Doce salgado
21/01/2013 | 06h35
O professor e pesquisador Carlos Eduardo Rezende, da Uenf, em missão profissional nos Estados Unidos, na Washington and Lee University, não vê a hora de retornar a Campos para ver de perto a repercussão do reconhecimento oficial dos resultados da pesquisa da equipe que lidera, que apontou a salinização do Açu por conta das obras do porto. O pesquisador daria um doce para ver a cara da turma que tentou desqualificar o trabalho científico...
Comentar
Compartilhe
Salinização:Quem indenizará os produtores e a população do 5º Distrito?
17/01/2013 | 02h21
  Blog  e Somos Assim publicaram a denúncia em primeira mão E agora, como fica? Agora, com a denúncia da salinização do Açu pelas obras do porto, veiculada em primeira mão pelo site Somos Assim e por esse blog em outubro (AQUI), finalmente sendo admitida pelas autoridades ambientais e divulgada nacional e internacionalmente, até pela fortíssima Agência Reuters, ficam várias questões no ar: 1) Por que o Inea da região, já conhecido pela vasta inoperância e incompetência, fez corpo mole para apurar o que pode ser considerado o maior desastre ambiental da região? 2) Por que a ex-prefeita Carla Machado preferiu ignorar os fatos, comprovados cientificamente por um grupo de pesquisadores respeitados internacionalmente, e não tomou providências para conter os danos, e, estranhamente, ainda insistiu em inaugurar festivamente uma distribuição de água salinizada que coloca em risco a saúde da população do 5º Distrito? 3) Por que o Secretário de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de São João da Barra, na época, insistiu em tentar desqualificar o sério trabalho dos pesquisadores da Uenf, ao invés de tomar providências? 4) Por que só agora as autoridades ambientais do Governo do Estado se manifestaram e, assim mesmo, usando falácias tipo “se cabe ou não multa”, “houve transbordamento de canal de água”, quando se sabe que milhares e milhares de toneladas de areia com água salgada foram e estão sendo despejadas diretamente no solo (como provam as próprias fotos do site da LLX), ao contrário do previsto no projeto de licenciamento, que previa contenção, impermeabilização e direcionamento da água salgada de volta ao canal escavado? 5) Despejar diretamente a água salgada no solo, sabendo das graves consequências com a salinização dos cursos d’água e da terra, não faria parte de uma maquiavélica estratégia para exterminar as lavouras e expulsar aqueles produtores rurais que resistiram às desapropriações das sua terras para ocupação da LLX, com aval do Estado? 6) Quem irá pagar as eventuais milionárias indenizações aos proprietários rurais que perderam terras e lavouras, e à população com a saúde em risco pela ingestão de água salinizada imprópria para consumo humano: a EBX, a prefeitura de São João da Barra, a ex-prefeita que permitiu, ou o Governo do Estado? 7) O que dirão agora os que tentaram desqualificar as pesquisas do Laboratório de Ciências Ambientais Da Uenf, a Somos Assim e esse blog, no programa de rádio de Carla Machado, em São João da Barra? Em Tempo: O blog está aberto para publicar as respostas, caso os questionados as tenham.
Comentar
Compartilhe
Briga de cachorro grande
31/01/2013 | 08h29
Os menos observadores podem até não ter percebido, mas já foram iniciadas fortes articulações para uma eventual nova eleição em São João da Barra, na expectativa de que a sentença sobre o caso das filmagens secretas das compras de cabos eleitorais seja desfavorável ao grupo governista. Todas as ações sobre o tema, movidas por várias fontes, estão sendo reunidas em uma só e os depoimentos das testemunhas serão marcados para breve. Como a vertentes políticas de Campos e São João da Barra são interligadas e disassociáveis, as articulações estão acontecendo nos dois municípios. Entre os peixes miúdos, ainda não dá para saber quem é quem nessa história. Mas, uma coisa é certa, caso aconteça uma nova eleição, a disputa pelo poder em São João da Barra vai ser uma briga de cachorro grande com rounds em São João da Barra, Campos e Rio de Janeiro.
Comentar
Compartilhe
SJB- Mercado aquecido e profissional
22/01/2013 | 01h42
O mercado imobiliário de São João da Barra anda aquecido e cada vez mais profissional. Empreendimentos em SJB têm sido um sucesso. Esta semana, empresa comemora boom de vendas em loteamento na área central, com 100% das exigências legais cumpridas, tanto no ramo municipal quanto cartorário, convocando os compradores a solicitarem escritura definitiva. Fica o exemplo.
Comentar
Compartilhe
“Jesus é nossa praia”
15/01/2013 | 05h49
Dentro do projeto “Canta Verão Gospel - Jesus é Nossa Praia”, no último fim de semana, dois shows musicais de fundo religioso agitaram Atafona, a cantora Adriana com um show católico, e o cantor Fernandinho, com um show evangélico. Em comum, os dois emocionaram bastante as suas diferentes plateias. Mas, em número de público, os evangélicos ganharam de goleada.
Comentar
Compartilhe
Audiência Pública Federal para debater salinização do Porto do Açu
23/01/2013 | 07h22
23/1/2013
Relatório da UENF aponta aumento da salinidade devido às obras do grupo EBX
O Ministério Público Federal em Campos dos Goytacazes (RJ) realizará audiência pública na segunda quinzena de março para discutir os danos ambientais relacionadas às obras do Complexo Portuário do Açu, no município de São João da Barra, no Norte Fluminense. A audiência pública foi convocada pelo procurador da República em Campos dos Goytacazes, Eduardo Santos de Oliveira, em local e data ainda a serem divulgados. A Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) Darcy Ribeiro elaborou um parecer técnico alertando sobre o aumento da salinidade na localidade do Açu, que evidências indicam ser resultado da intervenção ambiental ocorrida a partir de obras realizadas pelo grupo EBX/LLX para instalação do Complexo Portuário. Em dezembro de 2012, o MPF em Campos instaurou inquérito para apurar a salinização do canal do Quitingute, em São João da Barra. O processo de concentração progressiva de sais estaria ocorrendo por causa do aterro feito com areia retirada do mar, objetivando elevar a área para erguer o Distrito Industrial do Açu. O MPF expediu ofício ao Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e ao Grupo EBX/LLX para que informem as medidas adotas em relação às informações contidas nos pareceres técnicos emitidos pela UENF no prazo de dez dias. Assessoria de Comunicação Social Procuradoria da República no Rio de Janeiro Tels.: (21) 3971-9488/9460 http://twitter.com/MPF_PRRJ Leia AQUI
O blog do Pedlowski AQUI - noticiou em primeira mão
Comentar
Compartilhe
Doce salgado
21/01/2013 | 06h35
O professor e pesquisador Carlos Eduardo Rezende, da Uenf, em missão profissional nos Estados Unidos, na Washington and Lee University, não vê a hora de retornar a Campos para ver de perto a repercussão do reconhecimento oficial dos resultados da pesquisa da equipe que lidera, que apontou a salinização do Açu por conta das obras do porto. O pesquisador daria um doce para ver a cara da turma que tentou desqualificar o trabalho científico...
Comentar
Compartilhe
Conjecturas
10/01/2013 | 05h25
a) Navegando no terreno das conjecturas políticas, há quem acredite na possibilidade de Pézão, um grande articulador, mas raquítico de votos, forme chapa com Lindberg para um confronto com o casal Garotinho em 2014 na sucessão do governo do estado. b) Como em política nada é impossível, mesmo que seja muito improvável, também há quem vislumbre uma chance de Lindberg vir na mesma chapa que Garotinho.
Comentar
Compartilhe
Salinização:Quem indenizará os produtores e a população do 5º Distrito?
17/01/2013 | 02h21
  Blog  e Somos Assim publicaram a denúncia em primeira mão E agora, como fica? Agora, com a denúncia da salinização do Açu pelas obras do porto, veiculada em primeira mão pelo site Somos Assim e por esse blog em outubro (AQUI), finalmente sendo admitida pelas autoridades ambientais e divulgada nacional e internacionalmente, até pela fortíssima Agência Reuters, ficam várias questões no ar: 1) Por que o Inea da região, já conhecido pela vasta inoperância e incompetência, fez corpo mole para apurar o que pode ser considerado o maior desastre ambiental da região? 2) Por que a ex-prefeita Carla Machado preferiu ignorar os fatos, comprovados cientificamente por um grupo de pesquisadores respeitados internacionalmente, e não tomou providências para conter os danos, e, estranhamente, ainda insistiu em inaugurar festivamente uma distribuição de água salinizada que coloca em risco a saúde da população do 5º Distrito? 3) Por que o Secretário de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de São João da Barra, na época, insistiu em tentar desqualificar o sério trabalho dos pesquisadores da Uenf, ao invés de tomar providências? 4) Por que só agora as autoridades ambientais do Governo do Estado se manifestaram e, assim mesmo, usando falácias tipo “se cabe ou não multa”, “houve transbordamento de canal de água”, quando se sabe que milhares e milhares de toneladas de areia com água salgada foram e estão sendo despejadas diretamente no solo (como provam as próprias fotos do site da LLX), ao contrário do previsto no projeto de licenciamento, que previa contenção, impermeabilização e direcionamento da água salgada de volta ao canal escavado? 5) Despejar diretamente a água salgada no solo, sabendo das graves consequências com a salinização dos cursos d’água e da terra, não faria parte de uma maquiavélica estratégia para exterminar as lavouras e expulsar aqueles produtores rurais que resistiram às desapropriações das sua terras para ocupação da LLX, com aval do Estado? 6) Quem irá pagar as eventuais milionárias indenizações aos proprietários rurais que perderam terras e lavouras, e à população com a saúde em risco pela ingestão de água salinizada imprópria para consumo humano: a EBX, a prefeitura de São João da Barra, a ex-prefeita que permitiu, ou o Governo do Estado? 7) O que dirão agora os que tentaram desqualificar as pesquisas do Laboratório de Ciências Ambientais Da Uenf, a Somos Assim e esse blog, no programa de rádio de Carla Machado, em São João da Barra? Em Tempo: O blog está aberto para publicar as respostas, caso os questionados as tenham.
Comentar
Compartilhe
Carlos Minc confirma salinização do Açu
16/01/2013 | 02h56

