No Plano de Atividades da OSX para UCN do Açu, 2015 é o ano X
29/07/2011 | 22h40
OSX divulga resultados e anuncia plano de avanço do seu estaleiro e carteira de encomendas [caption id="attachment_2057" align="aligncenter" width="756" caption="Projeção virtual da UCN do Açu em 2015"][/caption] Hoje, durante a divulgação de resultados do período, com a OSX registrando receita de R$ 25,350 milhões e caixa consolidado, incluindo as suas controladas (30/6/2011), de R$ 1,8 bilhão, o Diretor Financeiro da OSX, Roberto Monteiro, apresentou o Plano de Atividades a ser implementado para a produção de equipamentos navais de produção de petróleo e gás na Unidade de Construção Naval (UCN) do Açu, até 2015. Sincronia O planejamento da OSX para o “Estaleiro do Açu” foi elaborado para conjugar, em São João da Barra, a obra de construção do maior estaleiro das Américas, com a sócia e líder mundial Hyundai Heavy Industries, o fornecimento prioritário de equipamentos de produção de petróleo e gás para o cliente-âncora OGX Petróleo e Gás; e o atendimento a potenciais novos clientes no setor de óleo e gás atuantes no Brasil. Vento a favor “O segundo trimestre de 2011 trouxe importantes conquistas para OSX. Recebemos a licença de instalação para darmos início à construção do maior estaleiro das Américas. O Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante  aprovou a prioridade de apoio financeiro ao projeto da Unidade de Construção Naval do Açu, com uma linha de crédito de longo prazo (18 a 20 anos), que pode chegar a R$ 2,7 bilhões, com uma taxa entre 2% e 4% ao ano em dólar. E, além disso, continuamos avançando na execução de nossa carteira firme de pedidos de sete equipamentos (5 FPSOs e 2 WHPs), para atender a nossa cliente OGX. Essas conquistas reafirmam o êxito das estratégias adotadas e temos muito orgulho de compartilhá-las com nossos investidores, parceiros e funcionários.” afirmou Luiz Eduardo Carneiro, Diretor Presidente da OSX.
Comentar
Compartilhe
Após a vitória, Carla:"Mesmo com maioria absoluta, eu estou aberta ao diálogo"
29/07/2011 | 12h34
Na política é preciso saber ganhar e perder. Tanto a vitória quanto a derrota, revelam a grandeza ou pequenez das pessoas. Passada a natural euforia pelo alívio de poder voltar a governar seu município com todo o seu potencial, a prefeita de São João da Barra Carla Machado, em sua primeira declaração a esse blog após a insistentemente obstaculada votação da LDO pelos vereadores da oposição, mostrou-se aberta ao diálogo: “Eu gostaria de chamar todos os vereadores para uma reflexão pelo bem comum de São João da Barra. Principalmente Gersinho, que é do meu partido e se elegeu com os votos do nosso grupo político, e em nosso palanque. Gersinho, é hora de pensar grande. Essas brigas não levam a nada. Eu espero que, agora, a paz retorne ao município, para que todos possamos trabalhar, com salários e serviços em dia. Eu respeito o legislativo e sua função de fiscalizar, mas com equilíbrio, para não impedir o governo de trabalhar. Estou disposta a abrir o diálogo, para o bem de São João da Barra. Sem dependências e atravancamentos. Mesmo com maioria absoluta, eu estou aberta ao diálogo.”
Comentar
Compartilhe
Fim da pirraça - aprovada Suplementação orçamentária de SJB
28/07/2011 | 15h56
Suplementação Orçamentária de São João da Barra acaba de ser aprovada. Ordem judicial de desembargadora obrigou que projeto fosse colocado em votação e , apesar do esperneio, os Cavaleiros do Apocalipse foram voto vencido pela maioria governista.  Público comemorou a decisão.
Comentar
Compartilhe
MP de olho na Sessão Extraordinária da Câmara de São João da Barra de hoje
28/07/2011 | 12h47
A Sessão Extraordinária da Câmara Municipal de São João da Barra, marcada para às 14h de hoje, deverá ser das mais concorridas. Estará em pauta  a suplementação do orçamento, que vem sendo sistematicamente evitada pelos vereadores da oposição que dominam a mesa diretora daquela casa legislativa. Após o retalhamento do orçamento e engessamento do governo, a radicalização da posição dos vereadores de oposição ao governo Carla Machado, com a utilização de artifícios para evitar a votação que pode recompor o que foi desmantelado por 29 emendas, pode estar com seus dias contados. O Ministério Público já entrou no caso e estará de olho no cumprimento da Lei Orgânica daquele município. A bancada governista divulgou uma nota oficial detalhando o caso. Confira abaixo:   NOTA OFICIAL : Vereadores da Base Governista Alexandre Rosa | Aluisio Siqueira | Jonas de Oliveira | Amaro Élio de Souza Ribeiro | Carlos Alberto Alves Maia E-mail de contato: [email protected] 28 de julho de 2011 SESSÃO EXTRAORDINÁRIA MARCADA PARA HOJE Enquanto maioria dos membros da Câmara Municipal de São João da Barra, os vereadores da base governista Alexandre Rosa (PPS), Aluisio Siqueira (PTB), Elinho (PSDB), Caputi (PMDB) e Jonas Oliveiras (PMDB), considerando o artigo 24, III, da Lei Orgânica do Município, convocaram sessão extraordinária para hoje, às 14 horas, com o fim ESPECÍFICO de ser apreciado, deliberado e votado pelo Plenário o projeto de lei 006/2011, encaminhado há mais de dois meses pelo Executivo Municipal em Regime de Urgência. O parágrafo único do artigo 24 da Lei Orgânica Municipal diz que “na sessão legislativa extraordinária, a Câmara deliberará somente sobre a matéria para a qual foi convocada” e, nos termos do parágrafo 2º do artigo 95 do Regimento Interno da Câmara Municipal, mostra que: “a duração e a prorrogação de sessão extraordinária cinge-se à discussão e votação da matéria que a ensejou”. Os vereadores da base governista consideram que o presidente da Câmara Municipal, Gerson Crispim, de forma arbitrária e reiterada recusa colocar em votação o projeto de lei 006/2011, encaminhado em regime de urgência há mais de dois meses pelo Executivo Municipal que dispõe sobre alteração da Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. Além disso, a não votação do projeto 006/2011, primeiro que deve ser apreciado dentre todas as matérias que se encontram no legislativo, pois está em regime de urgência, vem impedindo, na forma do parágrafo 1º do artigo 38, os demais projetos que também são de extrema urgência e importância como o projeto de lei 008/2011, que trata do aumento salarial de 7% para os servidores públicos municipais concedido pela prefeita Carla Machado e o projeto de lei 009/2011 que trata da suplementação para pagamento do reajuste salarial. Vale lembrar que a Proposta Orçamentária para este ano encaminhada pelo Executivo foi alterada em mais de 28% de seu teor original retalhada por diversas emendas o que em certo momento iria inviabilizar dotações relativas a gastos com pessoal, encargos sociais, serviço de terceiros, entre outras, prejudicando o regular funcionamento de diversas secretarias e órgãos que compõem o Poder Executivo Municipal, fato este que já vem ocorrendo com a limpeza pública, abastecimento de água, limpa-fossas, pagamento de funcionalismo, manutenção de estradas, obras, dentre outros. O projeto de lei 006/2011 visa recompor as dotações orçamentárias outrora retalhadas. Nos últimos dez anos a Câmara Municipal aprovou autorizações de créditos suplementares que variaram entre 60%, em 2001 e 2002, no governo anterior, até 25%, em 2010. Para 2011 foram autorizados apenas 5%. Além disso, o remanejamento só pode ser feito dentro da própria secretaria e para a mesma natureza de despesa, o que na maioria dos casos representa possibilidade de remanejamento zero. Além disso, historicamente e até por coerência, o Legislativo sempre aprovou para si uma autorização de remanejamento igual à do Executivo. Na Região, municípios como Cardoso Moreira e São Fidélis receberam autorização do Legislativo em remanejar o orçamento em 50%; Campos, o município do Rio de Janeiro, São Francisco do Itabapoana e o governo do Estado, têm autorização para remanejar 30%, enquanto que o governo federal tem autorização para remanejar de 10% a 30%.
