TCE nega recurso de ex-reitor da Uenf contra multa por irregularidades no Bandejão
12/11/2012 | 03h52
Esta segunda-feira 12 teve um gostinho amargo de sexta-feira 13 para o ex-reitor da Uenf Almy Jr., seu recurso contra a multa aplicada pelo TCE foi negado. Almy Jr., atual presidente da Fenorte, foi multado no dia 16 de junho deste ano pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) (AQUI) nos autos referentes ao Contrato nº 020/2008, firmado em 05/11/2008 entre a Fundação Universidade Estadual Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF e Zuhause Construtora Ltda., por irregularidades nas obras de construção do restaurante universitário, DCE, Projeto Recreando e Espaço da Ciência, no valor de R$ 3.987.499,99, que deveriam ter sido concluídas no prazo de 17 meses. Veja a publicação do DO: Processo TCE nº 108162-9/2008 - Interessado: ALMY JUNIOR CORDEIRO DE CARVALHO - Votos: CONHECIMENTO, NÃO-PROVIMENTO, COMUNICAÇÃO. E agora, será que seus companheiros de "cúpula" da Uenf vão organizar uma “vaquinha” para colaborar?
Comentar
Compartilhe
"Dane-se Eike"... Chineses desistem do Açu por falta de estrutura
11/11/2012 | 10h47
[caption id="attachment_3982" align="aligncenter" width="578" caption="Deng-Qilin, Cabral e Eike. O vaso quebrou..."][/caption] Nesse domingo, Deng Qilin, presidente da siderúrgica Wisco (Wuhan Iron and Steel Group Co. Ltd. Roll), a quarta maior produtora de aço da China, declarou à Agência Reuters, em entrevista publicada na Folha de São Paulo (AQUI), que a empresa desistiu do Açu, e apontou seus motivos: "Ferrovias, terminais portuários - eles não construíram nada. O mercado também não está lá, portanto, nós paramos as conversas neste momento e não estamos pensando nisso". Ironicamente, a declaração foi dada apenas poucos dias depois do mega empresário Eike Batista esnobar a desistência da siderúrgica Térniun, vista inicialmente por ele como a “âncora” do Porto do Açu, quando declarou: “o Açu se transformou em um polo para a indústria “offshore”. A Technip, a National Oilwell Warco, a Intermoore e a Subsea7 já estão colocando suas estruturas lá. Só esse pessoal paga R$ 100 milhões de aluguel, antes mesmo de o porto funcionar. Diante desse contexto, dane-se a siderúrgica” (AQUI). Pois é, agora foi a vez dos chineses darem um “dane-se” a Eike, confirmando o que foi dito (AQUI) no dia 3 de julho. [caption id="attachment_3983" align="aligncenter" width="400" caption="Carla Machado esteve na China com Cabral e Eike"][/caption] A empresa chinesa recebeu a visita da prefeita Carla Machado durante viagem internacional 2009, acompanhada pelo governador Sérgio Cabral e pelo empresário Eike Batista. Na época, entusiasmada com a perspectiva de investimento em São João da Barra, a prefeita declarou: “Esse é um dia histórico para o nosso município. Estamos confirmando através dessa visita à China que São João da Barra vai ser um pólo de desenvolvimento para a região e para o país. Por isso, estamos investindo maciçamente em qualificação profissional para dar oportunidade de o nosso povo estar inserido nesse processo de desenvolvimento”, frisou a prefeita. Diante do visível desmoronamento do castelo de cartas de Eike, agora resta saber o que o futuro reserva para o Porto do Açu. E o curso de Mandarim, vai continuar?