Como esse blog noticiou em primeira mão, a salinização do Açu foi confirmada pelo Secretário Estadual do Meio Ambiente, Carlos Minc. Leia abaixo:

Agora é oficial: ex-ambientalista Carlos Minc confirma salinização no Açu!

Demorou um pouco, mas o ex-ambientalista Carlos Minc, atual (des) secretário estadual de Meio Ambiente, teve de vir a público reconhecer que as obras do Porto do Açu resultaram num processo de salinização na região do V Distrito de São João da Barra.
Duas coisas esquisitas neste reconhecimento:
1. As medidas feitas pelo Laboratório de Ciências Ambientais da UENF não encontraram salinização do lençol freático, mas das águas superficiais.
. O ex-ambientalista ainda está "analisando os problemas para ver se cabe ou não multa". Como assim, não sabe ainda se cabe multa? Ora, bolas, está claro que cabe multa e das grandes!
om, agora vamos ver o que falam aquelas vozes duvidosas que vieram à público para colocar em dúvida a capacidade científica e moral dos pesquisadores do Laboratório de Ciências Ambientais da UENF. Cabe, pelo menos, um pedido público de desculpas! Quanto antes, melhor!
RJ estuda exigências para barrar salinização no Porto do Açu
Por Diogo Martins | Valor
RIO - O secretário estadual do Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, disse que na próxima semana serão anunciadas medidas para que a LLX, que conduz as obras do Porto do Açu, em São João da Barra, Norte fluminense, se adapte a normas ambientais. Minc afirmou que procedem as denúncias feitas pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) de que as obras no porto estão gerando problemas de salinização no lençol freático da região. A LLX corre o risco de ser multada.
“Mandamos uma equipe até a região onde se localiza o porto, comandada pela Marilene Ramos [presidente do Inea] e foram constatados problemas de salinização”, afirmou Minc. “Estamos analisando os problemas para ver se cabe ou não multa”, disse ele.
O problema de salinização no lençol freático, afirmou Minc, pode comprometer as atividades de pesca e agricultura em São João da Barra. O anúncio, segundo o secretário, será
FONTE: http://www.valor.com.br/empresas/2972036/rj-estuda-exigencias-para-barrar-salinizacao-no-porto-do-acu#ixzz2I9mt8uTa Notícia  do blog do professor Marcos Pedlowski - Veja Aqui: Blog do Pedlowski
Comentar
Compartilhe
Suspeito da morte de radialista é preso pela PM em Atafona
14/01/2013 | 03h04
Conhecido pelo apelido de “Cachaça”, Gilmar Barreira Ramos Júnior, outro suspeito do assassinato do radialista Renato Machado, da Barra FM, foi preso em uma casa em frente ao Atafona Praia Clube pela PM, que cumpria mandado de prisão temporária de 30 dias. Segundo a delegada Madeleine Farias, também manco de uma perna, ele apontou Ricardinho Perneta como autor do crime. Ainda existem três mandados de busca e apreensão para serem cumpridos em Campos e em São João da Barra. Um deles poderá ser do mandante do crime.
Comentar
Compartilhe
Suspeito da morte de radialista é preso pela PM em Atafona
14/01/2013 | 03h04
Conhecido pelo apelido de “Cachaça”, Gilmar Barreira Ramos Júnior, outro suspeito do assassinato do radialista Renato Machado, da Barra FM, foi preso em uma casa em frente ao Atafona Praia Clube pela PM, que cumpria mandado de prisão temporária de 30 dias. Segundo a delegada Madeleine Farias, também manco de uma perna, ele apontou Ricardinho Perneta como autor do crime. Ainda existem três mandados de busca e apreensão para serem cumpridos em Campos e em São João da Barra. Um deles poderá ser do mandante do crime.
Comentar
Compartilhe
Briga de cachorro grande
31/01/2013 | 08h29
Os menos observadores podem até não ter percebido, mas já foram iniciadas fortes articulações para uma eventual nova eleição em São João da Barra, na expectativa de que a sentença sobre o caso das filmagens secretas das compras de cabos eleitorais seja desfavorável ao grupo governista. Todas as ações sobre o tema, movidas por várias fontes, estão sendo reunidas em uma só e os depoimentos das testemunhas serão marcados para breve. Como a vertentes políticas de Campos e São João da Barra são interligadas e disassociáveis, as articulações estão acontecendo nos dois municípios. Entre os peixes miúdos, ainda não dá para saber quem é quem nessa história. Mas, uma coisa é certa, caso aconteça uma nova eleição, a disputa pelo poder em São João da Barra vai ser uma briga de cachorro grande com rounds em São João da Barra, Campos e Rio de Janeiro.
Comentar
Compartilhe
Solução
11/01/2013 | 03h33
Multinha de mil reais não assusta ninguém. As demolições de imóveis de interesse histórico teriam um fim definitivo se os terrenos deixados vazios por elas fossem automaticamente desapropriados pela prefeitura. Uma medida simples e eficaz.
Comentar
Compartilhe
Conjecturas
10/01/2013 | 05h25
a) Navegando no terreno das conjecturas políticas, há quem acredite na possibilidade de Pézão, um grande articulador, mas raquítico de votos, forme chapa com Lindberg para um confronto com o casal Garotinho em 2014 na sucessão do governo do estado. b) Como em política nada é impossível, mesmo que seja muito improvável, também há quem vislumbre uma chance de Lindberg vir na mesma chapa que Garotinho.
Comentar
Compartilhe
Parece, mas não é...
14/01/2013 | 02h27
Depois dos vereadores da gestão passada legislarem em causa própria reajustando seus próprios salários em magníficos 61,8%, os atuais vereadores da bancada governistas decidiram reduzir em apenas 9% os vencimentos. Ou seja, de R$ 15.031.76 reais para 13.500 reais. Parece gozação, mas não é...
Comentar
Compartilhe
Mais uma vez incompetente, Inea não fecha comportas e deixa casas alagadas
23/01/2013 | 03h38

