Rosinha joga 70 mil reais no "Lixo da história"
13/01/2017 | 08h38
Revista-Rosinha-X Achei um exemplar da luxuosa revista de despedida de Rosinha “Um legado de Esperança” jogado em uma lixeira no Calçadão, curioso, inspecionei o conteúdo. A fotonovela mexicana misturava Maria do Bairro com Rosinha da Lapa. Na estranha revista, Rosinha não deixou a cidade quebrada, a Saúde em frangalhos, obras paradas ou milhões em dívidas com fortes indícios de apropriação indébita. A publicação é uma obra de ficção tão surreal que a deixei cumprir o seu inglório destino. Foi direto do lixo do Calçadão para o lixo da história. Mas, não sem antes pesquisar o custo para divulgar tais balelas e absurdos. A publicação, atribuída ao Diretório Municipal do Partido da República, teria custado cerca de 70 mil reais, de acordo com o orçamento solicitado por essa coluna, com as mesmas especificações da revista de Rosinha, papel, número de páginas e quantidade de exemplares, à Plural Editora e Gráfica LTDA, a mesma gráfica que imprimiu os 35 mil exemplares registrados no expediente da revista. Veja abaixo o expediente da revista com as especificações de 35 mil exemplares na Plural: Revista-Expediente Veja agora o orçamento fornecido pela Plural para o blog seguindo as mesmas especificações: @Version:241; Vamos convir que 70 mil reais, uma quantia enorme para a grande maioria dos campistas que suam trabalhando todo dia para receber um salário mínimo, é uma quantia irrisória para o sórdido e inalcançável objetivo que esse grupo político pretende atingir: transformar a dura realidade de uma cidade que deixou para trás arrasada, em um rosáceo conto de fadas impossível de engolir até para os mais ingênuos cidadãos. 70 mil é pouco, nem com 70 vezes 700 vai conseguir apagar os seus rastros.
Comentar
Compartilhe
O Titereiro, o Pombo Correio, o Jovem e o Doce
01/08/2016 | 08h56
pombo-doidoO vento nordeste anda sussurrando que um velho e ardiloso táxi está servindo de pombo correio para que um jovem candidato, sem perceber a origem da “correspondência”, feche os caminhos do ex-doce amigo do remetente. A mais recente “encomenda” teria sido para que ele contrata-se primeiro a agência de publicidade que seria contratada pela campanha do desafeto. Sempre falador, o remetente não se contém, e anda alardeando que faz isso porque prefere o jovem no segundo turno, pois “janta” ele em um dia...
Comentar
Compartilhe
Monumento à ignorância
25/07/2016 | 12h15
[caption id="attachment_6082" align="aligncenter" width="756"]Olhem só o tamanho do absurdo! Olhem só o tamanho do absurdo![/caption] [caption id="attachment_6084" align="aligncenter" width="756"]camelo-ignorante-X3 Os tradicionais permissionários do Mercado ficarão definitivamente emparedados pelo Camelódromo, quando uma praça poderia humanizar e dar nova vida ao local[/caption] [caption id="attachment_6083" align="aligncenter" width="811"]A divulgação evita imagens frontais, mostrando apenas a lateral, apesar de deixar ver o emparedamento do Mercado A divulgação evita imagens frontais, mostrando apenas a lateral, apesar de deixar ver um tipo de emparedamento do Mercado[/caption]

Para os populistas da Lapa, que seguem cegamente a esférica doutrina do vale tudo para se manter no poder, o patrimônio histórico e arquitetônico de Campos, pelo jeito, não vale nada.

Foram iniciadas as obras do maior monumento à ignorância e o descaso e à nossa história, já erigido no município, um paquidérmico “Camelódromo” de dois andares que irá, sem dó nem piedade, cobrir totalmente a fachada do belo Mercado Municipal de Campos, atropelando seus 95 anos de existência.

A estranha obra, de fortes contornos eleitorais, com parecer contrário do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, só está sendo retomada praticamente às vésperas das eleições municipais, vai trazer prejuízos irrecuperáveis para todos os campistas, em favor do continuísmo no poder de um grupo político, o mesmo que é responsável por quebrar e endividar o município por décadas.

