Cavalheiro Municipal
28/10/2016 | 08h58
Guarda de Campos     Ontem à tarde, o blog presenciou um belo gesto de um Guarda Municipal (de meia idade) atuando na movimentada travessia em frente ao Campos Shopping. Ao ver uma idosa querendo atravessar, ele, além de parar o trânsito, lhe deu cavalheirescamente o braço e a acompanhou durante toda a travessia das duas pistas. Um belo exemplo. Parabéns!
Comentar
Compartilhe
Antes corrigir do que depois remediar...
06/08/2016 | 04h27
[caption id="attachment_6136" align="aligncenter" width="756"]Olhando de longe não dá para imaginar o perigo... Olhando de longe não dá para imaginar o perigo...[/caption] [caption id="attachment_6137" align="alignleft" width="378"]Sinal-Pelinca (1)-x Olhando de perto....[/caption]

A estrutura metálica do semáforo na esquina da Pelinca com a Barao, de alto tráfego durante a semana, apresenta graves sinais de corrosão em sua base de sustentação, oferecendo riscos para os pedestres e ocupantes de carros. Qualquer mau humor do vento nordeste ou pirraça do vento sul e, pronto, está feito o estrago... Como dizia a minha avó: “antes corrigir do que remediar”...

Comentar
Compartilhe
Campos, bons cinemas, péssima educação
30/06/2016 | 01h10
[caption id="attachment_6059" align="aligncenter" width="756"]cinema-pes- Cena de horror na platéia de Truque Mestre 2, no Cine Araújo do Boulevard[/caption] Campos hoje conta com ótimos cinemas, com modernas e luxuosas salas de exibição, o que contrasta fortemente com o comportamento de muitos campistas, que deixam as salas imundas ao fim das sessões, apesar da farta oferta de latas de lixo na saída. Muitos falam alto, e bobagens, como se estivessem em casa, sem se incomodar ao mínimo em atrapalhar aqueles que pagaram para ver um bom filme em paz. Deixam seu celulares ligados, recebem ruidosas chamadas e iluminam as salas atendendo. Mas, entre os costumeiros desrespeitos e falta de civilidade, um chama a atenção, jovens muito bem vestidas que ostensivamente colocam os seu pés  sobre o encosto do banco da frente exibindo suas caras sandálias, scarpins e total falta de educação.
Comentar
Compartilhe
Único hospital de S. João da Barra pode fechar as portas por falta de pagamento da PMSJB
16/06/2016 | 07h04
sta-fachada Único hospital São João da Barra pode fechar Como diz o velho ditado: “Nada é tão ruim que não possa piorar”. Neco, perfeito de São João da Barra, já está perdendo o controle da situação. Ele passou a semana sendo fustigado pelos cortes de energia executados pela Ampla em importantes órgãos públicos, como a Defensoria Estadual, bloqueio do acesso ao prédio do CRAS por falta de pagamento, e até protesto da Banda União dos Operários, que diz ser obrigada a fechar as portas por corte na subvenção municipal. Agora Neco se vê às voltas com um problema muito mais grave. A Santa Casa de Misericórdia de São João da Barra, o único hospital do município, divulgou nota oficial informando que a instituição, fundada em 1873, deverá fechar as portas por falta de medicamentos, pessoal e insolvência financeira. A instituição declara que tem convênio em vigor desde 2003, mas que em 2015, na administração Neco, a instituição perdeu a sua capacidade de pagamento sendo obrigada a "alocar recursos que deveriam ser utilizados em investimentos, fundos de contingência e reserva, pois tanto a remuneração do SUS quanto a do convênio (008/2015) com o município eram creditadas muito afora às datas pactuadas", afirma na nota. A instituição ainda diz que as parcelas dos meses de outubro, novembro e dezembro de 2015 não foram pagas, mas que foi firmado o convênio 015/2016 com o município, sendo este um estímulo para manter a estrutura em funcionamento pleno. "Firmados os convênios 2015 e 2016, deveres e direitos foram definidos. "A não cobertura financeira da estrutura pelo Poder Municipal, pendentes até hoje, nos trouxe uma dívida certa e tamanha", "Iniciamos a desativação do hospital. Não há como suportar tal situação. Ou existe a imediata condição de se repor os valores não pagos, ou nos deparamos com a realidade da paralisação extrema das atividades. 143 anos de vida de uma instituição representam um acervo incontestável para uma cidade. O quadro da deformação de uma Santa Casa por ora vivenciado em São João da Barra, não pode ser encarado como uma simples questão de falta de avaliação. Não pode ser qualquer decisão sem a profundidade de responsabilidades”. “Lamentável". Veja abaixo e confira (AQUI). [caption id="attachment_6021" align="aligncenter" width="669"]Fac Símile OZK Fac Símile OZK[/caption]  
Comentar
Compartilhe
Cicatrizes, por Christiano...
