O sorriso de Zezé...
29/07/2016 | 05h36
garotinho-zeze-1 O sorriso de Zezé já dizia tudo... Ele só não imaginava o que o futuro reservava para Campos (arquivo pessoal)
Comentar
Compartilhe
Cicatrizes, por Christiano...
04/06/2016 | 06h06
No início do mês passado fiz uma pausa de uma semana por aqui. A principal providência para descansar, no meu ponto de vista, além de sair da cidade para quebrar a rotina, é a desconexão dos instrumentos de trabalho e dos dispositivos que nos auxiliam e também escravizam.
FMANHA.COM.BR
No início do mês passado fiz uma pausa de uma semana por aqui. A principal providência para descansar, no meu ponto de vista, além de sair da cidade para quebrar a rotina, é a desconexão dos instrumentos de trabalho e dos dispositivos que nos auxiliam e também escravizam. A primeira medida foi deixar o notebook em casa. A segunda foi sair das principais redes sociais, como Facebook e WhatsApp, apagando os aplicativos do smartphone. O ideal seria também deixar o celular, mas com parte da família ficando não há como. Além do que, hoje o smartphone substitui vários dispositivos úteis em uma viagem, sendo ao mesmo tempo câmera fotográfica, GPS, som, xerox de revistas e fonte de pesquisa. A ida para um lugar com sinal ruim de Internet também ajuda, evitando possíveis “recaídas”. Aproveitei para preencher parte de uma lacuna, colocando, após longo tempo, a leitura em dia, ajudado pelo cenário de praias desertas em baixa temporada. Um dos livros que levei foi “Cicatrizes na Parede”, escrito pelo jornalista Esdras Pereira. Baseado em muita pesquisa feita pelo escritor, o livro mistura ficção e realidade, narrando a saga dos negros, desde a sua captura na África para servir como escravos aqui em Campos, passando pela escravidão, pela abolição, pela época áurea da cana-de-açúcar, pelos salões glamourosos da sociedade campista do século passado, até chegar aos dias atuais. “Cicatrizes na Parede” é um romance repleto de personagens fortes, muitos deles inspirados em figuras conhecidas da sociedade campista, que sofre forte crítica no livro. Como cenário, vários locais que marcaram gerações, alguns ainda de pé até hoje, todos presentes na memória da cidade. A ótima estória passa também por fatos relevantes da história recente de Campos, sempre misturando realidade com alguma ficção. Há forte presença de erotismo na trama, que passa por relações sexuais entre raças distintas e classes distintas, e por temas como homossexualismo e prostituição. Para ilustrar o livro, os traços perfeitos dos desenhos do artista plástico João de Oliveira. “Cicatrizes na Parede” é de fácil leitura, tendo apenas o primeiro capítulo, “A Origem”, de entendimento um pouco mais complexo, mas necessário para a compreensão de toda a trama que se desenrolá dali em diante. Devorei o livro em uma tarde e uma manhã de praia. É daqueles livros que você não consegue parar de ler, atraído pelo que virá no passo seguinte da ótima trama. Talentoso em tudo o que faz, seja no fotojornalismo, no colunismo social, na gastronomia ou no design gráfico, Esdras Pereira revelou, com sucesso, mais uma faceta sua, a de escritor. O livro pode ser adquirido aqui, na Editora Autografia, ou aqui, em versão eletrônica, na Amazon.
(Christiano Abreu Barbosa)
Comentar
Compartilhe
Livro do JB com histórias de jornalistas campistas
22/02/2016 | 12h48
livro-1 A jornalista Belisa Ribeiro recebe o carinho dos filhos Gabriel Pensador e Tiago Mocotó no lançamento do seu livro "Jornal do Brasil - História e Memória", onde narra as grandes reportagens do jornal, entre elas duas do saudoso jornalista Aluysio Barbosa e desse blogueiro. Segundo ela: “Tudo valeu! Porque era feito com garra, mas também com amor. Meu livro é sobre imprensa. Sobre criatividade, ousadia e coragem. Ouvindo meus filhos cantarem para mim, no lançamento, descobri que também é sobre isso. Sobre o amor incondicional que nós, jornalistas do Jornal do Brasil, tínhamos e temos por nossa profissão”.belisa-filhos-2-X livro-2livro-3 livro-4
Comentar
Compartilhe
Por Água Abaixo
05/03/2015 | 12h54
capa dupla.indd   Surfando O gaiato “surfando” no interior do Camelódromo na oportuna foto de Valmir Oliveira, publicada em página inteira em ótima capa da Folha, espelhou com muita ironia e bom humor a quantas anda a paciência do campista com o governo Rosinha. Verdade Na primeira chuva forte, as obras da prefeitura foram por água abaixo...
Comentar
Compartilhe
Infla Bloc
15/02/2014 | 09h27
Em tempos de inflação em alta e Black Bloc patrocinado em baixa, deve vir por aí a “Operação Cento e Cinquentinha”...
