La Casa de Papel retorna nesta sexta 19!
15/07/2019 | 12h43
Coloque "Bella Ciao" para tocar, pois a terceira temporada de La Casa de Papel está chegando! A ambiciosa série de Álex Pina ganhará novos episódios, após se tornar um sucesso de popularidade mundial. Mas você se confunde dentre tantas pessoas de macacões vermelhos? Ou foram tantas reviravoltas que mexeram com sua cabeça? 
 
 
Com oito episódios novos, La Casa de Papel retorna em 19 de julho.
O RETORNO
O bando de ladrões está milionário, que motivo os levaria a cometer outro assalto? Agora, é algo pessoal. Após passarem anos escondidos, Tóquio (Ursula Corberó) e Rio (Miguel Herrán) são encontrados pela polícia e o jovem hacker é capturado. Assim, a narradora da série procura a única pessoa em quem confia: Professor (Álvaro Morte). Assim, o grupo é reunido (com algumas novidades) para fazer um golpe ainda maior no Banco da Moeda da Espanha, como uma mensagem de resistência.
 
 
Para Professor, tal tarefa será ainda mais difícil, pois não teve 12 anos de planejamento, como da última vez. Ao mesmo tempo, essa é a oportunidade perfeita para se vingar pelas perdas sofridas nas temporadas passadas: Moscou (Paco Tous), Oslo (Roberto García) e seu irmão Berlim (Pedro Alonso), é claro. O desafio é que o Bando da Moeda da Espanha é a maior instituição financeira do país, sendo um dos lugares mais protegidos do mundo. É um plano de resgate com forte teor social e emocional.
OS NOVATOS
Como já foi citado, essa temporada promete apresentar novos personagens. Por exemplo, a próxima inimiga de Professor será a inspetora Alicia Sierra (Najwa Nimri), determinada a usar quaisquer meios para capturar os bandidos mais famosos da Espanha. Grávida de oito meses, ela não foge da ação, pois é muito competitiva e motivada para desmascarar a filosofia do bandido, a quem considera uma farsa.
 
 
Já no grupo de protagonistas, os retornos de Tóquio, Professor, Rio, Nairobi (Alba Flores), Denver (Jaime Lorente) e Helsinque (Darko Peric) estão confirmados. Em relacionamentos sérios com Denver e Professor, Monica (Esther Acebo) e Raquel (Itziar Ituño) também estão se juntando ao bando, assumindo os apelidos de Estocolmo e Lisboa. Mas a transição da antiga delegada em bandida não será um caminho tão fácil. Por sua vez, o bebê de Monica nasceu, porém ele não terá participação do assalto, é claro.
 
 
Por fim, o grupo será reforçado pelos novatos Palermo (Rodrigo De la Serna), Bogotá (Hovik Keuchkerian) e Marselha (Luka Peros). Não foram reveladas suas motivações para participar do golpe, mas já sabemos que Palermo também é conhecido como O Engenheiro, tendo uma conexão diferente com uma dupla de irmãos bem popular entre os fãs de La Casa de Papel...
BERLIM
Mesmo após sua morte marcante na segunda temporada, Berlim está confirmadíssimo na terceira temporada. E também se tornou o maior mistério sa série, pois ninguém sabe como será tal aparição. Seu intérprete foi flagrado gravando cenas em Florença, ao lado de Álvaro Morte; ao mesmo tempo que imagem oficial traz Berlim junto com Professor e Pallermo.
 
 
A teoria mais provável é que Berlim apareçaem flashbacks, revelando mais detalhes sobre o passado de Professor. No máximo, ele pode ser algum fruto de sua imaginação, já que o novo golpe se mostrará como algo muito complicado para o protagonista. O criador Álex Pina já declarou que a temporada mostrará, pelo menos, cinco períodos de tempo diferentes; numa tentantiva de aprofundar a narrativa e causar maior envolvimento com o público.
FINAL?
Seja lá qual for o resultado desse grande golpe, a história do famoso grupo de bandidos ainda não chegará ao fim. Já foi anunciado que La Casa de Papel terá uma quarta temporada, então preparem seus corações, pois é bem possível que o oitavo episódio termine num grande gancho, deixando todo mundo ansioso por mais aventuras!
 
