Beto Azevedo é cassado e Frederico assume SFI - “Agora quem ficou sem as chaves foi ele” (Barbosa Lemos)
17/05/2012 | 09h25
Por seis votos a três, Beto Azevedo foi cassado pela Câmara de São Francisco de Itabapoana e Frederico Barbosa Lemos já é o novo prefeito. Após a votação, o presidente da Câmara Tininho assinou um Decreto Legislativo atestando a cassação de Beto Azevedo e o nomeando automaticamente Frederico Barbosa Lemos como prefeito de São Francisco de Itabapoana. Quatro acusações fora feitas contra Beto Azevedo e três foram consideradas procedentes. A principal delas seria ter beneficiado a fornecedores, em especial à Clínica Fênix, responsável por exames na área médica prestados ao município. Segundo as acusações, os exames pagos pela prefeitura eram em número muito superior aos realmente prestados. Segundo a acusação, O prefeito Beto Azevedo teria conhecimento e participaria do esquema. O ex-prefeito Barbosa Lemos, pai do, agora, prefeito Frederico Barbosa Lemos, que era vice de Beto, disse ao blog que a justiça foi feita. Segundo ele, há três anos seu filho chegou a ser humilhado por Beto que recolheu das mãos da sua secretária as chaves do gabinete de vice-prefeito e disse que se Frederico as quisesse de volta deveria apanhá-las com ele. “Como é a vida. Agora quem ficou sem as chaves foi ele”.
Comentar
Compartilhe
Americano – César Gama propõe composição com oposição em oito diretorias
16/05/2012 | 03h58
Americano - situação e oposição procuram união para recuperar o clube [caption id="attachment_3415" align="aligncenter" width="756" caption="Júlio Manhães apresentando projeto para recuperação do Americano"][/caption] A reunião de ontem à noite, entre sócios e torcedores do Americano, com o objetivo de discutir alternativas para recuperação do clube e a possibilidade de venda do estádio, vista com simpatia pela atual direção do Americano, mas nem tanto pela oposição, teve como ponto alto a sugestão do vice-presidente do clube, Edson Rangel, de que ele e o atual presidente Cesar Gama entreguem os cargos e que seja convocada uma assembleia para que os sócios elejam este Colegiado. Mas a noite ainda prometia surpresas. Após a reunião foi realizado um encontro entre o presidente do Americano César Gama, seu vice Edson Rangel, e o presidente da Fundação Municipal de Esportes, Magno Prisco (Maguinho), torcedor e ex-jogador do Americano, que abriu as portas para uma composição que poderá dar uma nova dinâmica ao clube. A conversa foi produtiva. Apesar da proposta de uma direção colegiada não ter sido completamente aceita pelo atual presidente César Gama, em contrapartida, ele se mostrou disposto a ceder oito diretorias ao grupo de oposição, com as pessoas que o grupo indicar como as mais aptas aos cargos, inclusive os de diretor financeiro e diretor de futebol. Diante da nova possibilidade aventada por César Gama, o grupo de sócios e torcedores agendou uma nova reunião, no próximo dia 25, para analisar a resposta de César diante do posicionamento do seu vice Edson Rangel.
Comentar
Compartilhe
Cecília, filha de Heli, responde em vídeo a Cláudio Guerra de Memórias de Uma Guerra Suja
18/05/2012 | 10h21

 

 

Cecília Lyzandro Ribeiro Gomes, filha de Heli Ribeiro Gomes, já falecido, que foi acusado no Livro “Memórias de uma Guerra Suja, de permitir a incineração de corpos de militantes na Usina Cambahyba, segundo depoimentos do ex-agente da ditadura Cláudio Guerra aos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, respondeu em vídeo as acusações contra seu pai. Confira no link abaixo.

Cecília, filha de Heli, responde em vídeo a Cláudio Guerra de Memórias de Uma Guerra Suja

Comentar
Compartilhe
Americano – César Gama propõe composição com oposição em oito diretorias
16/05/2012 | 03h58
Americano - situação e oposição procuram união para recuperar o clube [caption id="attachment_3415" align="aligncenter" width="756" caption="Júlio Manhães apresentando projeto para recuperação do Americano"][/caption] A reunião de ontem à noite, entre sócios e torcedores do Americano, com o objetivo de discutir alternativas para recuperação do clube e a possibilidade de venda do estádio, vista com simpatia pela atual direção do Americano, mas nem tanto pela oposição, teve como ponto alto a sugestão do vice-presidente do clube, Edson Rangel, de que ele e o atual presidente Cesar Gama entreguem os cargos e que seja convocada uma assembleia para que os sócios elejam este Colegiado. Mas a noite ainda prometia surpresas. Após a reunião foi realizado um encontro entre o presidente do Americano César Gama, seu vice Edson Rangel, e o presidente da Fundação Municipal de Esportes, Magno Prisco (Maguinho), torcedor e ex-jogador do Americano, que abriu as portas para uma composição que poderá dar uma nova dinâmica ao clube. A conversa foi produtiva. Apesar da proposta de uma direção colegiada não ter sido completamente aceita pelo atual presidente César Gama, em contrapartida, ele se mostrou disposto a ceder oito diretorias ao grupo de oposição, com as pessoas que o grupo indicar como as mais aptas aos cargos, inclusive os de diretor financeiro e diretor de futebol. Diante da nova possibilidade aventada por César Gama, o grupo de sócios e torcedores agendou uma nova reunião, no próximo dia 25, para analisar a resposta de César diante do posicionamento do seu vice Edson Rangel.
Comentar
Compartilhe
Chatice na rede
08/05/2012 | 10h13
Agora parece estar na moda em Campos sites que exageram na propaganda. Basta passar o mouse na tela e salta publicidade para todo lado. Em muitos casos, nem isso é preciso. Pior ainda é essa breguice de colocar links com emissoras de rádio e TV isso e TV aquilo, que já entram com imagem e som sem solicitação do visitante. Parece falta de educação e, como diria o Anselmo, é! O coitado do usuário, antes de poder se concentrar no que realmente interessa, tem que excluir os pop ups e desligar os links de rádios e TVs. Que saco!
Comentar
Compartilhe
Hospital de São João da Barra cada vez mais longe de particular
07/05/2012 | 11h40
As conversações para a construção de um futuro Hospital Geral de São João da Barra cada vez mais se afastam de um hospital particular e se aproximam de um hospital escola, um Álvaro Alvim 2. A receita inclui a doação de prédio e equipamento pelas empresas X à Fundação Benedito Pereira Nunes (FMC), como contrapartida social ao município que, assim, passaria a contar com um hospital de primeiro mundo administrado por uma entidade médica sem finalidade lucrativa.
Comentar
Compartilhe
Carroças, um problema que se arrasta...
21/05/2012 | 10h38

 

 

Já passou da hora de alguém colocar os pingos nessa história das carroças circulando em Campos. Na realidade, ninguém está acima da lei, sejam carroceiros ou motoristas, mas, nesse segundo caso, só os condutores de veículos são penalizados por infrações de trânsito. Basta uma lanterna queimada, e lá vem multa. Como permitir, então, que veículos movidos a tração animal circulem sem nenhum dispositivo de segurança em um trânsito movimentado como o de Campos? Falar em problema social é correto, mas continuar permitindo que vidas sejam colocadas em risco não é admissível. Só a proibição total da circulação desses veículos e a recolocação profissional de quem exerce essa atividade poderá trazer uma solução. O direito de um termina onde começa o direito do outro. A lei é para todos.

 

Comentar
Compartilhe
Tribunal de Contas acolhe denúncias contra a Uenf
14/05/2012 | 06h39
Em decisão plenária no dia 17 de abril, o Tribunal de Contas do Estado acolheu denúncias publicadas na Revista Somos Assim contra a Uenf, na gestão do ex-reitor, e atual presdente da Fenorte, Almy Jr., seguindo o parecer do relator Aluisio Gama de Souza, endossada pelo Ministério Público Especial, no processo 103.823-9/2011. Entre elas, a que indica fortes indícios de superfaturamento de 152 televisores de 52 polegadas, adquiridos por R$882.448,50 da empresa Website, que apontou como endereço sede um velho brechó na Rua do Lavradio. Também fazem parte das denúncias as licitações dos estranhos quiosques, realizadas no mesmo dia, uma pela manhã e outra à tarde, com projetos iguais e preços diferentes, e vencidas pela mesma empresa, a PFMP Construtora. Outro grave fato que chamou a atenção dos conselheiros foi a construção de dois prédios iguais para a integração das unidades de Gemônica, Proteônica e Metabolônica, por R$537.846,86 pela empresa Jotesse e Mendes Construções, e o segundo, inicialmente para o Espaço da Ciência, por R$878.412,02 (sem instalação elétrica e hidráulica), ensejando outra contratação para esses itens de R$576.391,77, totalizando incríveis R$1.454.803,70 para a construção do P9. Os serviços de repintura externa da Uenf também terão que ser muito bem explicados, por fortes suspeitas de superfaturamento, pois foram orçados por R$212.000,00 prevendo a utilização de andaimes que não foram utilizados pela Qualiteto Construções, que utilizou apenas cadeirinhas suspensas artesanais em desacordo com a norma regulamentadora 18 do Ministério do Trabalho, o que também levou a um flagrante do Ministério Público Federal do Trabalho. O ex-reitor Almy Jr. também terá que explicar o recebimento de adicional de periculosidade e insalubridade apontado no seu contra cheque, um dos poucos a contar com o benefício na Uenf. Entre as denúncias, também está relacionada a tristemente famosa obra de construção do Restaurante Universitário (Bandejão), atualmente paralisada, com fortes indícios de superfaturamento e má execução pela Zuhause Construtora. As providências para regularização dos carros alugados pelo ex-reitor Almy Jr., que utilizavam falsas placas oficiais, serão fiscalizadas, além das providências a serem tomadas pela Secretária de Planejamento do Estado. O “pepino” é grande e robusto e tem potencial para acarretar forte responsabilização do ex-reitor Almy Jr, e da sua turma, inclusive com os seus patrimônios pessoais. Na época, as denúncias da Somos foram minimizadas pelo ex-reitor e seus subalternos que, sistematicamente, se negavam a dar explicações, alegando que os fatos e os fortes indícios de irregularidades na utilização do dinheiro público deveriam ser debatidos apenas no ambiente acadêmico interno da Uenf, como se ele e seus comparsas estivessem acima das leis do país. Agora, da maneira mais dolorosa, o ex-reitor da Uenf, e atual presidente da Fenorte, Almy Jr., parece que, finalmente, vai descobrir que a coisa não é bem assim e que as leis são para todos. Se houver condenação pelo TCE as punições serão severas. Segundo a Lei Complementar 63/90: Art. 61 - O Tribunal de Contas poderá aplicar aos administradores ou responsáveis, na forma estabelecida no Regimento Interno, as sanções previstas neste Capítulo. Das multas: Art. 62 - Quando o responsável for julgado em débito, poderá ainda o Tribunal de Contas aplicar-lhe multa de até 100% (cem por cento) vezes do dano causado ao erário. Art. 63 - O Tribunal de Contas poderá aplicar multa de até 1.000 (mil) vezes o valor da UFERJ aos responsáveis por: I - contas julgadas irregulares de que não resulte débito, nos termos do art. 23, parágrafo único desta lei: II - ato praticado com grave infração à norma legal ou regulamentar de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial; III - ato ilegal, ilegítimo ou antieconômico, inclusive editais de licitação, de que resulte, ou possa resultar, dano, ao erário; Das outras sanções Art. 66 - O Tribunal de Contas, por maioria absoluta dos seus membros, poderá, cumulativamente, ou não, com as sanções previstas na Seção anterior, aplicar ao responsável, por prática de atos irregulares, a pena de inabilitação para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança na administração estadual, por prazo não superior a 5 (cinco) anos, bem como propor a pena de demissão, na forma da lei, no caso de servidor. Art. 67 - O Tribunal de Contas proporá à autoridade competente as medidas necessárias ao arresto dos bens dos responsáveis julgados em débito, devendo ser ouvido quanto à liberação dos bens arrestados e sua respectiva restituição. Uenf-Acolhimentodenuncia-TCE-Web
Comentar
Compartilhe
Funcionários da Uenf trabalham sob redes de Furnas com risco de descargas elétricas e câncer
13/05/2012 | 10h33

