Gersinho na mira da Justiça - Mandado de busca e apreensão na Câmara de SJB
20/12/2011 | 16h25
[caption id="attachment_2925" align="aligncenter" width="755" caption="Oficiais de Justiça cumprem mandado na Câmara de São João da Barra deixando muita gente à beira de um ataque de nervos"][/caption] Na manhã de ontem, oficiais de Justiça de São João da Barra cumpriram mandado de busca de apreensão expedido pela juíza Luciana Cesário de Mello Novais, da Comarca de São João da Barra, por conta da Ação Civil Pública (nº 0004924-07.2011.8.19.0053), por Improbidade Administrativa, contra o presidente da Câmara sanjoanense Gérson da Silva Crispim, o Gersinho. A juíza determinou que fossem recolhidos livros de protocolo, guias de remessa ou quaisquer outros atos que documentem o registro da tramitação interna dos Projetos de Lei na Câmara, referentes a 2011. [caption id="attachment_2926" align="alignleft" width="427" caption="A desobediência pode custar caro. A coisa está ficando feia para Gersinho"][/caption] Impetrada pelo Ministério Público Estadual como noticiou esse blog no dia 4 de novembro (AQUI), a ação foi motivada pela recusa do Presidente da Câmara em colocar em votação o Projeto de Lei 006/2011 (que diz respeito à autorização para a abertura de crédito adicional suplementar). A mensagem foi enviada pelo Executivo em caráter de “urgência”, obedecendo ao que dispõe a Lei Orgânica do Município e o Regimento Interno. A recusa do presidente da Câmara em colocar o projeto em votação ocasionou uma série de transtornos ao Poder Executivo. A ação também apura outras irregularidades na tramitação de documentos no Poder Legislativo. [caption id="attachment_2928" align="aligncenter" width="756" caption="Material recolhido pode servir de prova contra o presidente da Câmara"][/caption] A decisão foi proferida nos seguintes termos: 1) Notifique-se o demandado para oferecer manifestação por escrito, no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do artigo 17, § 7º da Lei nº 8.429/92. 2) Notifique-se o Município de São João da Barra para, se entender útil ao interesse público, intervir no processo, consoante o artigo 17, § 3º da Lei nº 8.429/92 c/c artigo 6º, § 3º, da Lei nº 4.717/65. 3) Da análise da inicial verifica-se que presentes estão os requisitos para concessão da medida liminar pleiteada. Assim, defiro a busca e apreensão dos livros de protocolo, guias de remessa ou quaisquer outros atos que documentem o registro da tramitação interna dos Projetos de Lei da Câmara, referentes ao ano de 2011. Expeça-se mandado de busca e apreensão.
Comentar
Compartilhe
Unimeds Campos e Macaé visitam Superporto do Açu
19/12/2011 | 22h10
[caption id="attachment_2911" align="aligncenter" width="756" caption="O presidente da Unimed Macaé, Dr. Tales de Azevedo Santos, e o presidente da Unimed Campos, Dr. Márcio Sidney de Souza durante as explanações sobre o mega empreendimento"][/caption] Nessa segunda-feira, membros das diretorias das Unimeds Campos e Macaé, as maiores operadoras de saúde da região, realizaram uma visita às obras de construção do Super Porto do Açu, em São João da Barra, para conhecer de perto o mega empreendimento de R$ 3.8 bilhões, que vai alavancar o desenvolvimento e mudar a história econômica de toda a região. Representando a Unimed Campos, participaram da visita o Dr. Márcio Sidney, Dr. Messias Moreira de Souza,Dr. Constantino Fernandes, Dr. Telmo Garcia, Carlos Alberto Figueiredo Almeida, Tânia Arêas e Gisélia Márcia Nogueira. O presidente da Unimed Macaé Dr. Tales de Azevedo Santos foi acompanhado do Dr. Amaury Marques  e do Dr. Alex Reis Guimarães. O grupo foi recepcionado por uma equipe de profissionais da LLX no Centro de Visitantes do complexo, onde, após um organizado coffe break, pode assistir a vídeos com informações sobre o empreendimento, antes de visitar as obras do porto, com a sua grande ponte que avança 2.6 km mar adentro. Números impressionantes Segundo informações da LLX, “o Complexo Industrial do Superporto do Açu se estende sobre mais de 90 quilômetros cerca de 130 km² e receberá usinas siderúrgicas, pólo metal-mecânico, unidade de armazenamento e