Descuido causa problema social

[caption id="attachment_4107" align="aligncenter" width="566" caption="Fotomontagem meramente ilustrativa"][/caption]

De acordo com a Defesa Civil Municipal de Campos, cerca de 500 famílias, de Vila Menezes, foram atingidas por um alagamento provocado por uma comporta do Canal Cambaíba, aberta pela representação local do Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea). A comporta teria sido aberta pelo Inea, na época de estiagem, para abastecer os agricultores da região da Baixada. Mas, com a chuva que caiu nos últimos dias, o nível do Paraíba voltou a subir e as comportas não foram fechadas como deveriam, o que resultou na inundação de várias ruas e casas. Matéria completa AQUI.

Comentar
Compartilhe
Ministério Público Federal pede paralisação de obras do Porto do Açu
29/01/2013 | 03h33

Alerta da gravidade da situação foi feita nesse blog e no site Somos Assim

[caption id="attachment_4123" align="aligncenter" width="756" caption="Esse blog e o site Somos Assim alestaram para a gravidade da situação em 17-10-201"][/caption] Em consequência do inquérito que investigou a salinização das terras do 5º Distrito causada pelas obras do canal do estaleiro do Complexo Portuário do Açu, baseado nos resultados de pesquisa realizada pelo Laboratório de Ciências Ambientais (LCA) da Uenf (AQUI), ontem, o Ministério Público Federal em Campos ajuizou Ação Civil Pública com a EBX pedindo a paralisação de obras do porto. [caption id="attachment_4126" align="aligncenter" width="755" caption="A alta salinização do Cana de Quintigute foi constatada pelos pesquisadores da Uenf, mas ignorada pela LLX"][/caption] O pedido da interrupção da dragagem do canal do estaleiro e do adiamento do início da operação do porto do Açu veio em um momento delicado para Eike Batista, que tenta desesperadamente uma parceria com a Petrobras e o Governo Federal para viabilizar o empreendimento, abandonado pelos seus principais alvos investidores, como a chinesa Wisco (Wuhan Iron and Steel Group Co. Ltd. Roll), a quarta maior produtora de aço da China, e a siderúrgica Térniun, vista inicialmente por Eike como a “âncora” do Porto do Açu. Segundo o MPF, o objetivo dos pedidos é impedir o agravamento da salinização na região. O MPF também alertou ao grupo EBX para não modificar o curso ou a vazão do rio Paraíba, intervenção prevista no relatório de impacto ambiental para viabilizar o funcionamento da Termoelétrica do porto. Sandálias da humildade Diante dessa grave Ação Civil Pública, a EBX terá que modificar radicalmente a sua postura de indiferença e conveniente cegueira aos danos ambientais e sociais causados pelas obras do Porto do Açu, o que está colocando a finalização do seu megaempreendimento sob grande risco e agravando sobremaneira os riscos já existentes. A mensagem é clara, a região precisa do progresso, mas não a qualquer preço. Está na hora de o mega empresário Eike Batista calçar as sandálias da humildade, ouvindo os anseios da comunidade, investindo em um futuro sustentável para o seu negócio e preservar o meio ambiente, além respeitar o modo de vida das comunidades afetadas pela construção do porto, dando um basta às autoritárias desapropriações compulsórias por preços irrisórios e a negligência com a terra e água da região, um bem de todos. LEIA RELATÓRIO DO GATE NA ÍNTEGRA AQUI
Comentar
Compartilhe
Que vergonha! Inea e Ibama réus em Ação Civil de dano ambiental. E ainda faltam réus...
30/01/2013 | 02h39
A salinização provocada por obras do Porto do Açu com a conivência e leniência de autoridades ambientais, trouxe à tona a mãe de todas as vergonhas, no que pode ser considerado o maior desastre ecológico da região. O Inea e o Ibama, pasmem, são réus, ao lado das empresas X de Eike, na Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público Federal por degradação ambiental que compromete a vida, a flora, a fauna e o equilíbrio ambiental da área afetada. Faltam réus nessa Ação Civil Pública Só faltou o Ministério Público Federal incluir nesse pacote os responsáveis pela distribuição de água tratada salinizada à população do 5º Distrito de São João da Barra, conforme comprovou a mesma pesquisa da Uenf utilizada para dar base a Ação. A situação de risco à saúde pública é grave, foi denunciada em 17 de outubro de 2012 (AQUI), e bastante debatida no próprio programa de rádio da ex-prefeita Carla Machado, onde se tentou apenas desqualificar a pesquisa e esse blog. Mas, mesmo após ampla divulgação da comprovação científica da Uenf, a prefeitura de São João da Barra, na época comandada pela ex-prefeita Carla Machado, insistiu em continuar distribuindo oficialmente essa água salinizada para a população de Mato Escuro e Água Preta, através de uma rede de abastecimento com 22.332 metros de extensão e um reservatório elevado com capacidade para 100 mil litros. [caption id="attachment_4135" align="aligncenter" width="618" caption="Pesquisadores da Uenf comprovam salinização da água tratada distribuída à população do 5º Distrito"][/caption] [caption id="attachment_4134" align="aligncenter" width="756" caption="Carla Machado inaugurando a distribuição de água salinizada no 5º Distrito"][/caption] Leia a nota divulgada na época pela Secretaria de Comunicação de São João da Barra: Prefeitura de São João da Barra Secretaria de Comunicação Social Fabrício Berto 14-03-12 Moradores de Água Preta e Mato Escuro ganham rede de abastecimento de água potável Cerca de 3100 moradores que residem em 617 casas das localidades de Mato Escuro e Água Preta, localizadas no 5º Distrito de São João da Barra, foram beneficiados pelo sistema de distribuição de água potável implantado pela prefeita Carla Machado e entregue a população na última terça-feira (13). O secretário municipal de Obras, Alexandre Magno, informou que a rede de abastecimento possui 22.332 metros de extensão com um reservatório elevado com capacidade para 100 mil litros, poço com 227 metros de profundidade e produtividade de 60 mil litros/hora, além de uma casa química e administração. Para a prefeita Carla Machado, quem saiu ganhando mais uma vez foi a população que agora passa a receber água de qualidade em casa. “A água potável é extremamente importante para a nossa saúde, já que alterações biológicas (contaminações) e parâmetros acima do valor máximo permitido podem gerar consequências sérias à nossa saúde através de diversas doenças”, destaca, acrescentando que outras localidades em breve também estarão recebendo água potável, o que é uma forma de darmos mais qualidade de vida a nossa população. Contradição Com se vê as declarações da ex-prefeita, acima, são altamente contraditórias, e demonstra que ela tem conhecimento de que água alterada pode causar danos à saúde, como ela mesma disse: “parâmetros acima do valor máximo permitido podem gerar consequências sérias à nossa saúde através de diversas doenças”. Agora, resta saber se, em caso de comprovação de danos à saúde da população, quem será responsabilizado judicialmente e quem pagará a conta das indenizações, como perguntamos anteriormente AQUI nesse blog.
Comentar
Compartilhe
Carlos Minc confirma salinização do Açu
16/01/2013 | 02h56

