as telas uma visão renovada da antropofagia de Oswald de Andrade.

Na época, o financiamento do cinema nacional provinha dos royalties oriundos da exibição de filmes estrangeiros no país. Como Era Gostoso o Meu Francês, foi produzido pela Condor Filmes em coprodução com Luis Carlos Barreto, também conhecido no meio como Barretão, pela força de sua participação na produção cinematográfica brasileira.

Ana Maria, atriz e diretora carioca, nascida em 1950, tinha na época da filmagem 30 anos. Sua participação se dá o tempo todo nua, “Foi um filme difícil, segurei esta onda. No modo de falar e de andar, minha personagem dava o tom da tribo, meio naturista, mas, consegui impor um respeito, não existiram gracinhas”.

Todo rodado em uma fazenda à beira mar de Paraty, foi construída uma enorme taba indígena.“ A célebre cena da pedra em uma praia linda, que gosto muito, foi cortada. Havia o desejo do canhão, a metáfora do poder da arma.” Mesmo as cenas de nudez frontal tiveram que ser escurecidas, “Na cena mais íntima do casal, meteram a faca”, afirma ela.

Hoje, passados 40 anos, o filme se encontra nas cinematecas o que garante imortalidade ao filme. Está lá disponível a qualquer geração que queira acessar a história do cinema brasileiro. Com ele, em 1972, Ana Maria conquistou o prêmio revelação da Associação Paulista dos Críticos de Arte. “Para minha carreira o filme foi importantíssimo, filmar com Nelson me deu segurança”, diz.

Sinopse:

No Brasil de 1594, um aventureiro francês prisioneiro dos Tupinambás escapa da morte graças aos seus conhecimentos de artilharia. Segundo a cultura Tupinambás, é preciso devorar o inimigo para adquirir todos os seus poderes, no caso saber utilizar a pólvora e os canhões. Enquanto aguarda ser executado, o francês aprende os hábitos dos Tupinambás e se une a uma índia e através dela toma conhecimento de um tesouro enterrado e decide fugir. A índia se recusa a segui-lo e após a batalha com a tribo inimiga, o chefe Cunhambebe marca a data da execução: o ritual antropofágico será parte das comemorações pela vitória. É uma adaptação livre de Hans Staden.

Será exibido amanhã, no Cineclube Goitacá, quarta ( 30/10), às 19.30h, no edifício Medical Center, na sala 507. A entrada é franca. Haverá debate após a exibição.

Até lá!

 
Comentar
Compartilhe
A.V.C.- EDUCAR É PRECISO
28/10/2013 | 12h10
[caption id="attachment_7073" align="alignleft" width="300" caption="Ft.Google"][/caption] O acidente vascular cerebral (AVC) pode ser hemorrágico ou isquêmico, popularmente,,conhecido como derrame. O hemorrágico pode ser primário ou secundário. O primário é causado pela ruptura de aneurismas e/ou mal formação artério venosas (MAV) que podem se romper por crise de pressão arterial alta. O AVC isquêmico pode ser trombótico ou embólico. A trombose ocorre dentro das artérias que levam o sangue ao cérebro: carótidas e vertebrais na sua porção extra crânica ou intracrânica e seus ramos. O embolo é um pequeno coágulo que se desprende devido à arritmia cardíaca, sobe pelas artérias já citadas e as entope. Até 20% dos AVC são devidos a arritmias. Classicamente os fatores de risco para os derrames são o diabetes, hipertensão arterial, fumo, sedentarismo e stress. Também, classicamente os AVC são doenças de pacientes idosos. Acontece, que, o estudo multicêntrico em dez países que compilou 119 trabalhos científicos sobre a ocorrência e mortalidade ligadas ao AVC (este estudo foi publicado no “THE LANCET” e replicado no jornal O Globo, na secção Ciência) mostrou algo novo e preocupante. Crianças e principalmente, jovens de 20 anos e adultos até 64 anos são acometidos de AVC numa proporção cada vez maior. Hoje, 83.000 jovens são acometidos de derrame por ano no mundo. Quais seriam as causas desse aumento que contraria o raciocínio lógico de que o AVC acomete pessoas idosas, se a média de idade da população mundial está aumentando e deveria ser maior nesta faixa etária? O primeiro fator a ser lembrado é o diabete, que já é considerado uma doença epidêmica e o segundo, a hipertensão arterial, que são devidos a má alimentação rica em gorduras e açucares (refrigerantes) e os alimentos industrializados e enlatados com seus estabilizantes, conservantes, acidulantes, aromatizantes, e por aí vai, além do sedentarismo e do fumo. A comunidade científica estranhou e muito o fato dos jovens estarem mais vulneráveis aos derrames. Será que o uso de drogas que tem como efeito colateral a vasoconstrição e as arritmias cardíacas, têm a ver com esta vulnerabilidade? A educação alimentar e os hábitos de vida são o melhor remédio e de novo, saúde e educação estão entrelaçadas.   Dr.Makhoul Médico, Conselheiro do CREMERJ e do CFM  
Comentar
Compartilhe
E na semana de Finados....VIDA!
27/10/2013 | 15h06
UM POLICIAL MUITO TRISTE [caption id="attachment_7068" align="alignright" width="320" caption="Ft.Google"][/caption] Não tenho bota, não tenho chapéu, não tenho batalhão. Perdi meu bastão. A única coisa que tenho é um pedaço de ferro velho que vai me criar coragem para eu entrar no cemitério. Sophia Vianna (senhorinha, amada neta de oito anos)
Comentar
Compartilhe
Das "idiotas"
25/10/2013 | 23h23
Recebi, via Sepe Campos, a informação que segue. [caption id="attachment_7062" align="aligncenter" width="600" caption="ft. Divulgação"][/caption]