Comentar
Compartilhe
Mauro Silva diz que volta mais leve e feliz para o Governo Municipal
31/08/2013 | 01h07
O ex-vereador Mauro Silva está animadíssimo com seu retorno à Secretaria de Comunicação. Depois de perder 27 quilos, de uma meta ainda a ser atingida de 50, ele se diz como muita disposição física e psicológica para a carga de trabalho inerente ao cargo. Segundo ele: “vou feliz porque o trabalho no governo é mais dinâmico e agora estou mais leve e com muito mais disposição”. Côncavo & Convexo A reação popular à mudança na Câmara que levou Mauro Silva de volta à Secretaria de Comunicação deixou uma questão no ar para quem não conhece os atores do caso: porque um foi tão festejado e outro não? Quem conhece os dois sabe a resposta de cor e salteado...
Comentar
Compartilhe
Jornalista Aluysio Barbosa será homenageado durante posse na Fundação Benedito Pereira Nunes
25/03/2013 | 01h14
      O saudoso jornalista Aluysio Barbosa, fundador da Folha da Manhã, será um dos homenageados hoje com a Medalha do Mérito Benedito Pereira Nunes (in memorian). A comenda será entregue à família durante a cerimônia de posse da nova diretoria da Fundação Benedito Pereira Nunes, capitaneada pelo médico Márcio Sidney de Souza, sucedendo a diretoria presidida pelo médico Jair Araújo, após quatro anos de realizações à frente da entidade.
Comentar
Compartilhe
Suledil, o comunicador
21/03/2013 | 06h26
O Secretário Municipal de Governo Suledil Bernardino anda parecendo o homem certo no lugar errado. Sua eficiência na divulgação dos eventos municipais através de e-mails está colocando a turma da Comunicação no chinelo... Vai dar ciúme...
Comentar
Compartilhe
Reuters no Açu
18/03/2013 | 01h15
O jornalista Jeb Blount, correspondente da Reuters News, está levantando uma consistente reportagem na região, mas não se trata de royalties. Ele veio conferir de perto os efeitos da salinização causada por obras do Porto do Açu. Após reunião com os doutores Carlos Rezende,chefe do Laboratório de Ciências Ambientais da Uenf, e Marcos Pedlowski, foi a campo com a doutora Marina Suzuki. Vamos aguardar os resultados.
Comentar
Compartilhe
Prof. Carlos Rezende fala sobre visita do presidente da OSX à UENF
22/02/2013 | 04h07

Do Blog do Pedlowski (AQUI)

Entrevista com Carlos Rezende sobre visita do presidente da OSX à UENF

Essa semana foi marcada pela notícia divulgada pelo jornalista Esdras Pereira de que o presidente da OS(X), Carlos Bellot, havia estado na UENF para uma reunião com o Prof. Carlos Eduardo Rezende, que é quem vem liderando as pesquisas realizadas pelo Laboratório de Ciências Ambientais sobre o processo de salinização que está em curso no V Distrito de São João da Barra, procurei novamente.
De modo a dar mais informações sobre o que ocorreu nesta reunião, procurei novamente o Prof. Carlos Rezende para que ele nos desse uma panorâmica dos motivos da reunião e do que foi discutido nela.
As respostas vão abaixo, e mostram que aparentemente a direção da OS (X), com as benções de Eike Batista, resolveu passar da fase de negação do problema para uma onde ela seja efetivamente enfrentada. Vamos esperar que a mudança não fique apenas no plano das intenções.
Blog do Pedlowski (BP): Novamente estamos procurando o senhor para uma conversa sobre os avanços da questão regional e neste sentido gostaríamos de perguntar alguns detalhes sobre os problemas decorrentes da salinização. Soubemos que o senhor teve uma reunião com o Presidente (CEO - Chief Executive Officer) da OSX. Isto é verdade?
CER: Sim, tive uma reunião que considero ter sido muito produtiva com o Dr. Carlos Eduardo Bellot. Eu conheço o Dr. Carlos há muitos anos, quase quatro décadas, pois nós dois somos de Niterói e, de certa forma, mantivemos vínculos pessoais e profissionais ao longo desse tempo. Primeiro enquanto o Dr. Bellot esteve à frente da Gerência para a Bacia de Campos, e depois na Bolívia onde gerenciou as atividades da Petrobras. A conversa aconteceu nas dependências do Laboratório de Ciências Ambientais da Universidade Estadual do Norte Fluminense, e ali conversamos sobre várias dificuldades na gestão ambiental de projetos de desenvolvimento econômico. Em um primeiro momento falamos das atividades que executamos juntos na Petrobras no Brasil e exterior. Depois falamos da importância dos aspectos ambientais e sociais que envolvem estes empreendimentos.
BP: O que motivou este encontro?
