Mais três candidatos a prefeito indeferidos pelo TRE-RJ
31/08/2012 | 17h16
Por e-mail da Assessoria de Comunicação TRE-RJ Na sessão plenária de quinta-feira, dia 30, o TRE-RJ manteve o indeferimento do candidato a prefeito de Macaé Carlos Frederico Kohler (PTN). O candidato teve seu registro negado pelo juízo da 109ª zona eleitoral, que julgou procedente a impugnação proposta pelo Ministério Público Eleitoral, sob o argumento de não prestação de contas. O colegiado indeferiu também o registro dos candidatos a prefeito Rachid Elmor (PDT), de Paty do Alferes, e Rosaldo Andriolo Machado (PMDB), de São José do Vale do Rio Preto. Em todos os casos, cabe recurso ao TSE. Na mesma sessão, a Corte deferiu os registros dos candidatos a prefeito Rogério Martins Lisboa (DEM), de Nova Iguaçu, Aluizio dos Santos Junior (PV), de Macaé, Pedro Rogério Vieira Cabral (PSD), de Nova Friburgo, Noel de Carvalho Neto (PMDB), de Resende, Ronald Faria Crespo (DEM), de Itaperuna, Ismeralda Rangel Garcia (PMDB), de Guapimirim, Anselmo Prata Vicente (PSC), de Carapebus, Josely Ferreira de Siqueira (PP), de São José de Ubá, Clementino da Conceição (PP), de Santa Maria Madalena, Jorge Luiz Monteiro Tannus (PT), de Porciúncula, Fernando da Silva Fernandes (PPS), de Itaperuna, Saulo de Tarso Pereira Correa da Silva (PSD), de Valença.
Comentar
Compartilhe
Quem com ferro fere...
30/08/2012 | 20h35
com ferro será ferido....é o que diz o ditado popular. Não eu, mas, concordo. A última decisão do TRE/RJ complica um pouco mais do complicado que está o quadro eleitoral de Campos: Rosinha e Garotinho foram confirmados na condenação por uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder na eleição de 2008, repetiu o já feito no último dia 2. O plenário do TRE/RJ também mais uma vez  rejeitou o recurso do Ministério Público Eleitoral e manteve o deferimento do registro do ex-prefeito Alexandre Mocaiber. É..., é.
Comentar
Compartilhe
Pequenas iniciativas, grandes resultados
30/08/2012 | 17h38
É uma ação pontual de incentivo à leitura, de democratização do conhecimento. Merece destaque e reprodução. Recebi por e-mail da assessoria de imprensa da LLX.lp Biblioteca no Superporto do Açu leva conhecimento a operários Um galpão que antes servia apenas como depósito de objetos, hoje abriga uma biblioteca com mais de 400 exemplares. O local, instalado no Superporto do Açu, em construção pela LLX em São João da Barra, já é parte da rotina dos cerca de 6 mil trabalhadores que atuam no local. A biblioteca, que começou a funcionar em fevereiro deste ano, recebe atualmente uma média de 100 pessoas por dia. O objetivo do projeto, desenvolvido pela Milplan Engenharia, companhia terceirizada que atua na construção do Superporto do Açu, é estimular o crescimento profissional do colaborador e fortalecer o hábito da leitura. “Esse projeto logo contagiou a todos. Foram os próprios colaboradores que desocuparam o espaço, pintaram, fizeram as mesas e prateleiras. A biblioteca é a nossa menina dos olhos e desperta muita curiosidade das pessoas, já que o projeto é pioneiro na região. Hoje temos um volume grande de frequentadores”, conta Paula Siqueira, assistente social e coordenadora da biblioteca. O mecânico José Rubens Cavalcanti Nouche, 21 anos, é frequentador assíduo do local. “A leitura é realmente importante para nosso crescimento profissional. Por isso frequento a biblioteca quase todos os dias desde que ela foi inaugurada. Como no espaço temos acesso às mais importantes revistas e jornais do país, além dos livros, eu aproveito também para me atualizar sobre as principais notícias do Brasil e do mundo”, conta. Já o assistente de suprimentos Gil Nunes Anastácio, 49 anos, prefere ler os grandes nomes da literatura mundial, como Machado de Assis e Fernando Pessoa. “Há 20 anos trabalho em obras em vários lugares do Brasil e nunca ouvi falar de uma biblioteca dentro de uma obra. A gente nota que as pessoas que antes não tinham hábito