Comentar
Compartilhe
"Dane-se Eike"... Chineses desistem do Açu por falta de estrutura
11/11/2012 | 10h47
[caption id="attachment_3982" align="aligncenter" width="578" caption="Deng-Qilin, Cabral e Eike. O vaso quebrou..."][/caption] Nesse domingo, Deng Qilin, presidente da siderúrgica Wisco (Wuhan Iron and Steel Group Co. Ltd. Roll), a quarta maior produtora de aço da China, declarou à Agência Reuters, em entrevista publicada na Folha de São Paulo (AQUI), que a empresa desistiu do Açu, e apontou seus motivos: "Ferrovias, terminais portuários - eles não construíram nada. O mercado também não está lá, portanto, nós paramos as conversas neste momento e não estamos pensando nisso". Ironicamente, a declaração foi dada apenas poucos dias depois do mega empresário Eike Batista esnobar a desistência da siderúrgica Térniun, vista inicialmente por ele como a “âncora” do Porto do Açu, quando declarou: “o Açu se transformou em um polo para a indústria “offshore”. A Technip, a National Oilwell Warco, a Intermoore e a Subsea7 já estão colocando suas estruturas lá. Só esse pessoal paga R$ 100 milhões de aluguel, antes mesmo de o porto funcionar. Diante desse contexto, dane-se a siderúrgica” (AQUI). Pois é, agora foi a vez dos chineses darem um “dane-se” a Eike, confirmando o que foi dito (AQUI) no dia 3 de julho. [caption id="attachment_3983" align="aligncenter" width="400" caption="Carla Machado esteve na China com Cabral e Eike"][/caption] A empresa chinesa recebeu a visita da prefeita Carla Machado durante viagem internacional 2009, acompanhada pelo governador Sérgio Cabral e pelo empresário Eike Batista. Na época, entusiasmada com a perspectiva de investimento em São João da Barra, a prefeita declarou: “Esse é um dia histórico para o nosso município. Estamos confirmando através dessa visita à China que São João da Barra vai ser um pólo de desenvolvimento para a região e para o país. Por isso, estamos investindo maciçamente em qualificação profissional para dar oportunidade de o nosso povo estar inserido nesse processo de desenvolvimento”, frisou a prefeita. Diante do visível desmoronamento do castelo de cartas de Eike, agora resta saber o que o futuro reserva para o Porto do Açu. E o curso de Mandarim, vai continuar?
Comentar
Compartilhe
Medidas para conter salinização de águas e terras podem paralisar obras do Porto do Açu
12/11/2012 | 06h30
Promotor pede liminar para cassar Licenças Ambientais do Porto e quer medidas para conter salinização O promotor Leandro Manhães, da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva, de Campos, pediu liminar para cassar licença Ambiental para instalação de siderúrgica no Porto do Açu, alegando extrema precariedade no EIA/Rima conduzido pela representação do Inea na região. Talvez essa medida não tenha aplicação prática, já que as duas siderúrgicas projetadas desistiram de investir no Porto do Açu. Mas, por outro lado, nessa segunda-feira, o promotor Leandro Manhães reuniu-se no Rio de Janeiro com representantes do Grupo de Apoio Técnico do Ministério Público Estadual (GAT) tendo em vista agilizar providências efetivas para conter o acelerado processo de salinização das terras e águas do 5º Distrito de São João da Barra, provocada pela inadequada deposição de milhares de toneladas de areia com água do mar proveniente das obras de escavação do canal do estaleiro do Porto do Açu sem as medidas de contenção, impermeabilização do solo e devolução dessa água ao mar previstas no EIA/RIMA do projeto. Outro ponto bastante preocupante para o Ministério Público seria o fornecimento pela Prefeitura de São João da Barra, para população da região, de água contaminada por altos níveis de salinidade, não indicada para consumo humano, como foi denunciado nesse blog (AQUI). O promotor tem em mãos um detalhado relatório da equipe do Laboratório de Ciências Ambientais da Uenf, chefiado pelo Dr. Carlos Rezende, autoridade de renome internacional em águas. Milícias X e Municipal tentam intimidar pesquisadores da Uenf Na semana passada, durante a realização de uma pesquisa de campo para acompanhamento dos índices de salinidade da água da região, a equipe da Uenf sofreu uma tentativa de intimidação por seguranças da LLX e, quem diria..., guardas municipais de São João da Barra, ás margens do canal de Quintigute, que tentaram a todo custo impedir o trabalho dos pesquisadores: “vocês estão querendo arrumar confusão, vão saindo daqui”. Como a via é pública, os pesquisadores não aceitaram as “ordens” dos milicianos X e dos milicianos municipais permanecendo no local e recolhendo amostras, mesmo diante da atitude intimidadora de quem deveria garantir o serviço, já que a pesquisa beneficia a população local. Para impedir esse tipo de coação, o promotor Leandro Manhães deverá garantir o trabalho dos pesquisadores com uma equipe de policiais do GAP (Grupo de Apoio a Promotoria).