tratamento de petróleo, estaleiro, indústrias offshore, plantas de pelotização, cimenteiras e usina termoelétrica e indústrias de tecnologia da informação dois complexos siderúrgicos, duas cimenteiras, um complexo de geração de energia, uma montadora, indústrias de autopeças, um pólo metalmecânico, um terminal para armazenamento e tratamento de petróleo, um pólo de indústrias e serviços de apoio ao offshore e indústrias de tecnologia da informação, com um investimento conjunto de mais de US$ 40 bilhões nos seus empreendimentos e geração de cerca de 50 mil empregos na região”. [caption id="attachment_2922" align="aligncenter" width="756" caption="O grupo de visitantes na extremidade da ponte, avançando no mar 2.6 km"][/caption] Demanda por saúde Os representantes das Unimeds Campos e Macaé ficaram bastante impressionados ao ver de perto a magnitude das obras de implantação do maior complexo portuário da América Latina, que abre milhares de postos de trabalho, criando uma enorme demanda de uma vasta gama de serviços, notadamente na área de saúde, setor vital para o suporte a um empreendimento dessa grandeza.
Comentar
Compartilhe
Para atacar sem terras, blogueiro campista coloca tartarugas marinhas no rio Solimões
17/12/2011 | 23h11
Na ânsia da atacar os sem terras, na sexta-feira o blogueiro campista Avelino Ferreira colocou tartarugas marinhas do Caribe no rio Solimões publicando o post “Milhares de ovos de tartaruga são roubados pelos sem-terra”. [caption id="attachment_2900" align="aligncenter" width="755" caption="A imagem é sugestiva, Avelino realmente precisa reajustar os óculos e o GPS"][/caption] Miopia geográfica e ecológica Como se vê nitidamente na foto que abre seu blog, o blogueiro precisa urgentemente providenciar um grave reajuste no grau dos seus óculos. Segundo ele mesmo diz na postagem: “Meu amigo Maurício Xexéo recebeu e me enviou por email as fotos acima sob o título "MST Rouba ovos de tartarugas na margem esquerda do Solimões". Creio em Xexéo e as fotos não deixam margem a dúvidas”. Ondas do mar caribenho no Rio Solimões? [caption id="attachment_2901" align="aligncenter" width="651" caption="Será que o blogueiro não conseguiu notar essas ondas imensas que batem nas costas dessa ilha costariquenha?"][/caption] Pois é, se Avelino estivesse com seus óculos em dia teria observado nas fotos acima, as mesma publicadas em seu blog, o azul do mar do Caribe e as ondas quebrando na praia. Confira no blog do professor Marcos Pedlowski em seu blog  http://pedlowski.blogspot.com/2011/12/blogueiro-chapa-branca-cai-vitima-de.html e no link: (Milhares de ovos de tartaruga são roubados pelos sem-terra), O Mico do Ano Se servir de consolo para o blogueiro campista que pagou o maior mico (ou tartaruga) dos últimos tempos, ele não foi a única vítima. Até o deputado federal Raul Jungman já caiu nessa esparrela. Portanto, Avelino, não fique zangado com Xexéo. Mas,, como de tudo se aproveita um pouco isso serve de lição para quem não apura o que publica. As fotos publicadas em seu blog como de tartarugas do Solimões, um rio amazônico, na realidade foram tiradas na praia de Ostional, na Costa Rica, e mostram que um dos maiores espetáculos da Natureza está prestes a acontecer: a arribada ou chegada, em enormes levas, das tartarugas marinhas da espécie oliva. (Leia mais em: http://www.materiaincognita.com.br/a-grande-mentira-mst-rouba-ovos-de-tartarugas-no-rio-solimoes/#ixzz1gqKb2ATR)
Comentar
Compartilhe
OGX e OSX na contagem regressiva para o seu primeiro petróleo na Bacia de Campos
16/12/2011 | 15h38
