Uenf em chamas
24/11/2010 | 01h01
O movimento estudantil da Uenf lacrou ontem a instituição numa atitude sem precedentes nos 17 anos de sua história. O motivo para essa manifestação não foi apenas apoiar a campanha salarial dos professores, mas também para exigir a finalização da construção do polêmico “Bandejão”, a existência de um alojamento e a melhoria das condições de ensino, inclusive com a exigência de mais concursos para professores.  A ação dos estudantes começou às 06 horas da manhã e só foi encerrada após o anoitecer quando começou a chover. Enquanto isto, na cidade do Rio de Janeiro, o secretário Alexandre Cardoso se recusou a receber a representante do Diretório Central dos Estudantes que acompanhou a delegação formada por professores e técnicos que foram até a Secretaria de Ciência e Tecnologia para discutir uma saída para o impasse salarial que hoje causa uma grande evasão de profissionais que saem da Uenf atraídos por melhores salários. Durante a reunião o secretário Alexandre Cardoso aventou a possibilidade de estender aos docentes os 22% de reposição que foram concedidos aos servidores técnico-administrativos em junho de 2010, e também falou da possibilidade da criação de uma bolsa que teria uma vigência máxima de 12 meses, tempo que seria utilizado para criar uma política salarial que servisse para as três universidades estaduais fluminenses. Mas Alexandre Cardoso não soube estipular quais valores que seriam praticados por esta bolsa ou tampouco quais seriam os critérios que teriam de ser cumpridos para que os professores possam pleiteá-la. Além disso, Alexandre Cardoso pediu um prazo de 10 dias para poder acertar os detalhes com o governador Sérgio Cabral. Para que isto ocorra, contudo, o secretário de Ciência e Tecnologia apresentou a exigência de que as atividades continuem normalmente dentro da Uenf. Para o presidente da Aduenf, Prof. Marcos Pedlowski, o resultado da reunião foi desapontador, na medida em que após quase dois anos de tentativas de solucionar o problema, o governo do estado continua sem uma proposta objetiva para resolver os problemas salariais que estão na base da crise que abala a Uenf neste momento. E, pior, ao se negar a receber a representante do DCE, Alexandre Cardoso demonstrou uma total indisposição ao diálogo com os principais interessados em que o modelo institucional da Uenf criado por Darcy Ribeiro não seja consumido em chamas.
Comentar
Compartilhe
Caminhão da Prefeitura abastece obra particular em condomínio de luxo
06/11/2010 | 03h12
Flagrante Após o surpreendente desvio de bloquetes da obra de reforma da praça de Travessão, denunciado com fotos por um leitor da Somos, mais uma denúncia fotográfica envolvendo a prefeitura de Campos. Desta vez, outro leitor da revista Somos flagrou um caminhão oficial da prefeitura transportando material para uma obra particular localizada em um terreno no interior do luxuoso Condomínio Granja Corrientes, no bairro da Pecuária. Nas fotos enviadas pelo leitor à redação da revista, o caminhão placa branca oficial LOY 3199 pode ser visto descarregando material em uma obra particular no condomínio. De acordo com o que foi posteriormente apurado no local pela equipe da revista Somos junto a moradores que não quiseram se identificar, o proprietário da obra é funcionário da prefeitura e é visto com frequência vistoriando a sua obra dentro do condomínio, também utilizando um veículo de passeio oficial da prefeitura. Caso uma investigação judicial comprove oficialmente os fatos, além do eventual crime de peculato de que pode ser acusado o proprietário da obra e funcionário da prefeitura, o responsável por inibir tal conduta, no caso o prefeito interino Nelson Nahim, também poderá responder por improbidade administrativa, segundo a lei 8429/92: “Art. 10. Saiba mais sobre o surpreendente flagrante, aqui.
Comentar
Compartilhe
E agora Almy? Acabou prazo para conclusão do “Bandejão” da Uenf
13/11/2010 | 03h04
[caption id="attachment_385" align="alignleft" width="300" caption="Diante da perspectiva de não pagamento, estão colocando o piso antes do telhado"][/caption] Agora com pressa, construtora começa a colocar piso antes de instalar o telhado Terminou ontem o que deveria ser o prazo final para conclusão das obras do “Bandejão da Uenf”, sem possibilidade legal de novo adiamento, para a Zuhause as obras do restaurante universitário. Surpreendentemente, ao contrário do que fez durante todo o vários prazos concedidos pelo reitor da Uenf Almy Jr. para a conclusão da obra, na última semana a empresa trabalhou em ritmo acelerado. O bandejão foi licitado por R$ 2.698.352, 89. Deste valor, faltariam ser pagos à Zuhause R$ 1,8 milhão. Aparentemente na expectativa de receber este dinheiro, a empresa parece ter inventado uma nova técnica de construção e passou a colocar o piso do “Bandejão” sem colocar o telhado. Mas, pelo jeito, a Zuhause não contava com o “Efeito São Pedro”, que provocou fortes chuvas na região molhando e empoçando água no contra-piso já feito, antes mesmo que a argamassa secasse totalmente, o que poderá provocar danos futuros. A entrega das obras do bandejão foi adiada diversas vezes. Em uma das vezes, a Zuhause alegou problemas relacionados à chuva. Na segunda vez, alegou problemas com a tubulação subterrânea. No entanto, quem passasse pelo local poderia notar que a quantidade de trabalhadores empenhados na obra era mínima. Segundo nossas fontes, a quantia de R$ 1,8 milhão que ainda faltaria ser paga a Zuhause, dos R$ 2.698.352, 89 licitados, não poderá legalmente ser disponibilizada, o que deverá levar a um embate judicial entre a construtora e a reitoria da Uenf. A previsão inicial da entrega das obras, segundo o reitor Almy Jr. afirmou em entrevista concedida já há algum tempo a Somos, era para março de 2010. Mas, diante da falta de cumprimento dos prazos, a entrega da obra foi adiada por duas vezes. No entanto, segundo nossas fontes, agora Uenf legalmente terá que suspender os serviços que estão sendo prestados pela Zuhause e entrar na justiça contra a mesma construtora para que ela pague a multa por descumprimento do prazo de entrega das obras, que já atingiria a casa dos R$ 4 milhões. Agora é esperar para ver que dará fim a essa longa história de prorrogações. Será a Uenf ou o Ministério Público? Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Tiririca leu e escreveu no TRE-SP
11/11/2010 | 04h56
[caption id="attachment_366" align="aligncenter" width="510" caption="Tirica saiu do TRE feliz da vida"][/caption] Tiririca, o deputado federal mais votado do Brasil, com 1,3 milhão de votos leu em escreveu na audiência realizada para apurar a veracidade de sua declaração de escolaridade, hoje no TRE-SP. Os professores de Tirica deveriam ser contratados pelo governo para aplicar o mesmo curso relâmpago para os milhões de analfabetos que ainda existem no país.
Comentar
Compartilhe
Alex, que explorava as Meninas de Guarus, condenado a 10 anos por outro caso
27/11/2010 | 04h05
Pedofilia [caption id="attachment_517" align="aligncenter" width="520" caption="Alex ainda é o único preso - Foto / Arquivo Folha da Manhã"][/caption] Preso em flagrante em junho de 2009 por exploração sexual de crianças e adolescentes, Leilson Rocha da Silva, o “Alex”, de 46 anos, foi condenado a 10 anos, 06 meses de cadeia, pelo juiz Leonardo Grandmasson. A sentença é resultado de uma ação penal proposta pelo MPE. No entanto, esta condenação não diz respeito ao envolvimento com a rede que explorava sexualmente meninas e meninos menores de idade em Campos, no caso das “Meninas de Guarus”, que envolve pedofilia, homicídios, drogas, poder e extorsão, que há mais de dois anos vem sendo investigado pelo Ministério Público Estadual, aprentemente sem a conclusão do inquérito. De acordo com a sentença, “Alex” foi condenado pelo crime previsto no Artigo 244-A, caput, e § 1º do ECA à pena de 04 anos e 10 meses de reclusão e 14 dias-multa, por submeter criança ou adolescente à prostituição ou à exploração sexual. Como o acusado é reincidente, a pena foi aumentada de 1/6 perfazendo a condenação 05 anos, 07 meses e vinte dias de reclusão e 16 dias-multa. Considerando a continuidade delitiva, a pena foi aumentada em 1/6, totalizando 06 anos, 06 meses e vinte oito dias de reclusão e 18 dias-multa, no valor mínimo. Além deste, Alex foi também condenado pelo crime previsto no artigo 229 do Código Penal, à pena de 02 anos e seis meses de reclusão e 12 dias-multa, no valor mínimo, por manter, por conta própria ou de terceiro, casa de prostituição ou lugar destinado a encontros para fim lidibinoso, haja, ou não, intuito de lucro ou mediação direta do proprietário ou gerente. Alex também foi condenado no art. 230 do CP à pena de um ano e seis meses de reclusão e 12 dias-multa no valor mínimo, por proveito da prostituição alheia, participando diretamente de seus lucros ou fazendo-se sustentar, no todo ou em parte, por quem a exerça. No total, Alex foi condenado a 10 anos, 06 meses e vinte oito dias de cadeia. A prisão de “Alex” em junho de 2009 foi o ponto chave para o desencadeamento das intermináveis investigações sobre a rede de pedofilia que atua em Campos, principalmente no caso das “Meninas de Guarus”. A partir da prisão de “Alex” uma série de depoimentos ligando o seu nome ao agenciamento de menores para “programas” foi colhida na 146ª DP - Guarus. Segundo esses depoimentos, muitos desses programas teriam tido como clientes pessoas de grande influência no mundo político de Campos e região e até pessoas que ocupavam cargos de confiança no governo da prefeita cassada Rosinha Garotinho. Embora condenado por essa sentença do juiz Leonardo Grandmasson, Alex ainda não foi punido pelo agenciamento e possível chefia da quadrilha de pedófilos que explorava meninos e meninas, os mantendo trancados dentro de uma casa em Guarus, onde permaneciam até que o suspeito de ser o comandante da quadrilha, o Alex, os obrigaria a manter relações sexuais com “clientes”. Muitas dessas crianças eram submetidas aos desejos sexuais de diferentes pessoas por várias vezes em uma noite. Em alguns dos programas, elas eram obrigadas também a se drogar e duas delas teriam sido assassinadas de forma cruel por overdose induzida de cocaína. Veja AQUI. Pudim já acionou autoridades em Brasília O deputado Geraldo Pudim concedeu loga entrevista a Somos (nas bancas nesse domingo) sobre pedofilia, derrota na urnas, apoio de Garotinho, eleição suplementar e eventual candidatura de Nelson Nahim. Veja AQUI. Após essa entrevista, o deputado Federal Geraldo Pudim viajou para Brasília, entregando pessoalmente farto material sobre o caso das “Meninas de Guarus” ao senador Demóstenes Torres e ao senador Magno Malta, da CPI da Pedofila, que ficou impressionado com a crueldade do caso, principalmente dos infanticídios, prometendo tomar providência e declarando que iria entrar em contato com o promotor do caso para saber os motivos da demora na conclusão do inquérito. Pudim também entregou o mesmo material a deputada Iriny Lopes, presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias. Seu próximo passo será encaminhar o material sobre o caso das “Meninas de Guarus” para o Ministério da Justiça e solicitar o acionamento da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual para que tomem providências imediatas para acabar com a longa impunidade dos implicados. AQUI
Comentar
Compartilhe
E agora Almy? Acabou prazo para conclusão do “Bandejão” da Uenf
13/11/2010 | 03h04
[caption id="attachment_385" align="alignleft" width="300" caption="Diante da perspectiva de não pagamento, estão colocando o piso antes do telhado"][/caption] Agora com pressa, construtora começa a colocar piso antes de instalar o telhado Terminou ontem o que deveria ser o prazo final para conclusão das obras do “Bandejão da Uenf”, sem possibilidade legal de novo adiamento, para a Zuhause as obras do restaurante universitário. Surpreendentemente, ao contrário do que fez durante todo o vários prazos concedidos pelo reitor da Uenf Almy Jr. para a conclusão da obra, na última semana a empresa trabalhou em ritmo acelerado. O bandejão foi licitado por R$ 2.698.352, 89. Deste valor, faltariam ser pagos à Zuhause R$ 1,8 milhão. Aparentemente na expectativa de receber este dinheiro, a empresa parece ter inventado uma nova técnica de construção e passou a colocar o piso do “Bandejão” sem colocar o telhado. Mas, pelo jeito, a Zuhause não contava com o “Efeito São Pedro”, que provocou fortes chuvas na região molhando e empoçando água no contra-piso já feito, antes mesmo que a argamassa secasse totalmente, o que poderá provocar danos futuros. A entrega das obras do bandejão foi adiada diversas vezes. Em uma das vezes, a Zuhause alegou problemas relacionados à chuva. Na segunda vez, alegou problemas com a tubulação subterrânea. No entanto, quem passasse pelo local poderia notar que a quantidade de trabalhadores empenhados na obra era mínima. Segundo nossas fontes, a quantia de R$ 1,8 milhão que ainda faltaria ser paga a Zuhause, dos R$ 2.698.352, 89 licitados, não poderá legalmente ser disponibilizada, o que deverá levar a um embate judicial entre a construtora e a reitoria da Uenf. A previsão inicial da entrega das obras, segundo o reitor Almy Jr. afirmou em entrevista concedida já há algum tempo a Somos, era para março de 2010. Mas, diante da falta de cumprimento dos prazos, a entrega da obra foi adiada por duas vezes. No entanto, segundo nossas fontes, agora Uenf legalmente terá que suspender os serviços que estão sendo prestados pela Zuhause e entrar na justiça contra a mesma construtora para que ela pague a multa por descumprimento do prazo de entrega das obras, que já atingiria a casa dos R$ 4 milhões. Agora é esperar para ver que dará fim a essa longa história de prorrogações. Será a Uenf ou o Ministério Público? Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Presidente da Hyundai visitou Super Porto do Açu nessa segunda-feira
15/11/2010 | 05h28
[caption id="attachment_411" align="aligncenter" width="504" caption="O presidente da coreana Hyundai Heavy Industries (HHI), Jai Seong Lee, vistou o Super Porto do Açu, em São João da Barra, nesta segunda-feira (15), recepcionado pela prefeita Carla Machado"][/caption] O presidente da coreana Hyundai Heavy Industries (HHI), Jai Seong Lee, vistou o Super Porto do Açu, em São João da Barra, nesta segunda-feira (15). Recepcionado pela prefeita Carla Machado e pelo presidente da OSX Brasil, Luiz Eduardo Carneiro, Saiu bem impressionado com a dimensão do projeto. Lee veio acompanhado do vice-presidente da companhia, Jung Rae Kim, e de mais dois executivos e o gerente executivo da Construção Naval da OSX, José Jorge Araújo. Durante a visita, os executivos puderam ver de perto o canteiro de obras do Super Porto do Açu, a estrutura para filtragem de minério, a maquete do complexo industrial e conheceram a área que futuramente aportará um dos maiores estaleiros das Américas. Além disso, como forma de firmar o compromisso com a sustentabilidade, a prefeita, executivos da OSX e da Hyundai plantaram uma muda de pau-brasil, fortalecendo a sinergia entre brasileiros e coreanos. [caption id="attachment_413" align="aligncenter" width="504" caption="O estaleiro do Açu gerará aproximadamente 10 mil empregos diretos na fase de operação e 3500 na fase de construção"][/caption] Para a prefeita Carla Machado este dia foi mais um marco histórico para São João da Barra. “Estamos recebendo executivos de uma das maiores empresas na área naval do mundo. O estaleiro do Açu será mais um empreendimento que gerará empregos para nossa população. Vamos continuar no forte trabalho de qualificação profissional para que a mão de obra local seja absorvida por todo este crescimento. Fomos um grande porto no século dezenove e queremos voltar a estes áureos tempos, tendo sempre à frente um planejamento estratégico que gere melhoria na qualidade de vida de todos”. O estaleiro do Açu gerará aproximadamente 10 mil empregos diretos na fase de operação e 3500 na fase de construção. O projeto, que representa um investimento de US$1,7 bilhão, trará significativos benefícios diretos e indiretos para a localidade e regiões próximas ao empreendimento, assim como para a economia brasileira. Estima-se que a obra de construção do estaleiro, assim que sejam aprovadas todas as licenças necessárias, leve em torno de três anos.
Comentar
Compartilhe
Juiz cassa vereadora de São Francisco por compra de votos
08/11/2010 | 07h56
O Juiz da 130ª Zona Eleitoral de São Francisco do Itabapoana. Dr. Leonardo Cajueiro D`Azevedo, acaba de cassar o mandato da vereadora Adriana Coelho (PDT) por captação ilícita de sufrágio e abuso de poder econômico, ou seja, a popular por compra de votos. De quebra, a vereadora também levou uma multa de 15 mil reais e oito anos de inelegibilidade.  Assume, o suplente José Pinto, conhecido como “Pintinho”. A sentença também deixa inelegíveis por oito anos o ex-vereador e candidato a prefeito por SFI nas eleições passadas, Fauazi Ribeiro Cherene (também com multa de 15 mil reais) e Luciano Pessanha da Mata. O Ministério Público moveu a ação acusando Adriana de abuso do poder econômico e captação ilícita de sufrágio por distribuição de gasolina durante o pleito. A vereadora ainda pode recorrer da decisão que é de 1ª instância.
Comentar
Compartilhe
Cidinha Campos diz que Jonas Lopes preso vai lavar a sua honra
25/11/2010 | 12h47
[caption id="attachment_498" align="aligncenter" width="709" caption="Deputada Cidinha Campos"][/caption] “A CPI está cumprindo sua função, mesmo tendo sido sabotada, atrapalhada, como quiser denominar o que fizeram. Quanto ao Jonas, ele é o homem da vez na presidência do TCE, isso é notório, o que pra mim tanto importa, desde que seja preso, sendo presidente ou não, vai lavar minha honra”. “Antes tarde do que nunca. O que tem que ser feito é punir os responsáveis” (Deputada Cidinha Campos) Trechos da entrevista da deputada Cidinha Campos à repórter Dora Paula, da Folha da Manhã, publicada nessa quinta-feira, sobre a autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que permite que a Polícia Federal e o Ministério Público retomem as investigações sobre o suposto envolvimento de conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio de Janeiro no desvio de verbas públicas. As denúncias deflagraramm a Operação Pasárgada, há dois anos e também uma CPI na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que tinha Cidinha como uma das mais atuantes.
Comentar
Compartilhe
Polícia Federal e MPF retomam investigações no TCE e Jonas Lopes será intimado
24/11/2010 | 01h30
[caption id="attachment_495" align="aligncenter" width="624" caption="Jonas Lopes de Carvalho Junior, José Nader e José Nader Júnior"][/caption] A Polícia Federal e o Ministério Público Federal retomaram as investigações sobre o suposto envolvimento de Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado em desvios de verbas públicas, dessa vez com autorização do Superior Tribunal de Justiça. O ministro Castro Meira, relator do caso no STJ, autorizou a Polícia Federal a intimar os conselheiros José Gomes Graciosa, Jonas Lopes de Carvalho Júnior, o ex-conselheiro José Nader e o filho dele, o deputado estadual José Nader Júnior (PTB). Nesta terça-feira, já foram interrogados funcionários ligados aos conselheiros, para apurar supostas irregularidades nas condutas das autoridades encarregadas de fiscalizar a aplicação dos recursos públicos. Durante a semana, mais 13 funcionários serão interrogados. Para entender o caso Há dois anos Operação Pasárgada, da PF, apontou um suposto envolvimento de conselheiros em manobras da consultoria SIM para favorecer prefeitos suspeitos de desvios de dinheiro, o que levou a criação de uma CPI na Alerj, mas as investigações foram engessadas por uma decisão do ministro Paulo Galotti, da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que tornou sem efeito todos os interrogatórios e indiciamentos feitos pela Polícia Federal de suspeitos com direito a foro privilegiado investigados na Operação Pasárgada, que apurou a liberação fraudulenta do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) a cidades devedoras do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O pedido foi feito por um dos desembargadores investigados, intimado para ser interrogado pela PF, e também por dois conselheiros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, que foram indiciados por envolvimento com o grupo, do qual participavam prefeitos, advogados, juízes federais e estaduais, além de gerentes da Caixa Econômica Federal. De acordo com as investigações, a organização criminosa teria desviado dos cofres públicos cerca de R$ 200 milhões, em apenas oito meses. Carta comprometedora Entre os papéis apreendidos está uma carta de Álvaro Lopes, ex-secretário municipal de Planejamento de Carapebus, em que ele detalha o pagamento de propinas que a SIM deveria fazer a cinco conselheiros do tribunal, em 2003 e 2004. O pagamento teria como objetivo a aprovação de contas de prefeituras que haviam feito despesas sem a devida comprovação legal. Recomeço Agora, com a permissão concedida pelo novo relator do caso no STJ, ministro Castro Meira, atendendo ao pedido do MPF, as investigações foram retomadas. Cotado O advogado campista Jonas Lopes de Carvalho Júnior, Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado por indicação de Garotinho, é cotado para a presidência do TCE.
Comentar
Compartilhe
Um reitor à beira de um ataque de nervos
30/11/2010 | 06h53
O ofício do Ministério Público Federal nº 954/2010, referente ao Inquérito Civil Público 1.30.002.000052/2009-18, dirigido a poucos dias ao reitor da Uenf, Almy Junior, parece ter deixado o magnífico reitor à beira de um ataque de nervos. Mas o sério documento apenas requisita indispensáveis informações sobre a contratação, remuneração e dispensa de pessoal para execução de convênios pelas Fundações, se os profissionais pertencentes ao quadro da Uenf também são remunerados pelas Fundações, e a que título. O professor Almy nem precisava ficar nervoso. Um pedido desses não é nada que, certamente, o magnífico reitor, que pregou hoje em seu artigo na Folha a observância de mínimos padrões éticos por parte de maus jornalistas e a clareza nos financiamentos dos órgãos de comunicação, não possa responder com a maior tranquilidade sobre o financiamento das Fundações e o padrão mínimo de ética na execução dos convênios da universidade que dirige. Temos certeza de que ele dará uma resposta à altura do requerimento do Ministério Público Federal.
Comentar
Compartilhe
Caminhão oficial em obra particular - 60 dias para investigar o que está debaixo do nariz
11/11/2010 | 08h12
Nota oficial é vaga Desde que a Somos, esse blog e a Folha da Manhã divulgaram a denúncia de leitores de que um caminhão oficial da prefeitura de Campos estava sendo sistematicamente visto descarregando material em uma obra particular no interior do Condomínio Granja Corrientes, no bairro da Pecuária, o assunto ganhou grande repercussão na cidade. A revolta popular diante do caso foi sentida através do grande número de e-mails para a revista e das dezenas de comentários de protesto feito pelos leitores nesse blog. Diante disso, a Secretaria Municipal de Comunicação, divulgou uma nota oficial da Procuradoria do Município com a posição do governo municipal sobre a denúncia. Segundo a nota: “O Procurador Geral do Município, Francisco Pessanha Filho, informa que já foi aberto procedimento junto à Comissão de Sindicância e Inquérito para apurar os fatos envolvendo um veículo da frota de secretaria de Serviços Públicos, que teria sido utilizado para fins particulares. Se confirmado o ato, que não foi autorizado nem era do conhecimento de nenhuma autoridade municipal, os responsáveis serão punidos com as sanções administrativas cabíveis”. 60 dias para investigar o que todo mundo já sabe Ouvido por nossa equipe, o secretário de Serviços Públicos, Zacarias Albuquerque, declarou que o gabinete do prefeito encaminhou uma requisição à Comissão de Sindicância para que ela apure quais foram os responsáveis pelo desvio do caminhão. Segundo Zacarias, a Comissão tem prazo de 60 dias para concluir a investigação. “Quem fala sobre este assunto agora é a Comissão. Nenhuma das secretarias da prefeitura tem fiscalização sobre a frota de veículos. O que existe é o controle, feito através de relatórios”, afirmou o secretário. Para ajudar as investigações, a Somos dá uma pequena dica à Comissão: o proprietário do terreno é de funcionário de Secretária Municipal e seus nomes começam com B e A. Basta olhar o IPTU do terreno Caso realmente a prefeitura queira apurar os fatos para  punir todos os responsáveis, e não apenas o motorista do caminhão, basta seguir a sugestão de um leitor do blog e dar uma olhada no ITU do terreno e ver quem são os proprietários. Isso não demoraria nem meia hora. Depois disso, é só pedir ao síndico do Condomínio Granja Corrientes um relatório da portaria com as anotações de quais caminhões oficiais ferquentavam o local e quantas viagens de material fizeram. Quando se tem vontade de apurar é fácil e rápido. Ou não?
Comentar
Compartilhe
Odisséia quer Polícia Federal investigando Meninas de Guarus por conta das drogas
29/11/2010 | 06h39
[caption id="attachment_529" align="aligncenter" width="756" caption="Odisséia quer a Polícia Federal no caso das Meninas de Guarus que envolve pedofilia, homicídios, poder e drogas pesadas"][/caption] As autoridades locais estão sendo firmemente cobradas para dar um fim à pedofilia em Campos. Em poucos dias, além do deputado Geraldo Pudim levar para Brasília (CPI da Pedofilia, Comissão dos Direitos Humanos e Ministério da Justiça) a cobrança pela conclusão do inquérito que há mais de dois anos investiga o sórdido caso das “Meninas de Guarus”, ontem a vereadora Odisséia Carvalho oficiou ao delegado Federal Paulo Cassiano para que seja apurada a denúncia de que hotéis do centro de Campos estariam sendo utilizados para prática de prostituição. O que a Polícia Federal tem com isso? Segundo a vereadora, quando as autoridades municipais e estaduais não tomam as devidas providências, as autoridades federais podem legalmente entrar no circuito. Também esta semana, ela se reúne com o delegado Federal Paulo Cassiano levando toda a documentação que conseguiu reunir sobre o caso das Meninas de Guarus que, além de pedofilia, homicídios e extorsão, envolve drogas pesadas. Este último quesito de jurisdição inquestionável da Polícia Federal.
Comentar
Compartilhe
Uenf em chamas - Os três lados da moeda
26/11/2010 | 06h51
[caption id="attachment_508" align="aligncenter" width="756" caption="O governo do estado não oferece solução para a questão salarial dos servidores e professores, obras do “Bandejão”, moradia estudantil e política de bolsas estudantis"][/caption] No melhor estilo do "empate" que era realizado pelos seringueiros liderados por Chico Mendes para proteger os seringais no Acre, os estudantes dos estudantes da Uenf decidiram em assembléia impedir a realização de provas e aulas até que haja uma solução definitiva para a crise que se abate sobre a instituição. Esta decisão dos estudantes está colocando em polvorosa quem queria acalmar a situação impedindo o retorno dos professores a uma greve por tempo indeterminado. É que os estudantes entendem que não é correto que se imponha uma aparente normalidade através da realização de provas e aulas enquanto que tudo indica que os professores serão forçados a retornar ao processo de greve a partir do dia 06 de Dezembro. O interessante é que a imensa maioria dos professores está acatando a decisão dos estudantes e suspendendo aulas e provas, até porque esta maioria deles está disposta a repor aulas dentro do calendário estabelecido pela instituição e que deve fazer o semestre se esticar até fevereiro de 2011. Por outro lado, a resistência mais dura contra o boicote decidido pelos estudantes está partindo de professores que votaram recentemente contra a volta da greve. Ai faz sentido, pois quem não aceita que sua própria categoria entre em greve, mesmo sem qualquer oferta objetiva do governo estadual, não tem razão alguma para aceitar a decisão dos estudantes. [caption id="attachment_507" align="aligncenter" width="756" caption="As prioridades da Uenf não são as mesmas de alunos e professores"][/caption] Mas uma coisa é certa.  A partir deste movimento dos estudantes, os representantes do governo do estado não vão mais poder usar este segmento como desculpa para impor a suspensão de greves na Uenf para negociar com os sindicatos. Aliás, melhor faria o governo do estado se resolvesse logo não apenas a questão salarial dos servidores e professores, mas também a questão do “Bandejão”, da moradia estudantil e da política de bolsas estudantis. Mas para isto teremos que ter um compromisso sério com a sustentabilidade financeira da instituição, cujo orçamento só faz definhar nos últimos 10 anos. É ai que mora o problema!
Comentar
Compartilhe
Atualização: Compra de Votos - Ouça a “Mãe de todas as Confissões”...
01/11/2010 | 05h25
Voto por botijão de gás e votos com lanche de brinde... Ontem, durante a cobertura da apuração da eleição, o radialista Barbosa Lemos, da Campos Difusora, entrevistava ao vivo o advogado Jamilton Damasceno sobre a prisão em flagrante do irmão do deputado João Peixoto por suspeita de compras de votos, quando o coordenador de campanha de João Peixoto, Alcemir da Silva, conhecido com Teté, ligou para a Difusora e pediu a palavra na entrevista. Na ânsia de defender o seu chefe, Teté disse que não foi nada daquilo e que, na realidade, no dia das eleições, ele havia "emprestado" 50 reais para Agildo, o irmão do deputado, comprar um botijão de gás lá na localidade de Santa Ana (onde Agildo não reside), como o gás custou apenas 38 reais, com os 12 reais de troco ele comprou o lanche que foi consumido por uma eleitora (que foi presa com ele). Só isso... A equipe do blog teve acesso exclusivo às gravações do programa da Campos Difusora com as entrevistas do radialista Barbosa Lemos.