Como esse blog noticiou em primeira mão, a salinização do Açu foi confirmada pelo Secretário Estadual do Meio Ambiente, Carlos Minc. Leia abaixo:

Agora é oficial: ex-ambientalista Carlos Minc confirma salinização no Açu!

Demorou um pouco, mas o ex-ambientalista Carlos Minc, atual (des) secretário estadual de Meio Ambiente, teve de vir a público reconhecer que as obras do Porto do Açu resultaram num processo de salinização na região do V Distrito de São João da Barra.
Duas coisas esquisitas neste reconhecimento:
1. As medidas feitas pelo Laboratório de Ciências Ambientais da UENF não encontraram salinização do lençol freático, mas das águas superficiais.
. O ex-ambientalista ainda está "analisando os problemas para ver se cabe ou não multa". Como assim, não sabe ainda se cabe multa? Ora, bolas, está claro que cabe multa e das grandes!
om, agora vamos ver o que falam aquelas vozes duvidosas que vieram à público para colocar em dúvida a capacidade científica e moral dos pesquisadores do Laboratório de Ciências Ambientais da UENF. Cabe, pelo menos, um pedido público de desculpas! Quanto antes, melhor!
RJ estuda exigências para barrar salinização no Porto do Açu
Por Diogo Martins | Valor
RIO - O secretário estadual do Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, disse que na próxima semana serão anunciadas medidas para que a LLX, que conduz as obras do Porto do Açu, em São João da Barra, Norte fluminense, se adapte a normas ambientais. Minc afirmou que procedem as denúncias feitas pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) de que as obras no porto estão gerando problemas de salinização no lençol freático da região. A LLX corre o risco de ser multada.
“Mandamos uma equipe até a região onde se localiza o porto, comandada pela Marilene Ramos [presidente do Inea] e foram constatados problemas de salinização”, afirmou Minc. “Estamos analisando os problemas para ver se cabe ou não multa”, disse ele.
O problema de salinização no lençol freático, afirmou Minc, pode comprometer as atividades de pesca e agricultura em São João da Barra. O anúncio, segundo o secretário, será
FONTE: http://www.valor.com.br/empresas/2972036/rj-estuda-exigencias-para-barrar-salinizacao-no-porto-do-acu#ixzz2I9mt8uTa Notícia  do blog do professor Marcos Pedlowski - Veja Aqui: Blog do Pedlowski
Comentar
Compartilhe
“Jesus é nossa praia”
15/01/2013 | 05h49
Dentro do projeto “Canta Verão Gospel - Jesus é Nossa Praia”, no último fim de semana, dois shows musicais de fundo religioso agitaram Atafona, a cantora Adriana com um show católico, e o cantor Fernandinho, com um show evangélico. Em comum, os dois emocionaram bastante as suas diferentes plateias. Mas, em número de público, os evangélicos ganharam de goleada.
Comentar
Compartilhe
Que vergonha! Inea e Ibama réus em Ação Civil de dano ambiental. E ainda faltam réus...
30/01/2013 | 02h39
A salinização provocada por obras do Porto do Açu com a conivência e leniência de autoridades ambientais, trouxe à tona a mãe de todas as vergonhas, no que pode ser considerado o maior desastre ecológico da região. O Inea e o Ibama, pasmem, são réus, ao lado das empresas X de Eike, na Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público Federal por degradação ambiental que compromete a vida, a flora, a fauna e o equilíbrio ambiental da área afetada. Faltam réus nessa Ação Civil Pública Só faltou o Ministério Público Federal incluir nesse pacote os responsáveis pela distribuição de água tratada salinizada à população do 5º Distrito de São João da Barra, conforme comprovou a mesma pesquisa da Uenf utilizada para dar base a Ação. A situação de risco à saúde pública é grave, foi denunciada em 17 de outubro de 2012 (AQUI), e bastante debatida no próprio programa de rádio da ex-prefeita Carla Machado, onde se tentou apenas desqualificar a pesquisa e esse blog. Mas, mesmo após ampla divulgação da comprovação científica da Uenf, a prefeitura de São João da Barra, na época comandada pela ex-prefeita Carla Machado, insistiu em continuar distribuindo oficialmente essa água salinizada para a população de Mato Escuro e Água Preta, através de uma rede de abastecimento com 22.332 metros de extensão e um reservatório elevado com capacidade para 100 mil litros. [caption id="attachment_4135" align="aligncenter" width="618" caption="Pesquisadores da Uenf comprovam salinização da água tratada distribuída à população do 5º Distrito"][/caption] [caption id="attachment_4134" align="aligncenter" width="756" caption="Carla Machado inaugurando a distribuição de água salinizada no 5º Distrito"][/caption] Leia a nota divulgada na época pela Secretaria de Comunicação de São João da Barra: Prefeitura de São João da Barra Secretaria de Comunicação Social Fabrício Berto 14-03-12 Moradores de Água Preta e Mato Escuro ganham rede de abastecimento de água potável Cerca de 3100 moradores que residem em 617 casas das localidades de Mato Escuro e Água Preta, localizadas no 5º Distrito de São João da Barra, foram beneficiados pelo sistema de distribuição de água potável implantado pela prefeita Carla Machado e entregue a população na última terça-feira (13). O secretário municipal de Obras, Alexandre Magno, informou que a rede de abastecimento possui 22.332 metros de extensão com um reservatório elevado com capacidade para 100 mil litros, poço com 227 metros de profundidade e produtividade de 60 mil litros/hora, além de uma casa química e administração. Para a prefeita Carla Machado, quem saiu ganhando mais uma vez foi a população que agora passa a receber água de qualidade em casa. “A água potável é extremamente importante para a nossa saúde, já que alterações biológicas (contaminações) e parâmetros acima do valor máximo permitido podem gerar consequências sérias à nossa saúde através de diversas doenças”, destaca, acrescentando que outras localidades em breve também estarão recebendo água potável, o que é uma forma de darmos mais qualidade de vida a nossa população. Contradição Com se vê as declarações da ex-prefeita, acima, são altamente contraditórias, e demonstra que ela tem conhecimento de que água alterada pode causar danos à saúde, como ela mesma disse: “parâmetros acima do valor máximo permitido podem gerar consequências sérias à nossa saúde através de diversas doenças”. Agora, resta saber se, em caso de comprovação de danos à saúde da população, quem será responsabilizado judicialmente e quem pagará a conta das indenizações, como perguntamos anteriormente AQUI nesse blog.
Comentar
Compartilhe
Solução
11/01/2013 | 03h33
Multinha de mil reais não assusta ninguém. As demolições de imóveis de interesse histórico teriam um fim definitivo se os terrenos deixados vazios por elas fossem automaticamente desapropriados pela prefeitura. Uma medida simples e eficaz.
Comentar
Compartilhe
Foi mal, voltou pior...
21/01/2013 | 12h11
Carlos Júnior Monteiro, empresário campista do ramo de vestuário masculino, que frequentemente viaja para conferir feiras de moda e as últimas novidades do setor, na última semana, foi a São Paulo pela 1001 e retornou pela Itapemirim. Sorte dele que arrependimento não mata..., pois difícil dizer qual viagem foi pior, a de ida ou a de volta. Ontem viajou para Gramado (RS), foi de avião...
Comentar
Compartilhe
Folha de São Paulo: Porto de Eike causou salinização de água doce, confirmam autoridades
16/01/2013 | 04h17