A edição dessa semana da revista Somos Assim traz uma reportagem surpreendente. Atendendo a denúncias de que Funcionários da Uenf, que trabalham no Núcleo de Pesquisa em Zootecnia e Produção Vegetal, da Uenf, na Escola Estadual Agrícola Antônio Sarlo, estavam sendo submetidos à condições de trabalho que descumprem as normas protetivas de higiene, saúde, segurança e meio ambiente do trabalho para proteção da saúde, integridade física e a vida dos trabalhadores, a equipe da revista constatou e fotografou que, logo a Uenf, que deveria ser um exemplo para todos, está descumprindo normas de proteção à saúde do trabalhador.

Os funcionários da Uenf, no núcleo instalado na área do colégio Agrícola Antônio Sarlo, atuam na execução de experimentos para melhoria de alimentos, como maracujá, milho, laranja e goiaba, e alertam que estão sendo obrigados a trabalhar sob condições de alta periculosidade por conta de a localização dos plantios para os experimentos da Uenf ser exatamente embaixo de redes de transmissão de alta voltagem elétrica de Furnas. O que contraria frontalmente as normas de segurança estabelecidas pela Eletrobras, que indica a preservação de uma margem de 12 metros além da faixa coberta pela rede. O que visivelmente não está sendo obedecido nas áreas de experimentos da universidade.

Uenf sabe do problema desde 2010

Segundo o ofício de nº 083/2010, datado de 03 de maio de 2010, enviado pelo, então, prefeito do Campus da Uenf, professor Paulo Maia, ao professor Hérman Maldonado Vasquez, na época, diretor do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA), foram registradas várias ocorrências relativas a descargas elétricas sofridas por trabalhadores de campo que desenvolvem atividades no Colégio Agrícola.

Solicitação de segurança da Eletrobras não foi atendida

Em resposta à consulta do presidente do Sintuperj, na época, Pedro Luiz Fernandes Brasil, a Eletrobras esclareceu no ofício nº 085/2010 que o projeto de suas linhas de transmissão se baseia em recomendações internacionais, entre elas a preservação de uma área livre de 12 metros de cada lado da faixa por onde passa a linha de transmissão e solicita “a remoção da ‘Casa de Vegetação’ localizada na ‘Área B’ da faixa de servidão da linha de Furnas, onde não é permito esse tipo de construção”.

A solicitação da Eletrobras não foi atendida pela Uenf e, até hoje, a ‘Casa de Vegetação’ continua abaixo das linhas de transmissão e os trabalhadores atuando em suas instalações, como pode ser visto nas fotos.

Trabalhadores reclamam

Ao todo a Uenf conta com cerca de 40 funcionários trabalhando diretamente no campo. Segundo o funcionário da Uenf Heli Sena, eles sabem de casos de alguns colegas que, por conta da proximidade com a rede, sofreram com choques. “A gente não sabe o termo científico, mas há possibilidade de choques e, segundo tivemos informações, também pode causar câncer. E a gente fica aí, a mercê. Um colega trabalhando lá em cima mexeu com os canos metálicos de irrigação e sentiu a descarga. Teve que soltar os canos porque não conseguiu ficar segurando”, relatou um dos operários.

Os operários que estão se sentindo prejudicados com a passagem das torres disseram que fizeram reclamações com os responsáveis dos departamentos do Laboratório de Melhoramento Genético Vegetal (LMGV) e do Laboratório de Fitotecnia (LFIT), da Uenf, segundo eles, o professor Alexandre e o professor Fábio; mas, ainda segundo os trabalhadores, a orientação passada foi de que por falta de espaço para colocar os experimentos era para continuar o trabalho.

A reportagem completa está na Somos desse domingo nas bancas.