NADA MELHOR DO QUE OUVIR O REVELADOR DIÁLOGO.

CONFIRAM ABAIXO:

A mãe de todas as confissões - parte I A mãe de todas as confissões - parte II A mãe de todas as confissões - parte III Surpresa Até o próprio advogado entrevistado foi surpreendido por aquela confissão espontânea. Segundo ele, “foi a mãe de todas as confissões”. Mais provas para Polícia Federal Teté deverá ser chamado para depor na Polícia Federal e a gravação do programa deverá ser requisitada como prova para o inquérito da PF que apura o flagrante de compra de votos, antes só com lanches de brinde, agora com botijão de gás também...
Comentar
Compartilhe
820.864,39 reais por barraca da 6ª Bienal do Livro na inadequada Praça de São Salvador
05/11/2010 | 01h34
[caption id="attachment_312" align="aligncenter" width="756" caption="Barraca na Praça de São Salvador é uma agressão ao principal cartão posta de Campos"][/caption] Estranha opção A promoção de eventos culturais do porte da 6ª Bienal do Livro em Campos é louvável, mas o que não para entender é a realização do evento em uma grotesca barraca montada em plena Praça de São Salvador, violentando nosso principal cartão postal, levando caos ao trânsito e trazendo todo tipo de transtorno para o já tumultuado Centro, quando a cidade conta com um belo pavilhão coberto na Fundação Rural de Campos, com toda a estrutura necessária, fácil acesso, farto estacionamento, banheiros, portaria etc... Além do mais, a realização de eventos ali é sempre bem vinda, já que traz recursos para a tradicional entidade, que não tem fins lucrativos. Na escola de Brizola Há quem ache que a opção pelo local é mera imitação da velha prática utilizada por Brizola, que construiu a maioria dos seus famosos Cieps/Brizolões à beira de estradas e avenidas movimentadas para fazer propaganda do seu governo, fórmula agora copiada pelo presidente da Fundação Cultural ‘Oswaldo Lima’, Avelino Ferreira, para, entre outras coisas, mostrar trabalho. Vaidade, sempre ela... 820.864,39 reais por aluguel de barraca Mas também há quem ache que se fosse só isso ainda era menos mal, pois, o pior de tudo, é que o aluguel daquela “trapizonga” horrorosa montada na praça central da cidade, obstruindo a vista do nosso principal cartão postal, a Catedral de São Salvador, está custando aos cofres públicos incríveis R$820.864,39. Isso mesmo, oitocentos e vinte mil, oitocentos e sessenta e quatro reais e trinta e nove centavos do dinheiro público. Questão Fica a pergunta: por qual motivo você acha que teria sido montada ali a 6ª Bienal do Livro?
Comentar
Compartilhe
Corte em convênios com PMCG faz Fundenor dever 260 mil de aluguel a FRC
11/11/2010 | 11h09
[caption id="attachment_356" align="alignleft" width="462" caption="Rosinha Garotinho e Nelson Nahim no gabinete provisório na Fundenor"][/caption] O blog confirmou a informação do comentário do leitor Eduardo Camargo (aqui). A Fundenor está devendo a Fundação Rural de Campos cerca de 260 mil reais em aluguéis atrasados, só não ainda não corre o risco de ser despejada por conta da paciência e compreensão da direção da FRC, capitaneada pelo empresário Lulu Aguiar. Segundo ele, as dificuldades da Fundenor começaram após a prefeita cassada Rosinha Garotinho promover um corte de 30% nos convênios mantidos entre a prefeitura de Campos e aquela entidade. O seja, uma canetada da prefeita da “mudança” ainda pode acabar fazendo a Fundenor mudar, mas de endereço... Rosinha e seu cunhado Nahim usaram prédio sem pagar nada Uma grande ironia do caso é que a prefeita cassada Rosinha Garotinho utilizou o prédio da Fundenor durante cinco meses como seu gabinete, e seu cunhado, o prefeito interino Nelson Nahim, por dois meses, mas nenhum dos dois pagou nada. Segundo Lulu Aguiar, presidente da Fundação Rural de Campos, a verba, de cerca de 14 mil reais mensais (30 salários mínimos), proveniente do aluguel do prédio da Fundenor está fazendo muita falta à FRC. Pois é... enquanto isso a prefeitura monta barraca de 820 mil reais na Praça de São Salvador.
Comentar
Compartilhe
João Peixoto - Açougueiros: uma história de carinho e gratidão
13/11/2010 | 02h59
Quando colhia as informações iniciais para fazer uma matéria especial sobre o abate clandestino de gado no interior de Campos, a equipe da Somos foi surpreendida por uma história de carinho e gratidão que um grupo de micro-empresários de Santa Maria de Campos nutre pelo recém-reeleito deputado estadual João Peixoto. Segundo moradores, João é frequentador de longa data da comunidade, mas recentemente a atuação do deputado ajudou de modo especial aos dez empresários que, segundo um deles, há cerca de três meses, por estarem mal informados, foram presos por estar praticando o abate clandestino de gado naquela região. Segundo relatou emocionado o açougueiro Ivan Machado, o proprietário de um frigorífico de Itaperuna denunciou à polícia daquele município que açougueiros de Santa Maria de Campos estariam fazendo abate clandestino de gado, o que teria desencadeado uma operação policial que os levou presos para Itaperuna. Naquele município, segundo o relato, teria ficado estabelecido que a fiança para a soltura dos dez presos seria de R$ 20 mil. Ivan Machado, que já havia trabalhado para campanhas eleitorais de João Peixoto, teria, segundo relatou à nossa equipe, entrado em contato com o então candidato à reeleição como deputado estadual que, prontamente, teria deixado de lado as suas ocupações e atribulações da campanha eleitoral para atender ao chamado do grupo de açougueiros, viajando imediatamente para Itaperuna, e lá teria conseguido reduzir a fiança para R$ 4 mil, quantia que, segundo Ivan, foi paga por ele para todo o grupo. De acordo com Ivan, após a prisão, ele e os outros açougueiros da região não voltaram a realizar o abate clandestino. E agora seguem legalmente com os seus negócios, por ironia, adquirindo a carne do frigorífico de propriedade do empresário que os teria denunciado. Menos Ivan Machado que, magoado, passou a abastecer seu açougue com carne de frigoríficos outros que atendem à praça de Campos. Veja na edição AQUI, o diálogo transcrito da gravação da entrevista telefônica, onde o pequeno empresário Ivan Machado relata como tudo aconteceu.
Comentar
Compartilhe
48 milhões só para fazer faxina para prefeitura de Campos
27/11/2010 | 03h49
Sai prefeita cassada, entra prefeito interino e o show dos milhões continua a todo vapor. Sob o domínio do populismo messiânico da Lapa, Campos virou um verdadeiro Eldorado para empresas de fora especializadas em vencer licitações públicas. Desde 2009, com a ascensão da prefeita cassada Rosinha Garotinho e sua equipe que continua atuando com o mesmo modus operandi no governo do prefeito interino Nelson Nahim, uma empresa em especial está faturando milhões em contratos com a prefeitura de Campos. Trata-se da Nova Rio Serviços Gerais Ltda CNPJ: 29212545/0001-43. Entre as licitações vencidas por esta empresa na cidade está a famosa terceirização da faxina, cujo contrato foi celebrado no valor e R$ R$36.781.068,60 por doze meses de serviços. A homologação desta licitação foi realizada em setembro de 2009. Pouco tempo depois, em janeiro, a Nova Rio venceu mais um pregão milionário: R$ 11.260.601,94 para a prestação de serviços de apoio operacional, incluindo alocações de funções de apoio administrativo para assessoramento (?) de diversos órgãos durante 12 meses. A verdadeira “bolada” paga à empresa por apenas esses dois contratos é de incríveis R$48.041670,54. Se o MP não intervir, pode haver prorrogação de 60 meses Como tudo que é ruim sempre pode piorar, se não houver qualquer interferência judicial, como Ação Civil impetrada por popular ou pelo próprio Ministério Público, os contratos poderão ser prorrogados sem questionamentos em até 60 meses, tendo em vista o que dispõe a Lei de Licitações e Contratos, em seu art. 57, II: “Art. 57.  A duração dos contratos regidos por esta Lei ficará adstrita à vigência dos respectivos créditos orçamentários, exceto quanto aos relativos: II - à prestação de serviços a serem executados de forma contínua, que poderão ter a sua duração prorrogada por iguais e sucessivos períodos com vistas à obtenção de preços e condições mais vantajosas para a administração, limitada a sessenta meses; (Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)” Preços chamam a atenção de advogado O que mais chama a atenção nos sucessivos processos licitatórios vencidos pela Nova Rio Serviços Gerais Ltda em Campos é que, no caso da terceirização da faxina, o preço acordado entre a empresa e a prefeitura é muito superior ao que outros órgãos públicos pagam pelo mesmo serviço. Um bom exemplo disso foi levantado pelo advogado e blogueiro Cléber Tinoco. Em seu blog, Tinoco compara o preço que a prefeitura está pagando por m² na licitação da faxina e o que a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) pagou. Segundo o blogueiro, Fábio Ribeiro, Secretário de Administração, declarou à Folha da Manhã que seriam terceirizados cerca de 1.200 postos de trabalho, “um número considerado bastante alto se levado em conta a área do serviço. À guisa de comparação, a Uenf, em contrato semelhante, assinado em 01/09/2007 e com vigência de 2 anos, despendeu um pouco mais de 2 milhões de reais para limpeza de 80.184,93 m2”, pondera o advogado. Só uma parte dava para pagar todos os profissionais do HGG e ainda sobrava dinheiro Outra comparação trazida pelo blogueiro é que, de acordo com o site da PMCG, nos primeiros oito meses de governo foram gastos R$ 26 milhões com os salários de todos os profissionais das áreas médica e administrativa lotados no HGG. Além disso, os 2.300 contratados mantidos pelo TAC, que atuam nas UBS’s do município, receberam salários que totalizaram R$ 16 milhões entre janeiro e agosto deste ano. Portanto, os recursos carreados para a grande limpeza (quase R$ 37 milhões/ano) dariam para pagar os salários de todos os profissionais do HGG por quase um ano ou de todos os 2.300 contratados das UBS’s por um ano e meio, com sobra de 781 mil reais. Ministério Público pagou bem menos por serviço semelhante Uma terceira comparação bem elucidativa é com a licitação promovida pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro para serviços de limpeza e conservação predial. Com base na declaração do Secretário de Administração Fábio Ribeiro de que seriam 1200 contratados na terceirização da faxina, é possível fazer um cálculo com base no que o MPE pagou por cada funcionário seu, de acordo com a estimativa dos custos com cada auxiliar de serviços gerais disponibilizada no site oficial. Nela, o valor estimado foi de R$ 1.726,41 por cada auxiliar de serviços gerais. Se multiplicarmos este valor pelos 1200 trabalhadores terceirizados, teríamos como resultado: R$ 2.071.692,0 por mês. Portanto, se multiplicarmos este valor pelo período de 12 meses, teremos: R$ 24.860.304,0. No entanto, o valor que está sendo pago pela prefeitura é de R$ R$ 36.781.068,60. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Obras da Câmara São da Barra deixam dúvidas na população
20/11/2010 | 01h54
A política, sempre ela..., não nos poupa de pequenas surpresas ou grandes ironias. Vejam só que interessante e inusitado, logo a Câmara de Vereadores de São João da Barra, controlada pela maioria de oposição ao governo da prefeita Carla Machado, bastante zelosa em seu justo papel de cobrar da administração municipal o cumprimento de todos os detalhes exigidos pela legislação que rege as obras públicas, logo ela não está exibindo a usual placa de discriminação, com valores, responsável técnico, empresa etc..., da obra que vem realizando em seu próprio prédio. Essa estranha contradição foi comprovada fotograficamente pela equipe da Somos na terça-feira, em visita às obras que a Câmara Municipal de São João da Barra, presidida pelo comerciante e vereador Alexandre Rosa, está realizando. Sem placa, sem transparência A não colocação da placa informativa da obra está levando a população da cidade a suspeitar de que a Carta Convite talvez ainda não tenha sido feita. Para esclarecer isso, a Câmara deveria divulgar imediatamente todos os passos que deu para a realização daquela obra, divulgando seus detalhes e a data da licitação, mesmo que na modalidade Carta Convite, para afastar quaisquer dúvidas sobre a legalidade da obra. Além do mais, para ficar dentro da lei, o Crea exige que também seja colocada a placa de responsável técnico que, por mais que nossa equipe procurasse, não encontrou no local, como mostram as fotos dessa matéria. Razões De acordo com as informações passadas por nossas fontes, a colocação de piso “porcelanato” no interior da Câmara está diretamente ligada à realização das dispendiosas sessões itinerantes da Câmara. Para que elas sejam realizadas, é necessário que haja o impedimento do uso das instalações da sede. Segundo o regimento interno da Câmara, há previsão que sejam realizadas duas sessões itinerantes durante o período legislativo. No entanto, essas sessões teriam que ser aprovadas pela plenária, o que não aconteceu, de acordo com nossas fontes. Ainda de acordo com informações de nossas fontes, nas últimas três sessões itinerantes feitas pela Câmara não havia nenhum impedimento. Portanto, a colocação de piso na Câmara teria por objetivo justificar a última sessão itinerante (na última quinta-feira). Essa é uma questão para ser minuciosamente analisada pelo Ministério Público. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Polícia Federal e MPF retomam investigações no TCE e Jonas Lopes será intimado
24/11/2010 | 01h30
[caption id="attachment_495" align="aligncenter" width="624" caption="Jonas Lopes de Carvalho Junior, José Nader e José Nader Júnior"][/caption] A Polícia Federal e o Ministério Público Federal retomaram as investigações sobre o suposto envolvimento de Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado em desvios de verbas públicas, dessa vez com autorização do Superior Tribunal de Justiça. O ministro Castro Meira, relator do caso no STJ, autorizou a Polícia Federal a intimar os conselheiros José Gomes Graciosa, Jonas Lopes de Carvalho Júnior, o ex-conselheiro José Nader e o filho dele, o deputado estadual José Nader Júnior (PTB). Nesta terça-feira, já foram interrogados funcionários ligados aos conselheiros, para apurar supostas irregularidades nas condutas das autoridades encarregadas de fiscalizar a aplicação dos recursos públicos. Durante a semana, mais 13 funcionários serão interrogados. Para entender o caso Há dois anos Operação Pasárgada, da PF, apontou um suposto envolvimento de conselheiros em manobras da consultoria SIM para favorecer prefeitos suspeitos de desvios de dinheiro, o que levou a criação de uma CPI na Alerj, mas as investigações foram engessadas por uma decisão do ministro Paulo Galotti, da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que tornou sem efeito todos os interrogatórios e indiciamentos feitos pela Polícia Federal de suspeitos com direito a foro privilegiado investigados na Operação Pasárgada, que apurou a liberação fraudulenta do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) a cidades devedoras do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O pedido foi feito por um dos desembargadores investigados, intimado para ser interrogado pela PF, e também por dois conselheiros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, que foram indiciados por envolvimento com o grupo, do qual participavam prefeitos, advogados, juízes federais e estaduais, além de gerentes da Caixa Econômica Federal. De acordo com as investigações, a organização criminosa teria desviado dos cofres públicos cerca de R$ 200 milhões, em apenas oito meses. Carta comprometedora Entre os papéis apreendidos está uma carta de Álvaro Lopes, ex-secretário municipal de Planejamento de Carapebus, em que ele detalha o pagamento de propinas que a SIM deveria fazer a cinco conselheiros do tribunal, em 2003 e 2004. O pagamento teria como objetivo a aprovação de contas de prefeituras que haviam feito despesas sem a devida comprovação legal. Recomeço Agora, com a permissão concedida pelo novo relator do caso no STJ, ministro Castro Meira, atendendo ao pedido do MPF, as investigações foram retomadas. Cotado O advogado campista Jonas Lopes de Carvalho Júnior, Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado por indicação de Garotinho, é cotado para a presidência do TCE.
Comentar
Compartilhe
Alex, que explorava as Meninas de Guarus, condenado a 10 anos por outro caso
27/11/2010 | 04h05
Pedofilia [caption id="attachment_517" align="aligncenter" width="520" caption="Alex ainda é o único preso - Foto / Arquivo Folha da Manhã"][/caption] Preso em flagrante em junho de 2009 por exploração sexual de crianças e adolescentes, Leilson Rocha da Silva, o “Alex”, de 46 anos, foi condenado a 10 anos, 06 meses de cadeia, pelo juiz Leonardo Grandmasson. A sentença é resultado de uma ação penal proposta pelo MPE. No entanto, esta condenação não diz respeito ao envolvimento com a rede que explorava sexualmente meninas e meninos menores de idade em Campos, no caso das “Meninas de Guarus”, que envolve pedofilia, homicídios, drogas, poder e extorsão, que há mais de dois anos vem sendo investigado pelo Ministério Público Estadual, aprentemente sem a conclusão do inquérito. De acordo com a sentença, “Alex” foi condenado pelo crime previsto no Artigo 244-A, caput, e § 1º do ECA à pena de 04 anos e 10 meses de reclusão e 14 dias-multa, por submeter criança ou adolescente à prostituição ou à exploração sexual. Como o acusado é reincidente, a pena foi aumentada de 1/6 perfazendo a condenação 05 anos, 07 meses e vinte dias de reclusão e 16 dias-multa. Considerando a continuidade delitiva, a pena foi aumentada em 1/6, totalizando 06 anos, 06 meses e vinte oito dias de reclusão e 18 dias-multa, no valor mínimo. Além deste, Alex foi também condenado pelo crime previsto no artigo 229 do Código Penal, à pena de 02 anos e seis meses de reclusão e 12 dias-multa, no valor mínimo, por manter, por conta própria ou de terceiro, casa de prostituição ou lugar destinado a encontros para fim lidibinoso, haja, ou não, intuito de lucro ou mediação direta do proprietário ou gerente. Alex também foi condenado no art. 230 do CP à pena de um ano e seis meses de reclusão e 12 dias-multa no valor mínimo, por proveito da prostituição alheia, participando diretamente de seus lucros ou fazendo-se sustentar, no todo ou em parte, por quem a exerça. No total, Alex foi condenado a 10 anos, 06 meses e vinte oito dias de cadeia. A prisão de “Alex” em junho de 2009 foi o ponto chave para o desencadeamento das intermináveis investigações sobre a rede de pedofilia que atua em Campos, principalmente no caso das “Meninas de Guarus”. A partir da prisão de “Alex” uma série de depoimentos ligando o seu nome ao agenciamento de menores para “programas” foi colhida na 146ª DP - Guarus. Segundo esses depoimentos, muitos desses programas teriam tido como clientes pessoas de grande influência no mundo político de Campos e região e até pessoas que ocupavam cargos de confiança no governo da prefeita cassada Rosinha Garotinho. Embora condenado por essa sentença do juiz Leonardo Grandmasson, Alex ainda não foi punido pelo agenciamento e possível chefia da quadrilha de pedófilos que explorava meninos e meninas, os mantendo trancados dentro de uma casa em Guarus, onde permaneciam até que o suspeito de ser o comandante da quadrilha, o Alex, os obrigaria a manter relações sexuais com “clientes”. Muitas dessas crianças eram submetidas aos desejos sexuais de diferentes pessoas por várias vezes em uma noite. Em alguns dos programas, elas eram obrigadas também a se drogar e duas delas teriam sido assassinadas de forma cruel por overdose induzida de cocaína. Veja AQUI. Pudim já acionou autoridades em Brasília O deputado Geraldo Pudim concedeu loga entrevista a Somos (nas bancas nesse domingo) sobre pedofilia, derrota na urnas, apoio de Garotinho, eleição suplementar e eventual candidatura de Nelson Nahim. Veja AQUI. Após essa entrevista, o deputado Federal Geraldo Pudim viajou para Brasília, entregando pessoalmente farto material sobre o caso das “Meninas de Guarus” ao senador Demóstenes Torres e ao senador Magno Malta, da CPI da Pedofila, que ficou impressionado com a crueldade do caso, principalmente dos infanticídios, prometendo tomar providência e declarando que iria entrar em contato com o promotor do caso para saber os motivos da demora na conclusão do inquérito. Pudim também entregou o mesmo material a deputada Iriny Lopes, presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias. Seu próximo passo será encaminhar o material sobre o caso das “Meninas de Guarus” para o Ministério da Justiça e solicitar o acionamento da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual para que tomem providências imediatas para acabar com a longa impunidade dos implicados. AQUI
Comentar
Compartilhe
Corte em convênios com PMCG faz Fundenor dever 260 mil de aluguel a FRC
11/11/2010 | 11h09
[caption id="attachment_356" align="alignleft" width="462" caption="Rosinha Garotinho e Nelson Nahim no gabinete provisório na Fundenor"][/caption] O blog confirmou a informação do comentário do leitor Eduardo Camargo (aqui). A Fundenor está devendo a Fundação Rural de Campos cerca de 260 mil reais em aluguéis atrasados, só não ainda não corre o risco de ser despejada por conta da paciência e compreensão da direção da FRC, capitaneada pelo empresário Lulu Aguiar. Segundo ele, as dificuldades da Fundenor começaram após a prefeita cassada Rosinha Garotinho promover um corte de 30% nos convênios mantidos entre a prefeitura de Campos e aquela entidade. O seja, uma canetada da prefeita da “mudança” ainda pode acabar fazendo a Fundenor mudar, mas de endereço... Rosinha e seu cunhado Nahim usaram prédio sem pagar nada Uma grande ironia do caso é que a prefeita cassada Rosinha Garotinho utilizou o prédio da Fundenor durante cinco meses como seu gabinete, e seu cunhado, o prefeito interino Nelson Nahim, por dois meses, mas nenhum dos dois pagou nada. Segundo Lulu Aguiar, presidente da Fundação Rural de Campos, a verba, de cerca de 14 mil reais mensais (30 salários mínimos), proveniente do aluguel do prédio da Fundenor está fazendo muita falta à FRC. Pois é... enquanto isso a prefeitura monta barraca de 820 mil reais na Praça de São Salvador.
Comentar
Compartilhe
Presidente da Hyundai visitou Super Porto do Açu nessa segunda-feira
15/11/2010 | 05h28
[caption id="attachment_411" align="aligncenter" width="504" caption="O presidente da coreana Hyundai Heavy Industries (HHI), Jai Seong Lee, vistou o Super Porto do Açu, em São João da Barra, nesta segunda-feira (15), recepcionado pela prefeita Carla Machado"][/caption] O presidente da coreana Hyundai Heavy Industries (HHI), Jai Seong Lee, vistou o Super Porto do Açu, em São João da Barra, nesta segunda-feira (15). Recepcionado pela prefeita Carla Machado e pelo presidente da OSX Brasil, Luiz Eduardo Carneiro, Saiu bem impressionado com a dimensão do projeto. Lee veio acompanhado do vice-presidente da companhia, Jung Rae Kim, e de mais dois executivos e o gerente executivo da Construção Naval da OSX, José Jorge Araújo. Durante a visita, os executivos puderam ver de perto o canteiro de obras do Super Porto do Açu, a estrutura para filtragem de minério, a maquete do complexo industrial e conheceram a área que futuramente aportará um dos maiores estaleiros das Américas. Além disso, como forma de firmar o compromisso com a sustentabilidade, a prefeita, executivos da OSX e da Hyundai plantaram uma muda de pau-brasil, fortalecendo a sinergia entre brasileiros e coreanos. [caption id="attachment_413" align="aligncenter" width="504" caption="O estaleiro do Açu gerará aproximadamente 10 mil empregos diretos na fase de operação e 3500 na fase de construção"][/caption] Para a prefeita Carla Machado este dia foi mais um marco histórico para São João da Barra. “Estamos recebendo executivos de uma das maiores empresas na área naval do mundo. O estaleiro do Açu será mais um empreendimento que gerará empregos para nossa população. Vamos continuar no forte trabalho de qualificação profissional para que a mão de obra local seja absorvida por todo este crescimento. Fomos um grande porto no século dezenove e queremos voltar a estes áureos tempos, tendo sempre à frente um planejamento estratégico que gere melhoria na qualidade de vida de todos”. O estaleiro do Açu gerará aproximadamente 10 mil empregos diretos na fase de operação e 3500 na fase de construção. O projeto, que representa um investimento de US$1,7 bilhão, trará significativos benefícios diretos e indiretos para a localidade e regiões próximas ao empreendimento, assim como para a economia brasileira. Estima-se que a obra de construção do estaleiro, assim que sejam aprovadas todas as licenças necessárias, leve em torno de três anos.
Comentar
Compartilhe
Nem os Cinco Cavaleiros do Apocalipse espantam o progresso da região
09/11/2010 | 12h59
[caption id="attachment_343" align="aligncenter" width="454" caption="A Ternium, do conglomerado Techint, pretende produzir 5,6 milhões de toneladas por ano de aço bruto no Açu"][/caption] Apesar da infeliz investida dos cinco vereadores sanjoanenses contra o progresso da região, aprovando uma polêmica lei, tida como inconstitucional, que transforma a área reservada para o futuro Distrito Industrial do Açu em área de interesse ambiental e rural, ao invés de lutar por melhores indenizações aos proprietários do 5º Distrito, em comunicado distribuído à imprensa nessa terça-feira (9/11/2010), a LLX mostra números do investimento no Açu que impressionam e afastam qualquer pessimismo em relação ao futuro do Super Porto do Açu: “No Superporto do Açu, em construção em São João da Barra (RJ), já foram investidos R$ 1,5 bilhão desde 2007 e setembro de 2010. Durante o terceiro trimestre deste ano, o investimento foi de R$ 182 milhões, aplicados principalmente na construção da ponte de acesso, do píer de rebocadores e do quebra-mar. ...No total serão investidos R$ 4,3 bilhões no Terminal Portuário Privativo de Uso Misto do Açu, sendo R$ 1,9 bilhão pela LLX Minas-Rio (responsável pela implantação do terminal portuário dedicado ao minério de ferro) e R$ 2,4 bilhões pela LLX Açu (responsável pela operação das demais cargas como produtos siderúrgicos, carvão, granéis líquidos e granito). ...A LLX já possui cerca de 60 memorandos de entendimento (MOUs) em negociação com empresas que querem se instalar ou movimentar cargas no Superporto do Açu. Em construção desde outubro de 2007, a previsão é que a operação do Superporto do Açu seja iniciada em 2012. ...Em setembro a LLX recebeu e Licença de Instalação para construção de uma Unidade de Tratamento de Petróleo (UTP) no Superporto do Açu. Com capacidade para tratamento de 1,2 milhão de barris por dia e capacidade estática para 13,5 milhões de barris. ...No mesmo mês, a companhia assinou com a Ternium um contrato para implantação de parque siderúrgico no Complexo Industrial do Superporto do Açu para produção prevista de 5,6 milhões de toneladas por ano de aço bruto. Também foram assinados dois contratos "take or pay" de longo prazo para serviços portuários para embarque de produtos siderúrgicos e desembarque. ...No mês de setembro, o Complexo Industrial do Superporto do Açu alcançou dois importantes marcos: a Licença de Instalação para uma Unidade de Tratamento de Petróleo e a assinatura de contratos com a Ternium para implantação de um pólo siderúrgico. Estes desenvolvimentos confirmam a vocação do Superporto do Açu como one stop shop da indústria de Petróleo e Gás e destino preferencial para a expansão no Brasil de empresas líderes setoriais”, destacou Otavio Lazcano, presidente da LLX".
Comentar
Compartilhe
Uenf vai adaptar por R$576 mil, prédio de R$ 878 mil que ainda nem acabou de construir
13/11/2010 | 03h14
Tudo muito estranho: prédios muito semelhantes, preços bem diferentes Após estranhamente licitar dois quiosques idênticos por preços diferentes, a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) está construindo dois prédios, aparentemente iguais, por preços com uma diferença descomunal. O primeiro dos edifícios seria para integração das unidades Genômica, Proteômica e Metabolômica, no valor de R$ 537.846,86. O segundo, aparentemente idêntico ao primeiro, é conhecido como P9 e, inicialmente, era destinado a abrigar o Espaço da Ciência, e vai custar bem mais caro, R$878.412,02. Uma diferença de cerca de 340 mil reais. [caption id="attachment_393" align="aligncenter" width="756" caption="As placas jogadas no chão mostram o preço das obras"][/caption] Obra inacabada já vai passar por adaptação de 576 mil reais Curiosamente, embora o último prédio tenha sido bem mais caro, ele também foi construído sem instalação elétrica e hidráulica. Esta falta de planejamento levou a Uenf a divulgar mais um estranho edital de licitação de alto valor, dessa vez de R$ 576.391,77, sob a alegação de adaptação do prédio P9, cujas obras iniciais sequer foram concluídas. Com essa surpreendente licitação para adaptação, a conclusão das obras do prédio terá um custo global de cerca de 60% a mais do que o inicialmente previsto, dentro dos R$ 878.412,02. No total, o P9 custará R$ 1.454.803,70. Isso, claro, se não forem divulgadas novas licitações para a obra, ainda por terminar. Como o caso dos prédios muito se assemelha ao caso dos quiosques, objeto de investigação por parte do MP, certamente o Ministério Público requisitará informações ao reitor Almy Jr. para que explique o porquê da diferença de valores. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Agenda do irmão de João Peixoto preso pela PF registra movimento de 550 mil reais
30/11/2010 | 10h16
[caption id="attachment_153" align="alignleft" width="300" caption="O futuro mandato de João Peixoto pode estar na corda bamba"][/caption] No dia 3 de outubro, durante as últimas eleições, o irmão do candidato João Peixoto, Agildo Alves Peixoto, foi preso em flagrante pela Polícia Federal por suspeita de comprar votos na localidade de Santa Ana, em Travessão (AQUI). Com ele foi apreendida uma agenda, anexada ao inquérito policial federal nº 0432/2010. Hoje à tarde, o blog teve acesso a uma cópia da agenda e, para nossa surpresa, ela registra uma movimentação de mais de meio milhão de reais distribuídos em várias anotações com nomes e módicos valores de 70 reais (muitas) a vultuosas quantias de 60 mil reais a 120 mil reais, totalizando cerca de polpudos 550 mil reais. Esses valores não foram relacionados na prestação de contas do deputado João Peixoto que só declarou R$21.951,76, não registrando doações de terceiros para a sua campanha eleitoral. As explicações do deputado João Peixoto serão cobradas pelo Tribunal Regional Eleitoral, através da Ação Judicial Eleitoral que será impetrada naquele tribunal, no Rio de Janeiro. [caption id="attachment_539" align="aligncenter" width="756" caption="Algumas páginas da agenda apreendida pela Polícia Federal com o irmão de João Peixoto"][/caption] As pessoas com  os nomes relacionados às quantias (muitos com números telefônicos ao lado e referências aos locais de trabalho, como Detran e órgãos municipais) deverão ser ouvidas pela Polícia Federal para exclarecer a origem dos pagamentos. Alguns nomes e apelidos são cômicos, como: Marcelo Bicha, Monstrinho, Ana Ururaí, Elmo Bronquite, Bizunga, Caboco Neto etc... Esses são alguns dos nomes engraçados, mas os sérios relacionam muita gente que ocupa cargos de confiança e postos de trabalho no Estado, formando uma boa meada a ser deslindada pela Polícia Federal.
Comentar
Compartilhe
Definição do Estaleiro do Açu vai agitar o mercado nessa quarta
16/11/2010 | 10h39