04/06/2016 | 06h06
No início do mês passado fiz uma pausa de uma semana por aqui. A principal providência para descansar, no meu ponto de vista, além de sair da cidade para quebrar a rotina, é a desconexão dos instrumentos de trabalho e dos dispositivos que nos auxiliam e também escravizam.
FMANHA.COM.BR
No início do mês passado fiz uma pausa de uma semana por aqui. A principal providência para descansar, no meu ponto de vista, além de sair da cidade para quebrar a rotina, é a desconexão dos instrumentos de trabalho e dos dispositivos que nos auxiliam e também escravizam. A primeira medida foi deixar o notebook em casa. A segunda foi sair das principais redes sociais, como Facebook e WhatsApp, apagando os aplicativos do smartphone. O ideal seria também deixar o celular, mas com parte da família ficando não há como. Além do que, hoje o smartphone substitui vários dispositivos úteis em uma viagem, sendo ao mesmo tempo câmera fotográfica, GPS, som, xerox de revistas e fonte de pesquisa. A ida para um lugar com sinal ruim de Internet também ajuda, evitando possíveis “recaídas”. Aproveitei para preencher parte de uma lacuna, colocando, após longo tempo, a leitura em dia, ajudado pelo cenário de praias desertas em baixa temporada. Um dos livros que levei foi “Cicatrizes na Parede”, escrito pelo jornalista Esdras Pereira. Baseado em muita pesquisa feita pelo escritor, o livro mistura ficção e realidade, narrando a saga dos negros, desde a sua captura na África para servir como escravos aqui em Campos, passando pela escravidão, pela abolição, pela época áurea da cana-de-açúcar, pelos salões glamourosos da sociedade campista do século passado, até chegar aos dias atuais. “Cicatrizes na Parede” é um romance repleto de personagens fortes, muitos deles inspirados em figuras conhecidas da sociedade campista, que sofre forte crítica no livro. Como cenário, vários locais que marcaram gerações, alguns ainda de pé até hoje, todos presentes na memória da cidade. A ótima estória passa também por fatos relevantes da história recente de Campos, sempre misturando realidade com alguma ficção. Há forte presença de erotismo na trama, que passa por relações sexuais entre raças distintas e classes distintas, e por temas como homossexualismo e prostituição. Para ilustrar o livro, os traços perfeitos dos desenhos do artista plástico João de Oliveira. “Cicatrizes na Parede” é de fácil leitura, tendo apenas o primeiro capítulo, “A Origem”, de entendimento um pouco mais complexo, mas necessário para a compreensão de toda a trama que se desenrolá dali em diante. Devorei o livro em uma tarde e uma manhã de praia. É daqueles livros que você não consegue parar de ler, atraído pelo que virá no passo seguinte da ótima trama. Talentoso em tudo o que faz, seja no fotojornalismo, no colunismo social, na gastronomia ou no design gráfico, Esdras Pereira revelou, com sucesso, mais uma faceta sua, a de escritor. O livro pode ser adquirido aqui, na Editora Autografia, ou aqui, em versão eletrônica, na Amazon.