Comentar
Compartilhe
De fazer corar frade de pedra
17/05/2012 | 11h53
Sem o menor resquício de pudor, segundo o jornal a Folha de São Paulo, a empresa do irmão do secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, recebeu R$ 5 milhões de financiamento antes mesmo de possuir a licença para funcionar. Segundo o jornalista Marco Antônio Martins: “Uma empresa administrada pelo irmão do secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes, obteve R$ 5 milhões de financiamento do governo do Estado. O dinheiro para a DFV Comercial e Industrial Ltda foi liberado antes de a empresa possuir a licença completa para funcionar.”
Comentar
Compartilhe
Promoção: Festeje como um governador e concorra a uma garrafa de champagne
10/05/2012 | 12h47
O videomaker carioca Rafael Puetter premiará com um champanhe quem imitar com mais criatividade as fotos do governador do Rio, Sérgio Cabral, e secretários que viajaram para Paris com Fernando Cavendish. "As fotos são o estereótipo do ditador de 3º mundo que vai torrar dinheiro num lugar chique", diz o criador da sátira. (Fonte:Jornal o Estado de São Paulo)  No site de Rafael você encontra a divulgação e o regulamento da promoção: “Depois de ver as fotos do governador Sérgio Cabral em Paris, acompanhado de Fernando Cavendish (dono de empreiteira que tinha muitos $$$ em contratos com o Governo do Rio), do secretário da Saúde Sérgio Cortes e até o Júlio Lopes, secretário de Transportes, fiquei com uma pulga atrás da orelha: Aquela viagem me pareceu muito divertida! A gente reclama, mas eu DU-VI-DO que se vocês tivessem com amigos no Ritz de Paris vocês não iam nem ao menos cogitar dançar a Dança da Garrafa com guardanapo na cabeça. Muita gente faz isso com bem menos! :)    Mas não é justo que eles se divirtam sozinhos enquanto o Rio de Janeiro padece com a infra-estrutura péssima de hospitais (alô Sérgio Cortes), escolas, os salários baixos dos bombeiros, policiais, professores… Isso sem falar no preço dos ônibus, do metrô, das Barcas (por onde anda Julio Lopes? Um beijo Julio Lopes). Justo seria se todo mundo se divertisse junto, pô!”    “Então é o seguinte: envie sua foto #sérgiocabralizando pelo Facebook ou pelo Twitter com a hashtag #sérgiocabralizando. Pode ser sozinho, com amigos, cachorro, papagaio (para referências, clique aqui: http://glo.bo/cabralparis): o importante é se divertir! Vale rir, dançar, botar guardanapo na cabeça e mostrar a sola do sapato (não precisa ser Louboutin!).  “Serão selecionadas 3 (três) fotos e o público irá decidir quem #sérgiocabralizou com mais estilo! O vencedor ganha uma garrafa de champagne, oferecida por mim em nome do povo fluminense, pra você farrear like a G6 (um governador e mais seis amigos à sua escolha).” Regulamento: 1 – Ao participar do concurso cultural #sérgiocabralizando, você se responsabiliza pelo direito de imagem das pessoas presentes no retrato 1.1 Não pode participar enviando as fotos originais ou montagens com os rostos originais. 2 – A escolha das fotos será feita por Rafucko, sendo os critérios subjetivos, mas nem por isso menos questionáveis: ou seja, podem reclamar à vontade, se acharem que a escolha foi injusta. Os critérios que fazem uma foto uma boa candidata são: I – a semelhança com as fotos originais II – a criatividade III – o sentimento de diversão que a foto provoca 3 – Os participantes são de todo o Brasil. Podem participar amigos e parentes, mas que fiquem cientes que não irei favorecer nenhum deles – francamente, se acham que vão me corromper por uma garrafa de champagne, estão muito equivocados. 4 – As fotos mais criativas serão postadas aqui e no Facebook para avaliação do público. A que tiver mais votos/curtidas será a vencedora. 5 – A garrafa de champagne será enviada para o endereço do vencedor, desde que se encontre em território nacional. 6 – O vencedor deve ser maior de 18 anos, naturalmente. 7 – Qualquer dúvida, é só postar aqui ou no Feice.   Confira em http://rafucko.com/2012/05/08/promocao-festeje-como-um-governador-e-concorra-a-uma-garrafa-de-champagne/  Algumas fotos para serem reproduzidas estão aqui: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2012/05/02/cabral-quis-ser-chique-foi-brega-por-elio-gaspari-443001.asp
Comentar
Compartilhe
João Peixoto perde processo contra jornalista e Revista Somos Assim
05/05/2012 | 12h22
O ainda deputado estadual João Peixoto começou o mês de maio perdendo. Ele acaba de ver se esvair por terra a sua malfadada tentativa de intimidar a mídia processando o autor desse blog e a Revista Somos Asssim. Apoiado no pífio argumento de danos à sua imagem por termos publicado uma fotomotagem onde ele figurava de cowboy para ilustrar matéria sobre sua vocação para fazendeiro, já que, segundo sua própria declaração ao TRE, na época ele já possuía 4 fazendas e diversos outros imóveis e veículos, totalizando um patrimônio declarado de R$1.267 milhão. A ação contra o autor do blog e a revista Somos Assim foi considerada totalmente improcedente pela juíza da 1ª Vara Cível de Campos Dra. Cristiane Tomaz Buosi (AQUI). Veja abaixo matéria utilizada por João para tentar calar a mídia. [caption id="attachment_3317" align="aligncenter" width="630" caption="Matéria da Revista Somos Assim utilizada por João como argumento para tentar intimidar jornalista e revista utilizando a Justiça"][/caption] O motivo era outro Na realidade o que mais incomodou o nobre deputado foram matérias sobre a compra de votos, no dia 3 de outubro, durante as últimas eleições, quando o irmão do então candidato João Peixoto, Agildo Alves Peixoto, foi preso em flagrante pela Polícia Federal (AQUI), no dia 03/10/2010, por suspeita de comprar votos na localidade de Santa Ana, em Travessão. Com ele foi apreendida uma agenda, anexada ao inquérito policial federal nº 0432/2010, que registra a movimentação de mais de meio milhão de reais distribuídos em várias anotações com nomes e módicos valores de 70 reais (muitas) a vultuosas quantias de 60 mil reais a 120 mil reais, totalizando cerca de polpudos 550 mil reais. Sintomaticamente, a ação contra o autor do blog e a Somos Assim utilizou uma matéria publicada em 25 de julho de 2010, mas só  foi iniciada em 18/11/2010, poucos dias após a publicação das matérias sobre a prisão em flagrante do irmão do deputado pela Polícia Federal por fortes indícios de compra de votos. [caption id="attachment_1846" align="aligncenter" width="755" caption="O irmão de João Peixoto e trecho do auto de prisão em flagrante"][/caption] Desse flagrante foi gerada a AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO DE MANDATO ELETIVO – Nº 6931-36.2010.6.19.0000, aquela em que, incrivelmente, cinco advogados do deputado estadual João Peixoto perderam o prazo legal para apresentar a defesa, mas que, por decisão de primeira instância, conseguiram incluir após o prazo legal. Logo no início da fila de ilustres sofrendo um surto de amnésia coletiva (AQUI), assina o advogado Eduardo Damian Duarte, chefe de Gabinete do secretário estadual de Governo, Wilson Carlos, aquele que estava na farra parisiense com o governador Sérgio Cabral posando ao lado de uma Ferrari de um milhão de dólares. Diante dos fatos reais e documentados noticiados por esse blog e pela Revista Somos Assim, João procurou várias alternativas pouco recomendadas para calar a mídia, entre elas, esse fracassado processo. Destino de João pode ser decidido na terça-feira pelo TSE Essa mesma ação, fruto do flagrante da Polícia Federal, agora será julgada pelo TSE. O destino de João deverá ser decidido pelo Ministro Marco Aurélio na próxima terça-feira, com transmissão ao vivo a partir das 19h, pela TV Justiça. Se a maré de azar dos afilhados de Cabral continuar, esse pode ser uma terça-feira negra para o, ainda deputado, João Peixoto. Vale a conferida. Sentença na íntegra:  Joao-Peixoto-Esdras-Sentenca
Comentar
Compartilhe
Nem dentro de casa
21/05/2012 | 10h47
A escalada de assaltos a residências em Campos, como, entre muitas, a de um juiz e, agora, a do pastor Éber Silva, são bastante preocupantes. Se o cidadão de bem passa a não ter segurança em seu próprio lar, o que dirá nas ruas da cidade. Já passou da hora de se repensar o modelo de segurança em vigor. Com o avassalador progresso que toma conta da região, novas medidas de segurança deveriam ser implementadas, como cabines da PM em pontos estratégicos, duplas a pé, e policiamento ostensivo nos bairros. Se patrulhinha passando uma vez por noite não está adiantando nada, por que não mudar?
Comentar
Compartilhe
Chatice na rede
08/05/2012 | 10h13
Agora parece estar na moda em Campos sites que exageram na propaganda. Basta passar o mouse na tela e salta publicidade para todo lado. Em muitos casos, nem isso é preciso. Pior ainda é essa breguice de colocar links com emissoras de rádio e TV isso e TV aquilo, que já entram com imagem e som sem solicitação do visitante. Parece falta de educação e, como diria o Anselmo, é! O coitado do usuário, antes de poder se concentrar no que realmente interessa, tem que excluir os pop ups e desligar os links de rádios e TVs. Que saco!
Comentar
Compartilhe
Roubar pouco de rico, agora, pode
21/05/2012 | 11h16
Aparentemente atacados por uma “Síndrome de Robin Hood”, os juristas responsáveis pela elaboração do anteprojeto para reformulação do Código Penal brasileiro aprovaram que furtos de pequeno valor contra vítimas de alta renda deixem de ser considerados crimes. Para a regra valer é preciso que o prejuízo para a vítima seja insignificante. Roubar pouco do Eike, por exemplo, pode... Caiu meu mundo. Eu pensava que roubo era roubo, não importava o tamanho...
Comentar
Compartilhe
Parque de Exposições de São João da Barra começa a ser construído
07/05/2012 | 04h54
Cada dia melhor, São João da Barra agora vai contar com Parque de Exposições e, melhor ainda, municipal. A prefeitura de início às obras do parque em uma área de numa área de 100.000m2, às margens da BR-356, próximo ao trevo de chegada da cidade. O no espaço público está orçado em R$ 4.277.000,90 e tem prazo de conclusão previsto de seis meses. Além de abrigar a Exposição Agropecuária do município, o parque também será utilizado para cursos, palestras, seminários e oficinas, além da reestruturação de vários serviços visando assegurar melhor qualidade nos atendimentos técnicos prestados ao produtor.
Comentar
Compartilhe
Divórcio difícil
22/05/2012 | 10h19
Se você algum dia achou difícil fazer um contrato com a Nextel, não tem a menor ideia da dificuldade em desfazê-lo. Mesmo após o encerramento do contrato, devolver o aparelho é uma tarefa desgastante e pode durar semanas. O detalhe é que, enquanto isso, a conta continua sendo cobrada. Fique atento.
Comentar
Compartilhe
Nem dentro de casa
21/05/2012 | 10h47
A escalada de assaltos a residências em Campos, como, entre muitas, a de um juiz e, agora, a do pastor Éber Silva, são bastante preocupantes. Se o cidadão de bem passa a não ter segurança em seu próprio lar, o que dirá nas ruas da cidade. Já passou da hora de se repensar o modelo de segurança em vigor. Com o avassalador progresso que toma conta da região, novas medidas de segurança deveriam ser implementadas, como cabines da PM em pontos estratégicos, duplas a pé, e policiamento ostensivo nos bairros. Se patrulhinha passando uma vez por noite não está adiantando nada, por que não mudar?
Comentar
Compartilhe
Divórcio difícil
22/05/2012 | 10h19
Se você algum dia achou difícil fazer um contrato com a Nextel, não tem a menor ideia da dificuldade em desfazê-lo. Mesmo após o encerramento do contrato, devolver o aparelho é uma tarefa desgastante e pode durar semanas. O detalhe é que, enquanto isso, a conta continua sendo cobrada. Fique atento.
Comentar
Compartilhe
De fazer corar frade de pedra
17/05/2012 | 11h53
Sem o menor resquício de pudor, segundo o jornal a Folha de São Paulo, a empresa do irmão do secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, recebeu R$ 5 milhões de financiamento antes mesmo de possuir a licença para funcionar. Segundo o jornalista Marco Antônio Martins: “Uma empresa administrada pelo irmão do secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes, obteve R$ 5 milhões de financiamento do governo do Estado. O dinheiro para a DFV Comercial e Industrial Ltda foi liberado antes de a empresa possuir a licença completa para funcionar.”
Comentar
Compartilhe
Sem provas, ex-delegado fala em dez corpos incinerados na Usina Cambahyba
07/05/2012 | 12h13