Comentar
Compartilhe
Bacia de Campos: OSX investe US$ 800 milhões na Unidade de Produção OSX-3
27/07/2011 | 18h08
O progresso da região segue de vento em popa. Vejam só que boas notícias: A OSX, empresa do setor de equipamentos e serviços para a indústria offshore de óleo e gás natural do Grupo EBX, firmou Contrato de Engenharia, Suprimento de Materiais e Equipamentos, Construção, Instalação e Comissionamento (EPI), relativo ao FPSO OSX-3 (unidade de produção, estocagem e descarga de óleo e gás), com a empresa Modec, uma das líderes mundiais na gestão de projetos construtivos de equipamentos offshore de produção de óleo e gás. O contrato tem valor aproximado de US$ 800 milhões. O FPSO OSX-3 terá capacidade de produção 100.000 bopd (barris de óleo por dia) e capacidade de armazenamento de 1.300.000 bbls, sendo entregue no terceiro trimestre de 2013 para afretamento à OGX por 20 anos. [caption id="attachment_2030" align="aligncenter" width="756" caption="OSX contratou construção da OSX3 e OX4 já está em andamento - na fotos os dois navios que serão transformados"][/caption] A OSX, que implementará uma Unidade de Construção Naval (UCN) no complexo industrial do Superporto do Açu conta, atualmente, com uma carteira firme de pedidos da ordem de US$ 4,8 bilhões, composta por sete equipamentos para atendimento à OGX, conforme abaixo: FPSO OSX-1 Encontra-se em fase final de customização no estaleiro da Keppel em Cingapura, tendo sido construído no estaleiro da Samsung na Coréia. Sua entrega no Brasil está prevista para o 3° trimestre de 2011. FPSO OSX-2 Entrega no estaleiro prevista para o 2° trimestre de 2013. Iniciou-se em abril de 2011 a vigência do Contrato de Construção (EPCI) com a SBM Offshore, uma das líderes mundiais na gestão de projetos construtivos de equipamentos offshore de produção de óleo e gás, para a construção do FPSO OSX-2 em estaleiro de Cingapura. FPSO OSX-3 Entrega no estaleiro prevista para o 3° trimestre de 2013. Iniciou-se a vigência do Contrato de Construção (EPCI) com a Modec em julho de 2011, para construção do FPSO OSX-3 em estaleiro de Cingapura. FPSO OSX-4 & FPSO OSX-5 Entrega no estaleiro prevista, respectivamente, para o 2° e 4° trimestre de 2014. Encontra-se em fase de licitação o projeto de engenharia para conversão e integração de dois VLCCs adquiridos da Vela Corporation. A integração ocorrerá no Brasil, inaugurando as atividades operacionais da Unidade de Construção Naval da OSX, já licenciada e que se encontra em fase de início de construção em São João da Barra (RJ). WHP 1 e WHP 2 Entrega no canteiro de obras da empresa brasileira Techint prevista respectivamente para o 1° e 2° trimestre de 2013. Atividades preparatórias iniciadas e sujeitas à conclusão de negociações para a construção das WHPs no Brasil, no canteiro de obras da Techint. Bons sinais “Esses fatos são mais uma demonstração de que a OSX segue avançando, de forma consistente, no atendimento da demanda de equipamentos de produção da OGX, e na implementação da UCN Açu, no Complexo Industrial do Superporto do Açu” destacou Luiz Eduardo Guimarães Carneiro, Diretor Presidente da OSX.
Comentar
Compartilhe
R.I.P. Amy
26/07/2011 | 19h26
[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=amGSZHyOMqk&feature=fvsr[/youtube]
Comentar
Compartilhe
Guardas Municipais afastados no governo Mocaiber querem solução de Rosinha
26/07/2011 | 12h03

Mais de 2000 homens em situação indefinida

Em janeiro de 2005, milhares de homens foram admitidos como guardas civis municipais pela Prefeitura de Campos, na gestão de Carlos Alberto Campista. Um dos guardas, Jorge Viveiros, recorda-se do que aconteceu dois anos depois, quando Carlos Alberto já havia sido afastado por acusação de abuso de poder político e econômico e, em seu lugar, surgia a figura de seu substituto, Alexandre Mocaiber: “Em quinze de janeiro de 2007, eles rabiscaram a Carteira da gente e nos transferiram para outra função, numa instituição em NovaIguaçu.”, relata Jorge sobre o episódio que gera turbulências na categoria até hoje. Segundo os ex-integrantes da Guarda, houve um erro administrativo da Prefeitura na época, pois aproximadamente dois mil guardas foram mandados embora, mas seus nomes até hoje constam no Cadastro Nacional de Informações Sociais da Previdência Social (Cnis) como funcionários da Prefeitura de Campos. Ou seja, não houve demissão. “Houve afastamento.”, conta Silas Monteiro, vice-presidente da Associação de Apoio aos Servidores Celetistas de Campos dos Goytacazes (ASCCG) (afastados em 2008), acrescentando: “As carteiras não foram derrubadas. Não houve exame demissional. E, pela Constituição, temos o direito de sermos reintegrados, pois há uma prescrição de cinco anos, quando atuação em órgão público, que dá o direito de sermos efetivados.”, explica. Silas aponta um possível erro administrativo. “Há um erro administrativo? Se há um erro administrativo, alguém tem que responder por ele. Queremos esclarecer que não estamos reclamando da prefeita Rosinha Garotinho e nem acusando ninguém.”, expõe Silas. “Estamos apenas reivindicando nossos direitos. Temos um documento, o Cnis, desconhecido por muitos advogados, que prova que ainda somos funcionários da Prefeitura.”, defende. Um dos integrantes da Associação, Fábio Neves, explica a situação: “A assinatura das nossas Carteiras foi feita diretamente pela Prefeitura, do órgão interno. Em 2007, a Prefeitura nos desviou de função e nenhum de nós foi avisado de que isso ia acontecer. Recolheu nossas carteiras para um recadastramento e, em 2007, fomos para a empresa terceirizada. Mas somos da Guarda Civil Municipal.”, comenta Fábio. “Não foi dada baixa nas Carteiras. Quando o funcionário recebe uma baixa, ele tem que assinar, e nenhum de nós assinou essa baixa, nem rescisão de contrato e nem fez exame demissional. Não tivemos nada disso.”, explica o guarda civil. Neves dá destaque à questão específica da firma terceirizada: “Essa firma, José Pelúcio, é ilegal. Todos os contratos feitos com ela são nulos, sem efeito nenhum”, diz Neves. O vice-presidente da ASCCG, Silas, comenta também que, ao que parece, “a ‘baixa’ na Carteira deveria ser feita por um juiz, e não pela Prefeitura”. “Mas foi um rapaz do Recursos Humanos que nos disse que estávamos ‘demitidos’. Na verdade, não há demissão. Nós não fomos passados para a Pelúcio. Fomos enganados. Fomos transferidos, mas continuamos constando no Cadastro Nacional como funcionários. E continuamos como funcionários, cumprindo as mesmas funções. Mas existe esse prazo prescricional, de cinco anos.”, defende Silas, afirmando que dezenas de guardas não estão trabalhando – se mantêm parados há aproximadamente três anos. Inclusive, a ASCCG prepara uma assembleia e uma manifestação que acontecerão no dia 18 de agosto próximo, mas ainda não possui horário e local definidos. “A Prefeitura nunca nos chamou para acertar algo. E eles têm que respeitar a Constituição”, comenta Silas. “Está na Lei, aqui: artigo 4, prescrição administrativa como um dos elos da preservação do Estado de fato. Decreto número 20910/32. Há uma prescrição. Ou seja, com essa lei, mesmo que a prefeitura queira nos mandar embora, ela não consegue. Porque houve uma prescrição. Nós queremos que a prefeita do município dê uma solução para a nossa situação. Precisamos de respostas.”, destaca. Alguns advogados já tiveram conhecimento do fato, em Campos, mas simplesmente se recusaram a pegar o caso, como afirmam os integrantes da Associação. Os guardas alegam que muitos advogados não reconhecem os direitos da categoria, e chegam a afirmar que se trata de contrato nulo. “Como é contrato nulo se eu não sou demitido?”, lança a questão, Silas. “Eu estou provando que eu não sou demitido. Nós queremos saber o que pode ser feito.”, comenta, ao lado de outro integrante da Guarda, Gabriel Viana, que fez uma observação: “E essas pessoas com situação resolvida, a gente não consegue nenhum documento que ajude a nos reforçar, porque elas têm medo. Muitos guardas estão afastados, aposentados, encostados e recebem pela Prefeitura, como funcionários.”, afirma Gabriel. Os guardas afastados preparam notícia a ser apresentada ao Ministério Público. “Algumas prefeituras têm cinquenta por cento de estatutários (concurso) e cinquenta por cento de celetistas. Fizeram projeto de lei, e os terceirizados passaram a ser estatutários. Isso em quatro Prefeituras, até o Rio de Janeiro. Só que Campos nega isso.”, comenta Renato. “Estamos, desde agosto de 2008, nesse negócio. É como se fosse: ‘Chegou a velhice e joga pro canto’. Mas é um problema seríssimo, fazer você de gato e sapato. Tinham dois mil e poucos guardas afastados, mas alguns morreram, outros aposentaram... Então, estamos arrecadando os Cnis, não temos os cadastros de todos, porque muitas pessoas não acreditam.”, conta Renato. “Sabe como é... ‘prefeitura’, não acreditam. Mas nós vamos tocar pra frente.”, defende. Silas, por sua vez, abre o campo da questão e comenta a situação dos guardas portuários que conseguiram apoio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, a Alerj, solicitando aqui o apoio dos vereadores de Campos para a reivindicação da categoria campista.