Ainda que se queira favorecer "empresários" particulares em um logradouro público utilizando verbas públicas, e em desfavor do comércio legalmente estabelecido, e tradicionalmente pagador de impostos, não haveria outro local para instalar os camelôs?

É preciso que a Justiça tire a venda dos olhos e impeça de vez esse descalabro, que será lamentado por muitas e muitas gerações de campistas.

Comentário do Leitor nos Estados Unidos:

Nao gosto de comparar, mas terei que comparar, aqui na cidade onde vivo, temos um mercado lindo, ha 10 anos estava completamente abandonado, vivo no estado de Ohio nos EUA um dos estados que mais sofreu com a crise dos anos 70, a cidade e menor do que Campos, 300 mil habitantes, pobre comparada a Campos e sem petroleo, a cidade vive de impostos, ha 10 anos a prefeitura resolveu restaurar o mercado, restaurado o mercado agora e uma das maiores atracoes turisticas da cidade, ao redor foram construidos pracas e muitos restaurantes, hoje o bairro do mercado e um dos bairros mais movimentados da cidade, o movimento e tao grande que o mercado ate 2015 funcionava 3 dias/ semana e agora funciona ate os domingos, qual a dificuldade de Campos para fazer igual? ou melhor? ( abaixo o mercado daqui)

camelo-usa-2

camelo-usa-1

Comentar
Compartilhe
Sugando a Arte
17/05/2016 | 02h32
513-dracula-X   O Teatro de Bolso está servindo de palco para mais uma encenação de Garotinho. Os artistas, que heroicamente mantêm a ocupação, já estão com a pauta solicitada pronta para entregar hoje, mas não sabem a hora que ele chega, já que só aparece tarde da noite, como aquele famoso e sombrio personagem de Bram Stoker. Pelo sim, pelo não, é melhor a turma usar uns colares de alho...
Comentar
Compartilhe
Previsões & Língua afiada
22/03/2016 | 11h35

pisando-1Previsões

Entre a turma da lapa, a ascensão de Chicão Oliveira como candidato a prefeito da situação é dada como pule de dez. Por outro lado, muitos componentes do grupo dão como certo, seja qual for o seu candidato, se eleito, um prazo máximo de 90 dias suportáveis sob o tacão do baixinho. Depois o bicho pega...

 lingua

Língua afiada

Roberto Henriques, entre o “Espanto e o Bálsamo”, se intitula nas redes sociais como: “aquele que não se perdeu”, e também que nunca foi um seguidor silente nos poderes em que participou, afirmando que suas declarações soaram como música nos ouvidos dos “carregadores de piano” do Governo Municipal.