Essa é para quem torce pelo progresso da região dormir feliz e para quem é contra perder o sono. Sintomaticamente, após o presidente da Hyundai Heavy Industries (HHI), Jai Seong Lee, visitar o Super Porto do Açu, em uma reunião de diretoria da OSX, por volta das 19h, no Rio de Janeiro, foi batido o martelo: o estaleiro do grupo será, irreversivelmente, instalado no Açu. A notícia foi oficializada ao mercado.

O estaleiro terá um píer de 2,4 mil metros e será 70% maior que o desenho original do projeto, que a empresa pretendia construir em Biguaçu (SC), segundo relato da OSX à Comissão de Valores Mobiliários.

Segundo o plano de negócios da companhia ela poderá processar 180 mil toneladas de aço por ano em sua fase inicial, podendo ser expandida até a 460 mil toneladas.

A construção do estaleiro, da qual participará a sul-coreana Hyundai, dona de 10% do capital da OSX, deverá movimentar US$ 1,7 bilhão segundo os planos iniciais da empresa.

Os estudos de impacto ambiental estão em "fase avançada de análise técnica" por parte das autoridades competentes, o que faz empresa aguardar o licenseamento para abril de 2011.

A OSX explicou na nota ao mercado que decidiu instalar o estaleiro no Rio de Janeiro pela possibilidade de ampliar o píer, que poderia chegar até 3.525 metros e a possibilidade de oferecer mais serviços, incluindo reparos para outras empresas do setor, por estar localizado no complexo industrial de Porto do Açu, que também é de propriedade de Eike Batista.

O complexo industrial, atualmente em construção, abrigará várias empresas siderúrgicas, cimenteiras, metalúrgicas, um terminal portuário para o embarque de ferro e carvão, entre outras empresas.

