Registro indeferido
31/07/2010 | 19h51
Realmente o deputado João Peixoto não anda nos seus melhores dias, como citei há pouco (aqui). Como noticiou Suzy Monteiro (aqui) ele teve o registro da candidatura indeferido pelo TRE.
Comentar
Compartilhe
Perturbação do sossego dá multa
31/07/2010 | 17h14
Foi no Distrito Federal. O vizinho barulhento, dono de um bar, vai ter que pagar R$ 32 mil. A notícia está em O Globo Online (aqui). Se a moda pega cá na planície, vai ter muita gente levando prejuízo.
Comentar
Compartilhe
Surpresas eleitorais
31/07/2010 | 17h04
Toda vez que começa a campanha eleitoral é assim. Vitórias dadas como certas começam a fazer água e candidatos considerados favas contadas para a derrota surpreendem agregando eleitores. Ainda faltam pouco mais de dois meses para as eleições, mas a movimentação que se vê já mostra que previsões aparentemente consolidadas podem acabar não se confirmando. Um exemplo é o deputado estadual João Peixoto (PSDC), político experiente, que sempre, com todas as polêmicas, acaba obtendo bons resultados nas urnas. Mas ele definitivamente não anda em seus melhores dias. Ficou em cima do muro até quando pôde e acabou provocando a reação de Garotinho, que sentenciou: “Quem quiser votar em João Peixoto não vote em mim”. No dia seguinte o vereador Kelinho (PR), seu fiel escudeiro, anunciou apoio ao colega de partido Geraldo Pudim, que também concorre à Alerj. Enquanto isso, o outro deputado estadual eleito por Campos, Wilson Cabral (PSB) cuja reeleição muitos consideravam missão impossível, anda dando uma de mineiro. Sem muito alarde e longe das polêmicas, vai angariando novos aliados e já está pronto para inaugurar seu terceiro comitê, desta vez no coração da Pelinca. E os encontros que promove têm registrado um público expressivo, considerando o clima frio de campanha que ainda impera na cidade. É lógico que há muita coisa para rolar e eleição é sempre uma caixinha de surpresas, mas já tem apostador preocupado.
Comentar
Compartilhe
Audiência pública
31/07/2010 | 13h22
O economista Alcimar das Chagas Ribeiro, do excelente blog Economia do Norte Fluminense (aqui), faz uma análise interessante sobre a audiência pública promovida na última quarta-feira em São João da Barra com o objetivo de obtenção do licenciamento ambiental para a unidade de tratamento de petróleo do porto do Açu. Para não fugir à regra, não faltaram discursos ensaiados.
Comentar
Compartilhe
Mesários voluntários
29/07/2010 | 10h32
Em Campos, 100% dos eleitores que vão trabalhar como mesários na 98ª Zona Eleitoral são voluntários, ou seja, não foram convocados pela Justiça Eleitoral e sim inscritos por conta própria para participar das eleições. O trabalho é gratuito mas tem suas vantagens: o mesário pode ser beneficiado em critério de desempate de muitos concursos públicos e ganha o direito a dois dias de folga para cada um trabalhado. Mais informações (aqui).
Comentar
Compartilhe
Negócios da China
27/07/2010 | 21h28
Um grupo de empresários da região embarca em outubro para a China, principal parceiro comercial brasileiro, onde acontece a Feira do Cantão, um dos maiores eventos de negócios do mundo. A missão será liderada pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil China e pelo escritório Pizelli Advogados. Serão cinco dias de visita à feira, que acontece na província de Guangzhou, e ocupará este ano uma área superior a um milhão de metros quadrados. Em 2009 a feira atraiu 55 mil expositores e movimentou R$ 69 bilhões em negócios.
Comentar
Compartilhe
Agenda cultural
27/07/2010 | 21h21
Campos é uma das 100 cidades selecionadas para sediar a mostra Vídeo Índio Brasil 2010, que acontece de 31 de julho a 7 de agosto. Da programação constam exibição de filmes, debates e exposição de quadros. O evento é realizado em parceria pela secretaria municipal de Educação, Museu Olavo Cardoso e Fundação Cultural Jornalista Osvaldo Lima, onde acontece a mostra. A coordenação é das educadoras Carmen Eugênia Sampaio Gomes e Sylvia Márcia Paes, do Grupo Unsum, e do animador cultural Antônio Luiz Baldan. A Faculdade de Medicina de Campos promove de 23 a 27 de agosto mais uma Semana Cultural Renato Moretto, com mostra de cinema, exposição de artes plásticas e o IV Sarau da FMC. O produtor cultural Wellington Cordeiro anuncia o Projeto Brega – uma sátira do cotidiano, no Espaço Plural do Sesc Campos. Nesta quarta, às 20h, apresentação da performance “É chique ser brega”, e na quinta, no mesmo horário, show com o cantor Zéu Britto. Para fechar, na quinta, festa brega às 22h no BarBearia.