A OGX e a OSX comunicaram que revisaram o cronograma de início de produção do seu primeiro petróleo para janeiro de 2012. Em janeiro FPSO-OSX-1 dará início à produção no campos de Waimea Durante todo o semestre, a OGX deu atenção especial a preparação para a sua primeira produção de óleo, desde a obtenção de licenças ambientais até as instalações dos equipamentos que vão conectar o poço OGX-26HP ao FPSO OSX-1. Nesse processo foram instaladas 10 estacas do sistema de ancoragem, 10 amarras, um arco flutuante submerso e a bóia do turret desconectável. Além disso, a OGX está finalizando a instalação das linhas flexíveis, antecipando a chegada do FPSO OSX-1 à acumulação de Waimea. Em outra frente de trabalho, a OSX continua com sua equipe trabalhando a bordo do FPSO OSX-1, atracado no cais do Porto do Rio de Janeiro, cumprindo extenso e cuidadoso programa de testes dos equipamentos e sistemas, para garantir o início de produção atendendo aos seus elevados padrões de segurança. Cronograma: 25/dez: Saída do FPSO OSX-1 do porto do Rio de Janeiro 26/dez: Vistoria final ao FPSO OSX-1 7/jan: Conexão do FPSO OSX-1 ao turret 23/jan: FPSO OSX-1 preparado e início da produção
Comentar
Compartilhe
O último a saber
16/12/2011 | 15h19
[caption id="attachment_2884" align="aligncenter" width="454" caption="Roberto Henriques, Almy Jr, Alexandre Cardoso e Silvério Freitas"][/caption] Informações de fonte segura indicam que não seria justo colocar o “Frangogate” da Fenorte na conta do deputado Roberto Henriques, como querem alguns leitores do blog. Segundo essas fontes internas, a instituição e a sua co-irmã Uenf seguem única e exclusivamente as diretrizes do secretário de Ciência e Tecnologia Alexandre Cardoso. As estratégicas permutas de técnicos, realizada entre elas nos últimos dias, deixam tudo muito claro. Isso, além do fato de que RH seguer teria sido consultado sobre o assunto. Tudo indica que, diante da iminência de voltar às origens, tem gente preparando a cama, ou, melhor, um laboratório do CCTA, onde o atual e o ex-reitor da Uenf estão lotados de forma permanente.
Comentar
Compartilhe
“Frangogate” - RH quer transparência para população julgar moralidade do ato
13/12/2011 | 17h06
[caption id="attachment_2860" align="aligncenter" width="756" caption="Caminhão da Aurora no pátio da Uenf"][/caption] Diante da enorme repercussão da matéria sobre os frangos da Fenorte, a equipe da Somos Assim ouviu o deputado Roberto Henriques sobre o caso que ficou popularmente conhecido em Campos como “Frangogate”, o escândalo da distribuição de frangos comprados com dinheiro público e distribuídos como brindes de Natal pelo presidente da Fenorte, professor Almy Jr. Em sua última edição,a Somos mostrou um enorme caminhão do frigorífico Aurora que pernoitou no campus da Uenf para descarregar ½ tonelada de frangos Blesses, em kits de Natal com bolsas térmicas, que foram distribuídos entre os funcionários da Fenorte. Fenorte justificou um erro com outro Segundo relatou o deputado Roberto Henriques, assim que ele tomou conhecimento do caso, ligou para Carlos Augusto, diretor financeiro da Fenorte, para se informar do ocorrido, tendo este justificado, em nome do professor Almy Jr, que, em anos anteriores, outros presidentes, como Ana Lúcia Boynard, Nelson Nahim e Luis Ogando, realizaram festas de confraternização natalina para os funcionários da Fenorte. Mas que esse ano, a nova diretoria da Fenorte optou por oferecer os kits natalinos. Segundo Carlos Augusto, os kits teriam sido licitados, e o menor preço teria sido o do frigorífico Aurora. Outra justificativa do funcionário é que o TCU (Tribunal de Contas da União) também está oferecendo aos seus funcionários brindes no valor de mais de R$200,00. Mas, como um erro não justifica o outro, a Somos questionou com o deputado Roberto Henriques se a atitude do presidente da Fenorte, professor Almy Jr, indicado por ele para o cargo, seria correta administrativamente. Deixando claro que foi ele que fez a indicação do professor Almy Jr, o deputado afirmou que mesmo assim não entra na questão administrativa, não fazendo nenhum tipo de ingerência na Fenorte, mas que teria se informado se o ato praticado pelo professor Almy Jr tem amparo legal, obtendo como resposta pela Procuradoria da Fenorte, que o ato é legal, e que teria recebido parecer positivo. Falta transparência Segundo opinião do deputado Roberto Henriques, a diretoria da Fenorte deveria expor publicamente todo o processo, bem como o parecer jurídico, de forma que não pairasse dúvidas sobre o procedimento e a lisura do mesmo. De acordo com o entendimento de Roberto Henriques, o processo deve ser colocado à disposição da população, bem como da imprensa, para que se mostre a