Comentar
Compartilhe
SJB: vereadores governistas chamam Gersinho de covarde e desumano
22/07/2011 | 15h03

 

[caption id="attachment_2008" align="aligncenter" width="755" caption="As sessões as Câmara de SJB se tornaram um caso de polícia"][/caption]

Diante da continuação do impasse que sistemeticamente impede as votações na Câmara Municipal de São João da Barra, os vereadores da bancada de apoio ao governo divulgaram nota oficial em protesto contra as atitudes dos veredores de oposição. Leia a nota abaixo na íntegra:

NOTA OFICIAL :

ASSESSORIA DE IMPRENSA Vereadores: Alexandre Rosa | Aluisio Siqueira | Jonas de Oliveira | Amaro Élio de Souza Ribeiro | Carlos Alberto Alves Maia 21 de julho de 2011 Presidente Gerson Crispim age com covardia e desumanidade O presidente da Câmara de São João da Barra, Gerson Crispim (Gersinho), sequer se comoveu com o plenário lotado de trabalhadores na sessão desta noite. Centenas de pessoas se aglomeraram dentro da Casa de Leis e na frente do prédio pedindo que seja resolvida a questão dos serviços públicos e consequentemente de centenas de empregos que serão extintos, atravancados pela intransigência dos vereadores do G-4, o grupo de oposição ao governo municipal: Antônio Mariano (Camarão), Kaká, Gersinho e Franquis. Gersinho pautou para a Ordem do Dia apenas a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO/2012), deixando de fora o projeto de lei 006/2011 que concede ao executivo autorização para remanejamento de até 50% do orçamento, o projeto de lei 008/2011, que trata do aumento salarial de 7% para os servidores públicos municipais concedido pela prefeita Carla Machado, e o projeto de lei 009/2011, que trata da suplementação para pagamento do reajuste salarial. Vale ressaltar que os projetos já foram lidos no final do mês de maio e, portanto, estão há mais de 30 dias na Câmara. Mesmo com forte policiamento, Gersinho encerrou a sessão minutos depois de aberta simplesmente por achar que havia tumulto. Em uma reunião prévia entre os noves vereadores na tarde desta quinta-feira, 21, a prefeita Carla Machado, por meio de sua base governista, disse que estava disposta a reduzir o percentual de remanejamento para 25%, sinalizando novamente com uma possibilidade de entendimento entre os poderes Executivo e Legislativo, em prol da população, já que trabalhadores e diversos serviços estariam sendo comprometidos, inclusive acarretando demissão de chefes de famílias. De forma intransigente e irredutível, os vereadores de oposição não aceitaram a proposta. “Nós vamos segurar ao máximo, até onde pudermos”, frisou o vereador Antônio Mariano (Camarão). Segundo o vereador Aluizio Siqueira, além de a prefeita ter que diminuir em 80% o atendimento à comunidade no serviço de abastecimento de água potável aos moradores do Quinto Distrito, haverá necessidade em reduzir 70% o contrato de limpeza urbana, conservação de estradas, entre outros serviços, o que levou a empresa União Norte a dar aviso prévio a 409 funcionários. Agora pela primeira vez em seis anos e meio, a Prefeitura não vai poder pagar em dia a todos os funcionários. “Tudo isso por causa de uma oposição radical e uma minoria com complexo de maioria, já que eles representam apenas quatro dos nove vereadores que compõem o legislativo. Isso é uma falta de comprometimento com a população de nosso Município que está repudiado essa atitude do G4”, afirma o vereador. Os servidores municipais da Secretaria de Promoção Social e do Gabinete poderão não receber os salários deste mês porque o presidente da Câmara, Gersinho, insiste em descumprir a Lei Orgânica, não colocando os projetos de lei encaminhados pelo Executivo em pauta para apreciação por todos os vereadores. Com isso o presidente do Legislativo pratica crime de prevaricação ao deixar de praticar “atos de ofício”, conforme denúncia do vice-presidente da Câmara, vereador Alexandre Rosa. [caption id="attachment_2010" align="aligncenter" width="755" caption="Kaká e Gersinho, novamente na abortada, sesão de quinta-feira"][/caption] “Enquanto presidente, nunca deixei de colocar em votação projeto de lei encaminhado pela prefeita, principalmente aqueles nos quais eram solicitados em regime de urgência, que de acordo com a Lei Orgânica devem ser votados em até 30 dias. Hoje, infelizmente, nem mesmo o Regimento Interno é respeitado e o presidente só atende aos vereadores Kaká, Franquis e Camarão, que são oposição ao atual governo. Estão tirando o direito e a obrigação nossa, dos cinco vereadores, de apreciamos  e votarmos as matérias enviadas à Câmara. Em seu segundo mandato, o vereador Jonas de Oliveira, e o vereador Caputi, em seu terceiro mandato, afirmam que “nunca viram isso acontecer”. “Esse comportamento é absurdo por parte de um presidente, ferindo o principio da democracia, de respeitar a vontade da maioria. Isso tudo está acontecendo, por interesses diferentes daqueles que devemos respeitar e defender, que é o interesse público e o bem comum. Isso é uma ditadura, o presidente está fazendo o que bem entende e isso é inconcebível. Eles têm que deixar a política partidária para o palanque e aqui, na Câmara, fazer pelo povo”, defendem. O Blog coloca espaço à disposição do Presidente da Câmara Municipal de São João da Barra, vereador Gersin Crispim, para dar a sua versão dos fatos.
Comentar
Compartilhe
Codin anuncia pagamento de auxílio produção para produtores do 5º Distrito de SJB
21/07/2011 | 16h24
A Codin divulgou nota oficial anunciando pagamento de auxílio produção para os produtores do 5º Distrito de São João da Barra que já tiveram terras imitidas na posse para a construção do 11º Distrito Industrial da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin), no Super Porto do Açu. Veja abaixo na íntegra: Proprietários e produtores do 5 distrito de São João da Barra, que já tiveram terras imitidas na posse para a construção do 11º Distrito Industrial da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin), começam, ainda em julho, a receber o Auxílio-produção, beneficio criado para apoiar os produtores nesse momento de transição. Serão beneficiados aqueles que aderirem ao programa. O Auxílio-produção será pago pelo período de 24 meses, a contar da data da imissão na posse. Os pagamentos, que variam entre 1 e 5 salários-mínimos, serão feitos mensalmente através de contas bancárias.
Comentar
Compartilhe
Lixo de SJB pode parar nas portas da Câmara e das casas dos "Cavaleiros do Apocalipse"
21/07/2011 | 12h51
O voo kamikaze dos quatro “Cavaleiros do Apocalipse” de São João da Barra pode terminar, literalmente, no lixo. O orçamento retalhado e o impasse na Câmara, engendrados pelo quarteto, tiraram os postos de emprego de 409 chefes de família atuantes na limpeza de São João da Barra, que já estão cumprindo aviso prévio. A prefeita Carla Machado, em entrevista à nossa equipe, declarou que a atitude dos quatro vereadores de oposição é absurda. “Em 2004 a verba para o lixo foi de 8.7 milhões, em 2010, 8,5 milhões. Isso, sem falar que, em 2004, eram utilizados equipamentos da PMSB e só faziam a coleta. Hoje se esquecem de falar que o serviço inclui coleta de lixo, coleta de lixo hospitalar, coleta seletiva e limpeza das praias etc. Engessaram o governo. O município tem 130 milhões aplicados e eu não posso usar em benefício da população. Com essas emendas, querem que eu erre para me pegar em improbidade e prejudicam os sanjoanenses.”. O certo é que, mantida essa situação, essa bomba de efeito retardado também vai estourar nas mãos da população em menos de 30 dias. Caso o lixo não seja recolhido diariamente, ele será acumulado nas portas das residências, o que, além do forte mau cheiro, pode vir a se tornar um caso de saúde pública. A perspectiva de todo esse caos do lixo já está criando um movimento de cidadãos indignados para armazenar o lixo não recolhido na porta das residências dos “Cavaleiros do Apocalipse" e da Câmara Municipal. A coisa promete, literal e conotativamente falando, “feder”, em São João da Barra.