 Paranóia delirante ou marketing de vendas? O lançamento do livro “Memórias de uma Guerra Suja”, de Cláudio Antônio Guerra, na realidade uma coletânea de depoimentos do ex-delegado da Polícia Civil do Espírito Santo concedidos aos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, trazendo denúncias sobre crimes da ditadura e suposta incineração de corpos em usina campista, caiu como uma bomba em Campos.    Duas décadas depois dos mirabolantes fatos descritos, o empresário e dono da Usina Cambahyba, Heli Ribeiro Gomes, já falecido e sem chances de se defender, sofre graves acusações do ex-delegado do DOPS, Cláudio Guerra, em seu livro. Segundo o ex-agente da ditadura militar, o industrial campista teria colaborado com os militares no sumiço dos corpos de cerca de 10 militantes de esquerda, em 1973, que teriam sido incinerados nos fornos da usina Cambahyba.    Só mesmo uma profunda e isenta investigação poderá provar serem mentiras, verdades ou delírios suas fantásticas afirmações. Afinal, a palavra de um criminoso confesso dessa estatura e periculosidade não poder ser levada ao pé da letra como verdade sem provas concretas que efetivamente as avalizem. Família repudia acusações A família do industrial campista Heli Ribeiro Gomes, representada por seus filhos ainda vivos, nega completamente qualquer veracidade nessa história. Em depoimento à equipe da Somos, um dos filhos de Heli Ribeiro, o advogado Jorge Lysandro Ribeiro Gomes, diz, revoltado, que tudo isso é um absurdo. “Que barbaridade! Que negócio completamente absurdo. Eu nem sei ainda o que responder! Não acredito como se fala isso de uma indústria em que trabalhavam 300 pessoas dia e noite, não havia como acontecer isso sem que ninguém visse. É completamente impossível, inimaginável. Meu pai nunca concordaria como uma coisa dessas. Meu pai andava no meio do povo. Não era o tipo de gente que se permitia admitir isso. Meu pai era ‘desassustado’ (sic). Passava com a sua Rural em qualquer estrada e parava para dar carona a qualquer pessoa. Não havia como fazer uma coisa dessa despercebido. A usina funcionava com centenas de funcionários, dia e noite. Isso é um delírio! Coisa de um maluco desses. Quem conhece o funcionamento de uma indústria de açúcar, sabe que isso não é possível. Só mesmo quem nunca viu para falar uma bobagem dessas. Toda a minha família vai sofrer com isso”, finalizou. Ficha corrida de assustar O autor do livro “Memórias de Guerra Suja”, Cláudio Guerra (71 anos), apresenta uma vida pregressa das mais extensas e movimentadas. Ele é ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) e da polícia Civil do Espírito Santo e se prepara para virar pastor de igreja após declarar ter se arrependido de todos os seus pecados. E eles são muitos. Guerra é acusado de formação de quadrilha, tráfico de drogas, tortura, homicídios, roubo de armas, de chefiar grupos de extermínio, e até de desviar dízimos de igreja. Além disso, ele foi condenado a 42 anos de prisão, em regime fechado, por um atentado a bomba, ocorrido em agosto de 1982, no centro de Vitória, e condenado a 18 anos de prisão sob a acusação de assassinato da própria esposa, Rosa Maria Cleto, e da cunhada, Glória Maria Cleto, em 1980. Uma ficha corrida de assustar. Paranóia delirante No livro, Claudio Guerra toma para si ares do famoso agente inglês da ficção de espionagem James Bond, afirmando ter recebido do Estado brasileiro carta branca para “julgar, torturar, matar e desaparecer com o corpo” dos militantes de esquerda. A mesma “licença para matar” atribuída pelo escritor Ian Fleming ao personagem 007. Guerra se coloca como protagonista ou testemunha de quase todos os episódios polêmicos da ditadura. Um personagem ubíquo, quase um Forrest Gump que emerge do livro, chega até 1989, quando diz que sua “comunidade” pôs panfletos da campanha do petista Luiz Inácio Lula da Silva no local em que o empresário Abílio Diniz foi sequestrado, em São Paulo. Nada a perder As denúncias sobre queima de corpos em Cambahyba devem ser vistas com muita cautela. O denunciante, o ex delegado Cláudio Guerra, do Dops, como se vê na reportagem, é ex- matador da ditadura, condenado a 42 anos por atentado a bomba, recorrendo no STF a uma sentença de 18 anos acusado de ter matado a esposa e a cunhada, também é acusado de tráfico de drogas, desvio de dinheiro de igreja e mais sabe-se lá quais atrocidades. Sem apresentar nenhuma prova do que está dizendo, com 71 anos de idade, ele agora parece estar atirando a esmo para promover um grande golpe publicitário em torno do seu livro e garantir com as vendas algum conforto para passar a velhice na prisão, quando sair o resultado definitivo do STF sobre os assassinatos da esposa e da cunhada, com enormes possibilidades de deixá-lo apodrecendo atrás das grades. Enquanto isso, sem provas além da sua descredibilizada palavra, ele vai fazendo mais vítimas em sua trajetória, entre elas os filhos, netos e bisnetos de Heli Ribeiro Gomes. Esse caso poderá acabar na esfera judicial, mas o que se pode fazer contra quem não tem nada a perder?
Comentar
Compartilhe
Promoção: Festeje como um governador e concorra a uma garrafa de champagne
10/05/2012 | 12h47
O videomaker carioca Rafael Puetter premiará com um champanhe quem imitar com mais criatividade as fotos do governador do Rio, Sérgio Cabral, e secretários que viajaram para Paris com Fernando Cavendish. "As fotos são o estereótipo do ditador de 3º mundo que vai torrar dinheiro num lugar chique", diz o criador da sátira. (Fonte:Jornal o Estado de São Paulo)  No site de Rafael você encontra a divulgação e o regulamento da promoção: “Depois de ver as fotos do governador Sérgio Cabral em Paris, acompanhado de Fernando Cavendish (dono de empreiteira que tinha muitos $$$ em contratos com o Governo do Rio), do secretário da Saúde Sérgio Cortes e até o Júlio Lopes, secretário de Transportes, fiquei com uma pulga atrás da orelha: Aquela viagem me pareceu muito divertida! A gente reclama, mas eu DU-VI-DO que se vocês tivessem com amigos no Ritz de Paris vocês não iam nem ao menos cogitar dançar a Dança da Garrafa com guardanapo na cabeça. Muita gente faz isso com bem menos! :)    Mas não é justo que eles se divirtam sozinhos enquanto o Rio de Janeiro padece com a infra-estrutura péssima de hospitais (alô Sérgio Cortes), escolas, os salários baixos dos bombeiros, policiais, professores… Isso sem falar no preço dos ônibus, do metrô, das Barcas (por onde anda Julio Lopes? Um beijo Julio Lopes). Justo seria se todo mundo se divertisse junto, pô!”    “Então é o seguinte: envie sua foto #sérgiocabralizando pelo Facebook ou pelo Twitter com a hashtag #sérgiocabralizando. Pode ser sozinho, com amigos, cachorro, papagaio (para referências, clique aqui: http://glo.bo/cabralparis): o importante é se divertir! Vale rir, dançar, botar guardanapo na cabeça e mostrar a sola do sapato (não precisa ser Louboutin!).  “Serão selecionadas 3 (três) fotos e o público irá decidir quem #sérgiocabralizou com mais estilo! O vencedor ganha uma garrafa de champagne, oferecida por mim em nome do povo fluminense, pra você farrear like a G6 (um governador e mais seis amigos à sua escolha).” Regulamento: 1 – Ao participar do concurso cultural #sérgiocabralizando, você se responsabiliza pelo direito de imagem das pessoas presentes no retrato 1.1 Não pode participar enviando as fotos originais ou montagens com os rostos originais. 2 – A escolha das fotos será feita por Rafucko, sendo os critérios subjetivos, mas nem por isso menos questionáveis: ou seja, podem reclamar à vontade, se acharem que a escolha foi injusta. Os critérios que fazem uma foto uma boa candidata são: I – a semelhança com as fotos originais II – a criatividade III – o sentimento de diversão que a foto provoca 3 – Os participantes são de todo o Brasil. Podem participar amigos e parentes, mas que fiquem cientes que não irei favorecer nenhum deles – francamente, se acham que vão me corromper por uma garrafa de champagne, estão muito equivocados. 4 – As fotos mais criativas serão postadas aqui e no Facebook para avaliação do público. A que tiver mais votos/curtidas será a vencedora. 5 – A garrafa de champagne será enviada para o endereço do vencedor, desde que se encontre em território nacional. 6 – O vencedor deve ser maior de 18 anos, naturalmente. 7 – Qualquer dúvida, é só postar aqui ou no Feice.   Confira em http://rafucko.com/2012/05/08/promocao-festeje-como-um-governador-e-concorra-a-uma-garrafa-de-champagne/  Algumas fotos para serem reproduzidas estão aqui: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2012/05/02/cabral-quis-ser-chique-foi-brega-por-elio-gaspari-443001.asp
Comentar
Compartilhe
Imagens das farras em Paris divulgadas por Garotinho deixam Cabral enrolado
07/05/2012 | 12h30
Quando finalmente decidir falar a verdade sobre as suas relações com Fernando Cavendish, da Delta Construções, Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiro, vai ter que se esforçar muito para explicar tudo, ou quase tudo, dessa estranhíssima promiscuidade entre o governador de uma das principais unidades da federação e o maior empreiteiro a serviço do estado, atualmente no epicentro de um dos maiores escândalos de corrupção que está sendo desvendado em nosso país. Cabral em situação complicada Os aliados do Governador Sérgio Cabral na região têm todos os motivos para se preocupar, ele está cada vez mais enrolado nas consequências das tão promíscuas, quanto perigosas, ligações que mantém com Fernando Cavendish, o empreiteiro que mais sangra as finanças do estado, com contratos que ultrapassam mais de R$ 1,5 bilhão, e “Capo” da lamentavelmente famosa Delta Construções, uma das estrelas do mega escândalo de corrupção do bicheiro Carlinhos Cachoeira, atualmente trancafiado em uma cela. As revelações do blog do político campista e ex-governador Anthony Garotinho, amplamente divulgadas pela mídia nacional, inclusive pela própria Rede Globo, sempre tão amiga de Cabral, também levam de roldão nessa verdadeira enxurrada de lama os secretários Régis Fichtner (da comissão de sindicância criada por Cabral para investigar os contratos da Delta), o secretário de Governo Wilson Carlos, afeito a tentar controlar a imprensa com a distribuição de verbas, o secretário de Saúde Sérgio Côrtes e o secretário de Transportes Julio Lopes, este último sempre posou de bom moço em suas passagens pela região. Além dos fortes indícios de favorecimento ao empreiteiro da Delta Construções em licitações nas obras do estado, a publicação das fotos e vídeos das farras parisienses, onde supunham não serem descobertas, deixaram revoltados os cidadãos de todo o estado. NOTA DO BLOG: Fogo ex-amigo Note que essa última frase do renomado colunista corrobora as suspeitas de que o “material bomba” publicado pelo ex-governador em seu blog tenha chegado às mãos de Garotinho por manobras do próprio Cavendish, para se vingar de Sérgio Cabral que o teria traído nessa sórdida história. Para tentar salvar a própria pele Cabral, assim como Pedro negou Jesus três vezes, já negou a sua presença no fatídico acidente no sul da Bahia, para não admitir a amizade com Cavendish, (o que foi obrigado a admitir depois), recentemente negou seu compadrio com Cavendish e, agora, tudo indica, nega o seu apoio e parece decidido a salvar a própria pele jogando o ex melhor amigo aos leões como desesperado recurso para atenuar os profundos arranhões à sua imagem. Mas Cavendish não parece estar disposto a caminhar solitário em direção às garras de uma CPI, que apura, entre outras coisas, a legalidade dos R$ 2,8 bilhões recebidos em cinco anos do Governo Federal pela empresa Delta para realizar obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). A CPI agora está turbinada pelo forte clamor popular diante dos fatos e das imagens divulgadas. Só por milagre Cabral escaparia ileso desse abraço de afogado... Ligações perigosas deixam Cabral a um passo de depor na CPI Tudo poderia ser perdoado ou desconsiderado se fosse apenas fruto de pouca educação ou da famosa falta de berço e excesso de dinheiro de um simples grupo de novos ricos, mas, nesse caso, a coisa é muito mais séria, pois envolve as relações de um governador e vários secretários com o proprietário de uma empresa, a Delta, que está no centro das investigações de uma CPI apontada pela Polícia Federal como financiadora de empresas fantasmas criadas pelo contraventor Carlinhos Cachoeira, preso em virtude das investigações da Operação Monte Carlo. No governo Cabral, a Delta recebeu R$ 1,5 bilhão. Além de muitas outras respostas, o governador Sérgio Cabral terá que explicar muito bem a fonte de recursos para pagar essas farras em Paris, avaliadas, a cada viagem, em cerca de 400 mil reais. Se as farras parisienses