Rosinha joga 70 mil reais no "Lixo da história"
13/01/2017 | 08h38
Revista-Rosinha-X Achei um exemplar da luxuosa revista de despedida de Rosinha “Um legado de Esperança” jogado em uma lixeira no Calçadão, curioso, inspecionei o conteúdo. A fotonovela mexicana misturava Maria do Bairro com Rosinha da Lapa. Na estranha revista, Rosinha não deixou a cidade quebrada, a Saúde em frangalhos, obras paradas ou milhões em dívidas com fortes indícios de apropriação indébita. A publicação é uma obra de ficção tão surreal que a deixei cumprir o seu inglório destino. Foi direto do lixo do Calçadão para o lixo da história. Mas, não sem antes pesquisar o custo para divulgar tais balelas e absurdos. A publicação, atribuída ao Diretório Municipal do Partido da República, teria custado cerca de 70 mil reais, de acordo com o orçamento solicitado por essa coluna, com as mesmas especificações da revista de Rosinha, papel, número de páginas e quantidade de exemplares, à Plural Editora e Gráfica LTDA, a mesma gráfica que imprimiu os 35 mil exemplares registrados no expediente da revista. Veja abaixo o expediente da revista com as especificações de 35 mil exemplares na Plural: Revista-Expediente Veja agora o orçamento fornecido pela Plural para o blog seguindo as mesmas especificações: @Version:241; Vamos convir que 70 mil reais, uma quantia enorme para a grande maioria dos campistas que suam trabalhando todo dia para receber um salário mínimo, é uma quantia irrisória para o sórdido e inalcançável objetivo que esse grupo político pretende atingir: transformar a dura realidade de uma cidade que deixou para trás arrasada, em um rosáceo conto de fadas impossível de engolir até para os mais ingênuos cidadãos. 70 mil é pouco, nem com 70 vezes 700 vai conseguir apagar os seus rastros.
Comentar
Compartilhe
Linda Mara e companheiras presas passeando em Copacabana, virão para presídio em Campos
31/10/2016 | 01h54
[caption id="attachment_6202" align="alignleft" width="436"]Vai ver o sol nascer quadrado Vai ver o sol nascer quadrado[/caption]       Foragidas da Justiça desde a ultima semana, Linda Mara Silva, Beth Megafone, Ana Alice e seu marido, conhecido como Luiz Careca, foram presas agora pela manhã quando passeavam pela badalada Avenida Barata Ribeiro, em Copacabana, e levadas para a Superintendência da Polícia Federal no Rio, na Praça Mauá. ATUALIZAÇÃO:

Segundo o delegado da Polícia Federal Paulo Cassiano as três foragidas capturadas no Hotel Augustus, no Rio, após passeio por Copacabana, a vereadora e ex-secretária particular de Rosinha Linda Mara, sua cabo eleitoral Beth Megafone, a secretária Municipal de Desenvolvimento Humano e Social, Ana Alice Alvarenga Ribeiro Lopes, e seu Luís Careca, serão transferidos para Campos e distribuídos pelos presídios Carlos Tinoco (feminino) e Casa de Custódia Dalton Castro (masculino). Os presos responderão por suspeita de envolvimento na utilização de Cheque Cidadão em compra de votos.

