Sem explicação
21/08/2014 | 12h13
O ex-delegado do Dops, e assassino confesso, Cláudio Antônio Guerra volta aos holofotes no bojo das estranhas acusações de corpos incinerados na Usina Cambaíba, feitas em seu livro “Memórias de uma Guerra Suja”. Além das contradições já encontradas pelo MP, fica uma questão no ar: quais motivos levariam os agentes da ditadura a correrem graves riscos de serem descobertos atravessando o estado transportando de carro os corpos das suas vítimas para serem incinerados aqui, quando existiam milhares de fornos, e outros tantos meios de dar sumiço neles, no Rio de Janeiro e seu entorno?
Comentar
Compartilhe
Mais uma vez incompetente, Inea não fecha comportas e deixa casas alagadas
23/01/2013 | 03h38

Descuido causa problema social

[caption id="attachment_4107" align="aligncenter" width="566" caption="Fotomontagem meramente ilustrativa"][/caption]

De acordo com a Defesa Civil Municipal de Campos, cerca de 500 famílias, de Vila Menezes, foram atingidas por um alagamento provocado por uma comporta do Canal Cambaíba, aberta pela representação local do Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea). A comporta teria sido aberta pelo Inea, na época de estiagem, para abastecer os agricultores da região da Baixada. Mas, com a chuva que caiu nos últimos dias, o nível do Paraíba voltou a subir e as comportas não foram fechadas como deveriam, o que resultou na inundação de várias ruas e casas. Matéria completa AQUI.

Comentar
Compartilhe
Cecília, filha de Heli, responde em vídeo a Cláudio Guerra de Memórias de Uma Guerra Suja
18/05/2012 | 10h21

 

 

Cecília Lyzandro Ribeiro Gomes, filha de Heli Ribeiro Gomes, já falecido, que foi acusado no Livro “Memórias de uma Guerra Suja, de permitir a incineração de corpos de militantes na Usina Cambahyba, segundo depoimentos do ex-agente da ditadura Cláudio Guerra aos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, respondeu em vídeo as acusações contra seu pai. Confira no link abaixo.

Cecília, filha de Heli, responde em vídeo a Cláudio Guerra de Memórias de Uma Guerra Suja

Comentar
Compartilhe
Caso Cambahyba: “Quem poderia falar alguma coisa desse facínora já está morto, provavelmente por ele mesmo”
15/05/2012 | 06h37

Família de Heli entra com Medida Cautelar

A família do falecido industrial Heli Ribeiro Gomes, representada pelo advogado Carlos Alberto Senra, entrou com Medida Cautelar com pedido Antecipação de Tutela contra a Editora Topbooks, pedindo a proibição de circulação e a busca e apreensão de todos os exemplares do livro “Memórias de Uma Guerra Suja”, que faz graves acusações ao industrial e ex-vice governador, como a de ter permitido a utilização do forno da Usina Cambahyba para incinerar corpos de militantes o período da ditadura.

Petição ao Ministério Público

Além da Ação Cautelar, a família Ribeiro Gomes, representada por um dos filhos de Heli, o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, protoclou no Ministério Público Federal uma petição solicitando rigor nas apurações e fornecendo documentos e um rol de testemunhas para que prestem depoimento, além de ser colocar a disposição para todos os esclarecimentos que forem necessários.

Segundo a família Ribeiro Gomes, essa primeira ação será seguida de várias outras contra a editora, os autores Marcelo Netto e Rogério Medeiros, e, também o ex-agente da repressão Cláudio Guerra, para reparação de danos à família através dos filhos do industrial, irmão e netos.

 

[caption id="attachment_3337" align="alignleft" width="220" caption="O advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, filho de Heli"][/caption]

O filho de Heli, o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, afirma que tem absoluta certeza de que será feita justiça contra os autores dessas acusações sem a menor consistência feitas contra o seu pai que, já falecido, não pode se defender pessoalmente. Mas garante que a família vai lutar na justiça pela punição dos culpados.

“Esse criminoso sempre foi acobertado por um distintivo”

Segundo o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, “tendo em vista a matéria publicada na Folha da Manhã, sobre a entrada do Ministério Público Federal no caso, peticionamos ao MPF oferecendo um vasto rol de testemunhas, documentos e toda a colaboração necessária para as investigações.”

“A família é a maior interessada em que tudo seja apurado com rigor e que esse criminoso, que sempre foi acobertado por um distintivo, seja desmascarado nessa tentativa de dar Ibope para o seu livro.”

“Ele fala dos que já morreram, mas os vivos nunca ouviram falar dele. Quem poderia falar alguma coisa desse facínora já está morto, provavelmente por ele mesmo. A verdadeira face dele será mostrada um dia. Estamos tomando todas as providências para limpar o nome do nosso pai.”

Comentar
Compartilhe