foram pagas pelo empreiteiro, como parecem ter sido, a casa cai de vez. Se foram pagas com o dinheiro público, também. Pior ainda se Cabral disser que foi do próprio bolso, afinal, ganharia tanto assim para bancar tais despesas? Ou seja, não importa a fonte dos recursos esbanjados, qualquer explicação só irá piorar as coisas. Partidos e parlamentares consideram a convocação do governador Sérgio Cabral imprescindível para que a CPI não seja desmoralizada. O estrago feito pelas impressionantes revelações do ex-governador Garotinho já está feito e é de dificílima, ou impossível, solução. Cabral está no que se chama popularmente de uma “sinuca de bico”. Não dá para desmentir tais fotos e vídeos, e quanto mais o governador tenta desmentir mentindo, pior a coisa fica para o seu lado. Essa situação parece estar criando os contornos da extinção da vida política de quem já foi uma grande promessa para o estado. Mas de promessas, o inferno está cheio... Efeito colateral A candidatura do vice-governador Pézão, que já não andava lá bem das pernas na lanterninha das pesquisas, apesar de contar com o apoio da máquina, agora parece estar definitivamente comprometida pela revelação das peripécias do seu mentor Cabral e a “Turma do Guardanapo” em Paris. Mas, como se não bastasse tanta desventura, o vice parece ter virado um baita Pézão frio com o roubo em seu apartamento, na Rua Rainha Guilhermina, no Leblon, revelando uma enorme coleção de caixas de joias, cerca de 15, encontradas pela polícia vazias em cima da sua cama enquanto ele passeava, como sempre, na Itália. O inesperado assalto à casa do vice-governador do estado, exatamente enquanto explodia uma “bomba” dessas em cima do seu chefe, deixa várias interrogações no ar, e nenhuma delas parece estar muito longe da realidade. Entre as principais, o que de mais valioso teria sido roubado? Haveria ali algum documento que poderia comprometer alguém poderoso? Ladrões com esse nível de profissionalismo, a ponto de assaltar o apartamento de um vice-governador sem chamar ao menos a atenção dos vizinhos, podem considerar as valiosas joias de Pézão apenas um pequeno brinde diante do alvo principal, além de servir para desviar a atenção do verdadeiro intento. Também deixa dúvidas a origem de tantas joias e porque conservá-las em casa, quando um cofre bancário seria muito mais seguro. Esse pequeno tesouro teria sido declarado à receita Federal? Como os gatunos sabiam da existência de alvos valiosos e que Pézão passeava na Itália? Quem poderia ter acesso a esse tipo de informação? Pézão saberia o que despertou a cobiça? Desconfiaria da identidade dos autores ou, pelos menos, de eventuais mandantes? Ainda são muitas as dúvidas. Mas uma coisa é certa: quando se trata de eventos envolvendo políticos, com tantas lacunas sem respostas, nada é por acaso. Na última quarta-feira, equipes da 14ª DP realizaram diligências no apartamento para tentar identificar o que foi roubado. Segundo os agentes policiais, teriam sido furtadas apenas joias e objetos pessoais. A lista completa do que os gatunos levaram só mesmo o vice-governador poderá informar, o que afasta qualquer esperança de que toda a verdade nessa intrincada história um dia possa vir à tona. Leia mais na edição da Somos Assim, nas bancas.
Comentar
Compartilhe
Royalties: Contagem regressiva
11/05/2012 | 01h54
[caption id="attachment_3373" align="aligncenter" width="756" caption="Deputado Carlos Zaratini (PT-SP), relator do projeto (PL2565/11) "][/caption] A nova proposta sobre a partilha dos royalties será colocada em pauta dentro de treze dias pelo deputado Carlos Zaratini (PT-SP), relator do projeto (PL2565/11) sobre as novas regras de distribuição entre os estados produtores e os não produtores e da participação especial. Na proposta anterior, apresentada pelo senador Vital do Rego, o estado do Rio de Janeiro perderia até 50% e municípios produtores, como Campos e Quissamã, até 70%. Na nova fórmula, nada seria perdido e ainda haverá correção pelo IGPM.
Comentar
Compartilhe
Estadão protocola pedido de informações sobre viagens de Cabral ao exterior
08/05/2012 | 05h19
O jornal o Estado de S. Paulo, o famoso “Estadão”, parece que vai entrar firme nessa história das farras parisienses de Cabral.  Ontem o jornal protocolou um pedido de informações sobre todas as viagens do governador Cabral ao exterior, dirigido ao secretário da Casa Civil, Régis Fichtner. O jornal quer esclarecer dúvidas sobre as viagens de Cabral a outros países, em companhias pouco recomendadas, como a do amigo e empresário Fernando Cavendish, controlador da empresa Delta, investigada pela CPI do Cachoeira.
Comentar
Compartilhe
Beto Azevedo é cassado e Frederico assume SFI - “Agora quem ficou sem as chaves foi ele” (Barbosa Lemos)
17/05/2012 | 09h25
Por seis votos a três, Beto Azevedo foi cassado pela Câmara de São Francisco de Itabapoana e Frederico Barbosa Lemos já é o novo prefeito. Após a votação, o presidente da Câmara Tininho assinou um Decreto Legislativo atestando a cassação de Beto Azevedo e o nomeando automaticamente Frederico Barbosa Lemos como prefeito de São Francisco de Itabapoana. Quatro acusações fora feitas contra Beto Azevedo e três foram consideradas procedentes. A principal delas seria ter beneficiado a fornecedores, em especial à Clínica Fênix, responsável por exames na área médica prestados ao município. Segundo as acusações, os exames pagos pela prefeitura eram em número muito superior aos realmente prestados. Segundo a acusação, O prefeito Beto Azevedo teria conhecimento e participaria do esquema. O ex-prefeito Barbosa Lemos, pai do, agora, prefeito Frederico Barbosa Lemos, que era vice de Beto, disse ao blog que a justiça foi feita. Segundo ele, há três anos seu filho chegou a ser humilhado por Beto que recolheu das mãos da sua secretária as chaves do gabinete de vice-prefeito e disse que se Frederico as quisesse de volta deveria apanhá-las com ele. “Como é a vida. Agora quem ficou sem as chaves foi ele”.
Comentar
Compartilhe
Sem provas, ex-delegado fala em dez corpos incinerados na Usina Cambahyba
07/05/2012 | 12h13
 Paranóia delirante ou marketing de vendas? O lançamento do livro “Memórias de uma Guerra Suja”, de Cláudio Antônio Guerra, na realidade uma coletânea de depoimentos do ex-delegado da Polícia Civil do Espírito Santo concedidos aos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, trazendo denúncias sobre crimes da ditadura e suposta incineração de corpos em usina campista, caiu como uma bomba em Campos.    Duas décadas depois dos mirabolantes fatos descritos, o empresário e dono da Usina Cambahyba, Heli Ribeiro Gomes, já falecido e sem chances de se defender, sofre graves acusações do ex-delegado do DOPS, Cláudio Guerra, em seu livro. Segundo o ex-agente da ditadura militar, o industrial campista teria colaborado com os militares no sumiço dos corpos de cerca de 10 militantes de esquerda, em 1973, que teriam sido incinerados nos fornos da usina Cambahyba.    Só mesmo uma profunda e isenta investigação poderá provar serem mentiras, verdades ou delírios suas fantásticas afirmações. Afinal, a palavra de um criminoso confesso dessa estatura e periculosidade não poder ser levada ao pé da letra como verdade sem provas concretas que efetivamente as avalizem. Família repudia acusações A família do industrial campista Heli Ribeiro Gomes, representada por seus filhos ainda vivos, nega completamente qualquer veracidade nessa história. Em depoimento à equipe da Somos, um dos filhos de Heli Ribeiro, o advogado Jorge Lysandro Ribeiro Gomes, diz, revoltado, que tudo isso é um absurdo. “Que barbaridade! Que negócio completamente absurdo. Eu nem sei ainda o que responder! Não acredito como se fala isso de uma indústria em que trabalhavam 300 pessoas dia e noite, não havia como acontecer isso sem que ninguém visse. É completamente impossível, inimaginável. Meu pai nunca concordaria como uma coisa dessas. Meu pai andava no meio do povo. Não era o tipo de gente que se permitia admitir isso. Meu pai era ‘desassustado’ (sic). Passava com a sua Rural em qualquer estrada e parava para dar carona a qualquer pessoa. Não havia como fazer uma coisa dessa despercebido. A usina funcionava com centenas de funcionários, dia e noite. Isso é um delírio! Coisa de um maluco desses. Quem conhece o funcionamento de uma indústria de açúcar, sabe que isso não é possível. Só mesmo quem nunca viu para falar uma bobagem dessas. Toda a minha família vai sofrer com isso”, finalizou. Ficha corrida de assustar O autor do livro “Memórias de Guerra Suja”, Cláudio Guerra (71 anos), apresenta uma vida pregressa das mais extensas e movimentadas. Ele é ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) e da polícia Civil do Espírito Santo e se prepara para virar pastor de igreja após declarar ter se arrependido de todos os seus pecados. E eles são muitos. Guerra é acusado de formação de quadrilha, tráfico de drogas, tortura, homicídios, roubo de armas, de chefiar grupos de extermínio, e até de desviar dízimos de igreja. Além disso, ele foi condenado a 42 anos de prisão, em regime fechado, por um atentado a bomba, ocorrido em agosto de 1982, no centro de Vitória, e condenado a 18 anos de prisão sob a acusação de assassinato da própria esposa, Rosa Maria Cleto, e da cunhada, Glória Maria Cleto, em 1980. Uma ficha corrida de assustar. Paranóia delirante No livro, Claudio Guerra toma para si ares do famoso agente inglês da ficção de espionagem James Bond, afirmando ter recebido do Estado brasileiro carta branca para “julgar, torturar, matar e desaparecer com o corpo” dos militantes de esquerda. A mesma “licença para matar” atribuída pelo escritor Ian Fleming ao personagem 007. Guerra se coloca como protagonista ou testemunha de quase todos os episódios polêmicos da ditadura. Um personagem ubíquo, quase um Forrest Gump que emerge do livro, chega até 1989, quando diz que sua “comunidade” pôs panfletos da campanha do petista Luiz Inácio Lula da Silva no local em que o empresário Abílio Diniz foi sequestrado, em São Paulo. Nada a perder As denúncias sobre queima de corpos em Cambahyba devem ser vistas com muita cautela. O denunciante, o ex delegado Cláudio Guerra, do Dops, como se vê na reportagem, é ex- matador da ditadura, condenado a 42 anos por atentado a bomba, recorrendo no STF a uma sentença de 18 anos acusado de ter matado a esposa e a cunhada, também é acusado de tráfico de drogas, desvio de dinheiro de igreja e mais sabe-se lá quais atrocidades. Sem apresentar nenhuma prova do que está dizendo, com 71 anos de idade, ele agora parece estar atirando a esmo para promover um grande golpe publicitário em torno do seu livro e garantir com as vendas algum conforto para passar a velhice na prisão, quando sair o resultado definitivo do STF sobre os assassinatos da esposa e da cunhada, com enormes possibilidades de deixá-lo apodrecendo atrás das grades. Enquanto isso, sem provas além da sua descredibilizada palavra, ele vai fazendo mais vítimas em sua trajetória, entre elas os filhos, netos e bisnetos de Heli Ribeiro Gomes. Esse caso poderá acabar na esfera judicial, mas o que se pode fazer contra quem não tem nada a perder?
Comentar
Compartilhe
Royalties: Contagem regressiva
11/05/2012 | 01h54
[caption id="attachment_3373" align="aligncenter" width="756" caption="Deputado Carlos Zaratini (PT-SP), relator do projeto (PL2565/11) "][/caption] A nova proposta sobre a partilha dos royalties será colocada em pauta dentro de treze dias pelo deputado Carlos Zaratini (PT-SP), relator do projeto (PL2565/11) sobre as novas regras de distribuição entre os estados produtores e os não produtores e da participação especial. Na proposta anterior, apresentada pelo senador Vital do Rego, o estado do Rio de Janeiro perderia até 50% e municípios produtores, como Campos e Quissamã, até 70%. Na nova fórmula, nada seria perdido e ainda haverá correção pelo IGPM.
Comentar
Compartilhe
Motos em Campos, doideira já é normal
18/05/2012 | 04h25
Diante do que se vê em Campos, motocicleta parece ser o veículo ideal para se cometer infrações de trânsito com o menor risco de sofrer alguma punição. As motos elegeram o espaço entre os carros para passar ou ziguezaguear e depois, pasmem, avançar o sinal. Diariamente, milhares dessas loucuras são cometidas nas ruas da cidade. Já presencie incontáveis delas bem na cara da PM e da Guarda Municipal, mas, até agora, não vi uma punição. A doideira é tanta, que já está sendo considerada normal...
Comentar
Compartilhe
Cecília, filha de Heli, responde em vídeo a Cláudio Guerra de Memórias de Uma Guerra Suja
18/05/2012 | 10h21

