Rosinha joga 70 mil reais no "Lixo da história"
13/01/2017 | 08h38
Revista-Rosinha-X Achei um exemplar da luxuosa revista de despedida de Rosinha “Um legado de Esperança” jogado em uma lixeira no Calçadão, curioso, inspecionei o conteúdo. A fotonovela mexicana misturava Maria do Bairro com Rosinha da Lapa. Na estranha revista, Rosinha não deixou a cidade quebrada, a Saúde em frangalhos, obras paradas ou milhões em dívidas com fortes indícios de apropriação indébita. A publicação é uma obra de ficção tão surreal que a deixei cumprir o seu inglório destino. Foi direto do lixo do Calçadão para o lixo da história. Mas, não sem antes pesquisar o custo para divulgar tais balelas e absurdos. A publicação, atribuída ao Diretório Municipal do Partido da República, teria custado cerca de 70 mil reais, de acordo com o orçamento solicitado por essa coluna, com as mesmas especificações da revista de Rosinha, papel, número de páginas e quantidade de exemplares, à Plural Editora e Gráfica LTDA, a mesma gráfica que imprimiu os 35 mil exemplares registrados no expediente da revista. Veja abaixo o expediente da revista com as especificações de 35 mil exemplares na Plural: Revista-Expediente Veja agora o orçamento fornecido pela Plural para o blog seguindo as mesmas especificações: @Version:241; Vamos convir que 70 mil reais, uma quantia enorme para a grande maioria dos campistas que suam trabalhando todo dia para receber um salário mínimo, é uma quantia irrisória para o sórdido e inalcançável objetivo que esse grupo político pretende atingir: transformar a dura realidade de uma cidade que deixou para trás arrasada, em um rosáceo conto de fadas impossível de engolir até para os mais ingênuos cidadãos. 70 mil é pouco, nem com 70 vezes 700 vai conseguir apagar os seus rastros.
Comentar
Compartilhe
Tarde de Roça na Pelinca
07/12/2016 | 08h37

 Tarde de roça na Pelinca, a principal avenida de Campos

Tarde-de-roca

"A mudança somos nós" (Rosinha) .... que se mude logo...

Comentar
Compartilhe
Mercado Municipal sucumbe ao populismo
12/09/2016 | 01h48
mercado-obras-camelo-X
Comentar
Compartilhe
"A mudança somos nós"?
09/09/2016 | 12h20
burro-1-x burro-2-x burro-3
Comentar
Compartilhe
Monumento à ignorância
25/07/2016 | 12h15
[caption id="attachment_6082" align="aligncenter" width="756"]Olhem só o tamanho do absurdo! Olhem só o tamanho do absurdo![/caption] [caption id="attachment_6084" align="aligncenter" width="756"]camelo-ignorante-X3 Os tradicionais permissionários do Mercado ficarão definitivamente emparedados pelo Camelódromo, quando uma praça poderia humanizar e dar nova vida ao local[/caption] [caption id="attachment_6083" align="aligncenter" width="811"]A divulgação evita imagens frontais, mostrando apenas a lateral, apesar de deixar ver o emparedamento do Mercado A divulgação evita imagens frontais, mostrando apenas a lateral, apesar de deixar ver um tipo de emparedamento do Mercado[/caption]

Para os populistas da Lapa, que seguem cegamente a esférica doutrina do vale tudo para se manter no poder, o patrimônio histórico e arquitetônico de Campos, pelo jeito, não vale nada.

Foram iniciadas as obras do maior monumento à ignorância e o descaso e à nossa história, já erigido no município, um paquidérmico “Camelódromo” de dois andares que irá, sem dó nem piedade, cobrir totalmente a fachada do belo Mercado Municipal de Campos, atropelando seus 95 anos de existência.

A estranha obra, de fortes contornos eleitorais, com parecer contrário do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, só está sendo retomada praticamente às vésperas das eleições municipais, vai trazer prejuízos irrecuperáveis para todos os campistas, em favor do continuísmo no poder de um grupo político, o mesmo que é responsável por quebrar e endividar o município por décadas.

Ainda que se queira favorecer "empresários" particulares em um logradouro público utilizando verbas públicas, e em desfavor do comércio legalmente estabelecido, e tradicionalmente pagador de impostos, não haveria outro local para instalar os camelôs?

É preciso que a Justiça tire a venda dos olhos e impeça de vez esse descalabro, que será lamentado por muitas e muitas gerações de campistas.

