Hackers invadem site de Feliciano e protestam contra a homofobia
08/06/2015 | 04h34
Publicação: 07/06/2015 17:14 Atualização:
Imagem exibida na página do pastor após ataque cibernético. Foto: Reprodução
Imagem exibida na página do pastor após ataque cibernético. Foto: Reprodução
O site oficial do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) foi invadido por hackers na tarde desse domingo. O grupo deixou uma mensagem contra a homofobia na página principal do religioso, que é conhecido por seu posicionamento contrário aos homossexuais, como condenar a união entre pessoas do mesmo sexo, além de ser o autor de projetos de lei como a "cura gay", que orienta homossexuais a buscarem tratamento médico. O ataque ocorre na mesma data da Parada Gay em São Paulo. O grupo entitulado ProtoWave utilizou uma imagem de um Jesus Cristo negro, que segura em cada mão uma imagem da cabeça do pastor e um perfume da empresa O Boticário, recentemente criticada por conservadores ao inserir referências a casais gays em sua campanha publicitária. O grupo também inseriu uma sátira da canção I will survive, da cantora Glória Gaynor, que toca quando o internauta acessa o site. ATUALIZAÇÃO Clique no Link abaixo para ver a resposta do Pastor Marco Feliciano
Peco a todos que assistam e façam chegar ao maior número possível de cristãos, católicos e evangélicos. Também faça chegar aos líderes católicos e evangélicos, padres, pastores, líderes de departamentos. Faça chegar também aos advogados e juristas cristãos e peça a eles que exerçam sua função em defesa da fé que professam. ...Ver mais
181.024 visualizações
Comentar
Compartilhe
Três pecados
14/10/2014 | 12h07
      Na reunião que alinhavava o apoio de Garotinho a Crivella ouviu-se falar em Transportes, Segurança e Fazenda. E não era sobre carreta de bois saindo da fazenda para trafegar na estrada... Se um negócio desses se concretiza, o Bispo Edir pula de cima do Templo de Salomão...
Comentar
Compartilhe
Velas, muitas velas
11/08/2014 | 01h21
Alguma coisa está muito errada quando um município rico como Campos gasta a metade dos seus polpudos rendimentos dos royalties do petróleo com empreiteiros e publicidade, e um projeto como o “Orquestrando a Vida”, que promove a cultura musical e dá esperanças de uma vida melhor a dezenas de jovens, anda à míngua, ao ponto de precisar realizar uma oração coletiva nessa segunda-feira, às 18h, para pedir a Deus que envie seu socorro e ilumine as autoridades para que tenham compreensão e não deixem que um projeto dessa importância seja extinto. Favor levar velas. Muitas velas...
Comentar
Compartilhe
Museu dos esquecidos
08/06/2012 | 02h52
Os campistas reclamam, reclamam, mas sempre foram relaxados com o seu patrimônio histórico. Como o Solar da Baronesa, Solar dos Airizies, Trianon, Igreja Ns. Mãe dos Homens (a original) etc... Desses, todo mundo já tem notícias do que aconteceu ou está acontecendo. Mas outros tesouros de valor inestimável estão sendo perdidos ou danificados. Parece que ninguém está prestando a atenção ao patrimônio histórico do Cemitério do Caju, com esculturas de grande valor artístico em mármores raros, bronzes, túmulos e capelas de delicado trabalho e grande repositório histórico. Aos poucos tudo está sendo dilapidado pelo tempo e, principalmente, pelos vândalos. Um tour guiado pelo nosso principal cemitério seria uma grande atração turística para a cidade e uma excelente aula de história, além de promover a preservação.
Comentar
Compartilhe
Bispo de Campos visita assentamento do MST e diz que terra é direito de todos
28/11/2011 | 01h54
[caption id="attachment_2825" align="aligncenter" width="756" caption="Durante a cerimônia ecumênica a bandeira do MST foi para a mesa envolvendo os frutos da terra em oferenda"][/caption] O primeiro encontro do bispo Dom Roberto Ferrería Paz com os assentados e acampados e a Comissão da Pastoral da Terra, na E. M. Carlos Chagas, na localidade de Jacarandá, foi realizado durante uma visita marcada por um forte simbolismo ecumênico, quando o Bispo de Campos dirigiu-se aos assentados e acampados de diferentes pontos do município de Campos para expressar sua visão acerca da importância da agricultura familiar e dos assentamentos numa produção agrícola comprometida com a sustentabilidade ambiental. Em uma mensagem clara aos presentes, Dom Roberto expressou uma visão de que a terra é um bem natural, e que deve ser cuidada para que possa cumprir o seu papel de gerar alimentos saudáveis para toda a Humanidade. Pastoral da Terra No encontro ecumênico pelos 15 anos da Comissão Pastoral da Terra na região, no assentamento Zumbi dos Palmares Núcleo 2, a celebração girou em torno da celebração da vida e da cultura camponesa, e também do seu objetivo mais importante, a terra. O tema da reforma agrária foi colocado à mesa em tom de “Terra e água, dom de Deu e direito de Todos”, nas faixas: “A terra é vida, a terra é mãe, a terra é do povo, a terra é de Deus”, na música. Tudo ali mostrava a luta do homem pelo seu bem mais vital, a terra. As faces tostadas pelo sol e o olhar duro de quem ousou lutar contra um sistema excludente eram tão marcantes quanto os frutos cultivados no assentamento e entregues