 
Compartilhe
Recall Apple, risco de pegar fogo!
04/07/2019 | 13h11

Empresa alerta que alguns MacBooks Pro de 15 polegadas com tela de retina tinham baterias problemáticas e que podiam causar incêndios

Em meados de junho, dias antes de a Apple anunciar um recall para alguns modelos MacBook Pro de 15 polegadas com tela de retina, o designer americano Steve Gagne acordou assustado no meio da noite com sons estranhos e cheiro de queimado. Quando viu que o motivo do susto era a explosão da bateria de seu MacBook Pro, pensou que, de todas as tarefas concluídas pelo notebook, quase queimar a casa era uma ação que ele não esperava que fizesse parte das capacidades do equipamento.
Como Gaugne já esperava, seu equipamento fazia parte da lista de notebooks da marca que têm baterias problemáticas e potencialmente perigosas. Segundo a empresa, os equipamentos da linha MacBook Pro vendidos entre setembro de 2015 e fevereiro de 2017 podem "superaquecer e representar risco de incêndio".
Gagne publicou fotos do MacBook queimado em um post no Facebook. No relato, ele conta que a máquina não estava ligada ao cabo de carregamento quando começou a queimar e que se encontrava no Modo de Espera e com a tela fechada.
"Normalmente, mantenho o equipamento no sofá ou com cadernos e diários", escreveu Gaugne. "Felizmente, eu estranhamente deixei [o MacBook] na minha mesa de café e realmente acredito que isso impediu que minha casa fosse incendiada." No fim do relato, diz que os proprietários de notebooks dessa linha devem verificar se eles estão qualificados para a substituição da bateria.
Em 20 de junho, três dias depois de a bateria do laptop do designer explodir, a empresa anunciou o recall para que clientes com as versões perigosas do equipamento troquem a bateria gratuitamente. Antes de anunciar o recall, a companhia recebeu 26 relatos de superaquecimento.
 
No site da Apple, os clientes podem visitar a seção "Sobre este Mac" para verificar o número de série do equipamento e confirmar se ele pertence ao lote cuja bateria apresenta problema. Se sim, o cliente deve procurar a suporte oficial da marca para solicitar a troca do componente.
Compartilhe
WhatsApp, Instagram e Facebook com problema no Brasil, Argentina, Alemanha e outros países da Europa
03/07/2019 | 15h04

WhatsApp tem instabilidade e não baixa áudio ou faz download de imagens

Mensageiro apresenta problemas para baixar áudios e imagens no aplicativo para Android e iPhone (iOS), além da versão web; Instagram e Facebook também estão com falhas
O WhatsApp está com instabilidade e não baixa áudio na manhã desta quarta-feira (3). O aplicativo para Android e iPhone (iOS), além da versão web do mensageiro, também apresenta falha no download de mídias e imagens. Segundo relatos de usuários no Twitter, o app parou de funcionar por volta de 10h40 de hoje. O site DownDetector, que monitora o funcionamento de serviços online, mostra que o problema atinge principalmente o Brasil, Argentina, Alemanha e outros países da Europa.
 
 
Ao tentar carregar uma foto no app, surge a mensagem: "não foi possível transferir a imagem. Tente novamente. Se o problema continuar a acontecer, tente se conectar a uma rede Wi-Fi". Ainda há reclamações sobre não conseguir fazer o download de mensagens de voz na plataforma. O Instagram e o Facebook também estão com bug no carregamento de mídias. 
De acordo com o site DownDetector, o pico de reclamações chegou a 10.520 por volta de 10h50 de hoje. Além do WhatsApp, o Instagram e o Facebook também enfrentam problemas. A rede social de fotos está com falha para postar Stories ou imagem no feed, segundo relatos de brasileiros. A instabilidade do Facebook não permite que os usuários carreguem mídias na linha do tempo ou em perfis. O bug afeta os apps para celular Android e iPhone (iOS), além da versão web.
Vale lembrar que as três plataformas pertencem a mesma empresa de Mark Zuckerberg. Em janeiro deste ano, o WhatsApp assumiu a liderança do ranking de aplicativos mais usados do mundo em celulares com sistema operacional do Google e da Apple, e ultrapassou o Facebook. Apesar disso, a empresa se limita a dar números genéricos sobre o desenvolvimento dos seus principais serviços. No último balanço da companhia, Zuckerberg mencionou que há mais de 2,6 bilhões de usuários para Facebook, WhatsApp, Instagram ou Messenger todos os meses.
 