(Christiano Abreu Barbosa)
Comentar
Compartilhe
Herança maldida da Uenf faz professor atravessar o samba ofendendo jornalista
27/01/2016 | 02h32
herança-1 Diante da divulgação do tamanho da dívida da Uenf (9 milhões de reais até novembro de 2015, uma “Herança Maldita” das administrações anteriores para a nova reitoria), o pesquisador de engenharia civil Fernando Saboya de Albuquerque Júnior, que atuou ativamente na administração do reitor Raimundo Braz, quando foram plantados os “ovos da serpente” de outras desastrosas administrações que o sucederam, utilizou o grupo de discussão da Uenf, onde deveriam ser debatidos apenas assuntos de relevância científica e educacional, para agredir moralmente esse blogueiro. Como se diz por aí, na falta de argumentos, o professor partiu para ofensas. Saboya-cavacoO professor Saboya, exímio cavaquinista, função que dizem exercer muito melhor que a de pesquisador, ao perceber que havia “atravessado o samba”, expondo-se a uma Ação de Reparação por Danos Morais, que está sendo estudada por meus advogados, simulou uma mal enjambrada retratação, onde diz que “talvez”, confira abaixo, tenha usado um termo não adequado. Nota-se claramente que não houve aí a menor intenção de uma verdadeira retratação. O cavaquinista é apontado como amigo íntimo do ex-reitor Almy Jr. que ao saiu pela porta dos fundos da reitoria daquela universidade com o seu “telhado de vidro” estilhaçado sob uma verdadeira saraivada de procedimentos investigativos do Ministério Público para apurar os fortes indícios de irregularidades cometidas durante a sua gestão, como a milionária aquisição de centenas de TVs, as estranhas obras paralisadas do “bandejão” e, também, autor de outras coisinhas nada éticas, como a utilização de placas falsas em carro da reitoria. Pelo que se vê, o professor parece ter tomado as dores das administrações anteriores que levaram a Uenf ao fundo do poço em que está. Diz o professor que “a dívida existiria ainda que fosse o mesmo Reitor. Isso é a realidade há 23 anos. Ano após ano, independente de quem ocupa o cargo.” Tenho lá as minhas dúvidas, e acredito que a maioria dos docentes da Uenf também as tenham. Afinal, tantos erros não justificam outros. Percebe-se que o, agora irado, cavaquinista, talvez (termo que ele gosta de usar) tenha mesmo muito mais intimidade com o seu instrumento musical predileto do que com as coisas afetas à administração e à construção civil. Já que a famosa Centrífuga Geotécnica da Uenf, sob seus auspícios, comprada por 750 mil dólares em 1995, só saiu das caixas onde estava em 2002, entrando realmente em operação cerca de dez anos após terem sido adquiridas. Parte desse atraso foi creditado ao fato de o prédio construído especificamente para ela não ter suportado o seu funcionamento, apesar de o professor Saboya ser pesquisador de engenharia civil. Mas, uma coisa é certa, o cavaquinista está se dando muito mais importância que, talvez (olha o termo que ele gosta aí de novo) realmente tenha. Melhor faria dedicando-se ao seu mister no cavaquinho, pois a música acalma o espírito até dos mais estultos. O blog está à disposição para publicar a sua réplica, caso queira, e tenha argumentos que não sejam ofensivos. (Leia abaixo os textos anteriores do professor Saboya) Textos do professor Saboya A canalhice jornalística não tem mesmo limites: Isso nunca foi herança da administração anterior. A dívida existiria ainda que fosse o mesmo Reitor. Isso é a realidade há 23 anos. Ano após ano, independente de quem ocupa o cargo. Cabe ao atual Reitor se dirigir ao Jornalista da Folha da Manhã e corrigir essa informação leviana de "herança maldita da administração anterior", caso não queira ser cúmplice de uma leviandade. Fernando Saboya Junior Retratação mal enjambrada É talvez vc tenha razão quanto ao termo que usei já que não conheço o jornalista, e aqui me retrato pois tratou-se de uma ofensa pessoal e eu não poderia ter usado esse termo. Se ele me interpelar, me retratarei. Mas a minha crítica ao teor leviano da reportagem eu mantenho! Sabemos quem é sua fonte! Aliás, o mato tá subindo que é uma beleza!!!