Comentar
Compartilhe
Jogando sujo
05/03/2016 | 04h21
482-Face-falso Tem situação se aproveitando da situação para jogar sujo no Facebook, divulgando postagens falsas de um ficitício apoio dos vereadores Rafael Diniz, Marcão, José Carlos e do ex-prefeito Arnaldo Viana a Lula. É fácil deduzir de onde vem o embuste. Casas caindo Se a casa de Lula caiu por conta de um sítio em Atibaia, aqui, uma das maiores fazendas da região e uma enorme área de terra perto de Donana, entre muitas outras coisas, têm potencial para fazer desabar uma famosa casinha... Verdade Lá, como cá, a redenção da economia depende da derrocada de um pernicioso grupo político. O Brasil já está acordando, e o campista precisa seguir o exemplo... Odor Tem muita gente sentindo cheiro de eleições presidenciais junto com as municipais... Verdade Se a coisa já está cheirando mal, quando abrirem os tais containeres no sítio, pode feder... Há quem diga que a catinga pode ser mais forte do que a de álcool...
Comentar
Compartilhe
Herança maldida da Uenf faz professor atravessar o samba ofendendo jornalista
27/01/2016 | 02h32
herança-1 Diante da divulgação do tamanho da dívida da Uenf (9 milhões de reais até novembro de 2015, uma “Herança Maldita” das administrações anteriores para a nova reitoria), o pesquisador de engenharia civil Fernando Saboya de Albuquerque Júnior, que atuou ativamente na administração do reitor Raimundo Braz, quando foram plantados os “ovos da serpente” de outras desastrosas administrações que o sucederam, utilizou o grupo de discussão da Uenf, onde deveriam ser debatidos apenas assuntos de relevância científica e educacional, para agredir moralmente esse blogueiro. Como se diz por aí, na falta de argumentos, o professor partiu para ofensas. Saboya-cavacoO professor Saboya, exímio cavaquinista, função que dizem exercer muito melhor que a de pesquisador, ao perceber que havia “atravessado o samba”, expondo-se a uma Ação de Reparação por Danos Morais, que está sendo estudada por meus advogados, simulou uma mal enjambrada retratação, onde diz que “talvez”, confira abaixo, tenha usado um termo não adequado. Nota-se claramente que não houve aí a menor intenção de uma verdadeira retratação. O cavaquinista é apontado como amigo íntimo do ex-reitor Almy Jr. que ao saiu pela porta dos fundos da reitoria daquela universidade com o seu “telhado de vidro” estilhaçado sob uma verdadeira saraivada de procedimentos investigativos do Ministério Público para apurar os fortes indícios de irregularidades cometidas durante a sua gestão, como a milionária aquisição de centenas de TVs, as estranhas obras paralisadas do “bandejão” e, também, autor de outras coisinhas nada éticas, como a utilização de placas falsas em carro da reitoria. Pelo que se vê, o professor parece ter tomado as dores das administrações anteriores que levaram a Uenf ao fundo do poço em que está. Diz o professor que “a dívida existiria ainda que fosse o mesmo Reitor. Isso é a realidade há 23 anos. Ano após ano, independente de quem ocupa o cargo.” Tenho lá as minhas dúvidas, e acredito que a maioria dos docentes da Uenf também as tenham. Afinal, tantos erros não justificam outros. Percebe-se que o, agora irado, cavaquinista, talvez (termo que ele gosta de usar) tenha mesmo muito mais intimidade com o seu instrumento musical predileto do que com as coisas afetas à administração e à construção civil. Já que a famosa Centrífuga Geotécnica da Uenf, sob seus auspícios, comprada por 750 mil dólares em 1995, só saiu das caixas onde estava em 2002, entrando realmente em operação cerca de dez anos após terem sido adquiridas. Parte desse atraso foi creditado ao fato de o prédio construído especificamente para ela não ter suportado o seu funcionamento, apesar de o professor Saboya ser pesquisador de engenharia civil. Mas, uma coisa é certa, o cavaquinista está se dando muito mais importância que, talvez (olha o termo que ele gosta aí de novo) realmente tenha. Melhor faria dedicando-se ao seu mister no cavaquinho, pois a música acalma o espírito até dos mais estultos. O blog está à disposição para publicar a sua réplica, caso queira, e tenha argumentos que não sejam ofensivos. (Leia abaixo os textos anteriores do professor Saboya) Textos do professor Saboya A canalhice jornalística não tem mesmo limites: Isso nunca foi herança da administração anterior. A dívida existiria ainda que fosse o mesmo