 
WhatsApp fora do ar em 2019
Esta não é a primeira vez que o WhatsApp fica fora do ar em 2019. Em janeiro deste ano, o app apresentou problemas de conexão no Brasil e, no mês de março, parou de funcionar no mundo inteiro. Outra falha recente aconteceu em abril, quando Facebook, WhatsApp e Instagram passaram por uma instabilidade. O mensageiro também teve erros em maio e apresentou bug no envio de imagens e áudio em junho.
Compartilhe
Algoritmo capaz de prever o dia da sua morte, quer saber?
01/07/2019 | 13h40

Estudo realizado na USP conseguiu prever 70% dos óbitos de um grupo de idosos

Parece que a Inteligência Artificial (IA) não tem mesmo limites. A proposta, desta vez, é tentar adivinhar a data que ninguém quer saber: o dia de partida; isso, da nossa morte. Um estudo foi realizado pelo Laboratório de Big Data e Análise Preditiva em Saúde (Labdaps), parte da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, com a finalidade de desenvolver um algoritmo capaz de prever os óbitos. Os resultados foram apresentados pelo Estadão, e mostram que a máquina foi capaz de acertar 70% de suas previsões.
A ideia com o estudo é que a curiosidade sobre a morte seja respondida, principalmente para os médicos, que podem tomar decisões mais adequadas e prolongar o tempo de vida de seus pacientes prevendo doenças e indicando tratamentos mais adequados em determinadas situações.
“Uma ferramenta dessas pode ser usada por médicos e hospitais para iniciar tratamentos preventivos, determinar prioridades de internações e realizar intervenções clínicas”, diz Alexandre Chiavegatto Filho, diretor do Labdaps e responsável pelo estudo. “Ela (Inteligência Artificial) oferece informação que às vezes os humanos não têm para a tomada de decisões mais assertivas.”
 
 
Essa é a primeira vez que um estudo desse tipo é realizado no Brasil. Seu sistema deve ser alimentado por um grande banco de dados com informações do estudo Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (Sabe), organizado pela Organização Pan-Americana da Saúde – que, desde o ano 2000, acompanha 2.808 idosos na cidade de São Paulo. Em um primeiro momento, o algoritmo analisou 70% desse grupo e analisou as consequências mais prováveis que poderiam causar a morte deles.
 
 
O sistema foi capaz de concluir as razões mais prováveis e detectar padrões e relações que um humano não seria capaz de elaborar. Das 118 mortes ocorridas, o sistema conseguiu prever 83 delas.
Próximos passos
 
 
A maioria dos especialistas consideraram bastante positivo o resultado dos testes iniciais. Isso, levando em conta que o banco de informações do Brasil não é tão completo e possui uma amostra com baixa abrangência. De agora em diante, o sistema será elaborado em território inglês, com base em um banco de dados com informações de 500 mil idosos.
 
 
É inevitável que com o tempo essa tecnologia se aprimore e que seja ainda mais poderosa, podendo prever até a causa da morte. “Quando tivermos bancos mais completos, composto por prontuários eletrônicos disponibilizados no Serviço Único de Saúde (SUS), conseguiremos ser muito mais específicos”, explica Chiavegatto. “Será possível identificar o que poderá causar a morte e reverter isso”.
Alguns pontos contrários foram apresentados, como por exemplo pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que defende que o uso da IA seja regulamentado pela Autoridade de Proteção de Dados Pessoais antes de ser utilizado.
 