 

O SEPE, Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação, Núcleo Campos, se reuniu esta tarde com a Secretária de Educação de Campos, Marinéa Abude. Foi discutida a pauta anteriormente enviada pelo SEPE e que começou a ser discutida na primeira audiência que aconteceu no dia 23 de julho. RESULTADO DA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO ENCAMINHADA NO DIA 23/07/2013 À SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E DISCUTIDA EM AUDIÊNCIA NO DIA 25/10/2013. Aumento Salarial: *Mantem a reivindicação histórica e vamos discutir as perdas a partir do Estudo do DIEESE junto à Controladoria do Município, mediante encaminhamento pedido de audiência. Convocação dos Concursados de 2012: *Chamada até 10/11/2013 de 950 professores concursados, para apresentação de titulo e efetivação. Revisão do Plano de Cargos e Salários: *Indicação de 02 representantes do SEPE para discutir a revisão do Plano de Cargos e Salários. Concurso Público: *Concurso para mediador, inspetor de alunos, Professor de Ensino religioso e assistente de creches, no próximo ano. Cumprimento de 1/3 da Carga Horária para Planejamento: *Garantido o cumprimento de 1/3 da carga horária destinada a planejamento nas creches e professor de 20 horas garantido em 2014. Para os Professores de 25 horas a demanda será maior do que os demais, sendo necessária a contratação de mais professores. Construção e Reforma de Escolas e Creches: *Apresentou planilha de reforma e construção de escolas e creches. Eleição de Diretor: *Eleições de diretores: O SEPE discorda do modelo de eleição baseado na lista tríplice apresentado pela secretária e defende eleições diretas para diretores, mesmo assim iremos apresentar um modelo de eleição direta com base em nossa experiência, acordado com a assessoria jurídica da secretaria. *FUNDEB A reunião do C.M.E ( Conselho Municipal de Educação) no dia 23/10 deliberou que o conselho do fundo será convocado para esclarecimentos sobre a utilização da referida verba, e possível discriminação do valor no contracheque *Houve comprometimento em implantar o curso pro funcionário em parceria com a CNTE. * Educação do Campo: *Como ocorreu audiência específica em 24/10/2013, o SEPE divulgará resultado após reunião do Coletivo Educampo.
Comentar
Compartilhe
Tudo como dantes
25/10/2013 | 11h24
[caption id="attachment_7052" align="alignleft" width="217" caption="Ft.Google"][/caption] Um governo que se permite ignorar a população é desleixado; está de antolhos para não ver o povo, só enxerga os seus minúsculos interesses. Depois que a secretária de Educação Marinéa Abude, afirmou que as sucessivas manifestações dos professores municipais não passavam de choro de 50 idiotas, qualquer administração sensível exigiria não só a retratação, pediria que ela se retirasse do cargo. Mantê-la, é afrontar toda categoria de educadores. Não conheço essa senhora, portanto, não a pré-julguei, mas, era de se esperar desejo intenso nela em dialogar  e nos tirar da condição pífia em que se situa Campos, a bilionária Campos, deste último lugar da fila estadual, na avaliação de desempenho. Uma surpresa a afirmação recente do secretário de Governo Suledil Bernardino de que nada mudará. Como se diz por aí: sinistro!
Comentar
Compartilhe
Tô contigo?
24/10/2013 | 00h28
Por mais que o rolo compressor governista tente enquadrar o vereador Alexandre Tadeu (PRB), popularmente conhecido como “Tô Contigo” ,  bastidores da política do poder local, já sabem da pedreira que terão que enfrentar. O vereador, nas recentes pesquisas eleitorais, guardadas a 7 chaves....disparou nas intenções de voto para 2014. Para quem disse, na última reunião de chamamento da máquina que as próximas eleições desenham o cenário para o pleito municipal de  2016 e que deste, " ninguem da família poderá participar", as barbas já estão de molho. Ver postagem do Blog do Bastos.
Comentar
Compartilhe
CINEMA EM DEBATE
20/10/2013 | 18h20
Fts. Folha da Manhã
