Uenf sem verbas, mas com serviço novo para cuidar do campus
05/01/2017 | 06h38
[caption id="attachment_6299" align="aligncenter" width="756"]Uenf-bode-3 Foto do professor Carlos Rezende, que levou uma encarada do bode alfa...[/caption] Sem verbas para manutenção, segurança e etc... um novo serviço está garantindo que a grama do campus da Uenf seja aparada. O perigo é que os marginais que tem invadido a universidade resolvam fazer um churrasco. Ainda não se sabe se os bodes  e cabritos são da comunidade, ou dos experimentos da Uenf, soltos para não morrerem de fome. Uenf-bode-1
Comentar
Compartilhe
Depredaram a Uenf no fim de ano - Marginais dominam o campus sem lei
02/01/2017 | 11h53
[caption id="attachment_6282" align="aligncenter" width="850"]uenf-depedra-X-2 Carros e documentos depedrados[/caption]

Sem contar com serviços de vigilância patrimonial, suspensos por falta de pagamento do Governo do Estado, que não repassa recursos à Uenf desde 2015, nesse fim de ano a Universidade Estadual do Norte Fluminense foi vítima de vândalos que invadiram o campus daquela universidade e depredaram a Pró-Reitoria de Extensão, local de guarda de documentos, quebraram vidros de veículos oficiais e, entre outros atos de vandalismo da pior qualidade, arrombaram o ônibus da universidade. A extensão dos danos ainda está sendo avaliada.