 

 

Cecília Lyzandro Ribeiro Gomes, filha de Heli Ribeiro Gomes, já falecido, que foi acusado no Livro “Memórias de uma Guerra Suja, de permitir a incineração de corpos de militantes na Usina Cambahyba, segundo depoimentos do ex-agente da ditadura Cláudio Guerra aos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, respondeu em vídeo as acusações contra seu pai. Confira no link abaixo.

Cecília, filha de Heli, responde em vídeo a Cláudio Guerra de Memórias de Uma Guerra Suja

Comentar
Compartilhe
Imagens das farras em Paris divulgadas por Garotinho deixam Cabral enrolado
07/05/2012 | 12h30
Quando finalmente decidir falar a verdade sobre as suas relações com Fernando Cavendish, da Delta Construções, Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiro, vai ter que se esforçar muito para explicar tudo, ou quase tudo, dessa estranhíssima promiscuidade entre o governador de uma das principais unidades da federação e o maior empreiteiro a serviço do estado, atualmente no epicentro de um dos maiores escândalos de corrupção que está sendo desvendado em nosso país. Cabral em situação complicada Os aliados do Governador Sérgio Cabral na região têm todos os motivos para se preocupar, ele está cada vez mais enrolado nas consequências das tão promíscuas, quanto perigosas, ligações que mantém com Fernando Cavendish, o empreiteiro que mais sangra as finanças do estado, com contratos que ultrapassam mais de R$ 1,5 bilhão, e “Capo” da lamentavelmente famosa Delta Construções, uma das estrelas do mega escândalo de corrupção do bicheiro Carlinhos Cachoeira, atualmente trancafiado em uma cela. As revelações do blog do político campista e ex-governador Anthony Garotinho, amplamente divulgadas pela mídia nacional, inclusive pela própria Rede Globo, sempre tão amiga de Cabral, também levam de roldão nessa verdadeira enxurrada de lama os secretários Régis Fichtner (da comissão de sindicância criada por Cabral para investigar os contratos da Delta), o secretário de Governo Wilson Carlos, afeito a tentar controlar a imprensa com a distribuição de verbas, o secretário de Saúde Sérgio Côrtes e o secretário de Transportes Julio Lopes, este último sempre posou de bom moço em suas passagens pela região. Além dos fortes indícios de favorecimento ao empreiteiro da Delta Construções em licitações nas obras do estado, a publicação das fotos e vídeos das farras parisienses, onde supunham não serem descobertas, deixaram revoltados os cidadãos de todo o estado. NOTA DO BLOG: Fogo ex-amigo Note que essa última frase do renomado colunista corrobora as suspeitas de que o “material bomba” publicado pelo ex-governador em seu blog tenha chegado às mãos de Garotinho por manobras do próprio Cavendish, para se vingar de Sérgio Cabral que o teria traído nessa sórdida história. Para tentar salvar a própria pele Cabral, assim como Pedro negou Jesus três vezes, já negou a sua presença no fatídico acidente no sul da Bahia, para não admitir a amizade com Cavendish, (o que foi obrigado a admitir depois), recentemente negou seu compadrio com Cavendish e, agora, tudo indica, nega o seu apoio e parece decidido a salvar a própria pele jogando o ex melhor amigo aos leões como desesperado recurso para atenuar os profundos arranhões à sua imagem. Mas Cavendish não parece estar disposto a caminhar solitário em direção às garras de uma CPI, que apura, entre outras coisas, a legalidade dos R$ 2,8 bilhões recebidos em cinco anos do Governo Federal pela empresa Delta para realizar obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). A CPI agora está turbinada pelo forte clamor popular diante dos fatos e das imagens divulgadas. Só por milagre Cabral escaparia ileso desse abraço de afogado... Ligações perigosas deixam Cabral a um passo de depor na CPI Tudo poderia ser perdoado ou desconsiderado se fosse apenas fruto de pouca educação ou da famosa falta de berço e excesso de dinheiro de um simples grupo de novos ricos, mas, nesse caso, a coisa é muito mais séria, pois envolve as relações de um governador e vários secretários com o proprietário de uma empresa, a Delta, que está no centro das investigações de uma CPI apontada pela Polícia Federal como financiadora de empresas fantasmas criadas pelo contraventor Carlinhos Cachoeira, preso em virtude das investigações da Operação Monte Carlo. No governo Cabral, a Delta recebeu R$ 1,5 bilhão. Além de muitas outras respostas, o governador Sérgio Cabral terá que explicar muito bem a fonte de recursos para pagar essas farras em Paris, avaliadas, a cada viagem, em cerca de 400 mil reais. Se as farras parisienses foram pagas pelo empreiteiro, como parecem ter sido, a casa cai de vez. Se foram pagas com o dinheiro público, também. Pior ainda se Cabral disser que foi do próprio bolso, afinal, ganharia tanto assim para bancar tais despesas? Ou seja, não importa a fonte dos recursos esbanjados, qualquer explicação só irá piorar as coisas. Partidos e parlamentares consideram a convocação do governador Sérgio Cabral imprescindível para que a CPI não seja desmoralizada. O estrago feito pelas impressionantes revelações do ex-governador Garotinho já está feito e é de dificílima, ou impossível, solução. Cabral está no que se chama popularmente de uma “sinuca de bico”. Não dá para desmentir tais fotos e vídeos, e quanto mais o governador tenta desmentir mentindo, pior a coisa fica para o seu lado. Essa situação parece estar criando os contornos da extinção da vida política de quem já foi uma grande promessa para o estado. Mas de promessas, o inferno está cheio... Efeito colateral A candidatura do vice-governador Pézão, que já não andava lá bem das pernas na lanterninha das pesquisas, apesar de contar com o apoio da máquina, agora parece estar definitivamente comprometida pela revelação das peripécias do seu mentor Cabral e a “Turma do Guardanapo” em Paris. Mas, como se não bastasse tanta desventura, o vice parece ter virado um baita Pézão frio com o roubo em seu apartamento, na Rua Rainha Guilhermina, no Leblon, revelando uma enorme coleção de caixas de joias, cerca de 15, encontradas pela polícia vazias em cima da sua cama enquanto ele passeava, como sempre, na Itália. O inesperado assalto à casa do vice-governador do estado, exatamente enquanto explodia uma “bomba” dessas em cima do seu chefe, deixa várias interrogações no ar, e nenhuma delas parece estar muito longe da realidade. Entre as principais, o que de mais valioso teria sido roubado? Haveria ali algum documento que poderia comprometer alguém poderoso? Ladrões com esse nível de profissionalismo, a ponto de assaltar o apartamento de um vice-governador sem chamar ao menos a atenção dos vizinhos, podem considerar as valiosas joias de Pézão apenas um pequeno brinde diante do alvo principal, além de servir para desviar a atenção do verdadeiro intento. Também deixa dúvidas a origem de tantas joias e porque conservá-las em casa, quando um cofre bancário seria muito mais seguro. Esse pequeno tesouro teria sido declarado à receita Federal? Como os gatunos sabiam da existência de alvos valiosos e que Pézão passeava na Itália? Quem poderia ter acesso a esse tipo de informação? Pézão saberia o que despertou a cobiça? Desconfiaria da identidade dos autores ou, pelos menos, de eventuais mandantes? Ainda são muitas as dúvidas. Mas uma coisa é certa: quando se trata de eventos envolvendo políticos, com tantas lacunas sem respostas, nada é por acaso. Na última quarta-feira, equipes da 14ª DP realizaram diligências no apartamento para tentar identificar o que foi roubado. Segundo os agentes policiais, teriam sido furtadas apenas joias e objetos pessoais. A lista completa do que os gatunos levaram só mesmo o vice-governador poderá informar, o que afasta qualquer esperança de que toda a verdade nessa intrincada história um dia possa vir à tona. Leia mais na edição da Somos Assim, nas bancas.
Comentar
Compartilhe
Caso Cambahyba: “Quem poderia falar alguma coisa desse facínora já está morto, provavelmente por ele mesmo”
15/05/2012 | 06h37

Família de Heli entra com Medida Cautelar

A família do falecido industrial Heli Ribeiro Gomes, representada pelo advogado Carlos Alberto Senra, entrou com Medida Cautelar com pedido Antecipação de Tutela contra a Editora Topbooks, pedindo a proibição de circulação e a busca e apreensão de todos os exemplares do livro “Memórias de Uma Guerra Suja”, que faz graves acusações ao industrial e ex-vice governador, como a de ter permitido a utilização do forno da Usina Cambahyba para incinerar corpos de militantes o período da ditadura.