Comentar
Compartilhe
Contas de Nahim com nota fiscal da empresa de Mauro Silva para Rosinha
20/11/2010 | 02h37
A nota fiscal no valor de 100 mil reais, de número 076 emitida pela empresa Lupe Consultoria Ltda – CGC:08574854/0001-93 – passaria despercebida na prestação de contas da prefeita cassada Rosinha Garotinho junto ao Tribunal Regional Eleitoral não fosse uma estratégia do seu cunhado, o prefeito interino de Campos, Nelson Nahim (PR). Enrolado com gastos de gravação de programas eleitorais, Nahim teve as contas referentes à campanha de 2008 rejeitadas pelo Tribunal. Encurralado pelas exigências da lei que vigorou na eleição daquele ano, que impunha inelegibilidade para o pleito seguinte a todos os candidatos com contas rejeitadas naquela eleição, Nahim foi buscar socorro nas contas da cunhada. Em recurso apresentado ao Tribunal, declarou que os custos de gravação foram arcados pela candidata majoritária, no caso, Rosinha. Apresentou como prova a nota fiscal da Lupe Consultoria. Ligações perigosas O que seria uma solução aparentemente fácil para um espinhoso problema, representou a exumação de um incômodo cadáver. A Lupe é uma empresa sediada na cidade de Rio Bonito, cuja propriedade até então era desconhecida aqui em Campos. A Somos foi em busca do proprietário e advinha quem encontrou: Mauro Silva, secretário de Comunicação de Nelson Nahim, que já foi secretário da prefeita cassada Rosinha Garotinho e também é homem de confiança de Anthony Garotinho, tendo desfilado pelos mais altos cargos das suas administrações e da sua família, como esposa e, agora, irmão. Braço direito Sempre muito esforçado, Mauro é o que pode se definir como homem que encontrou no grupo de Garotinho a porta aberta para a prosperidade. Neste seio, conseguiu ser proprietário do jornal O Diário, da rádio Diário FM, cotista da Band FM e dono da empresa de publicidade Coppy Mídia, que agenciou contas da prefeitura de Campos. Recentemente, ele reassumiu o grupo O Diário, mas, logo depois, passou o bastão para os atuais controladores. Também foi subsecretário de comunicação no governo Garotinho, atuou no governo Rosinha à frente do Estado e regressou à prefeitura como secretário de Comunicação com a vitória da mesma Rosinha Garotinho, para quem a Lupe (de propriedade de Mauro Silva) emitiu a nota fiscal 076 em 2008. Declaração de Rosinha não aponta doação Em meio a tanta informação, encontros, desencontros e reencontros, o fato mais surpreendente é que Nahim declarou ao Tribunal Regional Eleitoral que a empresa do seu atual secretário de Comunicação lhe prestou serviços na campanha de 2008 e Rosinha pagou a conta. Só que ela teria que ter declarado isso em sua prestação de contas. No entanto Rosinha declara nas contas eleitorais 593/2008 (fac-símile publicado) que não fez nenhuma doação naquela eleição. Por outro lado, Nahim também em sua prestação de contas não apresentou nenhum recibo dando conta de que recebeu a doação. Partidos reagem Pelo menos dois partidos já manifestaram intenção de oficiar o Tribunal Regional Eleitoral e comunicar o fato à Corregedoria Nacional de Justiça: PPS e PMDB. “Estamos analisando o caso sob todos os aspectos jurídicos, e o partido certamente vai se manifestar”, destacou o presidente do diretório municipal do PMDB, Ivanildo Cordeiro.Relações pouco recomendáveis Algumas das figuras que protagonizam esta relação pouco recomendável que mistura interesses empresariais e políticos são as mesmas que figuram no inquérito 001/2008, da Polícia Federal, que apura propriedade oculta de veículos de comunicação, mas que, segundo o corpo jurídico que defende o grupo de Garotinho, teria sido arquivado. Esta informação foi revelada na tribuna do TRE no dia do julgamento de Rosinha e Garotinho. Bomba relógio Agora resta avaliar qual o potencial que esse desencontro (ou encontro?) na prestação de contas de Nahim com nota sem recibo para Rosinha, que não declarou a doação, fornecida por Mauro Silva, ex-secretário de um e atual secretário do outro, e o mesmo que já figurou como proprietário do jornal O Diário e Rádio Diário FM, terá na eventual reabertura do inquérito federal que apura a real propriedade desses veículos de comunicação. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
“As Meninas de Guarus” - Uma história sórdida
18/11/2010 | 11h55
[caption id="attachment_424" align="aligncenter" width="591" caption="Exemplares da Revista Somos Assim com reportagens sobre o caso das "Meninas de Guarus" solicitados pelo deputado Geraldo Pudim"][/caption] O assunto, infelizmente, é compulsoriamente velho, mas a vereadora Odisséia Carvalho novamente denunciou na Câmara de Vereadores que está havendo exploração sexual de crianças em Campos. Todo mundo já está careca de saber que o combate à pedofilia em Campos poderia ter avançado grandes passos se o inquérito sobre uma rede de prostituição e exploração sexual de menores, caso tristemente famoso como “As Meninas de Guarus”, envolvendo drogas, prostituição, extorsão e homicídios, a cargo do Ministério Público Estadual (MPE), sob a tutela do promotor Leandro Manhães, que apesar de já ter feito aniversário de um ano do prazo dado por ele para indiciar os envolvidos, tivesse mostrado resultados proporcionais ao logo tempo dessa investigação. Agora, quem vai colocar fogo nessa história cabeluda é o deputado Pudim, que pretende levar a denúncia para outras e váriadas instâncias em Brasília. Para tanto, já solicitou exemplares de todas as edições da revista Somos Assim que investigaram o assunto. Nem tudo pode ser publicado pela revista por segredo de justiça, como o nome dos envolvidos, alguns de alto escalão, mas isso só vale até os suspeitos serem indiciados. Se forem...
Comentar
Compartilhe
Vereadora cassada dá “Abraço de Afogado” no prefeito de SFI Beto Azevedo
09/11/2010 | 09h31
[caption id="attachment_347" align="aligncenter" width="510" caption="O jornalista Paulo Noel e a vereadora cassada Adriana Coelho, na Rádio São Francisco FM"][/caption] Em entrevista ao jornalista Paulo Noel, no programa “São Francisco é Notícia”, na Rádio São Francisco FM, a vereadora cassada Adriana Coelho (PDT), agradeceu aos seus 1078 eleitores que, segundo ela, “não jogaram voto fora”, e garantiu que “tudo não passa de perseguição política” e que não usou combustíveis para compra de votos. “O que aconteceu foi uma busca e apreensão em um posto de combustíveis onde foram apreendidos tickets no valor de R$256 reais, doação, para minha campanha”. Para justificar a perseguição alegada, ela deu um verdadeiro “Abraço de Afogado” nos rivais ao frisar a existência de dois processos parecidos com o dela contra o atual prefeito Beto Azevedo e o vereador Sergio Elias. “Gostaria que a justiça que foi feita para mim, seja feita também para o prefeito e o vereador Sergio Elias”.
Comentar
Compartilhe
Uenf vai adaptar por R$576 mil, prédio de R$ 878 mil que ainda nem acabou de construir
13/11/2010 | 03h14
Tudo muito estranho: prédios muito semelhantes, preços bem diferentes Após estranhamente licitar dois quiosques idênticos por preços diferentes, a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) está construindo dois prédios, aparentemente iguais, por preços com uma diferença descomunal. O primeiro dos edifícios seria para integração das unidades Genômica, Proteômica e Metabolômica, no valor de R$ 537.846,86. O segundo, aparentemente idêntico ao primeiro, é conhecido como P9 e, inicialmente, era destinado a abrigar o Espaço da Ciência, e vai custar bem mais caro, R$878.412,02. Uma diferença de cerca de 340 mil reais. [caption id="attachment_393" align="aligncenter" width="756" caption="As placas jogadas no chão mostram o preço das obras"][/caption] Obra inacabada já vai passar por adaptação de 576 mil reais Curiosamente, embora o último prédio tenha sido bem mais caro, ele também foi construído sem instalação elétrica e hidráulica. Esta falta de planejamento levou a Uenf a divulgar mais um estranho edital de licitação de alto valor, dessa vez de R$ 576.391,77, sob a alegação de adaptação do prédio P9, cujas obras iniciais sequer foram concluídas. Com essa surpreendente licitação para adaptação, a conclusão das obras do prédio terá um custo global de cerca de 60% a mais do que o inicialmente previsto, dentro dos R$ 878.412,02. No total, o P9 custará R$ 1.454.803,70. Isso, claro, se não forem divulgadas novas licitações para a obra, ainda por terminar. Como o caso dos prédios muito se assemelha ao caso dos quiosques, objeto de investigação por parte do MP, certamente o Ministério Público requisitará informações ao reitor Almy Jr. para que explique o porquê da diferença de valores. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Uenf em chamas
24/11/2010 | 01h01
O movimento estudantil da Uenf lacrou ontem a instituição numa atitude sem precedentes nos 17 anos de sua história. O motivo para essa manifestação não foi apenas apoiar a campanha salarial dos professores, mas também para exigir a finalização da construção do polêmico “Bandejão”, a existência de um alojamento e a melhoria das condições de ensino, inclusive com a exigência de mais concursos para professores.  A ação dos estudantes começou às 06 horas da manhã e só foi encerrada após o anoitecer quando começou a chover. Enquanto isto, na cidade do Rio de Janeiro, o secretário Alexandre Cardoso se recusou a receber a representante do Diretório Central dos Estudantes que acompanhou a delegação formada por professores e técnicos que foram até a Secretaria de Ciência e Tecnologia para discutir uma saída para o impasse salarial que hoje causa uma grande evasão de profissionais que saem da Uenf atraídos por melhores salários. Durante a reunião o secretário Alexandre Cardoso aventou a possibilidade de estender aos docentes os 22% de reposição que foram concedidos aos servidores técnico-administrativos em junho de 2010, e também falou da possibilidade da criação de uma bolsa que teria uma vigência máxima de 12 meses, tempo que seria utilizado para criar uma política salarial que servisse para as três universidades estaduais fluminenses. Mas Alexandre Cardoso não soube estipular quais valores que seriam praticados por esta bolsa ou tampouco quais seriam os critérios que teriam de ser cumpridos para que os professores possam pleiteá-la. Além disso, Alexandre Cardoso pediu um prazo de 10 dias para poder acertar os detalhes com o governador Sérgio Cabral. Para que isto ocorra, contudo, o secretário de Ciência e Tecnologia apresentou a exigência de que as atividades continuem normalmente dentro da Uenf. Para o presidente da Aduenf, Prof. Marcos Pedlowski, o resultado da reunião foi desapontador, na medida em que após quase dois anos de tentativas de solucionar o problema, o governo do estado continua sem uma proposta objetiva para resolver os problemas salariais que estão na base da crise que abala a Uenf neste momento. E, pior, ao se negar a receber a representante do DCE, Alexandre Cardoso demonstrou uma total indisposição ao diálogo com os principais interessados em que o modelo institucional da Uenf criado por Darcy Ribeiro não seja consumido em chamas.
Comentar
Compartilhe
Colaboração transversa
04/11/2010 | 01h09
Dizem que o prefeito interino Nelson Nahim fica feliz e até incentiva que sejam feitas algumas denúncias sobre determinados setores da administração municipal, pois isso facilitaria a retirada das “pedras no seu sapato” herdadas do governo Rosinha. O mais interessante nessa história é que, em caso de retorno de Rosinha, vai cair muito mais gente ainda... Se ela voltar, deverá passar a foice em uma legião de ingratos. Ou seja, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come...
Comentar
Compartilhe
Colaboração transversa
04/11/2010 | 01h09
Dizem que o prefeito interino Nelson Nahim fica feliz e até incentiva que sejam feitas algumas denúncias sobre determinados setores da administração municipal, pois isso facilitaria a retirada das “pedras no seu sapato” herdadas do governo Rosinha. O mais interessante nessa história é que, em caso de retorno de Rosinha, vai cair muito mais gente ainda... Se ela voltar, deverá passar a foice em uma legião de ingratos. Ou seja, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come...
Comentar
Compartilhe
SJB entre o progresso do Porto e o atraso da briga de galos
20/11/2010 | 01h58
Não é de hoje que as chamadas brigas de galo vêm preocupando as autoridades de todo o País. Sua prática constitui crime de crueldade contra os animais previsto no artigo 32 da Lei nº 9605/98, cuja pena vai de 03 (três) meses a 01 (um) ano de detenção, além do pagamento de multa. A pena sofre aumento se ocorre morte do animal. Além de constituir também contravenção penal de jogo de azar, prevista no artigo 50 do Decreto-lei nº 3688/41, com pena de prisão simples de 03 (três) meses a 01 (um) ano, além da multa e perda dos móveis e objetos decorativos do local. A Constituição Federal no artigo 225, § 1º, inciso VII, determina ao Poder Público a proteção da fauna e flora, vedando, na forma da lei, as práticas que submetam os animais à crueldade. Mesmo assim, nossos Tribunais dão conta de que é grande o número de pessoas que insistem com o que chamam erroneamente de “prática esportiva” de brigas de galos, e até existem aqueles que se especializam na exploração da crueldade, criando e vendendo esses animais com altíssimos lucros. Para surpresa de muitos e preocupação de poucos, esta semana a Somos Assim traz matéria mostrando a existência de centros de criação e treinamento de galos de briga, criados para sofrer do nascimento à morte, mantidos no centro daquela cidade. Uma missão para os Cinco Cavaleiros do Apocalipse Certamente, diante dessa reportagem, comprovada fotograficamente, a Câmara Municipal de São João da Barra, que tem a nobre missão de zelar pelo cumprimento das leis, até as de postura, que não permitem a criação comercial de animais no perímetro urbano, e também as outras leis de proteção ambiental, bem mais sérias, que não permitem a crueldade contra os animais, irá tomar uma posição firme para dar um basta nessa situação. A São João da Barra do futuro, do progresso, do super Porto do Açu e de projeção mundial, não merece ter a sua imagem associada ao atraso da crueldade para com os animais, para o simples entretenimento humano. A Somos fotografou dois centros especializados na criação e treinamento de galos de briga, instalados dentro da cidade de São João da Barra, um na Rua Artur Bernardes de Almeida, esquina com a Rua Ana Souza Paes, na Água Santa, e o outro na Rua Rizzio da Graça Raposo, na Chatuba, como mostram as fotos. O material colhido poderá ser bastante útil ao Ministério Público e aos cinco vereadores de SJB que, recentemente, mostraram bastante preocupação com a questão ambiental: o presidente da Câmara vereador Alexandre Rosa, e os vereadores Gersinho, Kaká e Franquis e, um dos mais atuantes, o vereador “Camarão” que, temos certeza, tomará providências imediatas para fechar os dois centros de criação e treinamento de galos de briga, uma atividade altamente lucrativa, que produz os animais que, do nascimento à morte, são  submentidos a crueldades. E, como se galos e galinhas não sofressem o bastante com a cruel exploração humana em fazendas de ovos e carne, eles ainda são vítimas dessa prática brutal. Haja sangue frio para se entreter com duas aves batalhando até a morte. Se os cinco vereadores que defenderam tão arduamente o interesse ambiental no caso do Porto, especialmente “Camarão”, que já carrega um apelido que remete à fauna, mostrarem o mesmo empenho para impedir que indefesos animais sejam dolorosamente sacrificados por diversão e lucros com apostas, em breve esta crueldade não terá mais espaço no município de São João da Barra. Uma ação dessa natureza será aplaudida por aqueles que os elegeram. Saiba mais AQUI. ATUALIZAÇÃO: Se algum leitor fotografar a retirada dos galos ou a chegada do Ibama nessa manhã de domingo, por favor, nos envie as fotos ATUALIZAÇÃO II: Flagrante em rinha de galo prende 77 pessoas em Itaperuna
Comentar
Compartilhe
Catarinenses lamentam perda do estaleiro para São João da Barra
22/11/2010 | 12h39
[caption id="attachment_481" align="aligncenter" width="544" caption="O prefeito de Biguaçu, José Castelo Deschamps, e o projeto do estaleiro que perderam para São João da Barra"][/caption] Enquanto aqui tem gente que reclama, em Santa Catarina tem gente que chora. O prefeito do município catarinense de Biguaçu, que perdeu o Estaleiro OSX/Hyundai para São João da Barra, José Castelo Deschamps, começou assim o seu pronunciamento pela perda do mega investimento: “A emoção superou a razão” “Hoje é um dia muito triste para o estado de Santa Catarina e, em especial, para o povo biguaçuense, que acaba de perder a oportunidade de sediar o maior empreendimento náutico da América Latina, capaz de empregar 14 mil pessoas e garantir emprego e renda para muitas gerações, sem prejudicar o meio ambiente, pois todos os estudos científicos comprovavam que as medidas mitigadoras propostas pelo projeto seriam eficazes”. Em outro trecho: “Biguaçu sofre muito neste momento, mas não vai sumir do mapa nem entregar os pontos apenas porque perdeu a oportunidade de sediar um grande investimento. Vamos continuar trabalhando para garantir o desenvolvimento sustentável da nossa cidade, pois acreditamos na capacitação profissional e na força de trabalho e de superação do nosso povo. Perdemos uma batalha, mas não vamos perder a guerra para superar o pessimismo e vencer o fanatismo, os preconceitos e os erros que nos impuseram esta lastimável experiência”. Veja o pronunciamento na íntegra Aqui: Lojistas de Santa Catarina também lamentam perda do porto. O Presidente da Federação das CDLs (FCDL SC), Sergio Medeiros, declarou, "A decisão da empresa representa um grande prejuízo para o estado, especialmente pelo investimento programado. "É preciso mudar a visão de que os empreendedores só querem destruir". Veja Aqui.
Comentar
Compartilhe
Vereadora cassada dá “Abraço de Afogado” no prefeito de SFI Beto Azevedo
09/11/2010 | 09h31
[caption id="attachment_347" align="aligncenter" width="510" caption="O jornalista Paulo Noel e a vereadora cassada Adriana Coelho, na Rádio São Francisco FM"][/caption] Em entrevista ao jornalista Paulo Noel, no programa “São Francisco é Notícia”, na Rádio São Francisco FM, a vereadora cassada Adriana Coelho (PDT), agradeceu aos seus 1078 eleitores que, segundo ela, “não jogaram voto fora”, e garantiu que “tudo não passa de perseguição política” e que não usou combustíveis para compra de votos. “O que aconteceu foi uma busca e apreensão em um posto de combustíveis onde foram apreendidos tickets no valor de R$256 reais, doação, para minha campanha”. Para justificar a perseguição alegada, ela deu um verdadeiro “Abraço de Afogado” nos rivais ao frisar a existência de dois processos parecidos com o dela contra o atual prefeito Beto Azevedo e o vereador Sergio Elias. “Gostaria que a justiça que foi feita para mim, seja feita também para o prefeito e o vereador Sergio Elias”.
Comentar
Compartilhe
Câmara de São João da Barra deixa dúvidas até em nota oficial para explicar obras
25/11/2010 | 05h22
[caption id="attachment_502" align="aligncenter" width="755" caption="A única indicação de obras na Câmara de São João da Barra era um pedaço de papel na porta avisando que estavam em obras. Nada de responsável técnico, nome da empresa valores etc. Isso não é dispensável por conta de valores."][/caption] NOTA OFICIAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA ENVIADA À REVISTA SOMOS ASSIM Em virtude da matéria publicada no último domingo, dia 21, intitulada “Câmara Municipal de São João da Barra faz obras que deixam dúvidas na população”, o presidente da Casa Legislativa, Alexandre Rosa, esclarece que nas obras realizadas no plenário e na plateia foram gastos R$ 14.345,00, valor este que dispensa o uso de licitação, conforme prevê o artigo 24, I, da Lei 8666/93. O trabalho realizado pela Câmara Sanjoanense têm sido feito com total transparência através de seu atual presidente, que desde que assumiu vem organizando administrativamente a Casa Legislativa, já que gastos desnecessários e duvidosos foram encontrados na mesma. Em relação à Câmara Itinerante, o presidente esclarece que de acordo com o Regimento Interno desta Casa é permitido que o programa seja realizado uma vez por mês. É importante ressaltar que todas são marcadas anteriormente, o que coincidiu com o feriado do dia 15 de Novembro seguido da Câmara Itinerante, já agendada para o dia 18, possibilitando assim, a realização da obra. Câmara Municipal de São João da Barra Assessoria de Imprensa RESPOSTA DA SOMOS ASSIM Favor enviar o certificado técnico da empresa e do responsável técnico pela obra emitidos pelo CREA, a ordem de serviço com três orçamentos exigidos por lei e a planilha orçamentária com todos os itens da obra (material e mão de obra), foto da placa de identificação da obra com o nome da EMPRESA, do responsável técnico e valores. Esses itens não são dispensados por conta do valor. Teremos o maior prazer de publicar junto com a nota desse e-mail, para mostrar que na Câmara Municipal de São João da Barra tudo é feito dentro da lei e com transparência. Aguardo retorno, Esdras Editor da Somos Assim
Comentar
Compartilhe
Um reitor à beira de um ataque de nervos
30/11/2010 | 06h53
O ofício do Ministério Público Federal nº 954/2010, referente ao Inquérito Civil Público 1.30.002.000052/2009-18, dirigido a poucos dias ao reitor da Uenf, Almy Junior, parece ter deixado o magnífico reitor à beira de um ataque de nervos. Mas o sério documento apenas requisita indispensáveis informações sobre a contratação, remuneração e dispensa de pessoal para execução de convênios pelas Fundações, se os profissionais pertencentes ao quadro da Uenf também são remunerados pelas Fundações, e a que título. O professor Almy nem precisava ficar nervoso. Um pedido desses não é nada que, certamente, o magnífico reitor, que pregou hoje em seu artigo na Folha a observância de mínimos padrões éticos por parte de maus jornalistas e a clareza nos financiamentos dos órgãos de comunicação, não possa responder com a maior tranquilidade sobre o financiamento das Fundações e o padrão mínimo de ética na execução dos convênios da universidade que dirige. Temos certeza de que ele dará uma resposta à altura do requerimento do Ministério Público Federal.
Comentar
Compartilhe
820.864,39 reais por barraca da 6ª Bienal do Livro na inadequada Praça de São Salvador
05/11/2010 | 01h34
[caption id="attachment_312" align="aligncenter" width="756" caption="Barraca na Praça de São Salvador é uma agressão ao principal cartão posta de Campos"][/caption] Estranha opção A promoção de eventos culturais do porte da 6ª Bienal do Livro em Campos é louvável, mas o que não para entender é a realização do evento em uma grotesca barraca montada em plena Praça de São Salvador, violentando nosso principal cartão postal, levando caos ao trânsito e trazendo todo tipo de transtorno para o já tumultuado Centro, quando a cidade conta com um belo pavilhão coberto na Fundação Rural de Campos, com toda a estrutura necessária, fácil acesso, farto estacionamento, banheiros, portaria etc... Além do mais, a realização de eventos ali é sempre bem vinda, já que traz recursos para a tradicional entidade, que não tem fins lucrativos. Na escola de Brizola Há quem ache que a opção pelo local é mera imitação da velha prática utilizada por Brizola, que construiu a maioria dos seus famosos Cieps/Brizolões à beira de estradas e avenidas movimentadas para fazer propaganda do seu governo, fórmula agora copiada pelo presidente da Fundação Cultural ‘Oswaldo Lima’, Avelino Ferreira, para, entre outras coisas, mostrar trabalho. Vaidade, sempre ela... 820.864,39 reais por aluguel de barraca Mas também há quem ache que se fosse só isso ainda era menos mal, pois, o pior de tudo, é que o aluguel daquela “trapizonga” horrorosa montada na praça central da cidade, obstruindo a vista do nosso principal cartão postal, a Catedral de São Salvador, está custando aos cofres públicos incríveis R$820.864,39. Isso mesmo, oitocentos e vinte mil, oitocentos e sessenta e quatro reais e trinta e nove centavos do dinheiro público. Questão Fica a pergunta: por qual motivo você acha que teria sido montada ali a 6ª Bienal do Livro?
Comentar
Compartilhe
Cidinha Campos diz que Jonas Lopes preso vai lavar a sua honra
25/11/2010 | 12h47
[caption id="attachment_498" align="aligncenter" width="709" caption="Deputada Cidinha Campos"][/caption] “A CPI está cumprindo sua função, mesmo tendo sido sabotada, atrapalhada, como quiser denominar o que fizeram. Quanto ao Jonas, ele é o homem da vez na presidência do TCE, isso é notório, o que pra mim tanto importa, desde que seja preso, sendo presidente ou não, vai lavar minha honra”. “Antes tarde do que nunca. O que tem que ser feito é punir os responsáveis” (Deputada Cidinha Campos) Trechos da entrevista da deputada Cidinha Campos à repórter Dora Paula, da Folha da Manhã, publicada nessa quinta-feira, sobre a autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que permite que a Polícia Federal e o Ministério Público retomem as investigações sobre o suposto envolvimento de conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio de Janeiro no desvio de verbas públicas. As denúncias deflagraramm a Operação Pasárgada, há dois anos e também uma CPI na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que tinha Cidinha como uma das mais atuantes.
Comentar
Compartilhe
Cuidado ao escolher motel
04/11/2010 | 01h07
Mais uma vez corre forte, mas à boca pequena, que na hora de procurar um motel em Campos é melhor optar pelos tradicionais, ali na BR101, onde a privacidade dos clientes é garantida pela credibilidade angariada pelos anos de funcionamento e seriedade dos proprietários. Trocando em miúdos, é preciso muito cuidado para o seu ui, ui ui não virar sucesso em vídeo... Fique atento.
Comentar
Compartilhe
Odisséia quer Polícia Federal investigando Meninas de Guarus por conta das drogas
29/11/2010 | 06h39
[caption id="attachment_529" align="aligncenter" width="756" caption="Odisséia quer a Polícia Federal no caso das Meninas de Guarus que envolve pedofilia, homicídios, poder e drogas pesadas"][/caption] As autoridades locais estão sendo firmemente cobradas para dar um fim à pedofilia em Campos. Em poucos dias, além do deputado Geraldo Pudim levar para Brasília (CPI da Pedofilia, Comissão dos Direitos Humanos e Ministério da Justiça) a cobrança pela conclusão do inquérito que há mais de dois anos investiga o sórdido caso das “Meninas de Guarus”, ontem a vereadora Odisséia Carvalho oficiou ao delegado Federal Paulo Cassiano para que seja apurada a denúncia de que hotéis do centro de Campos estariam sendo utilizados para prática de prostituição. O que a Polícia Federal tem com isso? Segundo a vereadora, quando as autoridades municipais e estaduais não tomam as devidas providências, as autoridades federais podem legalmente entrar no circuito. Também esta semana, ela se reúne com o delegado Federal Paulo Cassiano levando toda a documentação que conseguiu reunir sobre o caso das Meninas de Guarus que, além de pedofilia, homicídios e extorsão, envolve drogas pesadas. Este último quesito de jurisdição inquestionável da Polícia Federal.
Comentar
Compartilhe
Juiz cassa vereadora de São Francisco por compra de votos
08/11/2010 | 07h56
O Juiz da 130ª Zona Eleitoral de São Francisco do Itabapoana. Dr. Leonardo Cajueiro D`Azevedo, acaba de cassar o mandato da vereadora Adriana Coelho (PDT) por captação ilícita de sufrágio e abuso de poder econômico, ou seja, a popular por compra de votos. De quebra, a vereadora também levou uma multa de 15 mil reais e oito anos de inelegibilidade.  Assume, o suplente José Pinto, conhecido como “Pintinho”. A sentença também deixa inelegíveis por oito anos o ex-vereador e candidato a prefeito por SFI nas eleições passadas, Fauazi Ribeiro Cherene (também com multa de 15 mil reais) e Luciano Pessanha da Mata. O Ministério Público moveu a ação acusando Adriana de abuso do poder econômico e captação ilícita de sufrágio por distribuição de gasolina durante o pleito. A vereadora ainda pode recorrer da decisão que é de 1ª instância.
Comentar
Compartilhe
Definição do Estaleiro do Açu vai agitar o mercado nessa quarta
16/11/2010 | 10h39

Essa é para quem torce pelo progresso da região dormir feliz e para quem é contra perder o sono. Sintomaticamente, após o presidente da Hyundai Heavy Industries (HHI), Jai Seong Lee, visitar o Super Porto do Açu, em uma reunião de diretoria da OSX, por volta das 19h, no Rio de Janeiro, foi batido o martelo: o estaleiro do grupo será, irreversivelmente, instalado no Açu. A notícia foi oficializada ao mercado.