Comentar
Compartilhe
Medidas para conter salinização de águas e terras podem paralisar obras do Porto do Açu
12/11/2012 | 06h30
Promotor pede liminar para cassar Licenças Ambientais do Porto e quer medidas para conter salinização O promotor Leandro Manhães, da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva, de Campos, pediu liminar para cassar licença Ambiental para instalação de siderúrgica no Porto do Açu, alegando extrema precariedade no EIA/Rima conduzido pela representação do Inea na região. Talvez essa medida não tenha aplicação prática, já que as duas siderúrgicas projetadas desistiram de investir no Porto do Açu. Mas, por outro lado, nessa segunda-feira, o promotor Leandro Manhães reuniu-se no Rio de Janeiro com representantes do Grupo de Apoio Técnico do Ministério Público Estadual (GAT) tendo em vista agilizar providências efetivas para conter o acelerado processo de salinização das terras e águas do 5º Distrito de São João da Barra, provocada pela inadequada deposição de milhares de toneladas de areia com água do mar proveniente das obras de escavação do canal do estaleiro do Porto do Açu sem as medidas de contenção, impermeabilização do solo e devolução dessa água ao mar previstas no EIA/RIMA do projeto. Outro ponto bastante preocupante para o Ministério Público seria o fornecimento pela Prefeitura de São João da Barra, para população da região, de água contaminada por altos níveis de salinidade, não indicada para consumo humano, como foi denunciado nesse blog (AQUI). O promotor tem em mãos um detalhado relatório da equipe do Laboratório de Ciências Ambientais da Uenf, chefiado pelo Dr. Carlos Rezende, autoridade de renome internacional em águas. Milícias X e Municipal tentam intimidar pesquisadores da Uenf Na semana passada, durante a realização de uma pesquisa de campo para acompanhamento dos índices de salinidade da água da região, a equipe da Uenf sofreu uma tentativa de intimidação por seguranças da LLX e, quem diria..., guardas municipais de São João da Barra, ás margens do canal de Quintigute, que tentaram a todo custo impedir o trabalho dos pesquisadores: “vocês estão querendo arrumar confusão, vão saindo daqui”. Como a via é pública, os pesquisadores não aceitaram as “ordens” dos milicianos X e dos milicianos municipais permanecendo no local e recolhendo amostras, mesmo diante da atitude intimidadora de quem deveria garantir o serviço, já que a pesquisa beneficia a população local. Para impedir esse tipo de coação, o promotor Leandro Manhães deverá garantir o trabalho dos pesquisadores com uma equipe de policiais do GAP (Grupo de Apoio a Promotoria).
Comentar
Compartilhe
TCE nega recurso de ex-reitor da Uenf contra multa por irregularidades no Bandejão
12/11/2012 | 03h52
Esta segunda-feira 12 teve um gostinho amargo de sexta-feira 13 para o ex-reitor da Uenf Almy Jr., seu recurso contra a multa aplicada pelo TCE foi negado. Almy Jr., atual presidente da Fenorte, foi multado no dia 16 de junho deste ano pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) (AQUI) nos autos referentes ao Contrato nº 020/2008, firmado em 05/11/2008 entre a Fundação Universidade Estadual Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF e Zuhause Construtora Ltda., por irregularidades nas obras de construção do restaurante universitário, DCE, Projeto Recreando e Espaço da Ciência, no valor de R$ 3.987.499,99, que deveriam ter sido concluídas no prazo de 17 meses. Veja a publicação do DO: Processo TCE nº 108162-9/2008 - Interessado: ALMY JUNIOR CORDEIRO DE CARVALHO - Votos: CONHECIMENTO, NÃO-PROVIMENTO, COMUNICAÇÃO. E agora, será que seus companheiros de "cúpula" da Uenf vão organizar uma “vaquinha” para colaborar?
Comentar
Compartilhe