ATUALIZAÇÃO - 16-27h
Porto de Eike causou salinização de água doce, confirmam autoridades
VENCESLAU BORLINA FILHO
DO RIO
As autoridades ambientais do Estado do Rio de Janeiro confirmaram nesta quarta-feira (16) que as obras de construção do porto do Açu, da empresa LLX, do empresário Eike Batista, causaram a salinização da água doce usado por agricultores de São João da Barra (RJ).
Segundo a presidente do Inea (Instituto Estadual do Ambiente), Marilene Ramos, o problema ocorreu após o transbordamento da água salgada do sistema de drenagem da dragagem do porto. A água, que deveria voltar para o mar, atingiu reservatórios de água doce.
O canal mais atingido foi o Quintingute. Principal fonte de abastecimento dos agricultores locais, ele foi caracterizado como de água doce pelo estudo de impacto ambiental, mas atualmente tem 2,1 de salinidade --o adequado para irrigação é de, no máximo, 0,14.
De acordo com ela, o transbordamento já foi corrigido com um novo sistema de drenagem. Agora restam as análises das águas subterrâneas. O objetivo é identificar se elas foram contaminadas pela água salgada do processo de dragagem do porto.
De acordo com o secretário de Estado do Meio Ambiente do Rio, Carlos Minc, na próxima semana será divulgado as ações que a LLX deverá executar para correção dos danos. Minc garantiu, porém, que o problema não vai interromper as obras do porto.
Segundo Marilene, a empresa deverá dobrar (para 16) a quantidade de poços de monitoramento do local para identificar a extensão da possível contaminação das águas subterrâneas. Ela disse ainda que "certamente" haverá alguma multa, só não sabe de quanto.
A LLX ainda não se manifestou sobre o assunto, mas deve fazê-lo ainda hoje.
denúncia de salinização do local foi feita por pesquisadores da Uenf(Universidade do Norte Fluminense). No estudo divulgado, eles afirmara que se nada for feito, um processo de desertificação da região poderá ser iniciado.
Agricultor mostra abacaxis danificados de sua plantação; eles acusam a obra de porto de Eike Batista de causar o processo de sanilização
Essa é a primeira consequência ambiental direta detectada após o início das obras no empreendimento. Os Ministérios Públicos federal e estadual instauraram inquérito para apurar o caso.
A dragagem é feita para aumentar a profundidade do mar e do canal aberto pela empresa, a fim de permitir o acesso de grandes navios. A licença ambiental emitida permite a retirada de 65,2 bilhões de litros de areia do mar --31 bilhões de litros já foram depositados em solo.
Os primeiros sinais do problema foram identificados no fim de outubro de 2012, quando o agricultor João Roberto de Almeida, 50, o Pinduca, viu parte de sua plantação de abacaxi nascer queimada.
"Sempre usei essa água e nunca tive problemas. Não sou contra o desenvolvimento. Mas o que está acontecendo é desrespeito", disse à Folha em dezembro de 2012.
Na época, o diretor de sustentabilidade da LLX, Paulo Monteiro, afirmou que a salinização das águas da região próxima ao porto antecederia as obras no local. Mas afirmou estar aberto a receber informações sobre eventuais problemas causados pela intervenção.
Ele chegou a dizer que a construção do porto tinha um sistema de drenagem que impedia o vazamento de água do mar para o exterior do empreendimento. O contrário foi detectado pelas autoridades ambientais do Estado.
"A água com areia retorna ao mar por canais de drenagem. Não vai para o lado do [canal do] Quitingute. Tudo foi calculado para jogar a água para o canal interligado com o mar", afirmou Monteiro à Folha, na época.

Editoria de Arte/Folhapress
Comentar
Compartilhe
Investimentos
11/01/2013 | 03h35
Campos cresce, os investimentos aparecem. Enquanto a filial de uma grande livraria atravessa o estado para chegar de mala e cuia a um dos shoppings da cidade, uma franquia da academia de Luciano Hulk está tomando forma na área da pracinha do Sossego.
Comentar
Compartilhe
A maré negra de Eike e a espada de Mubadala
09/01/2013 | 01h30
Depois de perder mais de 10 bilhões em 2012, o mega empresário Eike Batista viu a sua MMX (minérios) ser multada em quase R$ 4 bilhões pela Receita Federal. Mas essas não são as maiores chamas que ardem no seu atual inferno astral. Ao vender em uma fatia de US$ 2 bilhões de seu império de commodities para a Mubadala Development Co., de Abu Dhabi, em março de 2012, Eike prometeu participação adicional que protegeria os árabes da onda de desvalorização de suas empresas de capital aberto. Pelos termos da venda da participação de 5,63 por cento na EBX Group Co., em março, Eike concordou em dar aos xeques uma fatia não especificada em 2019 caso não consiga entregar um retorno anual de 5% sobre o investimento do fundo soberano do emirado. Se isto acontecer, teremos a desnacionalização de uma quantia significativa de recursos públicos captados por Eike Batista junto ao BNDES ao FGTS e ao FAT.
Comentar
Compartilhe
Sapucaia em compasso de espera
13/01/2013 | 10h39
0Não existe perspectiva de uma decisão sobre a situação da Usina Sapucaia, tão importante para a economia local, antes do dia 6 de fevereiro. Até lá, o desembargador Jorge Luiz Habib, do TJ do Rio de Janeiro, aproveita as férias. Enquanto isso, na Sapucaia não se planta, não se emprega, não se produz.
Comentar
Compartilhe
Audiência Pública Federal para debater salinização do Porto do Açu
23/01/2013 | 07h22
23/1/2013
Relatório da UENF aponta aumento da salinidade devido às obras do grupo EBX
O Ministério Público Federal em Campos dos Goytacazes (RJ) realizará audiência pública na segunda quinzena de março para discutir os danos ambientais relacionadas às obras do Complexo Portuário do Açu, no município de São João da Barra, no Norte Fluminense. A audiência pública foi convocada pelo procurador da República em Campos dos Goytacazes, Eduardo Santos de Oliveira, em local e data ainda a serem divulgados. A Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) Darcy Ribeiro elaborou um parecer técnico alertando sobre o aumento da salinidade na localidade do Açu, que evidências indicam ser resultado da intervenção ambiental ocorrida a partir de obras realizadas pelo grupo EBX/LLX para instalação do Complexo Portuário. Em dezembro de 2012, o MPF em Campos instaurou inquérito para apurar a salinização do canal do Quitingute, em São João da Barra. O processo de concentração progressiva de sais estaria ocorrendo por causa do aterro feito com areia retirada do mar, objetivando elevar a área para erguer o Distrito Industrial do Açu. O MPF expediu ofício ao Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e ao Grupo EBX/LLX para que informem as medidas adotas em relação às informações contidas nos pareceres técnicos emitidos pela UENF no prazo de dez dias. Assessoria de Comunicação Social Procuradoria da República no Rio de Janeiro Tels.: (21) 3971-9488/9460 http://twitter.com/MPF_PRRJ Leia AQUI
O blog do Pedlowski AQUI - noticiou em primeira mão
Comentar
Compartilhe
Violência em São João da Barra - radialista assassinado
09/01/2013 | 11h53
Pouco tempo após caixas automáticos do Banco do Brasil terem sido arrombados em pleno centro comercial de São João da Barra, um dos sócios da Rádio Barra FM, Renato Machado, foi assassinado a tiros na porta da sua casa, na entrada ao lado da emissora, por dois homens em uma moto. O homicídio tem todas as características de crime encomendado.
Comentar
Compartilhe
Dengue SJB - Otimismo exagerado
20/01/2013 | 07h26
Recomenda-se mais cautela na divulgação de um índice pontual de apenas 0,2% de infestação de Aedes Aegypti em São João da Barra, como se isso colocasse aquele município fora da área de risco da previsível epidemia de dengue na região. Segundo o médico Luiz José de Souza, do Centro de Referência da Dengue-Diagnóstico e Tratamento (CRD/DT- Campos), “A população está circulando muito. Esse índice não que dizer que não haverá epidemia. Muitos pacientes que passam férias em Atafona e Grussaí estão sendo atendidos pelo CRD/TD. Todos os municípios serão atingidos. O pico da doença, como é tradicional, será depois da Semana Santa. Parabéns a São João da Barra pela prevenção, mas terá que organizar a assistência”.
Comentar
Compartilhe
Mais uma vez incompetente, Inea não fecha comportas e deixa casas alagadas
23/01/2013 | 03h38