Agora sob o nome de Goitacá, em homenagem à sala de cinema que cedeu lugar à igreja Universal e também aos índios que habitaram a cidade, o cineclube retoma as atividades no próximo dia 23, às 19h30, no auditório do Oráculo (sala 507, do edifício Medical Center) com a exibição do filme “Hans Staden”, de Luiz Alberto Pereira, que será apresentado pelo diretor de Redação da Folha da Manhã, Aluysio Abreu Barbosa. Inicialmente como José Amado Henriques (homenagem ao crítico de cinema que atuou na imprensa campista), as sessões aconteciam na Faculdade de Medicina, e, posteriormente, como Cinema no Palácio, no auditório do Palácio da Cultura, o cineclube está sendo reativado por iniciativa de Luiz Fernando Sardinha, dono do espaço Oráculo, que, além de profissional destacado na odontologia, é cultor das artes, notadamente teatro e cinema. Para dar conta da tarefa, convidou Aluysio, o professor Aristides Soffiati, o jornalista Gustavo Matheus e o articulista da Folha Dois PC Moura. Na coordenação das atividades, a jornalista Luciana Portinho, diretora de eventos do Oráculo. Necessidade — No momento em que a cultura em Campos está em discussão, a partir de depoimentos publicados nesta Folha Dois, Aluysio entende que a retomada do cineclube acontece em boa hora e mostra que é possível “romper com as condições de pedinte do poder público municipal e criar espaços próprios para a discussão da arte. No caso específico, cinema. Isso é possível através da iniciativa privada e de pessoas sensíveis, como é o caso de Sardinha, profissional vitorioso, mas que não vive sem arte.” Além do mais, serve também para a produção efetiva da cultura, através de mostras regulares de filmes que dificilmente seriam vistos em circuito comercial. Depois de “Hans Sataden”, será a vez, no dia 30, de “Como era gostoso o meu francês”, de Nelson Pereira dos Santos, cabendo ao jornalista Gustavo Matheus a apresentação. “Mantenho conversas regulares com Aluysio sobre cinema. Sempre me interessei em conhecer a trajetória dos diretores e, percebendo meu interesse, convidou-me para participar do cineclube. Aceitei de pronto, já que é uma oportunidade rara para enriquecer meus conhecimentos sobre a sétima arte”, destacou Matheus. No dia 6 de novembro é a vez do professor e ambientalista Aristides Soffiati fazer os comentários antes da apresentação de “Desmundo”, dirigido por Alain Fresnot. Aristides considera a retomada do cineclube fundamental como espaço para discussão e conhecimento de filmes que não fazem parte do circuito comercial. Sendo que muitos não são encontram nem em locadoras. “Se você for a uma locadora e pedir “Ladrões de Bicicletas”, de Vittorio De Sica, não encontrará e o atendente pode até tomar um susto porque não está acostumado a lidar com filmes de arte. Também poderemos ver obras que não chegariam aqui por falta de apelo comercial. Enfim, é a retomada de um espaço para discussão e, desta feita, pela iniciativa particular.” O filme “Brincando nos Campos do Senhor”, de Hector Babenco, será mostrado no dia 13 de novembro, cabendo a apresentação ao articulista PC Moura. “A idéia do cineclube é genial, porque podemos nos libertar da enxurrada de filmes comerciais. É uma opção que oferece para discussão e, além disso, a entrada é franca”, observou Moura. Espaço aconchegante A sede do Oráculo, sala 507 do edifício Medical Center, é um espaço confortável com 30 lugares (poltronas estofadas) e equipamento para projeção de filmes de última geração. A diretora de eventos, Luciana Portinho, destaca que a proposta de Luiz Fernando Sardinha é promover discussões regulares sobre arte e, por isso, a proposta de retomada do cineclube que agora “ganha o nome de Goitacá. Além do mais, trata-se de uma oportunidade para formar um grupo para discussões regulares sobre cinema. É um espaço à inteligência campista, sem grupinhos ou mandantes”. Aluysio Abreu Barbosa lamenta o fato do campista neste momento ficar restrito às salas do Boulevard que “exibem filmes para analfabetos, uma vez que são todos dublados.” Também lamenta a demora da reforma das salas do Cine 28. Com isso, o cineclube se constitui numa opção para aqueles se sentem órfãos de filmes que conclamem à sensibilidade “e não as rotineiras sessões pipoca que fazem a festa das bombinières.” O acesso ao Oráculo será gratuito e, após cada sessão, os presentes debaterão o filme se constituindo assim numa oportunidade para o exercício da inteligência e da sensibilidade. Celso Cordeiro Filho (Capa da Folha Dois de hoje, domingo, 20/10)
 