Petição ao Ministério Público

Além da Ação Cautelar, a família Ribeiro Gomes, representada por um dos filhos de Heli, o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, protoclou no Ministério Público Federal uma petição solicitando rigor nas apurações e fornecendo documentos e um rol de testemunhas para que prestem depoimento, além de ser colocar a disposição para todos os esclarecimentos que forem necessários.

Segundo a família Ribeiro Gomes, essa primeira ação será seguida de várias outras contra a editora, os autores Marcelo Netto e Rogério Medeiros, e, também o ex-agente da repressão Cláudio Guerra, para reparação de danos à família através dos filhos do industrial, irmão e netos.

 

[caption id="attachment_3337" align="alignleft" width="220" caption="O advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, filho de Heli"][/caption]

O filho de Heli, o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, afirma que tem absoluta certeza de que será feita justiça contra os autores dessas acusações sem a menor consistência feitas contra o seu pai que, já falecido, não pode se defender pessoalmente. Mas garante que a família vai lutar na justiça pela punição dos culpados.

“Esse criminoso sempre foi acobertado por um distintivo”

Segundo o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, “tendo em vista a matéria publicada na Folha da Manhã, sobre a entrada do Ministério Público Federal no caso, peticionamos ao MPF oferecendo um vasto rol de testemunhas, documentos e toda a colaboração necessária para as investigações.”

“A família é a maior interessada em que tudo seja apurado com rigor e que esse criminoso, que sempre foi acobertado por um distintivo, seja desmascarado nessa tentativa de dar Ibope para o seu livro.”

“Ele fala dos que já morreram, mas os vivos nunca ouviram falar dele. Quem poderia falar alguma coisa desse facínora já está morto, provavelmente por ele mesmo. A verdadeira face dele será mostrada um dia. Estamos tomando todas as providências para limpar o nome do nosso pai.”

Comentar
Compartilhe
Funcionários da Uenf trabalham sob redes de Furnas com risco de descargas elétricas e câncer
13/05/2012 | 10h33

A edição dessa semana da revista Somos Assim traz uma reportagem surpreendente. Atendendo a denúncias de que Funcionários da Uenf, que trabalham no Núcleo de Pesquisa em Zootecnia e Produção Vegetal, da Uenf, na Escola Estadual Agrícola Antônio Sarlo, estavam sendo submetidos à condições de trabalho que descumprem as normas protetivas de higiene, saúde, segurança e meio ambiente do trabalho para proteção da saúde, integridade física e a vida dos trabalhadores, a equipe da revista constatou e fotografou que, logo a Uenf, que deveria ser um exemplo para todos, está descumprindo normas de proteção à saúde do trabalhador.

Os funcionários da Uenf, no núcleo instalado na área do colégio Agrícola Antônio Sarlo, atuam na execução de experimentos para melhoria de alimentos, como maracujá, milho, laranja e goiaba, e alertam que estão sendo obrigados a trabalhar sob condições de alta periculosidade por conta de a localização dos plantios para os experimentos da Uenf ser exatamente embaixo de redes de transmissão de alta voltagem elétrica de Furnas. O que contraria frontalmente as normas de segurança estabelecidas pela Eletrobras, que indica a preservação de uma margem de 12 metros além da faixa coberta pela rede. O que visivelmente não está sendo obedecido nas áreas de experimentos da universidade.

Uenf sabe do problema desde 2010

Segundo o ofício de nº 083/2010, datado de 03 de maio de 2010, enviado pelo, então, prefeito do Campus da Uenf, professor Paulo Maia, ao professor Hérman Maldonado Vasquez, na época, diretor do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA), foram registradas várias ocorrências relativas a descargas elétricas sofridas por trabalhadores de campo que desenvolvem atividades no Colégio Agrícola.

Solicitação de segurança da Eletrobras não foi atendida

Em resposta à consulta do presidente do Sintuperj, na época, Pedro Luiz Fernandes Brasil, a Eletrobras esclareceu no ofício nº 085/2010 que o projeto de suas linhas de transmissão se baseia em recomendações internacionais, entre elas a preservação de uma área livre de 12 metros de cada lado da faixa por onde passa a linha de transmissão e solicita “a remoção da ‘Casa de Vegetação’ localizada na ‘Área B’ da faixa de servidão da linha de Furnas, onde não é permito esse tipo de construção”.

A solicitação da Eletrobras não foi atendida pela Uenf e, até hoje, a ‘Casa de Vegetação’ continua abaixo das linhas de transmissão e os trabalhadores atuando em suas instalações, como pode ser visto nas fotos.

Trabalhadores reclamam

Ao todo a Uenf conta com cerca de 40 funcionários trabalhando diretamente no campo. Segundo o funcionário da Uenf Heli Sena, eles sabem de casos de alguns colegas que, por conta da proximidade com a rede, sofreram com choques. “A gente não sabe o termo científico, mas há possibilidade de choques e, segundo tivemos informações, também pode causar câncer. E a gente fica aí, a mercê. Um colega trabalhando lá em cima mexeu com os canos metálicos de irrigação e sentiu a descarga. Teve que soltar os canos porque não conseguiu ficar segurando”, relatou um dos operários.

Os operários que estão se sentindo prejudicados com a passagem das torres disseram que fizeram reclamações com os responsáveis dos departamentos do Laboratório de Melhoramento Genético Vegetal (LMGV) e do Laboratório de Fitotecnia (LFIT), da Uenf, segundo eles, o professor Alexandre e o professor Fábio; mas, ainda segundo os trabalhadores, a orientação passada foi de que por falta de espaço para colocar os experimentos era para continuar o trabalho.

A reportagem completa está na Somos desse domingo nas bancas.

Comentar
Compartilhe
Motos em Campos, doideira já é normal
18/05/2012 | 04h25
Diante do que se vê em Campos, motocicleta parece ser o veículo ideal para se cometer infrações de trânsito com o menor risco de sofrer alguma punição. As motos elegeram o espaço entre os carros para passar ou ziguezaguear e depois, pasmem, avançar o sinal. Diariamente, milhares dessas loucuras são cometidas nas ruas da cidade. Já presencie incontáveis delas bem na cara da PM e da Guarda Municipal, mas, até agora, não vi uma punição. A doideira é tanta, que já está sendo considerada normal...
Comentar
Compartilhe
Estadão protocola pedido de informações sobre viagens de Cabral ao exterior
08/05/2012 | 05h19
O jornal o Estado de S. Paulo, o famoso “Estadão”, parece que vai entrar firme nessa história das farras parisienses de Cabral.  Ontem o jornal protocolou um pedido de informações sobre todas as viagens do governador Cabral ao exterior, dirigido ao secretário da Casa Civil, Régis Fichtner. O jornal quer esclarecer dúvidas sobre as viagens de Cabral a outros países, em companhias pouco recomendadas, como a do amigo e empresário Fernando Cavendish, controlador da empresa Delta, investigada pela CPI do Cachoeira.
Comentar
Compartilhe
Carroças, um problema que se arrasta...
21/05/2012 | 10h38

 

 

Já passou da hora de alguém colocar os pingos nessa história das carroças circulando em Campos. Na realidade, ninguém está acima da lei, sejam carroceiros ou motoristas, mas, nesse segundo caso, só os condutores de veículos são penalizados por infrações de trânsito. Basta uma lanterna queimada, e lá vem multa. Como permitir, então, que veículos movidos a tração animal circulem sem nenhum dispositivo de segurança em um trânsito movimentado como o de Campos? Falar em problema social é correto, mas continuar permitindo que vidas sejam colocadas em risco não é admissível. Só a proibição total da circulação desses veículos e a recolocação profissional de quem exerce essa atividade poderá trazer uma solução. O direito de um termina onde começa o direito do outro. A lei é para todos.

 

Comentar
Compartilhe
Parque de Exposições de São João da Barra começa a ser construído
07/05/2012 | 04h54
Cada dia melhor, São João da Barra agora vai contar com Parque de Exposições e, melhor ainda, municipal. A prefeitura de início às obras do parque em uma área de numa área de 100.000m2, às margens da BR-356, próximo ao trevo de chegada da cidade. O no espaço público está orçado em R$ 4.277.000,90 e tem prazo de conclusão previsto de seis meses. Além de abrigar a Exposição Agropecuária do município, o parque também será utilizado para cursos, palestras, seminários e oficinas, além da reestruturação de vários serviços visando assegurar melhor qualidade nos atendimentos técnicos prestados ao produtor.
Comentar
Compartilhe
Caso Cambahyba: “Quem poderia falar alguma coisa desse facínora já está morto, provavelmente por ele mesmo”
15/05/2012 | 06h37

Família de Heli entra com Medida Cautelar

A família do falecido industrial Heli Ribeiro Gomes, representada pelo advogado Carlos Alberto Senra, entrou com Medida Cautelar com pedido Antecipação de Tutela contra a Editora Topbooks, pedindo a proibição de circulação e a busca e apreensão de todos os exemplares do livro “Memórias de Uma Guerra Suja”, que faz graves acusações ao industrial e ex-vice governador, como a de ter permitido a utilização do forno da Usina Cambahyba para incinerar corpos de militantes o período da ditadura.

Petição ao Ministério Público

Além da Ação Cautelar, a família Ribeiro Gomes, representada por um dos filhos de Heli, o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, protoclou no Ministério Público Federal uma petição solicitando rigor nas apurações e fornecendo documentos e um rol de testemunhas para que prestem depoimento, além de ser colocar a disposição para todos os esclarecimentos que forem necessários.

Segundo a família Ribeiro Gomes, essa primeira ação será seguida de várias outras contra a editora, os autores Marcelo Netto e Rogério Medeiros, e, também o ex-agente da repressão Cláudio Guerra, para reparação de danos à família através dos filhos do industrial, irmão e netos.

 

[caption id="attachment_3337" align="alignleft" width="220" caption="O advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, filho de Heli"][/caption]

O filho de Heli, o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, afirma que tem absoluta certeza de que será feita justiça contra os autores dessas acusações sem a menor consistência feitas contra o seu pai que, já falecido, não pode se defender pessoalmente. Mas garante que a família vai lutar na justiça pela punição dos culpados.