 
Fonte: Estadão
Compartilhe
Lâmpada Philips com conexão Bluetooth economiza luz!
28/06/2019 | 16h19
A Philips anunciou, nesta quinta-feira (27), a nova lâmpada Philips Hue com Bluetooth. O produto foi lançado em três versões: uma com luz branca, outra com controle de temperatura da luz e uma variante que traz 16 milhões de opções de cores. As lâmpadas inteligentes permitem ao usuário controlar a iluminação de forma remota, o que deve ajudar na economia de energia.
A versão mais simples chega com preço de US$ 15, cerca de R$ 58 em conversão direta, enquanto a variante com controle de temperatura aparece por US$ 25, aproximadamente R$ 97. Já o modelo colorido aparece por US$ 50, algo em torno de R$ 193. Vale ressaltar que os produtos ainda não têm previsão de chegar ao Brasil, mas já existem modelos anteriores à venda no país.
A Philips Hue White, mais simples, conta com a tradicional iluminação branca de LED, diferente do modelo intermediário White Ambiance, que traz controle de temperatura. Dessa forma, é possível ajustar a lâmpada em situações específicas. Para dormir, por exemplo, é recomendada uma luz mais quente. Já a versão White and Color Ambiance conta com diversas opções de cor para personalizar de acordo com o gosto do usuário.
A grande novidade apresentada pela empresa é a conexão Bluetooth. Com o recurso, os aparelhos da Philips não necessitam mais de um gateway, acessório utilizado para conectar dispositivos inteligentes às lâmpadas via Wi-Fi. Assim, basta plugar a lâmpada no soquete de luz e baixar o aplicativo da empresa no celular. Além disso, o dispositivo é compatível com as assistentes Google Assistente e Alexa, da Amazon, permitindo ao usuário controlar a iluminação por meio de comandos de voz.
No entanto, um ponto negativo em relação aos modelos com Wi-Fi é o alcance da conexão Bluetooth, que é menor. Dessa forma, o controle de temperatura ou cor da lâmpada fica limitado a uma pequena parcela do ambiente, principalmente em casas muito grandes.
 
 
Fonte: Via Philips Hue
Compartilhe
Carregador pirata no seu celular, riscos!
24/06/2019 | 12h30
Aí você economiza, guarda seu suado dinheiro, compra um smartphone de última geração por dois…três mil reais - um verdadeiro top de linha - e um acessório de baixa qualidade, falsificado, que custa cerca de 10% do valor do aparelho, queima o celular. Dá vontade de chorar, fala verdade? O problema é que pouca gente conhece os riscos de usar um cabo ou um carregador de tomada pirata ou de baixa qualidade. O perigo vai além do bem material…
 
A princípio pode parecer uma forma de economizar e fugir dos altos preços. Um conjunto de cabo e carregador originais pode custar entre 200 e 300 reais dependendo do aparelho. Mas não é difícil comprar similares paralelos por menos de 30 reais. Esses produtos são mais baratos por um único motivo: qualidade infinitamente inferior sem qualquer garantia de segurança. Ainda assim, não dá para garantir que um produto paralelo com preço mais alto é sinônimo de um produto de boa qualidade…
E a afirmação de que a maioria dos produtos paralelos não é segura não é da boca pra fora. Um estudo da organização britânica Trading Standards, que realizou uma série de testes com carregadores de celular, afirma que de 400 carregadores da Apple falsificados testados, 397 falharam em quesitos básicos de segurança. A maioria desses carregadores apresentou isolamento insuficiente contra descargas elétricas. Na mesma ocasião, a organização alertou que os riscos de usar carregadores piratas poderiam ser fatais.
 
Além de descargas elétricas, cabos falsificados ou defeituosos podem fazer com que os dispositivos esquentem demais e até cheguem a explodir. Carregadores analisados pela organização Electrical Safety First mostraram componentes internos danificados ou fios internos mal soldados, o que traz risco de curto-circuitos. Agora usar um carregador de procedência duvidosa é ainda mais perigoso.
 