Descuido causa problema social

[caption id="attachment_4107" align="aligncenter" width="566" caption="Fotomontagem meramente ilustrativa"][/caption]

De acordo com a Defesa Civil Municipal de Campos, cerca de 500 famílias, de Vila Menezes, foram atingidas por um alagamento provocado por uma comporta do Canal Cambaíba, aberta pela representação local do Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea). A comporta teria sido aberta pelo Inea, na época de estiagem, para abastecer os agricultores da região da Baixada. Mas, com a chuva que caiu nos últimos dias, o nível do Paraíba voltou a subir e as comportas não foram fechadas como deveriam, o que resultou na inundação de várias ruas e casas. Matéria completa AQUI.

Comentar
Compartilhe
Sapucaia em compasso de espera
03/01/2013 | 12h08
A homologação judicial da venda da Usina Sapucaia está andando a passos de cágado. Além da tradicional lentidão da Justiça, a transferência dos juízes da 3ª e da 4ª Varas Cíveis de Campos e o recesso judicial de fim de ano atravancaram o processo. O pior é que o plantio da cana deveria ter sido iniciado em dezembro, a época mais propícia, pois a natureza ignora solenemente motivos judiciais. Enquanto isso, centenas de trabalhadores aguardam, perdem-se empregos, tempo e dinheiro. A esperança é que o fim do recesso, no próximo dia 7, traga uma luz no fim do túnel. Tudo certo entre Coagro e MPE Ainda no assunto, o site Valor Econômico equivocou-se quanto aos entendimentos entre a Coagro e a MPE. Não existem mais negociações em andamento, o martelo já foi batido há muito tempo. Após a homologação judicial, a Coagro aluga a unidade industrial por 21 anos, pagando com um percentual da produção, e “parceiriza” 8,5 mil hectares de terras cultiváveis (o resto é de preservação), com associados que tenham capacidade de plantio, estrutura e knowhow. Após isso, estima-se que em três anos a usina moa 1.8 milhão de toneladas de cana. O que vai dar uma forte sacudida na economia local.
Comentar
Compartilhe
Folha de São Paulo: Porto de Eike causou salinização de água doce, confirmam autoridades
16/01/2013 | 04h17

ATUALIZAÇÃO - 16-27h
Porto de Eike causou salinização de água doce, confirmam autoridades
VENCESLAU BORLINA FILHO
DO RIO
As autoridades ambientais do Estado do Rio de Janeiro confirmaram nesta quarta-feira (16) que as obras de construção do porto do Açu, da empresa LLX, do empresário Eike Batista, causaram a salinização da água doce usado por agricultores de São João da Barra (RJ).
Segundo a presidente do Inea (Instituto Estadual do Ambiente), Marilene Ramos, o problema ocorreu após o transbordamento da água salgada do sistema de drenagem da dragagem do porto. A água, que deveria voltar para o mar, atingiu reservatórios de água doce.
O canal mais atingido foi o Quintingute. Principal fonte de abastecimento dos agricultores locais, ele foi caracterizado como de água doce pelo estudo de impacto ambiental, mas atualmente tem 2,1 de salinidade --o adequado para irrigação é de, no máximo, 0,14.
De acordo com ela, o transbordamento já foi corrigido com um novo sistema de drenagem. Agora restam as análises das águas subterrâneas. O objetivo é identificar se elas foram contaminadas pela água salgada do processo de dragagem do porto.
De acordo com o secretário de Estado do Meio Ambiente do Rio, Carlos Minc, na próxima semana será divulgado as ações que a LLX deverá executar para correção dos danos. Minc garantiu, porém, que o problema não vai interromper as obras do porto.
Segundo Marilene, a empresa deverá dobrar (para 16) a quantidade de poços de monitoramento do local para identificar a extensão da possível contaminação das águas subterrâneas. Ela disse ainda que "certamente" haverá alguma multa, só não sabe de quanto.
A LLX ainda não se manifestou sobre o assunto, mas deve fazê-lo ainda hoje.
denúncia de salinização do local foi feita por pesquisadores da Uenf(Universidade do Norte Fluminense). No estudo divulgado, eles afirmara que se nada for feito, um processo de desertificação da região poderá ser iniciado.
Agricultor mostra abacaxis danificados de sua plantação; eles acusam a obra de porto de Eike Batista de causar o processo de sanilização
Essa é a primeira consequência ambiental direta detectada após o início das obras no empreendimento. Os Ministérios Públicos federal e estadual instauraram inquérito para apurar o caso.
A dragagem é feita para aumentar a profundidade do mar e do canal aberto pela empresa, a fim de permitir o acesso de grandes navios. A licença ambiental emitida permite a retirada de 65,2 bilhões de litros de areia do mar --31 bilhões de litros já foram depositados em solo.
Os primeiros sinais do problema foram identificados no fim de outubro de 2012, quando o agricultor João Roberto de Almeida, 50, o Pinduca, viu parte de sua plantação de abacaxi nascer queimada.
"Sempre usei essa água e nunca tive problemas. Não sou contra o desenvolvimento. Mas o que está acontecendo é desrespeito", disse à Folha em dezembro de 2012.
Na época, o diretor de sustentabilidade da LLX, Paulo Monteiro, afirmou que a salinização das águas da região próxima ao porto antecederia as obras no local. Mas afirmou estar aberto a receber informações sobre eventuais problemas causados pela intervenção.
Ele chegou a dizer que a construção do porto tinha um sistema de drenagem que impedia o vazamento de água do mar para o exterior do empreendimento. O contrário foi detectado pelas autoridades ambientais do Estado.
"A água com areia retorna ao mar por canais de drenagem. Não vai para o lado do [canal do] Quitingute. Tudo foi calculado para jogar a água para o canal interligado com o mar", afirmou Monteiro à Folha, na época.