Reitor. Isso é a realidade há 23 anos. Ano após ano, independente de quem ocupa o cargo. Cabe ao atual Reitor se dirigir ao Jornalista da Folha da Manhã e corrigir essa informação leviana de "herança maldita da administração anterior", caso não queira ser cúmplice de uma leviandade. Fernando Saboya Junior Retratação mal enjambrada É talvez vc tenha razão quanto ao termo que usei já que não conheço o jornalista, e aqui me retrato pois tratou-se de uma ofensa pessoal e eu não poderia ter usado esse termo. Se ele me interpelar, me retratarei. Mas a minha crítica ao teor leviano da reportagem eu mantenho! Sabemos quem é sua fonte! Aliás, o mato tá subindo que é uma beleza!!!
Comentar
Compartilhe
Blog alerta e comerciantes reagem no Mercado
19/11/2015 | 02h01
[caption id="attachment_5795" align="aligncenter" width="960"]Levados ao desespero pelo descaso oficial, comerciantes reagem e derrubam tapumes deixando a vista mais problemas (Foto do Face de Ralph Braz) Levados ao desespero pelo descaso oficial, comerciantes reagem e derrubam tapumes deixando a vista mais problemas (Foto do Face de Ralph Braz)[/caption] [caption id="attachment_5784" align="aligncenter" width="960"]A deddrubada dos tapumes revelou mais problemas (Foto do Face de Ralph Braz) A derrubada dos tapumes revelou mais problemas (Foto do Face de Ralph Braz)[/caption] O alerta desse blog sobre os grandes prejuízos e o alto risco causado pela paralisação das obras da absurda tentativa de empachamento o Mercado Municipal de Campos com um paquidérmico Camelódromo de dois andares, sem que a prefeitura tomasse as providências adequadas para evitar os prejuízos dos comerciantes e o forte risco de incêndio no lixão em que o canteiro de obras havia se transformado, fez com que os comerciantes reagissem e tombassem os tapumes (AQUI), revelando que, além dos riscos já citados e do prejuízo para o patrimônio histórico e arquitetônico de todos os campistas, existe um grave risco de saúde para a população, com os grandes buracos cheios de água parada, criadouros férteis para as lavras do Aedes Aegypti, transmissor da Dengue e da Zica, que levando o país a um epidemia de microcefalia. [caption id="attachment_5790" align="aligncenter" width="960"]Criadouro Municipal de Aedes (Foto do Face de Ralph Braz) Criadouro Municipal de Aedes (Foto do Face de Ralph Braz)[/caption] [caption id="attachment_5792" align="aligncenter" width="960"]O espaço público livre poderia ser aproveitado para uma praça que serviria a toda a população ((Foto do Face de Ralph Braz) O espaço público livre poderia ser aproveitado para uma praça que serviria a toda a população ((Foto do Face de Ralph Braz)[/caption] Que sirva de exemplo para todos os campistas que, de uma forma ou outra, são prejudicados por decisões oficiais equivocadas. A passividade é cúmplice dos desmandos.
Comentar
Compartilhe
Fumaça na Uenf
06/08/2015 | 11h28
quimando-aspirador     Enfumaçando Depois do resultado da eleição, os trituradores de documentos da Uenf andam fumegando de tanto trabalhar. Descarrilada Luís Passoni e Tetê Peixoto, eleitos Reitor e vice-Reitora da Uenf, terão uma espinhosa missão pela frente para colocar a universidade de volta aos trilhos após tantos anos de descarrilamento. Paralelos Seria cômico, se não fosse trágico, observar como a prefeitura de Campos parece com o Palácio do Planalto e como a Uenf parece com a Prefeitura...
Comentar
Compartilhe
Masculinizadas
21/07/2015 | 12h24
marombada-1-corExageradas Malhação, alimentação correta etc.. Tudo pela saúde. Mas, nem para todo mundo. O excesso de vaidade, malhação e a utilização de produtos químicos não recomendados estão criando uma geração de mulheres masculinizadas, de corpos ultra-definidos e nada femininos. Pernas de gladiadores, barrigas de tanque, muques de Tarzan, vozes de travesti... Para quem gosta, um prato feito...   Bonecas do Waldir Noite dessas observava a romaria em direção àquela boate da Pelinca. Passava de tudo, mas as marombadas eram maioria. Saias curtas ou shorts mostrando as musculosas coxas de jogadores de futebol. Lá iam elas, latinhas de cerveja na mão, cabelos oxigenados e bocas mal pintadas de vermelho, totalmente deselegantes, claudicantes, tentando toscamente se equilibrar nos saltos altos, como antigos foliões vestidos de mulher na Boneca do Waldir... Deprimente. Mas, como já disse, há quem goste.
Comentar
Compartilhe
Próximo >