de ler começaram a se interessar pela leitura. O acervo também é bastante diversificado”, pontuou Gil. Biblioteca A inauguração da “Biblioteca M – 360” aconteceu em fevereiro, mas a mobilização começou no ano passado. Desde dezembro de 2011, enquanto o espaço físico era montado, a Milplan realizou uma campanha de doação de livros, que contou com a adesão de funcionários das várias empresas que atuam na construção do Superporto do Açu e até de editoras. Além das principais revistas, jornais da região e do país, estão disponíveis na biblioteca computadores com acesso à Internet. Por meio do acervo, alguns colaboradores estão tendo seu primeiro contato com nomes da Literatura Brasileira, como Machado de Assis, Clarice Lispector e Jorge Amado. Também estão disponíveis livros de poesia e alguns exemplares de literatura estrangeira.
Comentar
Compartilhe
O bicho vai pegar
29/08/2012 | 16h03
Hoje, no meu café, abri a Folha da Manhã e caiu nas minhas mãos um encarte coloridão da AMIL. Então,  chegou em Campos aquele que é um dos maiores planos da saúde privada do país. Ninguém mais duvida de que agora no rastro do Açu desembarca na cidade, de mala e cuia, mais um setor de serviço importante do capitalismo brasileiro.  Chega a mil, se anuncia na promessa de  "a melhor rede de atendimento do Norte Fluminense". De minha parte nada contra; sou uma carioca que por livre arbítrio optou por viver nesta região que muito quero bem. Portanto, nenhum espanto. Quiçá na concorrência com os demais planos locais sejamos melhores atendidos pelos os que até agora surfavam na hegemonia do atendimento garantido? Quem sabe se (também) com o empurrão da iniciativa privada possamos, a médio prazo,  nos libertar da dependência crônica ao poder público municipal local?
Comentar
Compartilhe
Cabral, Pezão e Lindberg em Campos
28/08/2012 | 15h46
Segue convite que recebemos da vereadora Odisséia Carvalho.  
Comentar
Compartilhe
Implacáveis
28/08/2012 | 12h58
Ao meio de uma apuração de matéria, o assessor de imprensa do candidato Erik Schunk (PSOL), o jornalista Ricardo André, me revelou sua surpresa com a "fome" do jurídico da candidata Rosinha Garotinho (PR). Desde o início (há seis dias) da propaganda eleitoral gratuita já foram seis as ações interpostas pela coligação de Rosinha contra o programa de TV do Érik Schunk. Qualquer detalhe é por eles imediatamente questionado via Justiça Eleitoral. Do relato retiro duas observações. A primeira é de que eleição se tornou "coisa mais do que séria" e a segunda é de qualquer adversário é tratado pela candidatura rosa como: ADVERSÁRIO. Não importam pesquisas e favoritismos.
Comentar
Compartilhe
De volta
27/08/2012 | 16h27
Cheguei, ainda meio zonza com o fuso e alegre por retornar. Encontrei bem os meus e  minha casa cercada pela arrastada obra da Avenida Sete de Setembro, agora finalmente liberada ao tráfego, ainda que inconclusa; entrou por ruas perpendiculares com força. Ao menos, gentilmente, deixaram um caminho até a porta da garagem. Passei dias, pareceram-me anos. Vidas inteiras se fecharam. Uma história macabra se abateu em Campos, me comoveu a tragédia humana em cada um dos atos chocantes. Apontam o surrealismo nas artes plásticas como "demasiado louco". Na literatura, alguns reagem ao realismo fantástico, "forçaria uma barra".  Penso o oposto. É da realidade - e só dela - a fonte que informa o humano. E ele recria, como comédia ou drama, ao manipular o arsenal próprio. Por mais que se ande e se observe como vivem os povos, por trás das infindas batalhas travadas e modos de viver e das formas que se organizam as sociedades, a humidade da massa humana é uma só. Conquista, é o que nos move. De lado com as  divagações... ao bom trabalho!
Comentar
Compartilhe
Memorial do Holocausto
20/08/2012 | 07h51
Não há como passar impávido. Ao aviso do guia, olho à direita, vejo uma área de praça tomada por inúmeros blocos retangulares. O memorial é a praça. Cinza é a praça.