lisura. Ele também afirmou que, apesar de ter indicado Almy, só esteve uma vez na Fenorte durante esse período e que, quando fez a indicação, foi para tentar resgatar a Fenorte, tornando realidade o sonho de transformá-la em uma Secretaria do Norte Fluminense, um órgão que representasse o interior do Estado, isso como parlamentar, quando então esteve com o governador expondo esse sonho, sendo que nesse momento foi que surgiu a indicação do professor Almy Jr. [caption id="attachment_2861" align="aligncenter" width="756" caption="Caminhão da Aurora entrando pelos fundos da Uenf e funcionários da Fenorte descarregando os frangos"][/caption] Segundo Roberto Henriques, ele ainda não fez nenhuma avaliação da gestão do professor Almy Jr, sendo assim, preferiu não emitir uma opinião por estar distante e achar que seria falta de ética, mas que vai avaliar a situação e fazer com que a Fenorte seja dirigida pelos melhores princípios administrativos, e que esse ato específico, a distribuição de brindes comprados com dinheiro público, cabe ao jurídico da Fenorte dar ou não sustentabilidade, julgando se foi correto. Ele também declarou que deve ser colocado em prática o princípio da transparência para que a população julgue a moralidade do ato. Roberto Henriques afirma que vai acompanhar e analisar todo material que receber e, se perceber qualquer “fumaça” que possa atrapalhar o que foi idealizado para a Fenorte, irá tomar as devidas providências.
Comentar
Compartilhe
Contas de Carla aprovadas com louvor pelo TCE
10/12/2011 | 12h39
As contas da prefeita de São João da Barra Carla Machado foram aprovadas com  louvor pelo Tribunal de Contas do Estado. A notícia aquece o clima de comemoração desse final de ano e abre as portas para um verão de primeira no município.
Comentar
Compartilhe
Para perfuração de poços no mar, exercícios de contenção de petróleo no rio
08/12/2011 | 00h19
Como sempre digo: de tudo se aproveita um pouco. Apesar dos danos, o vazamento de petróleo da Chevron serviu ao menos para que fosse dada a devida importância às medidas emergenciais de contenção de petróleo de eventuais acidentes na Bacia de Campos. Esta semana, a foz do Paraíba, no Pontal de Atafona, em São João da Barra, serviu de cenário para exercícios de simulação de contenção de óleo realizados pela Petrobras atendendo a exigências do Ibama para perfuração de poços nos blocos BM-C 26 e 27. Segundo Felício Valiengo, coordenador de Defesa Civil de São João da Barra, na próxima semana uma nova equipe da Petrobras poderá voltar ao município para uma realizar outra simulação. Desta vez da classe 3, que seria um vazamento maior. Bê a Bá O que me intriga é que, pelos menos teoricamente, dificilmente petróleo vazado em alto mar atingiria aquele ambiente abrigado do Pontal, onde o Rio corre para o mar, empurrando o que estiver na frente, e não ao contrário... Fica parecendo, pelo menos para nós leigos, que exercícios feitos ali não terão a mesma utilidade prática de outros que fossem realizados perto da costa, mas no mar, onde existe um grau de dificuldade bem maior e, logicamente, onde parece estar o maior perigo da poluição de uma enorme mancha de óleo chegar às praias costeiras, com suas áreas de arrebentação e grandes extensões. Esse aí, realizado em águas mansas, entre a margem do Paraíba e uma ilha, só vale se for mesmo o “bê a bá” dos exercícios... Mas a preocupante eventualidade de uma gigantesca mancha de petróleo sendo empurrada para o litoral exigirá infinitamente mais do que isso... A história não condiz com a realidade Em 1977 o pioneiro campo de Enchova começou a produzir e o primeiro carregamento comercial de petróleo no Brasil foi embarcado no então navio tanque PP Moraes, depois convertido na plataforma P-34, a 2ª plataforma flutuante de produção, estocagem e escoamento de petróleo (FPSO) do mundo. Como se vê, com tanta história e experiência, há estas alturas, após 34 anos de atividades de exploração do petróleo na Bacia de Campos, deveríamos estar muito além do bê a bá da contenção, com centenas de equipes treinadíssimas e prontas para agir sabendo de cor e salteado o x y z desse abecedário...