Comentar
Compartilhe
Viva o Monitor
26/07/2010 | 10h36
Ando meio devagar nas postagens por conta de compromissos profissionais e de um cabrunco de reumatismo que afetou todo o meu braço direito e incomoda um bocado. Mas ao longo da semana, que começa mais tranquila, volto ao ritmo normal aqui no espaço, prometo. Por hora, o registro é para a turma bacana do Monitor Campista, que está anunciando a sétima edição do seu arraiá. Vai ser no dia 21 de agosto, em local ainda a ser confirmado. O Monitor, todo mundo sabe, já não circula mais desde novembro do ano passado. Mas se depender dos coleguinhas da redação, sua história não vai morrer nunca.
Comentar
Compartilhe
Cabral não vai a debates
21/07/2010 | 18h06
Uma pena que o governador Sérgio Cabral não queira participar de debates (aqui). A estratégia é quase sempre utilizada por candidatos com vantagem nas pesquisas, principalmente se busca a reeleição, porque ele perde muito mais do que ganha no confronto com os adversários. Mas com certeza a perda maior é do eleitor. Os debates são sempre momentos de grande oportunidade para que o eleitor possa decidir seu voto.
Comentar
Compartilhe
Viagem barulhenta
15/07/2010 | 15h16
Há anos faço diariamente o trajeto de ônibus entre São João da Barra, onde moro, e Campos, onde trabalho. Uma hora de ida, uma hora de volta. Invariavelmente pela Campostur, única empresa que detém a concessão da linha intermunicipal. Costumo dizer que já colecionei memórias suficientes para a edição de um livro de crônicas sobre minhas viagens de Campostur, de tantas histórias malucas que acabo presenciando no percurso deste pequeno trecho da BR 356. Algumas divertidas, outras tristes, outras surreais. Mas o destaque fica mesmo com as irritantes. A empresa tem lá suas falhas. Poltronas desconfortáveis, motores barulhentos, carros velhos que vivem quebrando pelo caminho — se bem que já vi sucatas piores nas linhas circulares de Campos —, passageiros em pé, passagem absurdamente cara. Claro que são problemas que a empresa precisa corrigir e o Detro cumprir seu papel de fiscalizar. Só que a conversa aqui é outra: diz respeito à falta de noção de alguns passageiros, que tornam a já desconfortável viagem uma aventura estressante. Eu já ouvi relatos inteiros sobre os mais privados detalhes de uma vida familiar, conjugal, contados por passageiros aos vizinhos de poltrona que acabaram de conhecer. E a um volume de voz que compartilha a intimidade com outras dezenas de desconhecidos. Sabe aquilo de sentir vergonha pelos outros? E as conversas em último volume por telefone, os toques escandalosos dos celulares? Ninguém vai exigir silêncio absoluto, lógico. Mas tem passageiro, sinceramente, que devia ter botão de stop ou pause. Tem gente que estapeia os filhos, grita os amigos pela janela, cisma de armar barraco do nada, talvez só para proporcionar alguma emoção a um dia monótono. O restante dos passageiros que se lasque diante das cenas constrangedoras e barulhentas. Sem contar com o desrespeito de quem viaja sem camisa e de quem ocupa os lugares destinados aos idosos e deficientes. Agora, no quesito irritante, o campeão absoluto é o som. Aliás, não é só irritação como descumprimento da lei. Assim como fumar, não é permitido o uso de aparelhos sonoros nos ônibus. E ponto. Pouco importa se alto ou baixo, se funk ou new age. Mas essa febre de celulares com MP3 está acabando com o sossego de quem gosta de viajar quieto, lendo um livro ou estudando. Às vezes é mais de um e o ônibus inteiro vira uma grande confusão sonora. Motoristas e cobradores nunca advertem. Por incrível que pareça, muitos ônibus têm seus próprios sistemas de som, com caixas distribuídas ao longo do corredor, e o DJ acaba sendo o próprio motorista. A empresa sabe que isso acontece e não faz nada. Sequer treina seus funcionários para que possam assegurar aos passageiros uma viagem tranquila. Já vi um cobrador se recusar a atender ao apelo de um passageiro incomodado com o engraçadinho ao lado que havia esquecido o fone de ouvido em casa — tem um monte que sempre esquece. Transporte coletivo é serviço essencial, tanto que precisa de concessão pública para funcionar. Tem normas a seguir. Por outro lado, educação e respeito são valores que independem da eficácia do trabalho de quem deve fiscalizar. É simples: viver em coletividade significa entender que nossos direitos só podem ser exercidos quando não violam os direitos das outras pessoas. Isso vale para o vizinho de ônibus, de casa, do trabalho. Vale para tudo.