Comentar
Compartilhe
RECEITA DE TRAGÉDIA
19/10/2013 | 22h53

Receita de Tragédia

LUCIANA PORTINHO [caption id="attachment_7026" align="aligncenter" width="600" caption="Ft.Google"][/caption]

 

No dia do nosso poetinha, amantes que somos da vida, uma história real e crua não me sai da cabeça. Pensei dela construir personagens fictícios, mas, tão dura que é de tosca crônica não passará. Quem me contou o drama foi uma mulher forte que acorda todos os dias em Campo Grande, zona oeste da capital, as três e 45 horas da matina, para chegar às 7 horas em seu posto de trabalho. Janine é manicure em um cabeleireiro do Posto VI, no Rio de Janeiro. Escuto seu relato, primeiro me transportando à dureza de vida dessa senhora que diariamente se desloca do subúrbio e, para ser pontual, prefere se despencar em três conduções na madrugada e “fugir” da maralha que é o tráfego de gente, ao vir e voltar todos os dias da casa para o emprego, do emprego para casa. Não me perguntem como da história da vida de Janine pulamos para, aí sim, a absoluta desgraça em que vive parcela considerável da população deste meu querido país.  Sei que conversávamos sobre as manifestações, os black bocks, sobre o Cabral, de lá fomos para as UPPs, o Amarildo e finalmente sobre o tráfico na Rocinha. Era hora do almoço, mesmo assim, Janine abriu espaço em sua agenda, quis me atender. De marmita em punho, ela baixinho me disse: “Antes deixava minha comida na copa do salão, mas, perdi a confiança nas meninas depois que Maria (ex-colega, moradora da Rocinha) sem mais nem quê confessou ter tentado assassinar seu ex-companheiro”. Tinha levado mais uma coça dele, o ódio a dominou, decidiu mata-lo. Morreria lentamente com doses mínimas de chumbinho misturadas na janta. O homem um dia baixou hospital, uma gastrite horrorosa o corroía. Lá,  os exames desmascararam o envenenamento. Chegando à casa, sem palavra alguma, ele deu surra ainda maior. Maria pediu ajuda ao comando do tráfico. Comeram o homem na porrada; expulso de casa, na favela proibido de pisar. Obrigado está a pagar o aluguel de Maria até o fim dos dias. Maria estava grávida, terceiro filho que deixou com a mãe no Ceará para criar. Nesta mesma noite, eu e minha prima refletimos sobre a ausência do Estado, os Tribunais e as Leis. Ainda assim sei que do nada, do abaixo do nada, é preciso que brote a poesia.  
Comentar
Compartilhe
Professores e médicos, mudar mais uma vez
18/10/2013 | 21h38
Ninguém em sã consciência no Brasil e principalmente, professores e médicos, têm dúvidas, mas, sim certeza de que o modelo - educacional e de saúde - deixa tanto a desejar: está falido. Os profissionais das duas áreas devem parar de fazer discursos para eles mesmos. O seu comportamento merece uma análise profunda de cientistas sociais, antropólogos, psicólogos de massa e até de psiquiatras para ser entendido. Um e outro participam das assembleias das respectivas categorias, reclamam de tudo e de todos, elaboram ótimas análises, excelentes propostas, em suma, fazem uma catarse, vão para casa e dizem aos seus familiares: “disse tudo, botei para quebrar, formalizei propostas”. Dormem com a convicção do dever cumprido, acreditando que tudo está resolvido. É pouco: não bastam palavras e sim ações. Vou me permitir, após 44 anos de lida na medicina, na política médica e também como professor da Faculdade de Medicina de Campos – aproveito para parabeniza-la pelos 46 anos e aos fundadores, atuais dirigentes, professores e alunos – propor ações, mas, antes fazer algumas colocações. Quem entende de educação são os pedagogos professores. Quem entende de saúde são estudiosos da saúde coletiva e pública. Médico entende de doença, mas, se começar a estudar e a se aprofundar na saúde coletiva e pública para além de médico assistencial, dominará muito mais do que qualquer um da saúde como um todo. Isto dito, porque os sindicatos e associações de professores, bem como das áreas da saúde – enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e outros – não convocam os seus “experts” de reconhecido e notório saber, elaborem um projeto nacional na área educacional e de saúde e o apresente não só ao Governo, mas, também ao Congresso Nacional, ao Judiciário e à Nação, através da mídia convocada civicamente para propagá-lo de forma gratuita; afinal os atores citados são os que mandam no país. A segunda ação: porque os professores e médicos não começam a ensinar, alunos e pacientes, a fim de despertá-los nos seus direitos de cidadania, assim como, não começam a participar da política partidária e deste modo, contribuir decisivamente para a evolução do país? Presto a minha homenagem aos professores e médicos, sugerindo mudanças de paradigmas, de posturas e condutas. Makhoul Moussallem    * Artigo publicado, hoje,18/10,  na Folha da Manhã.  Makhoul é médico, Conselheiro do Cremerj, coordenador da seccional do norte fluminense e membro do Conselho Federal de Medicina.
 