Comentar
Compartilhe
Fenorte distribui de brinde de Natal 1/2 tonelada de frango comprada com o dinheiro público
04/12/2011 | 23h44
Papai Noel gordo [caption id="attachment_2860" align="aligncenter" width="756" caption="Caminhão da Aurora no pátio da Uenf"][/caption] Na terça-feira, a chegada de um enorme caminhão Cargo modelo “4532e” do frigorífico Aurora ao campus da Uenf despertou a curiosidade de alunos e professores. Suspeitando ter errado o local da entrega por se ver em uma universidade, o motorista do veículo pediu informações aos passantes mostrando a nota fiscal da mercadoria para confirmar o endereço, o que foi feito. Mas o teor do documento surpreendeu alunos e professores, pois indicava a entrega de ½ tonelada de frangos Blesser, em kits de Natal com bolsas térmicas de 10 litros, para a Fenorte, atualmente presidida pelo ex-reitor da Uenf professor Almy Jr., com investigação em andamento pelo Ministério Público pelos fortes indícios de excessiva generosidade na manipulação de dinheiro público durante a sua gestão à frente da Uenf.   [caption id="attachment_2861" align="aligncenter" width="756" caption="Caminhão da Aurora entrando pelos fundos da Uenf e funcionários da Fenorte descarregando os frangos"][/caption] Generoso Realmente não se pode dizer que o ex-reitor não é generoso, pelo menos com dinheiro alheio, já que os kits de Natal foram distribuídos entre os funcionários da Fenorte. Mas um dado chamou a atenção, segundo o motorista do veículo, seriam descarregados dois palets, cada um com 96 caixas, cada caixa com dois kits, o que daria 192 kits. Como a Fenorte tem cerca de 130 funcionários, haveria uma sobra de 62 kits. Certamente o professor Almy deverá indicar qual o destino desses kits excedentes. Frangos & Bandejão Sem previsão ou logística para receber tal quantidade de alimentos perecíveis, já que a Fenorte é um órgão do governo estadual que não tem a finalidade de comprar, gerir ou guardar alimentos, o caminhão frigorífico da Aurora teve que pernoitar no campus da Uenf até que a estranha distribuição fosse realizada. Enquanto os funcionários da Fenorte recebiam seus kits de Natal, do outro lado, observando a cena, estavam professores e alunos da Uenf, não contemplados com essa benesse e sem o seu almejado Restaurante Universitário, que teve as obras paralisadas por incompetência do ex-reitor e da sua equipe que, apesar de terem recebido verba suficiente para conclusão da obra, foram ineptos, usando de eufemismo, na fiscalização da empresa que construía o “Bandejão”, o que levou à paralisação das obras e denúncia ao Ministério Público. [caption id="attachment_2862" align="aligncenter" width="756" caption="Funcionários da Fenorte não contém o sorriso ao conferir os frangos especiais do kit de Natal Aurora - generosamente comprados com dinheiro público como mostra a nota fiscal ao lado, em nome da Fenorte"][/caption] Com essa distribuição de meia tonelada de frangos comprada com dinheiro público nota-se que o atual presidente da Fenorte, professor Almy, dá continuidade às mesmas práticas questionáveis utilizadas quando esteve à frente da Uenf. Caso não haja uma convincente explicação para esse excesso de bondade na utilização do dinheiro público, certamente novas denúncias serão feitas ao MP para que seja apurada a legalidade do procedimento ou as eventuais responsabilidades dos autores. Matéria completa na revista Somos dessa semana, nas bancas.
Comentar
Compartilhe
Ponte General Dutra: Que falta faz pincel e tinta!