[caption id="attachment_6283" align="aligncenter" width="850"]uenf-depedra-x Arrombaram salas e o ônibus da Universidade[/caption] [caption id="attachment_6284" align="aligncenter" width="850"]uenf-depedra-x-6 Os prejuízos foram enormes e agravam a situação financeira da Uenf[/caption] [caption id="attachment_6285" align="aligncenter" width="851"]uenf-depedra-x-7 Vestiário vandalizado e grades arrombadas[/caption] RELATO DE UMA ESTUDANTE - HOJE NA UENF: Muito cuidado aos que precisam ir na UENF por agora! Sou aluna de agronomia e estou na escala da casa de vegetação. Hoje fui acompanhada de uma colega de laboratório e da irmã dela para verificar como estavam as plantas, pois ficamos sabendo de uma suposta depredação que teria ocorrido lá. Ao chegarmos, conversando com funcionários que estavam lá , os mesmos não sabiam da depredação, mas alertaram que haviam pessoas em atitude suspeita rondando a universidade. Pois bem, o carro da polícia passou e não deu 2 min saiu um rapaz do mato (onde deveria ser um 'lago') de jeans, boné, sem camisa e de mochila e vem andando em direção à casa de vegetação que estávamos. Só não nos abordou pois percebeu que a irmã da minha colega estava trancada dentro do carro dela e seguiu caminho. Entramos no carro e demos mais uma volta pois percebemos que outra pessoa estava numa casa de vegetação mais para trás e não estava sabendo de nada  , nisso encontramos o carro de polícia saindo e avisamos como era a pessoa. Os policiais foram ate o encontro dele e revistaram o rapaz, que até onde vimos estava com vários 'saquinhos' não sei de que não sei de que dentro da mochila. Isso tudo pq tinha vários funcionários da limpeza, as pessoas que guardam as chaves e um  zelador. Isso tudo aconteceu atrás do prédio 4, na casa de vegetação de frente pra rua asfaltada. Moral da história: se precisarem ir , não vão sozinhos.
Comentar
Compartilhe
Herança maldita da Uenf
24/03/2016 | 01h12
Em janeiro, essa coluna alertou para os graves riscos que a Uenf corria por conta da herança maldita de dívidas (AQUI) deixadas pelas gestões anteriores nos tempos de vacas gordas (AQUI), agora agravadas pelas dívidas da gestão atual nesses tempos de vacas magras. A divulgação das dificuldades causadas pelos “ovos da serpente” das desastrosas administrações anteriores, algumas delas sob investigação oficial, irritou profundamente seus colaboradores e favorecidos, chegando um deles, descontrolado pela verdade, ao extremo de ofender esse colunista. Mas as dívidas foram confirmadas com transparência em nota oficial da atual reitoria (25/01/16) (AQUI). Hoje, o que se vê, com muita tristeza, é apenas a confirmação do que avisamos no início do ano. A Uenf corre o risco de ser fechada caso o governo do estado não providencie imediatamente o pagamento das dívidas acumuladas. Não é tocando cavaquinho ou atravessando o samba ofendendo jornalista que se vai resolver o problema. E agora professor, tira a cueca pelo pescoço e sapateia em cima? Veja abaixo a herança maldita das dívidas de R$ 9 milhões, apenas considerados pagamentos não realizados entre os meses de agosto a dezembro de 2015: uenf-dividas-1 uenf-dividas-3 uenf-dividas-2
Comentar
Compartilhe
Olho vivo Uenf!
02/02/2016 | 05h47
A Uenf precisa vigiar melhor as suas prestadoras de serviço, afinal, como contratante, é co-responsável em demandas trabalhistas. Trabalhadores que ficam 12 horas de pé, sem carteira assinada e entrando no terceiro mês sem receber salários podem configurar um pepino de bom tamanho no Ministério Público do Trabalho.
Comentar
Compartilhe
Herança maldida da Uenf faz professor atravessar o samba ofendendo jornalista
27/01/2016 | 02h32
herança-1 Diante da divulgação do tamanho da dívida da Uenf (9 milhões de reais até novembro de 2015, uma “Herança Maldita” das administrações anteriores para a nova reitoria), o pesquisador de engenharia civil Fernando Saboya de Albuquerque Júnior, que atuou ativamente na administração do reitor Raimundo Braz, quando foram plantados os “ovos da serpente” de outras desastrosas administrações que o sucederam, utilizou o grupo de discussão da Uenf, onde deveriam ser debatidos apenas assuntos de relevância científica e educacional, para agredir moralmente esse blogueiro. Como se diz por aí, na falta de argumentos, o professor partiu para ofensas. Saboya-cavacoO professor Saboya, exímio cavaquinista, função que dizem exercer muito melhor que a de pesquisador, ao perceber que havia “atravessado o samba”, expondo-se a uma Ação de Reparação por Danos Morais, que está sendo estudada por meus advogados, simulou uma mal enjambrada retratação, onde diz que “talvez”, confira abaixo, tenha usado um termo não adequado. Nota-se claramente que não houve aí a menor intenção de uma verdadeira retratação. O cavaquinista é apontado como amigo íntimo do ex-reitor Almy Jr. que ao saiu pela porta dos fundos da reitoria daquela universidade com o seu “telhado de vidro” estilhaçado sob uma verdadeira saraivada de procedimentos investigativos do Ministério Público para apurar os fortes indícios de irregularidades cometidas durante a sua gestão, como a milionária aquisição de centenas de TVs, as estranhas obras paralisadas do “bandejão” e, também, autor de outras coisinhas nada éticas, como a utilização de placas falsas em carro da reitoria. Pelo que se vê, o professor parece ter tomado as dores das administrações anteriores que levaram a Uenf ao fundo do poço em que está. Diz o professor que “a dívida existiria ainda que fosse o mesmo Reitor. Isso é a realidade há 23 anos. Ano após ano, independente de quem ocupa o cargo.” Tenho lá as minhas dúvidas, e acredito que a maioria dos docentes da Uenf também as tenham. Afinal, tantos erros não justificam outros. Percebe-se que o, agora irado, cavaquinista, talvez (termo que ele gosta de usar) tenha mesmo muito mais intimidade com o seu instrumento musical predileto do que com as coisas afetas à administração e à construção civil. Já que a famosa Centrífuga Geotécnica da Uenf, sob seus auspícios, comprada por 750 mil dólares em 1995, só saiu das caixas onde estava em 2002, entrando realmente em operação cerca de dez anos após terem sido adquiridas. Parte desse atraso foi creditado ao fato de o prédio construído especificamente para ela não ter suportado o seu funcionamento, apesar de o professor Saboya ser pesquisador de engenharia civil. Mas, uma coisa é certa, o cavaquinista está se dando muito mais importância que, talvez (olha o termo que ele gosta aí de novo) realmente tenha. Melhor faria dedicando-se ao seu mister no cavaquinho, pois a música acalma o espírito até dos mais estultos. O blog está à disposição para publicar a sua réplica, caso queira, e tenha argumentos que não sejam ofensivos. (Leia abaixo os textos anteriores do professor Saboya) Textos do professor Saboya A canalhice jornalística não tem mesmo limites: Isso nunca foi herança da administração anterior. A dívida existiria ainda que fosse o mesmo Reitor. Isso é a realidade há 23 anos. Ano após ano, independente de quem ocupa o cargo. Cabe ao atual Reitor se dirigir ao Jornalista da Folha da Manhã e corrigir essa informação leviana de "herança maldita da administração anterior", caso não queira ser cúmplice de uma leviandade. Fernando Saboya Junior Retratação mal enjambrada É talvez vc tenha razão quanto ao termo que usei já que não conheço o jornalista, e aqui me retrato pois tratou-se de uma ofensa pessoal e eu não poderia ter usado esse termo. Se ele me interpelar, me retratarei. Mas a minha crítica ao teor leviano da reportagem eu mantenho! Sabemos quem é sua fonte! Aliás, o mato tá subindo que é uma beleza!!!
Comentar
Compartilhe
Herança maldita: Uenf reconhece dívidas de 9 milhões e mostra transparência
25/01/2016 | 05h25
[caption id="attachment_5903" align="aligncenter" width="756"]luispassoni-1 O atual reitor da Uenf Luis Passoni e o governador do Estado Luiz Fernando de Souza (Pezão)[/caption] Como foi divulgado nesse blog, as dívidas da Uenf chegam à casa dos 9 milhões de reais. Uma herança maldita da administração anterior. Leiam abaixo a nota da atual reitoria, que confirma as nossas informações e mostra uma nova postura de transparência no trato com a coisa publica:

Nota da Reitoria-25/01/16

DÍVIDAS

Esclarecemos que as cifras dos restos a pagar da UENF relativos a 2015, divulgada por um conhecido jornalista campista, são reais. Esta tabela foi elaborada pela Reitoria, divulgada no último COLEX e junto às empresas credoras. A divulgação dos dados relativos à saúde financeira da UENF faz parte da nossa política de transparência, que, mais que uma opção, é uma obrigação do gestor público. Todos os débitos elencados estavam previstos no orçamento e todos os procedimentos para pagamento dos mesmos, culminando com a emissão das Programações de Desembolso (PDs), foram realizados em tempo hábil pela UENF. Infelizmente, o grau de autonomia de que dispomos para execução orçamentária está aquém do necessário para garantirmos o efetivo pagamento. Não obstante, continuamos trabalhando junto à SECTI para alcançarmos as condições necessárias para o devido pagamento. Luis Passoni Reitor da UENF
Comentar
Compartilhe
Uenf afogada em um mar de dívidas
21/01/2016 | 06h05
Uenf à deriva no mar das incertezas uenf-dividas-1 A Uenf, apesar de continuar sendo considerada uma das melhores universidades brasileiras, ocupando a 15ª posição do ranking do MEC das melhores instituições de ensino de graduação no país, não está recebendo o devido retorno por parte do governo do Rio de Janeiro. O montante de dívidas deixadas para o novo reitor Luís César Passoni é da ordem de  R$ 9 milhões, apenas considerados pagamentos não realizados entre os meses de agosto a dezembro de 2015. Como as obrigações de janeiro já estão em curso, este valor deverá crescer ainda mais, caso o governo Pezão não comece a cumprir com as suas obrigações. uenf-dividas-2 Bolsa furadas Um aspecto especialmente preocupante para o funcionamento da Uenf é o atraso no pagamento de bolsas acadêmicas, inclusive as recebidas pelos alunos cotistas. O fato de existirem débitos em todas as modalidades de bolsas de graduação e pós-graduação sinaliza problemas graves para a continuidade das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Na falta do pagamento das bolsas muitos estudantes terão que reduzir suas atividades ou mesmo abandonar a Uenf. Educação X Cerveja A situação que a Uenf vive é ainda mais difícil de entender quando se compara o custo do investimento que é necessário para manter as suas contas em dia e as generosas isenções fiscais que estão sendo concedidas pelo governo Pezão. O exemplo mais recente que veio a público foi a concessão de isenções fiscais, em torno de R$ 687 milhões para a Cervejaria Petrópolis, cujo proprietário, o empresário Walter Faria, é sócio da família do deputado Jorge Picciani, presidente da Alerj, numa pedreira que fornece brita para as obras  que estão sendo realizadas para os Jogos Olímpicos de 2016, que acorrerão na cidade do Rio de Janeiro. uenf-dividas-3 Sem vigilância Em dezembro de 2015, a empresa K9 Vigilância foi contratada para substituir em caráter emergencial a Hopevig nos serviços de segurança patrimonial na Uenf, após uma intervenção do ex-deputado Domingos Brazão, agora conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, que considerou as estimativas preparadas pela universidade para embasar o valor do edital de licitação para a celebração de um novo contrato em caráter permanente. Ao exigir que novos cálculos fossem feitos, Domingos Brazão obrigou a celebração de um contrato temporário que não deixasse a Uenf desprotegida até que a licitação venha a ocorrer. O problema é que agora a K9 está ameaçando suspender a prestação de serviços por ainda não ter recebido sequer a primeira parcela que lhe cabe por estar oferecendo segurança patrimonial à Uenf. Essas pendências milionárias estão deixando a Uenf à deriva no turbulento mar das incertezas quanto ao seu futuro. Observem nos relatório (clique nas imagens para ampliar), a que o blog teve acesso e publica, o preocupante quadro das dívidas da Uenf, só até novembro de 2015 9.168 milhões. ATUALIZAÇÃO - 25/01/16