Comentar
Compartilhe
Desembargadora suspende processo contra Bombeiros até a tramitação da anistia
20/07/2011 | 14h01
[caption id="attachment_1982" align="aligncenter" width="756" caption="Bombeiros receberam apoio maciço"][/caption] A Justiça mostrou o bom senso que o governo do estado não teve no imbróglio dos 429 Bombeiros e dois PMs, acusados de pelos crimes de motim, dano em material ou aparelhamento de guerra, dano em aparelhos e instalações de aviação e navais e em estabelecimentos militares. Nessa terça-feira (20/6), a desembargadora Rosita de Oliveira Netto, da 6.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), suspendeu o processo enquanto o projeto de lei de anistia criminal para os militares tramitar no Congresso, que está em recesso. Diante da enorme repercussão negativa, o governador Sérgio Cabral já havia assinado a anistia administrativa em 29 der junho. Mas a questão judicial gerada pelas acusações do governo do estado ainda pesa contra os militares.
Comentar
Compartilhe
Subalterno descontrolado interrompe entrevista do reitor da Uenf e ofende jornalista
19/07/2011 | 18h54
[caption id="attachment_1960" align="aligncenter" width="755" caption="O descontrolado Técnico de Nível Superior Antônio Constantino Campos, eterno chefe de gabinete das reitorias da Uenf"][/caption] Apesar de ter sido recebida de forma profissional pela atual cúpula da Uenf, para uma longa e esclarecedora entrevista com o novo reitor, professor Silvério Freitas, em seu gabinete, a equipe da revista Somos Assim foi surpreendida pelo descontrole emocional do Técnico de Nível Superior Antônio Constantino Campos, eterno chefe de gabinete das reitorias daquela universidade, que, irritado com os questionamentos sobre os fortes indícios de irregularidades na gestão anterior, a todo momento tentava interferir nas respostas do seu atual superior hierárquico. Principalmente na questão da estranhíssima aquisição de 180 TVs de grande formato (adquiridas em número bem maior do que as salas de aula e de reuniões da Uenf). Chegando ao ponto de perder totalmente o controle emocional, interrompendo a entrevista do seu chefe e ofendendo esse jornalista, chamando-o de “cretino”. Dessa forma, o TNS Antônio Constantino deixou claro que não possuía argumentos para explicar o caso, que está sendo minuciosamente investigado pelo Ministério Público Estadual. A entrevista completa do reitor Silvério Freitas, falando de “Bandejão”, dedicação exclusiva, expansão, continuidade, orçamento, assistência estudantil, e apuração de responsabilidades sobre possíveis irregularidades etc, será publicada na edição da Somos do próximo domingo. Clique aqui e ouça , em alto e bom som, o “cretino” do Constantino
Comentar
Compartilhe
Mais dois hotéis de bandeiras internacionais anunciados para Campos. Agora são quatro
19/07/2011 | 13h53
A força dos ventos do progresso que varrem a região pode ser medida pelos anúncios da construção de hotéis de bandeiras de luxo e econômicas, todas de alto nível profissional. Além do recentemente inaugurado Comfort Hotel Campos dos Goytacazes, da Atlantica Hotels International, a maior administradora hoteleira multimarcas da América do Sul, mais três hotéis foram anunciados, o Tulip Inn, ao lado do Shopping Boulevard, da rede holandesa Golden Tulip, com mais de 200 hotéis em 40 países, e mais um grande empreendimento com dois hotéis da rede NEP, o Supreme Campos, com um Sleep Inn e um Quality, anunciados na coluna Negócios & Cia, de O Globo, desta terça-feira. E ainda tem gente que duvida do desenvolvimento da região...
Comentar
Compartilhe
Acusações do MP a Bacellar tiveram direito de resposta na Somos da época
18/07/2011 | 01h30
Vereador campista sob fogo cerrado do Ministério Público - RJ Somos publicou Direito de Resposta [caption id="attachment_1947" align="aligncenter" width="756" caption="Capas da Somos da época da polêmica"][/caption] O procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), Cláudio Lopes, ofereceu denúncias contra três prefeitos e cinco vereadores. Entre os denunciados, está o vereador de Campos Marcos Bacellar, do PT do B. Bacellar foi denunciado por calúnia e difamação, três vezes cada, segundo o promotor, com o agravante de os crimes terem sido cometidos contra funcionário público e na presença de várias pessoas. Em 2009, Bacellar fez vários ataques verbais contra o Promotor de Justiça Leandro Manhães de Lima Barreto, imputando falsos atos criminosos e fatos ofensivos à reputação do promotor. No mesmo ano, outros ataques de Bacellar contra o Promotor foram desfechados em entrevista à Revista Somos Assim, edição 102, de julho de 2009. Segundo a assessoria do MPRJ, o fato do político apresentar maus antecedentes, fez com que o procurador-geral não pedisse aplicação imediata da proposta de pena não-privativa de liberdade. As denúncias contra três prefeitos e cinco vereadores também foram assinadas pelo Subprocurador-geral de Justiça de Atribuição Originária Institucional e Judicial do MPRJ, Antonio José C. Moreira, e fazem referência a crimes que vão desde a dispensa ilegal de licitação até a aplicação da Lei Maria da Penha. Os envolvidos Além de Bacellar, foram denunciados e devem responder a ações penais na Seção Criminal do Tribunal de Justiça: os prefeitos Aparecida Panisset, de São Gonçalo, Arthur Henrique Gonçalves Ferreira, o Tutuca, de Piraí, e Carlos Augusto Carvalho Balthazar, de Rio das Ostras; assim como vereadores de Nova Friburgo, Magé, Miracema e Volta Redonda. Calúnia também foi o motivo das denúncias contra o vereador de Miracema André Luiz Amim Monteiro, e seu pai, Jorge Luiz de Oliveira Monteiro, e nesse caso também há os agravantes.  Em 2009, em um evento realizado no auditório do Centro Cultural Melchíades Cardoso, ambos imputaram falsamente a prática do crime de prevaricação à Promotora de Justiça Luciana Barbosa Delgado. [caption id="attachment_1948" align="alignleft" width="210" caption="Edição de domingo da Somos traz matéria sobre o caso"][/caption] Revista deste domingo traz matéria sobre o assunto Na época das acusações do vereador Marcos Bacellar ao promotor Leandro Manhães, em junho de 2009, a Somos publicou, na íntegra, o direito de resposta requerido pelo promotor de Justiça Leandro Manhães em resposta à entrevista coletiva concedida pelo vereador Marcos Bacellar à imprensa campista na ocasião do cumprimento de mandado de busca e apreensão em sua casa, em busca de supostos documentos sobre a CPI da CamposLuz. Durante a coletiva, inquirido por um dos repórteres se, no seu ponto de vista, o cumprimento do mandado seria fruto de perseguição política, Bacelar acusou políticos, delegados e membros do Poder Judiciário de envolvimento em supostas irregulariedades. Especificamente sobre as acusações feitas por Bacellar ao promotor Leandro Manhães, a Corregedoria Geral do Ministério Público Estadual procedeu a investigações e respondeu pormenorizadamente sobre cada uma delas, como se viu no parecer assinado pelo Sub-Corregedor José Roberto Paredes que afirmou em sua conclusão: “Conclui-se, portanto, que dos fatos denunciados não se vislumbra a ocorrência de qualquer infração disciplinar ou violação de dever funcional pelo Membro do Parquet, sendo proposto, s.m.j., o Arquivamnento do presente procedimento”. Para instruir o procedimento instaurado em razão de denúncias apresentadas pelo vereador, a Corregedoria do Ministério Público se valeu do conteúdo e status das representações outrora respondidas por Leandro Manhães, tendo ainda sido juntado o Relatório de sua Ficha de Assentamentos Funcionais e de cópias das denúncias feitas.
Comentar
Compartilhe
Fim do Lixão – benefícios para Campos, incertezas para catadores de lixo
18/07/2011 | 00h51
Nesse domingo, o Fantástico, da rede Globo, mostrou o perigo oferecido pelos lixões a menos de 20 quilômetros de aeroportos por todo o país. Em Campos, este problema em breve será solucionado. O famoso “lixão” da Codin, pertinho do Aeroporto Bartolomeu Lyzandro, será desativado. Para receber o que ainda é jogado lá todos os dias, foi inaugurado em fevereiro o "aterro sanitário" do município, em Conselheiro Josino. O Centro de Tratamento de Resíduos (CTR), viabilizado através de projeto da Prefeitura e da concessionária Vital Engenharia, está situado num espaço de 990 mil metros quadrados, tendo capacidade para receber, por dia, até 300 toneladas de lixo domiciliar. Cem toneladas serão recicladas e outras duzentas, aterradas. Além de reduzir os perigos à aviação, o meio ambiente também deverá ser beneficiado, já que o novo aterro foi construído com tecnologias modernas, como impermeabilização do terreno, coleta do chorume e do gás, além de contar com uma indústria de reciclagem. Mas, nem tudo são flores. A empresa só garante trabalho na linha industrial para 90 ex-catadores de lixo, de um total que chega a 300 só na “catação”. Isso mostra que, apesar do campista passar a contar com um moderno centro de tratamento de resíduos, a questão dos catadores do aterro da Codin não apenas continua sem solução, como também ficou mais complexa, já que a maioria dos catadores que, até então, retiram da Codin alguns trocados, agora não sabem como sobreviver quando o lixão fechar. Se a mudança de local para o aterro sanitário de Campos, e a nova tecnologia que será empregada no tratamento e reciclagem do lixo produzido pela cidade de Campos, atende a todas as exigências da legislação, só falta mesmo uma efetiva interferência do poder público para solucionar de vez a questão dos catadores.