Comentário do Leitor nos Estados Unidos:

Nao gosto de comparar, mas terei que comparar, aqui na cidade onde vivo, temos um mercado lindo, ha 10 anos estava completamente abandonado, vivo no estado de Ohio nos EUA um dos estados que mais sofreu com a crise dos anos 70, a cidade e menor do que Campos, 300 mil habitantes, pobre comparada a Campos e sem petroleo, a cidade vive de impostos, ha 10 anos a prefeitura resolveu restaurar o mercado, restaurado o mercado agora e uma das maiores atracoes turisticas da cidade, ao redor foram construidos pracas e muitos restaurantes, hoje o bairro do mercado e um dos bairros mais movimentados da cidade, o movimento e tao grande que o mercado ate 2015 funcionava 3 dias/ semana e agora funciona ate os domingos, qual a dificuldade de Campos para fazer igual? ou melhor? ( abaixo o mercado daqui)

camelo-usa-2

camelo-usa-1

Comentar
Compartilhe
Campos, bons cinemas, péssima educação
30/06/2016 | 01h10
[caption id="attachment_6059" align="aligncenter" width="756"]cinema-pes- Cena de horror na platéia de Truque Mestre 2, no Cine Araújo do Boulevard[/caption] Campos hoje conta com ótimos cinemas, com modernas e luxuosas salas de exibição, o que contrasta fortemente com o comportamento de muitos campistas, que deixam as salas imundas ao fim das sessões, apesar da farta oferta de latas de lixo na saída. Muitos falam alto, e bobagens, como se estivessem em casa, sem se incomodar ao mínimo em atrapalhar aqueles que pagaram para ver um bom filme em paz. Deixam seu celulares ligados, recebem ruidosas chamadas e iluminam as salas atendendo. Mas, entre os costumeiros desrespeitos e falta de civilidade, um chama a atenção, jovens muito bem vestidas que ostensivamente colocam os seu pés  sobre o encosto do banco da frente exibindo suas caras sandálias, scarpins e total falta de educação.
Comentar
Compartilhe
Terra de Burros Espertos
19/05/2016 | 03h18

burros-dupla-28-março-X

Enquanto muitos “burros” espertos de duas patas pastam implacáveis nossos recursos em gabinetes refrigerados, outros, à revelia da lei, continuam sendo explorados em nossas avenidas sob o peso de cargas exageradas, maus tratos e cruéis chicotadas, ignorando solenemente a Lei 7.194/2016 – de autoria do deputado estadual Dionísio Lins, sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão, que proíbe a utilização de tração animal. Sem recursos, por conta do "pasto capinado baixo" para utilização pouco recomendada, não foi providenciada uma alternativa de qualificação e trabalho para os carroceiros, e o problema social está servindo de desculpa para a incompetência e os desmandos administrativos. A foto acima foi tirada às 13h de hoje na Avenida 28 de Março, uma das principais de Campos.

Comentar
Compartilhe
Burros continuam escravizados: Carroceiros ignoram lei que proíbe tração animal
12/01/2016 | 05h17
[caption id="attachment_5855" align="aligncenter" width="756"]burro-monta-1 Nessa terça-feira, ignorando a lei, carroças circulavam livremente na Avenida 28 de Março. Afinal, quem são os "burros" dessa história?[/caption] As carroças tracionadas por burros e cavalos continuam transitando livremente pela cidade de Campos, inclusive nas áreas onde existe proibição municipal para não atrapalhar o trânsito. Seus condutores não estão dando a menor bola para as autoridades. De nada vai adiantar a Lei 7.194/2016 – de autoria do deputado estadual Dionísio Lins, sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão, proibindo a utilização de tração animal. O texto não especifica quem irá fiscalizar e punir o seu não cumprimento.
Comentar
Compartilhe
Cidade dos burros
28/12/2015 | 05h05
Burro-1 Cena bucólica de Campos, cidade dos burros, em todos os sentidos e lugares. Rua Barão de Miracema esquina com Salvador Corrêa. O progresso se rende ao atraso, a falta de fiscalização, à demagogia. Assim caminha Campos, de carroça...
Comentar
Compartilhe
Patetolândia
25/12/2015 | 10h06
Rosinha-Garotinho-Pateta       Com pompas e circunstâncias foi inaugurada a capital do mundo rosa, a Cidade dos Patetas, a Patetolândia Goytacá, onde o povo que pagou para construir vai ter que pagar para entrar...
Comentar
Compartilhe
Próximo >