“Esse criminoso sempre foi acobertado por um distintivo”

Segundo o advogado Jorge Lyzandro de Albernaz Gomes, “tendo em vista a matéria publicada na Folha da Manhã, sobre a entrada do Ministério Público Federal no caso, peticionamos ao MPF oferecendo um vasto rol de testemunhas, documentos e toda a colaboração necessária para as investigações.”

“A família é a maior interessada em que tudo seja apurado com rigor e que esse criminoso, que sempre foi acobertado por um distintivo, seja desmascarado nessa tentativa de dar Ibope para o seu livro.”

“Ele fala dos que já morreram, mas os vivos nunca ouviram falar dele. Quem poderia falar alguma coisa desse facínora já está morto, provavelmente por ele mesmo. A verdadeira face dele será mostrada um dia. Estamos tomando todas as providências para limpar o nome do nosso pai.”

Comentar
Compartilhe
João Peixoto perde processo contra jornalista e Revista Somos Assim
05/05/2012 | 12h22
O ainda deputado estadual João Peixoto começou o mês de maio perdendo. Ele acaba de ver se esvair por terra a sua malfadada tentativa de intimidar a mídia processando o autor desse blog e a Revista Somos Asssim. Apoiado no pífio argumento de danos à sua imagem por termos publicado uma fotomotagem onde ele figurava de cowboy para ilustrar matéria sobre sua vocação para fazendeiro, já que, segundo sua própria declaração ao TRE, na época ele já possuía 4 fazendas e diversos outros imóveis e veículos, totalizando um patrimônio declarado de R$1.267 milhão. A ação contra o autor do blog e a revista Somos Assim foi considerada totalmente improcedente pela juíza da 1ª Vara Cível de Campos Dra. Cristiane Tomaz Buosi (AQUI). Veja abaixo matéria utilizada por João para tentar calar a mídia. [caption id="attachment_3317" align="aligncenter" width="630" caption="Matéria da Revista Somos Assim utilizada por João como argumento para tentar intimidar jornalista e revista utilizando a Justiça"][/caption] O motivo era outro Na realidade o que mais incomodou o nobre deputado foram matérias sobre a compra de votos, no dia 3 de outubro, durante as últimas eleições, quando o irmão do então candidato João Peixoto, Agildo Alves Peixoto, foi preso em flagrante pela Polícia Federal (AQUI), no dia 03/10/2010, por suspeita de comprar votos na localidade de Santa Ana, em Travessão. Com ele foi apreendida uma agenda, anexada ao inquérito policial federal nº 0432/2010, que registra a movimentação de mais de meio milhão de reais distribuídos em várias anotações com nomes e módicos valores de 70 reais (muitas) a vultuosas quantias de 60 mil reais a 120 mil reais, totalizando cerca de polpudos 550 mil reais. Sintomaticamente, a ação contra o autor do blog e a Somos Assim utilizou uma matéria publicada em 25 de julho de 2010, mas só  foi iniciada em 18/11/2010, poucos dias após a publicação das matérias sobre a prisão em flagrante do irmão do deputado pela Polícia Federal por fortes indícios de compra de votos. [caption id="attachment_1846" align="aligncenter" width="755" caption="O irmão de João Peixoto e trecho do auto de prisão em flagrante"][/caption] Desse flagrante foi gerada a AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO DE MANDATO ELETIVO – Nº 6931-36.2010.6.19.0000, aquela em que, incrivelmente, cinco advogados do deputado estadual João Peixoto perderam o prazo legal para apresentar a defesa, mas que, por decisão de primeira instância, conseguiram incluir após o prazo legal. Logo no início da fila de ilustres sofrendo um surto de amnésia coletiva (AQUI), assina o advogado Eduardo Damian Duarte, chefe de Gabinete do secretário estadual de Governo, Wilson Carlos, aquele que estava na farra parisiense com o governador Sérgio Cabral posando ao lado de uma Ferrari de um milhão de dólares. Diante dos fatos reais e documentados noticiados por esse blog e pela Revista Somos Assim, João procurou várias alternativas pouco recomendadas para calar a mídia, entre elas, esse fracassado processo. Destino de João pode ser decidido na terça-feira pelo TSE Essa mesma ação, fruto do flagrante da Polícia Federal, agora será julgada pelo TSE. O destino de João deverá ser decidido pelo Ministro Marco Aurélio na próxima terça-feira, com transmissão ao vivo a partir das 19h, pela TV Justiça. Se a maré de azar dos afilhados de Cabral continuar, esse pode ser uma terça-feira negra para o, ainda deputado, João Peixoto. Vale a conferida. Sentença na íntegra:  Joao-Peixoto-Esdras-Sentenca
Comentar
Compartilhe
Hospital de São João da Barra cada vez mais longe de particular
07/05/2012 | 11h40
As conversações para a construção de um futuro Hospital Geral de São João da Barra cada vez mais se afastam de um hospital particular e se aproximam de um hospital escola, um Álvaro Alvim 2. A receita inclui a doação de prédio e equipamento pelas empresas X à Fundação Benedito Pereira Nunes (FMC), como contrapartida social ao município que, assim, passaria a contar com um hospital de primeiro mundo administrado por uma entidade médica sem finalidade lucrativa.
Comentar
Compartilhe
Tribunal de Contas acolhe denúncias contra a Uenf
14/05/2012 | 06h39
Em decisão plenária no dia 17 de abril, o Tribunal de Contas do Estado acolheu denúncias publicadas na Revista Somos Assim contra a Uenf, na gestão do ex-reitor, e atual presdente da Fenorte, Almy Jr., seguindo o parecer do relator Aluisio Gama de Souza, endossada pelo Ministério Público Especial, no processo 103.823-9/2011. Entre elas, a que indica fortes indícios de superfaturamento de 152 televisores de 52 polegadas, adquiridos por R$882.448,50 da empresa Website, que apontou como endereço sede um velho brechó na Rua do Lavradio. Também fazem parte das denúncias as licitações dos estranhos quiosques, realizadas no mesmo dia, uma pela manhã e outra à tarde, com projetos iguais e preços diferentes, e vencidas pela mesma empresa, a PFMP Construtora. Outro grave fato que chamou a atenção dos conselheiros foi a construção de dois prédios iguais para a integração das unidades de Gemônica, Proteônica e Metabolônica, por R$537.846,86 pela empresa Jotesse e Mendes Construções, e o segundo, inicialmente para o Espaço da Ciência, por R$878.412,02 (sem instalação elétrica e hidráulica), ensejando outra contratação para esses itens de R$576.391,77, totalizando incríveis R$1.454.803,70 para a construção do P9. Os serviços de repintura externa da Uenf também terão que ser muito bem explicados, por fortes suspeitas de superfaturamento, pois foram orçados por R$212.000,00 prevendo a utilização de andaimes que não foram utilizados pela Qualiteto Construções, que utilizou apenas cadeirinhas suspensas artesanais em desacordo com a norma regulamentadora 18 do Ministério do Trabalho, o que também levou a um flagrante do Ministério Público Federal do Trabalho. O ex-reitor Almy Jr. também terá que explicar o recebimento de adicional de periculosidade e insalubridade apontado no seu contra cheque, um dos poucos a contar com o benefício na Uenf. Entre as denúncias, também está relacionada a tristemente famosa obra de construção do Restaurante Universitário (Bandejão), atualmente paralisada, com fortes indícios de superfaturamento e má execução pela Zuhause Construtora. As providências para regularização dos carros alugados pelo ex-reitor Almy Jr., que utilizavam falsas placas oficiais, serão fiscalizadas, além das providências a serem tomadas pela Secretária de Planejamento do Estado. O “pepino” é grande e robusto e tem potencial para acarretar forte responsabilização do ex-reitor Almy Jr, e da sua turma, inclusive com os seus patrimônios pessoais. Na época, as denúncias da Somos foram minimizadas pelo ex-reitor e seus subalternos que, sistematicamente, se negavam a dar explicações, alegando que os fatos e os fortes indícios de irregularidades na utilização do dinheiro público deveriam ser debatidos apenas no ambiente acadêmico interno da Uenf, como se ele e seus comparsas estivessem acima das leis do país. Agora, da maneira mais dolorosa, o ex-reitor da Uenf, e atual presidente da Fenorte, Almy Jr., parece que, finalmente, vai descobrir que a coisa não é bem assim e que as leis são para todos. Se houver condenação pelo TCE as punições serão severas. Segundo a Lei Complementar 63/90: Art. 61 - O Tribunal de Contas poderá aplicar aos administradores ou responsáveis, na forma estabelecida no Regimento Interno, as sanções previstas neste Capítulo. Das multas: Art. 62 - Quando o responsável for julgado em débito, poderá ainda o Tribunal de Contas aplicar-lhe multa de até 100% (cem por cento) vezes do dano causado ao erário. Art. 63 - O Tribunal de Contas poderá aplicar multa de até 1.000 (mil) vezes o valor da UFERJ aos responsáveis por: I - contas julgadas irregulares de que não resulte débito, nos termos do art. 23, parágrafo único desta lei: II - ato praticado com grave infração à norma legal ou regulamentar de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial; III - ato ilegal, ilegítimo ou antieconômico, inclusive editais de licitação, de que resulte, ou possa resultar, dano, ao erário; Das outras sanções Art. 66 - O Tribunal de Contas, por maioria absoluta dos seus membros, poderá, cumulativamente, ou não, com as sanções previstas na Seção anterior, aplicar ao responsável, por prática de atos irregulares, a pena de inabilitação para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança na administração estadual, por prazo não superior a 5 (cinco) anos, bem como propor a pena de demissão, na forma da lei, no caso de servidor. Art. 67 - O Tribunal de Contas proporá à autoridade competente as medidas necessárias ao arresto dos bens dos responsáveis julgados em débito, devendo ser ouvido quanto à liberação dos bens arrestados e sua respectiva restituição. Uenf-Acolhimentodenuncia-TCE-Web
Comentar
Compartilhe
Roubar pouco de rico, agora, pode
21/05/2012 | 11h16
Aparentemente atacados por uma “Síndrome de Robin Hood”, os juristas responsáveis pela elaboração do anteprojeto para reformulação do Código Penal brasileiro aprovaram que furtos de pequeno valor contra vítimas de alta renda deixem de ser considerados crimes. Para a regra valer é preciso que o prejuízo para a vítima seja insignificante. Roubar pouco do Eike, por exemplo, pode... Caiu meu mundo. Eu pensava que roubo era roubo, não importava o tamanho...
Comentar
Compartilhe