DÍVIDAS

Esclarecemos que as cifras dos restos a pagar da UENF relativos a 2015, divulgada por um conhecido jornalista campista, são reais. Esta tabela foi elaborada pela Reitoria, divulgada no último COLEX e junto às empresas credoras. A divulgação dos dados relativos à saúde financeira da UENF faz parte da nossa política de transparência, que, mais que uma opção, é uma obrigação do gestor público. Todos os débitos elencados estavam previstos no orçamento e todos os procedimentos para pagamento dos mesmos, culminando com a emissão das Programações de Desembolso (PDs), foram realizados em tempo hábil pela UENF. Infelizmente, o grau de autonomia de que dispomos para execução orçamentária está aquém do necessário para garantirmos o efetivo pagamento. Não obstante, continuamos trabalhando junto à SECTI para alcançarmos as condições necessárias para o devido pagamento.
Comentar
Compartilhe
Fumaça na Uenf
06/08/2015 | 11h28
quimando-aspirador     Enfumaçando Depois do resultado da eleição, os trituradores de documentos da Uenf andam fumegando de tanto trabalhar. Descarrilada Luís Passoni e Tetê Peixoto, eleitos Reitor e vice-Reitora da Uenf, terão uma espinhosa missão pela frente para colocar a universidade de volta aos trilhos após tantos anos de descarrilamento. Paralelos Seria cômico, se não fosse trágico, observar como a prefeitura de Campos parece com o Palácio do Planalto e como a Uenf parece com a Prefeitura...
Comentar
Compartilhe
Campanha na Uenf imita política
17/07/2015 | 01h29

Os artifícios utilizados na disputa eleitoral da Uenf são típicos das pouco recomendadas campanhas políticas para prefeito. Tem aluno cuspindo marimbondos por ter recebido e-mails de cunho eleitoral utilizando seus endereços eletrônicos fornecidos para os cadastros universitários. Confira o e-mail abaixo. ironicamente classificado pelo Microsoft SmartScreen como “Lixo Eletrônico”, pondo em dúvida se é confiável ou não.

e-mail-uenf

Comentar
Compartilhe
Vai dar Xabu
09/07/2015 | 12h50
educa-dedica-2 Somos surpreendidos por uma estranha revelação: docentes de instituições públicas estaduais de Campos, como a Uenf, contratados em regime de Dedicação Exclusiva, andam prestando serviços a cursos de pós-graduação no Paraguai, numa flagrante violação dos seus contratos trabalhistas. Se denunciada aos canais certos, a prática, apelidada de CHM, promete dar xabu e até demissão. Assim caminha a humanidade... O que diz a lei: Para estimular que docentes coloquem todos os seus esforços na formação dos alunos, as universidades públicas brasileiras decidiram pagar um extra de até 50% sobre o salário-base. É a chamada dedicação exclusiva (DE). E, para garantir que não existam distorções nessa função tão nobre, uma série de regras foi criada. O artigo 14 do decreto presidencial 94.664 de 1987 estabelece, por exemplo, que o professor de carreira do Magistério Superior submetido à dedicação exclusiva tem como obrigação "prestar quarenta horas semanais de trabalho em dois turnos diários completos e impedimento do exercício de outra atividade remunerada, pública ou privada".
Comentar
Compartilhe
Próximo >