Comentar
Compartilhe
O fim das palmadas
14/07/2010 | 12h58
A polêmica sobre a proibição das chamadas “palmadas educativas” — acho a expressão totalmente contraditória — está de volta. Quem provoca o debate é a jornalista gente boa Rose David, no Estou procurando o que fazer, que reproduzo (aqui) para voltar ao tema, assumindo a minha postura de defensora radical do fim dos castigos físicos, seja em maior ou menor intensidade. Já abordei o assunto em dois posts, um explicando as fases de tramitação do projeto no Brasil e os argumentos (aqui), outro publicando uma entrevista exclusiva ao blog da deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), autora do projeto de lei (aqui).
Comentar
Compartilhe
Dengue: alto risco em SJB e Italva
12/07/2010 | 16h13
Os números são do movimento “Rio contra a dengue”, do governo estadual: o mapa do Levantamento do Índice de Infestação Rápido para Aedes aegypt (LIRAa) aponta São João da Barra como o município com maior Índice de Infestação Predial (IIP) do mosquito transmissor da doença. Em seguida, também com percentual expressivo, aparece Italva. O levantamento é realizado em média a cada quatro meses pelos municípios, através de amostragem, com a visita de agentes de Saúde às residências e outros imóveis. É esse trabalho que origina o IIP médio do município, representando o percentual de imóveis com a presença de criadouros que contenham larvas do mosquito. Os números que acabam de ser divulgados são referentes a maio. Dos 92 municípios fluminenses, 67 realizaram o LIRAa e enviaram os resultados à secretaria estadual de Saúde e Defesa Civil. O levantamento dos 67 municípios mostra o seguinte quadro: 48% em situação de baixo risco – IIP menor que 1% 46% em estado de alerta – IIP entre 1 e 3,9% 6% em situação de alto risco – IIP acima de 4% Com alto risco são quatro municípios: São João da Barra – IIP de 9,8% Italva – IIP de 8,5% Tanguá – IIP de 4,6% Carapebus – IIP de 4,5% O IPP de Campos é de 2,3%, ou seja, situação de alerta. Os resultados correspondem aos índices médios, o que quer dizer que dentro dos municípios podem ser encontradas áreas de alto risco e de baixo risco. Cabe, portanto, às secretarias municipais de Saúde, uma análise mais detalhada para definir a forma de atuação no trabalho de combate à dengue. Como visto, a situação é grave. Mas é importante ressaltar que a responsabilidade deve ser compartilhada entre poder público e sociedade. É claro que o papel das secretarias municipais de Saúde é fundamental, mas hoje, com tantas campanhas amplamente divulgadas, é inadmissível que as pessoas ainda não saibam como evitar a proliferação dos criadouros em casa. E ainda tem gente, por incrível que pareça, que não está nem aí. Outra questão, e essa específica de São João da Barra, é que o problema se agrava, principalmente nas regiões de praia, por causa das casas de veraneio que permanecem fechadas no inverno. Mas aí a solução é agilizar autorizações judiciais para que os agentes possam entrar nas residências.
Comentar
Compartilhe
Tem ladrão na área
12/07/2010 | 11h19
O sujeito é moreno, possui bigode, aparenta ter de 30 a 35 anos e usa boné preto. Também costuma trajar uma camisa do Milan. Há mais de um mês circula de bicicleta entre a Câmara Júnior, Palácio da Cultura, Santa Casa, Pelinca, IFF e Salesiano, sempre no fim da tarde. Aborda as vítimas com um revólver. Leva carteira e celular. Volta e meia a polícia é chamada, mas o bandido foge a tempo. No dia seguinte, volta tranquilamente para retomar sua rotina de assaltos.