Comentar
Compartilhe
Recomendação de Juíza faz sumir adesivos eleitorais dos carros em Campos
17/07/2011 | 23h57
No Brasil, apesar de proibida por lei, a propaganda política fora de época (extemporânea) é uma prática constante. Em Campos a coisa parece um pouco pior. Muito antes do início oficial da campanha eleitoral o que tradicionalmente se vê nas ruas são milhares de veículos ostentando adesivos alusivos as mais diversas candidatura. Alguns, se achando mais espertos do que os outros, ainda tentam disfarçar a propaganda eleitoral extemporânea com slogans que remetem aos seus nomes ou funções, outros, menos criativos, vão na cara de pau mesmo e colocam “Fulano de 2012” e outras propagandas tão semelhantes quanto ilegais. Mas, esta semana, uma nota oficial da juíza Gracia Cristina Moreira, da 100ª Zona Eleitoral de Campos serviu como um alerta para candidatos e motoristas de veículos que estampam nomes de candidatos às eleições municipais de 2012. Diz o ofício n°36/2011: “A Exma. Dra. Gracia Cristina Moreira do Rosário, Juíza da 100ª Zona Eleitoral e responsável pela Fiscalização Permanente de Propaganda Eleitoral no município de Campos, recomenda aos proprietários dos veículos no município a retirarem todo e qualquer adesivo que possa caracterizar campanha eleitoral antecipada. Se for comprovada a propaganda extemporânea, o infrator estará sujeito à multa imposta pela justiça eleitoral sem prejuízo das sanções cabíveis ao futuro candidato beneficiário da aludida propaganda.”. Ou seja, colar adesivo de político em carro é proibido e, caso haja flagrante, tanto o motorista do veículo quanto o candidato estampado no adesivo responderão pelo ato. A recomendação da Juíza, primeiro educando, parece ter obtido um bom resultado. A equipe da Somos percorreu cerca de dez quilômetros pela ruas e avenidas mais movimentadas de Campos sem encontrar qualquer veículo com adesivos de políticos. Claro que sempre ainda existiram aqueles que resistem a cumprir as determinações judiciais, mas a estes, certamente, a mesma juíza que alertou deve ter reservado um remédio mais forte do que o simples alerta. A recomendação também deixou de sobreaviso aqueles que insistem em fazer propaganda eleitoral através de programas de rádio, eventos e etc... Qualquer deslize pode inviabilizar candidaturas com grandes probabilidades se sucesso. Portando, os estrategistas eleitorais já recomendam cuidado redobrado aos seus candidatos. Segundo a Resolução n° 778/11, do Tribunal Regional Eleitoral, que reconhece a competência dos Juízes Eleitorais para fiscalizar e orientar, dentro de termos legais, partidos e candidatos, a propaganda eleitoral extemporânea é caracterizada por “qualquer conduta no sentido de se buscar promoção para fins eleitorais, em data anterior àquela permitida pela legislação vigente.”.
Comentar
Compartilhe
Nova propaganda eleitoral extemporânea...
17/07/2011 | 23h48
Comentar
Compartilhe
1% na pesquisa no programa de Garotinho deixa Ari Peçanha cuspindo marimbondos
14/07/2011 | 16h23
O empresário Ari Pessanha está cuspindo marimbondos com uma pesquisa que coloca seu nome com apenas 1% nas intenções de voto em São João da Barra, divulgada no programa de Garotinho: “Eu queria dar os parabéns ao Betinho, porque eu recebi do Instituto Precisão, instituto de pesquisa sério, a pesquisa de São João da Barra, a pesquisa espontânea: “Haverá eleição para prefeito no próximo ano, em quem o senhor votaria?: Betinho Dauaire 13%, Neco 6%, Ari Pessanha 1%, na espontânea, Alexandre Rosa 5% e Gersinho 1%, 57% não sabe, não opinou, nulo e branco. Então parabéns...” Outro que também deve estar cuspindo marimbondos é o pré-candidato Betinho Dauaire que, segundo divulgado por Garotinho em seu programa na Diário FM, seria líder nas pesquisas em São João da Barra, mas foi rebaixado de patente por fogo amigo em comentário em um blog, onde aventou-se a possibilidade de Betinho ser apenas candidato a vereador por São João da Barra: “Betinho Dauaire ainda é um pré candidato a candidato a prefeito ou vereador por São João da Barra”.
Comentar
Compartilhe
João Peixoto diz que não será candidato a prefeito de Campos. Blog concorda
13/07/2011 | 13h38
Segundo foi noticiado pelo colega Saulo Pessanha (AQUI), o deputado João Peixoto (PSDC) declarou que não será candidato a prefeito de Campos, mas que, por gratidão ao governado Sérgio Cabral (PMDB), apoiará o candidato escolhido pelas “lideranças de partidos aliados ao governo”. Perfeito, faz ele muito bem, aliás, isso é até uma coisa nova a ser acrescentada ao seu currículo pródigo em outro tipo de postura. Que o diga Garotinho, por exemplo, “Nesse mundo político já fui traído muitas vezes. Se teve uma pessoa que fez de tudo para eu não me candidatar a governador, essa pessoa é o deputado João Peixoto” (AQUI). Quanto a não ser candidato a prefeito, quer queira ele ou não, ainda depende do, ATENÇÃO, TSE, em Brasília, onde seu mandato corre grave risco de evoluir para óbito. ATENÇÃO: Mandato na mira do TSE, em Brasília Fiquem atentos: o deputado João Peixoto, mais escorregadio que mussum ensaboado, pelo menos por enquanto, realmente conseguiu safar-se por duas vezes em processos eleitorais no TRE, mas é preciso ter muito cuidado para não se deixar levar pela confusão que ele tenta fazer com o seríssimo Recurso Eleitoral Contra a Expedição de Diploma, que tramita no TSE, em Brasília, onde o deputado recebeu do Ministério Público um parecer (nº6934-882010.6.19.000) que pede a cassação do seu diploma. No mérito, o MPF diz que “As condutas imputadas ao recorrido – distribuição de lanches em troca de votos, bem como realização de transporte irregular de eleitores no dia das votações-, são ilícitas e aptas a ensejarem a cassação do respectivo diploma de deputado estadual” (AQUI). O blog repete: tudo indica que, em breve, João vai ter que trocar o terno e a gravata por pijama e chinelos… Além da grande preocupação mostrada pelos seus advogados na audiência de um dos processos na Justiça Eleitoral de Campos, outro deputado, que passou por experiência semelhante no TSE, em Brasília, aposta que o mês de agosto pode confirmar, pelo menos para Peixoto, a fama de ser o “mês do desgosto”.