Comentar
Compartilhe
Sem líder, sem rumo. "Tamo" frito...
28/12/2015 | 02h55
oposi-1 Essa foto da oposição campista de mãos juntas mais me preocupou do que animou. Falta líder...
Comentar
Compartilhe
Deficientes intelectuais
06/09/2015 | 06h54
cadeira-orelhas-3       Quando a gente pensa que já viu de tudo nesse governo Rosinha, aparece mais uma. Dessa vez a prefeita sancionou uma lei enviada pela Câmara Municipal que prevê a reserva de uma cota de assentos nas praças de alimentação dos shoppings para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Até aí tudo bem. O estranho é que entre as deficiências mentais, sensoriais e físicas, incluiu-se a “intelectual”. Quem não lê livros e os analfabetos também terão esse direito, ou vai ter alguma espécie de Enem para julgar isso? Melhor reservar cadeiras na primeira fila para quem escreveu e para quem sancionou esse texto... E tem mais, com o município na lanterna do Ideb como um dos piores no quesito educação, não vai haver cadeira que chegue...
Comentar
Compartilhe
Meninas de Guarus assobram envolvidos
27/06/2015 | 06h48
Puxando o pé As “Meninas de Guarus”, vítimas de pedofilia, aliciamento, drogas e homicídios, e ainda pivôs involuntárias de extorsão, voltam a assombrar os envolvidos. O Juízo da 3ª Vara Criminal de Campos expediu mandatos de intimação de testemunhas para audiência no dia 16 de julho. [caption id="attachment_4235" align="alignleft" width="640"]A Somos Assim denunciou, mas ninguém foi punido, apenas o cafetão A Somos Assim denunciou, mas ninguém foi punido, apenas o cafetão[/caption]
Comentar
Compartilhe
Saudades do Pateta?
25/06/2015 | 11h55
pateta-1     Quem andava triste achando que ia demorar muito para ver o Pateta pode voltar a sorrir. Os agendamentos de entrevistas para o visto americano já podem ser feitos pela internet e eles voltam a ser concedidos na segunda-feira. Mas quem votou na Dilma, basta olhar no espelho...
Comentar
Compartilhe
GVT com 4 pés esquerdos em Campos
13/01/2015 | 04h55
GVT-arapuca-GVT No topo do ranking A nossa cidade está mesmo muito mal servida de operadoras de TV a cabo, telefonia e internet. Mas a GVT está superando negativamente todas as outras, parecendo ter se estabelecido com 4 pés esquerdos em Campos. Armadilha para o consumidor Oferecendo um serviço telefônico de péssima qualidade, a operadora monta uma verdadeira armadilha para o consumidor ao vender planos casados de TV, telefone e internet. Mas ele só descobre a arapuca em que se meteu ao tentar cancelar a linha telefônica e descobrir que não poderá fazê-lo sem que tenha que cancelar todo o seu “pacote”, acarretando, apesar da diminuição dos serviços prestados, aumento de custo, ao ser obrigado a pagar por cada serviço em separado. Pode isso? Essa estratégia carregada de má fé parece configurar venda casada disfarçada nos tais “combos”, que configuraria prática vedada pela lei do consumidor. Experiência própria Falando por experiência própria, após dois anos pagando a linha telefônica, sempre defeituosa, e, por conta disso, acumulando prejuízos, perdendo clientes e serviços, além de acumular o estresse de dezenas de “protocolos” de reclamações e solicitações de visitas técnicas, sem solução satisfatória, com os mesmos defeitos se repetindo, ao tentar cancelar o serviço fui surpreendido com a informação de que não poderia cancelar a linha sem cancelar todos os outros serviços, e que fazendo novo plano ele ficaria mais caro. Omitindo fidelização Ao insistir no cancelamento e relatar meus prejuízos com o longo histórico de defeitos, o que pode ser facilmente verificado pelas dezenas de protocolos de reclamações, a atendente Amanda me fez por escrito (e-mail) uma oferta de redução de custos como "compensação", mas, na realidade, apenas me mudaria o plano telefônico, que deixaria de ter ligações ilimitadas e passaria a ter outra modalidade com todas as ligações sendo cobradas. Mais lamentável ainda foi descobrir, em outra ligação para a GVT, que a atendente deliberadamente havia omitido que haveria uma "fidelização" de 12 meses, sujeita a multa de 700 reais caso cancelasse o plano nesse prazo, e, após ele, o preço voltaria ao anterior. Dificultando gravações Para complicar um pouco mais, apesar das solicitações das gravações, todas devidamente protocoladas, nenhuma delas foi disponibilizada no site da GVT, como prometido pelo atendente em relação à atual ligação e a da proposta de redução de custos, mostrando mais uma vez a grande dificuldade da GVT em cumprir a legislação que rege o setor. Um pouco de respeito faria bem... De todo o relatado, não resta mais esperanças de ter um serviço telefônico de qualidade oferecido pela GVT, mas faço uma ressalva quanto aos serviços de sinal de TV e internet, dentro do que se pode considerar razoável. Agora resta aguardar as providências da GVT, e que elas não sejam de retaliação, mas de respeito e consideração pelo consumidor que acreditou na empresa.
Comentar
Compartilhe
Rosinha poderá renunciar?
30/12/2014 | 01h54
gato-2-saco Saída pela esquerda Está se configurando o que muita gente já desconfiava, Rosinha busca uma “saída pela esquerda” como o "Leão da Montanha", um gatão de um antigo desenho animado, ou uma saída qualquer como o esperto "Gato Manda Chuva"  de outro desenho, três personagens que gostam  da cor rosa. Segundo adiantou Cláudio Andrade em seu blog, seus advogados, particulares ou não, estão procurando uma brecha jurídica para a renúncia da prefeita dois anos antes do fim do mandato, o que seria uma tentativa de criar a possibilidade de um membro da família se habilitar a sua sucessão, já que o casal prefeito não admitiria, tanto por falta de confiança, quanto por falta de votos, que outros membros do seu grupo político disputassem o cargo, restando como alternativa o filho Wladmir, aquele que fala incômodas verdades sobre o governo materno. Efeitos colaterais Por outro lado, uma vertente desconfia que essa renúncia, coincidentemente após a ampla divulgação do rombo no caixa da PMCG, a venda dos royalties, e da carta branca para mexer no orçamento, poderia ser motivada pela forte preocupação da prefeita com futuras responsabilizações. Certo & Incerto O certo é que o futuro do grupo é incerto, já que a saída de Rosinha deixaria Edson Batista na cadeira de prefeito durante dois longos anos, tempo em que muita coisa pode acontecer, e Magal, que já não reza por sua cartilha, como forte candidato à presidência da Câmara, restando como opção apenas Thiago Virgílio. Para piorar a situação, a imunidade parlamentar do chefe do clã está a poucos dias do fim, o que deverá mantê-lo bastante ocupado com seus próprios, e muitos, problemas.
Comentar
Compartilhe
Garotinho & Rosinha - Modus operandi
21/11/2014 | 02h36
bonnie-clyde    Eleito governador em 1998, durante a sua gestão, Garotinho renegociou a dívida do Estado do Rio, dando como garantia de pagamento os royalties do petróleo. Em 2003, a sua esposa, a atual prefeita de Campos Rosinha, então governadora, enviou mensagem à Assembleia Legislativa pedindo convocação extraordinária dos deputados para votar projeto de lei que autorizava o Executivo a antecipar R$ 300 milhões da receita de royalties, oferecendo como garantia o repasse de royalties feito pelo governo federal ao longo do ano. Agora a prefeita Rosinha foi autorizada pela maioria do governo na Câmara Municipal de Campos a ceder a instituições públicas, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, os recursos dos royalties, participações especiais e compensações oriundas do petróleo e gás natural até 31 de dezembro de 2016.  Lembra do slogan em defesa dos royalties “O petróleo é de todos, mas os royalties são nossos!”. Pois é, agora são dos bancos...
Comentar
Compartilhe
A trilha do momento - Campos, São João da Barra e Estado do Rio
06/10/2014 | 12h25
[youtube]http://youtu.be/lYfq5vARrVw[/youtube]
Comentar
Compartilhe
Próximo >
Sobre o autor

Esdras

[email protected]