CER: Certamente o que motivou este encontro foi o problema de salinização da região do entorno do Complexo Industrial-Portuário do Açu, e isto ficou muito claro durante nossa conversa. Na sua exposição inicial o Dr. Bellot me disse que veio conversar comigo pessoalmente, pois gostaria de ouvir minhas considerações, sem que tivesse qualquer tipo de interlocutor já que havia notado em vários momentos que meu nome era citado, e como nos conhecemos há muito tempo seria importante conversarmos sobre um assunto que interessa diretamente à OSX. Assim, o Dr. Bellot pediu que eu fizesse uma breve exposição sobre todas as questões que eu considerasse relevante, independente deste problema. Como já informei anteriormente a este blog, o processo de salinização ocorreu porque houve uma dispersão das águas associadas aos sedimentos que estavam sendo dragados e formavam o aterro hidráulico adjacente às obras do estaleiro da OSX. Naquela ocasião tínhamos um ambiente com baixa pluviosidade e em algumas áreas começaram a brotar poças de águas. Estas poças, por sua vez, estavam comprometendo as culturas de pequenos agricultores da região e quando medimos a condutividade, ou, salinidade, vimos que os valores eram elevados, mesmo para a região.
A única explicação para a ocorrência desse processo naquele momento seria a atividade de dragagem e a formação do aterro hidráulico. Mais tarde, isto se confirmou por meio das nossas coletas de água. Entretanto, até o momento não sabemos exatamente a totalidade da área que foi afetada por este problema.
Eu inclusive informei ao Dr. Bellot que após este período de chuvas ocorreu uma dispersão dos sais depositados nos sedimentos. Neste ponto, eu gostaria de destacar o papel fundamental do jornalista e blogueiro Esdras Pereira. Este profissional não se curvou às inúmeras tentativas de calúnias sobre as pesquisas científicas que estávamos realizando, e demonstrou um forte comprometimento com a verdade e com os cidadãos de São João da Barra e de Campos. Eu fico impressionado como algumas pessoas da região se curvam diante de qualquer situação e não tem o menor pudor ético. Neste sentido, o papel do Esdras foi fundamental até para que o Grupo EBX reconhecesse que seus dirigentes deveriam ficar atentos para os problemas que estavam acontecendo em decorrência da construção do Complexo do Açu.
BP: Ainda sobre o tema central desta reunião o que foi tratado?
CER: Na realidade, segundo o Dr. Bellot, a OSX tem total interesse em tratar deste assunto, assim como pretende desenvolver estudos que reduzam qualquer tipo de possibilidade de impacto ao meio ambiente; além de ações sociais que possam transformar a realidade socioeconômica dos pequenos produtores rurais que vivem no V Distrito. Ouvindo esta colocação fiquei satisfeito, pois, considero que este posicionamento seja fundamental para iniciar um resgate das relações, principalmente com os pequenos produtores rurais da região.
Eu disse ao Dr. Bellot que o processo de desapropriação foi traumatizante, e criou uma série de arestas que precisam ser aparadas o mais rápido possível. Mas em nossa conversa, nós dois reconhecemos que neste momento será muito difícil, porém, este é um desafio que precisa ser encarado pela OSX.
BP: O senhor gostaria de falar sobre algum outro ponto abordado na reunião?
CER: Na realidade gostaria de dizer que a reunião foi excelente e espero, sinceramente, que a OSX tenha uma atitude pró-ativa em relação à questão social e ambiental no V Distrito.  Um ponto que deixei claro foi a fragmentação das ações que a OSX e outras empresas do Grupo EBX têm em relação ao meio ambiente e o forte trauma causado pela desapropriação das terras dos pequenos agricultores, além da atitude pouco simpática da segurança da empresa.
As pessoas podem se perguntar, o que significa esta fragmentação? Eu percebo que existem muitos interlocutores para um mesmo assunto, e quando existem muitas pessoas falando sobre um assunto, ninguém é realmente responsável sobre um problema que eventualmente ocorra. As ações que têm sido adotadas na construção do Complexo do Açu são muito dispersas e, sinceramente, não acredito que as coisas funcionem bem desta forma. Por isso, penso que as empresas do Grupo EBX que estão atuando na construção do Complexo do Açu precisam corrigir esta rota com urgência. Não podemos tratar as questões ambientais da forma como estão sendo tratadas. O resultado da atual forma gestão está aí, apresentando muitos questionamentos e impactos. Esta não é a melhor forma de iniciar um empreendimento deste porte. Estou orientando um trabalho de pesquisa na região do Farol de São Tomé, e a percepção dos pescadores artesanais marinhos em relação ao Complexo do Açu não é das melhores. O Grupo EBX precisa definitivamente trabalhar melhor a questão social, caso contrário, será visto por um viés negativo enquanto poderia estar realmente agregando mais valores sociais, econômicos e ambientais para a região Norte Fluminense.
Finalmente, agradeço novamente ao espaço e coloco-me a disposição do blog para eventuais esclarecimentos.
Comentar
Compartilhe
Próximo >