Comentar
Compartilhe
MP propõe Ação Civil Pública contra construtora que paralisou obras de prédios
10/07/2011 | 23h11
Na edição de número 198, do dia 8 de junho de 2011, a Somos Assim publicou uma reportagem em relatando o impasse vivido por centenas de campistas que adquiriram apartamentos em diferentes pontos da cidade, em empreendimentos da Zuhause Construtora, mas que tiveram as suas paralisadas há um bom tempo por falta de capital da empresa, mesmo com muitos apartamentos já totalmente quitados. Na reportagem, compradores relataram que ficaram “a ver navios” diante da derrocada da construtora e se reuniram para tentar enfrentar o problema gerado pela paralisação das obras. Segundo relatos, problemas na execução de algumas obras públicas teriam levado a Zuhause para uma grave crise financeira que culminou na paralisação de diversas obras particulares. No total, foram interrompidas as obras de sete prédios: dois na Rua João Maria, dois no Flamboyant, um no Tamandaré, um na Rua Barão de Miracema e outro na Formosa, todos assinados pela Zuhause. Apesar de buscarem soluções negociadas, até o fechamento dessa edição havia sido achada uma saída para o impasse, que levasse ao término das obras. Na quinta-feira, a equipe da Somos foi informada que, baseado no Inquérito Civil Público (ICP n.º 132/11, o Promotor de Justiça Dr. Marcelo Lessa propôs a Justiça uma Ação Civil Pública contra Zuhause Construtora LTDA, representada pelo seu sócio gerente engenheiro Luiz Carlos Santos Siqueira, após as equipes do Grupo de Apoio A Promotoria terem constado os fatos relatados em denúncia anônima e na reportagem da Somos. Medida tenta diminuir prejuízos do compradores Segundo Dr. Marcelo Lessa, “Medidas urgentes precisam ser tomadas para que se consiga proteger o direito dos consumidores que querem poder usufruir do imóvel que adquiriram ou, ao menos, garanti-los o direito de rescindir o contrato e serem restituídos da quantia já paga, assegurando para todos eles o direito de obter a devida indenização. Portanto, outro caminho não resta que não o da presente ação civil, data maxima vênia e salvo melhor juízo. Não adianta tentar com a empresa ré algum tipo de composição extrajudicial, ao passo em que a mesma confirma estar descapitalizada, sendo que, cada dia perdido, é uma chance a menos de seus consumidores se verem ressarcidos do infortúnio em que estão mergulhados.”.  
Comentar
Compartilhe
Usinas voltam a moer e presidente da Coagro desabafa
10/07/2011 | 23h01
Desde a última sexta-feira, os funcionários, diretores e fornecedores das duas principais usinas de Campos, além do comércio em geral do município, voltaram a respirar aliviados com o retorno das atividades industriais na usinas Coagro e Paraíso, que voltaram a moer a atual safra sem maiores sobressaltos, após o parecer favorável do Tribunal Regional Federal ao Agravo de Instrumento da Coagro que derrubou a liminar da 2ª Vara Federal de Campos, que proibia que cinco usinas da região recebessem cana com a palha queimada. Em sua decisão, o desembargador relator José Neiva, além de frisar a existência de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) celebrado com o Ministério Público Estadual, que não poderia ser desconsiderado, também citou o comprometimento da atividade, da séria repercussão social, e da existência da Lei Estadual 5.990/2011, que fala da eliminação gradativa da queima da palha da cana até 2024. Na revista Somos Assim desse domingo, uma entrevista exclusiva com o presidente da Cooperativa Agroindustrial do Estado do Rio de Janeiro, a Coagro, Frederico Paes, que fala da queima da cana de açúcar e os prazos de que o setor precisa para substituir o trabalho realizado pelo homem pelo trabalho realizado pela máquina. Confira alguns trechos abaixo: “Quando nós entramos aqui, em 2003 (hoje nós temos dois mil e trezentos e cinco funcionários), eram duzentos funcionários, com três meses de salários atrasados, férias atrasadas, sete milhões de passivos trabalhistas que foram todos quitados. Muitos ex-funcionários da Usina São José são nossos funcionários. Hoje, a gente gera dez vezes mais empregos do que quando nós entramos aqui. Então, fica a pergunta no ar: a quem interessa acabar com a Coagro ou com o setor que vem, sim, procurando se modernizar? A quem interessa prejudicar uma cooperativa de nove mil produtores, em sua grande maioria pequenos produtores? A quem interessa fechar uma cooperativa que está rigorosamente com seus impostos em dia? Não devemos nada de INSS, FGTS, IPI, enfim, todos os impostos municipais, estaduais, federais. E nós temos todas as certidões possíveis que a legislação brasileira exige. Somos uma empresa perfeita? Não. Essa nós só vamos achar no Céu. Mas somos uma empresa que procura acertar. Então, dentro desse ‘procurar acertar’, a gente fica muito preocupado com a quem, a que grupo, a que setor, a que segmento interessa o final da Coagro?” “Primeiro, eu acredito na justiça de Deus e, depois, eu acredito, sim, na justiça dos homens. E a justiça brasileira pode tardar um pouco, ela é lenta, mas ela não falha. E ela foi muito feliz quando o desembargador enxergou o que, infelizmente, a Justiça Federal de Campos não enxergou, nem o promotor público federal enxergou que ia desempregar dez mil pessoas. Então, é lógico que a gente tem que ter muito cuidado com o meio ambiente, mas a gente tem que ter muito cuidado, também, com as pessoas, com o ser humano, que depende do seu emprego para comer. A gente precisa ter muito cuidado na hora de pensar, e o juiz, na hora de dar uma decisão, tem que pensar que vai desempregar dez mil pais de família! Dez mil trabalhadores. Converse com estas pessoas. Esse ano, por exemplo, nós deixamos de contratar trezentas pessoas por causa das máquinas que compramos. Então, são trezentos empregos a menos na Coagro por causa da mecanização. E nós vamos mecanizar, conforme a lei exige. Há de se criar um programa municipal, com participação do Estado, também. Para quê? Para qualificação e realocação destes trabalhadores. Onde é que estão esses trezentos trabalhadores que vieram aqui bater na porta da Coagro pedir emprego e não tivemos a vaga, porque hoje tem as máquinas cortando cana? Esse ano, foram trezentos, ano que vem serão quinhentos, e assim por diante, até deixar de dar emprego a mil e trezentos trabalhadores do corte de cana.” “Não há de se falar em inconstitucionalidade numa lei aprovada por unanimidade pela Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), que é um fato raríssimo. Ali dentro da Alerj. Essa lei não teve uma emenda. Ela foi aprovada por unanimidade, na íntegra. Eu acho que o Ministério Público tem que defender as leis, mas também defender o povo.” “Nós ficamos cinco dias sem fazer nada, mas pagamos aos nossos trabalhadores, a dois mil e trezentos e cinco trabalhadores. O prejuízo financeiro foi enorme” “Quem é do setor ou conhece um pouquinho de usina sabe que, no começo, você tem um prejuízo enorme porque no processo de fermentação do álcool e da fabricação do açúcar, é como se estivéssemos saindo do zero. E nós sequer fomos chamados para uma audiência. Não nos deram o direito de defesa. E isso é muito grave. Não fomos convidados, apesar da nossa insistência através de documentos. Desde 2009, no Ministério Público Federal! Sequer nos dão o direito à defesa. Se o Ministério Público Federal não queria nos ouvir, a Justiça Federal de Campos podia ouvir o setor. "Olha, eu vou dar uma decisão judicial aqui. O que vai acontecer?". Deveria procura saber. Investigar primeiro o dano moral, o dano financeiro, o dano social que isso causaria e causou... É muito grave! O setor não vai ficar parado. Nós vamos atrás desse prejuízo moral, nós vamos procurar a Justiça brasileira porque eu acredito na Justiça brasileira. O dano moral tem que ser reparado. Pelo menos se não for reparado, tem que ser reconhecido. E o que nós sofremos foi um dano enorme, não só para a nossa classe, mas para toda a sociedade civil organizada de Campos, que teve seus direitos cerceados. É importante esta oportunidade para dizer a verdade, porque muitos meios de comunicação disseram que nós estávamos defendendo a queimada. Não. Nós defendemos o fim gradativo da queimada. E a garantia do emprego de milhares de pessoas. Leia  a esclarecedora entrevista na íntegra na edição dessa semana da Somos .