A indústria pirata não mede esforços para fazer com que seus produtos sejam quase idênticos aos originais - pelo menos na aparência. Eles copiam até as especificações técnicas descritas no carregador. Mas então como fazer para detectar um carregador pirata? Bom, a primeira indicação é a busca de um dispositivo original, na própria loja do fabricante. Se não for possível, algumas dicas podem ajudar você a não comprar gato por lebre…
Procure sempre por dispositivos com certificações. Aqui no Brasil, um selo da Anatel como este identifica que o produto atende a requisitos determinados pelas autoridades. Ainda assim, cuidado. Tem quem falsifique até o selo. Veja também se o produto traz informações como o local de fabricação e outras especificações; preste atenção em erros no texto e na logomarca inscritos no produto. Por último, dê atenção a materiais, acabamento e peso. Os falsificados tendem a ser mais leves, por estarem vazios por dentro, e podem trazer imperfeições também. Dito isso, lembre-se, a economia pode custar caro se você optar pelos piratas…e depois não vai dizer que a gente não avisou!
Compartilhe
Compra no supermercado pelo iFOOD
19/06/2019 | 16h43
Plataforma começou a testar o novo serviço na grande São Paulo
Na última terça-feira (18), o iFood começou a diversificar seus modelos de entrega e começou a testar o delivery de compras de supermercados. O novo serviço foi criado em parceria com o SiteMercado e, por enquanto, ele está funcionando apenas em Osasco (Grande São Paulo), com o Castanha Supermercado e em Campinas, nos supermercados Taquaral e Guará.
O serviço está disponível no app na aba “mercado” e funciona com uma compra mínima de 15 reais. No entanto, na primeira fase não são todos os produtos que podem ser escolhidos, apenas congelados, hortaliças, carnes, bebidas, itens de higiene e produtos de limpeza. Além disso, o pagamento deve ser feito diretamente no aplicativo.
Com nova função, o iFood apresenta um sistema muito parecido com o desempenhado por outros aplicativos, sendo o mais conhecido o Rappi. No entanto, esse último tem uma diversificação maior de serviços de entrega, passando por farmácias, bebidas, Petz e até café. Além de compras e restaurantes, é claro.
 
 
A novidade deve chegar em São Paulo nas próximas semanas e, no começo, a usual taxa de entrega não será cobrada, para que as pessoas possam conhecer a novidade e, segundo a Movile (controladora do iFood), "entender cada vez mais os hábitos de consumo para entregar uma experiência ainda mais completa”.
 
 
Fonte: Exame
Compartilhe
Instagram hackeado? Recupere a conta invadida!
18/06/2019 | 11h57
O Instagram anunciou, nesta segunda-feira (17), que está testando um novo recurso de segurança para facilitar a recuperação de contas invadidas por hackers. De acordo com declaração da rede social ao site de tecnologia Motherboard, o usuário que sofrer um ataque deve reportar a violação na página de login e, depois, informar o e-mail ou número de telefone vinculado à conta. Feito isso, ele retomará o acesso a perfil a partir de um código que funcionará apenas no dispositivo em que foi solicitado.
 
Além disso, o Instagram definiu que, ao mudar um username, ele não ficará imediatamente disponíveis para outras contas usarem. Essa medida foi tomada para evitar que nomes de usuários sejam roubados após ataques hackers modificarem o perfil invadido. Não há previsão para o lançamento da ferramenta de recuperação da conta, mas a função de bloqueio de nome de usuário já está disponível para Android e será implementada em breve para iPhone (iOS).
O novo recurso de recuperação de conta estará disponível por meio da opção "Precisa de mais ajuda", na página inicial de login do Instagram. Na página seguinte, o usuário deve inserir o endereço de e-mail ou número de telefone associados à conta para receber o código de seis dígitos para resgatar o perfil.
 