Comentar
Compartilhe
Herança maldita: Uenf reconhece dívidas de 9 milhões e mostra transparência
25/01/2016 | 05h25
[caption id="attachment_5903" align="aligncenter" width="756"]luispassoni-1 O atual reitor da Uenf Luis Passoni e o governador do Estado Luiz Fernando de Souza (Pezão)[/caption] Como foi divulgado nesse blog, as dívidas da Uenf chegam à casa dos 9 milhões de reais. Uma herança maldita da administração anterior. Leiam abaixo a nota da atual reitoria, que confirma as nossas informações e mostra uma nova postura de transparência no trato com a coisa publica:

Nota da Reitoria-25/01/16

DÍVIDAS

Esclarecemos que as cifras dos restos a pagar da UENF relativos a 2015, divulgada por um conhecido jornalista campista, são reais. Esta tabela foi elaborada pela Reitoria, divulgada no último COLEX e junto às empresas credoras. A divulgação dos dados relativos à saúde financeira da UENF faz parte da nossa política de transparência, que, mais que uma opção, é uma obrigação do gestor público. Todos os débitos elencados estavam previstos no orçamento e todos os procedimentos para pagamento dos mesmos, culminando com a emissão das Programações de Desembolso (PDs), foram realizados em tempo hábil pela UENF. Infelizmente, o grau de autonomia de que dispomos para execução orçamentária está aquém do necessário para garantirmos o efetivo pagamento. Não obstante, continuamos trabalhando junto à SECTI para alcançarmos as condições necessárias para o devido pagamento. Luis Passoni Reitor da UENF
Comentar
Compartilhe
Bússola de princípios para governar Campos bem
07/01/2016 | 10h32
prin-grupo-2 Nessa quinta-feira, a Folha da Manhã, representada pelos seus diretores Aluysio Abreu Barbosa, Diva Abreu Barbosa e Christiano Abreu Barbosa, entregou a pré-candidatos a prefeito de Campos o trabalho “Princípios para Campos”, uma coletânea de reportagens elaboradas durante quatro meses por diversas editorias do jornal, que criaram uma verdadeira bússola, onde profissionais especializados de diversas áreas indicam as principais demandas do município. Abaixo a reação de alguns dos candidatos presentes: prin-rafa Rafael Diniz (PPS) É preciso parar de debater as pessoas e passar a debater a cidade e as idéias. Não é uma questão só de dinheiro, é de eleger prioridades e governar com responsabilidade.     principios (4) Chicão (PP) Temos que ouvir todos os segmentos, dos mais intelectualizados aos mais humildes. Os políticos têm que ouvir.     prin-peixotoJoão Peixoto (PSDC) Sou do PSDC, mas vou fazer acordo com qualquer partido, para o bem de Campos...     princ-magalMagal (PR) A Folha é um órgão de comunicação que não está preocupado com um nome, está preocupado com o município.     prin-rogerioRogério Matoso (PMB) Além de mudar os nomes, temos que mudar os métodos.   prin-pcLéo Zanzi (PSOL) 100% das propostas que estão aqui estão na pauta que o pessoal levanta no seu dia a dia, na sua luta diária. O caos que vivemos não é culpa só da figura da prefeita, mas sim de toda a estrutura partidária que por trás dela se coloca.
Comentar
Compartilhe
Em defesa da mulher
08/06/2015 | 04h44
mulher-violencia   Na próxima sexta-feira (12), a promotora de Justiça Alexandra Diniz Borges, Coordenadora do MP/RJ, e a juíza do TJ/RJ Adriana Ramos Mello, chefe da Coordenadoria de Violência Doméstica, estarão em Campos para inauguração do projeto de Unidade Móvel do Juizado da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, do TJ/RJ.
Comentar
Compartilhe
Parada Gay Cabo Frio
06/06/2015 | 06h34
parada-2     Para os simpatizantes anotarem na agenda: A 11ª Parada do Orgulho LGBT de Cabo Frio, a maior da Região dos Lagos, foi marcada para o dia 6 de setembro, durante o feriadão da independência, para ninguém ter a desculpa de que não deu para ir...
Comentar
Compartilhe
Próximo >