Sobre um terreno em aclives e declives, lisos blocos de concreto também irregulares no tamanho e irregulares na disposição. Uma sensação de opressão é transmitida pelo conjunto. No silêncio é percorrida através dos corredores estreitos. Uma alusão aos milhões de judeus mortos na Europa pelo nazismo. Evidente o desconforto.

O Memorial aos Judeus Mortos da Europa (Denkmal für die ermordeten Juden Europas), mais conhecido como Memorial do Holocausto (Holocaust-Mahnmal), fica em Berlim, capital da Alemanha e foi projetado pelo arquiteto Peter Eisenman. De uma área de 19.000 metros quadrados coberta com 2.711 blocos de concreto, parecendo com um campo ondulado de pedras. Os 2.711 blocos de concreto foram projetados para produzir uma intranquilidade, um clima de perturbação e o conjunto final quer representar um sistema supostamente ordenado, onde o contato com a razão humana foi perdido.

O memorial tem entrada franca, está aberto 24 horas por dia e foi inaugurado em 10 de maio de 2005. Está localizado a uma quadra ao sul do Portão de Brandemburgo, perto da Potsdamer Platz, numa distância que pode ser vista do parlamento federal alemão.  
Comentar
Compartilhe
Silêncio
17/08/2012 | 07h40
Havia preparado o post " Memorial do Holocausto" que se esvaziou de sentido face à notícia do dramático desfecho que se abateu sobre Campos, com a morte do jornalista e fundador da Folha da Manhã, Aluysio Cardoso Barbosa.  Por um acaso do destino, era o  tema que de longe traria  ao blog; ela, que quando aparece nos arrasta pelo calcanhar. Do que o conheci, creio que gentil e firmemente me diria para não parar de reportar, mas meu constrangimento é maior. De público, rendo assim minha pequena e respeitosa homenagem. Luciana Portinho  
Comentar
Compartilhe
Alguma parcial
13/08/2012 | 13h26
Seguem algumas imagens daquela construção que marcou gerações ao redor do mundo. O Muro de Berlim, construído em agosto de 1961. Em plena cidade de Berlim, ergueu-se uma separação entre o modo de viver sob uma economia capitalista e o modo de viver sob uma economia socialista. Pode parecer que foi só isso, mas, não. A cidade (o país), por um acordo militar entre blocos econômicos, foi dividida como modo "de coexistência" de valores sociais em confronto, vigorava o período histórico da Guerra Fria. Para nós, difícil imaginar a possibilidade de uma guerra entre brasileiros.

  Veio abaixo ao final da década de 80. Hoje, parte dele transformado em uma galeria a céu aberto, através das artes permanecerá preservado na memória.

 

A galeria está voltada para o lado leste. Ao cruzar o portão, colado ao muro pelo lado oeste se estende a "praia" berlinense a mostrar que a vida rápido se refaz....

Comentar
Compartilhe
FÉRIAS
08/08/2012 | 11h34
Parti de férias, um período de 18 dias. Vim para longe. Hoje as distâncias virtuais não se alteram um milimetro sequer. A atenção é que se dirige a outras paisagens, novas histórias, diferentes culturas. Tempo de reciclagem. Reafirmo o compromisso - firmado quando da abertura do blog - com você, leitor que me acompanha: alguma vivência interessante será aqui repartida. A todos, deixo o meu abraço!