Caso o hacker também tenha acesso ao e-mail ou número de telefone da vítima, ele receberá o código, mas não poderá usá-lo para recuperar a conta, pois o número funciona apenas no aparelho do usuário.
Roubo de nomes de usuário
O recurso de proteção de nomes de usuário preservá-los por determinado período de tempo para impedir casos em que hackers atacam contas apenas para roubar o username. Assim, caso um invasor obtenha um perfil e mude o nome de usuário, o título antigo não ficará imediatamente disponível para outras contas usarem, e o usuário invadido poderá recuperar o nome ao reaver a conta.
Compartilhe
Celular Galaxy S11 com tela curva 3D
14/06/2019 | 12h07
Objetivo é integrar mais partes do smartphone ao display, para criar uma experiência de exibição completa.
Em dezembro de 2018, o portal LetsGoDigital relatou que a Samsung pretendia lançar smartphones sem borda, que usariam uma tela flexível. Uma nova patente divulgada recentemente mostra que a marca vê um futuro sério nesse design. Agora foram descobertas novas patentes que comprovam um esforço no desenvolvimento de um display 3D curvo, aparentemente para smartphones.
Essencialmente, a Samsung levaria suas bordas curvadas ao Galaxy Note Edge, no Galaxy S6 Edge, no Galaxy S7 Edge e até no Galaxy S8 e Galaxy S8 +, tendo toda a frente e o verso curvados. Mas, com o Galaxy S11 renderizado, a empresa mostra levará esse conceito um passo adiante, integrando mais partes do smartphone ao display para criar essa experiência de exibição completa.
A tela curvada em 3D é projetada como uma tela plana, com módulos curvos nas bordas, criando uma aparência tridimensional. O design não é apenas esteticamente agradável, mas também torna o smartphone mais resistente à impactos.
A câmera frontal e os sensores associados são implementados na área de exibição. Para evitar que esta curvatura cause distorções de imagem, o módulo de câmera plana é colocado com uma inclinação. Este conceito garante que o todo permaneça esteticamente funcional e, claro, bonito. O sensor de impressão digital também é processado sob a tela.
O sistema de câmera na parte traseira acomodaria vários sensores. Eles são colocados verticalmente separados nos desenhos das patentes. No entanto, o design final deve trazer várias mudanças em relação a esses esboços, afinal, não se trata de uma patente de design, mas uma patente de utilidade.
 
 
O atual Galaxy S10 não ofereceu uma atualização massiva em termos de design. Logo, faz sentido que a Samsung introduza o display curvo 3D no seu próximo top de linha que, à princípio, deve se chamar Galaxy S11. E, se tudo correr bem, você poderá ver uma tela curva 3D na primeira metade do próximo ano.
Fonte: MSPowerUser
Compartilhe
Drone que transporta até 4 pessoas, uberAIR!
13/06/2019 | 11h33
Novo "carro voador" da EmbraerX promete inovação e mobilidade para transportar até quatro pessoas
A EmbraerX, subsidiária da gigante brasileira de aviação Embraer, anunciou nesta terça-feira (11) um novo protótipo de drone para transporte de pessoas. O eVTOL (veículo elétrico de pouso e decolagem vertical, em português), foi apresentado durante a Uber Elevate Summit 2019, que acontece em Washington, nos Estados Unidos. O projeto é parte do Uber Elevate Network, que reúne fabricantes no desenvolvimento de veículos para funcionar no serviço uberAIR.
egundo a fabricante, esse tipo de aeronave elétrica considera a "otimização operacional para o ambiente urbano", sendo uma boa alternativa para mobilidade nas grandes cidades. A Embraer pretende ainda aperfeiçoar o sistema de navegação de maneira progressiva, e a ideia é tornar esses veículos autônomos.
O modelo conta com hélices, espaço para até 4 pessoas e promete acessibilidade. Além disso, a empresa garante que o desenvolvimento do projeto tem como foco a experiência do usuário, oferecendo conforto e segurança, além de facilidade na mobilidade urbana. Detalhes como velocidade máxima e autonomia, no entanto, não foram revelados.
 
 
Ainda não há um prazo definido para que os eVTOLs da Embraer entrem em operação. Vale lembrar que a Uber tem planos de iniciar os testes do uberAIR já em 2020, com previsão de prestar o serviço de forma definitiva apenas em 2023. A empresa de transporte já informou, inclusive, que pretende testar a modalidade no Brasil.
 
 
Fonte: Via Embraer
Compartilhe
Sobre o autor

Gustavo Abreu

[email protected]

Um blog sobre curiosidades, imagens, vídeos interessantes, dicas de filmes, séries, ilustrações, viagens e tudo que está bombando na net.