como oferenda no altar, envoltos em uma bandeira do MST enquanto os participantes batiam palmas dando o ritmo e cantando os sugestivos versos: “Pega a bandeira da luta, deixe a bandeira passar. Essa é a nossa conduta, vamos unir para mudar. Traga a bandeira de luta, deixe a bandeira passar. Somos a história e os nossos direitos não podem acabar”... Fé & terra A cerimônia foi marcada por depoimentos emocionados de assentados e acampados que narraram a sua luta em prol da realização da reforma agrária no norte fluminense. Estas manifestações tiveram réplicas de todos os religiosos presentes, o que acabou emocionando os agricultores assentados, visto o sentimento que muitos expressaram da grande proximidade entre sua luta pela terra e a fé em Deus. Autoridades Participaram da celebração, o Bispo da Diocese de Campos   D.Roberto Francisco Ferrería Paz, o Pastor Fernando, da Igreja Batista do Eldorado, o pastor Carlos William da Igreja Batista de Jacarandá, o padre Geraldo Lima, da Diocese de Nova Iguaçu, o padre Luciano da Diocese de Campos. Também tiveram importante participação no encontro o agricultor Cícero Guedes, a professora Ana Maria Almeida, da UFF, D. Noêmia Magalhães, representante dos pequenos produtores do 5º distrito de São João da Barra, a professora Norma do SEPE, o professor Marcos Pedlowski, da Uenf, e a vereadora Odisséia Carvalho (PT). [caption id="attachment_2831" align="alignleft" width="227" caption="Reportagem completa na Somos dessa semana, nas bancas"][/caption] “Dom de Deus e nosso direito" As primeiras palavras de Dom Roberto Francisco foram de encontro aos anseios daquela comunidade e mostraram uma nova ótica da igreja local sobre a questão do direito a terra: “estou muito contente por estar aqui pela primeira vez, neste lugar de trajetória, do primeiro assentamento. Um lugar para debate em defesa da terra para preservação do planeta. Sem dúvida o lugar mais adequado para esta celebração. Então, gostaria que fôssemos uma família unida hoje para defendermos a vida do planeta, para defendermos a terra como dom de Deus e nosso direito a ela, mas também a nossa visão. A terra é algo rico, é algo que nos dá a vida. Por isso, então, sintam-se todos bem vindos e da mesma família, a família humana sem fronteiras”.  
Comentar
Compartilhe
Novo bispo fala sobre casamento gay, homofobia, TFP, imagens, pedofilia, aborto etc
08/08/2011 | 12h52
De coração aberto - D. Roberto Francisco Ferrería Paz O sétimo bispo de Campos, D. Roberto Francisco Ferrería Paz, que leva no sobrenome a palavra “Paz”, defende isso mesmo: a paz, como afirmação da justiça e da verdade, da caridade e da liberdade. D. Roberto Ferrería Paz foi nomeado pelo papa Bento XVI para suceder D. Roberto Guimarães, que teve sua renúncia aceita pelo papa por conta de limite de idade, com base em Código de Direito Canônico. Entre os objetivos da jornada de Paz por Campos está criar bases eclesiásticas, com vista a receber o grande fluxo de pessoas previstas para chegar à região Norte Fluminense, atraídas pelo crescimento econômico que se concretiza através dos mega investimentos na região, como o Super Porto do Açu, grandes empresas e novas áreas de exploração de petróleo. Veja alguns tópicos da esclarecedora entrevista de D. Roberto Ferrería Paz publicada na Somos dessa semana, onde mostrou-se à vontade para discorrer sobre temas da atualidade, com personalidade forte, perfil moderno, e opinião bem formada, não se abstendo de falar sobre assuntos polêmicos e delicados, como aborto, propriedade da terra, mídia, igrejas eletrônicas, eutanásia, imagens, homossexualismo, celibato, casamento de sacerdotes e direitos humanos. Confira alguns trechos: Novas igrejas envangélicas ..."são mais agências que igrejas, e têm o fenômeno “Porta Giratória”: entram e saem..." ..."o aspecto financeiro, especialmente, da Igreja Universal, que não vem de coleta dos fiéis – nenhuma igreja pode constituir em pouco tempo o patrimônio que ela tem. Três divisões shores nas Ilhas Caimans. Três, a única que tem isso!" “...a Tevê Record. Mas eu acredito que, além do mais, é um pouco de lavagem de dinheiro, né? E hoje o capital internacional trabalha muito com isso.  O volume do capital injetado, que é o capital sujo, moeda suja, vem da lavagem”... Homosexualismo “...não é uma opção. Ninguém decide ser homossexual “...O ato genital homossexual para nós cristãos é contra a natureza, porque não consegue reunir as duas finalidades do ato conjugal, que são o amor e a transmissão da vida”... Casamento gay “...o povo tem uma opinião já formada, que não é o casamento (gay)”... Aborto “...o agressor — que, no Brasil, não terá pena de morte; e você vai matar aquele que justamente não tem nada a ver com a história, que é a criança. Não me parece justo”... Reforma agrária “...Eu não sou partidário das ocupações. Evidentemente que não. Eu sou pela paz. Acho que isso (a ocupação) não traz segurança. Mas, acho que devemos nos empenhar numa reforma agrária justa”... Imagens na igreja católica ..."imagem significa Deus, representa Deus. Ela, em si, não é o próprio Deus. Então, não adoramos a imagem. Adoramos o que ela representa. E os santos não são adorados”...
Comentar
Compartilhe