O estaleiro terá um píer de 2,4 mil metros e será 70% maior que o desenho original do projeto, que a empresa pretendia construir em Biguaçu (SC), segundo relato da OSX à Comissão de Valores Mobiliários.

Segundo o plano de negócios da companhia ela poderá processar 180 mil toneladas de aço por ano em sua fase inicial, podendo ser expandida até a 460 mil toneladas.

A construção do estaleiro, da qual participará a sul-coreana Hyundai, dona de 10% do capital da OSX, deverá movimentar US$ 1,7 bilhão segundo os planos iniciais da empresa.

Os estudos de impacto ambiental estão em "fase avançada de análise técnica" por parte das autoridades competentes, o que faz empresa aguardar o licenseamento para abril de 2011.

A OSX explicou na nota ao mercado que decidiu instalar o estaleiro no Rio de Janeiro pela possibilidade de ampliar o píer, que poderia chegar até 3.525 metros e a possibilidade de oferecer mais serviços, incluindo reparos para outras empresas do setor, por estar localizado no complexo industrial de Porto do Açu, que também é de propriedade de Eike Batista.

O complexo industrial, atualmente em construção, abrigará várias empresas siderúrgicas, cimenteiras, metalúrgicas, um terminal portuário para o embarque de ferro e carvão, entre outras empresas.