Comentar
Compartilhe
A ilusão do mito
11/07/2010 | 12h41
Os requintes de crueldade do crime são únicos, mas o caso Bruno em si é um clássico da série heróis que se tornam vilões. A questão é: quem criou o monstro? Não é o caso, obviamente, de atribuir co-autoria a mais ninguém, exceto, lógico, àqueles que participaram do episódio brutal, mas sim de compreender como a sociedade tem o poder de contribuir para dar vazão a uma psicopatia que andava lá quieta, naturalmente reprimida, e que a idolatria tratou de fazer aflorar. O problema é que quando alguém faz um trabalho bem feito, e esse trabalho envolve a paixão de milhões de pessoas, como é o caso do futebol, o trabalhador em questão se torna um ser acima do bem e do mal, alguém inquestionável, superior. Do lado de cá, dos simples mortais, alimentamos a vaidade, copiamos moda, chamamos o politicamente incorreto de estilo, irreverência, originalidade. O sujeito, que antes nem sonhava freqüentar os endereços do luxo, agora pode, todos os dias se quiser. Mas não lhe cobram a conta. Afinal, é o cara. Para ele, a lei é mais branda, as regras sociais são mais flexíveis. E de concessão em concessão vão sendo galgados os degraus da fama e da riqueza, do poder e da adoração. Então, vez por outra, bate o choque de realidade. E feito novelo de lã o mito se desfaz. Descobrimos da forma mais estúpida que os sinais estavam ali, batendo à porta, mas o perfil do ídolo ofuscava a personalidade do ser humano. Há muito mais psicopatas do que se possa imaginar cruzando nossos caminhos. O provável é que a maioria nunca chegue a nos barbarizar, porque seus desejos de horror vão esbarrar nos limites impostos aos homens comuns. E uma pessoa só deixa de ser comum quando construímos a celebridade. Ninguém é obrigado, seja quais forem as circunstâncias, a ser bandido. E não serão a ascensão social rápida, a convivência prematura com a barbárie, que a banaliza, ou a hipocrisia do mundo dos holofotes argumentos para absolver nossos heróis de mentirinha por conta da suposta vitimização pelo sistema. A fama e o sucesso não só cobram caro, como demandam obrigações que não podem ser negociáveis em nome da demagogia. No fim das contas, famoso ou anônimo, quem mata, seja fútil ou não o motivo, o faz porque em algum momento julgou sua vida e, por conseqüência, seus interesses, mais importantes que os do outro. Por mais que pareça enfadonho o discurso, ou lugar comum, é preciso desde muito cedo fazer perpetuar os mais caros valores de uma sociedade, nos grandes e pequenos exemplos. Mostrar aos nossos filhos que eles não são menos nem mais. São iguais. Têm deveres iguais. Pertencem a um todo que deve, ou pelo menos deveria, ser homogêneo no quesito responsabilidade. E então, se se tornarem homens prósperos, talentosos, brilhantes, mesmo assim saberão que continuam somente pessoas, e isso já é privilégio bastante.
Comentar
Compartilhe
Crueldade com animais
10/07/2010 | 17h23
A boa notícia vem de Alagoas. O estado nordestino é o oitavo do país a proibir por lei a apresentação de animais em circos. Há tempos este espetáculo deprimente de exploração já deveria ter sido abolido. Mas aos poucos a proteção vai ganhando novos territórios. Porém, infelizmente, a luta para dar fim a outro tipo de crueldade com animais, que acontece nos rodeios, ainda enfrenta resistência. Talvez pelo poderio econômico que envolve a estrutura dos eventos. Nos Estados Unidos, berço dos rodeios, já houve avanço e vários estados proibiram a diversão de humanos à custa do sofrimento de animais, mas no Brasil ainda falta muito para mudar esta cultura cruel. Confira o vídeo: [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=-kA5OKNc2nc[/youtube]
Comentar
Compartilhe
Assim fica difícil
06/07/2010 | 10h44
São números como os do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgados ontem pelo ministério da Educação, que municiam de argumentos os defensores da redistribuição dos royalties do petróleo. Como explicar Cambuci e Sumidouro entre as melhores notas do Estado do Rio e São João da Barra e Campos na lanterna?