Comentar
Compartilhe
Metendo o bedelho
17/10/2013 | 16h23
Entro na conversa e meto meu bedelho. A irmã do Chico, hoje no Ancelmo, falou e disse: "Sou filha de historiador". Começam pelo escritor e seguem pelo jornalista. Quem se sentir caluniado, difamado que entre na Justiça. Assim é com todos nós desta república. Figura pública, é pública. Tem bônus e ônus.... Nossa Justiça é lerda, é falha? Mudemos a Justiça!
Comentar
Compartilhe
MAIS MÉDICOS, MAIS SAÚDE?
15/10/2013 | 17h10
A Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia neste 18 de outubro às 20:00 h convida os médicos, alunos da Faculdade de Medicina de Campos,participantes das redes sociais, imprensa e todos aqueles interessados a debaterem o tema hoje mais polemizado da saúde, o Programa Mais Médicos. Para estimular o diálogo ouviremos as opiniões pessoais e institucionais de médicos e alunos da FMC que comporão a mesa: - Dr. Makhoul Moussallem - Coordenador da Seccional do Cremerj de Campos - Dr. Ricardo Venancio juliboni - Membro da SFMC - Dr. Almir Salomão Filho - Presidente da SFMC - Acad Arthur  - Presidente do Diretório Acadêmico Luiz Sobral - Dr. José Roberto Crespo de souza - Diretor do Sindicato dos Médicos de Campos - Dr. Francisco Arthur de Souza Oliveira - Secretário de Saúde do Município de Campos dos Goytacazes - Dr. Paulo Roberto Hirano - Vereador e Presidente da Comissão Permanente de Saúde da Câmara Municipal de Campos - Residente de Ginecologia e Obstetrícia A SFMC acredita nos ideais e dedicações de todos os médicos dos diversos cantos do planeta e renova sua fé neste 18 de outubro. Aguardamos você. Secretaria da SFMC [email protected] [email protected] (22) 2733-1227
Comentar
Compartilhe
Junte-se a nós
15/10/2013 | 15h20
Recebi o e-mail abaixo que repasso a vocês. A situação, por lá, permanece delicada e piorará se nada for feito. lp [caption id="attachment_7011" align="aligncenter" width="600" caption="Ft. Greenpeace"][/caption]

 

Olá luciana, A situação na Rússia continua complicada: mais dois ativistas tiveram fiança negada pela corte de Murmansk na manhã de hoje. Um deles é o capitão americano Pete Willcox, responsável pelo Arctic Sunrise, que foi também o capitão do Rainbow Warrior em 1985, quando o serviço secreto francês explodiu seu navio. A argentina Camila Speziale, a outra ativista que teve fiança negada, se dirigindo à corte de Murmansk, declarou-se inocente e disse não compreender sob qual acusação ela foi enquadrada: “Eu não tenho nada contra este país, Rússia e Argentina mantem boas relações. Mas agora estou sendo presa por um crime que não cometi. Eu realmente quero voltar para casa e continuar a trabalhar e estudar”. Faça a sua parte, aumente o coro pela liberdade dos ativistas. Assine pela libertação dos nossos ativistas. Assine a Petição Marco Weber, um dos ativistas presos, descreve sua situação na cadeia como uma ‘isolação total’: “Na caminhada diária, também fico sozinho. O recinto para caminhada mede quatro por cinco metros e é cercado por paredes de concreto cobertas por barras de ferro. No teto, um telhado que impede a entrada de luz solar. O único céu que consigo ver é da janela da minha cela, o que significa ‘sem sol para mim’. Os dias são longos!” Vinte e oito ativistas, incluindo a brasileira Ana Paula, e dois fotógrafos freelancers estão presos preventivamente na Rússia sob suspeita de pirataria desde 18 de setembro. Deputados, senadores, diplomatas, artistas e até a presidenta Dilma demonstraram apoio pela liberdade dos ativistas que protestavam pacificamente. Ajude-nos a espalhar essa mensagem nas redes sociais. #LibertemOs30. Abraços, Fabiana Alves Coordenadora da Campanha Clima e Energia Greenpeace Brasil
 