Comentar
Compartilhe
Caminhão da Prefeitura abastece obra particular em condomínio de luxo
06/11/2010 | 03h12
Flagrante Após o surpreendente desvio de bloquetes da obra de reforma da praça de Travessão, denunciado com fotos por um leitor da Somos, mais uma denúncia fotográfica envolvendo a prefeitura de Campos. Desta vez, outro leitor da revista Somos flagrou um caminhão oficial da prefeitura transportando material para uma obra particular localizada em um terreno no interior do luxuoso Condomínio Granja Corrientes, no bairro da Pecuária. Nas fotos enviadas pelo leitor à redação da revista, o caminhão placa branca oficial LOY 3199 pode ser visto descarregando material em uma obra particular no condomínio. De acordo com o que foi posteriormente apurado no local pela equipe da revista Somos junto a moradores que não quiseram se identificar, o proprietário da obra é funcionário da prefeitura e é visto com frequência vistoriando a sua obra dentro do condomínio, também utilizando um veículo de passeio oficial da prefeitura. Caso uma investigação judicial comprove oficialmente os fatos, além do eventual crime de peculato de que pode ser acusado o proprietário da obra e funcionário da prefeitura, o responsável por inibir tal conduta, no caso o prefeito interino Nelson Nahim, também poderá responder por improbidade administrativa, segundo a lei 8429/92: “Art. 10. Saiba mais sobre o surpreendente flagrante, aqui.
Comentar
Compartilhe
Pudim: "vou apurar o caso das 'Meninas de Guarus' doa a quem doer"
19/11/2010 | 04h02
Há poucos minutos, o deputado Federal Geraldo Pudim garantiu pessoalmente a esse blogueiro, em seu gabinete, que não é candidato a prefeito de Campos. Segundo ele, seus planos são organizar o partido e futuramente retornar ao Congresso Nacional. Em relação à pedofilia em Campos, disse que só tomou conhecimento da crueldade e da dimensão do que está acontecendo agora, principalmente no episódio das “Meninas de Guarus”. Ele também declarou que vai levar o caso para a CPI da Pedofila, presidida pelo Senador Magno Malta (PR/ES), e para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias (CDHM), presidida pela deputada Iriny Lopes (PT/ES). Ele garante que vai lutar pela apuração dos fatos e dos envolvidos, seja quem for e doa a quem doer: “até se for o meu irmão. Quem fez a sua escolha tem que pagar por ela”.
Comentar
Compartilhe
Pudim: "vou apurar o caso das 'Meninas de Guarus' doa a quem doer"
19/11/2010 | 04h02
Há poucos minutos, o deputado Federal Geraldo Pudim garantiu pessoalmente a esse blogueiro, em seu gabinete, que não é candidato a prefeito de Campos. Segundo ele, seus planos são organizar o partido e futuramente retornar ao Congresso Nacional. Em relação à pedofilia em Campos, disse que só tomou conhecimento da crueldade e da dimensão do que está acontecendo agora, principalmente no episódio das “Meninas de Guarus”. Ele também declarou que vai levar o caso para a CPI da Pedofila, presidida pelo Senador Magno Malta (PR/ES), e para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias (CDHM), presidida pela deputada Iriny Lopes (PT/ES). Ele garante que vai lutar pela apuração dos fatos e dos envolvidos, seja quem for e doa a quem doer: “até se for o meu irmão. Quem fez a sua escolha tem que pagar por ela”.
Comentar
Compartilhe
48 milhões só para fazer faxina para prefeitura de Campos
27/11/2010 | 03h49
Sai prefeita cassada, entra prefeito interino e o show dos milhões continua a todo vapor. Sob o domínio do populismo messiânico da Lapa, Campos virou um verdadeiro Eldorado para empresas de fora especializadas em vencer licitações públicas. Desde 2009, com a ascensão da prefeita cassada Rosinha Garotinho e sua equipe que continua atuando com o mesmo modus operandi no governo do prefeito interino Nelson Nahim, uma empresa em especial está faturando milhões em contratos com a prefeitura de Campos. Trata-se da Nova Rio Serviços Gerais Ltda CNPJ: 29212545/0001-43. Entre as licitações vencidas por esta empresa na cidade está a famosa terceirização da faxina, cujo contrato foi celebrado no valor e R$ R$36.781.068,60 por doze meses de serviços. A homologação desta licitação foi realizada em setembro de 2009. Pouco tempo depois, em janeiro, a Nova Rio venceu mais um pregão milionário: R$ 11.260.601,94 para a prestação de serviços de apoio operacional, incluindo alocações de funções de apoio administrativo para assessoramento (?) de diversos órgãos durante 12 meses. A verdadeira “bolada” paga à empresa por apenas esses dois contratos é de incríveis R$48.041670,54. Se o MP não intervir, pode haver prorrogação de 60 meses Como tudo que é ruim sempre pode piorar, se não houver qualquer interferência judicial, como Ação Civil impetrada por popular ou pelo próprio Ministério Público, os contratos poderão ser prorrogados sem questionamentos em até 60 meses, tendo em vista o que dispõe a Lei de Licitações e Contratos, em seu art. 57, II: “Art. 57.  A duração dos contratos regidos por esta Lei ficará adstrita à vigência dos respectivos créditos orçamentários, exceto quanto aos relativos: II - à prestação de serviços a serem executados de forma contínua, que poderão ter a sua duração prorrogada por iguais e sucessivos períodos com vistas à obtenção de preços e condições mais vantajosas para a administração, limitada a sessenta meses; (Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)” Preços chamam a atenção de advogado O que mais chama a atenção nos sucessivos processos licitatórios vencidos pela Nova Rio Serviços Gerais Ltda em Campos é que, no caso da terceirização da faxina, o preço acordado entre a empresa e a prefeitura é muito superior ao que outros órgãos públicos pagam pelo mesmo serviço. Um bom exemplo disso foi levantado pelo advogado e blogueiro Cléber Tinoco. Em seu blog, Tinoco compara o preço que a prefeitura está pagando por m² na licitação da faxina e o que a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) pagou. Segundo o blogueiro, Fábio Ribeiro, Secretário de Administração, declarou à Folha da Manhã que seriam terceirizados cerca de 1.200 postos de trabalho, “um número considerado bastante alto se levado em conta a área do serviço. À guisa de comparação, a Uenf, em contrato semelhante, assinado em 01/09/2007 e com vigência de 2 anos, despendeu um pouco mais de 2 milhões de reais para limpeza de 80.184,93 m2”, pondera o advogado. Só uma parte dava para pagar todos os profissionais do HGG e ainda sobrava dinheiro Outra comparação trazida pelo blogueiro é que, de acordo com o site da PMCG, nos primeiros oito meses de governo foram gastos R$ 26 milhões com os salários de todos os profissionais das áreas médica e administrativa lotados no HGG. Além disso, os 2.300 contratados mantidos pelo TAC, que atuam nas UBS’s do município, receberam salários que totalizaram R$ 16 milhões entre janeiro e agosto deste ano. Portanto, os recursos carreados para a grande limpeza (quase R$ 37 milhões/ano) dariam para pagar os salários de todos os profissionais do HGG por quase um ano ou de todos os 2.300 contratados das UBS’s por um ano e meio, com sobra de 781 mil reais. Ministério Público pagou bem menos por serviço semelhante Uma terceira comparação bem elucidativa é com a licitação promovida pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro para serviços de limpeza e conservação predial. Com base na declaração do Secretário de Administração Fábio Ribeiro de que seriam 1200 contratados na terceirização da faxina, é possível fazer um cálculo com base no que o MPE pagou por cada funcionário seu, de acordo com a estimativa dos custos com cada auxiliar de serviços gerais disponibilizada no site oficial. Nela, o valor estimado foi de R$ 1.726,41 por cada auxiliar de serviços gerais. Se multiplicarmos este valor pelos 1200 trabalhadores terceirizados, teríamos como resultado: R$ 2.071.692,0 por mês. Portanto, se multiplicarmos este valor pelo período de 12 meses, teremos: R$ 24.860.304,0. No entanto, o valor que está sendo pago pela prefeitura é de R$ R$ 36.781.068,60. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Uenf em chamas - Os três lados da moeda
26/11/2010 | 06h51
[caption id="attachment_508" align="aligncenter" width="756" caption="O governo do estado não oferece solução para a questão salarial dos servidores e professores, obras do “Bandejão”, moradia estudantil e política de bolsas estudantis"][/caption] No melhor estilo do "empate" que era realizado pelos seringueiros liderados por Chico Mendes para proteger os seringais no Acre, os estudantes dos estudantes da Uenf decidiram em assembléia impedir a realização de provas e aulas até que haja uma solução definitiva para a crise que se abate sobre a instituição. Esta decisão dos estudantes está colocando em polvorosa quem queria acalmar a situação impedindo o retorno dos professores a uma greve por tempo indeterminado. É que os estudantes entendem que não é correto que se imponha uma aparente normalidade através da realização de provas e aulas enquanto que tudo indica que os professores serão forçados a retornar ao processo de greve a partir do dia 06 de Dezembro. O interessante é que a imensa maioria dos professores está acatando a decisão dos estudantes e suspendendo aulas e provas, até porque esta maioria deles está disposta a repor aulas dentro do calendário estabelecido pela instituição e que deve fazer o semestre se esticar até fevereiro de 2011. Por outro lado, a resistência mais dura contra o boicote decidido pelos estudantes está partindo de professores que votaram recentemente contra a volta da greve. Ai faz sentido, pois quem não aceita que sua própria categoria entre em greve, mesmo sem qualquer oferta objetiva do governo estadual, não tem razão alguma para aceitar a decisão dos estudantes. [caption id="attachment_507" align="aligncenter" width="756" caption="As prioridades da Uenf não são as mesmas de alunos e professores"][/caption] Mas uma coisa é certa.  A partir deste movimento dos estudantes, os representantes do governo do estado não vão mais poder usar este segmento como desculpa para impor a suspensão de greves na Uenf para negociar com os sindicatos. Aliás, melhor faria o governo do estado se resolvesse logo não apenas a questão salarial dos servidores e professores, mas também a questão do “Bandejão”, da moradia estudantil e da política de bolsas estudantis. Mas para isto teremos que ter um compromisso sério com a sustentabilidade financeira da instituição, cujo orçamento só faz definhar nos últimos 10 anos. É ai que mora o problema!
Comentar
Compartilhe
João Peixoto - Açougueiros: uma história de carinho e gratidão
13/11/2010 | 02h59
Quando colhia as informações iniciais para fazer uma matéria especial sobre o abate clandestino de gado no interior de Campos, a equipe da Somos foi surpreendida por uma história de carinho e gratidão que um grupo de micro-empresários de Santa Maria de Campos nutre pelo recém-reeleito deputado estadual João Peixoto. Segundo moradores, João é frequentador de longa data da comunidade, mas recentemente a atuação do deputado ajudou de modo especial aos dez empresários que, segundo um deles, há cerca de três meses, por estarem mal informados, foram presos por estar praticando o abate clandestino de gado naquela região. Segundo relatou emocionado o açougueiro Ivan Machado, o proprietário de um frigorífico de Itaperuna denunciou à polícia daquele município que açougueiros de Santa Maria de Campos estariam fazendo abate clandestino de gado, o que teria desencadeado uma operação policial que os levou presos para Itaperuna. Naquele município, segundo o relato, teria ficado estabelecido que a fiança para a soltura dos dez presos seria de R$ 20 mil. Ivan Machado, que já havia trabalhado para campanhas eleitorais de João Peixoto, teria, segundo relatou à nossa equipe, entrado em contato com o então candidato à reeleição como deputado estadual que, prontamente, teria deixado de lado as suas ocupações e atribulações da campanha eleitoral para atender ao chamado do grupo de açougueiros, viajando imediatamente para Itaperuna, e lá teria conseguido reduzir a fiança para R$ 4 mil, quantia que, segundo Ivan, foi paga por ele para todo o grupo. De acordo com Ivan, após a prisão, ele e os outros açougueiros da região não voltaram a realizar o abate clandestino. E agora seguem legalmente com os seus negócios, por ironia, adquirindo a carne do frigorífico de propriedade do empresário que os teria denunciado. Menos Ivan Machado que, magoado, passou a abastecer seu açougue com carne de frigoríficos outros que atendem à praça de Campos. Veja na edição AQUI, o diálogo transcrito da gravação da entrevista telefônica, onde o pequeno empresário Ivan Machado relata como tudo aconteceu.
Comentar
Compartilhe
Câmara de São João da Barra deixa dúvidas até em nota oficial para explicar obras
25/11/2010 | 05h22
[caption id="attachment_502" align="aligncenter" width="755" caption="A única indicação de obras na Câmara de São João da Barra era um pedaço de papel na porta avisando que estavam em obras. Nada de responsável técnico, nome da empresa valores etc. Isso não é dispensável por conta de valores."][/caption] NOTA OFICIAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA ENVIADA À REVISTA SOMOS ASSIM Em virtude da matéria publicada no último domingo, dia 21, intitulada “Câmara Municipal de São João da Barra faz obras que deixam dúvidas na população”, o presidente da Casa Legislativa, Alexandre Rosa, esclarece que nas obras realizadas no plenário e na plateia foram gastos R$ 14.345,00, valor este que dispensa o uso de licitação, conforme prevê o artigo 24, I, da Lei 8666/93. O trabalho realizado pela Câmara Sanjoanense têm sido feito com total transparência através de seu atual presidente, que desde que assumiu vem organizando administrativamente a Casa Legislativa, já que gastos desnecessários e duvidosos foram encontrados na mesma. Em relação à Câmara Itinerante, o presidente esclarece que de acordo com o Regimento Interno desta Casa é permitido que o programa seja realizado uma vez por mês. É importante ressaltar que todas são marcadas anteriormente, o que coincidiu com o feriado do dia 15 de Novembro seguido da Câmara Itinerante, já agendada para o dia 18, possibilitando assim, a realização da obra. Câmara Municipal de São João da Barra Assessoria de Imprensa RESPOSTA DA SOMOS ASSIM Favor enviar o certificado técnico da empresa e do responsável técnico pela obra emitidos pelo CREA, a ordem de serviço com três orçamentos exigidos por lei e a planilha orçamentária com todos os itens da obra (material e mão de obra), foto da placa de identificação da obra com o nome da EMPRESA, do responsável técnico e valores. Esses itens não são dispensados por conta do valor. Teremos o maior prazer de publicar junto com a nota desse e-mail, para mostrar que na Câmara Municipal de São João da Barra tudo é feito dentro da lei e com transparência. Aguardo retorno, Esdras Editor da Somos Assim
Comentar
Compartilhe
Nem os Cinco Cavaleiros do Apocalipse espantam o progresso da região
09/11/2010 | 12h59
[caption id="attachment_343" align="aligncenter" width="454" caption="A Ternium, do conglomerado Techint, pretende produzir 5,6 milhões de toneladas por ano de aço bruto no Açu"][/caption] Apesar da infeliz investida dos cinco vereadores sanjoanenses contra o progresso da região, aprovando uma polêmica lei, tida como inconstitucional, que transforma a área reservada para o futuro Distrito Industrial do Açu em área de interesse ambiental e rural, ao invés de lutar por melhores indenizações aos proprietários do 5º Distrito, em comunicado distribuído à imprensa nessa terça-feira (9/11/2010), a LLX mostra números do investimento no Açu que impressionam e afastam qualquer pessimismo em relação ao futuro do Super Porto do Açu: “No Superporto do Açu, em construção em São João da Barra (RJ), já foram investidos R$ 1,5 bilhão desde 2007 e setembro de 2010. Durante o terceiro trimestre deste ano, o investimento foi de R$ 182 milhões, aplicados principalmente na construção da ponte de acesso, do píer de rebocadores e do quebra-mar. ...No total serão investidos R$ 4,3 bilhões no Terminal Portuário Privativo de Uso Misto do Açu, sendo R$ 1,9 bilhão pela LLX Minas-Rio (responsável pela implantação do terminal portuário dedicado ao minério de ferro) e R$ 2,4 bilhões pela LLX Açu (responsável pela operação das demais cargas como produtos siderúrgicos, carvão, granéis líquidos e granito). ...A LLX já possui cerca de 60 memorandos de entendimento (MOUs) em negociação com empresas que querem se instalar ou movimentar cargas no Superporto do Açu. Em construção desde outubro de 2007, a previsão é que a operação do Superporto do Açu seja iniciada em 2012. ...Em setembro a LLX recebeu e Licença de Instalação para construção de uma Unidade de Tratamento de Petróleo (UTP) no Superporto do Açu. Com capacidade para tratamento de 1,2 milhão de barris por dia e capacidade estática para 13,5 milhões de barris. ...No mesmo mês, a companhia assinou com a Ternium um contrato para implantação de parque siderúrgico no Complexo Industrial do Superporto do Açu para produção prevista de 5,6 milhões de toneladas por ano de aço bruto. Também foram assinados dois contratos "take or pay" de longo prazo para serviços portuários para embarque de produtos siderúrgicos e desembarque. ...No mês de setembro, o Complexo Industrial do Superporto do Açu alcançou dois importantes marcos: a Licença de Instalação para uma Unidade de Tratamento de Petróleo e a assinatura de contratos com a Ternium para implantação de um pólo siderúrgico. Estes desenvolvimentos confirmam a vocação do Superporto do Açu como one stop shop da indústria de Petróleo e Gás e destino preferencial para a expansão no Brasil de empresas líderes setoriais”, destacou Otavio Lazcano, presidente da LLX".
Comentar
Compartilhe
Bienal na Fundação Rural seria grátis por contrato anual com PMCG
13/11/2010 | 05h26
A 6ª Bienal do Livro de Campos atraiu milhares de pessoas para o interior de uma enorme tenda montada em plena Praça São Salvador, com o público utilizando incômodos banheiros químicos, lutando por uma vaga para o carro por falta de estacionamento, e provocando congestionamentos no já tumultuado centro de Campos. Toda esta desconfortável situação poderia ser evitada se a Fundação Cultural, presidida por Avelino Ferreira, tivesse feito um bom planejamento do evento e efetuado um contato com antecedência razoável com a Fundação Rural de Campos, presidida pelo empresário Lulu Aguiar. A Fundação Rural de Campos conta com um enorme pavilhão coberto, além de toda a estrutura necessária para hospedar eventos do porte da Bienal, como vários conjuntos de banheiros em pontos estratégicos do parque, farto estacionamento, segurança, portarias, salas de apoio, linhas telefônicas e espaços fechados que poderiam ter sido utilizados para realização dos variados eventos da Bienal. O mais incrível dessa mal contada história da localização da 6ª Bienal é que, de acordo com Lulu Aguiar, a prefeitura já possuía um contrato de prestação de serviço com a Fundação que se estenderá até junho de 2011 para a realização de todos os eventos culturais da Prefeitura de Campos. Portanto, a hospedagem da Bienal seria sem custo adicional algum, apenas a montagem. E esta, muito mais simples e drasticamente mais barata, por conta da pré-existência de estrutura de apoio, sem necessidade de alugar a barraca de 820 mil reais, banheiros e etc. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
SJB entre o progresso do Porto e o atraso da briga de galos
20/11/2010 | 01h58
Não é de hoje que as chamadas brigas de galo vêm preocupando as autoridades de todo o País. Sua prática constitui crime de crueldade contra os animais previsto no artigo 32 da Lei nº 9605/98, cuja pena vai de 03 (três) meses a 01 (um) ano de detenção, além do pagamento de multa. A pena sofre aumento se ocorre morte do animal. Além de constituir também contravenção penal de jogo de azar, prevista no artigo 50 do Decreto-lei nº 3688/41, com pena de prisão simples de 03 (três) meses a 01 (um) ano, além da multa e perda dos móveis e objetos decorativos do local. A Constituição Federal no artigo 225, § 1º, inciso VII, determina ao Poder Público a proteção da fauna e flora, vedando, na forma da lei, as práticas que submetam os animais à crueldade. Mesmo assim, nossos Tribunais dão conta de que é grande o número de pessoas que insistem com o que chamam erroneamente de “prática esportiva” de brigas de galos, e até existem aqueles que se especializam na exploração da crueldade, criando e vendendo esses animais com altíssimos lucros. Para surpresa de muitos e preocupação de poucos, esta semana a Somos Assim traz matéria mostrando a existência de centros de criação e treinamento de galos de briga, criados para sofrer do nascimento à morte, mantidos no centro daquela cidade. Uma missão para os Cinco Cavaleiros do Apocalipse Certamente, diante dessa reportagem, comprovada fotograficamente, a Câmara Municipal de São João da Barra, que tem a nobre missão de zelar pelo cumprimento das leis, até as de postura, que não permitem a criação comercial de animais no perímetro urbano, e também as outras leis de proteção ambiental, bem mais sérias, que não permitem a crueldade contra os animais, irá tomar uma posição firme para dar um basta nessa situação. A São João da Barra do futuro, do progresso, do super Porto do Açu e de projeção mundial, não merece ter a sua imagem associada ao atraso da crueldade para com os animais, para o simples entretenimento humano. A Somos fotografou dois centros especializados na criação e treinamento de galos de briga, instalados dentro da cidade de São João da Barra, um na Rua Artur Bernardes de Almeida, esquina com a Rua Ana Souza Paes, na Água Santa, e o outro na Rua Rizzio da Graça Raposo, na Chatuba, como mostram as fotos. O material colhido poderá ser bastante útil ao Ministério Público e aos cinco vereadores de SJB que, recentemente, mostraram bastante preocupação com a questão ambiental: o presidente da Câmara vereador Alexandre Rosa, e os vereadores Gersinho, Kaká e Franquis e, um dos mais atuantes, o vereador “Camarão” que, temos certeza, tomará providências imediatas para fechar os dois centros de criação e treinamento de galos de briga, uma atividade altamente lucrativa, que produz os animais que, do nascimento à morte, são  submentidos a crueldades. E, como se galos e galinhas não sofressem o bastante com a cruel exploração humana em fazendas de ovos e carne, eles ainda são vítimas dessa prática brutal. Haja sangue frio para se entreter com duas aves batalhando até a morte. Se os cinco vereadores que defenderam tão arduamente o interesse ambiental no caso do Porto, especialmente “Camarão”, que já carrega um apelido que remete à fauna, mostrarem o mesmo empenho para impedir que indefesos animais sejam dolorosamente sacrificados por diversão e lucros com apostas, em breve esta crueldade não terá mais espaço no município de São João da Barra. Uma ação dessa natureza será aplaudida por aqueles que os elegeram. Saiba mais AQUI. ATUALIZAÇÃO: Se algum leitor fotografar a retirada dos galos ou a chegada do Ibama nessa manhã de domingo, por favor, nos envie as fotos ATUALIZAÇÃO II: Flagrante em rinha de galo prende 77 pessoas em Itaperuna