04/12/2011 | 23h16
Um cartão postal enferrujado Principal porta de acesso a Campos, a sexagenária ponte General Dutra é o que se pode chamar de uma senhora “dura na queda”. Suportando há cerca de sessenta anos o trânsito pesado da BR101, que corta o país do Oiapoque ao Chuí, a General Dutra já passou por duras provações, como enchentes severas, descaso das autoridades e até a dramática queda de pilares, por conta da força das águas do rio que subiram seis metros com as chuvas, obrigando-a a passar por uma verdadeira cirurgia plástica que a transformou em uma “ponte em arco de tabuleiro intermediário de estrutura de aço revestida com concreto”. Essa mesma transformação que a recuperou e a tornou mais segura, também a deixou mais bonita. O que se lamenta agora é que desde a sua reinauguração, em 2008, a General Dutra não tem visto mais pincel ou tinta, exibindo as marcas do esquecimento travestidas em enormes manchas de ferrugem por todo o portal que deveria ser um emblemático cartão postal de Campos. Um pequeno passeio a pé atravessando a ponte revelou uma bela estrutura, ainda intacta, mas com terra e água perigosamente acumulada perto dos parafusos nas chapas de aço, o que aceleraria a corrosão, e ferrugem superficial espalhada por toda a extensão das estruturas, criando um aspecto prematuramente envelhecido e desleixado. A ponte A ponte General Dutra, construída em 1951 pelo presidente Juscelino Kubitschek , e inaugurada no em 23 de abril de 1952, interligou a BR-101, trecho Rio-Salvador, sobre o rio Paraíba em Campos dos Goytacazes, se tornando um dos principais eixos de ligação entre o norte e o sul do País. A mesma importância não foi dada a sua manutenção, recebendo apenas pequenas intervenções que não impediram que, na enchente de 2006, a ponte sofresse o abalo de quatro pilares. Com a estrutura comprometida devido à queda de um dos seus pilares no dia seis de janeiro de 2007, cerca de 700 metros da ponte foram implodidos no domingo, 3 de junho de 2007, às 9 horas da manhã. Essa interdição cria uma série de problemas de abrangência nacional, uma vez que o deslocamento de cargas dentro do país ficou prejudicado, inclusive o transporte municipal, com os campistas tendo a sua vida alterada de forma profunda. Durante um ano e dois meses a população de Campos conviveu com o trânsito caótico, com tráfego de caminhões pesados passando pelo centro da cidade. Diante dos grandes transtornos causados, os campistas passaram a reconhecer, de fato, a real importância da Ponte General Dutra, que foi reinaugurada em 17 de março de 2008. O projeto da reforma da ponte colocou um grande arco metálico com nove tubos de cada lado para sustentar a estrutura de mil toneladas no lugar de dois dos pilares que cederam e que foram implodidos durante a reforma. O arco constituiu um apoio crítico à ponte e eliminou os pilares remanescentes no meio da estrutura, deixando passagem livre sobre a água. A fundação da ponte, mesmo nos pilares que não foram afetados, também foi toda refeita. “O arco dá sustentação à ponte. A estrutura metálica foi uma solução simples e bonita”, explica o engenheiro Luís Antônio Costa, da A. Gaspar Engenharia, empresa que fez a obra na ponte. Promessas apagadas Em reportagem publicada na edição nº30 da Somos, de 27 de janeiro de 2008, o engenheiro Luís Antônio Costa, da A. Gaspar Engenharia se mostrava otimista e previa um futuro iluminado para a ponte, muito diferente do que se vê hoje. Iluminação “Além da reforma que vai reforçar a estrutura, também está previsto um projeto de iluminação a ser realizado pela prefeitura em parceria com a Ampla. A idéia do projeto é valorizar a beleza da ponte, principalmente durante a noite. Vai ficar muito bonito visualmente. Teremos uma grande obra de arte.”. Mas, infelizmente, não foi o que aconteceu. Vamos valorizar o que é nosso Cuidar com carinho de um dos nossos principais portais e resgatar um belo cartão postal do município, é uma missão que cabe às nossas autoridades, seja cobrando providências do governo federal ou assumindo essa tarefa que só trará benefícios à nossa cidade.
Comentar
Compartilhe