Comentar
Compartilhe
Mudar é preciso
15/10/2013 | 09h34
Existem conceitos arraigados na população e principalmente naqueles que militam na política sobre as práticas e as condutas de quem quer ser candidato a qualquer cargo eletivo. Ultimamente, uma série de palavras e atitudes é tida como proibida para quem pretende entrar na política, tais como: não poder falar palavrão, não adjetivar pessoas ou instituições, etnias, posturas de vida de minoria, por ser politicamente incorreta. Não pode fumar em público, tampouco tomar uma bebidinha e ficar meio alegre, pois todos reparam. Não fica bem socialmente. Vigora um patrulhamento naquilo que o indivíduo fala, come ou bebe, ou seja, reina uma hipocrisia social e política. Querem construir uma falsa imagem do ser humano para vendê-la maquiada, estereotipada, engessada, polida e palatável. Quando as pessoas se deparam com o verdadeiro personagem se decepcionam, o miolo não corresponde à casca. Por produzirem uma imagem forjada, o cidadão comum começou a entender que o político é uma pessoa que deveria se situar acima do bem e do mal. Ao tomar conhecimento das práticas de muitos deles como a corrupção, por exemplo, o nosso cidadão se choca, se desencanta e generaliza para o senso comum de que todo aquele que faz política é necessariamente enganador, mentiroso e hipócrita. É preciso que se mudem esses conceitos e condutas, a nosso ver, nefastos e cujo resultado final é afastar aqueles bem intencionados que não compactuam em se travestir de santo, quando na verdade são humanos. O desejável nas pessoas sejam homens ou mulheres, é terem o direito – e dever – de mesmo ingressando na esfera da política, se manterem autênticas e não serem obrigadas a posar beijando criancinhas de colo, a estarem presentes em todo e qualquer aniversário, casamentos, velórios e enterros, só porque têm pretensões eleitorais. Amanhã é o Dia das Crianças. Devemos iniciar com essa mínima mudança como exemplo à formação do caráter de nossos futuros cidadãos, crianças hoje, às quais homenageio.
* Artigo de Makhoul Moussallem, publicado na Folha da Manhã, sexta-feira, 11/10. Makhoul é médico, Conselheiro do Cremerj (coordenador da seccional do norte fluminense) e membro do Conselho Federal de Medicina. Nas eleições de 2012 foi candidato, pela oposição, a prefeito de Campos. É pré-candidato a deputado federal em 2014. A partir de agora, reproduzirei seus artigos semanalmente para que possam tomar contato com seu modo de pensar..
Comentar
Compartilhe
O Poder e o F*&@ – se!
13/10/2013 | 23h13
[caption id="attachment_6995" align="alignleft" width="388" caption="Ft.Google"][/caption] Em palestra recente, realizada no Rio Grande do Sul, a antropóloga Miriam Goldenberg afirmou que a independência da mulher encontra-se no “foda-se”. Este, segundo a pesquisadora de temas como mulher, sexo, traição e outros tantos de interesses gerais,  é a saída. “O foda-se empodera a mulher”. Feito isso, a mulher (e aí incluo o homem comum também) se liberta da dependência atroz do reconhecimento e aprovação dos outros. Passa a viver o que lhe traz felicidade. “Quem me conhece e acompanha o meu trabalho sabe que sou obcecada por encontrar saídas para a gente ser mais feliz”. Libertar-nos daquela excessiva preocupação que nos tolhe, a nós mulheres, que internamente nos oprime, “o que os outros vão pensar”, segundo a antropóloga ganha a cada dia mais adeptas. De que vale à mulher ser livre e sofrer; os avanços femininos conquistados só fazem sentido se tornarem a mulher mais feliz. Miriam Goldenberg, lança seu mais novo livro “A bela velhice”, na Livraria Travessa do Leblon, Rio de Janeiro, amanhã. Resumindo ela disse,“ O foda-se é educativo”. Fica a provocação, uma boa semana!   * Mirian Goldenberg é uma antropóloga brasileira. Doutora em Antropologia Social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Comentar
Compartilhe
A Torre campista
09/10/2013 | 21h16
Dar de cara com ela nos faz erguer a cabeça para enxergá-la em sua boniteza. É pedaço de uma Campos, pura e simples: Campos, sem complementos. Está lá meio abafada, parece até que cresceu mais ainda para sobressair  do entorno e clamar, “Sou memória! Me preservem, me salvem como um marco solitário de uma época fabril.” [caption id="attachment_6989" align="aligncenter" width="600" caption="Ft.Luciana Portinho"][/caption]

Não desconfio quem seja o dono legal, se o estado ou o município, mas, com afeto lhes afirmo: legitimamente é de todos, pertence à nossa história.