Comentar
Compartilhe
Caminhão oficial em obra particular - 60 dias para investigar o que está debaixo do nariz
11/11/2010 | 08h12
Nota oficial é vaga Desde que a Somos, esse blog e a Folha da Manhã divulgaram a denúncia de leitores de que um caminhão oficial da prefeitura de Campos estava sendo sistematicamente visto descarregando material em uma obra particular no interior do Condomínio Granja Corrientes, no bairro da Pecuária, o assunto ganhou grande repercussão na cidade. A revolta popular diante do caso foi sentida através do grande número de e-mails para a revista e das dezenas de comentários de protesto feito pelos leitores nesse blog. Diante disso, a Secretaria Municipal de Comunicação, divulgou uma nota oficial da Procuradoria do Município com a posição do governo municipal sobre a denúncia. Segundo a nota: “O Procurador Geral do Município, Francisco Pessanha Filho, informa que já foi aberto procedimento junto à Comissão de Sindicância e Inquérito para apurar os fatos envolvendo um veículo da frota de secretaria de Serviços Públicos, que teria sido utilizado para fins particulares. Se confirmado o ato, que não foi autorizado nem era do conhecimento de nenhuma autoridade municipal, os responsáveis serão punidos com as sanções administrativas cabíveis”. 60 dias para investigar o que todo mundo já sabe Ouvido por nossa equipe, o secretário de Serviços Públicos, Zacarias Albuquerque, declarou que o gabinete do prefeito encaminhou uma requisição à Comissão de Sindicância para que ela apure quais foram os responsáveis pelo desvio do caminhão. Segundo Zacarias, a Comissão tem prazo de 60 dias para concluir a investigação. “Quem fala sobre este assunto agora é a Comissão. Nenhuma das secretarias da prefeitura tem fiscalização sobre a frota de veículos. O que existe é o controle, feito através de relatórios”, afirmou o secretário. Para ajudar as investigações, a Somos dá uma pequena dica à Comissão: o proprietário do terreno é de funcionário de Secretária Municipal e seus nomes começam com B e A. Basta olhar o IPTU do terreno Caso realmente a prefeitura queira apurar os fatos para  punir todos os responsáveis, e não apenas o motorista do caminhão, basta seguir a sugestão de um leitor do blog e dar uma olhada no ITU do terreno e ver quem são os proprietários. Isso não demoraria nem meia hora. Depois disso, é só pedir ao síndico do Condomínio Granja Corrientes um relatório da portaria com as anotações de quais caminhões oficiais ferquentavam o local e quantas viagens de material fizeram. Quando se tem vontade de apurar é fácil e rápido. Ou não?
Comentar
Compartilhe
Tiririca leu e escreveu no TRE-SP
11/11/2010 | 04h56
[caption id="attachment_366" align="aligncenter" width="510" caption="Tirica saiu do TRE feliz da vida"][/caption] Tiririca, o deputado federal mais votado do Brasil, com 1,3 milhão de votos leu em escreveu na audiência realizada para apurar a veracidade de sua declaração de escolaridade, hoje no TRE-SP. Os professores de Tirica deveriam ser contratados pelo governo para aplicar o mesmo curso relâmpago para os milhões de analfabetos que ainda existem no país.
Comentar
Compartilhe
Obras da Câmara São da Barra deixam dúvidas na população
20/11/2010 | 01h54
A política, sempre ela..., não nos poupa de pequenas surpresas ou grandes ironias. Vejam só que interessante e inusitado, logo a Câmara de Vereadores de São João da Barra, controlada pela maioria de oposição ao governo da prefeita Carla Machado, bastante zelosa em seu justo papel de cobrar da administração municipal o cumprimento de todos os detalhes exigidos pela legislação que rege as obras públicas, logo ela não está exibindo a usual placa de discriminação, com valores, responsável técnico, empresa etc..., da obra que vem realizando em seu próprio prédio. Essa estranha contradição foi comprovada fotograficamente pela equipe da Somos na terça-feira, em visita às obras que a Câmara Municipal de São João da Barra, presidida pelo comerciante e vereador Alexandre Rosa, está realizando. Sem placa, sem transparência A não colocação da placa informativa da obra está levando a população da cidade a suspeitar de que a Carta Convite talvez ainda não tenha sido feita. Para esclarecer isso, a Câmara deveria divulgar imediatamente todos os passos que deu para a realização daquela obra, divulgando seus detalhes e a data da licitação, mesmo que na modalidade Carta Convite, para afastar quaisquer dúvidas sobre a legalidade da obra. Além do mais, para ficar dentro da lei, o Crea exige que também seja colocada a placa de responsável técnico que, por mais que nossa equipe procurasse, não encontrou no local, como mostram as fotos dessa matéria. Razões De acordo com as informações passadas por nossas fontes, a colocação de piso “porcelanato” no interior da Câmara está diretamente ligada à realização das dispendiosas sessões itinerantes da Câmara. Para que elas sejam realizadas, é necessário que haja o impedimento do uso das instalações da sede. Segundo o regimento interno da Câmara, há previsão que sejam realizadas duas sessões itinerantes durante o período legislativo. No entanto, essas sessões teriam que ser aprovadas pela plenária, o que não aconteceu, de acordo com nossas fontes. Ainda de acordo com informações de nossas fontes, nas últimas três sessões itinerantes feitas pela Câmara não havia nenhum impedimento. Portanto, a colocação de piso na Câmara teria por objetivo justificar a última sessão itinerante (na última quinta-feira). Essa é uma questão para ser minuciosamente analisada pelo Ministério Público. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Cuidado ao escolher motel
04/11/2010 | 01h07
Mais uma vez corre forte, mas à boca pequena, que na hora de procurar um motel em Campos é melhor optar pelos tradicionais, ali na BR101, onde a privacidade dos clientes é garantida pela credibilidade angariada pelos anos de funcionamento e seriedade dos proprietários. Trocando em miúdos, é preciso muito cuidado para o seu ui, ui ui não virar sucesso em vídeo... Fique atento.
Comentar
Compartilhe
Agenda do irmão de João Peixoto preso pela PF registra movimento de 550 mil reais
30/11/2010 | 10h16
[caption id="attachment_153" align="alignleft" width="300" caption="O futuro mandato de João Peixoto pode estar na corda bamba"][/caption] No dia 3 de outubro, durante as últimas eleições, o irmão do candidato João Peixoto, Agildo Alves Peixoto, foi preso em flagrante pela Polícia Federal por suspeita de comprar votos na localidade de Santa Ana, em Travessão (AQUI). Com ele foi apreendida uma agenda, anexada ao inquérito policial federal nº 0432/2010. Hoje à tarde, o blog teve acesso a uma cópia da agenda e, para nossa surpresa, ela registra uma movimentação de mais de meio milhão de reais distribuídos em várias anotações com nomes e módicos valores de 70 reais (muitas) a vultuosas quantias de 60 mil reais a 120 mil reais, totalizando cerca de polpudos 550 mil reais. Esses valores não foram relacionados na prestação de contas do deputado João Peixoto que só declarou R$21.951,76, não registrando doações de terceiros para a sua campanha eleitoral. As explicações do deputado João Peixoto serão cobradas pelo Tribunal Regional Eleitoral, através da Ação Judicial Eleitoral que será impetrada naquele tribunal, no Rio de Janeiro. [caption id="attachment_539" align="aligncenter" width="756" caption="Algumas páginas da agenda apreendida pela Polícia Federal com o irmão de João Peixoto"][/caption] As pessoas com  os nomes relacionados às quantias (muitos com números telefônicos ao lado e referências aos locais de trabalho, como Detran e órgãos municipais) deverão ser ouvidas pela Polícia Federal para exclarecer a origem dos pagamentos. Alguns nomes e apelidos são cômicos, como: Marcelo Bicha, Monstrinho, Ana Ururaí, Elmo Bronquite, Bizunga, Caboco Neto etc... Esses são alguns dos nomes engraçados, mas os sérios relacionam muita gente que ocupa cargos de confiança e postos de trabalho no Estado, formando uma boa meada a ser deslindada pela Polícia Federal.
Comentar
Compartilhe
Contas de Nahim com nota fiscal da empresa de Mauro Silva para Rosinha
20/11/2010 | 02h37
A nota fiscal no valor de 100 mil reais, de número 076 emitida pela empresa Lupe Consultoria Ltda – CGC:08574854/0001-93 – passaria despercebida na prestação de contas da prefeita cassada Rosinha Garotinho junto ao Tribunal Regional Eleitoral não fosse uma estratégia do seu cunhado, o prefeito interino de Campos, Nelson Nahim (PR). Enrolado com gastos de gravação de programas eleitorais, Nahim teve as contas referentes à campanha de 2008 rejeitadas pelo Tribunal. Encurralado pelas exigências da lei que vigorou na eleição daquele ano, que impunha inelegibilidade para o pleito seguinte a todos os candidatos com contas rejeitadas naquela eleição, Nahim foi buscar socorro nas contas da cunhada. Em recurso apresentado ao Tribunal, declarou que os custos de gravação foram arcados pela candidata majoritária, no caso, Rosinha. Apresentou como prova a nota fiscal da Lupe Consultoria. Ligações perigosas O que seria uma solução aparentemente fácil para um espinhoso problema, representou a exumação de um incômodo cadáver. A Lupe é uma empresa sediada na cidade de Rio Bonito, cuja propriedade até então era desconhecida aqui em Campos. A Somos foi em busca do proprietário e advinha quem encontrou: Mauro Silva, secretário de Comunicação de Nelson Nahim, que já foi secretário da prefeita cassada Rosinha Garotinho e também é homem de confiança de Anthony Garotinho, tendo desfilado pelos mais altos cargos das suas administrações e da sua família, como esposa e, agora, irmão. Braço direito Sempre muito esforçado, Mauro é o que pode se definir como homem que encontrou no grupo de Garotinho a porta aberta para a prosperidade. Neste seio, conseguiu ser proprietário do jornal O Diário, da rádio Diário FM, cotista da Band FM e dono da empresa de publicidade Coppy Mídia, que agenciou contas da prefeitura de Campos. Recentemente, ele reassumiu o grupo O Diário, mas, logo depois, passou o bastão para os atuais controladores. Também foi subsecretário de comunicação no governo Garotinho, atuou no governo Rosinha à frente do Estado e regressou à prefeitura como secretário de Comunicação com a vitória da mesma Rosinha Garotinho, para quem a Lupe (de propriedade de Mauro Silva) emitiu a nota fiscal 076 em 2008. Declaração de Rosinha não aponta doação Em meio a tanta informação, encontros, desencontros e reencontros, o fato mais surpreendente é que Nahim declarou ao Tribunal Regional Eleitoral que a empresa do seu atual secretário de Comunicação lhe prestou serviços na campanha de 2008 e Rosinha pagou a conta. Só que ela teria que ter declarado isso em sua prestação de contas. No entanto Rosinha declara nas contas eleitorais 593/2008 (fac-símile publicado) que não fez nenhuma doação naquela eleição. Por outro lado, Nahim também em sua prestação de contas não apresentou nenhum recibo dando conta de que recebeu a doação. Partidos reagem Pelo menos dois partidos já manifestaram intenção de oficiar o Tribunal Regional Eleitoral e comunicar o fato à Corregedoria Nacional de Justiça: PPS e PMDB. “Estamos analisando o caso sob todos os aspectos jurídicos, e o partido certamente vai se manifestar”, destacou o presidente do diretório municipal do PMDB, Ivanildo Cordeiro.Relações pouco recomendáveis Algumas das figuras que protagonizam esta relação pouco recomendável que mistura interesses empresariais e políticos são as mesmas que figuram no inquérito 001/2008, da Polícia Federal, que apura propriedade oculta de veículos de comunicação, mas que, segundo o corpo jurídico que defende o grupo de Garotinho, teria sido arquivado. Esta informação foi revelada na tribuna do TRE no dia do julgamento de Rosinha e Garotinho. Bomba relógio Agora resta avaliar qual o potencial que esse desencontro (ou encontro?) na prestação de contas de Nahim com nota sem recibo para Rosinha, que não declarou a doação, fornecida por Mauro Silva, ex-secretário de um e atual secretário do outro, e o mesmo que já figurou como proprietário do jornal O Diário e Rádio Diário FM, terá na eventual reabertura do inquérito federal que apura a real propriedade desses veículos de comunicação. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Bienal na Fundação Rural seria grátis por contrato anual com PMCG
13/11/2010 | 05h26
A 6ª Bienal do Livro de Campos atraiu milhares de pessoas para o interior de uma enorme tenda montada em plena Praça São Salvador, com o público utilizando incômodos banheiros químicos, lutando por uma vaga para o carro por falta de estacionamento, e provocando congestionamentos no já tumultuado centro de Campos. Toda esta desconfortável situação poderia ser evitada se a Fundação Cultural, presidida por Avelino Ferreira, tivesse feito um bom planejamento do evento e efetuado um contato com antecedência razoável com a Fundação Rural de Campos, presidida pelo empresário Lulu Aguiar. A Fundação Rural de Campos conta com um enorme pavilhão coberto, além de toda a estrutura necessária para hospedar eventos do porte da Bienal, como vários conjuntos de banheiros em pontos estratégicos do parque, farto estacionamento, segurança, portarias, salas de apoio, linhas telefônicas e espaços fechados que poderiam ter sido utilizados para realização dos variados eventos da Bienal. O mais incrível dessa mal contada história da localização da 6ª Bienal é que, de acordo com Lulu Aguiar, a prefeitura já possuía um contrato de prestação de serviço com a Fundação que se estenderá até junho de 2011 para a realização de todos os eventos culturais da Prefeitura de Campos. Portanto, a hospedagem da Bienal seria sem custo adicional algum, apenas a montagem. E esta, muito mais simples e drasticamente mais barata, por conta da pré-existência de estrutura de apoio, sem necessidade de alugar a barraca de 820 mil reais, banheiros e etc. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Mesma frequência faz Fms de São João da Barra duelarem no ar
20/11/2010 | 01h52
São João da Barra está vivendo um verdadeiro duelo no ar. Duas rádios FM comunitárias estão compartilhando a mesma frequência 87.9, a Rádio Barra FM e a Grussaí FM. A briga é boa e anda esquentando as orelhas dos ouvintes. Em São João da Barra ouve-se a Barra FM, mas é só chegar a Chapéu de Sol que a coisa complica. Em alguns locais as duas emissoras são ouvidas ao mesmo tempo, o que tem gerado reclamações dos usuários que alegam ter o direito de escolher qual emissora ouvir tolhido pela utilização da mesma frequência por determinação do Ministério das Comunicações. A Barra FM é uma das mais ouvidas em São João da Barra. Segundo o proprietário da Barra, Emilson Amaral, o problema com a frequência é uma história antiga. Antes de compartilhar a mesma frequência, 87.9 com a Grussaí FM, a rádio já tinha enfrentado o mesmo problema com uma rádio de São Francisco e a rádio Capital FM. De acordo com o proprietário da Barra FM, Emilson Amaral, a distância entre Grussaí e São João da Barra é de cerca de sete quilômetros. — Pela latitude e longitude que tem ter para o Ministério das Comunicações localizar onde são colocadas as torres, a concessão das duas estaria correta. Legalmente não existe nada de errado em nenhuma das duas concessões. Mas são necessários ajustes na legislação de rádio comunitária. Essa questão da frequência é uma delas. Nós preferiríamos que o Ministério das Comunicações autorizasse mudança da nossa frequência para 88.5, por exemplo, porque nos evitaria uma série de problemas. E também não queremos e não vamos trocar a frequência ilegalmente. A nossa rádio presta serviço de informação à população todos os dias das 8h às 12h. Se fizessem uma pesquisa veriam que ela é mais ouvida até do que a Ultra FM, uma emissora comercial do município — diz Emilson. Recentemente, um dos responsáveis pela Grussaí FM, conhecido como Luís Fernando, afirmou, na própria rádio, que eles também desejam se manter na legalidade. Segundo afirmou Luís Fernando na Grussaí FM, a equipe da rádio já tentou o diálogo e agora irá recorrer a todas as outras vias acessíveis. De acordo com Emilson Amaral, houve uma tentativa de diálogo entre as rádios Barra FM e Grussaí FM quando um funcionário da Grussaí FM, conhecido por Fabrício e que seria, segundo Emilson, um dos três sócios da emissora, fez algumas imposições que não foram aceitas pela Barra FM. “Esta conversa está gravada. A situação é chata, porque a frequência das duas rádios se encontram na região do SESC, além de em outras localidades de São João da Barra, como em Cajueiro. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Mesma frequência faz Fms de São João da Barra duelarem no ar
20/11/2010 | 01h52
São João da Barra está vivendo um verdadeiro duelo no ar. Duas rádios FM comunitárias estão compartilhando a mesma frequência 87.9, a Rádio Barra FM e a Grussaí FM. A briga é boa e anda esquentando as orelhas dos ouvintes. Em São João da Barra ouve-se a Barra FM, mas é só chegar a Chapéu de Sol que a coisa complica. Em alguns locais as duas emissoras são ouvidas ao mesmo tempo, o que tem gerado reclamações dos usuários que alegam ter o direito de escolher qual emissora ouvir tolhido pela utilização da mesma frequência por determinação do Ministério das Comunicações. A Barra FM é uma das mais ouvidas em São João da Barra. Segundo o proprietário da Barra, Emilson Amaral, o problema com a frequência é uma história antiga. Antes de compartilhar a mesma frequência, 87.9 com a Grussaí FM, a rádio já tinha enfrentado o mesmo problema com uma rádio de São Francisco e a rádio Capital FM. De acordo com o proprietário da Barra FM, Emilson Amaral, a distância entre Grussaí e São João da Barra é de cerca de sete quilômetros. — Pela latitude e longitude que tem ter para o Ministério das Comunicações localizar onde são colocadas as torres, a concessão das duas estaria correta. Legalmente não existe nada de errado em nenhuma das duas concessões. Mas são necessários ajustes na legislação de rádio comunitária. Essa questão da frequência é uma delas. Nós preferiríamos que o Ministério das Comunicações autorizasse mudança da nossa frequência para 88.5, por exemplo, porque nos evitaria uma série de problemas. E também não queremos e não vamos trocar a frequência ilegalmente. A nossa rádio presta serviço de informação à população todos os dias das 8h às 12h. Se fizessem uma pesquisa veriam que ela é mais ouvida até do que a Ultra FM, uma emissora comercial do município — diz Emilson. Recentemente, um dos responsáveis pela Grussaí FM, conhecido como Luís Fernando, afirmou, na própria rádio, que eles também desejam se manter na legalidade. Segundo afirmou Luís Fernando na Grussaí FM, a equipe da rádio já tentou o diálogo e agora irá recorrer a todas as outras vias acessíveis. De acordo com Emilson Amaral, houve uma tentativa de diálogo entre as rádios Barra FM e Grussaí FM quando um funcionário da Grussaí FM, conhecido por Fabrício e que seria, segundo Emilson, um dos três sócios da emissora, fez algumas imposições que não foram aceitas pela Barra FM. “Esta conversa está gravada. A situação é chata, porque a frequência das duas rádios se encontram na região do SESC, além de em outras localidades de São João da Barra, como em Cajueiro. Saiba mais AQUI.
Comentar
Compartilhe
Eike negocia Apple no Porto do Açu
20/11/2010 | 02h42
[caption id="attachment_441" align="aligncenter" width="630" caption="Eike Batista quer montadora da Apple no Açu"][/caption] Além de porto, siderúrgica, estaleiro etc.. São João da Barra pode ganhar uma montadora da Apple. Segundo O Estado de S.Paulo, Eike Batista cansou dos altos preços e de ter de esperar muito pelo lançamento dos produtos. Então decidiu que quer montar uma fábrica da empresa aqui no Brasil. A informação foi confirmada pelo próprio empresário, que questionou: "Por que a gente tem de pagar duas vezes e meia o preço de um iPad?". Eike agora negocia com dois grupos que montam os produtos de Steve Jobs na Ásia para trazer uma unidade e instalá-la em São João da Barra, no Distrito Industrial do Super Porto do Açu, onde serão investidos polpudos R$ 4,3 bilhões. Com funcionamento previsto para 2012, o empreendimento deverá atrair cerca de R$ 36 bilhões em outros investimentos. Segundo deeclarou ao jornal O Estado de São Paulo: "O importante é que o Açu, na área que a gente chama de Vale do Silício do Açu, comporta trazer esse tipo de empresa. Até porque o porto também vai ter um aeroporto alfandegário. Esses componentes eletrônicos podem vir de avião, não necessariamente de navio", ressaltou Eike. "O aeroporto alfandegário vai permitir fazer a parte de maior valor agregado, tecnológica, para o complexo do Açu. É o creme da cereja aí."
Comentar
Compartilhe
“As Meninas de Guarus” - Uma história sórdida
18/11/2010 | 11h55
[caption id="attachment_424" align="aligncenter" width="591" caption="Exemplares da Revista Somos Assim com reportagens sobre o caso das "Meninas de Guarus" solicitados pelo deputado Geraldo Pudim"][/caption] O assunto, infelizmente, é compulsoriamente velho, mas a vereadora Odisséia Carvalho novamente denunciou na Câmara de Vereadores que está havendo exploração sexual de crianças em Campos. Todo mundo já está careca de saber que o combate à pedofilia em Campos poderia ter avançado grandes passos se o inquérito sobre uma rede de prostituição e exploração sexual de menores, caso tristemente famoso como “As Meninas de Guarus”, envolvendo drogas, prostituição, extorsão e homicídios, a cargo do Ministério Público Estadual (MPE), sob a tutela do promotor Leandro Manhães, que apesar de já ter feito aniversário de um ano do prazo dado por ele para indiciar os envolvidos, tivesse mostrado resultados proporcionais ao logo tempo dessa investigação. Agora, quem vai colocar fogo nessa história cabeluda é o deputado Pudim, que pretende levar a denúncia para outras e váriadas instâncias em Brasília. Para tanto, já solicitou exemplares de todas as edições da revista Somos Assim que investigaram o assunto. Nem tudo pode ser publicado pela revista por segredo de justiça, como o nome dos envolvidos, alguns de alto escalão, mas isso só vale até os suspeitos serem indiciados. Se forem...
Comentar
Compartilhe
Atualização: Compra de Votos - Ouça a “Mãe de todas as Confissões”...
01/11/2010 | 05h25
Voto por botijão de gás e votos com lanche de brinde... Ontem, durante a cobertura da apuração da eleição, o radialista Barbosa Lemos, da Campos Difusora, entrevistava ao vivo o advogado Jamilton Damasceno sobre a prisão em flagrante do irmão do deputado João Peixoto por suspeita de compras de votos, quando o coordenador de campanha de João Peixoto, Alcemir da Silva, conhecido com Teté, ligou para a Difusora e pediu a palavra na entrevista. Na ânsia de defender o seu chefe, Teté disse que não foi nada daquilo e que, na realidade, no dia das eleições, ele havia "emprestado" 50 reais para Agildo, o irmão do deputado, comprar um botijão de gás lá na localidade de Santa Ana (onde Agildo não reside), como o gás custou apenas 38 reais, com os 12 reais de troco ele comprou o lanche que foi consumido por uma eleitora (que foi presa com ele). Só isso... A equipe do blog teve acesso exclusivo às gravações do programa da Campos Difusora com as entrevistas do radialista Barbosa Lemos.