Editoria de Arte/Folhapress
Comentar
Compartilhe
Foi mal, voltou pior...
21/01/2013 | 12h11
Carlos Júnior Monteiro, empresário campista do ramo de vestuário masculino, que frequentemente viaja para conferir feiras de moda e as últimas novidades do setor, na última semana, foi a São Paulo pela 1001 e retornou pela Itapemirim. Sorte dele que arrependimento não mata..., pois difícil dizer qual viagem foi pior, a de ida ou a de volta. Ontem viajou para Gramado (RS), foi de avião...
Comentar
Compartilhe
Sapucaia em compasso de espera
13/01/2013 | 10h39
0Não existe perspectiva de uma decisão sobre a situação da Usina Sapucaia, tão importante para a economia local, antes do dia 6 de fevereiro. Até lá, o desembargador Jorge Luiz Habib, do TJ do Rio de Janeiro, aproveita as férias. Enquanto isso, na Sapucaia não se planta, não se emprega, não se produz.
Comentar
Compartilhe
O mandante do crime deve estar se borrando de tanto rir...
16/01/2013 | 01h23
Esse caso do assassinato do radialista sanjoanense Renato Machado, da Barra FM, tem ingredientes inusitados. Apesar do executor ter sido filmado, não se consegue definir quem é ele. O primeiro suspeito manca, o segundo também manca e acusa o primeiro, mas o laudo da perícia diz que arma apreendida na casa do primeiro não seria compatível com a utilizada na execução. Diante do impasse, o mandante do crime deve estar se borrando de tanto rir...
Comentar
Compartilhe
O mandante do crime deve estar se borrando de tanto rir...
16/01/2013 | 01h23
Esse caso do assassinato do radialista sanjoanense Renato Machado, da Barra FM, tem ingredientes inusitados. Apesar do executor ter sido filmado, não se consegue definir quem é ele. O primeiro suspeito manca, o segundo também manca e acusa o primeiro, mas o laudo da perícia diz que arma apreendida na casa do primeiro não seria compatível com a utilizada na execução. Diante do impasse, o mandante do crime deve estar se borrando de tanto rir...
Comentar
Compartilhe
Sapucaia em compasso de espera
03/01/2013 | 12h08
A homologação judicial da venda da Usina Sapucaia está andando a passos de cágado. Além da tradicional lentidão da Justiça, a transferência dos juízes da 3ª e da 4ª Varas Cíveis de Campos e o recesso judicial de fim de ano atravancaram o processo. O pior é que o plantio da cana deveria ter sido iniciado em dezembro, a época mais propícia, pois a natureza ignora solenemente motivos judiciais. Enquanto isso, centenas de trabalhadores aguardam, perdem-se empregos, tempo e dinheiro. A esperança é que o fim do recesso, no próximo dia 7, traga uma luz no fim do túnel. Tudo certo entre Coagro e MPE Ainda no assunto, o site Valor Econômico equivocou-se quanto aos entendimentos entre a Coagro e a MPE. Não existem mais negociações em andamento, o martelo já foi batido há muito tempo. Após a homologação judicial, a Coagro aluga a unidade industrial por 21 anos, pagando com um percentual da produção, e “parceiriza” 8,5 mil hectares de terras cultiváveis (o resto é de preservação), com associados que tenham capacidade de plantio, estrutura e knowhow. Após isso, estima-se que em três anos a usina moa 1.8 milhão de toneladas de cana. O que vai dar uma forte sacudida na economia local.
Comentar
Compartilhe
Eike quer arrendar para a Petrobras terras desapropriadas por Cabral
25/01/2013 | 03h31
Folha de São Paulo: “Nas conversas da semana passada no Planalto, foi dito que a entrada da Petrobras em Açu poderia se dar por arrendamento de área ou por uma sociedade efetiva” A visita de Lula ao Porto do Açu foi mais um péssimo sinal de que as coisas vão de mal a pior para Eike Batista. Convidado em 2007, Lula só deu as caras no Açu agora. A visita faria parte de uma articulação para convencer a presidente Dilma e a presidente da Petrobras Graça Foster (que não vê vantagem no negócio) a permitirem a entrada da estatal no empreendimento, o que seria a boia de salvação para Eike Batista, abandonado pelos seus principais alvos investidores no complexo portuário e industrial, como a chinesa Wisco (Wuhan Iron and Steel Group Co. Ltd. Roll), a quarta maior produtora de aço da China, e a siderúrgica Térniun, vista inicialmente por Eike como a “âncora” do Porto do Açu. “Dane-se a Siderurgica” Na ocasião, Eike declarou: “Projetos atrasam. A siderúrgica da Térnium era uma âncora inicial (Porto do Açu) e não veio ainda por falta de gás natural. Mas o Açu se transformou em um polo para a indústria “offshore”. A Technip, a National Oilwell Warco, a Intermoore e a Subsea7 já estão colocando suas estruturas lá. Só esse pessoal paga R$ 100 milhões de aluguel, antes mesmo de o porto funcionar. Diante desse contexto, dane-se a siderúrgica”. Para salvar Eike, Petrobras arrendaria terras desapropriadas por preço irrisório O que se sabe agora das conversas de Eike com o Planalto, mostra claramente que o empresário estava falando sério quando afirmava ganhar muito mais com o aluguel das terras, antes mesmo do porto funcionar. Como já foi dito nesse blog: as terras da região estão sendo desapropriadas pelo estado, e este só paga a bagatela de R$ 1,90 por metro quadrado e cede gratuitamente, e muito gentilmente, a galinha dos ovos de ouro para o empresário Eike Batista. Agora, o empresário tenta alugar para a Petrobras essas mesmas terras desapropriadas por um preço irrisório pelo Governo do Estado, muitas ainda não pagas aos legítimos proprietários.
Comentar
Compartilhe
Ministério Público Federal pede paralisação de obras do Porto do Açu
29/01/2013 | 03h33