Procurei verificar se é tombado aqui no blog do Conselho de Preservação do Patrimônio Arquitetônico Municipal – Coppam -, nada encontrei. Olhei a lista de bens tombados pelo Inepac no mesmo blog, também nada. Fica a sugestão, de que a Torre da extinta Fábrica de Tecidos da Lapa, seja protegida e tombada pelo município, antes que algum prédio modernoso ocupe o seu lugar de direito.  
Comentar
Compartilhe
Nosso João Corajoso,universal
09/10/2013 | 19h04
Conversar com ele nos contagia. Ele é só planos e projetos. Falo do nosso artista plástico João de Oliveira que não satisfeito de recém chegar de Paris, onde expôs no Louvre junto com mais 75  pares de diversas nacionalidades, deixa escapar em primeira mão o novo convite que recebeu quando estava por lá.  Agora, pelo Brasil, foram ele e mais 11 brasileiros; as telas de João de Oliveira tiveram destaque, abriram a exposição. Para 2014, ele volta à cidade de Paris, convidado pela UNESCO. Será uma exposição individual, " O tema será a infância, a educação das crianças, quero levar mais ou menos 20 quadros. A proposta me foi feita pela Associação de Artistas Plásticos de Paris, estou animadíssimo", diz. Antes disso, João de Oliveira estará expondo no Teatro Municipal Trianon, de 2 a 20 de novembro próximo. É quando, lançará oficialmente a reprodução de suas obras em canvas de alta qualidade. "O meu trabalho é de grande dimensão, as reproduções que serão assinadas e numeradas terão valor mais accessível", esclarece ele. [caption id="attachment_6982" align="aligncenter" width="600" caption="ft. Divulgação"][/caption]

Um pouco de suas coleções poderão serem adquiridas. Quem sabe um super presente para o Natal que já já se apresenta?

 
Comentar
Compartilhe
Deu no que deu e o que deu foi pouco
08/10/2013 | 16h56
Repercute na mídia nacional,até os dias de hoje, o disparate do uso indevido dos equipamentos públicos urbanos pintados de rosa, rosinha, lilás ou roxo paixão pela prefeitura de Campos. Em qualquer tempo seria  absurdo, naquele, às vésperas das eleições de 2012, uma despropositada arrogância. Quem não se lembra, o que é bem improvável, releiam aqui o post em que fizemos a denuncia. "É intensa a disposição da PMCG para pintar a cidade de lilás ou roxo paixão. Domingo (23/09), às 14.15h, esquina da Beira Valão com Formosa, lateral do  Mercado Municipal,  e a equipe da EMUT fazendo hora extra". Também fizemos este outro aqui, passem os olhos. Hoje, o blog do colega Gustavo Matheus, trás o seguinte:

Ricardo Boechat sobre os postes rosáceos: “Imbecil, idiota e criminosa”

Por Gustavo Matheus, em 08-10-2013 - 14h58
 
Na TV, o jornalista apresenta o Jornal da Band 
O jornalista Ricardo Boechat disse o seguinte, hoje, no programa de rádio Band News FM, no Rio de Janeiro: “Imbecil, idiota e criminosa… Uma pessoa que usa dinheiro público para pintar postes com as cores da sua campanha eleitoral. Nunca vi tamanha babaquice”. Fecha a conta e passa régua! (ver aqui)
Comentar
Compartilhe
Irrestrito apoio aos professores!
06/10/2013 | 14h40
Transcrevo convite/manifesto que recebi na rede social Facebook. APOIO!!! [caption id="attachment_6973" align="aligncenter" width="960" caption="Fonte. Facebook"][/caption]

 

"Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho. A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda." VAMOS DAR UM BASTA!!! VENHA COM O EDUCADORES PRA LUTA!!! VEM PRA RUA! DIA 7 DE OUTUBRO DE 2013 CONCENTRAÇÃO ÀS 17HS NA PRAÇA SÃO SALVADOR
Comentar
Compartilhe
Mais objetivo, impossível
05/10/2013 | 01h48
Do tanto que tenho lido sobre o movimento em prol da educação pública, do estado de sucateamento da rede pública de ensino e do tratamento aviltante aos profissionais da educação, a carta abaixo da Ivanete Conceição, coordenadora Geral do Sindicato Estadual dos Professores de Educação do Rio de Janeiro (SEPE-RJ), publicada no Jornal do Brasil de ontem (sexta-feira), por ocasião da data de hoje, 05/10, Dia Mundial do Professor, é navalha afiada. Corta na carne, boa de análise, necessária reflexão. Sugiro que leiam.