Comentar
Compartilhe
Camarão, mais confusão
08/07/2011 | 15h43
[caption id="attachment_1877" align="aligncenter" width="756" caption="Os vereadores Camarão, Kaká e radialista Emilson Amaral"][/caption] O tempo fechou na Barra FM, em São João da Barra. Segundo relato do radialista Emílson Amaral, durante o seu programa “Bom dia Cidade” os vereadores Camarão e Kaká, incomodados com uma intervenção do também vereador Alexandre Rosa (recentemente agredido por Camarão) que, durante cinco minutos, leu no ar a sentença do desembargador sobre a colocação em pauta dos três projetos, um sobre aumento dos servidores, outro sobre folha de pagamento e o último sobre suplementação, mostrando que a posição radical dos colegas prejudicava os servidores, se dirigiram à emissora para tentar rebater os fatos durante a transmissão do programa. Com a permissão da direção da emissora, ocuparam o estúdio, mas a solicitação de que a sua assessora de imprensa Marcele aguardasse na ante-sala foi o suficiente para que os vereadores Camarão e Kaká ficassem exaltados e alegassem “cerceamento dos seus direitos” e, com os ânimos exaltados, assumiram os microfones da emissora durante cerca de 1h30, desferindo ataques à prefeita Carla Machado, colaboradores e à própria emissora, o que levou o dono do programa, Emilson Amaral, a abandonar o estúdio com uma crise hipertensiva, permanecendo no local apenas o diretor da Barra FM Renato Machado, que pediu que eles parassem de ocupar os microfones da emissora apenas para ofender. Foi o que bastou. Depois disso, o tempo fechou mesmo, com os vereadores aos gritos enquanto o diretor da rádio Renato Machado mandava tocar a vinheta de encerramento do programa. Vela o vídeo abaixo: O tempo fechou [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=Y8cKo_caS5w&feature=player_embedded[/youtube] Mas a confusão não terminou aí. Um dos irmãos do empresário João da TB6, Moisés, dirigiu-se à emissora e interpelou Camarão para que ele parasse de ofender a sua família, quando teria dito: “pois se tiver safado na família de alguém, é na sua, já que o seu irmão é que nos deve e não paga”. A estas alturas, a PM já havia sido acionada pelo locutor Emilson Amaral, que temia que houvesse violência no interior da emissora. Ouça abaixo o trecho das declarações de Camarão consideradas ofensivas pela família do empresário João da TB6: TRECHO-Camarao- TB6 08-07-2011 Na saída, já do lado de fora da empresa de comunicação e dentro do carro, o vereador Camarão foi admoestado por um popular que o chamou de “safado”, por sua vez ofendido, o vereador Camarão desceu do carro para tirar satisfações, mas a presença de duas viaturas da PM evitou que se chegassem às vias de fato, e todo o grupo foi conduzido para a 145ª DP de João Barra. No contato com o blog, o radialista Emílson Amaral declarou “Chega de ofensas. Nós nunca retrucamos, mas agora chegou a um ponto que não dá para aguentar. Esse pessoal está num desespero muito grande. Vamos abrir uma representação contra Camarão por ofensa”. Após a chegada do grupo à delegacia, o radialista Emilson Amaral foi conduzido ao hospital para ser medicado por conta de uma forte crise hipertensiva.  
Comentar
Compartilhe
João Peixoto escapa de mais uma no TRE. O perigo mora em Brasília, no TSE
07/07/2011 | 21h00
O deputado João Peixoto se safa de mais uma no TRE, como antecipamos AQUI no blog. A AIME – AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO DE MANDATO ELETIVO – Nº 6931-36.2010.6.19.0000 acaba de ser julgada: improcedente pelo Acórdão 56.091. Tem mais chumbo na agulha contra João Amanhã tem oitiva de testemunhas em Campos, na AIJE – AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL – Nº ÚNICO: 693488.2010.619.0000. Essa Ação corre sob segredo de Justiça. O perigo mora em Brasília E, como afirmamos anteriormente, o perigo mora mesmo em Brasília, no TSE, onde será julgado, provavelmente ainda este mês, o RECURSO CONTRA EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA UF: RJ – Nº ÚNICO: 693488.2010.619.0000. Com parecer do MPF pela nulidade do mandato de João. Haja calmante...
Comentar
Compartilhe
João Peixoto responde a três processos eleitorais, um deles tem audiência hoje
06/07/2011 | 22h25
ATUALIZAÇÃO 07/07/2011 Antes que qualquer informação incorreta seja divulgada por outros blogs, vamos colaborar com os colegas esclarecendo que o deputado Estadual João Peixoto responde a três processos eleitorais distintos. Isso deve evitar que pareceres de um dos processos sejam creditados a outro, como recentemente aconteceu com parecer favorável em Ação no TER confundido com Recurso Contra Expedição de Diploma concluso ao juiz no TSE. Para entender melhor. João Peixoto responde a: 1) AIME - AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO DE MANDATO ELETIVO - Nº 6931-36.2010.6.19.0000 Essa ação tem audiência marcada na pauta do TER-RJ de HOJE , dia 07/07/2011, a partir das 16h. Segundo informações, os advogados de João dão como favas contadas uma vitória. Eles devem ter lá seus motivos. 2) AIJE – AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL - Nº ÚNICO: 693488.2010.619.0000. Essa Ação corre sob segredo de Justiça. 3) RECURSO CONTRA EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA UF: RJ - Nº ÚNICO: 693488.2010.619.0000. É nesse que, segundo advogados especializados, que mora o perigo. Foi ele que recebeu parecer desfavorável e é ele que está em última instância no TSE. Outro deputado. que sofreu processo semelhante, garante que o julgamento não deverá passar de agosto e que as probabilidades de João trocar o terno e a gravata por pijama e chinelos é enorme. A sorte é que João se diz tranquilão. Outro, em seu lugar, estaria à beira de um ataque de nervos...
Comentar
Compartilhe
João Peixoto cai em contradições para minimizar parecer do MPF por sua cassação
06/07/2011 | 00h22
[caption id="attachment_1845" align="aligncenter" width="756" caption="A agenda com anotação de valores apreendida pela Polícia Federal com o irmão de João Peixoto no dias das eleições"][/caption] [caption id="attachment_1846" align="aligncenter" width="755" caption="O irmão de João Peixoto e trecho do auto de prisão em flagrante"][/caption] O deputado João Peixoto, ao se mostrar bastante dedicado tentando convencer em seu difícil papel de músico do Titanic, declarando à mídia que tudo vai bem, finge ignorar, e faz pouco, do sério parecer da Vice-Procuradora Geral Eleitoral, Sandra Cureau, que rejeita todas as preliminares da sua defesa e recomenda ao TSE o provimento do recurso contra a expedição do seu diploma. Traduzindo, a nulidade do seu mandato. É óbvio que, como diz João Peixoto, “não é o MP que julga e sim o Colegiado”, mas o quase ex-deputado, pelo jeito, está sendo extremamente mal informado pelos seus advogados no que tange ao peso do parecer do Ministério Público na decisão do Colegiado. João também parece não ter-se dado conta de que lá em Brasília, no TSE, é última instância. Se dançar dançou... Ou seja, como alertamos anteriormente, João pode ter que trocar o terno e gravata por pijama e chinelos... Disfarçando contradições Veja as suas declarações a Cláudio Nogueira na Rádio Continental “O que está havendo é uma perseguição política, fruto, inclusive, de inveja pelo meu sucesso nas urnas. Já ganhei seis eleições. Foi uma de vereador (em 1992) e cinco de deputado”. Segundo João, "nada do que foi revelado agora é novidade, uma vez que o parecer do MP foi dado há mais de 20 dias". “Mas não é o MP que julga e sim o Colegiado. O que ocorre é que estão fazendo uma tempestade em copo d`água. Mas acredito na Justiça de Deus e no nosso Judiciário”. http://www.fmanha.com.br/blogs/painel/?p=8692 Nota do Blog: Em primeiro lugar, novidade é, pois ele mesmo declarou ao Diário desconhecer a decisão (veja lá embaixo).  Em segundo lugar, se João Peixoto realmente acredita no judiciário como diz, não deveria minimizar o grave parecer do Ministério Público Eleitoral. Ao jornalista Alexandre Bastos ele declarou: “Quem entende sobre essas questões eleitorais sabe que não há sentido nessa alegação. Sei que algumas pessoas gostam de torcer contra e fazer especulações das mais variadas. Isso faz parte da política e do estilo de cada um. Como o meu estilo é sereno, afirmo que confio em Deus e vou continuar trabalhando com seriedade em prol de Campos e região”, afirmou Peixoto. http://www.fmanha.com.br/blogs/bastos/?p=7241 Nota do blog: Essa foi uma declaração picolé de chuchu... Não tem gosto de nada e nem diz nada... Usa o manjadíssimo jargão da “perseguição”, mas não comenta o teor desfavorável do parecer do MP e bota o nome de Deus no meio de uma questão que nada tem a ver com religião, apenas com Polícia Federal, acusação de compra de votos e Ministério Público. As declarações ao Diário foram ainda mais contraditóriasEu ainda não tomei conhecimento. Na minha concepção isso é uma coisa séria, e que não existe. Para mim, a primeira pessoa que teria que tomar conhecimento, seria eu...”. “Eu não encaro de outra forma, a não ser perseguição”, declarou. E ainda acrescentou: “Não tomei conhecimento de nada, se tivesse, os meus advogados já estariam a par disso”. Nota do blog: O deputado João Peixoto começa e termina essa declaração passando um verdadeiro atestado de incompetência dos seus advogados. Observe que, lá em cima, a Saulo Peçanha, ele disse “nada do que foi revelado agora é novidade, uma vez que o parecer do MP foi dado há mais de 20 dias. E veja só em que contradição ele cai ao declarar ao Diário “Eu ainda não tomei conhecimento. Na minha concepção isso é uma coisa séria, e que não existe”.  “Para mim, a primeira pessoa que teria que tomar conhecimento, seria eu”. Depois usa de novo o velho jargão da “perseguição” e emenda : “Não tomei conhecimento de nada, se tivesse, os meus advogados já estariam a par disso”. Caramba! O deputado nega que não sabia para um representante da mídia, admite para outro que sabia e que não era novidade e, no mesmo dia, diz para um terceiro que se existisse alguma coisa seus advogados “estariam a par”. Diante de tanta contradição, só resta a você, leitor, decidir nessa história de João, quem é o amnésico, quem é o incompetente e quem é o mentiroso... Para ver o parecer na íntegra, clique MP- parecer de João Peixoto