Alerta da gravidade da situação foi feita nesse blog e no site Somos Assim

[caption id="attachment_4123" align="aligncenter" width="756" caption="Esse blog e o site Somos Assim alestaram para a gravidade da situação em 17-10-201"][/caption] Em consequência do inquérito que investigou a salinização das terras do 5º Distrito causada pelas obras do canal do estaleiro do Complexo Portuário do Açu, baseado nos resultados de pesquisa realizada pelo Laboratório de Ciências Ambientais (LCA) da Uenf (AQUI), ontem, o Ministério Público Federal em Campos ajuizou Ação Civil Pública com a EBX pedindo a paralisação de obras do porto. [caption id="attachment_4126" align="aligncenter" width="755" caption="A alta salinização do Cana de Quintigute foi constatada pelos pesquisadores da Uenf, mas ignorada pela LLX"][/caption] O pedido da interrupção da dragagem do canal do estaleiro e do adiamento do início da operação do porto do Açu veio em um momento delicado para Eike Batista, que tenta desesperadamente uma parceria com a Petrobras e o Governo Federal para viabilizar o empreendimento, abandonado pelos seus principais alvos investidores, como a chinesa Wisco (Wuhan Iron and Steel Group Co. Ltd. Roll), a quarta maior produtora de aço da China, e a siderúrgica Térniun, vista inicialmente por Eike como a “âncora” do Porto do Açu. Segundo o MPF, o objetivo dos pedidos é impedir o agravamento da salinização na região. O MPF também alertou ao grupo EBX para não modificar o curso ou a vazão do rio Paraíba, intervenção prevista no relatório de impacto ambiental para viabilizar o funcionamento da Termoelétrica do porto. Sandálias da humildade Diante dessa grave Ação Civil Pública, a EBX terá que modificar radicalmente a sua postura de indiferença e conveniente cegueira aos danos ambientais e sociais causados pelas obras do Porto do Açu, o que está colocando a finalização do seu megaempreendimento sob grande risco e agravando sobremaneira os riscos já existentes. A mensagem é clara, a região precisa do progresso, mas não a qualquer preço. Está na hora de o mega empresário Eike Batista calçar as sandálias da humildade, ouvindo os anseios da comunidade, investindo em um futuro sustentável para o seu negócio e preservar o meio ambiente, além respeitar o modo de vida das comunidades afetadas pela construção do porto, dando um basta às autoritárias desapropriações compulsórias por preços irrisórios e a negligência com a terra e água da região, um bem de todos. LEIA RELATÓRIO DO GATE NA ÍNTEGRA AQUI
Comentar
Compartilhe
SJB- Mercado aquecido e profissional
22/01/2013 | 01h42
O mercado imobiliário de São João da Barra anda aquecido e cada vez mais profissional. Empreendimentos em SJB têm sido um sucesso. Esta semana, empresa comemora boom de vendas em loteamento na área central, com 100% das exigências legais cumpridas, tanto no ramo municipal quanto cartorário, convocando os compradores a solicitarem escritura definitiva. Fica o exemplo.
Comentar
Compartilhe
Investimentos
11/01/2013 | 03h35
Campos cresce, os investimentos aparecem. Enquanto a filial de uma grande livraria atravessa o estado para chegar de mala e cuia a um dos shoppings da cidade, uma franquia da academia de Luciano Hulk está tomando forma na área da pracinha do Sossego.
Comentar
Compartilhe
Violência em São João da Barra - radialista assassinado
09/01/2013 | 11h53
Pouco tempo após caixas automáticos do Banco do Brasil terem sido arrombados em pleno centro comercial de São João da Barra, um dos sócios da Rádio Barra FM, Renato Machado, foi assassinado a tiros na porta da sua casa, na entrada ao lado da emissora, por dois homens em uma moto. O homicídio tem todas as características de crime encomendado.
Comentar
Compartilhe
Dengue SJB - Otimismo exagerado
20/01/2013 | 07h26
Recomenda-se mais cautela na divulgação de um índice pontual de apenas 0,2% de infestação de Aedes Aegypti em São João da Barra, como se isso colocasse aquele município fora da área de risco da previsível epidemia de dengue na região. Segundo o médico Luiz José de Souza, do Centro de Referência da Dengue-Diagnóstico e Tratamento (CRD/DT- Campos), “A população está circulando muito. Esse índice não que dizer que não haverá epidemia. Muitos pacientes que passam férias em Atafona e Grussaí estão sendo atendidos pelo CRD/TD. Todos os municípios serão atingidos. O pico da doença, como é tradicional, será depois da Semana Santa. Parabéns a São João da Barra pela prevenção, mas terá que organizar a assistência”.
Comentar
Compartilhe
Eike quer arrendar para a Petrobras terras desapropriadas por Cabral
25/01/2013 | 03h31
Folha de São Paulo: “Nas conversas da semana passada no Planalto, foi dito que a entrada da Petrobras em Açu poderia se dar por arrendamento de área ou por uma sociedade efetiva” A visita de Lula ao Porto do Açu foi mais um péssimo sinal de que as coisas vão de mal a pior para Eike Batista. Convidado em 2007, Lula só deu as caras no Açu agora. A visita faria parte de uma articulação para convencer a presidente Dilma e a presidente da Petrobras Graça Foster (que não vê vantagem no negócio) a permitirem a entrada da estatal no empreendimento, o que seria a boia de salvação para Eike Batista, abandonado pelos seus principais alvos investidores no complexo portuário e industrial, como a chinesa Wisco (Wuhan Iron and Steel Group Co. Ltd. Roll), a quarta maior produtora de aço da China, e a siderúrgica Térniun, vista inicialmente por Eike como a “âncora” do Porto do Açu. “Dane-se a Siderurgica” Na ocasião, Eike declarou: “Projetos atrasam. A siderúrgica da Térnium era uma âncora inicial (Porto do Açu) e não veio ainda por falta de gás natural. Mas o Açu se transformou em um polo para a indústria “offshore”. A Technip, a National Oilwell Warco, a Intermoore e a Subsea7 já estão colocando suas estruturas lá. Só esse pessoal paga R$ 100 milhões de aluguel, antes mesmo de o porto funcionar. Diante desse contexto, dane-se a siderúrgica”. Para salvar Eike, Petrobras arrendaria terras desapropriadas por preço irrisório O que se sabe agora das conversas de Eike com o Planalto, mostra claramente que o empresário estava falando sério quando afirmava ganhar muito mais com o aluguel das terras, antes mesmo do porto funcionar. Como já foi dito nesse blog: as terras da região estão sendo desapropriadas pelo estado, e este só paga a bagatela de R$ 1,90 por metro quadrado e cede gratuitamente, e muito gentilmente, a galinha dos ovos de ouro para o empresário Eike Batista. Agora, o empresário tenta alugar para a Petrobras essas mesmas terras desapropriadas por um preço irrisório pelo Governo do Estado, muitas ainda não pagas aos legítimos proprietários.
Comentar
Compartilhe
Parece, mas não é...
14/01/2013 | 02h27
Depois dos vereadores da gestão passada legislarem em causa própria reajustando seus próprios salários em magníficos 61,8%, os atuais vereadores da bancada governistas decidiram reduzir em apenas 9% os vencimentos. Ou seja, de R$ 15.031.76 reais para 13.500 reais. Parece gozação, mas não é...
Comentar
Compartilhe
A maré negra de Eike e a espada de Mubadala
09/01/2013 | 01h30
Depois de perder mais de 10 bilhões em 2012, o mega empresário Eike Batista viu a sua MMX (minérios) ser multada em quase R$ 4 bilhões pela Receita Federal. Mas essas não são as maiores chamas que ardem no seu atual inferno astral. Ao vender em uma fatia de US$ 2 bilhões de seu império de commodities para a Mubadala Development Co., de Abu Dhabi, em março de 2012, Eike prometeu participação adicional que protegeria os árabes da onda de desvalorização de suas empresas de capital aberto. Pelos termos da venda da participação de 5,63 por cento na EBX Group Co., em março, Eike concordou em dar aos xeques uma fatia não especificada em 2019 caso não consiga entregar um retorno anual de 5% sobre o investimento do fundo soberano do emirado. Se isto acontecer, teremos a desnacionalização de uma quantia significativa de recursos públicos captados por Eike Batista junto ao BNDES ao FGTS e ao FAT.
Comentar
Compartilhe