Comentar
Compartilhe
Perfil do eleitor fluminense
06/08/2012 | 14h01
Na última segunda-feira, dia 30, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou o perfil dos eleitores brasileiros. O Rio de Janeiro é o terceiro maior colégio eleitoral do país com 11.893.309 eleitores. Esse número representa um crescimento de 5,6% em relação a 2008. As mulheres são maioria, somando 6.345.906 pessoas. Com ensino fundamental incompleto estão 3.574.696 eleitores, o maior grupo. Os solteiros somam 7.769.920 pessoas, 65,33% do total. E a faixa etária mais numerosa é a que vai de 45 a 59 anos, com 3.039.779 cidadãos, o que corresponde a 25,55%. Faixa Etária Os adultos de 25 a 34 anos totalizam 2.549.586, ou seja, 21,43% do total. Os jovens entre 16 e 17 anos representam 1,17%, enquanto os de 18 a 20 anos, 5,3%. De 21 a 24 anos estão 8,0% dos eleitores. Já os idosos de 60 a 69 anos somam 1.215.854 de pessoas, o que corresponde a 10,22%. Entre 70 a 79 anos são 5,5%, totalizando 656.812 pessoas. Escolaridade Eleitores com ensino fundamental completo somam 10,38%. Com ensino médio incompleto estão 21,23% e, completo correspondem a 16,65%. Poucos eleitores alcançam a formação de nível superior, e destes, 3,8% não concluíram a graduação. Apenas 5,7% dos cidadãos possuem 3º grau completo. Analfabetos correspondem a 2,2%, ou seja, 272.145 pessoas. Estado civil Eleitores casados somam 3.500.030, o que equivale a 29,42%. Ainda foram registrados os viúvos, que são 226.011, ou seja, 1,9%. Separados judicialmente somam 160.226 e divorciados totalizam 208.698 pessoas. Assessoria de Comunicação / TRE-RJ
Comentar
Compartilhe
Esclarecimento da defesa de Arnaldo
06/08/2012 | 12h40
A sentença que indeferiu o registro do Arnaldo, acolheu dois fundamentos: a)inelegibilidade por rejeição das contas de 2003 pela Câmara de Vereadores b) estar Arnaldo com os direitos políticos suspensos em ação de improbidade em cujo acórdão o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro reconheceu que ele não agiu com dolo. A decisão é de fragilidade ímpar. Em primeiro lugar,  o Juiz   não viu   o documento que prova que a rejeição de contas de2003 está há muito tempo suspensa por  a)liminar de juiz de Campos b)acórdão do TJ que manteve a liminar , c)sentença que julgou a ação procedente, anulando o julgamento da Câmara. Em segundo lugar,  o juiz  desconheceu  a constituição federal  segundo a qual  os direitos políticos só podem ser suspensos por sentença transitada em julgado. (art. 15 ). No caso, a Prefeitura  teria repassado à Câmara de Vereadores  valor superior ao legalmente devido. O Tribunal de Justiça entendeu e declarou expressamente que não houve dolo de Arnaldo. Por isso ele não está inelegível, eis que  a lei eleitoral exige dolo para configuração de  improbidade administrativa, o que  reconheceu a própria  sentença do Juiz Eleitoral. Ocorre que o TJ mesmo assim,e de forma absurda,  suspendeu os direitos políticos de Arnaldo por 5 anos, em acórdão contra o qual se interpôs recurso para oSTJ. Ora,como  não houve trânsito em julgado, como exige a Constituição, Arnaldo está no pleno exercício de seus direitos políticos.  O juiz, no entanto, resolveu  aplicar os efeitos do  acórdão, como se esse tivesse transitado em julgado !!! Amanhã, protocolaremos o recurso. João Batista Oliveira Filho Advogados (recebido via e-mail de ontem, domingo, 5 de agosto de 2012 )
Comentar
Compartilhe
“DRAGÃO DE FUMAÇA”
06/08/2012 | 07h48
Antes das férias, as obrigações. Fui ao Farol na noite de sábado assistir a uma reunião de campanha do ex-prefeito Arnaldo Vianna (PDT). Noite boa, lua a pique, conhecidos que tornam agradável o reencontro e  aquela gente simples da baixada que faz Campos ser mais CAMPOS. Os quilos que o ex-prefeito queimou se tornaram combustão. Em meio a uma persistente perseguição do adversário que treme feito gelatina só de vê-lo no páreo eleitoral, o ex-prefeito exibe uma vontade que contagia a todos seus companheiros de caminhada. E é bem interessante ver que às (quase) 23 horas, tantas pessoas ali no Náutico, sem receber lanche, sem ‘deaésses’, sem ônibus, ignorando a alcagüetagem, desdenhando da inculta perseguição política que virá. Junto de Arnaldo, o presidente do legislativo campista e candidato à reeleição, o vereador Nelson Nahim (PPL). Está embalado. Acabavam de chegar da localidade de Retiro e me confidenciou sua surpresa com o estado de abandono que encontrou, “Não adianta espalhar jardins pela cidade se não se cuida do verdadeiro jardim que são as pessoas, é uma covardia”. Também junto deles, o mais jovem vereador de Campos, Rogério Mattoso (PPS) que compõe como vice-prefeito na chapa de Arnaldo. Aguerrido manifestou sua revolta com o que viu no dia inteiro de corpo a corpo na baixada. “Não citarei nome de ninguém aqui para protegê-los das ameaças de retaliação, passamos por Retiro: retiraram a ambulância que atendia a população, nem água potável eles lá têm, mas, a nossa força vem da fé. Não nos assusta o dragão de fumaça”. Último a falar, o ex-prefeito afirmou que voltava para dar voz ao povo de Campos, para fazer um governo voltado para Campos e deixou compromisso público de governar apoiado em um grande conselho, a ser formado pela sociedade organizada. Auspicioso! [caption id="attachment_4468" align="aligncenter" width="500" caption="Ft.Luciana Portinho"][/caption]    
Comentar
Compartilhe
Aí tem
05/08/2012 | 20h27
São Francisco do Itabapoana, município do norte fluminense com população de 47.247 (IBGE, 2008),  dois candidatos a prefeito. Pois, pelo que se pode notar, os dois contam com o apoio do deputado. [caption id="attachment_4455" align="aligncenter" width="500" caption="Ft.Luciana Portinho"][/caption]

O mesmo que dizer, nenhum dos dois tem o apoio, ou então, tem gente sendo enganada.