NADA MELHOR DO QUE OUVIR O REVELADOR DIÁLOGO.

CONFIRAM ABAIXO:

A mãe de todas as confissões - parte I A mãe de todas as confissões - parte II A mãe de todas as confissões - parte III Surpresa Até o próprio advogado entrevistado foi surpreendido por aquela confissão espontânea. Segundo ele, “foi a mãe de todas as confissões”. Mais provas para Polícia Federal Teté deverá ser chamado para depor na Polícia Federal e a gravação do programa deverá ser requisitada como prova para o inquérito da PF que apura o flagrante de compra de votos, antes só com lanches de brinde, agora com botijão de gás também...
Comentar
Compartilhe
Catarinenses lamentam perda do estaleiro para São João da Barra
22/11/2010 | 12h39
[caption id="attachment_481" align="aligncenter" width="544" caption="O prefeito de Biguaçu, José Castelo Deschamps, e o projeto do estaleiro que perderam para São João da Barra"][/caption] Enquanto aqui tem gente que reclama, em Santa Catarina tem gente que chora. O prefeito do município catarinense de Biguaçu, que perdeu o Estaleiro OSX/Hyundai para São João da Barra, José Castelo Deschamps, começou assim o seu pronunciamento pela perda do mega investimento: “A emoção superou a razão” “Hoje é um dia muito triste para o estado de Santa Catarina e, em especial, para o povo biguaçuense, que acaba de perder a oportunidade de sediar o maior empreendimento náutico da América Latina, capaz de empregar 14 mil pessoas e garantir emprego e renda para muitas gerações, sem prejudicar o meio ambiente, pois todos os estudos científicos comprovavam que as medidas mitigadoras propostas pelo projeto seriam eficazes”. Em outro trecho: “Biguaçu sofre muito neste momento, mas não vai sumir do mapa nem entregar os pontos apenas porque perdeu a oportunidade de sediar um grande investimento. Vamos continuar trabalhando para garantir o desenvolvimento sustentável da nossa cidade, pois acreditamos na capacitação profissional e na força de trabalho e de superação do nosso povo. Perdemos uma batalha, mas não vamos perder a guerra para superar o pessimismo e vencer o fanatismo, os preconceitos e os erros que nos impuseram esta lastimável experiência”. Veja o pronunciamento na íntegra Aqui: Lojistas de Santa Catarina também lamentam perda do porto. O Presidente da Federação das CDLs (FCDL SC), Sergio Medeiros, declarou, "A decisão da empresa representa um grande prejuízo para o estado, especialmente pelo investimento programado. "É preciso mudar a visão de que os empreendedores só querem destruir". Veja Aqui.
Comentar
Compartilhe
Eike negocia Apple no Porto do Açu
20/11/2010 | 02h42
[caption id="attachment_441" align="aligncenter" width="630" caption="Eike Batista quer montadora da Apple no Açu"][/caption] Além de porto, siderúrgica, estaleiro etc.. São João da Barra pode ganhar uma montadora da Apple. Segundo O Estado de S.Paulo, Eike Batista cansou dos altos preços e de ter de esperar muito pelo lançamento dos produtos. Então decidiu que quer montar uma fábrica da empresa aqui no Brasil. A informação foi confirmada pelo próprio empresário, que questionou: "Por que a gente tem de pagar duas vezes e meia o preço de um iPad?". Eike agora negocia com dois grupos que montam os produtos de Steve Jobs na Ásia para trazer uma unidade e instalá-la em São João da Barra, no Distrito Industrial do Super Porto do Açu, onde serão investidos polpudos R$ 4,3 bilhões. Com funcionamento previsto para 2012, o empreendimento deverá atrair cerca de R$ 36 bilhões em outros investimentos. Segundo deeclarou ao jornal O Estado de São Paulo: "O importante é que o Açu, na área que a gente chama de Vale do Silício do Açu, comporta trazer esse tipo de empresa. Até porque o porto também vai ter um aeroporto alfandegário. Esses componentes eletrônicos podem vir de avião, não necessariamente de navio", ressaltou Eike. "O aeroporto alfandegário vai permitir fazer a parte de maior valor agregado, tecnológica, para o complexo do Açu. É o creme da cereja aí."
Comentar
Compartilhe