Comentar
Compartilhe
Ministério Público coloca João Peixoto a um passo da cassação
04/07/2011 | 17h34
[caption id="attachment_1833" align="aligncenter" width="756" caption="Na premonitória foto, João mostra, involuntariamente, o tamanho do pepino"][/caption] O Ministério Público Federal deu parecer (nº6934-882010.6.19.000) favorável à cassação do deputado estadual João Peixoto no Recurso Eleitoral Contra a Expedição de Diploma, impetrado pelo ex-candidato Cléber Ribeiro Afonso. No parecer, o MPF rejeita alegação de incompetência do TSE citando o entedimento que “compete ao TSE o julgamento de recurso das decisões federais e estaduais”. Depois do TSE, não tem mais para onde João Peixoto recorrer e são enormes as possibilidades de que ele perca o mandato. Tudo indica que, em breve, João vai ter que trocar o terno e a gravata por pijama e chinelos... Confira a delicada situação do mandato de João Peixoto nos trechos do parecer do MP abaixo. Mérito No mérito, o MPF diz que “As condutas imputadas ao recorrido – distribuição de lanches em troca de votos, bem como realização de transporte irregular de eleitores no dia das votações-, são ilícitas e aptas a ensejarem a cassação do respectivo diploma de deputado estadual. Tais ilícitos estão especificados no art. 41-A da Lei 9.504/97, bem como no art. 237 do Código Eleitoral, razão pela qual ensejam a propositura de recurso contra expedição de diploma, nos termos do art. 262,IV, do Código Eleiral. MPF fala dos lanches em troca de votos e do irmão preso em flagrante pela Polícia Federal Em outro trecho o MPF alerta que, apesar da defesa do deputado argumentar que “os fatos foram imputados a terceiros ou dizem respeito a alguém que ouviu dizer”, “as acusações não são imputadas a terceiros, muito menos cingem-se a meros boatos. Com efeito o responsável pelas condutas ilícitas (distribuição de lanches em troca de votos e transporte irregular de eleitores), foi ninguém menos que o próprio irmão do recorrido – o qual foi preso em flagrante pela Polícia Federal, na data das eleições, e na proximidade das seções de votação. E, curiosamente a defesa não dedica uma linha a impugnar tais fatos”. “O liame entre o executor das condutas ilícitas – o próprio irmão do recorrido – e entre seu beneficiário é bastante evidente nos autos”. Parecer favorável à cassação “Igualmente é sedimentado o entendimento jurisprudencial dessa Corte Superior Superior Eleitoral no sentido de que ‘Na hipótese de captação de sufrágio é desnecessária a análise da potencialidade da conduta para influir nas eleções’, ‘porquanto essa norma busca proteger a vontade do eleitor’”. “No caso dos autos, as condutas perpetradas em benefício do recorrido, mais do que oferecimento/entrega de vantagens, representam uma manipulação da liberdade de escolha do eleitorado, pois criam o sentimento de que os ‘favores’ obtidos devem ser retribuídos com votação favorável. Nessa esteira, merece provimento o recurso contra a expedição de diploma”. Conclusão “Em face do exposto, o Ministério Público Eleitoral manifesta-se pela rejeição das preliminares suscitadas pelo recorrido, e, no mérito, pelo provimento do recurso contra a expedição do diploma” Brasília, 14 de junho de 2011 Sandra Cureau - Vice-Procuradora-Geral-Eleitoral Veja o parecer do MP na íntegra: MP- parecer de João Peixoto
Comentar
Compartilhe
Carla Machado quer ser prefeita de Campos
03/07/2011 | 03h19
[caption id="attachment_1827" align="aligncenter" width="756" caption="Carla e Cabral x Rosinha e Garotinho?"][/caption] Há poucos instantes, a prefeita de São João da Barra, Carla Machado, declarou no camarote da PMSJB, na Expoagro, que pensa em mudar seu domicílio eleitoral para Campos e vir canditada a prefeita do município. A declaração da aguerrida prefeita de São João da Barra foi realizada em alto e bom tom na presença de diversas pessoas, como o presidente da FRC LuluAguiar, o vereador sanjoanense Aluizio Siqueira, Verinha Cardoso de Melo o estilista Nelcimar Pires e muitos outros. Caso ela concretize o que disse, vai acrescentar um ingrediente explosivo no já efervescente caldeirão da política local que, pela primeira, vez terá duas mulheres desse cacife eleitoral disputando a mesma cadeira, já que a atual prefeita Rosinha Garotinho, naturalmente, vai lutar pela sua reeleição.  Caso essa nova configuração se concretize, vem aí uma batalha épica entre Cabral e Garotinho.
Comentar
Compartilhe
Camarão diz que Rosa mereceu a "Porrada"
02/07/2011 | 21h52
O vereador sanjoanense Antônio Manoel Machado Mariano, mais conhecido como Camarão, recentemente um dos protagonistas de uma cena de agressão na Câmara Municipal de São João da Barra, aceitou o convite de espaço da Revista Somos Assim e concedeu entrevista exclusiva (nas bancas nesse domingo) onde fala sobre a dissolução do G5, a queda de braço com a prefeita Carla Machado e impasse na Câmara, detalhes do afastamento de Alexandre Rosa e a sua versão dos fatos que o levaram a agredir o ex-aliado no plenário, em cenas transmitidas ao vivo pela internet, com grande repercussão nacional e até internacional. [caption id="attachment_1815" align="aligncenter" width="756" caption="Capa da Somos Assim que cirucla nesse domingo"][/caption] O blog antecipa alguns trechos da longa entrevista: S.A.: Você o chamou de “viadinho” e “bichona”? Camarão: Não, nesse dia não. Nesse dia eu falei assim: “Você é muito safado. Você merece uma porrada.”. E ele respondeu: “Oh, e você fica quietinho que eu não tenho medo de você, não.” Isso aí que ele falou, que eu falei, ou deixei de falar, isso, de repente, é a consciência dele – que acha que ele é isso. S.A.: Porque o que foi divulgado, inclusive por ele, é isso, você teria falado com Kaká: “Dá uma porrada nesse viadinho!”, e aí começou a briga. Essa é a versão dele. Camarão: Eu nem mandei dar. Primeiro, porque eu não mando ninguém fazer nada. Eu falei assim: “Você é muito safado. Você merece uma porrada.”. Aí ele falou assim: “Oh, e você, eu não tenho medo de você, não.”. Eu fui lá até pra falar com ele, mas quando eu cheguei lá, que ele levantou, aí eu já perdi a cabeça. Eu sei. Estou admitindo. S.A.: Esse impasse está atravancando, em parte, o progresso da região. Não há como fazer uma composição que não atravanque o progresso? Camarão: Sem dúvida, sempre nos colocamos à disposição. Inclusive, nesta revista mesmo, uma vez vocês publicaram que nós tivemos no Rio encontro com executivos da empresa, como realmente tivemos… Eles que nos convidaram, inclusive, pagaram nossa hospedagem lá. Esse foi o nosso intuito. Só que, chegando lá… S.A.: Você acha que os quatro, agora, vão acabar virando três? Camarão: Eu duvidava que cinco virasse quatro. Eu agora não posso duvidar que quatro vire três. Também não posso duvidar que quatro não vire cinco de novo…
Comentar
Compartilhe
Efeito dominó
02/07/2011 | 21h33
Comentar
Compartilhe
"Coveiro" de Garotinho troca de cemitério
01/07/2011 | 16h33
[caption id="attachment_1802" align="aligncenter" width="755" caption="Marcos Soares em ação como "Coveiro" de Garotinho"][/caption] Depois de surgir no cenário político local como cabo eleitoral do atual deputado estadual Roberto Henriques, o empresário do ramo de motel Marco Soares foi de “Coveiro” de Garotinho a secretário de Rosinha, em um grande salto em sua conturbada carreira. Agora, depois de recentemente ser rebaixado de secretário de Defesa Civil para subsecretário de Assistência Social, ele protocolou seu pedido de exoneração do cargo e, novamente, troca de cemitério. Sai atirando para trás e deve pegar o rumo da Fenorte,  colocada por Cabral sob os auspícios do seu líder Roberto Henriques. Almy Jr. que se cuide. Marco é imprevisível. Não dá para saber o tamanho da cova e nem para quem ele vai cavar...
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Esdras

[email protected]