5 de outubro: Dia Mundial do Professor

Para além do lugar comum - e verdadeiro- de que todos os governantes passaram pelas mãos de um professor, é preciso discutir a situação dos profissionais da educação à luz dos projetos sociais e dos direitos.
Dos projetos sociais porque são eles que orientam as políticas públicas para a educação. Assim, se se projeta uma sociedade educada, igualitária, civilizada, precisar-se-á de um sistema educacional que forme homens e mulheres com capacidade de pensar autonomamente, de projetar e elaborar soluções para o avanço social e que consigam interagir uns com os outros com pleno domínio dos códigos culturais do seu tempo. Nesse contexto, o profissional da educação tem papel central no processo educacional que vai requerer do mesmo autonomia pedagógica para elaboração cotidiana de atividades, com tempo para planejar e executar projetos. Dos direitos porque chegamos ao século XXI tendo conquistado – com sangue e suor – garantias de livre organização sindical e partidária e  expressão de opiniões e visões de mundo.  O direito a uma escola pública de qualidade também é negado a milhões de estudantes quando a escola vira objeto de negócios, em muitos casos, grandes negócios. Em nosso país, e em particular no Estado do Rio de Janeiro, o que estamos assistindo é a implementação de políticas públicas para a educação que são expressão de projeto de sociedade onde uns tem dinheiro para colocar seus filhos em escolas de excelência particulares- caso do Prefeito do Rio de Janeiro e tantos outros governantes, enquanto à maioria resta a escola pública- sucateada, vilipendiada, rasa. O projeto supõe a formação de poucos para comandar e muitos para serem comandados. Desta forma, o professor para essa escola pública pode ser mero repassador de conteúdos mínimos, de forma precária e mal pago. No campo dos direitos, assistimos atônitos, a negação da livre associação, com perseguição ao sindicato e suas lideranças, difamações, repressão, terrorismo. Criminalizam a greve, as opiniões e vandalizam as ruas promovendo verdadeiros massacres aos educadores quando  estes não abrem mão da luta em defesa de uma escola pública e da possibilidade dos nossos jovens poderem sonhar. Em tantos outros países sabemos que não é diferente. No México, Chile, Grécia, Portugal, Espanha, etc. educadores também travam brava luta pela educação pública. E a resposta combinada dos governos tem sido o autoritarismo e a truculência. Será diferente em algum lugar do mundo??? Talvez na Finlândia. Mas aí, é outra história. [caption id="attachment_6969" align="aligncenter" width="500" caption="Fonte. Facebook"][/caption]

 

 
Comentar
Compartilhe
Brasileira pode ser condenada na Russia
03/10/2013 | 15h10

 

Reproduzo matéria do Greenpace que circula na rede social Facebook. É necessário o apoio de todos. Cliquem no site abaixo, mandem à sua rede de contato! Enviem o e-mail, é a menor parte do que podemos fazer. Abçs, Luciana
URGENTE: A bióloga brasileira Ana Paula Maciel foi a primeira ativista do Greenpeace a receber acusação formal de pirataria. Ela pode ser condenada a até 15 anos de prisão. Saiba mais:http://bit.ly/1aKz9My  A promotoria russa apresentou hoje uma acusação de pirataria contra a ativista brasileira detida no país desde o dia 19 de setembro, após participar de um protesto pacífico contra a exploração de petróleo no mar de Pécora. Além de Ana Paula, também o cinegrafista freelancer contratado pelo Greenpeace Internacional, e que estava a bordo do navio Arctic Sunrise, foi acusado de pirataria. Ativismo não é pirataria. Ajude-nos libertar os 30 ativistas. Envie um e-mail para a embaixada russa:http://bit.ly/LibertemOs30
Comentar
Compartilhe
Com o calote, governo baixa o tom
01/10/2013 | 14h25
Anunciado por dias a fio na mídia, veio o calote de U$ 45 milhões da OGX, empresa de petróleo do grupo EBX,  leia-se Eike Batista (ver  blog do Bastos, aqui). Se ontem o ministro da Fazenda Guido Mantega deixou a nação de cabelo em pé, por imputar ao empresário grande responsabilidade nas oscilações recentes da economia brasileira, hoje,  o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, assegurou que a decisão pode causar “algum estranhamento e desconforto dos investidores”, mas não muda a “trajetória geral” da economia brasileira", e emendou, " A trajetória da nossa economia é sólida e confiável. Estamos convivendo com anúncio de investimentos diariamente, novas empresas estão vindo. Não vejo risco maior para o Brasil” Ficamos assim, agora mais confortáveis, ao nos certificar de que a economia do país não vai a reboque do sucesso ou fracasso de um grupo empresarial, por maior que sejam os investimentos ou dívidas deste. Fonte. G1.
Comentar
Compartilhe