Comentar
Compartilhe
Covardia
03/07/2010 | 19h31
O povo brasileiro é solidário e sempre chega junto nas campanhas que têm como objetivo minimizar o sofrimento de famílias que perderam tudo em catástrofes da natureza, com agora em Alagoas e Pernambuco. Mas, infelizmente, tem gente que se aproveita da situação para lucrar, conforme divulgado hoje no site de O Globo (aqui). Quem vende ou desvia donativos devia responder por crime hediondo. Lembrei de uma imagem revoltante da época das chuvas em Santa Catarina: um jovem casal de classe média encosta o carro em um galpão lotado de roupas e calçados, enche a mala e vai embora tranquilo. Creio que a maioria das doações chega de fato ao seu destino, mas esse tipo de atitude covarde causa desconfiança e pode acabar reduzindo a ajuda. É preciso punir severamente quem gosta de levar vantagem com a tragédia alheia. Não sei, sinceramente, se algum tipo de sanção educativa, como trabalho comunitário, dê resultado. Quem tem coragem de fazer isso não vai ter peso na consciência. Tem que ser cadeia mesmo.
Comentar
Compartilhe
Em busca de um recorde
03/07/2010 | 15h40
Partidários do ex-governador Garotinho, passada a surpresa inicial pela mudança de planos, já esbanjam entusiasmo com a possibilidade de extraordinário resultado nas urnas do grande puxador de legenda do PR. Falam em 800 mil votos. Os mais otimistas sonham com a marca de um milhão. Um desafio e tanto. Na última eleição, o deputado federal mais votado do Estado do Rio foi o verde Fernando Gabeira. Teve perto de 300 mil votos dos quase 11,5 milhões de eleitores. Mas o recorde absoluto entre os deputados fluminenses é do cantor Agnaldo Timóteo. Foi candidato em 1982, pelo PDT de Leonel Brizola, e conquistou 503 mil votos. À época eram seis milhões de eleitores.
Comentar
Compartilhe
Câmara deveria cancelar recesso
02/07/2010 | 19h16
Depois da posse de Nélson Nahim como prefeito, na próxima segunda, o novo presidente da Câmara, Rogério Matoso, bem que podia cancelar o recesso parlamentar do meio do ano. Com toda esta crise política instalada no município, não faz sentido que os vereadores permaneçam de folga.
Comentar
Compartilhe
Sem torcida
02/07/2010 | 19h11
Com a seleção de Gana fora da disputa, resta torcer para que vença o melhor futebol. A única exceção, claro, é quanto à Argentina. Por hora, chega de sofrer. Já basta ser vascaína.
Comentar
Compartilhe
Passeata contra a cassação
02/07/2010 | 15h50
Os protestos contra o afastamento da prefeita Rosinha Garotinho pelo visto estão só começando. Depois do fechamento de trechos da BR 101 agora é passeata. A convocação é para a manhã deste sábado, saindo às 9h da rua 21 de Abril, em frente ao escritório do deputado federal Geraldo Pudim.
Comentar
Compartilhe
Noite de protestos nas rodovias
02/07/2010 | 13h26
Produtores rurais do quinto distrito sanjoanense protestaram ontem contra as desapropriações de terras na região, que começam a acontecer para atender ao complexo portuário do Açu. Os manifestantes interditaram a BR 356, na altura de Caetá, usando carros e tratores. O engarrafamento chegou a cinco quilômetros. No mesmo instante, em Campos, o então presidente da Câmara, Nélson Nahim, hoje prefeito, era aguardado para ser oficialmente comunicado sobre o afastamento da prefeita Rosinha. Mais tarde pipocaram protestos em vários trechos da BR 101 contra a decisão do TRE e chegou a haver uma confusão sobre o motivo da manifestação na rodovia que liga Campos a São João da Barra. Aliás, os proprietários de terras do quinto distrito planejam repetir o barulho, desta vez na capital.
Comentar
Compartilhe
Agora é Gana
02/07/2010 | 13h00
E o sonho do hexa adiado por mais quatro anos. A partir de agora passo a torcer pela seleção de Gana, que enfrenta logo mais o Uruguai.
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Júlia Maria de Assis

[email protected]