[caption id="attachment_4456" align="aligncenter" width="500" caption="Ft.Luciana Portinho"][/caption]

 

Comentar
Compartilhe
DESAFINADO
04/08/2012 | 18h06
[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=ZuNEuzMzryA[/youtube]
Comentar
Compartilhe
Agenda dos Candidatos 03/08
02/08/2012 | 19h56
Arnaldo Vianna 9,30 h – Caminhada na Pecuária, Pombal e Oriente. Encontro no Colégio 29 de Maio 14,30h - Caminhada na Pecuária, Pombal e Oriente. Encontro na Fundenor Noite – Reuniões na Baixada Erik Schunk 9,00h - Panfletagem na Avenida Pelinca 11,00h - Atividades com trabalhadores da Construção Civil 20,00h - Panfletagem em bares localizados na Av. Pelinca José Geraldo - Manhã Livre. - 16h/20h Reunião com membros do partido. Makhoul Moussalem Manhã: Gravação com a equipe de coordenação de campanha. Tarde: Visita a lideranças comunitárias Noite: Agenda livre Rosinha Garotinho 14h - Caminhada Centro de Custodópolis (Praça e Comércio) 19h - Festa de São Salvador    
Comentar
Compartilhe
Dois cafés e uma conversa
02/08/2012 | 06h04
Recebi esta semana uma visita. Veio em minha casa tomar um café. Ele o ex-prefeito Alexandre Mocaiber. Ele que além de prefeito também foi por 6 anos secretário municipal de saúde, no tempo presente é candidato a vereador nas próximas eleições pelo PSB.  Conhecemo-nos quando então presidente da Câmara Municipal assumiu o cargo de prefeito interino de Campos - naqueles episódios conturbados das eleições de 2004 - que repercutiram no ano de 2005. Naquele ano, no mês de maio, o prefeito eleito Carlos Alberto Campista após derrotar o grupo político de Garotinho, enfrentou uma batalha judicial que lhe retirou sumariamente o cargo conquistado nas urnas. Mocaiber entrou sem açodamento, encontrou uma administração em andamento já com as primeiras ações de governo em curso e os cargos de direção política preenchidos. Teve discrição e tino político em saber compor e sem criar um vácuo no governo imprimir sua marca de conciliador por natureza. Convidou-me a permanecer à frente da presidência da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima. O primeiro projeto – do qual guardo maior orgulho – já com ele prefeito e com seu integral apoio, foi o do traslado dos restos mortais do ex-prefeito Barcelos Martins para o Pantheon dos Heróis de Campos (que reformamos), um ato simbólico de reparação histórica. Deposto pela força do golpe militar de 64, Dr. Barcelos tomado pelo desgosto faleceu. Foi então proibido pela junta militar de ser sepultado em Campos, sua terra natal, tendo sido sepultado então no cemitério São João Batista, Rio de Janeiro. Tantas foram as iniciativas que a equipe da FCJOL, tomou à época de sua gestão, desde a inauguração do Museu Olavo Cardoso, da consolidação das Bienais do Livro de Campos como o maior evento literário do interior do estado, da ampla reforma do Auditório Prata Tavares, da realização da Conferência Municipal de Cultura “toda gente é cultura”, da criação oficial do Conselho Editorial da FCJOL, da criação do Conselho Municipal de Cultura, da realização do I Salão Internacional de Humor Ecológico de Campos, da implantação da Biblioteca Infantil Lúcia Miners, e de inúmeras outras ações no campo da cultura e da preservação do patrimônio. Em todas, sem exceção, Alexandre Mocaiber nos depositou irrestrita confiança e liberdade. Todos sabem que no meio de seu mandato, Mocaiber, enfrentou a mais espalhafatosa, violenta e estranha ação policial desta planície. Criado um palco com luzes, microfones de longo alcance e muita encenação massivamente repetida em meios de comunicação nada idôneos,  transformado em vilão da noite para o dia. Sofreu calado junto aos seus filhos e sua corajosa mulher a perseguição ensandecida que até agora, passados quase 5 anos, nada de concreto apurou. Recentemente, até um juiz federal se manifestou sobre a suposta evidência da incorreção original do gigantesco processo. [caption id="attachment_4431" align="alignright" width="350" caption="Ft.Luciana Portinho"][/caption] No seu jeito de ninguém atacar e como afirma “fazer política olhando para frente e não para o retrovisor”, Mocaiber vai nessas eleições próximas buscar a conquista de seu terceiro mandato de vereador. Passados quatro anos do nosso afastamento, entre nos dois ficou um respeito e consideração benéfica a ambos. Faço aqui o meu registro.  
Comentar
Compartilhe